Brasil 24/7 http://www.brasil247.com/ O seu jornal digital 24 horas por dia 7 dias por semana pt Copyright 2014, Brasil 24/7 Thu, 31 Jul 2014 22:39:52 +0000 60 Newscoop http://www.brasil247.com/themes/publication_1/theme_4/assets/img/logo.png Brasil 24/7 http://www.brasil247.com/ 144 120 Ibope: Dilma bate Aécio em SP e RJ, e perde em Minas http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148624 : Em pesquisas regionais que apuraram também o momento da eleição presidencial, instituto Ibope dá  vantagem de 30% a 25% de intenções de voto, em São Paulo, para petista Dilma Rousseff sobre tucano Aécio Neves; no Rio, presidente tem vantagem de 35% contra 15% para o senador; mas Aécio aparece na frente em Minas Gerais, com 41% contra 31%; no Distrito Federal, instituto apura situação de empate técnico, com 26% para candidato do PSDB e 25% para a postulante do PT; números foram divulgados por colunista Cristiana Lôbo, da Rede Globo; pergunta que fica no ar é: por que a própria Globo, que contratou o levantamento, não divulgou seus resultados integrais? <br clear="all"> :

247 – Após uma rodada de pesquisas estaduais IBOPE/Globo, com resultados divulgados ontem, vazaram números sobre a disputa presidencial nos três maiores colégios eleitorais e no Distrito Federal. Eles foram divulgados pela colunista Cristiana Lôbo, da Globo News, ainda na noite da quarta-feira 30, na conta dela no twitter. Pelo resultado desta fotografia, a presidente Dilma Rousseff, do PT, continua em vantagem sobre o senador Aécio Neves, do PSDB. Não se entendeu, porém, porque a Globo, dona do levantamento, não divulgou os resultados integrais da pesquisa.

Pelos números obtidos pela colunista, que não foram desmentidos pelo Ibope, o quadro é o seguinte:

No Estado de São Paulo, de acordo com os dados apurados pelo instituto, Dilma está em vantagem sobre Aécio, com 30% das intenções de voto contra 25% para o tucano. Disposto a tirar a liderança da adversária no maior colégio eleitoral do País, o senador mineiro tem passado um dia de cada semana no Estado, onde conta com o apoio do governador Geraldo Alckmin.

A presidente também aparece em vantagem no Rio de Janeiro. Neste que é o terceiro maior colégio eleitoral do Pais, Dilma teria, neste momento, de acordo com o instituto, 35% de intenções, contra 15% para o adversário tucano. Ali, a presidente conta com o apoio do governador Luiz Fernando Pezão, mas o PMDB local, partido do governador, está trabalhando no eleitorado a chamada chapa Aezão, pedindo o voto para a reeleição de Pezão, mas para Aécio como candidato a presidente.

No Estado em que Aécio foi governador duas vezes e obteve seu atual mandato de senador, a liderança é dele, com 41% das intenções, mas Dilma marca 31%. Ela tem o apoio do candidato a governador pelo PT, seu ex-ministro Fernando Pimentel, que aparece na frente em todos os levantamentos.

Por fim, no Distrito Federal, a situação entre os dois candidatos é de empate técnico, com um ponto a mais para Aécio, que marcou 26% contra 25% para Dilma. Governada pelo petista Agnelo Queiroz, Brasília e seu entorno vivem uma acirrada disputa em torno da reeleição ou não do governador.

Abaixo, notícia do portal Infomoney a respeito:

Por Lara Rizério

SÃO PAULO - O Ibope mostra a presidente Dilma Rousseff liderando as pesquisas de intenção de voto em São Paulo, com 30% ante 25% do candidato do PSDB Aécio Neves ,de acordo com o twitter da jornalista da Globo Cristiana Lôbo. A candidata petista também está à frente no Rio de Janeiro, com 35% versus 15% de Aécio.

Por outro lado, Aécio Neves está à frente em Minas Gerais, com 41% das intenções de voto, versus 31% de Rousseff e no Distrito Federal, com 26% das intenções de voto versus 25% da candidata petista. Confira o twitter da colunista da Globo acessando aqui.

Também foram divulgadas pesquisas regionais elaboradas pelo instituto. O governador de São Paulo Geraldo Alckmin, do PSDB, seria reeleito no primeiro turno se as eleições fossem hoje, revelou a pesquisa mais recente do Ibope. O candidato tucano aparece com 50% da intenções de voto na corrida eleitoral ao governo de São Paulo, seguido por Paulo Skaf (PMDB), presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com 11%, e pelo ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha (PT), com 5% de apoio popular.

Poder Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 18:03:05 +0000 http://www.brasil247.com/148624
Campos diz que explicação de Aécio foi “tardia” http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/148612 : Presidenciável do PSB comenta, em Porto Alegre (RS), o fato de o adversário tucano ter reconhecido "equívoco" no caso do aeroporto construído em propriedade que pertencia à sua família na cidade de Cláudio (MG) e admitido ter usado o aeródromo; segundo Eduardo Campos, o senador "acertou ao reconhecer um erro", mesmo que "depois de algum tempo, tardiamente"; durante evento em Belo Horizonte nesta sexta-feira, Aécio reforçou que a obra é "corretíssima", mas admitiu novamente ter errado por não ter visto se havia homologação da pista; "Foi de forma inadvertida [o uso da pista]. Isso é um erro, eu assumo esse erro" <br clear="all"> :

247 – O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, classificou como "tardia" a resposta do adversário Aécio Neves, do PSDB, que reconheceu ter usado o aeroporto construído em propriedade que pertenceu à sua família na cidade de Cláudio (MG). Em artigo publicado hoje na Folha de S. Paulo, Aécio também reconheceu a possibilidade de ter cometido um "equívoco" no episódio.

"Acho que o Aécio acertou, mesmo que depois de algum tempo, tardiamente, ao reconhecer um erro", disse Eduardo Campos nesta quinta-feira 31, durante caminhada em Porto Alegre (RS). Na avaliação do candidato, as pessoas devem ter humildade na vida pública e privada. "Quando erram, (é preciso) poder dizer 'errei', pedir desculpas e pagar pelo seu erro na forma que houver de se pagar pelo erro", afirmou.

Nesta quinta-feira, durante inauguração do comitê de sua coligação em Belo Horizonte, Aécio falou novamente no assunto, ressaltando que a obra é importante e "vai estimular o desenvolvimento de toda aquela região (de Cláudio)". "Assim como as milhares de obras que fizemos foram obras importantes, planejadas. Então, não tenho dúvida de que o tempo mostrará a correção da obra, a transparência com que foi feita. O Ministério Público mostrou isso", afirmou.

Questionado sobre o uso do aeroporto, respondeu que a obra foi "corretíssima", mas que há uma "grande demora da Anac para fazer essas homologações". A pista, de acordo com denúncia publicada pela Folha de S. Paulo, não tinha autorização para ser utilizada. "E foi de forma inadvertida [o uso da pista], não me preocupei efetivamente em saber se havia ou não homologação da pista. Isso é um erro, eu assumo esse erro", acrescentou.

O tucano afirmou ontem, pela primeira vez, ter usado por "várias vezes" o aeródromo construído no final de seu mandato como governador de Minas. A pista fica em uma propriedade que já foi fazenda de seu tio avô. Segundo a denúncia da Folha, ele usou R$ 14 milhões de verba pública do estado para a construção.

Campos cumpre agenda na capital do Rio Grande do Sul acompanhado de lideranças do PSB e do PMDB no estado. Depois de uma caminhada na parte da manhã, Campos participou de um painel com presidenciáveis promovido pela Federação das Associações e de Municípios do Rio Grande do Sul e, à noite, estará no lançamento do comitê Campos, Marina, Sartori e Beto. A extensa agenda continua nesta sexta-feira.

Pernambuco 247 Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 16:45:16 +0000 http://www.brasil247.com/148612
Bolsonaro pede desculpas a Israel por nota "hipócrita" do Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148605 : Em nota de apoio encaminhada ao embaixador de Israel no Brasil, Rafael Eldad, deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) afirma que a presidente Dilma, que lamentou recentemente o uso da força desproporcional israelense contra Gaza, "militou em grupos terroristas no Brasil" e critica "nota bolivariana" do Itamaraty; parlamentar diz que "a maioria dos brasileiros dotados de cultura, dignidade e bom senso está com o povo de Israel e contra o terrorismo"; leia a íntegra <br clear="all"> :

247 – O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) enviou uma "nota de apoio" em nome dos brasileiros ao embaixador de Israel no Brasil, Rafael Eldad, contra a nota do Itamaraty que condenou, na semana passada, o uso desproporcional da força israelense contra Gaza, conflito que já deixou 1.400 mortos do lado dos palestinos, 80% civis, de acordo com a ONU.

No comunicado, o parlamentar resgata a vida da presidente Dilma Rousseff na época da ditadura militar no Brasil par dizer que "desde cedo, ela militou em grupos terroristas no Brasil". Segundo ele, o Brasil "também enfrentou o seu terror", no passado, quando a esquerda armada tentou chegar ao poder.

A "justa reação" do Estado "está sendo contestada até hoje", continua Bolsonaro, em referência ao golpe militar, e compara: "assim como Israel o está ao se defender do [grupo radical islâmico] Hamas". Militares e civis brasileiros "sofreram, e ainda sofrem ataques da mídia semelhantes aos que hoje são praticados contra o povo de Israel", diz.

O deputado assegura que "a maioria dos brasileiros dotados de cultura, dignidade e bom senso está com o povo de Israel e contra o terrorismo, sempre ao lado da democracia, da liberdade e do respeito aos verdadeiros direitos humanos". Bolsonaro termina o documento pedindo desculpas pela "destrambelhada, inoportuna, hipócrita e covarde manifestação do governo brasileiro".

Veja a íntegra: 

Brasil Aline Lima Thu, 31 Jul 2014 16:05:07 +0000 http://www.brasil247.com/148605
Aécio diz ter usado pista de forma “inadvertida” http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/148620 Orlando Brito/Coligação Muda Brasil: Candidato da Coliga��o �Muda Brasil� � Presid�ncia da Rep�blica, A�cio Neves, recebe o carinho de populares na chegada ao Comit� da Coliga��o �Muda Brasil�, que sera inaugurado em Belo Horizonte. Minas Gerais, 31/07/2014 - Foto Orlando Brito Presidenciável tucano destacou nesta quinta-feira 31, durante inauguração do comitê de sua coligação em Belo Horizonte, que a obra do aeroporto da cidade de Cláudio (MG) foi "corretíssima", mas voltou a admitir erro por ter usado a pista antes de ser homologada pela Anac; "O que há, na verdade, é uma grande demora da Anac para fazer essas homologações. E foi de forma inadvertida [o uso da pista], não me preocupei efetivamente em saber se havia ou não homologação da pista. Isso é um erro, eu assumo esse erro", afirmou <br clear="all"> Orlando Brito/Coligação Muda Brasil: Candidato da Coliga��o �Muda Brasil� � Presid�ncia da Rep�blica, A�cio Neves, recebe o carinho de populares na chegada ao Comit� da Coliga��o �Muda Brasil�, que sera inaugurado em Belo Horizonte. Minas Gerais, 31/07/2014 - Foto Orlando Brito

Minas 247 – O presidenciável pelo PSDB, Aécio Neves, voltou a admitir o erro, nesta quinta-feira 31, por ter usado o aeroporto construído na cidade de Cláudio (MG) antes de a pista receber autorização da Anac. Segundo ele, porém, a obra foi "corretíssima" e "vai estimular o desenvolvimento de toda aquela região, não apenas a cidade de Cláudio, assim como as milhares de obras" que fez durante seu governo em Minas.

"A obra foi corretíssima, eu não me furto a responder sobre esse assunto. A obra foi planejada, como milhares de outras obras feitas em Minas Gerais", declarou Aécio, durante evento de inauguração do comitê de sua coligação, Muda Mais, em Belo Horizonte. Ele acrescentou que o aeroporto "é uma obra pública feita em benefício de uma comunidade importante e um grande centro industrial para os mineiros".

Segundo o candidato tucano, "o que há, na verdade, é uma grande demora da Anac para fazer essas homologações. E foi de forma inadvertida [o uso da pista], não me preocupei efetivamente em saber se havia ou não homologação da pista. Isso é um erro, eu assumo esse erro", declarou. Ontem, Aécio admitiu pela primeira vez ter usado o aeroporto por "várias vezes". Em artigo na Folha, se estendeu sobre o assunto.

Denúncia da Folha de S. Paulo publicada há 11 dias aponta que Aécio construiu o aeroporto no final de seu mandato como governador em uma propriedade que pertenceu ao seu tio avô e que usou a pista de forma irregular, uma vez que ainda não havia sido homolada pela Anac. A Agência já declarou publicamente que irá investigar as acusações.

Minas 247 Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 18:05:24 +0000 http://www.brasil247.com/148620
Líder do PT sobre Aécio: “reconhecer não basta” http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148576 : Ao 247, deputado federal Vicentinho (PT-SP) comenta a admissão, pelo candidato Aécio Neves (PSDB), de que usou o aeroporto construído em terra de sua família, na cidade de Cláudio (MG); "Eu acho que reconhecer não basta, reconhecer um fato notório que põe em dúvida a postura ética do Aécio não basta", disse; petista lembra que, por isso, apresentou requerimento para que a Anac investigasse o aeródromo; "Isso (o reconhecimento) não o isenta de culpa de nada", acrescentou; sobre a influência do caso nas eleições, opinou: "o povo deve avaliar"; em artigo publicado hoje, tucano disse reconhecer "equívoco" <br clear="all"> :

Gisele Federicce, 247 – O líder do PT na Câmara, deputado federal Vicentinho (SP), acredita que "reconhecer não basta" no caso do uso, pelo candidato Aécio Neves (PSDB), do aeroporto construído em terra de sua família na cidade mineira de Cláudio. Ontem, pela primeira vez, o senador tucano admitiu ter usado a pista "várias vezes" e reconheceu a possibilidade de um "equívoco" ao não ter se preocupado em examinar em que estágio estava o processo de homologação da obra.

"Eu acho que reconhecer não basta, reconhecer um fato notório que põe em dúvida a postura ética do Aécio não basta", afirmou Vicentinho, em entrevista ao 247 nesta quinta-feira 31. "Por isso é que eu fiz um requerimento à Anac para que se investigue" o caso, acrescentou o parlamentar, citando, por exemplo, quais aviões e quando foram realizados voos na pista construída no final do mandato de Aécio como governador de Minas.

"Isso (o reconhecimento) não o isenta de culpa de nada. Como alguém que reconhece que matou uma pessoa, tem que pagar pelo crime", defendeu ainda o petista. Questionado sobre como o fato poderia respingar na campanha presidencial do tucano, Vicentinho evitou prever consequências negativas. "O povo deve avaliar né. Nossa preocupação não é fazer um jogo político eleitoreiro, mas ir em busca da verdade", declarou, sobre a presidente Dilma Rousseff.

Na última segunda-feira 28, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, avaliou o caso como "a ponta do iceberg de Aécio", o que gerou reação indignada dos tucanos. Sobre a declaração, Vicentinho novamente evitou polêmica: "Eu não sei ainda o que tem pela frente, por isso pedimos para apurar". De acordo com denúncia publicada pela Folha de S. Paulo há 11 dias, Aécio construiu o aeroporto em uma propriedade que pertenceu ao seu tio avô usando R$ 14 milhões do governo.

Poder Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 12:47:09 +0000 http://www.brasil247.com/148576
Executiva do PT-SP aprova expulsão de Luiz Moura http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148583                                 : Por unanimidade, Executiva Estadual do PT paulista decidiu pela expulsão do partido do deputado Luiz Moura, suspeito de envolvimento com membros da facção criminosa PCC; decisão desta quinta-feira ainda precisa ser aprovada pelo Diretório Estadual da legenda; caso seja aprovada, decisão tira Moura das eleições de outubro <br clear="all">                                 :

SP 247 - A Executiva Estadual do PT paulista aprovou, nesta quinta-feira 31, a expulsão do deputado estadual Luiz Moura, acusado de envolvimento com membros da facção criminosa PCC. O Ministério Público também suspeita que o parlamentar tenha lavado dinheiro para o grupo.

A votação foi unânime pela expulsão do deputado dos quatros do partido. A decisão, porém, ainda deve ser validada pelo Diretório Estadual da legenda. Caso seja confirmada, Luiz Moura não poderá se candidatar à reeleição em outubro.

Na avaliação do presidente do PT-SP, Emídio de Souza, mesmo não tendo sindo condenado, o deputado já causou danos ao partido, o que justifica a expulsão.

"A decisão do PT não precisa esperar fatos policiais ou a conclusão do inquérito policial. Nós somos um partido político, não um departamento de investigação", disse.

A conduta de Moura, segundo o dirigente, causou "dano à imagem PT por conta das acusações e depois ainda concluído com a ação que ele fez contra o PT desestabilizando toda a nossa coligação", afirmou, em referência ao recurso impetrado na Justiça pelo deputado para que fosse anulada a convenção estadual que definiu os candidatos do partido.

Abaixo, nota divulgada pela Executiva do PT:

Comissão Executiva do PT-SP conclui parecer sobre expulsão do deputado Luiz Moura

Decisão foi unanime; amanhã (sexta-feira 1/08) Diretório Estadual PT-SP fará reunião para decidir se irá expulsar o deputado. Somente o diretório pode deliberar sobre a permanência ou não do parlamentar nos quadros do partido.

Presidente do PT-SP, Emidio de Souza, explicou que foi dada ao parlamentar oportunidades para que ele pudesse apresentar sua defesa, trazer documentos e até 8 testemunhas, inclusive na reunião da manhã desta quinta-feira. "Foi garantido a ele o mais amplo direito de defesa".

Emidio afirmou esperar que Diretório confirme a decisão da Executiva e que cabe aos partidos políticos filtrar aqueles que militam no seu interior. "Nós não temos tolerância com qualquer malfeito".

Acompanhe neste link a íntegra da entrevista do presidente estadual do PT-SP, Emidio de Souza, concedida esta manhã após reunião da Comissão Executiva.

SP 247 Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 13:04:16 +0000 http://www.brasil247.com/148583
Campos vê o país no caminho de um "atoleiro" http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/148586 : O presidenciável Eduardo Campos (PSB) disse, nesta quinta-feira (31), em Porto Alegre (RS), que o Brasil enfrenta a maior crise fiscal da história da República e que caminha rumo a um "atoleiro" em função do baixo crescimento da economia e do crescimento da inflação; ele acrescentou, ainda, que os juros altos ameaçam derreter o nível de emprego a curto prazo <br clear="all"> :

Pernambuco 247 - O presidenciável Eduardo Campos (PSB) disse, nesta quinta-feira (31), em Porto Alegre (RS), que o Brasil enfrenta a maior crise fiscal da história da República e que caminha rumo a um "atoleiro" em função do baixo crescimento da economia e do crescimento da inflação. Ele acrescentou, ainda, que os juros altos ameaçam derreter o nível de emprego a curto prazo.

Em um painel com prefeitos gaúchos, o socialista voltou a afirmar que irá "botar as raposas"  políticas na oposição. Ele citou nominalmente o ex-presidente José Sarney (PMDB), o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB) e o ex-presidente Fernando Collor (PTB), todos integrantes da base do governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

"O Brasil precisa reencontrar seu caminho. Hoje vivemos o pior dos cenários, com baixo crescimento, juros alto e inflação crescente. É um cenário que vai derreter os empregos em curto prazo e ameaça desconstruir as conquistas dos últimos anos. A única opção de botar aquelas raposas na oposição é o nosso projeto. Os únicos que não vão governar com Sarney, Collor e Renan somos nós, eu e Marina", discursou.

