Requião: a quem serve esta “bobagem” de foro para juízes e promotores?

A CCJ do Senado adiou mais uma vez a votação do relatório que prevê punição ao abuso de autoridade; a promessa é que na próxima quarta-feira, dia 26 de abril, a matéria seja definitivamente apreciada pelos senadores; um pedido de vista do senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), na CCJ, impossibilitou o texto elaborado pelo relator Roberto Requião (PMDB-PR); “Randolfe Rodrigues propõe foro privilegiado para juízes e promotores! Serve a quem esta bobagem?”, questionou Requião

Plenário do Senado durante Sessão deliberativa ordinária.

Em discurso, senador Roberto Requião (PMDB-PR)

Foto: Moreira Mariz/Agência Senado
Plenário do Senado durante Sessão deliberativa ordinária. Em discurso, senador Roberto Requião (PMDB-PR) Foto: Moreira Mariz/Agência Senado (Foto: Leonardo Lucena)

Blog do Esmael - A CCJ do Senado adiou mais uma vez a votação do relatório que prevê punição ao abuso de autoridade.

A promessa é que na próxima quarta-feira, dia 26 de abril, a matéria seja definitivamente apreciada pelos senadores.

Nesta quarta (19), um pedido de vista do senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), na CCJ, impossibilitou o texto elaborado pelo relator Roberto Requião (PMDB-PR).

“Randolfe Rodrigues propõe foro privilegiado para juízes e promotores! Serve a quem está bobagem?”, disparou o relator.

Requião também não poupou os demais colegas que em todas as sessões da CCJ pediram vista, mas, segundo ele, não contribuíram com nenhuma proposta ao relatório. “Só querem aparecer na TV Senado”, atacou.

O relator do abuso de autoridade não deixou de ironizar diversas vezes o “jogral” do procurador Deltan Dallagnol, que pede em vídeo mobilização contra a proposta que tramita no Congresso Nacional.

Ao final da sessão da CCJ, Requião pergunta: por que juízes e promotores mereceriam foro privilegiado?

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247