Adultos com Síndrome de Down são mais vulneráveis à Covid-19

Adultos com Síndrome de Down podem ter três vezes mais chances de morrer por decorrência da Covid-19, comparados à população geral, aponta estudo

Síndrome de Down
Síndrome de Down (Foto: Nathan Anderson/Unsplash/Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Mariana Nakajuni, da Agência Einstein - Adultos com Síndrome de Down podem ter três vezes mais chances de morrer por decorrência da Covid-19, comparados à população geral. Uma nova pesquisa publicada no periódico EClinical Medicine observa que o maior risco reside em pacientes a partir dos 40 anos, quando a probabilidade de falecimento é semelhante à de uma pessoa de 70 anos que não apresenta a condição.

“Esses resultados têm implicações no gerenciamento preventivo e clínico dos pacientes com Covid-19 que têm Síndrome de Down, e enfatizam a necessidade de priorizá-los na vacinação”, explica Anke Huels, uma das autoras do estudo. A Síndrome de Down é uma doença genética caracterizada pela trissomia do cromossomo 21, ou seja, há uma cópia extra do material genético. Essa condição afeta o desenvolvimento do corpo e do cérebro da criança, o que pode levar a deficiências físicas e mentais, além de alterações no número de células imunes e na resposta dos anticorpos.

A pesquisa faz parte da iniciativa T21RS COVID-19, uma colaboração entre médicos e cientistas de sete países que estudam o impacto do novo coronavírus sobre a população com Síndrome de Down. O grupo desenvolveu um questionário direcionado a médicos e cuidadores que atuaram junto a pacientes que apresentam a condição e tiveram Covid-19 entre abril e outubro de 2020. Essa é a maior avaliação feita até agora com indivíduos com Síndrome de Down infectados pelo novo coronavírus, com 1.046 pacientes, vindos principalmente da América Latina, Estados Unidos, Europa e Índia.

Os cientistas descobriram que os principais sinais da Covid-19 são os mesmos para pessoas com e sem o distúrbio, como febre, tosse e falta de ar. No entanto, quando são hospitalizados, os pacientes com Síndrome de Down apresentam sintomas mais severos e uma alta ocorrência de complicações pulmonares, associadas a uma maior mortalidade.

O estudo alerta que o principal fator de risco de hospitalização para pessoas com Síndrome de Down que contraíram a Covid-19 é a idade — o grupo de risco se encontra nos pacientes acima de 40 anos, duas décadas abaixo do grupo de risco na população geral. De acordo com o estudo, a mortalidade entre pessoas mais jovens é pouco frequente; ainda assim, é mais recorrente entre pessoas que apresentam o distúrbio. “Muitos indicadores de envelhecimento acelerado foram documentados em indivíduos com essa condição, como o desenvolvimento prematuro de Alzheimer e demência”, afirmam os cientistas. “Isso reforça a necessidade de proteger indivíduos mais velhos com Síndrome de Down contra as infecções por Sars-Cov-2”. A média de idade entre os óbitos é de 51 anos.

Outros elementos de risco eram obesidade, diabetes e cardiopatias congênitas, principalmente em homens, condições semelhantes à população geral; no caso dos fatores de risco para mortalidade, estão o Alzheimer e demência, também em homens. “No entanto, como obesidade, demência e cardiopatias congênitas ocorrem com maior frequência em pessoas com Síndrome de Down, seu papel em potencializar consequências adversas nessa população é significativamente maior”, diz o estudo.

Com base em algumas das descobertas do estudo, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos incluiu a Síndrome de Down na lista de “condições médicas de alto risco”, priorizando as pessoas com o distúrbio na vacinação. “Decisões parecidas também foram tomadas no Reino Unido e na Espanha, e nós esperamos que os outros países sigam assim”, diz Alberto Costa, um dos pesquisadores.

O estudo faz a ressalva de que ainda é preciso fazer investigações envolvendo um maior número de participantes, para avaliar se as comorbidades recorrentes entre pessoas com Síndrome de Down, como apneia de sono, refluxo gastroesofágico e epilepsia, aumentam os riscos de complicações para Covid-19. Outra limitação está na questão geográfica, uma vez que foram incluídos na pesquisa diversos países com diferentes sistemas de saúde, e que tiveram seus picos de casos em períodos diferentes.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email