Ainda nesta tarde, Campos deverá participar de uma caminhada pelas ruas do centro de Porto Alegre e à noite ele participará da inauguração do comitê central do PSB, em conjunto com a ala do PMDB gaúcho que apoia a sua candidatura.

 

Pernambuco 247 Paulo Emílio Thu, 31 Jul 2014 13:06:48 +0000 http://www.brasil247.com/148586
Para Mantega, Argentina não está em default e efeito sobre Brasil é nulo http://www.brasil247.com/pt/247/economia/148593 : "Não creio que a Argentina esteja em default, porque ela continua pagando a sua dívida, ela depositou a parcela dos credores e há algumas semanas pagou o Clube de Paris", disse o ministro da Fazenda; "O impacto disso no Brasil num primeiro momento é nulo, estamos falando de um segmento de mercado muito pequeno, não afeta o mercado internacional", acrescentou Guido Mantega <br clear="all"> :

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, avaliou nesta quinta-feira que a Argentina não entrou em default e que os efeitos da disputa em torno da dívida do país vizinho têm "efeito nulo" no Brasil neste momento.

"Não creio que a Argentina esteja em default, porque ela continua pagando a sua dívida, ela depositou a parcela dos credores e há algumas semanas pagou o Clube de Paris", disse Mantega a jornalistas ao chegar no Ministério da Fazenda.

"Ela não está dando calote, é uma situação excepcional, o que está impedindo é o juiz", acrescentou, referindo-se ao juiz norte-americano Thomas Griesa que determinou que a Argentina não pode pagar credores que participaram de suas reestruturações de dívida se não pagar os credores que não participaram, os chamados "holdouts".

Mantega disse acreditar que ainda "há margem de negociação" para resolver a situação, mas minimizou os efeitos no Brasil decorrentes dessa disputa.

"O impacto disso no Brasil num primeiro momento é nulo, estamos falando de um segmento de mercado muito pequeno, não afeta o mercado internacional", disse.

Ele ponderou, porém, que a decisão da Justiça norte-americana "afeta a questão de futuras reestruturações de dívidas que venham a ser feitas no mundo".

(Reportagem de Leonardo Goy; Texto de Alexandre Caverni)

Economia Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 14:27:41 +0000 http://www.brasil247.com/148593
Mortes por Ebola chegam a 729 em 4 países da África http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148592 : A Organização Mundial da Saúde relatou 57 novas mortes entre 24 e 27 de julho na Guiné, Libéria, Serra Leoa e Nigéria; Serra Leoa declarou estado de emergência pública e vai convocar a polícia e o Exército para garantir a imposição de quarentena em áreas que são o epicentro do vírus  <br clear="all"> :

Por Umaru Fofana

FREETOWN (Reuters) - Serra Leoa declarou estado de emergência pública e vai convocar a polícia e o Exército para garantir a imposição de quarentena em áreas que são o epicentro do vírus Ebola, juntando-se à Libéria na imposição de rígidos controles em meio ao pior surto do vírus da doença registrado até hoje, totalizando 729 mortos na África Ocidental.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse estar em negociações urgentes com seus doadores e agências internacionais para enviar mais médicos e recursos aos países afetados, situados numa das regiões mais pobres do mundo.

A OMS relatou 57 novas mortes entre 24 e 27 de julho na Guiné, Libéria, Serra Leoa e Nigéria.

Autoridades da Nigéria, que registrou sua primeira vítima do Ebola na semana passada, um cidadão norte-americano que morreu após chegar da Libéria, disseram que todos os passageiros provenientes de áreas de risco passariam por verificações de temperatura, em busca do vírus.

As medidas se assemelham a um duro pacote anti-Ebola divulgado pela vizinha Libéria na noite de quarta-feira. O presidente da Serra leoa, Ernst Bai Koroma, anunciou que cancelou uma visita a Washington para uma cúpula Estados Unidos-África na semana que vem por causa da crise e, em vez disso, irá participar de uma reunião de emergência com líderes regionais na Guiné na sexta-feira.

O surto da febre hemorrágica, para a qual não há cura conhecida, começou nas florestas de uma remota região no leste da Guiné em fevereiro, mas Serra Leoa registra agora o maior número de casos.

"Proclamo estado de emergência pública para que possamos ter uma abordagem mais robusta para lidar com o surto de Ebola", disse Koroma em um discurso na noite de quarta-feira, acrescentando que as medidas inicialmente vão durar de 60 a 90 dias. "Todos os epicentros da doença serão colocados em quarentena."

Koroma disse que a polícia e os militares vão restringir os movimentos de e para os epicentros, e darão apoio aos agentes de saúde e ONGs para que possam atuar sem obstáculos, já que houve uma onda de ataques contra trabalhadores da área de saúde por parte de comunidades locais.

Ele anunciou ainda que seriam adotadas buscas de casa em casa para rastrear vítimas do Ebola e impor a quarentena nessas áreas. Além disso, o presidente informou que novos protocolos foram estabelecidos para os passageiros que chegam e partem do Aeroporto Internacional Lungi, nos arredores da capital, Freetown, mas não deu detalhes sobre essas medidas.

As atitudes lembram uma série de medidas divulgadas pela Libéria na quarta-feira, incluindo o fechamento de escolas em todo o país e uma possível quarentena de comunidades inteiras.

Gana também anunciou nesta quinta-feira a introdução da verificação de temperatura corporal de todos os passageiros provenientes da África Ocidental no aeroporto de Acra e em outros pontos de entrada, assim como a instalação de centros de isolamento em três cidades.

(Reportagem adicional de Daniel Flynn em Dacar, Tom Miles em Genebra, Tim Cocks em Lagos, Clair MacDougall em Monróvia e Adam Bailes em Freetown; Texto de Daniel Flynn)

Mundo Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 14:20:30 +0000 http://www.brasil247.com/148592
O Brasil precisa de um pacote econômico? http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148496 : Sabatinas na CNI com os três principais candidatos a presidente levantaram uma interrogação; a depender do resultado da eleição, o Brasil pode ser submetido a um novo pacote econômico a partir de janeiro?; Eduardo Campos, do PSB, falou em baixar medidas tributárias já na primeira semana de seu eventual governo; Aécio Neves, do PSDB, também posicionou na primeira semana do mandato, em razão "do capital político fortalecido", o momento ideal para fazer mudanças na economia; presidente Dilma Rousseff foi a terceira a ser ouvida, mas não se comprometeu com guinadas no rumo atual; o País aguentaria um novo e surpreendente choque? <br clear="all"> :

247 – A se tomar ao pé da letra, o principal compromisso assumido pelos dois principais presidenciáveis da oposição, nas sabatinas feitas pela Confederação Nacional da Indústria, sugere, mais uma vez, que eles têm surpresas a serem reveladas somente em caso de vitória.

Tanto Eduardo Campos, do PSB, que foi entrevistado ontem na parte da manhã, quanto Aécio Neves, do PSDB, que se apresentou em seguida, frisaram que "na primeira semana" em que chegarem à Presidência da República, caso vençam a disputa, pretendem baixar medidas econômicas. Não ficou claro, porém, qual a exata dimensão dessa iniciativa.

Campos, que compareceu com a candidata a vice Marina Silva ao seu lado, garantiu que baixará medidas na área tributária logo nos primeiros dias de sua possível gestão. De maneira genérica, ele garantiu que suas ações terão o sentido de simplificar e equalizar melhor o peso dos tributos sobre o empresariado e a sociedade. Mas não foram detalhadas quais seriam, ponto a ponto, essas medidas.

Diante da necessidade de aumentar a arrecadação do governo, para equilibrar o déficit público, seria factível a Campos promover um choque de impostos? Ou, ao contrário, abrir um pacote de bondades capaz de animar os empresários a novos investimentos? Quem sairia ganhando? E perdendo?

Aécio, por seu lado, também bateu na tecla de agir com decisão "na primeira semana" de seu eventual mandato, que ele considerou até mais importante que "o primeiro mês". Na visão do presidenciável tucano, é logo no começo da gestão que um governante tem "capital político fortalecido" para adotar "medidas corajosas" que julgar necessárias.

Meses atrás, ainda esse ano, em reuniões sucessivas com empresários em São Paulo, o ex-governador de Minas Gerais chegou a falar em "medidas amargas", mesma expressão usada, no mesmo foro - a casa do empresário João Doria Jr. -, por Campos. Diante da cobrança de políticos governistas, como a senadora Gleisi Hoffmann, sobre quais serão essas iniciativas, ambos desconversaram.

Agora, na CNI e com a aproximação da eleição, o tucano e o socialista voltam a falar em agir com impacto logo de saída. Ambos consideram que a sociedade brasileira enfrenta um momento tão adverso que demandaria muitas novidades em matéria de política econômica para acelerar nos trilhos do desenvolvimento.

A única a não prometer alterações radicais no curso da administração é a presidente Dilma Rousseff. Ela se comprometeu a incorporar ideias entre os 42 pontos citados pela CNI como cruciais para o desenvolvimento. Mas acentuou que, "ao contrário do que foi feito antes", não pretende "desorganizar a economia como ocorreu com as idas do País ao FMI" durante o governo do presidente Fernando Henrique. Para Dilma, a política econômica deve seguir o rumo atual, apenas com ajustes pontuais.

No cenário eleitoral de 2014, o debate sobre como cada candidato irá agir sobre a economia está apenas começando. Já se dá pela falta, porém, de esclarecimentos que diminuam o risco de surpresas desagradáveis para o eleitor como mais um pacote econômico – seja ele de que tamanho for.

Poder Aline Lima Thu, 31 Jul 2014 10:32:03 +0000 http://www.brasil247.com/148496
Dilma critica FHC e garante "inflação sob controle" http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/148555 : Presidente Dilma Rousseff voltou a falar em entrevista à Rádio Sociedade da Bahia "dos pessimistas que torcem contra o país" e garantiu que não há crise econômica que a oposição alega ter, sobretudo por causa da inflação; "A dívida quando assumimos a dívida era 70%. Hoje é 34,2%. Está absolutamente sobre controle. Temos hoje uma das menores dívidas públicas da história do país. A inflação no 1º trimestre do ano sobe e no 2º cai. A inflação está completamente sob controle. A inflação tem de estar dentro da banda de flutuação. Vai de 2,5 a 6,5. Inflação controlada" <br clear="all"> :

Bahia 247 - A presidente Dilma Rousseff concedeu entrevista à Rádio Sociedade da Bahia nesta manhã e mais uma vez focou em assuntos como as reformas política e tributária, que, segundo ela, serão prioridade no seu segundo mandato, se for reeleita. Dilma voltou a falar "dos pessimistas que torcem contra o País" e garantiu que não há crise econômica que a oposição alega ter, sobretudo por causa da inflação. Ela falou de números comparando os governos do PT com o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. 

"Quando assumimos a dívida era 70%. Hoje é 34,2%. Está absolutamente sob controle. Temos hoje uma das menores dívidas públicas da história do país. A inflação no 1º trimestre do ano sobe e no 2º cai. A inflação está completamente sob controle. A inflação tem de estar dentro da banda de flutuação. Vai de 2,5 a 6,5. Inflação controlada".

Dilma afirmou que o governo já levantou "diversas vezes" a discussão sobre reforma política, mas que é difícil avançar. "Os fatos estão aí. Tentamos várias vezes aprovar uma reforma política. A votação esbarra em conflitos".

E sobre a reforma tributária, presidente afirma que já deu início e que está sendo feita em partes divididas. "A reforma tributária diz respeito a quem ganha e perde numa redistribuição de tributos. Tem dificuldades. Nós iniciamos a reforma por partes, com desoneração da folha de pagamentos. Queremos criar empregos. Com menos tributo, o empresário se sente mais confortável de ampliar o número de trabalhadores. Todo mundo vai ganhar com uma reforma justa. Quando desonera produtos e serviços, você gera vantagem para todos."

Para fechar a conta, Dilma falou do "pessimismo" contra a gestão de energia elétrica do país e voltou a comparar seu governo com o de FHC. 

"No final do ano passado se falava em racionamento. Os racionamentos de 2000 e 2001 fizeram cair 2% do PIB. No meu governo, eu tive em torno de 20 mil Mega Watts em quatro anos. No período de FHC só houve 21 mil Mega Watts em 8 anos. Só podia dar em racionamento", disse. "Aumentamos mais de 60% o total de geração. Não vai ter racionamento. Não teve antes da Copa e não terá depois", acrescentou a presidente.

Bahia 247 Romulo Faro Thu, 31 Jul 2014 11:04:31 +0000 http://www.brasil247.com/148555
Netanyahu descarta cessar-fogo e convoca mais 16 mil soldados http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148565 : "Estamos determinados a completar essa missão, com ou sem um cessar-fogo", disse o primeiro-ministro israelense sobre a destruição de túneis do Hamas; comunicado feito hoje por Israel convocou mais 16 mil soldados da reserva para reforçar operação; Benjamin Netanyahu enfrenta pressão internacional por conta do crescente número de mortes de palestinos, que já chega a 1.372, a maioria civis; militares de Israel calcularam que completar a destruição dos túneis, já em sua quarta semana de execução, levará ainda mais alguns dias <br clear="all"> :

Por Nidal al-Mughrabi e Jeffrey Heller

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que enfrenta pressão internacional por conta do crescente número de baixas civis em Gaza, disse nesta quinta-feira que não aceitará nenhum cessar-fogo que impeça Israel de completar a destruição de túneis utilizados por militantes para invadir território israelense.

Militares de Israel calcularam nesta quarta-feira que completar essa tarefa, já em sua quarta semana de execução, levará mais alguns dias.

"Estamos determinados a completar essa missão, com ou sem um cessar-fogo", disse Netanyahu em um pronunciamento público na abertura de uma reunião de gabinete, em Tel Aviv. "Não vou concordar com nenhuma proposta que não vá permitir às Forças Armadas de Israel completar essa importante missão em nome da segurança de Israel."

Deixando aberta a opção de ampliar a campanha terrestre na Faixa de Gaza, dominada pelo grupo militante islâmico Hamas, as forças israelenses informaram ter convocado mais 16 mil reservistas. Uma fonte militar disse que eles substituíram um número parecido de soldados da reserva que estão sendo dispensados.

Na quarta-feira o gabinete de segurança de Netanyahu aprovou a continuidade das operações lançadas em 8 de julho em resposta a um surto de ataques do Hamas. Israel também enviou uma delegação para o Egito, a qual tem tentado, com a chancela dos Estados Unidos, mediar um cessar-fogo.

No entanto, os EUA também vêm permitindo nas últimas semanas que Israel tenha acesso ao arsenal norte-americano na região, a fim de se reabastecer de granadas e munição de morteiros, disse uma autoridade dos EUA nesta quinta-feira.

Altos funcionários em Gaza dizem que pelo menos 1.372 palestinos, a maioria deles civis, foram mortos no território, e cerca de 7.000 ficaram feridos. Do lado de Israel, 56 soldados perderam a vida em confrontos em Gaza e mais de 400 ficaram feridos. Três civis foram mortos por ataques de foguetes palestinos contra Israel.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, condenou fortemente na quarta-feira, as mortes de pelo menos 15 palestinos entre milhares de pessoas que se abrigavam em uma escola administrada pela ONU. A entidade disse que sua avaliação inicial era de que munição de artilharia israelense havia acertado o prédio. "É ultrajante. É injustificável. E isso demanda prestação de contas e justiça", disse Ban.

Israel disse que suas forças foram atacadas por combatentes perto da escola, em Jabalya, no norte do enclave, e revidaram o fogo. Em outro incidente no mesmo dia, 17 pessoas foram mortas em um mercado de Shejaia, novamente sob suspeita de ter sido alvo da artilharia israelense. Forças de Israel disseram que investigariam os casos.

"Tal massacre exige uma resposta como um terremoto", disse o porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum, cujo grupo continua com sua campanha de dezenas de lançamentos diários de foguetes contra Israel, que conseguiu manter um número baixo de mortos nesses ataques graças a seu sistema de defesa antimísseis e de sirenes de alerta.

Na cidade de Beit Lahiya, no norte da Faixa de Gaza, bombardeios de tanques israelenses na quarta-feira atingiram outra escola administrada pela ONU. Pelo menos 30 pessoas abrigadas no interior foram feridos por estilhaços e cacos de vidro, disseram testemunhas e funcionários do hospital.

Fugindo dos ataques terrestres israelenses em áreas residenciais, precedidos de advertências do Exército de Israel para que esvaziem a área, mais de 200.000 do 1,8 milhão de palestinos da Faixa de Gaza deixaram suas casas em busca de refúgio. A pequena infraestrutura do território está em ruínas, com quedas de energia e de água.

Israel diz que está tentando evitar vítimas civis e acusa o Hamas e outras facções palestinas de procurarem combates em áreas urbanas.

Ambos os lados têm manifestado abertura para uma trégua, mas os seus termos divergem dramaticamente. Israel, que considera o Hamas uma ameaça à sua segurança, quer a Faixa de Gaza despojada de túneis e de seu estoques de foguetes. O Hamas rejeita essa exigência e busca o fim ao bloqueio de Gaza imposto por Israel e Egito, o qual paralisa sua economia.

(Reportagem adicional de Ori Lewis e Dan Williams em Jerusalém)

Israel convoca 16 mil soldados da reserva para reforçar operação militar em Gaza

Danilo Macedo* – Israel convocou mais 16 mil soldados da reserva para reforçar a operação militar na Faixa de Gaza. Com o anúncio, feito hoje (31) pelo Exército do país, o número de soldados mobilizados sobre para 86 mil. De acordo com a instituição, o acréscimo vai permitir o descanso de tropas. O mais recente conflito entre Israel e o Hamas começou no dia 8 de julho e se intensificou com a entrada, por terra, de tropas israelenses em Gaza no dia 17.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou também hoje que, "com ou sem cessar-fogo", o Exército continuará a destruir os túneis usados pelo movimento de resistência islâmica para lançar ataques contra seu país.

"Estamos determinados a concluir esta missão com ou sem cessar-fogo. Nunca aceitaremos qualquer proposta que não permita ao Exército israelense terminar este trabalho", disse Netanyahu, antes de participar do Conselho de Ministros em Tel Aviv. Segundo ele, já foram demolidos dezenas de túneis.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, disse em Genebra, na Suíça, que "as duas partes cometem graves violações dos direitos humanos, que podem constituir crimes em relação ao direito internacional humanitário". Em relação a Israel, ela acusou o governo de "desafiar deliberadamente as obrigações definidas no direito internacional".

Desde o início da Operação Margem Protetora, deflagrada pelo governo de Israel, pelo menos 1.370 palestinos foram mortos, de acordo com as autoridades palestinas, sendo mais de 245 crianças. Do outro lado, 56 soldados israelenses e três civis foram mortos.

*Com informações da Agência Lusa

Mundo Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 10:55:57 +0000 http://www.brasil247.com/148565
Sardenberg defende "pobre" analista do Santander http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/148549 : Comentarista da Globo afirma que analistas financeiros precisam dar "orientações específicas" a seus clientes; "O setor do banco tem que ser independente. Deve ser assim num mercado sério", afirma; Carlos Alberto Sardenberg complementa que "é evidente que a política tem a ver com a economia" e classifica como "ruim" a reação do governo em relação ao informe do banco espanhol sobre a presidente Dilma <br clear="all"> :

247 - Comentarista de economia da Rede Globo, Carlos Alberto Sardenberg saiu em defesa nesta quinta-feira 31 da "independência" do setor bancário ao comentar o caso Santander. Ele classificou como "ruim" a reação do governo diante do informe divulgado pela instituição espanhola alertando os clientes sobre o risco de a presidente Dilma Rousseff ser reeleita. "O setor do banco tem que ser independente. Deve ser assim num mercado sério", afirmou. Sardenberg acrescenta: "e é evidente que a política tem a ver com a economia". Leia abaixo:

O dinheiro e a informação 
Qualquer analista diria que um segundo mandato da presidente Dilma não seria bom para o investidor comum

Jornalistas, pelo menos aqui no sistema Globo, não podem recomendar investimentos financeiros. Jornalistas e comentaristas de economia não podem nem ter ações de qualquer empresa, pela ética e pela prática. O profissional pode ser isento, mas as aparências contam aqui. O público terá todo o direito de desconfiar do comentário, se souber que um comentarista está vendendo ou comprando ações de uma estatal.

