Zanin: Lava Jato obstrui ação política de Lula

Advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins publicou novo vídeo em que aborda o fim dos depoimentos das testemunhas no caso "triplex"; já foram ouvidas 65 pessoas e, segundo ele, todas elas, inclusive as testemunhas de acusação, inocentam Lula; na sua visão, isso "comprova o caráter frívolo das acusações" e a tentativa de alguns agentes públicos de obstruir a ação política de Lula; como o ex-presidente lidera as pesquisas de intenção de voto e seria eleito se as eleições fossem hoje, Zanin avalia que o propósito real da ação é provocar rapidamente uma condenação para que ela possa ser confirmada em segunda instância, impedindo a candidatura Lula; assista

Cristiano Zanin Martins
Cristiano Zanin Martins (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 – O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sustenta que a Lava Jato deixou de ser uma ação penal para se transformar numa tentativa de obstrução da ação política de seu cliente.

É o que ele sustenta, em vídeo, ao comentar o fim dos depoimentos na na ação do chamado "triplex do Guarujá".

Até agora, já foram ouvidas 65 pessoas e, segundo Zanin, todas elas, inclusive as testemunhas de acusação, inocentam Lula. De acordo com o advogado, isso "comprova o caráter frívolo das acusações" e a "tentativa de alguns agentes públicos de obstruir a ação política de Lula".

Como o ex-presidente lidera as pesquisas de intenção de voto e seria eleito se as eleições fossem hoje, Zanin avalia que o propósito real da ação é provocar rapidamente uma condenação para que ela possa ser confirmada em segunda instância, impedindo, assim, a candidatura Lula pela via dos tribunais.

Zanin destacou, no vídeo, dois depoimentos que confirmam que Lula não se tornou dono de tal imóvel. Assista acima.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247