Pesquisadores australianos desenvolvem novo tratamento para ligamentos do joelho

Uso de material inovador pode fazer com que a recuperação seja mais curta

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Nicola Ferreira, da Agência Einstein - Responsáveis por quase terem acabado antes da hora com a carreira do jogador de futebol Ronaldo Fenômeno, em 2000, e afastado Nenê Hilário das competições de basquete pela NBA pelo Denver Nuggets, em 2007 (e atrapalhado sua performance nas quadras nos anos seguintes), as contusões nos tendões e ligamentos do joelho não são exclusividade dos atletas e requerem cirurgias, longos períodos de fisioterapia e acompanhamento médico. Pensando em uma nova tecnologia para substituir a atual forma de operação, reduzindo o tempo de recuperação, pesquisadores desenvolveram uma nova operação que consegue repor os tecidos danificados.

A equipe da Universidade de Sydney, na Austrália, em parceria com a Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, e Erlang-Nuremberg, na Alemanha, desenvolveram e patentearam um novo scaffold. Trata-se de substância sintética que tem a habilidade de imitar e substituir os tecidos do tendão e do ligamento. A equipe conseguiu, pela primeira vez, produzir esse material utilizando um hidrogel reforçado com fibra, composto macio e flexível que ao ser introduzido na fibra de vidro fica cinco vezes mais resistente que o aço.

“Nossa tecnologia espera agilizar o processo de recuperar os tendões e ligamentos, além de ajudar no crescimento da cartilagem, sem comprometer a resposta do corpo” afirma Hala Zreiqat, professora da Universidade de Sydney e chefe do desenvolvimento dessa tecnologia. Os desenvolvidos para suportar estresse e pancadas, os scaffolds estão sendo testados em rótulas de ratos, e possuem um volume de água similar a tendões e ligamentos reais - aproximadamente 70% desses tecidos são feitos de água. 

O maior benefício desse novo tratamento é a redução do tempo de recuperação, pois o mais recorrente atualmente, que utiliza imobilização, precisa de diversas semanas para reabilitar os movimentos. Porém, os pesquisadores ainda estão cautelosos com os resultados e buscam, nesta fase, apenas observar as reações do novo material. O motivo é que scaffolds produzidos em outros materiais sintéticos ainda têm alto risco de serem rejeitados pelo corpo, além de problemas na implantação. “Para o scaffold sintético ser aceito pelo corpo, sua arquitetura química e física precisa ser semelhante aos tendões humanos e é isso que estamos tentando recriar” afirma Zreiqat. 

Segundo os pesquisadores, os próximos passos são fazer com que o material tenha menos chance de ser rejeitado e observar como o material se integrará com tendões de animais maiores.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247