É a mesma coisa com os jornalistas de gastronomia. Não podem aceitar uma boca-livre e depois comentar sobre aquele restaurante.

Já houve muita fraude e muito comportamento errado entre jornalistas, aqui e lá fora. Como prevenir? Uma hipótese seria impor severa regulamentação legal para o trabalho dos jornalistas — uma péssima saída porque levaria fatalmente a uma severa restrição à liberdade de imprensa. O princípio maior é que a imprensa tem de ser livre. Se é boa ou não, isso depende da sociedade, do público que vai consumir ou não esta ou aquela publicação.

Por isso, veículos sérios adotam códigos de ética. O controle interno é o melhor. Com o tempo, o público reconhece o caráter do veículo. Distingue entre o chapa-branca e o isento, entre o oportunista e o sério, entre o que quer fazer dinheiro a qualquer custo e o que quer fazer dinheiro com o jornalismo sério.

Sim, claro, o jornalismo sério se equivoca não raras vezes. Mas volta ao assunto, reconhece, refaz. Tinha que ter alguma vantagem isso de ter de produzir notícia todos os dias...

Resumindo, jornalistas podem tratar de qualquer tema, podem dizer que uma empresa vai bem — e mostrar os dados — ou que um setor vai mal, mas não devem dizer "compre isto", "venda sua casa e aplique em juros", coisas assim.

É diferente a situação dos analistas de investimentos. O cliente de um banco precisa de orientações específicas.

Analista de investimento é uma profissão. "Broker" também. Para montar um grupo de investidores e formar, por exemplo, um clube de ações, o sujeito precisa de licença e autorização da Comissão de Valores Mobiliários. Idem para recomendar aplicações.

A regulamentação, aqui e lá fora, também resulta de equívocos e malfeitos cometidos ao longo do tempo. O mais comum era — e pode ser — o banco indicar investimentos que serão ruins para o investidor e bons para o banco. Imagine que o banco, na sua Tesouraria, comprou ações da Petrobras e quer se livrar delas. Se sair por aí dizendo que os papéis da estatal vão subir e, para ajudar um pouco, colocar um "laranja" para comprar lotes desses papéis e forçar uma valorização inicial, trata-se de um grande roubo.

Tem lei e regulamentação para tentar administrar o conflito de interesses que pode haver entre o cliente/investidor, o banco e o dono do banco.

Por isso, o setor do banco que se relaciona com os clientes, informando e sugerindo aplicações, tem que ser independente. Deve ser assim num mercado sério. O Brasil tem melhorado nesse aspecto, com regulamentações e prática. Uma delas é a ampla publicidade: analistas de investimentos vêm a público todos os dias com seus relatórios. Recomendam compra ou venda de ações, indicam qual o preço alvo. Os relatórios vão para os clientes e frequentemente são distribuídos para a imprensa. Como fazem as consultorias nacionais ou estrangeiras.

Ora, é evidente que a política tem a ver com a economia. As políticas do governo Dilma provocaram enorme desvalorização das ações da Petrobras, o caso mais forte. Questionada sobre isso, a presidente já argumentou que as estatais não trabalham para especuladores — e colocou assim no mesmo saco os grandes especuladores, os trabalhadores que colocaram seu FGTS na estatal e o investidor comum que simplesmente pensava em juntar algumas economias.

Tudo considerado, qualquer analista diria que um segundo mandato da presidente Dilma não seria bom para o investidor comum. Mesmo admitindo que a atual gestão da Petrobras pode trazer resultados a longo prazo, o fato é que, no momento, a companhia não coloca o lucro e o interesse do investidor minoritário como objetivo central.

Foi o que disse o pobre ou a pobre analista do Santander. E é o que estão dizendo todos, repetindo, todos os demais analistas há muito tempo. Normal.

Ruim foi a reação do governo, escolhendo um alvo fácil para se declarar vítima de terrorismo, em vez de contestar os dados. Ameaçou assim a liberdade de informação.

Pior foi a reação da direção do banco, que pediu desculpas ao governo e demitiu o(a) analista. Disse que ele(a) fizera coisa errada. Quer dizer que o certo é comprar ações quando aumentarem as chances de Dilma? Os clientes do banco foram enganados nos últimos relatórios ou estão sendo enganados agora?

E o dono do banco, Dom Emilio Botin, defendeu o seu negócio. O governo é regulador e muito bom cliente. Uma ordem, e governos, prefeituras e entidades públicas podem fechar contas com o Santander. Resumo: prevaleceram o ataque à liberdade de informação e de fazer negócios; e o interesse do banqueiro.

Mídia Gisele Federicce Thu, 31 Jul 2014 10:12:25 +0000 http://www.brasil247.com/148549
Aécio e o aeroporto: "reconheço o equívoco" http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/148507 : Pela primeira vez, desde que a denúncia foi publicada pela Folha de S. Paulo, o presidenciável tucano Aécio Neves reconheceu, nesta quarta-feira, o uso do aeroporto de Cláudio (MG), cuja pista ainda não foi homologada pela Agência Nacional de Aviação Civil; "Pousei ali algumas poucas vezes em avião da minha família, para ser mais específico do Gilberto Faria, que era casado com a minha mãe", disse ele; "Se algum equívoco houve, certamente eu posso reconhecer e não ter me preocupado em examinar em que estágio o processo de homologação está. Este é um equívoco e eu quero reconhecer"; em artigo, ele reafirma que obra "foi não apenas legal, mas transparente e ética" <br clear="all"> :

Minas 247 - O candidato do PSDB à presidência da República, Aécio Neves (PSDB-MG), reconheceu nesta quarta-feira que utilizou o Aeroporto de Cláudio (MG), cuja pista ainda não se encontra homologada pela Agência Nacional de Aviação Civil.

“Não tenho absolutamente nada a esconder. Esse aeródromo já usei várias vezes antes dessa pista ser asfaltada nos últimos 30 anos desde a minha juventude, que ele era usado por empresários, fazendeiros, pessoas da região. E depois da conclusão da obra, quando eu já não era mais governador do Estado, pousei ali algumas poucas vezes em avião da minha família, para ser mais específico do Gilberto Faria, que era casado com a minha mãe", disse ele.

"Se algum equívoco houve, certamente eu posso reconhecer e não ter me preocupado em examinar em que estágio o processode homologação está. Este é um equívoco e eu quero reconhecer.”

Gilberto Faria, proprietário da aeronave utilizada por Aécio, foi dono do Banco Bandeirantes e irmão de Aloysio Faria, ex-dono do Real, que foi vendido ao ABN-Amro.

Com a declaração, Aécio tenta estancar a crise aberta em sua campanha desde a denúncia da Folha, ocorrida há dez dias.

Em entrevista ao Globo, o ministro Gilberto Carvalho afirmou que o aeroporto de Cláudio (MG) é a "ponta do iceberg" relacionada a Aécio, o que provocou indignação no PSDB. O deputado Carlos Sampaio retrucou dizendo que Carvalho tem  um "iceberg inteiro chamado Celso Daniel" e avisou que irá processá-lo.

Candidato do PT em Minas, Fernando Pimentel afirma que o aeroporto de Cláudio "é clandestino".

As próximas pesquisas sobre sucessão presidencial medirão o impacto real da denúncia.

Em artigo na edição da Folha de S. Paulo desta quinta-feira, o presidenciável tucano Aécio Neves contesta todas as acusações do jornal e reafirma que manteve ética. Leia:

A verdade sobre o aeroporto

A obra foi não apenas legal, mas transparente, ética e extremamente importante para o desenvolvimento do município e da região
Nasci no ambiente da política e vivi nele toda a minha vida. Sei que todo homem público tem uma obrigação e um direito: a obrigação de responder a todo e qualquer questionamento, especialmente os que partem da imprensa. E o direito de se esforçar para que seus esclarecimentos possam ser conhecidos.

Nos últimos dias, fui questionado sobre a construção de um aeroporto na cidade de Cláudio, em Minas Gerais. Como o Ministério Público Estadual atestou e a Folha registrou em editorial, não há qualquer irregularidade na obra. Mas surgiram questionamentos éticos, uma vez que minha família tem fazenda na cidade. Quero responder a essas questões.

A pista de pouso em Cláudio existe há 30 anos e vem sendo usada por moradores e empresários da região. Com as obras, o governo de Minas Gerais transformou uma pista precária em um aeródromo público. Para uso de todos.

As acusações de benefício à minha família foram esclarecidas uma a uma. Primeiro, se disse que o aeroporto teria sido construído na fazenda de um tio-avô meu. A área foi desapropriada antes da licitação das obras, como manda a lei. O governo federal reconheceu isso, ao transferir a jurisdição do aeroporto ao governo de Minas Gerais, o que só é possível quando a posse da terra é comprovada.

Depois, levantaram-se dúvidas sobre o valor da indenização proposta pelo Estado. O governo ofereceu R$ 1 milhão. O antigo proprietário queria R$ 9 milhões e briga até hoje na Justiça contra o governo de Minas.

Finalmente, se disse que a desapropriação poderia ser um bom negócio para o antigo proprietário, porque lhe permitiria usar o dinheiro da indenização para arcar com os custos de uma ação civil pública a que responde. Não é verdade. O dinheiro da indenização está bloqueado pela Justiça e serve como garantia ao Estado de pagamento da dívida, caso o antigo proprietário seja condenado. Se não houvesse a desapropriação, a área iria a leilão. Se fosse um bom negócio para ele, não estaria lutando na Justiça contra o Estado.

Sempre tomei cuidado em não misturar assuntos de governo e questões pessoais. Durante meu governo, asfaltamos 5.000 quilômetros de estradas, ligando mais de 200 cidades. Apesar desse esforço, deixei sem asfalto uma estrada, no município de Montezuma, que liga a cidade ao Estado da Bahia e passa em frente à fazenda que meu pai possuía, há décadas, na região. Avaliei que isso poderia ser explorado. Foi a decisão correta. De fato, na semana passada, fui acusado de construir um aeroporto em Montezuma. A pista, municipal, existe desde a década de 1980 e recebeu em nosso governo obras de melhoria de R$ 300 mil, inseridas em um contexto de ações para a região. Pelo que me lembro, pousei lá uma vez.

No caso de Cláudio, cometi o erro de ver a obra com os olhos da comunidade local e não da forma como a sociedade a veria à distância.

Tenho sido perguntado se usei o aeroporto de Cláudio, como se essa fosse a questão central. Priorizei até aqui os esclarecimentos sobre o que me parecia fundamental: a acusação de ter cometido uma ilegalidade à frente do governo de Minas. Hoje, me parece que isso está esclarecido. Não tenho nada a esconder. Usei essa pista algumas vezes ao longo dos últimos 30 anos, especialmente na minha juventude, quando ela ainda era de terra.

Depois de concluída essa obra, demandada pela comunidade empresarial local, pousei lá umas poucas vezes, quando já não era mais governador do Estado. Viajei em aeronaves de familiares, no caso a da família do empresário Gilberto Faria, com quem minha mãe foi casada por 25 anos.

Refletindo sobre acertos e erros, reconheço que não ter buscado a informação sobre o estágio do processo de homologação do aeródromo foi um equívoco. Mas reitero que a obra foi não apenas legal, mas transparente, ética e extremamente importante para o desenvolvimento do município e da região.

Minas 247 Wed, 30 Jul 2014 23:02:07 +0000 http://www.brasil247.com/148507
Dilma nega "tarifaço" de energia se for reeleita http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148521 : Brasília - DF, 30/07/2014. Dilma Rousseff participa do diálogo da Indústria com Candidatos à Presidência da República. Brasília - DF. Foto: Ichiro Guerra "O que é que justifica essa hipótese do tarifaço? Significa a determinação em criar expectativa negativa no momento pré-eleitoral", disse a presidente Dilma Rousseff durtante evento na Confederação Nacional da Indústria (CNI); ela acusou os que levantam essa ideia de tentar criar pessimismo para prejudicar a economia; Dilma também afirmou que a "profecia" de que haveria racionamento de energia não se concretizou e que não se concretizará <br clear="all"> : Brasília - DF, 30/07/2014. Dilma Rousseff participa do diálogo da Indústria com Candidatos à Presidência da República. Brasília - DF. Foto: Ichiro Guerra

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff negou nesta quarta-feira que realizará um "tarifaço" no setor de energia caso seja reeleita em outubro e acusou os que levantam essa hipótese de tentar criar pessimismo para prejudicar a economia

"O que é que justifica essa hipótese do tarifaço? Significa a determinação em criar expectativa negativa no momento pré-eleitoral", disse a presidente durtante evento na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

"Esse tarifaço é mais um movimento no sentido de instaurar o pessimismo, expectativas negativas, comprometendo o crescimento do país."

Os dois principais adversários de Dilma na eleição de outubro --Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB)-- têm afirmado que haveria um aumento significativo nas tarifas de energia elétrica após as eleições, o que foi negado nesta quarta-feira pela presiente.

Tanto Aécio, quanto Campos, também discursaram a empresários na CNI nesta quarta.

Dilma também afirmou que a "profecia" de que haveria racionamento de energia não se concretizou e que não se concretizará.

REGULAÇÃO NA TELEFONIA

A presidente respondeu também perguntas de empresários sobre vários assuntos e em uma de suas respostas disse que é "inexorável" uma discussão do governo federal com as empresas de telecomunicações sobre o modelo regulatório do setor de telefonia. Segundo a presidente, o modelo atual é baseado na telefonia fixa, contrariando tendência da indústria voltada cada vez mais para serviços móveis.

"Eu acho que essa é uma discussão que vai ocorrer no Brasil logo após o processo eleitoral", disse Dilma, dando como exemplo a atual obrigatoriedade das concessionárias de telefonia em instalar telefones públicos nas cidades do país.

A presidente disse ainda que o governo vai priorizar a expansão da banda larga e a universalização do acesso à Internet.

Ela disse ter como meta para um eventual próximo governo criar condições que permitam oferta de velocidades maiores de acesso à Internet à população. "Eu luto por uma Internet que tenha condições de chegar ao padrão da Coreia do Sul de 50 mega", disse a presidente.

(Por Nestor Rabello e Jeferson Ribeiro)

Poder Roberta Namour Thu, 31 Jul 2014 05:42:44 +0000 http://www.brasil247.com/148521
Sob polêmica com Dilma, vice deixa Santander http://www.brasil247.com/pt/247/relacoes_com_investidores/148518 : Instituição espanhola anuncia a saída do vice-presidente do banco no Brasil, Marco Antonio Martins de Araújo Filho, responsável pela área de assuntos corporativos; mudança ocorre na semana em que o Santander se envolveu em uma polêmica com o governo após informe enviado a 40 mil clientes de alta renda relacionando a piora da economia brasileira com uma subida da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas de intenção de voto; apesar disso, grupo presidido por Emílio Botín  alega que não há ligação entre os dois fatos <br clear="all"> :

247 – O Santander anunciou na noite desta quarta-feira a saída do vice-presidente do banco no Brasil, Marco Antonio Martins de Araújo Filho. Martins era responsável pela área de assuntos corporativos, que reúne as áreas jurídica, compliance, prevenção de lavagem de dinheiro e política pública institucional.

Mudança ocorre na semana em que o Santander se envolveu em uma polêmica com o governo após informe enviado a 40 mil clientes de alta renda relacionando a piora da economia brasileira com uma subida da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas de intenção de voto.

O analista responsável pela elaboração do documento foi demitido e o presidente nacional do Branco, Emilio Botin, divulgou pedido de desculpas ao governo pelo “equívoco”.

Apesar disso, a instituição afirma que o desligamento de Martins aconteceu no último dia 7 de julho, mas só foi comunicado ao mercado com a divulgação da ata a da reunião do conselho, através da Comissão de valores Mobiliários (CVM). Portanto, diz que não há ligação entre a saída do executivo e o episódio desastroso.

A área de assuntos corporativos será incorporada pela vice-presidência de estratégia, comanda por Carlos Rey de Vicente.

Relações com Investidores Roberta Namour Thu, 31 Jul 2014 05:13:27 +0000 http://www.brasil247.com/148518
TJ-SP nega recurso contra Moura e PT vota expulsão http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148517 : Após decisão da Justiça e em meio a novas denúncias sobre envolvimento do deputado estadual Luiz Moura (SP) com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), o PT paulista definirá a partir desta quinta-feira se expulsará o parlamentar do partido; tendência é de que a maioria dos dirigentes aprove saída para evitar novos desgastes à legenda e à candidatura do petista Alexandre Padilha ao governo de São Paulo   <br clear="all"> :

247 – A Justiça de São Paulo negou o recurso do PT contra a candidatura do deputado Luiz Moura nas eleições de outubro. Diante do fato e em meio a novas denúncias sobre seu envolvimento com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), o partido paulista definirá a partir desta quinta-feira se expulsará o parlamentar do partido; tendência é de que a maioria dos dirigentes aprove saída para evitar novos desgastes à legenda e à candidatura do petista Alexandre Padilha ao governo de São Paulo.

Leia a matéria de Reinaldo Chaves, do Consultor Jurídico, sobre o assunto:

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou, nesta quarta-feira (30/7), recurso do PT para excluir o deputado estadual Luiz Moura das eleições de outubro. Em decisão unânime, a 5ª Câmara de Direito Privado decidiu "não conhecer" o Agravo de Instrumento apresentado pelo diretório estadual do partido com objetivo de derrubar a liminar que anulou a suspensão e concedeu ao deputado o direito de registrar sua candidatura individualmente. Entre outros argumentos, o partido alega que o caso deveria ser julgado pela Justiça Eleitoral, e não pela Justiça comum. Moura quer concorrer a mais um mandato como deputado.

O relator do processo, desembargador Edson Luiz de Queiroz, votou contra o partido. "Não conheço o Agravo, na medida em que não houve uma representação processual regular do agravante. Inicialmente estou rejeitando [a admissibilidade], haja vista que a matéria é de competência desta Justiça estadual e não do Tribunal Regional Eleitoral. Portanto, eu estou rejeitando a preliminar e não conheço o pedido", disse o desembargador.

O Agravo de Instrumento não foi sequer conhecido porque ele dizia respeito a uma decisão que já foi reformada. A liminar inicial havia sido concedida no dia 5 de julho pelo juiz de plantão do TJ-SP, Fernando Camargo, da primeira instância, para anular a convenção estadual do PT.

Mas essa liminar foi cassada no dia 11 de julho pelo juiz Renato de Abreu Perine, da 17ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, que revalidou a convenção do partido, mas reconheceu que o deputado Moura poderia registrar sua candidatura à reeleição pelo partido — mesmo não tendo sido um dos escolhidos. Nesse caso, como ressalvou o juiz, caso Moura se candidatasse de forma avulsa, a análise caberia à Justiça Eleitoral. Foi contra essa decisão que o partido recorreu ao TJ.

Os principais argumentos do recurso eram que a escolha dos candidatos à eleição é questão interna do partido e não poderia ser decidida pelo Poder Judiciário, e que o PT seguiu os procedimentos corretos na suspensão de Moura. O deputado foi afastado disciplinarmente por 60 dias por supostamente manter ligações com uma facção criminosa.

Outro recurso

Segundo os advogados do PT, Marcelo Rossi Nobre e Othon de Sá Funchal Barros, já foi interposto um outro Agravo de Instrumento sobre a última decisão. A defesa sustenta que a convenção que determinou quais seriam os candidatos foi legal, lícita e obedeceu os parâmetros do estatuto do partido.

