Pimenta: procuradores que ironizaram luto de Lula são lástima para a humanidade

"O caráter dessas pessoas - exposto nestas e outras mensagens da #VazaJato - explica porque não têm escrúpulos e rasgam a Constituição e toda a legislação que regula o MPF. São uma vergonha para o funcionalismo público e uma lástima para a humanidade. Não à toa apoiaram Bolsonaro", afirmou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS)

(Foto: Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (RS), bateu duro em procuradores da Operação Lava Jato, que ironizaram a morte de Dona Marisa Letícia em 2017. 

"O caráter dessas pessoas - exposto nestas e outras mensagens da #VazaJato - explica porque não têm escrúpulos e rasgam a Constituição e toda a legislação que regula o MPF. São uma vergonha para o funcionalismo público e uma lástima para a humanidade. Não à toa apoiaram Bolsonaro", escreveu o parlamentar no Twitter.

"As pessoas que fizeram piada com a dona Marisa Letícia são PROCURADORES DA REPÚBLICA! São funcionários públicos pagos com o mais alto salário e a melhor estrutura do Estado para aperfeiçoar a sociedade. Falharam feio como servidores. Falharam miseravelmente como humanidade", acrescentou.

De acordo com as novas revelações do Intercept Brasil, desta vez em parceria o  site Uol, o procurador Deltan Dallagnol comparou a então esposa do ex-presidente Lula a um vegetal (confira aqui).

O procurador da Lava Jato Januário Paludo ironizou a possibilidade de Lula ir ao enterro de Vavá, irmão dele falecido em janeiro por causa de um câncer. "Eu acho que ele tem direito a ir. Mas não tem como", diz o procurador Antônio Carlos Welter no Telegram. "O safado só queria passear e o Welter com pena", disse Paludo (veja aqui).

Ao comentar o velório de Arthur Lula da Silva, de 7 anos, neto de Lula, o procurador Roberson Pozzobon afirmou que o ex-presidente estava tentando utilizar a morte do neto como “uma estratégia para se humanizar”. "Como se fosse possível no caso dele", complementou (leia aqui).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247