Por Leonardo Sobreira

Zelensky: de ator a novo Churchill?

"Vamos lutar até o fim, no mar, no ar", disse Zelensky na Câmara dos Comuns do Reino Unido, em alusão ao famoso discurso de Churchill na Segunda Guerra

O tom heroico de Zelensky na guerra contra a Rússia é um contraste da sua atuação prévia à presidência da Ucrânia, quando ele estrelava como comediante

Sua atuação de maior sucesso foi a comédia Sluha Narodu (Servo do Povo), uma sátira anti-política

Na série, ele vive um professor de história que ganha fama após um vídeo viralizar e é levado à presidência por meio de um discurso anticorrupção

Um dos episódios faz alusão a um grito popular anti-Vladimir Putin, comum na Ucrânia

O sucesso da série impulsionou a popularidade de Zelensky, que foi eleito em 2019 com maioria esmagadora (70%)

Zelensky assumiu um país dividido, com separatistas no Donbass (alinhados à Rússia) e neonazistas antirrussos. E se recusou a conversar com os separatistas das regiões de maioria russa

O 'antioligarca' e 'anticorrupção', porém, era dono de contas offshore, conforme revelou o vazamento Pandora Papers

Por trás do ex-comediante está o bilionário Igor Kolomoisky, que financiou sua campanha. Zelensky foi acusado à época de ser sua marionete

O megaempresário controla negócios midiáticos e petroleiros. Um dos berços de gás natural na Ucrânia é justamente no Donbass

Desde o início da guerra, Zelensky vem publicando incessantemente nas redes vídeos que se tornaram na prática pronunciamentos presidenciais, e suas falas costumam ser replicadas pela mídia no mundo

Se por um lado o presidente ucraniano é retratado exageradamente como herói pela mídia ocidental e sua cobertura antirrussa, no dia a dia seus vídeos foram combustível para unir parte da população no enfrentamento à guerra

Quanto a Churchill, o próprio presidente da Ucrânia deu abertura às comparações ao fazer ecoar um dos discursos mais famosos do ex-primeiro ministro britânico

Em conferência de vídeo com a Câmara dos Comuns do Reino Unido, Zelensky comparou a luta atual da Ucrânia à da Grã-Bretanha de outrora. Aquela não iria ceder aos fascistas, como esta não cederia a Putin

Ao mesmo tempo em que é aplaudido de pé no parlamento britânico e saudado então como o novo Churchill, os fatos apontam mais para a trajetória de um líder improvável e temporário