“Só que Luiz Moura não foi escolhido em convenção. Então, como a Justiça deu essa decisão? Foi considerada válida a coligação, mas o sujeito submeteu o próprio nome a registro. O partido não o escolheu como candidato. Trata-se de um assunto interno do partido”, defende Barros.

Nobre afirma acreditar que o Tribunal Eleitoral decidirá de forma definitiva que o deputado não possui os requisitos legais para ser candidato.

Luiz Moura obteve o registro de CNPJ para começar a fazer campanha, mas o TRE-SP ainda precisará validar o registro de candidatura do petista. O caso aguarda julgamento.

SP 247 Roberta Namour Thu, 31 Jul 2014 05:19:00 +0000 http://www.brasil247.com/148517
Arruda diz ser vítima de campanha de terror http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/148522 : Candidato ao governo do Distrito Federal avalia que sua situação é comparável à do ex-presidente Juscelino Kubitschek, na campanha negativa movida pela antiga UDN; "Para assustar meu eleitor, o PT imita a UDN contra JK. Diz que se eu ganhar, não tomo posse, e se tomar posse, não governo", disse José Roberto Arruda (PR); preso em 2010, o ex-governador foi condenado por improbidade após registrar a chapa; Ibope aponta Arruda com 32% e o governador Agnelo Queiroz com 17% <br clear="all"> :

247 – Líder na pesquisa do Ibope sobre as intenções de voto do Distrito Federal, José Roberto Arruda (PR) compara sua situação à do ex-presidente da República Juscelino Kubitschek, na campanha negativa movida pela antiga UDN.

Segundo o colunista Bernardo Mello Franco, ele afirma que já estaria eleito se não tivesse a candidatura questionada na Justiça: "Para assustar meu eleitor, o PT imita a UDN contra JK. Diz que se eu ganhar, não tomo posse, e se tomar posse, não governo".

Preso em 2010, o ex-governador foi condenado por improbidade após registrar a chapa. O Ministério Público sustenta que ele é ficha-suja e não pode concorrer.

Na pesquisa de ontem, Arruda aparece com 32% e o governador Agnelo Queiroz com 17%. Ele promete agora pedir voto para o presidenciável tucano Aécio Neves.

Brasília 247 Roberta Namour Thu, 31 Jul 2014 05:52:26 +0000 http://www.brasil247.com/148522
Ibope faz Temer aumentar pressão sobre Skaf em SP http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148520 : Vice-presidente Michel Temer, dirigente do PDMB, vai dizer ao candidato do partido ao governo do Estado, Paulo Skaf, que, com 11% das intenções de voto, ele não está em condições de dispensar palanque duplo com a presidente Dilma Rousseff; ela aparece com 25% de favoritismo entre os paulistas <br clear="all"> :

247 – A pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira aponta o governador Geraldo Alckmin (PSDB) em ascensão, com 50% das intenções de voto. Paulo Skaf, do PMDB, que já apresentou 23% no Datafolha, marcou agora apenas 11%; em terceiro, ex-ministro Alexandre Padilha, do PT, ficou com 5%.

Diante do cenário, segundo o colunista Bernardo Mello Franco, o vice-presidente Michel Temer dirá hoje a Skaf que ele não está em condições de desprezar os 25% das intenções de voto de Dilma Rousseff em São Paulo.

O peemedebista tem esnobado palanque duplo com o PT. Um dirigente do PMDB paulista teria dito que o vídeo em que Skaf ironiza a chance de apoiar Dilma foi um "erro grave": "Qualquer pessoa com mínima visão política sabia que seria desastroso. Isso não é questão de marketing, é questão de fidelidade política".

SP 247 Roberta Namour Thu, 31 Jul 2014 05:32:54 +0000 http://www.brasil247.com/148520
Luciana quer pasta da Ecologia e Justiça Ambiental http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/148514 :  De acordo com a candidata à Presidência da República pelo PSOL, Luciana Genro, a nova pasta incorporará os ministérios da Pesca; Meio Ambiente; Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Transporte; e Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; ela avalia que a medida reduzirá os gastos públicos e será estratégica: “Vamos apresentar um novo modelo de desenvolvimento, que integre respeito aos direitos humanos e à natureza”, disse Luciana Genro <br clear="all"> :

Mariana Branco - Repórter da Agência Brasil - A candidata à Presidência da República pelo PSOL, Luciana Genro, disse ontem (30) que seu governo irá criar o Ministério da Ecologia e Justiça Ambiental. A candidata fez o anúncio na sede do partido em Fortaleza, durante evento para lançamento de seu programa ambiental. De acordo com ela, a nova pasta incorporará os ministérios da Pesca; Meio Ambiente; Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Transporte; e Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Segundo a assessoria de comunicação da candidata, ela avalia que a medida reduzirá os gastos públicos e será estratégica. “Vamos apresentar um novo modelo de desenvolvimento, que integre respeito aos direitos humanos e à natureza”, disse Luciana Genro. Também nesta quarta-feira, a candidata do PSOL visitou o Centro de Reabilitação de Mamíferos da Aquasis Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos e ouviu técnicos sobre os impactos do atual modelo de desenvolvimento na fauna marinha.

Pela manhã, ela visitou a aldeia indígena Anacé, em Pecém, cerca de 60 quilômetros de Fortaleza. O local tem recebido projetos do Complexo Industrial e Portuário de Pecém. Luciana Genro disse que seu partido apoia a luta indígena e criticou a paralisação das demarcações de terra no governo atual.

O candidato Eduardo Jorge, do PV, visitou a Igreja Nossa Senhora da Paz e o Centro de Estudos Migratórios (CEM), em São Paulo. A paróquia tem acolhido imigrantes haitianos vindos do Acre. “Esta [a imigração] é uma pauta social que exige uma política muito forte para não cairmos em xenofobia. Cabe à ONU [Organização das Nações Unidas] e às nações buscarem um melhor equilíbrio e qualidade de vida em todos os países para evitar migrações dramáticas e forçadas", disse, segundo declarações divulgadas pela assessoria do candidato.

Rio Grande do Sul 247 Roberta Namour Thu, 31 Jul 2014 05:56:30 +0000 http://www.brasil247.com/148514
Gustavo Franco: situação fiscal do país é inaceitável http://www.brasil247.com/pt/247/economia/148519 : "O Brasil exibe uma vulnerabilidade, sobretudo fiscal, muito grande, as contas fiscais estão desarrumadas e há certo desleixo com relação a esse assunto, que é inaceitável do meu ponto de vista", disse o ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco; segundo ele, diagnóstico do FMI sobre o país é compartilhado por "analistas de mercado, analistas internacionais, agências de rating e organizações multilaterais"; "Quem é a voz isolada é o nosso ministro" <br clear="all"> :

O ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco disse nesta quarta-feira, 30, que as contas fiscais estão desarrumadas e há certo desleixo com relação a esse assunto, o que é "inaceitável".

"O Brasil exibe uma vulnerabilidade, sobretudo fiscal, muito grande, as contas fiscais estão desarrumadas e há certo desleixo com relação a esse assunto, que é inaceitável do meu ponto de vista", disse Franco, que participou do debate Vinte Anos Depois do Real: O Debate Sobre o Futuro do Brasil, realizado na Casa do Saber, no Rio.

O comentário foi feito após ser questionado a respeito da análise do Fundo Monetário Internacional (FMI), que apontou que a situação das contas externas do Brasil é moderadamente frágil e corre o risco de se deteriorar rapidamente, em um cenário de acentuada e prolongada queda no preço das commodities.

Para Franco, o FMI faz análises baseadas em indicadores objetivos. "São análises que conferem com muito do que se fala por aqui, entre os economistas."

Na visão do ex-presidente do BC, concordam com o diagnóstico do FMI "analistas de mercado, analistas internacionais, agências de rating e organizações multilaterais". "O FMI não é uma voz isolada nesse assunto. Quem é a voz isolada é o nosso ministro", acrescentou.

Economia Roberta Namour Thu, 31 Jul 2014 05:27:55 +0000 http://www.brasil247.com/148519
Dilma condena "pessimismo" e promete "novo ciclo" http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148467 : Em discurso na CNI, presidente comparou investimentos feitos em seu governo com os da gestão de FHC, ressaltou estímulos do Estado a vários setores da indústria e disse que atualmente "nós não desorganizamos a economia como se fazia no passado", quando o Brasil recorreu ao FMI por três vezes; em combate ao "pessimismo", Dilma Rousseff citou o caso da Copa, do apagão e da "tempestade perfeita", que prometia "crise cambial avassaladora", lembrando que nada se concretizou; "Não nos deixemos nos arrastar pelo pessimismo", pediu; candidata do PT prometeu aos empresários "um novo ciclo, que nós chamamos de competitividade produtiva" e  assumiu o "compromisso de discutir as 42 propostas da CNI" <br clear="all"> :

247 – Em discurso aos empresários na Confederação Nacional da Indústria (CNI), a presidente Dilma Rousseff voltou a condenar, nessa quarta-feira 30, o "pessimismo" que toma a economia brasileira e que pode trazer "graves consequências". A candidata do PT citou o caso das expectativas negativas antes da Copa do Mundo, a previsão de que haveria um apagão no País e até da chamada "tempestade perfeita, que prometia nos conduzir a uma crise cambial avassaladora". Dilma lembrou que nada disso ocorreu e fez um apelo: "não nos deixemos arrastar pelo pessimismo".

A presidente ressaltou os investimentos feitos durante seu governo, comparando números positivos com os da gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Em quatro anos do meu governo foram investidos mais do que nos anos do presidente que antecedeu o presidente Lula", afirmou, em referência a FHC. E provocou: "nós não desorganizamos a economia como se fazia no passado, recorrendo ao FMI por três vezes. Mas de maneira alguma deixamos que a nossa economia tivesse um comprometimento grave por causa da crise".

Dilma garantiu que "vamos entrar num novo ciclo, que nós chamamos de competitividade produtiva". Trouxe à tona benefícios dados por seu governo à indústria, como a desoneração da folha de pagamento a 56 setores, a redução de IPI para automóveis, linha branca, móveis e materiais de construção, aprimoramento do simples nacional, estímulo ao crédito e empréstimos subsidiados – lembrando que essas medidas foram duramente criticadas. "Tais posições (as críticas) ecoam ao passado, quando o Estado brasileiro deu as costas à indústria nacional", criticou.

Ao mencionar a crise internacional, disse que "talvez ainda seja cedo para celebrar o fim da crise" e questionou: "Como teria sido se não tivéssemos adotado medidas anticíclicas e estímulo ao emprego no Brasil? Em que situação estaria nossa indústria?". A exemplo dos outros dois candidatos que estiveram hoje na CNI, Eduardo Campos e Aécio Neves, Dilma disse que seu governo dará prioridade, "como sempre demos", à agenda da reforma tributária, com "ênfase na simplificação, na desburocratização e não cumulação dos tributos". A candidata do PT também defendeu uma reforma do Estado – "é preciso simplificar processos" – e política, para a qual defendeu um plebiscito. Por fim, garantiu aos empresários: "assumo o compromisso de discutir as 42 propostas da CNI".

Leia, abaixo, reportagem da Agência Brasil:

Danilo Macedo e Iolando Lourenço – Última candidata sabatinada hoje (30) na Confederação Nacional da Indústria (CNI), a presidenta Dilma Rousseff, que disputa a reeleição, aproveitou a parte inicial de sua fala para fazer um balanço das realizações do governo e do anterior na área industrial. Dilma lembrou que foi no mesmo plenário, na sabatina de 2010, que prometeu criar a Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa, comandada atualmente pelo empresário Afif Domingos.

“Sabemos que nos últimos anos o Brasil mudou e tem um longo caminho a percorrer”, disse a candidata, ao lembrar que seu governo procurou resgatar a perspectiva industrial, superando preconceitos de que o país não precisaria de uma política industrial.

Dilma enfatizou o crescimento expressivo da indústria naval a partir de 2003. Segundo ela, o número de trabalhadores no setor aumentou dez vezes desde então, com a expansão de estaleiros. Até 2020, a indústria naval fará investimentos em torno de US$ 100 bilhões, impulsionados pela demanda gerada pela exploração da camada do pré-sal. “O pré-sal vai constituir o mais importante fator individual de demanda por bens, serviços industriais, tecnologia e aprimoramento da nossa capacidade de inovação”.

A candidata prometeu continuar o debate sobre a necessidade da política industrial no Brasil, que, segundo ela, é criticada por muitos. Para ela, os eixos da política industrial são a desoneração tributária, a concessão de créditos, os incentivos por compras governamentais, a educação técnica e científica, a recuperação do planejamento e a construção de marcos regulatórios, bem como o fim da burocracia e as parcerias com o setor privado.

A presidenta lembrou que esses eixos foram essenciais para minorar os efeitos da crise econômica mundial no país e devem continuar em um possível novo governo.

Dilma foi à sabatina na CNI acompanhada do vice-presidente Michel Temer, também candidato à reeleição, e de ministros como o da Fazenda, Guido Mantega, da Casa Civil, Aloizio Mercadante, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, e da Micro e Pequena Empresa, Afif Domingos, além do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho.

Antes de Dilma começar a falar, o presidente da CNI, Robson Andrade, disse que entregou a ela, assim como aos demais candidatos sabatinados hoje, Eduardo Campos, do PSB, e Aécio Neves, do PSDB, 42 propostas da CNI para melhorar a economia nacional, com foco na melhoria da infraestrutura, para aumentar a competitividade das empresas nacionais no mercado interno e externo.

Poder Gisele Federicce Wed, 30 Jul 2014 16:24:46 +0000 http://www.brasil247.com/148467
Rui Falcão: "Dilma será sua própria porta-voz sobre economia" http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148459 REUTERS/Ueslei Marcelino: Presidente do PT, Rui Falcao, durante entrevista à Reuters, em Brasília. 29/07/2014. REUTERS/Ueslei Marcelino "A pessoa que está mais preparada para discutir economia e para falar de economia é a própria presidenta", disse o presidente do PT em entrevista à Reuters; sobre como rebater durante a campanha o mal-estar com o que chamou de "um pouquinho mais de inflação", Falcão disse que é preciso "ampliar o nível de informação e combater o catastrofismo, o pessimismo e o terrorismo econômico"; "Por exemplo, tem inflação, mas hoje você tem casa própria, tem inflação, mas você hoje tem seu filho na universidade", argumentou <br clear="all"> REUTERS/Ueslei Marcelino: Presidente do PT, Rui Falcao, durante entrevista à Reuters, em Brasília. 29/07/2014. REUTERS/Ueslei Marcelino

Por Jeferson Ribeiro e Alexandre Caverni

BRASÍLIA (Reuters) - A inflação relativamente alta é um problema, mas não será um empecilho para a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), que assumirá pessoalmente o papel de porta-voz da campanha na área econômica, disse o presidente nacional do PT, Rui Falcão.

Deputado estadual paulista e coordenador-geral da campanha, Falcão justificou a escolha de Dilma pelo fato de ela ser a pessoa mais qualificada para tratar da economia, além de evitar possíveis especulações sobre a composição do ministério em um eventual segundo mandato, já que há expectativa em torno da saída do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que ocupa o cargo desde março de 2006.

"A pessoa que está mais preparada para discutir economia e para falar de economia é a própria presidenta", disse Falcão em entrevista à Reuters na sede do comitê de campanha, em Brasília.

"Se você começa a divulgar quais as pessoas estão mais empenhadas em analisar política econômica e instrumentos que possam ser acionados no ano que vem, se for o caso, começa a antecipar o tipo da (futura) equipe, o que nem nós e nem ela queremos."

A situação era diferente em 2010, quando o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci assumiu o papel de principal interlocutor da área econômica da campanha da petista, que tentava se eleger pela primeira vez. Na ocasião também se especulou, com menor intensidade, sobre uma possível substituição de Mantega, mas Dilma não era a presidente.

Num momento em que a confiança do mercado financeiro no governo está em baixa, Falcão minimizou a necessidade de alguma sinalização de nomes.

"Os caras dizem que isso (a designação de porta-vozes para a economia na campanha) pode ser uma vantagem, que pode inspirar a confiança do mercado", disse. "O mercado é uma parte da sociedade, mas a maioria da sociedade não é o mercado."

Sobre como rebater durante a campanha o mal-estar com o que chamou de "um pouquinho mais de inflação", Falcão disse que é preciso "ampliar o nível de informação e combater o catastrofismo, o pessimismo e o terrorismo econômico".

"Por exemplo, tem inflação, mas hoje você tem casa própria, tem inflação, mas você hoje tem seu filho na universidade", argumentou.

"E também tem a comparação com o mundo... talvez seja melhor conviver com esse pouquinho a mais de inflação, que vai ser derrubado com o tempo, do que ter sacrificado seu emprego, seu salário, sua casa própria, a escola do seu filho", acrescentou.

Ao longo do mandato de Dilma, em vários momentos a inflação acumulada em 12 meses rondou, e mesmo superou, como em junho, o teto da meta do governo --de 4,5 por cento, com margem de 2 pontos percentuais. A alta dos preços tem sido um dos principais motivos de insatisfação do eleitorado.

Outro desafio que Dilma enfrenta, sua alta rejeição, também foi minimizado por Falcão, para quem a campanha eleitoral, que começa a engrenar agora, será o momento para reduzi-la.

(Reportagem adicional de Anthony Boadle)

Poder Gisele Federicce Wed, 30 Jul 2014 15:26:24 +0000 http://www.brasil247.com/148459
Aécio também promete agir "na primeira semana" http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148441 : Como Eduardo Campos (PSB), presidenciável tucano prometeu reforma tributária "na largada do governo"; Aécio Neves disse em sabatina da CNI que "capital político do início do governo é importante" e que terá "coragem desde o primeiro dia para tomar todas as medidas necessárias" para encerrar o atual ciclo; senador apresentou proposta de saltar de 18% do PIB em investimentos para 24% até 2018 e garantiu "diálogo permanente com o setor produtivo" antes de ironizar discurso da presidente Dilma: "Não adianta falar de um pessimismo generalizado, o empresariado sabe fazer contas"; Aécio defendeu revisão do Mercosul, que "vem nos amarrando", e real mais desvalorizado <br clear="all"> :

247 – Em sua explanação na Confederação Nacional da Indústria (CNI), o presidenciável pelo PSDB, Aécio Neves, prometeu, como o candidato Eduardo Campos (PSB), apresentar proposta de reforma tributária "na largada do governo" e defendeu que o "capital político do início do governo é importante". "Terei coragem desde o primeiro dia para tomar as medidas necessárias para que o Brasil encerre esse ciclo", afirmou. A uma plateia de empresários, o senador garantiu "diálogo permanente com o setor produtivo" e sugeriu aumento na taxa de investimento no País. "O ideal é saltar de 18% do PIB em investimento, para 24% do PIB" até 2018, afirmou.

Ao comentar discurso feito por ele em abril, também num evento com empresários, quando disse estar preparado para tomar decisões impopulares, Aécio afirmou que "as medidas impopulares foram tomadas por esse governo". O parlamentar mencionou a "credibilidade", segundo ele, "palavra em falta no Brasil" e disse que a "previsibilidade" é o ponto principal "para quem for investir no País hoje". Aécio ironizou o discurso da presidente Dilma Rousseff contra o pessimismo na área econômica. "Não adianta falar de um pessimismo generalizado, o empresariado sabe fazer contas".

Aécio também apresentou, como uma de suas primeiras propostas caso seja eleito, "o realinhamento da nossa política externa do ponto de vista comercial, e não do ponto de vista ideológico, como é feito hoje". O candidato afirmou que "o Mercosul vem nos amarrando" e defendeu "flexibilização maior" dos acordos do bloco com várias outras regiões do mundo.

