Três são presos por fraude de R$ 7 milhões na Copel

A Polícia Civil do Paraná prendeu três pessoas, incluindo um ex-funcionário da Copel, como parte de uma investigação sobre um esquema de fraude suspeito de desviar R$ 7 milhões da estatal paranaense de energia; auditoria feita pela própria Copel identificou diversas irregularidades em contratos da estatal com empresas, o que deu origem à investigação há cerca de um ano, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná

A Usina Hidrelétrica Governador Ney Aminthas de Barros Braga, anteriormente conhecida como Usina de Salto Segredo, é uma usina da Companhia Paranaense de Energia - COPEL, localizada no Rio Iguaçu, no município de Mangueirinha na região sudoeste do estado
A Usina Hidrelétrica Governador Ney Aminthas de Barros Braga, anteriormente conhecida como Usina de Salto Segredo, é uma usina da Companhia Paranaense de Energia - COPEL, localizada no Rio Iguaçu, no município de Mangueirinha na região sudoeste do estado (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - A Polícia Civil do Paraná prendeu três pessoas nesta segunda-feira, incluindo um ex-funcionário da Copel , como parte de uma investigação sobre um esquema de fraude suspeito de desviar 7 milhões de reais da estatal paranaense de energia.

Auditoria feita pela própria Copel identificou diversas irregularidades em contratos da estatal com empresas, o que deu origem à investigação há cerca de um ano, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná.

O ex-funcionário da Copel preso como parte da operação "Curto Circuito" era o fiscal dos contratos das empresas investigadas com a estatal, e os outros dois detidos são empresários. No total sete empresários são investigados.

"De acordo com a investigação, o funcionário aumentava propositadamente os valores a serem pagos às empresas, por intermédio da falsa prestação de informações, fazendo com que elas recebessem um valor maior do que o realmente devido. O prejuízo contabilizado é de 7 milhões de reais", disse a secretaria em nota.

A investigação da Polícia Civil descobriu que entre 2012 e 2016 o ex-funcionário da Copel suspeito de envolvimento no esquema criminoso recebeu transferências "vultuosas" de valores das empresas envolvidas na fraude, de acordo com a secretaria.

Além dos mandados de prisão, a operação cumpre ainda dois mandados de busca e apreensão e cinco de condução coercitiva nas cidades de Cascavel, Laranjeiras do Sul e Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Em nota, a Copel informou que demitiu o empregado investigado, fez a denúncia e está cobrando na Justiça as empresas suspeitas de envolvimento na fraude.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247