Ministério da Saúde não compra vacinas contra Covid-19 e ameaça vacinação de crianças de 3 e 4 anos

Das 27 unidades federativas, só o Pará e Roraima dizem possuem estoques de vacinas suficientes para atender a demanda

www.brasil247.com -
(Foto: Marcelo Camargo/ABr)


247 - O  Ministério da Saúde não fechou contratos para a aquisição da vacina CoronaVac, contra a Covid-19, visando o público infantil, apesar de ter autorizado a cerca de um mês o seu uso em  crianças a partir de 3 anos. De acordo com o jornal O Globo, a falta de imunizantes já levou à suspensão do esquema de vacinação da primeira dose no Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Itapira (SP), além de 11 municípios do Rio Grande do Norte. Na Bahia, só 194 dos 417 municípios registram a aplicação do imunizante na faixa etária.

De acordo com dados do LocalizaSUS, do Ministério da Saúde,apenas 261.611 crianças de 3 e 4 anos receberam foram vacinadas com a  dose até a última sexta-feira (12), sendo que 3.168 completaram a vacinação com a segunda dose. O número de crianças que iniciaram a imunização corresponde a apenas 4,67% da população estimada em todo o território nacional.

A falta de doses levou diversos estados, como Espírito Santo e Pernambuco, a remanejaram lotes da CoronaVac entregues aos municípios para evitar a interrupção do fluxo de vacinação. Segundo a reportagem, “o Ceará, por sua vez, disse que distribuiu apenas 10% dos imunizantes necessários para o grupo. Já o Maranhão informou que está com estoque insuficiente e pediu 400 mil doses à pasta. Das 27 unidades federativas consultadas pela reportagem, só Pará e Roraima responderam que dispõem de vacinas suficientes para atender a demanda”.

Questionado sobre o assunto, o Ministério da Saúde informou que ainda “está em tratativas para aquisição do imunizante com maior celeridade, de acordo com a disponibilidade de entrega das doses pelos fornecedores”. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email