Aécio falou em "integração maior do Brasil com o mundo" e defendeu relação mais próxima com a União Europeia. "Acordos bilaterais vêm sendo feitos e um em particular me preocupa. O Brasil vem perdendo oportunidade de avançar com a União Europeia", disse Aécio. O tucano recebeu o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, na semana passada, quando criticou o "desinteresse" do País pelo tema.

Abaixo, notícia da Agência Brasil e da Reuters a respeito:

Aécio Neves diz que pretende elevar investimento para 24% do PIB até 2018

Ivan Richard - O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, disse há pouco a empresários do setor industrial que, caso eleito, pretende elevar, até 2018, a taxa de investimento do país em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), dos atuais 18% para 24%, conforme o candidato. O tucano disse ainda que terá "como obsessão" a recuperação da competitividade da economia e irá propor mudanças na relação com o Mercosul para facilitar a negociação de acordos brasileiros com a União Europeia e outros países.
Durante sabatina promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com os três presidenciáveis melhores colocados nas pesquisas de intenção de voto, Aécio Neves prometeu reduzir e simplificar a carga tributária, "isonomia "no tratamento dos vários setores da economia, além de medidas para criação de um ambiente de negócio "seguro" e "claro".

"Quero estabelecer aqui o desafio para o próximo governo para que possamos, ao final do ano de 2018, saltar do patamar que estamos amarrados hoje de 18% do PIB, para alavancar 24% do PIB de investimentos, com o setor privado e a criação de um ambiente favorável de negócios", disse.

Segundo ele, a meta será fiscalizada por uma comissão formada por representantes do setor industrial, da iniciativa privada e do governo.

Para Aécio Neves, o Brasil perdeu a capacidade de gerar expectativas positivas para a economia, e o pessimismo em relação ao Brasil tem crescido nos últimos meses. Por isso, o futuro presidente precisa trabalhar na recuperação da confiança dos mercados e dos investidores.

"Isso passa por uma nova forma de governança. Não esperem que o nosso governo tenha um Plano A, plano mais isso ou maior. Mas [esperem] regras mais claras e um ambiente seguro, regulação clara dos mercado e, sobretudo, ação do governo que também aumente a produtividade e a qualidade dos serviços".

O tucano criticou o atual modelo de negociação imposto pelo Mercosul e prometeu trabalhar para mudar regras do bloco. "O Mercosul vem nos amarando. Não é um desprezo, mas uma transição, uma transformação em região aduaneira para que possamos formatar acordos com outras regiões do mundo", frisou, um dia após reunião de cúpula do bloco, em Caracas.

Aécio defende real mais desvalorizado e revisão do Mercosul

BRASÍLIA (Reuters) - O candidato à Presidência pelo PSDB, senador Aécio Neves, disse nesta quarta-feira que é preciso rever o tratado do Mercosul e adotar um real mais desvalorizado e, entre outras iniciativas para retomar a competitividade industrial. E defendeu que o superávit primário num eventual governo seu será "o possível", com a meta sendo definida de forma "transparente".

"Um câmbio mais desvalorizado me parece pressuposto essencial para aqueles que buscam maior competitividade", disse Aécio, durante apresentação a empresários na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O tucano acrescentou que "hoje vivemos de populismo cambial" e que o governo faz "intervenções" nesse setor para conter a inflação.

Aécio apontou também para a necessidade de uma mudança no funcionamento do Mercosul, que segundo ele trava os acordos comerciais do país.

"O Mercosul, a grande realidade é essa, vem nos amarrando. Quem sabe sua transformação de união aduaneira para área de livre comércio,... para facilitar acordo com outras regiões do mundo", argumentou.

Segundo ele, o Brasil vem perdendo terreno no comércio internacional e quando fechar acordos terá menos vantagens.

Quando houver um acordo com a União Europeia, por exemplo, argumentou as cotas de produtos agrícolas já estarão ocupadas por outros países do mundo, reduzindo a o mercado para os produtores brasileiros.

O tucano também afirmou que os problemas econômicos do país não decorrem da crise financeira internacional, mas sim ao atual governo que levou o Brasil a um quadro de estagflação e "perda de credibilidade".

"Todos nós sabemos, todos nós acompanhamos as diferenças da crise internacional... em 2008 e 2009, mas os resultados pífios da economia brasileira são consequências de brasileiros e fruto das opções erradas que o governo fez nos últimos anos", afirmou o tucano.

"Nós viemos ao longo desses últimos anos aprendendo, infelizmente, a conviver com aquilo que poderíamos chamar de contabilidade criativa,... que minou aquilo que é fundamental para o crescimento da economia e dos investimentos... que é o instituto de credibilidade", criticou Aécio.

O candidato não especificou qual seria a meta de superávit primário se for eleito, mas disse que sua definição será feita de maneira "absolutamente transparente".

"O superávit será o possível. Sempre deverá existir, mas será o possível", disse o candidato a jornalistas após o encontro com os empresários.

Para Aécio, o último governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e agora o governo Dilma trataram a inflação com "certa leniência".

O tucano, que está em segundo lugar na corrida presidencial, disse que o país investe pouco em infraestrutura e precisa dobrar a média atual de cerca de 2,5 por cento do PIB em investimentos nesse setor. Ele não explicou, porém, como isso seria feito.

Mas detalhou como pretende retomar a competitividade da indústria e apontou seis mudanças que planeja fazer.

Além de um real mais desvalorizado e de mudanças no Mercosul, Aécio disse que é preciso investir em qualificação da educação; dar um choque de atração do capital para investimentos em infraestrutura; e uma taxa de juros mais baixa, que não pode ser adotada por voluntarismo e sim pela melhoria da confiança na economia.

Ele prometeu ainda simplificar o sistema tributário por meio da adoção de um IVA (Imposto de Valor Agregado).

Mais cedo, o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, também apresentou suas propostas para o empresariado e disse que enviará ao Congresso um projeto de reforma tributária na primeira semana de governo e que defenderá a regulamentação da terceirização no mercado de trabalho.(Full Story)

À tarde, é a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, quem apresenta suas propostas no evento.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro e Maria Carolina Marcello)

 

Poder Gisele Federicce Wed, 30 Jul 2014 13:06:20 +0000 http://www.brasil247.com/148441
"Farei reformas na primeira semana", diz Campos à CNI http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/148429 : Em sabatina na Confederação Nacional da Indústria, presidenciável pelo PSB promete, a uma plateia de empresários, entregar reforma do sistema tributário na primeira semana de seu governo, caso seja eleito; "A reforma tributária tem que ser feita no primeiro semestre de 2015", disse; ao criticar a gestão econômica da presidente Dilma Rousseff, Eduardo Campos diz que concessões "foram feitas a contragosto" e que "produtividade não vai aumentar com distribuição partidária de ministérios"; ex-governador de Pernambuco prometeu ainda "renovar a velha política que já faliu a vida dos brasileiros" <br clear="all"> :

247 – Sabatinado por empresários na Confederação Nacional da Indústria (CNI), o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, prometeu apresentar na primeira semana de seu governo, caso seja eleito em outubro, uma proposta de reforma tributária para o País. "A reforma tributária tem que ser feita no primeiro semestre de 2015", disse. A entidade, presidida por Robson Andrade, promove nesta quarta-feira 30 debate de propostas com os três presidenciáveis melhor colocados nas pesquisas. Aécio Neves (PSDB) é sabatinado no final da manhã e a presidente Dilma Rousseff às 15h20.

Ao criticar a gestão econômica de Dilma, afirmou que parece que a gestão da petista "fez concessões a contragosto" e disse que "a produtividade não vai aumentar com distribuição partidária de ministérios". Campos apontou queda na qualidade de vida dos brasileiros e ressaltou necessidade de "não se tratar só da logística de produtos, mas na logística das pessoas". Eduardo Campos apontou que é preciso coragem para mudar de verdade. "O País não suporta mais essa divisão [entre PT e PSDB] que está aí há vinte anos".

Em novo discurso contra o que chama de "velha política", Eduardo Campos prometeu que "renovará" o atual sistema político brasileiro e ressaltou que as circunstâncias que cercam a presidente Dilma e o candidato Aécio Neves são a de "conservar a velha política". "Eu respeito a candidata Dilma, respeito o candidato Aécio, mas a vida da gente são as nossa circunstâncias e as circunstâncias que cercam os dois são a de conservar a velha política, que já faliu a vida dos brasileiros", disse.

"Eu vou renovar a política no Brasil, eu renovei a política no meu estado, é possível fazer", prometeu o ex-governador de Pernambuco, bastante aplaudido. Campos acrescentou que "a primeira de todas as mudanças" que o Brasil reivindica é a "mudança política", fazendo críticas ao atual número de ministérios (39) no governo Dilma e a troca de favorecimentos.

Abaixo, reportagem da Agência Brasil sobre a apresentação e respostas de Campos na CNI:

Campos diz que atual modelo político do país "esclerosou e faliu"

Ivan Richard – Terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto, o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, disse há pouco a empresários da indústria que o atual modelo político do país, baseado na coalizão de partidos, "esclerosou e faliu" e, por isso, precisa ser revisto para viabilizar as mudança que possibilitem tornar o país mais competitivo. "Precisamos compreender que a solução antes da economia é na política", disse. Além de Campos, foram convidados para a sabatina os candidatos de PSDB, Aécio Neves, e do PT, Dilma Rousseff.

Durante abertura de sabatina dos presidenciáveis promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), Campos prometeu comandar uma reforma política que acabe com "essa lógica patrimonialista, fisiologista e atrasada que tem a cabeça no século 19".

"Não tem solução para o que está aí, sem um debate político profundo no Brasil. O padrão político de governança esclerosou, faliu e não vai dar uma nova agenda de competitividade para a economia brasileira. O novo padrão político que se exige é um software que compreenda o que acontece no mundo para levar o Brasil a um ambiente seguro para investir e que anime os investidores", discursou Campos.

Ministro no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Campos criticou o atual modelo de gestão petista que, segundo ele, levará o país para trás. "O presidencialismo de coalização não vai levar o Brasil a um bom lugar. Só levará o Brasil para trás. Eu tenho a confiança de dizer aos empreendedores brasileiros que eu e a Marina [Silva, indicada a vice] representamos a única possibilidade de quebrar o presidencialismo de coalizão e unir o país em torno de uma nova visão de desenvolvimento e governança".

Campos disse que o Brasil vive o desafio do desenvolvimento industrial para fazer o setor sair da estagnação. "Essa é uma situação que exige de nós uma reflexão profunda, mais do que uma simples crítica ou buscar culpados e responsáveis. Responsáveis somos todos nós. Temos potencialidades enormes, temos desafios antigos e novos criados na conjuntura mais recente do país por uma governança macroeconômica que precisa ser revista".

Pernambuco 247 Ana Pupulin Wed, 30 Jul 2014 11:42:03 +0000 http://www.brasil247.com/148429
Veritá aponta vitória de Pimentel no 1º turno em MG http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/148414 : Levantamento feito pelo Instituto Veritá sobre a eleição para governador de Minas Gerais tem dados que podem ser comemorados por PT e PSDB; do lado petista, Fernando Pimentel venceria em primeiro turno, com 50,8% dos votos válidos, mas Pimenta da Veiga cresce quando tem seu nome associado ao tucano Aécio Neves; sucessão presidencial no Estado também revela que presidente Dilma Rousseff reduziu sua distância em relação a Aécio, de maio para julho, no segundo maior colégio eleitoral do País; enquanto o tucano tem agora 41% das intenções de voto, a petista marca 32%, o que representa 51% a 40% dos votos válidos; a distância é de 11 pontos, menor do que os 17 apontados em maio; briga boa <br clear="all"> :

Minas 247 – Pesquisa feita pelo Instituto Veritá sobre a disputa pelo governo de Minas Gerais aponta vitória de Fernando Pimentel, do PT, no primeiro turno. Se as eleições fossem hoje, ele teria 50,8% dos votos válidos, contra 33,8% do tucano Pimenta da Veiga e 7,8% do socialista Tarcísio Delgado.

O levantamento também anima o PSDB porque Pimenta da Veiga cresceu quando associado ao candidato presidencial pelo PSDB, Aécio Neves. Ele diminuiu a distância do petista e cresceu três pontos percentuais, indo de 30,8% a 33,8% dos votos válidos, entre maio e julho. Num eventual segundo turno, haveria empate técnico.

O instituto também pesquisou a preferência do eleitorado mineiro sobre a sucessão presidencial. Se a eleição fosse hoje, o senador Aécio Neves venceria, mas a distância da presidente Dilma Rousseff entre maio e julho diminuiu consideravelmente.

Se há dois meses o tucano tinha 39% das intenções de voto, contra 25,7% da petista (o que nos votos válidos significa 53,8% a 35,4%), uma diferença de 17 pontos, agora a diferença é de 11 pontos, dado o crescimento de Dilma. Se as eleições fossem hoje, Aécio teria 41% contra 32,5% de Dilma em Minas (51% a 40% dos votos válidos).

Na simulação presidencial de segundo turno, a distância também é menor. Aécio registra atualmente 45,4% das intenções de voto, contra 34,7% da presidente (nos votos válidos, isso representa 56,7% contra 43,3%). Em maio, o tucano tinha 50,4%, contra 30,9% de Dilma (nos votos válidos, 62% contra 38%). A pesquisa foi realizada entre 21 e 25 de julho, com 3.077 entrevistados, e foi registrada no TSE.

Confira aqui o relatório de julho e aqui o relatório de maio.

Minas 247 Felipe L. Goncalves Wed, 30 Jul 2014 10:43:57 +0000 http://www.brasil247.com/148414
Antropólogo judeu denuncia genocídio de Netanyahu http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148412 : Texto de Marcelo Gruman intitulado “Não em meu nome” viraliza na internet e condena a tentativa de aniquilamento do povo palestino; “A sacralização do genocídio judaico permite ações que vemos atualmente na televisão, o esmagamento da população palestina em Gaza, transformada em campo de concentração, isolada do resto do mundo. Destruição da infraestrutura, de milhares de casas, a morte de centenas de civis, famílias destroçadas, crianças torturadas em interrogatórios ilegais conforme descrito por advogados israelenses”, diz ele; “Não, não são a exceção, não são o efeito colateral de uma guerra suja. São vítimas, sim, de práticas sociais genocidas, que visam, no final do processo, ao aniquilamento físico do grupo” <br clear="all"> :

247 – Um texto escrito pelo antropólogo judeu Marcelo Gruman se tornou viral na internet. Nele, Gruman fala de suas relações com o judaísmo e de como a sacralização do genocídio judaico estaria abrindo espaço para que Israel aniquile o povo palestino. No texto, ele clama aos judeus para que não aceitem mais a matança em seu nome. Leia abaixo:

Não em meu nome

Marcelo Gruman (*)

Na minha adolescência, tive a oportunidade de visitar Israel por duas vezes, ambas na primeira metade da década de 1990. Era estudante de uma escola judaica da zona sul da cidade do Rio de Janeiro. As viagens foram organizadas por instituições sionistas, e tinham por intuito apresentar à juventude diaspórica a realidade daquele Estado formado após o holocausto judaico da Segunda Guerra Mundial, e para o qual todo e qualquer judeu tem o direito de “retornar” caso assim o deseje. Voltar à terra ancestral. Para as organizações sionistas, ainda que não disposto a deixar a diáspora, todo e qualquer judeu ao redor do mundo deve conhecer a “terra prometida”, prestar-lhe solidariedade material ou simbólica, assim como todo muçulmano deve fazer, pelo menos uma vez na vida, a peregrinação a Meca. Para muitos jovens judeus, a visita a Israel é um rito de passagem, assim como para outros o destino é a Disneylândia.

A equivalência de Israel e Disneylândia tem um motivo. A grande maioria dos jovens não religiosos e sem interesse por questões políticas realizam a viagem apenas para se divertir. O roteiro é basicamente o mesmo: visita ao Muro das Lamentações, com direito a fotos em posição hipócrita de reza (já viram ateu rezando?), ao Museu da Diáspora, ao Museu do Holocausto, às Colinas do Golan, ao Deserto do Neguev e a experiência de tomar um chá com os beduínos, ir ao Mar Morto e boiar na água sem fazer esforço por conta da altíssima concentração de sal, a “vivência” de alguns dias num dos kibutzim ainda existentes em Israel e uma semana num acampamento militar, onde se tem a oportunidade de atirar com uma arma de verdade. Além, é claro, da interação com jovens de outros países hospedados no mesmo local. Para variar, brasileiros e argentinos, esquecendo sua identidade étnica comum, atualizavam a rivalidade futebolística e travavam uma guerra particular pelas meninas. Neste quesito, os argentinos davam de goleada, e os brasileiros ficavam a ver navios.

Minha memória afetiva das duas viagens não é das mais significativas. Aparte ter conhecido parentes por parte de mãe, a “terra prometida” me frustrou quando o assunto é a construção de minha identidade judaica. Achei os israelenses meio grosseiros (dizem que o “sabra”, o israelense “da gema”, é duro por natureza), a comida é medíocre (o melhor falafel que comi até hoje foi em Paris...), é tudo muito árido, a sociedade é militarizada, o serviço militar é compulsório, não existe “excesso de contingente”. A memória construída apenas sobre o sofrimento começava a me incomodar.
Nossos guias, jovens talvez dez anos mais velhos do que nós, andavam armados, o motorista do ônibus andava armado. Um dos nossos passeios foi em Hebron, cidade da Cisjordânia, em que a estrada era rodeada por telas para contenção das pedras atiradas pelos palestinos. Em momento algum os guias se referiram àquele território como “ocupado”, e hoje me envergonho de ter feito parte, ainda que por poucas horas, deste “finca pé” em território ilegalmente ocupado. Para piorar, na segunda viagem quebrei a perna jogando basquete e tive de engessá-la, o que, por outro lado, me liberou da experiência desagradável de ter de apertar o gatilho de uma arma, exatamente naquela semana íamos acampar com o exército israelense.

Sei lá, não me senti tocado por esta realidade, minha fantasia era outra. Não encontrei minhas raízes no solo desértico do Negev, tampouco na neve das colinas do Golan. Apesar disso, trouxe na bagagem uma bandeira de Israel, que coloquei no meu quarto. Muitas vezes meu pai, judeu ateu, não sionista, me perguntou o porquê daquela bandeira estar ali, e eu não sabia responder. Hoje eu sei por que ela NÃO DEVERIA estar ali, porque minha identidade judaica passa pela Europa, pelos vilarejos judaicos descritos nos contos de Scholem Aleichem, pelo humor judaico característico daquela parte do mundo, pela comida judaica daquela parte do mundo, pela música klezmer que os judeus criaram naquela parte do mundo, pelas estórias que meus avós judeus da Polônia contavam ao redor da mesa da sala nos incontáveis lanches nas tardes de domingo.

Sou um judeu da diáspora, com muito orgulho. Na verdade, questiono mesmo este conceito de “diáspora”. Como bem coloca o antropólogo norte-americano James Clifford, as culturas diaspóricas não necessitam de uma representação exclusiva e permanente de um “lar original”. Privilegia-se a multilocalidade dos laços sociais. Diz ele:

As conexões transnacionais que ligam as diásporas não precisam estar articuladas primariamente através de um lar ancestral real ou simbólico (...). Descentradas, as conexões laterais [transnacionais] podem ser tão importantes quanto aquelas formadas ao redor de uma teleologia da origem/retorno. E a história compartilhada de um deslocamento contínuo, do sofrimento, adaptação e resistência pode ser tão importante quanto a projeção de uma origem específica.

