Servidores preparam nova greve geral contra Beto Richa

A perspectiva de mais um calote por parte do governador Beto Richa (PSDB), atiçou os ânimos dos servidores estaduais, em especial os da área de educação; governo alega que a a revogação do reajuste do funcionalismo está atrelada à discussão, em Brasília, do Projeto de Lei Complementar 257/2016, que trata da renegociação da dívida dos estado; bancada de oposição diz que Richa usa o argumento como "cortina de fumaça" para aprovar na Assembleia Legislativa o calote contra os servidores públicos; serviores jpa falam em uma nova greve geralpara presionar o govern

A perspectiva de mais um calote por parte do governador Beto Richa (PSDB), atiçou os ânimos dos servidores estaduais, em especial os da área de educação; governo alega que a a revogação do reajuste do funcionalismo está atrelada à discussão, em Brasília, do Projeto de Lei Complementar 257/2016, que trata da renegociação da dívida dos estado; bancada de oposição diz que Richa usa o argumento como "cortina de fumaça" para aprovar na Assembleia Legislativa o calote contra os servidores públicos; serviores jpa falam em uma nova greve geralpara presionar o govern
A perspectiva de mais um calote por parte do governador Beto Richa (PSDB), atiçou os ânimos dos servidores estaduais, em especial os da área de educação; governo alega que a a revogação do reajuste do funcionalismo está atrelada à discussão, em Brasília, do Projeto de Lei Complementar 257/2016, que trata da renegociação da dívida dos estado; bancada de oposição diz que Richa usa o argumento como "cortina de fumaça" para aprovar na Assembleia Legislativa o calote contra os servidores públicos; serviores jpa falam em uma nova greve geralpara presionar o govern (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do blog do Esmael MoraisO anunciado calote do governador Beto Richa (PSDB), mais um numa série de tantos, coloca os servidores públicos — em especial os educadores — mais perto de uma greve geral no Paraná. O tucano faz campanha, em conjunto com entidades patronais, para desmoralizar a justa reivindicação dos trabalhadores na educação. Em nota oficial, a bancada de oposição na Assembleia Legislativa, liderada pelo deputado Requião Filho (PMDB), explicou por que os trabalhadores do magistério têm razão nessa questão. Abaixo, leia a íntegra:

NOTA DA BANCADA DE OPOSIÇÃO

Justificativa para calote não corresponde com a verdade

A justificativa do governo do Paraná de que a revogação do reajuste do funcionalismo está atrelada à discussão, em Brasília, do Projeto de Lei Complementar 257/2016, que trata da renegociação da dívida dos estados, não corresponde com a verdade:

1) O reajuste dos servidores a ser pago em janeiro de 2017 se refere à inflação de 2016 e perdas relativas ao reajuste não concedido em 2015 e foi garantido por lei na negociação que encerrou a greve dos professores no ano passado;

2) Entre as exigências do PLP 257 para o alongamento das dívidas dos Estados está a não concessão de reajustes ou adequações de remunerações RESSALVADAS a reposição anual da inflação, conforme determina a Constituição Federal;

3) Ao contrário do que argumenta o governo do Paraná como justificativa para o calote, os Estados que aderirem ao Plano de Auxílio não ficarão impedidos de conceder a reposição da inflação;

4) Da mesma forma, as progressões e promoções já concedidas pelo governo do Estado com base na atual legislação também estão garantidas pelo PLP 257. Uma eventual reforma do regime jurídico dos servidores passará a valer somente a partir de sua aprovação;

5) O governo do Paraná pretende utilizar o PLP 257, entre outras medidas do pacote de ajuste econômico e fiscal em trâmite no Congresso, como "cortina de fumaça" para aprovar na Assembleia Legislativa o calote contra os servidores públicos, em mais um ato de flagrante desrespeito e autoritarismo, além de outras medidas que prejudicam a população paranaense.

Curitiba, 9 de julho de 2016.

Deputado Estadual Requião Filho (PMDB)
Líder da Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247