Professora agredida por seguranças da Alep é processada por desacato

No dia 4 de novembro do ano passado, o governador Beto Richa (PSDB) ligou o tratoraço na Assembleia Legislativa do Paraná e aprovou a prorrogação dos mandatos de 2,1 mil diretores de escolas da rede pública estadual; professores pediram novas eleições e protestaram contra a medida; uma das professoras que foi agredida naquele dia, Sandra Gomes, está sendo processada por “desobediência, desacato e resistência”; isso mesmo, a docente de Paranavaí terá que se explicar por ter sido agredida na “Casa do Povo”

No dia 4 de novembro do ano passado, o governador Beto Richa (PSDB) ligou o tratoraço na Assembleia Legislativa do Paraná e aprovou a prorrogação dos mandatos de 2,1 mil diretores de escolas da rede pública estadual; professores pediram novas eleições e protestaram contra a medida; uma das professoras que foi agredida naquele dia, Sandra Gomes, está sendo processada por “desobediência, desacato e resistência”; isso mesmo, a docente de Paranavaí terá que se explicar por ter sido agredida na “Casa do Povo”
No dia 4 de novembro do ano passado, o governador Beto Richa (PSDB) ligou o tratoraço na Assembleia Legislativa do Paraná e aprovou a prorrogação dos mandatos de 2,1 mil diretores de escolas da rede pública estadual; professores pediram novas eleições e protestaram contra a medida; uma das professoras que foi agredida naquele dia, Sandra Gomes, está sendo processada por “desobediência, desacato e resistência”; isso mesmo, a docente de Paranavaí terá que se explicar por ter sido agredida na “Casa do Povo” (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Blog do Esmael - No dia 4 de novembro do ano passado, o governador Beto Richa (PSDB) ligou o tratoraço na Assembleia Legislativa do Paraná e aprovou, por 33 votos a 13, a prorrogação dos mandatos de 2,1 mil diretores de escolas da rede pública estadual.

Mas esse não foi o único golpe contra a democracia ocorrido naquele dia. Inconformado com os protestos de professores nas galerias da Alep, o então presidente da casa Valdir Rossoni (PSDB), mandou que fossem retirados à força dezenas de educadores presentes, que acabaram sendo espancados pelos seguranças da Casa.

Veja o vídeo:

Acontece que uma das professoras que foi agredida naquele dia, Sandra Gomes, está sendo processada por “desobediência, desacato e resistência”. Isso mesmo, a professora de Paranavaí terá que se explicar por ter sido agredida na “Casa do Povo”.

Por essas e outras, a professora Sandra e os educadores de um modo geral, devem se juntar à luta da Fiep pela redução dos salários dos deputados. Eles merecem o que ganham — R$ 26 mil, fora o gabinete — para ficar puxando o saco do governador Beto Richa?

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247