Há muita confusão quando se trata de definir o que é judaísmo, ou melhor, o que é a identidade judaica. A partir da criação do Estado de Israel, a identidade judaica em qualquer parte do mundo passou a associar-se, geográfica e simbolicamente, àquele território. A diversidade cultural interna ao judaísmo foi reduzida a um espaço físico que é possível percorrer em algumas horas. A submissão a um lugar físico é a subestimação da capacidade humana de produzir cultura; o mesmo ocorre, analogamente, aos que defendem a relação inexorável de negros fora do continente africano com este continente, como se a cultura passasse literalmente pelo sangue. O que, diga-se de passagem, só serve aos racialistas e, por tabela, racistas de plantão. Prefiro a lateralidade de que nos fala Clifford.

Ser judeu não é o mesmo que ser israelense, e nem todo israelense é judeu, a despeito da cidadania de segunda classe exercida por árabes-israelenses ou por judeus de pele negra discriminados por seus pares originários da Europa Central, de pele e olhos claros. Daí que o exercício da identidade judaica não implica, necessariamente, o exercício de defesa de toda e qualquer posição do Estado de Israel, seja em que campo for.

Muito desta falsa equivalência é culpa dos próprios judeus da “diáspora”, que se alinham imediatamente aos ditames das políticas interna e externa israelense, acríticos, crentes de que tudo que parta do Knesset (o parlamento israelense) é “bom para os judeus”, amém. Muitos judeus diaspóricos se interessam mais pelo que acontece no Oriente Médio do que no seu cotidiano. Veja-se, por exemplo, o número ínfimo de cartas de leitores judeus em jornais de grande circulação, como O Globo, quando o assunto tratado é a corrupção ou violência endêmica em nosso país, em comparação às indefectíveis cartas de leitores judeus em defesa das ações militaristas israelenses nos territórios ocupados. Seria o complexo de gueto falando mais alto? 

Não preciso de Israel para ser judeu e não acredito que a existência no presente e no futuro de nós, judeus, dependa da existência de um Estado judeu, argumento utilizado por muitos que defendem a defesa militar israelense por quaisquer meios, que justificam o fim. Não aceito a justificativa de que o holocausto judaico na Segunda Guerra Mundial é o exemplo claro de que apenas um lar nacional única e exclusivamente judaico seja capaz de proteger a etnia da extinção.

A dor vivida pelos judeus, na visão etnocêntrica, reproduzida nas gerações futuras através de narrativas e monumentos, é incomensurável e acima de qualquer dor que outro grupo étnico possa ter sofrido, e justifica qualquer ação que sirva para protegê-los de uma nova tragédia. Certa vez, ouvi de um sobrevivente de campo de concentração que não há comparação entre o genocídio judaico e os genocídios praticados atualmente nos países africanos, por exemplo, em Ruanda, onde tutsis e hutus se digladiaram sob as vistas grossas das ex-potências coloniais. Como este senhor ousa qualificar o sofrimento alheio? Será pelo número mágico? Seis milhões? O genial Woody Allen coloca bem a questão, num diálogo de Desconstruindo Harry (tradução livre):

- Você se importa com o Holocausto ou acha que ele não existiu?

- Não, só eu sei que perdemos seis milhões, mas o mais apavorante é saber que recordes são feitos para serem quebrados.

O holocausto judaico não é inexplicável, e não é explicável pela maldade latente dos alemães. Sem dúvida, o componente antissemita estava presente, mas, conforme demonstrado por diversos pensadores contemporâneos, dentre os quais insuspeitos judeus (seriam judeus antissemitas Hannah Arendt, Raul Hilberg e Zygmunt Bauman?), uma série de características do massacre está relacionada à Modernidade, à burocratização do Estado e à “industrialização da morte”, sofrida também por dirigentes políticos, doentes mentais, ciganos, eslavos, “subversivos” de um modo geral. Práticas sociais genocidas, conforme descritas pelo sociólogo argentino Daniel Feierstein (outro judeu antissemita?), estão presentes tanto na Segunda Guerra Mundial quanto durante o Processo de Reorganização Nacional imposto pela ditadura argentina a partir de 1976. Genocídio é genocídio, e ponto final.

A sacralização do genocídio judaico permite ações que vemos atualmente na televisão, o esmagamento da população palestina em Gaza, transformada em campo de concentração, isolada do resto do mundo. Destruição da infraestrutura, de milhares de casas, a morte de centenas de civis, famílias destroçadas, crianças torturadas em interrogatórios ilegais conforme descrito por advogados israelenses. Não, não são a exceção, não são o efeito colateral de uma guerra suja. São vítimas, sim, de práticas sociais genocidas, que visam, no final do processo, ao aniquilamento físico do grupo.

Recuso-me a acumpliciar-me com esta agressão. O exército israelense não me representa, o governo ultranacionalista não me representa. Os assentados ilegalmente são meus inimigos.
Eu, judeu brasileiro, digo: ACABEM COM A OCUPAÇÃO!!!

(*) Marcelo Gruman é antropólogo.

Referências bibliográficas:
CLIFFORD, James. (1997). Diasporas, in Montserrat Guibernau and John Rex (Eds.) The Ethnicity Reader: Nationalism, Multiculturalism and Migration, Polity Press, Oxford.
Vídeo:

Mundo Leonardo Attuch Wed, 30 Jul 2014 09:00:22 +0000 http://www.brasil247.com/148412
Israelense defende o estupro de palestinas http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148402 : “A única coisa que vai deter um atacante suicida é saber que, se ele puxar o gatilho, sua irmã será estuprada”, disse  o ex-membro da inteligência militar de Israel Mordechai Kedar; para ele, seria uma “medida efetiva para amedrontar os combatentes desse povo”  <br clear="all"> :

Do Pragmatismo Político - O ex-membro da inteligência militar de Israel, o Dr. Mordechai Kedar, defendeu que estuprar as mulheres palestinas seria uma “medida efetiva para amedrontar os combatentes desse povo.” Kedar, que serviu durante 25 anos esse setor, ainda disse que “a única coisa que vai deter um atacante suicida é saber que, se ele puxar o gatilho, sua irmã será estuprada”.

Tal resposta foi dada em uma entrevista ao programa de rádio Hakol Diburim, da Rádio Israel Bet. As informações são do portal Livre Pensamento.

Atualmente, Kedar é investigador do Centro Begin-Sadat para Estudos Estratégicos da Universidad de Bar-Ilan. Além disso, o ex-militar também é diretor do “Israel Academia Monitor”, um centro que policia os acadêmicos das universidades israelenses. Segundo as agências de notícias estrangeiras, esse centro é conhecido por “perseguir as pessoas que não obedecem as diretrizes do governo de Israel.”

Mundo Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 08:01:04 +0000 http://www.brasil247.com/148402
Campanha tucana admite "uso legal" de aeroporto http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/148388 : A pedido do vice na chapa à presidência de Aécio Neves, senador Aloysio Nunes (PSDB-MG), o partido elaborou o documento “Voos ocasionais para a pista de Claudio/MG; Aspectos da legalidade”, em que admite que o tucano usou o aeroporto de Cláudio, no interior de Minas Gerais; pista foi construída dentro de um terreno desapropriado de seu tio-avô, durante a sua segunda gestão como governador do Estado, e ainda aguarda homologação da Anac; tucanos afirmam que uso foi feito de "maneira legal" porque a agência reguladora permitiria “operação ocasional” de helicópteros  <br clear="all"> :

247 – A campanha do presidenciável tucano Aécio Neves admitiu que ele usou o aeroporto de Cláudio, no interior de Minas Gerais, em ‘operação ocasional’ e de ‘maneira legal’.

O senador mineiro tem sido questionado sobre o caso desde que a ‘Folha de S. Paulo’ o acusou de gastar quase R$ 14 milhões para construir a pista dentro de um terreno desapropriado de seu tio-avô, durante a sua segunda gestão como governador do Estado.

Até então, Aécio dizia que o caso era “irrelevante”, mas não respondeu se usa ou não a pista. O local ainda não foi homologado pela Agência Nacional de Aviação (Anac) para receber pousos e decolagens.

"Foi feita uma acusação leviana de uma obra pública em um local privado. São milhares de licitações e me acusam de beneficiar um parente. Isso é do jogo político, não vou ficar estendendo essa pauta."

Segundo reportagem de Pedro Venceslau, a pedido do vice de Aécio, senador Aloysio Nunes, o PSDB elaborou o documento “Voos ocasionais para a pista de Claudio/MG; Aspectos da legalidade”, para tratar do caso. Cita uma norma da Anac que permitiria “operação ocasional” de helicópteros em aeroportos não homologados, mas não diz que tipo de aeronave o tucano usou em suas viagens.

“Os voos realizados pelo presidenciável Aécio Neves para a pista de Cláudio/MG foram feitos totalmente em conformidade com a legislação vigente. Trata-se de operações denominadas operação ocasional”, diz trecho do texto. 

Por sua vez, a Anac contesta versão dizendo que “trecho do regulamento só é valido para operações realizadas exclusivamente por helicópteros (aeronaves de asa rotativa), e em helipontos ainda não homologados”. Aeroportos não homologados só podem ser utilizados para casos de “emergência em voo para evitar incidente/acidente”.

Minas 247 Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 06:29:28 +0000 http://www.brasil247.com/148388
MP suspeita que Moura lavou dinheiro para PCC http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148379 EVELSON: EF20 SÃO PAULO / SP 28/05/2014 CIDADES ASSEMBLEIA / LUIZ MOURA. Pronunciamento do deputado Luiz Moura (PT) na Assembleia Legislativa de Sao Paulo. Ele se defende das acusacoes de ter participado de uma reuniao na cooperativa Transcooper junto a membros do Deputado estadual Luiz Moura, suspenso do PT, foi citado na denúncia de que o Consórcio Leste 4, grupo contratado pela SPTrans em 2007 para operar linhas na zona leste da capital, era formado por três empresas cujos sócios eram “indivíduos que estariam lavando dinheiro, produto do cometimento de crimes” para a facção que opera nos presídios; parlamentar era diretor da Happy Play, que usa endereço de fachada onde funciona casa de carnes <br clear="all"> EVELSON: EF20 SÃO PAULO / SP 28/05/2014 CIDADES ASSEMBLEIA / LUIZ MOURA. Pronunciamento do deputado Luiz Moura (PT) na Assembleia Legislativa de Sao Paulo. Ele se defende das acusacoes de ter participado de uma reuniao na cooperativa Transcooper junto a membros do

247 – Uma investigação comandada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público, aponta suspeita de que o deputado estadual Luiz Moura (PT) e cinco empresas de ônibus lavaram dinheiro para o PCC.

Moura foi citado na denúncia de que o Consorcio Leste 4, grupo contratado pela SPTrans em 2007 para operar linhas na zona leste da capital, era formado por três empresas cujos sócios eram “indivíduos que estariam lavando dinheiro, produto do cometimento de crimes” para a facção que opera nos presídios, segundo reportagem do Estado de S. Paulo.

Em 2010, início das investigações, Moura era diretor da Happy Play, uma das empresas envolvidas, considerada de fachada. Em um dos seus endereços, funciona uma casa de carnes, por exemplo. Seu irmão, o vereador Senival Moura (PT), também aparece nas investigações.

Empresários teriam acumulado R$ 4 milhões cada um em dois anos.

Deputado está suspenso do PT desde o mês passado, mas ainda diz estar na disputa pela reeleição (leia mais).

SP 247 Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 05:19:02 +0000 http://www.brasil247.com/148379
Mantega diz que FMI está equivocado sobre o Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/economia/148380 : Relatório divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), dirigido por Christine Lagarde, inclui o Brasil entre as economias emergentes mais vulneráveis a crises externas; ministro da Fazenda, Guido Mantega, lembrou que os investimentos estrangeiros diretos, que geram empregos no país, continuam acima de US$ 60 bilhões em 12 meses pelo quarto ano seguido; ele aponta erros já cometidos por análises anteriores: “A tempestade não veio e o cenário apontado por esses relatórios não se concretizou”, disse; “Quem está falando em recessão está equivocado”, completou <br clear="all"> :

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, rebateu ontem (29) relatório divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) que inclui o Brasil entre as economias emergentes mais vulneráveis a crises externas. Segundo ele, diversos indicadores econômicos do primeiro semestre mostram que os investidores estrangeiros continuam interessados no país, mesmo com a retirada gradual dos estímulos monetários pelo Federal Reserve (Fed), Banco Central norte-americano.

O ministro lembrou que os investimentos estrangeiros diretos, que geram empregos no país, continuam acima de US$ 60 bilhões em 12 meses pelo quarto ano seguido. Além disso, ressaltou Mantega, o real valorizou-se 9,4% nos primeiros seis meses do ano, e a Bolsa de Valores de São Paulo subiu 21,25% no mesmo período.

De acordo com o ministro, o relatório foi elaborado por escalões inferiores do FMI e repete os erros de documentos anteriores divulgados por instituições financeiras e organismos internacionais que apontaram uma “tempestade perfeita” para a economia brasileira neste ano e incluíram o Brasil entre os cinco países emergentes mais frágeis. “A tempestade não veio e o cenário apontado por esses relatórios não se concretizou”, disse.

O ministro destacou que o país tem o quinto maior volume de reservas internacionais do mundo, em torno de US$ 380 bilhões. O montante é superior ao da dívida externa pública e privada, de US$ 330 bilhões, e suficiente para financiar o país por longo tempo em caso de escassez de capital externo.

“Da dívida externa total, somente 7,6% vencem no curto prazo, o menor nível entre os países emergentes. No caso de uma interrupção do fluxo de capitais, daria para o Brasil se financiar por longo tempo”, ressaltou.

Tradicionalmente, o maior indicador de vulnerabilidade externa de uma economia é o déficit em transações correntes – soma dos saldos da balança comercial (diferença entre exportações e importações) e das contas de serviços, de renda e das transferências unilaterais (doações de emigrantes e de organizações estrangeiras). Caso um país registre resultado negativo nessa conta, fica dependente do capital especulativo internacional, dos empréstimos externos e dos investimentos estrangeiros diretos para fechar o balanço de pagamentos.

De acordo com o Banco Central, o déficit em transações correntes do Brasil acumulou em torno de US$ 86 bilhões, 3,58% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), nos 12 meses terminados em junho. Apesar de o resultado ser o pior desde 2001, o ministro diz que o problema é temporário e que o déficit deve diminuir nos próximos meses.

“No ano passado, o déficit em transações correntes subiu por causa da conta petróleo [importações de petróleo maiores que as exportações], que retirou US$ 17 bilhões do saldo da balança comercial. Com o aumento da produção da Petrobras, previsto para 8% neste ano, o quadro está se revertendo. Os analistas já tinham percebido isso”, declarou. O ministro, no entanto, não estipulou uma previsão de déficit em transações correntes para 2014.

Ministro descarta risco de recessão

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, descartou ontem (29) o risco de recessão para a economia brasileira neste ano. Apesar de o Produto Interno Bruto (PIB) ter crescido 0,2% no primeiro trimestre deste ano, em ritmo menor que no quarto trimestre do ano passado, o ministro disse que não há possibilidade de o país fechar 2014 com índices negativos. “Não haverá recessão este ano. Quem está falando em recessão está equivocado”, disse.

Mantega também comentou a decisão do Banco Central (BC) de injetar R$ 45 bilhões na economia – R$ 30 bilhões da liberação de compulsórios (parcela que os bancos são obrigados a deixar retida no BC) e R$ 15 bilhões de redução de riscos de crédito. Para o ministro, apesar de aumentar o volume de recursos em circulação, a medida reativará a demanda sem pressionar a inflação.

Segundo Mantega, a inflação está em queda e continuará a cair nos próximos meses. A redução do preço dos alimentos, que pressionaram os índices no primeiro semestre, contribuirá para trazer a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para abaixo do teto da meta, de 6,5%, até o fim do ano.

O ministro acrescentou que o fim da Copa do Mundo reduziu o preço de passagens aéreas e de hotéis, que teve reflexos sobre a inflação nos últimos dois meses. “Esses fatores [preços dos alimentos e de itens vinculados à Copa] mostram que a inflação não foi provocada pela demanda. Portanto, é perfeitamente possível e coerente reativar a economia [por meio da liberação dos compulsórios] sem aumentar a inflação”, declarou.

Economia Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 05:28:04 +0000 http://www.brasil247.com/148380
De volta, 'Dilma Bolada' entra na campanha do PT http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/148385 : Jeferson Monteiro, criador do personagem satírico sobre a presidente Dilma, que contava com 1,5 milhão de seguidores no Facebook, teria sido convidado a se tornar consultor pela reeleição de Dilma Rousseff, para reverter decisão; ele deixou a internet alegando a escalada de hostilidades em período pré-eleitoral: “Há alguns dias foi liberada a campanha e é muito ruim saber que você pode fazer a diferença mas ver que está quase sozinho no meio de uma tormenta que é a internet, e que tem tudo para piorar conforme 05/10 se aproximar” <br clear="all"> :

247 – O perfil de "Dilma Bolada" está de volta às redes sociais. Jeferson Monteiro, criador do personagem satírico sobre a presidente Dilma, que contava com 1,5 milhão de seguidores no Facebook, teria sido convidado a integrar à campanha do PT.

Ele diz que hão há nada fechado ainda, mas o comitê da presidente Dilma teria proposta um incentivo financeiro para rever sua decisão.

Monteiro deixou a internet alegando a escalada de hostilidades em período pré-eleitoral: “Entramos no período eleitoral e esse ano não vai ser mole. Há alguns dias foi liberada a campanha e é muito ruim saber que você pode fazer a diferença mas ver que está quase sozinho no meio de uma tormenta que é a internet, e que tem tudo para piorar conforme 05/10 se aproximar”.

Mídia Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 05:56:57 +0000 http://www.brasil247.com/148385
Universal contornou lei em templo de R$ 680 milhões http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148386 : Segundo um parecer técnico apresentado à Prefeitura de São Paulo, a Igreja Universal, de Edir Macedo, apresentou, em 2006, pedido de reforma de prédio que havia sido demolido ao menos dois anos antes, para construir sua nova sede, o Templo de Salomão; ilegalidade teria sido aprovada com a ajuda do ex-diretor da prefeitura Hussain Aref Saab, suspeito de comandar esquema de corrupção; obra será inaugurada nesta quinta-feira (31)  <br clear="all"> :

247 –Segundo um parecer técnico apresentado à Prefeitura de São Paulo, a Igreja Universal usou informações falsas para contornar a legislação municipal na construção de sua nova sede, o Templo de Salomão.

Segundo reportagem de Rogério Pagnan, a igreja apresentou, em 2006, pedido de reforma de prédio que havia sido demolido ao menos dois anos antes.

A obra teria sido aprovada com a ajuda do ex-diretor da prefeitura Hussain Aref Saab, suspeito de comandar esquema de corrupção na gestão Gilberto Kassab (PSD).

A sede custou R$ 680 milhões, segundo a Universal, e terá 74 mil metros quadrados de área construída. Ela será inaugurada nesta quinta-feira (31) com a presença, dentre outras autoridades, da presidente Dilma Rousseff (PT) (leia aqui).

SP 247 Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 06:07:45 +0000 http://www.brasil247.com/148386
Pressionado pelo PMDB, Bethlem desiste de eleição http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148387                                 : Deputado Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ), denunciado pela ex-mulher por receber propina na Prefeitura do Rio, desistiu de disputar a reeleição; partido ainda espera que ele se desfilie e renuncie ao mandato; vereadores da bancada de oposição ao prefeito Eduardo Paes decidiram pedir a instalação de uma CPI para investigar os contratos de sua gestão  <br clear="all">                                 :

247 - O deputado Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ), denunciado pela ex-mulher por receber propina na Prefeitura do Rio, desistiu de disputar a reeleição. O partido ainda pressiona para que ele se desfilie e renuncie ao mandato.

Segundo o colunista Bernardo Mello Franco, o temor é que o escândalo contamine a imagem do prefeito Eduardo Paes (PMDB) e a campanha do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Vereadores da bancada de oposição ao prefeito Eduardo Paes decidiram pedir a instalação de uma CPI para investigar os contratos de sua gestão.

