Requião: ‘não é Lula que será julgado e sim o Estado Social’

Um dos maiores críticos do governo golpista de Michel Temer e da seletividade da Operação Lava Jato nas condenações de políticos, o senador Roberto Requião (MDB-PR) voltou a comentar sobre o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ocorre no próximo dia 24, em Porto Alegre; "Não é o julgamento de Lula, está sendo julgado o Estado Social, o Brasil Fraterno e Soberano"

Um dos maiores críticos do governo golpista de Michel Temer e da seletividade da Operação Lava Jato nas condenações de políticos, o senador Roberto Requião (MDB-PR) voltou a comentar sobre o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ocorre no próximo dia 24, em Porto Alegre; "Não é o julgamento de Lula, está sendo julgado o Estado Social, o Brasil Fraterno e Soberano"
Um dos maiores críticos do governo golpista de Michel Temer e da seletividade da Operação Lava Jato nas condenações de políticos, o senador Roberto Requião (MDB-PR) voltou a comentar sobre o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ocorre no próximo dia 24, em Porto Alegre; "Não é o julgamento de Lula, está sendo julgado o Estado Social, o Brasil Fraterno e Soberano" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - Um dos maiores críticos do governo golpista de Michel Temer e da seletividade da Operação Lava Jato nas condenações de políticos, o senador Roberto Requião (MDB-PR) voltou a comentar sobre o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ocorre no próximo dia 24, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, no processo envolvendo o tripléx do Guarujá.

 

"Não é o julgamento de Lula, está sendo julgado o Estado Social, o Brasil Fraterno e Soberano, e será o início das condenações sem provas,através do suposto convencimento de juizes? Espero que não!", disse Requião no Twitter.

O termo de penhora do famoso "triplex do Guarujá" foi publicado e provou a inocência de Lula. De acordo com a decisão da juíza Luciana Oliveira, o imóvel, que nunca foi de Lula e pertencia à OAS, passa a ser agora da empresa Macife, credora da empreiteira que faliu em razão da Lava Jato (leia mais aqui).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247