Presos receberam comida com bituca de cigarro

Segundo reportagem da TV Tarobá (Band), a cadeia pública de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, a estrutura precária para dezoito abriga 160 presos, que relatam carne estragada que vem com bituca de cigarro e, de brinde, tem rato morto que fica na parte externa da cela; "Eles não estão sendo tratados como porcos porque porcos são melhores tratados do que eles", disse o promotor Caio Bergamo Marques

Segundo reportagem da TV Tarobá (Band), a cadeia pública de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, a estrutura precária para dezoito abriga 160 presos, que relatam carne estragada que vem com bituca de cigarro e, de brinde, tem rato morto que fica na parte externa da cela; "Eles não estão sendo tratados como porcos porque porcos são melhores tratados do que eles", disse o promotor Caio Bergamo Marques
Segundo reportagem da TV Tarobá (Band), a cadeia pública de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, a estrutura precária para dezoito abriga 160 presos, que relatam carne estragada que vem com bituca de cigarro e, de brinde, tem rato morto que fica na parte externa da cela; "Eles não estão sendo tratados como porcos porque porcos são melhores tratados do que eles", disse o promotor Caio Bergamo Marques (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Blog do Esmael - Integrantes de Comissão de Vistoria na cadeia pública de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, realizada pela Vigilância Sanitária, Ministério Público e Secretaria de Justiça ficaram alarmados com o que viram.

Segundo reportagem da TV Tarobá (Band), a estrutura precária para dezoito abriga 160 presos, que relatam carne estragada que vem com bituca de cigarro e, de brinde, tem rato morto que fica na parte externa da cela.

"Eles não estão sendo tratados como porcos porque porcos são melhores tratados do que eles", disse Caio Bergamo Marques, promotor de Justiça de Marechal Cândido Rondon.

A tendência é que a comissão de vistoria recomende a interdição da cadeia pública.

Assista ao vídeo:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email