Leia aqui a matéria da Agência Brasil sobre o assunto:

Vereadores da bancada de oposição ao prefeito Eduardo Paes decidiram hoje (29), em reunião na Câmara Municipal do Rio, pedir a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar os contratos da gestão do ex-secretário municipal de Desenvolvimento Social, deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ).

A intenção dos parlamentares é conseguir apoio de vereadores da base aliada ao prefeito, já que Paes abriu auditoria para apurar as denúncias de corrupção que envolvem o deputado.

Segundo reportagens das revistas Veja e Época, Bethlem disse a sua ex-mulher que recebia uma “mesada” de R$ 70 mil da organização não governamental (ONG) Casa Espírito Tesloo, que prestava serviços para sua pasta, entre 2011 e 2012.

Na primeira sessão da Câmara de Vereadores do Rio após o recesso, no próximo dia 5, os parlamentares irão se mobilizar para conseguir as assinaturas necessárias para o requerimento de criação da CPI. Das 17 assinaturas necessárias, oito já estão asseguradas: as dos vereadores Eliomar Coelho, Jefferson Moura, Paulo Pinheiro e Renato Cinco, do PSOL, Leonel Brizola Neto e Reimont, do PT, Marcio Garcia (PR) e Teresa Bergher (PSDB), todos presentes na reunião de hoje.

De acordo com o vereador Jefferson Moura, não há como não levar em consideração o teor das denúncias, que apontam desvio de recursos públicos do Fundo Municipal de Assistência Social, caixa dois em campanhas eleitorais com dinheiro vindo de um empresário do setor de transporte público, além da existência de uma conta bancária na Suíça.

“Queremos ampliar esse chamado para além da oposição. Nós compreendemos que, neste momento, há uma circunstância que envolve recursos públicos da cidade do Rio de Janeiro, com indícios fortíssimos, para não dizer inquestionáveis, de que esses recursos foram utilizados para fins privados e, muito possivelmente, eleitorais, como lançamento de campanha. Entendemos que é preciso que a Câmara Municipal se posicione”, disse Moura.

Além da instalação da CPI, os vereadores da oposição também decidiram durante a reunião de hoje comunicar à superintendência da Polícia Federal do Rio o suposto crime de evasão de divisas, já que as denúncias indicam a existência de uma conta bancária na Suíça em nome de Bethlem.

“Solicitamos uma audiência com a procuradora estadual responsável pelo caso, já que coincidentemente, retornaram ao nosso gabinete informações contratuais, dados e planilhas, frutos de um requerimento de informação que fizemos no ano passado. Na análise da nossa equipe técnica, há dados que reforçam o que foi relatado pela ex-mulher do secretário. Encaminharei também ao Ministério Público Federal, porque boa parte dos recursos são federais, de políticas assistenciais repassadas ao município do Rio”, explicou.

Rio 247 Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 06:12:11 +0000 http://www.brasil247.com/148387
Luiz Marinho critica Skaf por vídeo contra PT http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148382 : Prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, coordenador da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff em São Paulo, criticou a mensagem do candidato peemedebista ao governo do Estado, Paulo Skaf, que ironiza palanque duplo com o PT: “A divulgação do vídeo é um certo amadorismo. Mas nós temos que ter paciência e generosidade. Seguramente o PMDB chegará a conclusão de que tem por obrigação apoiar a Dilma” <br clear="all"> :

247 – O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, coordenador da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff em São Paulo, criticou o candidato do PMDB ao governo paulista, Paulo Skaf. Segundo ele, o peemedebista é amador na vida pública por divulgar um vídeo ironizando palanque duplo para Dilma em São Paulo.

"Achei que ele é amador na vida pública, [ a divulgação do vídeo] é um certo amadorismo. Mas nós temos que ter paciência e generosidade. Seguramente o PMDB chegará a conclusão de que tem por obrigação apoiar a Dilma. O Skaf vai chegar a uma conclusão em algum momento. Ele está refletindo", disse.

Na peça postada no Facebook, o peemedebista é questionado por mensagem que teria recebido pelo celular: "Skaf, e esse papo de apoiar o PT?". Sua reposta: "Sabe de nada, inocente", em referência a campanha estrelada pelo artista Compadre Washington, do “é o Tchan” (veja aqui).

Apesar da insistência do vice-presidente Michel Temer de forçar um espaço para a presidente Dilma Rousseff em seu palanque, Skaf garante: “Sou adversário do PT e do PSDB. Meu compromisso é com São Paulo”.

Para Marinho, Skaf perde com isso: "Dilma tem rejeição, mas também tem eleitores no Estado, tem mais eleitores que o Skaf, portanto, ele está perdendo com essa análise. Segundo, na campanha nós teremos um horário muito maior de televisão da presidenta Dilma e vai reduzir a rejeição".

SP 247 Roberta Namour Wed, 30 Jul 2014 05:54:00 +0000 http://www.brasil247.com/148382
Mercosul deve endurecer posição contra Israel http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148335 : Reunidos em Caracas, os presidentes dos cinco países do bloco, formado por Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, discutirão uma posição comum em relação aos ataques de Israel contra a Faixa de Gaza, que já deixou mais de 1.000 palestinos mortos, a maioria civis; cientista político Emir Sader defende que Tratado de Livre Comércio com Israel, o primeiro a ser assinado pelo bloco, em 2010, com um país de fora da América Latina, seja suspenso; "A ideia da condenação de Israel, especialmente pela postura em relação à Gaza, é algo absolutamente consensual", opina; Brasil foi chamado de "anão diplomático" por porta-voz da chancelaria israelense quando condenou ataques contra os palestinos; latinos se unirão? <br clear="all"> :

247 – Reunidos em Caracas para a 46ª Cúpula do Mercosul, os presidentes dos cinco países que formam o bloco, Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, devem discutir, além de outros temas, o conflito entre Israel e os palestinos na região da Faixa de Gaza. Os representantes das nações devem debater uma posição comum diante dos bombardeios das forças militares de Israel, que deixou mais de 1.000 palestinos mortos, a maioria civis, contra 53 soldados israelenses e três civis.

Israel foi o primeiro país fora da América Latina a ter um Tratado de Livre Comércio com o Mercosul, assinado em 2010. Na opinião do cientista político Emir Sader, chegou o momento de discutir a pertinência desse tratado e de o Mercosul "endurecer" sua posição contra o país, em um boicote aos produtos fabricados por Israel em assentamentos palestinos pelos bombardeios contra Gaza. "Países como Brasil e Uruguai têm um intenso intercâmbio militar com Israel. Coisa absolutamente indevida", comentou.

"A ideia da condenação de Israel, especialmente pela postura em relação à Gaza, acho que é algo absolutamente consensual", acrescenta Sader, ainda sobre o Mercosul. O cientista político avalia como positiva a posição do governo brasileiro em relação a Israel, mas lembra que outros países da América Latina tomaram posições formais "mais duras". A Argentina e a Venezuela, por exemplo, estão retirando embaixadores e rompendo relações.

O tema de uma resposta do Mercosul a Israel foi sugerido pelo Brasil para ser discutido na cúpula do bloco. Na semana passada, ao chamar de "ação desproporcional" e classificar de "inaceitável" a escalada de violência na região, o País foi chamado de "anão diplomático" pelo porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor. A cúpula em Caracas também vem em boa hora para que os países da América do Sul se unam em defesa do Brasil e contra a ofensa de Israel.

Mundo Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 15:25:15 +0000 http://www.brasil247.com/148335
Temer diz a Skaf que PMDB paulista vai apoiar Dilma http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148333 : Vídeo publicado pelo candidato do PMDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, em que rejeita a possibilidade de apoiar a candidatura da presidente Dilma Rousseff, incomodou o vice-presidente da República, Michel Temer, cacique do partido e candidato novamente na chapa do PT; assim que soube da campanha, Temer telefonou para Skaf e avisou: "O PMDB paulista estará com Dilma e comigo na campanha nacional" <br clear="all"> :

SP 247 – O vídeo publicado nesta segunda-feira 28 pelo candidato do PMDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, em que rechaça apoio à candidatura da presidente Dilma Rousseff (veja aqui), causou mal-estar no Palácio do Planalto, especialmente no vice-presidente da República e cacique do PMDB, Michel Temer.

Incomodado, Temer, que é novamente candidato na chapa de Dilma, telefonou para o aliado e avisou: "o PMDB paulista estará com Dilma e comigo na campanha nacional". Haverá ainda uma Comissão Executiva Estadual do partido que deverá divulgar uma nota oficial confirmando o palanque duplo em São Paulo.

No vídeo postado no Facebook, Skaf é questionado pelo celular: "Skaf, e esse papo de apoiar o PT?". O candidato responde: "sabe de nada, inocente", numa alusão à campanha estrelada por Compadre Washington, do "É o Tchan". O post diz ainda: "A posição da minha coligação é vencer o PT e o PSDB". E ao final do vídeo, ele afirma: "Sou adversário do PT e do PSDB. Meu compromisso é com São Paulo".

SP 247 Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 15:48:43 +0000 http://www.brasil247.com/148333
Pasadena: Cardozo nega "pressão" sobre TCU http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148356 : Em entrevista coletiva no Rio, ministro da Justiça disse que foi ao TCU junto com o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, para pedir um prazo maior para que a União pudesse se pronunciar sobre o relatório; segundo José Eduardo Cardozo, Adams "achava necessário que houvesse mais tempo para que a União pudesse se pronunciar"; declaração foi em resposta à reportagem da Folha, que apontou que o TCU foi pressionado pelo governo <br clear="all"> :

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, negou hoje (29) que o governo tenha pressionado o Tribunal de Contas da União (TCU) para adiar votação sobre a compra da Refinaria de Pasadena pela Petrobras.

Em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, Cardozo disse que foi ao TCU junto com o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, para pedir um prazo maior para que a União pudesse se pronunciar sobre o relatório.

"Já tínhamos conhecimento do relatório, que inclusive inocentava a presidenta da República, mas o ministro Adams achava necessário, e eu pessoalmente avaliei como correto, que houvesse mais tempo para que a União pudesse se pronunciar na manifestação naquela sessão. Acompanhei o ministro Adams, para que pudéssemos dialogar relativamente à possibilidade de ter mais prazo para que a União pudesse coletar dados e fazer estudos do relatório. Esta foi exclusivamente a nossa razão de ida. Não foi para estabelecer nenhum tipo de pressão", disse.

Reportagem publicada hoje (29) no Jornal O Globo diz que Adams tentou tirar de pauta o processo do TCU, que acabou condenando 11 diretores da Petrobras a ressarcir os cofres públicos em US$ 1 bilhão devido à suspeita de irregularidades na compra da refinaria norte-americana.

Brasil Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 17:18:50 +0000 http://www.brasil247.com/148356
Governo boicota evento mundial do Santander http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148326 : Numa reação prática ao comunicado do banco espanhol, que alertou sobre risco à economia caso a presidente Dilma Rousseff seja reeleita, Planalto boicotou o 3º Encontro Internacional de Reitores Universia, evento milionário que reúne mais de 1.000 acadêmicos do mundo tudo para discutir educação; presidente mundial do banco, Emilio Botín, minimizou mal-estar; "Ela estava ocupada", disse sobre Dilma; presidente classificou ontem gesto do banco como "inadmissível" <br clear="all"> :

247 – O governo brasileiro teve a primeira reação prática contra o comunicado emitido pelo banco espanhol Santander, que alertou clientes de alta renda no Brasil sobre os riscos de a presidente Dilma Rousseff ser reeleita em outubro. O Palácio do Planalto boicotou o 3º Encontro Internacional de Reitores Universia, evento milionário de educação, considerado um dos mais importantes pelo presidente mundial da instituição, Emilio Botín.

Ontem, em sabatina promovida pelo jornal Folha de S. Paulo, portal Uol, canal SBT e rádio Jovem Pan, no Palácio da Alvorada, Dilma afirmou ser "inadmissível" e "inaceitável" a interferência política do banco. Questionada se processaria o banco, a presidente disse que antes conversaria com o CEO da instituição, Botín, quem disse "conhecer bem". O empresário já foi recebido no Planalto várias vezes.

Dilma e o vice-presidente, Michel Temer, foram convidados para a abertura do evento, mas não compareceram. A alta cúpula do Ministério da Educação também cancelou a participação de última hora. Palestras que seriam apresentadas por representantes do MEC e do Capes (agência de fomento do ministério), que não compareceram, foram substituídas por outras no último momento.

À reportagem do portal iG, Emilio Botín tentou minimizar o mal-estar. "Ela estava ocupada", afirmou, sobre a presidente Dilma. O encontro aconteceu ontem e continua hoje no Riocentro, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, reunindo os mais importantes líderes acadêmicos do mundo. Representantes de cerca de 1.200 instituições acadêmicas discutem o futuro da educação superior no planeta.

Brasil Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 14:21:34 +0000 http://www.brasil247.com/148326
Sabesp nega racionar água: "Penalizaria população" http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148320 : Em resposta à recomendação do Ministério Público, Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo informou nesta terça-feira 29 que "discorda frontalmente da imposição de um racionamento"; medida, segundo a empresa, "penalizaria a população e poderia produzir efeitos inversos daqueles pretendidos pelos procuradores"; Sabesp garante o abastecimento de toda região atendida pelo Sistema Cantareira até a chegada da próxima estação chuvosa, em outubro; "São Paulo preferiu enfrentar de forma organizada a maior estiagem de sua história", diz ainda comunicado <br clear="all"> :

247 - Numa decisão em que registra que "discorda frontalmente" da "imposição" do Ministério Público Federal, que havia recomendado o racionamento de água no Estado de São Paulo, a Sabesp reafirmou nesta terça-feira 29 que não irá promover cortes de fornecimento. A estatal paulista apresenta argumentos técnicos para a decisão. Os reflexos políticos, no entanto, são inevitáveis. Acredita-se que um racionamento, em razão da seca na bacia da Cantareira, prejudique a imagem do governador Geraldo Alckmin, do PSDB, candidato à reeleição. O tema tem sido explorado por seus adversários Paulo Skaf, do PMDB, e Alexandre Padilha, do PT. O governo, com a reiterado posicionamento da Sabesp, tem deixado claro que a alternativa do racionamento não consta de nenhum de seus planos.

Abaixo, notícia da Agência Brasil a respeito:

Fernanda Cruz - Repórter da Agência Brasil 

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) descartou, hoje (29),o racionamento de água nas regiões de São Paulo atendidas pelo Sistema Cantareira, mesmo após recomendação feita ontem (28) pelo Ministério Público Federal (MPF) para que essa medida fosse implementada. A Sabesp informou que garante o abastecimento de toda região até a chegada da próxima estação chuvosa, em outubro. Considerando que as chuvas ocorram, a garantia se estende até março de 2015.

"Embora reconheça a importância institucional do MPF, com o qual sempre colabora, a Sabesp discorda frontalmente da imposição de um racionamento. A medida penalizaria a população e poderia produzir efeitos inversos daqueles pretendidos pelos procuradores. São Paulo preferiu enfrentar de forma organizada a maior estiagem de sua história. Os esforços feitos pela população e pela Sabesp até o momento equivalem à economia que se obteria com um rodízio de 36 horas com água por 72 horas sem água", diz a nota da companhia.

Segundo balanço divulgado hoje (29) pela Sabesp, 74% dos consumidores na Grande São Paulo diminuíram seu consumo em relação à meta. Desde 1º de fevereiro, a companhia oferece bônus de desconto de 30% na conta de água, para quem reduzir o consumo em 20%. Nas leituras feitas entre o dia 1º e 25 de julho, 46% dos consumidores reduziram o gasto dentro da meta. "Isso resulta em uma economia de 2.400 litros a cada segundo na produção de água nestas quatro primeiras semanas de julho", informa o levantamento.

Apesar dessa redução no consumo por parte da população, o nível nos reservatórios do Sistema Cantareira continua em queda e chegou hoje (29) a 15,7% da sua capacidade de armazenamento. Todo o volume útil do sistema foi consumido e resta agora apenas o volume morto - reserva técnica. Há um ano, o Cantareira trabalhava com 53,7% da sua capacidade total.

O Cantareira, além de abastecer 9 milhões de habitantes na Grande São Paulo, atende a 5 milhões de pessoas nas bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Um estudo encomendado pelo Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, que representa essas cidades do interior e elaborado pela Universidade de Campinas (Unicamp), mostrou que o volume do Cantareira pode secar totalmente em menos de 100 dias. O MPF se baseou nos resultados dessa pesquisa para fazer a recomendação de racionamento ao governo estadual.

Em entrevista à Agência Brasil no último dia 14, o professor Antonio Carlos Zuffo, do Departamento de Recursos Hídricos da Unicamp, responsável pela pesquisa usada pelo MPF, disse que acompanhou a situação dos reservatórios do sistema e alerta para a possibilidade de atraso no início do período de chuvas este ano.

"Não se pode garantir que [as chuvas] voltam em outubro. No ano passado, ela só veio na segunda metade de dezembro. Foram só 15 dias de chuvas normais no ano passado. Não sabemos se [neste ano] vai voltar com normalidade ou se vai atrasar", disse o especialista.

Zuffo defendeu uma redução na exploração da água e a implementação do rodízio como forma de garantir uma sobrevida do abastecimento. "Houve uma gestão de alto risco, o problema foi falta de planejamento, falta de investimento. A água é um recurso vital para todos os seres vivos, para todos os fins. Não poderiam ter adotado medidas com interesse meramente comercial do setor da água", declarou.

O MPF informou, por meio de nota, que não descarta a adoção de medidas judiciais caso o governo do estado não atenda ao pedido de racionamento.

SP 247 Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 12:43:33 +0000 http://www.brasil247.com/148320
Líder do Irã chama Israel de "cão raivoso" e quer armar palestinos http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148330 : Aiatolá Ali Khamenei criticou os Estados Unidos e os países europeus pelo que ele disse serem esforços para limitar a capacidade militar dos combatentes palestinos no enclave; sobre Israel, ele disse: "Este cão raivoso, este lobo voraz, tem atacado pessoas inocentes e a humanidade deve apresentar uma reação. Isto é um genocídio, uma catástrofe de escala histórica" <br clear="all"> :

DUBAI (Reuters) - O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, chamou Israel na terça-feira de "cão raivoso" por seus ataques a Gaza, e exortou os muçulmanos a armar os palestinos e capacitá-los a combater o que ele chamou de genocídio.

Cerca de 1.087 moradores de Gaza, a maioria civis, foram mortos em 22 dias de combates entre Israel e os militantes palestinos na Faixa de Gaza. De outro lado, 53 soldados israelenses e três civis morreram como resultado de bombardeios palestinos.

Em um discurso marcando o fim do mês de jejum muçulmano do Ramadã, Khamenei criticou os Estados Unidos e os países europeus pelo que ele disse serem esforços para limitar a capacidade militar dos combatentes palestinos no enclave.

Sobre Israel, ele disse: "Este cão raivoso, este lobo voraz, tem atacado pessoas inocentes e a humanidade deve apresentar uma reação. Isto é um genocídio, uma catástrofe de escala histórica."

"Eles estão atingindo pessoas inocentes dia e noite e estes homens, mulheres e crianças estão se defendendo com meios mínimos, e agora americanos e europeus querem tirar até isso deles... para que essas feras impiedosas possam atingí-los sem preocupações."

Khamenei denunciou o que ele disse ser uma decisão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para desarmar os palestinos - uma aparente referência à oposição dos Estados Unidos aos esforços do Hamas, o grupo islâmico que controla Gaza, para a obtenção de armas, como mísseis e foguetes. Washington vê o Hamas como uma organização terrorista.

Khamenei disse que o Irã tem uma posição oposta sobre armar os palestinos.

"Todo mundo, quem tem os meios, especialmente no mundo islâmico, deve fazer o que puder para armar a nação palestina ... o regime sionista lamenta profundamente ter começado isso (esta guerra), mas não há saída."

Israel lançou sua ofensiva em 8 de julho para impedir ataques de foguetes do Hamas e seus aliados. Mais tarde, ordenou uma invasão por terra para encontrar e destruir o labirinto de túneis do Hamas que cruza a região da fronteira.

Teerã está em desacordo com as potências ocidentais sobre uma série de questões de política externa, incluindo seu programa nuclear e seu apoio ao Hamas, ao presidente da Síria, Bashar al-Assad, e ao movimento militante xiita libanês Hezbollah.

O discurso de Khamenei a uma multidão de centenas de milhares em Teerã foi transmitido ao vivo pela televisão estatal. Khamenei foi acompanhado por autoridades do governo.

(Reportagem de Mehrdad Balali)

Mundo Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 14:38:07 +0000 http://www.brasil247.com/148330
Dilma afiada usa estilo ‘bateu, levou’ em campanha http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148302 : Presidente não deixa provocação sem resposta; em entrevistas longas, como a concedida ontem, falas ligeiras ou discursos, Dilma Rousseff mostra que deixou no passado o figurino paz e amor que prevaleceu na campanha de 2010; para se desvencilhar dos ataques da oposição, agora ela aposta na sinceridade sem meias palavras; "O pessimismo pré-Copa está agora na economia", definiu sobre projeções catastrofistas do mercado financeiro; "Bancos interferirem na política é inadmissível", estabeleceu após o imbróglio da recomendação partidária e oposicionista do Santander; "O que acontece em Israel é um massacre", crava em política internacional; programa de televisão vai usar e abusar de comparações entre gestões petista e tucana; agora é 'bateu, levou' <br clear="all"> :

247 – A presidente Dilma Rousseff deixou no cabide o figurino de candidata vestido em 2010, quando venceu a disputa usando um modelito do melhor estilo 'paz e amor'. Protegida pelo então presidente Lula, ela não precisou entrar em bolas divididas com o adversário José Serra e flanou sobre o eleitorado enquanto seu padrinho político se encarregava de comprar suas brigas.

Agora é diferente, já se viu na longa entrevista à mídia tradicional concedida ontem pela presidente. Diante de uma certa pressão nas perguntas, o que se viu foi uma Dilma segura, objetiva e nada disposta a aceitar calada as críticas feitas ao seu governo. Ela igualmente não se incomodou em deixar, com frases curtas e palavras fortes, suas posições sobre temas do momento.

Essa Dilma que parece à vontade no chamado estilo 'bateu, levou' surge nitidamente em suas posições a respeito dos ataques desferidos, diariamente, à gestão da política econômica:

- O pessimismo da fase pré-Copa passou para a política econômica, afirma a presidente, ganhando com a frase a manchete desta terça-feira 29 do jornal Folha de S. Paulo. A se considerar o tom das últimas notícias destacadas no mesmo espaço pela publicação da família Frias, Dilma conseguiu o melhor momento para o seu governo, ali, em semanas.

A presidente também não ficou nem por um minuto quieta diante da gafe cometida pelo banco espanhol Santander no Brasil, com o relatório para clientes de alta renda com a associação nominal da presidente ao fracasso econômico futuro.

- Bancos interferirem na política é inadmissível, rebateu uma Dilma, como se diz, curta e grossa.

A ênfase de Dilma vai sendo apurada, no tocante a efeitos eleitorais, em pesquisas feitas por sua equipe de campanha. O que se sabe, inicialmente, é que pouca gente vai estranhar uma candidata que avança pela linha do 'fala o que pensa', uma vez que Dilma nunca foi dada, no governo, a floreios sobre suas posições. Em outras palavras, a Dilma 'bate, levou' combina mais com o momento atual da presidente, cercada por ataques nas frentes econômica e política, do que a Dilma 'paz e amor'.

No governo, o momento da presidente tem levado, também, à tomada de posições claras e objetivas. Depois de se fortalecer com a reunião dos Brics, realizada no Brasil, e a aproximação com a Unasul, Dilma posicionou o Brasil na linha de frente à oposição à Israel, na faixa de Gaza:

- O que há da parte de Israel não é um genocídio, e sim um massacre, atalhou a presidente diante de uma das perguntas que lhe foram dirigidas ontem. Dilma não se intimidou com a postura crítica à decisão brasileira de censurar o governo de Benjamin Netanyahu pelo "uso desproporcional" da força na faixa de Gaza.

A Dilma afiada, com respostas na ponta da língua, sem medo de devolver perguntas difíceis com respostas desconcertantes pela clareza, é que está entrando em campo para a disputa pela reeleição. Osso duro.

Poder Ana Pupulin Tue, 29 Jul 2014 11:39:31 +0000 http://www.brasil247.com/148302
Campos: "não vou debater aeroporto de Cláudio" http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148276 : Cobrado por aliados a adotar uma postura mais firme em relação ao tucano Aécio Neves, para tentar tomar sua posição num eventual segundo turno, o socialista Eduardo Campos garante que irá manter uma campanha propositiva, e sem ataques; "os tucanos querem que eu ataque a Dilma e os petistas esperam que eu ataque o Aécio, mas não vou fazer isso", disse ele a aliados; "temos pouco tempo e o que interessa é mostrar quais são as nossas propostas; eles que se peguem"; campanha ontem pegou fogo com ataques de Gilberto Carvalho a Aécio, prontamente respondidos pelo tucano Carlos Sampaio  <br clear="all"> :

247 - O presidenciável Eduardo Campos, do PSB, adotou uma estratégia clara para a campanha eleitoral que se inicia. Quer assistir de camarote aos disparos entre tucanos e petistas. Ontem, em São Paulo, ao ser cobrado por aliados a adotar uma posição mais firme contra o tucano Aécio Neves, que ainda enfrenta a crise gerada pela construção do aeroporto de Cláudio (MG), ele explicitou sua posição. "Não cheguei até aqui para discutir uma pista de pouso em Cláudio", diz ele. "Não é o que eleitor brasileiro espera de mim."

Em seguida, ele afirmou que vem sendo pressionado por amigos que tem no PT e no PSDB a adotar um discurso mais duro contra os adversários. "Os tucanos querem que eu ataque a Dilma e os petistas esperam que eu ataque o Aécio, mas não vou fazer isso", afirma. "Eles que se peguem entre eles". 

Campos afirma que dispõe de pouco tempo para se tornar mais conhecido e diz que o que importa é mostrar ao eleitor quais são suas propostas. "Vamos discutir apenas os problemas do País. Se alguém fez coisa errada, que seja punido pelos órgãos competentes".

Ontem, a disputa entre petistas e tucanos, adversários mais prováveis num eventual segundo turno, pegou fogo, depois que o ministro Gilberto Carvalho disse que o aeroporto de Cláudio (MG) seria "apenas a ponta do iceberg de Aécio". Logo depois, o coordenador jurídico do PSDB, Carlos Sampaio, disse que Carvalho tem um "iceberg inteiro chamado Celso Daniel" (leia mais aqui).

Campos parece disposto a vestir o figurino "paz e amor", seguindo a lógica do marqueteiro Duda Mendonça, que sempre disse que "quem bate, perde". No entanto, embora não esteja disposto a atacar ninguém, ele espera que a guerra entre PT e PSDB abra espaço para a sua terceira via.

 

Poder Leonardo Attuch Tue, 29 Jul 2014 07:54:36 +0000 http://www.brasil247.com/148276
Israel mata mais 110 e deixa Gaza sem energia elétrica http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148293 : Bombardeios israelenses atacaram 150 alvos nessa madrugada e deixaram mais 110 palestinos mortos nas últimas 24 horas; única central elétrica da Faixa de Gaza foi danificada e deixou de funcionar; central fornecia aproximadamente 30% do serviço e sua explosão afeta hospitais, escolas, o comércio e estações de tratamento de água; mais de 1.100 palestinos de Gaza, a maioria deles civis, já foram mortos no conflito; do lado israelense, 53 soldados foram mortos, assim como três civis; genocídio do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu continua <br clear="all"> :

247, com Reuters – Israel atacou a única usina elétrica da Faixa de Gaza, que ficou inoperante, destruiu a casa do líder político local do grupo islâmico Hamas e bombardeou dezenas de seus principais alvos militares no enclave nesta terça-feira, estendendo o conflito que já dura três semanas.

Os bombardeios do Exército israelense desta madrugada atingiram 150 alvos e deixaram mais 110 palestinos mortos nas últimas 24 horas, de acordo com o jornal britânico The Guardian.

Antes do amanhecer, aeronaves israelenses dispararam um míssil contra a casa do líder do Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh, ex-primeiro-ministro palestino, destruindo a estrutura, mas sem causar vítimas, disse o Ministério do Interior de Gaza.

O ataque israelense se intensificou após as mortes de 10 soldados israelenses em ataques de militantes que cruzaram a fronteira na segunda-feira, e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu alertou a população sobre um longo conflito.

Uma grossa coluna de fumaça negra emergiu dos tanques de combustível em chamas na estação elétrica que fornece dois terços das necessidades de energia da Faixa de Gaza. A autoridade energética local disse que avaliações iniciais de danos sugeriam que a unidade poderá ficar foram de operação por um ano.

Assista a alguns disparos no vídeo da AP, abaixo:

 

A eletricidade foi cortada na Cidade de Gaza e em muitas outras partes do território dominado pelo Hamas após o ataque de artilharia de tanques de guerra de Israel a contêineres que continham cerca de 3 milhões de litros cúbicos de diesel.

"A usina eléctrica se foi", disse seu director, Mohammed al-Sharif. Uma porta-voz militar israelense não fez comentários de imediato e informou apenas que estava checando a informação.

A prefeitura da Cidade de Gaza disse que o dano à estação pode tirar de operação muitas das bombas de água da região, e pediu que os residentes racionassem o consumo de água.

Diversos foguetes foram disparados de Gaza para o sul e o centro de Israel, incluindo a área de Tela Avive. Pelo menos um foi interceptado pelo sistema atingísseis de Israel. Não foram registradas baixas ou danos significativos por conta desses ataques.

A pressão internacional vem aumentando sobre Netanyahu para que ele contenha suas forças. Tanto o presidente dos Estados Unidos, Barca Obram, quando o Conselho de Segurança das Nações Unidas pediram um cessar-fogo imediato para permitir que ajuda chegue ao 1,8 milhão de palestinos da Faixa de Gaza, seguido de negociações para uma paz mais durável.

Os esforços liderados pelo secretário de Estado dos EUA, John Kerry, na semana passada fracassaram, sem chegar a um resultado pela paz, e a explosão de violência frustrou as esperanças internacionais de transformar uma breve trégua para o feriado muçulmano de Edil al-Fitr em um cessar-fogo de longo prazo.

Netanyahu disse na segunda-feira que os militares não encerrariam a ofensiva até que fosse destruída uma rede de túneis do Hajas, a qual, segundo Israel, serve de abrigo para o grupo, para armazenar suas armas e realizar infiltrações além da fronteira para atacar israelenses.

Forças de Israel disseram que 70 alvos foram atacados durante a noite em Gaza, incluindo quatro cachês de armas que, segundo os militares, estavam escondidos em mesquitas, e um lançador de foguete, próximo a outra mesquita. Residentes disseram que 20 casas foram destruídas e duas mesquitas, atingidas.

Mais de 1.100 palestinos de Gaza, a maioria deles civis, já foram mortos no conflito. Do lado israelense, 53 soldados foram mortos, assim como três civis.

Israel lançou sua ofensiva em 8 de julho dizendo querer parar os ataques de foguetes do Hamas e seus aliados. Pouco depois o país iniciou uma invasão por terra para encontrar e destruir uma série de túneis que cruzam a fronteira entre Gaza e Israel.

(Reportagem adicional de Michelle Nichols em Nova York)

Mundo Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 10:32:22 +0000 http://www.brasil247.com/148293
Merval: "Santander tem obrigação de orientar clientes" http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/148283 : Colunista diz que o que é "inaceitável" no caso Santander, ao contrário do que disse a presidente Dilma Rousseff, "é um governo, qualquer governo, interferir em uma empresa privada impedindo que ela expresse sua opinião sobre a situação econômica do país"; Merval Pereira criticou o que chama de "assédio moral" e "pressão indevida sobre instituições privadas", citando também a Empiricus <br clear="all"> :

247 - Como a presidente Dilma Rousseff, o colunista Merval Pereira também classifica de "inaceitável" o episódio do Santander, que emitiu comunicado a seus clientes de alta renda no Brasil para alertar sobre o risco à economia se Dilma for reeleita. Segundo ele, porém, o que é inaceitável "é um governo, qualquer governo, interferir em uma empresa privada impedindo que ela expresse sua opinião sobre a situação econômica do país". Merval também cita o caso da consultoria Empiricus e fala em "assédio moral" e "pressão indevida sobre instituições privadas" por parte da presidente. Leia abaixo:

O estado e o capitalismo

Concordo com a presidente Dilma, que classificou ontem o que está acontecendo no mercado financeiro de inadmissível e lamentável, mas tenho a visão oposta à dela: o que é inaceitável é um governo, qualquer governo, interferir em uma empresa privada impedindo que ela expresse sua opinião sobre a situação econômica do país. Sobretudo uma instituição financeira, que tem a obrigação de orientar clientes para que invistam seu dinheiro da maneira mais rentável ou segura possível.

Numa democracia capitalista como a nossa, que ainda não é um capitalismo de Estado como o chinês - embora muitos dos que estão no governo sonhem com esse dia -, acusar um banco ou uma financeira de terrorismo eleitoral, por fazerem uma ligação óbvia entre a reeleição da presidente Dilma e dificuldades na economia, é, isso sim, exercer uma pressão indevida sobre instituições privadas.

Daqui a pouco vão impedir o Banco Central de divulgar a pesquisa Focus, que reúne os grandes bancos na previsão de crescimento da economia, pois a cada dia a média das análises indica sua redução, agora abaixo de 1% este ano.

Outro dia, escrevi uma coluna sobre a influência da economia nos resultados eleitorais, e o incômodo que a alta cúpula petista sentia ao ver análises sobre a correspondência entre os resultados das pesquisas eleitorais e os movimentos da Bolsa de Valores: quando Dilma cai, a Bolsa sobe.

Essa constatação, fácil de fazer e presente em todo o noticiário político do país nos últimos dias, ganhou ares de conspiração contra a candidatura governista e gerou intervenções de maneiras variadas do setor público no privado. O Banco Santander foi forçado a pedir desculpas pela análise enviada a investidores sugerindo que prestassem atenção às pesquisas eleitorais, pois, se a presidente Dilma estancasse a queda de sua popularidade ou a recuperasse, os efeitos imediatos seriam a queda da Bolsa e a desvalorização cambial. E vice-versa.

O presidente do PT, Rui Falcão, já havia demonstrado que o partido governista não se contenta com um pedido de desculpas formal, como classificou a presidente Dilma: A informação que deram é que estão demitindo todo o setor que foi responsável pela produção do texto. Inclusive gente de cima. E estão procurando uma maneira de resgatar o que fizeram. Ontem, na sabatina do UOL, a presidente Dilma disse, em tom ameaçador, que terá uma conversa com o CEO do Banco Santander.

Mas não foi apenas o Banco Santander que sofreu esse assédio moral por parte do governo. Também a consultoria de investimentos Empiricus Research foi acusada pelo PT de campanha eleitoral em favor do candidato oposicionista Aécio Neves, tendo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acatado o pedido para que fossem retirados do Google Ads anúncios bem-humorados do tipo Como se proteger de Dilma e E se Aécio ganhar.

Justamente é este o ponto. A cada demonstração de autoritarismo e intervencionismo governamental, mais o mercado financeiro rejeita uma reeleição da presidente Dilma, prepara-se para enfrentá-la ou comemora a possibilidade de que não se realize. Isso acontece simplesmente porque o mercado é essencialmente um instrumento da democracia, como transmissor de informações e expressão da opinião pública.

Atitudes como as que vêm se sucedendo, na tentativa de controlar o pensamento e a ação de investidores, só reforçam a ideia de que este é um governo que não tem a cultura da iniciativa privada, e não lida bem com pensamentos divergentes, vendo em qualquer crítica ou mesmo análise uma conspiração de inimigos que devem ser derrotados.

Um dos sócios da consultoria Empiricus Research, Felipe Miranda, afirmou em entrevistas que não se intimidará, e fez uma constatação óbvia. O que já vínhamos falando aos nossos clientes sobre a gestão do governo e a condução da política econômica só piorou com esse cerceamento.

Mídia Gisele Federicce Tue, 29 Jul 2014 09:37:17 +0000 http://www.brasil247.com/148283
Lula: Brasil é país que dá mais lucro ao Santander http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148259 : Em discurso na 14º plenária da Central Única dos Trabalhadores, o ex-presidente Lula disse que "não tem lugar no mundo onde o Santander esteja ganhando mais dinheiro que no Brasil"; segundo ele, a responsável pelo informe que prevê um cenário econômico negativo para o país caso a presidente Dilma seja reeleita "não entende porra nenhuma de Brasil" e cobrou sua demissão a Emilio Botin, presidente do grupo; para o petista, o governo federal não "vai jogar fora a confiança" que o país conquistou nos últimos anos   <br clear="all"> :

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rebateu nesta segunda-feira (28) o informe produzido pelo Banco Santander que prevê um cenário econômico negativo para o país caso a presidente Dilma Rousseff seja reeleita.

Segundo ele, “não tem lugar no mundo onde o Santander esteja ganhando mais dinheiro que no Brasil”. “Aqui no Brasil o Santander ganha mais que em Nova York, Londres, Pequim, Paris, Madri e Barcelona”, disse durante a cerimônia de abertura da 14 Plenária Estatutária da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Para Lula, a responsável pelo texto enviado a clientes da instituição "não entende porra nenhuma de Brasil" e questionou ainda o fato de ter chegado a um cargo de chefia.

“Botin, é o seguinte querido. Eu tenho consciência de que não foi você que falou, mas essa moça tua que falou não entende porra nenhuma de Brasil e não entende nada de governo Dilma. Manter uma mulher dessa em um cargo de chefia? Pode mandar embora”, disse o ex-presidente.

Para o petista, o governo federal não "vai jogar fora a confiança" que o país conquistou nos últimos anos. Ele também lembrou que o mesmo temor de danos à economia apareceu durante sua campanha à Presidência e que o mesmo Botin foi ao seu comitê para dizer que o mercado, na verdade, “não tinha nenhuma preocupação.” “As pessoas diziam que os banqueiros não iam fazer investimentos, que o mercado ia correr. E ele fez um discurso dizendo que o mercado não tinha nenhuma preocupação e ia continuar investindo no Brasil porque sabia da nossa responsabilidade”, concluiu Lula.

Ele afirmou que há investidores que falam mal do governo federal para terem lucro e "inventam mentiras contra outras pessoas".

Poder Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 05:08:37 +0000 http://www.brasil247.com/148259
Bancários aprovam moção de repúdio ao Santander http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148264 : Carta aprovada por 634 trabalhadores do ramo condena informe do banco espanhol contra a reeleição da presidente Dilma Rousseff: "Consideramos o gesto do banco irresponsável, não só com a economia, mas com a democracia brasileira. Uma instituição desse porte não pode, ainda que tenha preferência eleitoral, praticar especulação, agredir a imagem do país e pôr em dúvida a nossa estabilidade. É inaceitável essa ingerência do banco espanhol tentando influenciar a disputa eleitoral contra a vontade soberana do povo que irá às urnas em 5 de outubro"; presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários, Carlos Cordeiro, promete um dia de luta contra o "terrorismo do banco" <br clear="all"> :

247 – Em plenária da 16ª Conferência Nacional dos Bancários, realizada em Atibaia (SP), deste domingo (27), os 634 delegados e delegadas aprovaram por unanimidade uma moção de repúdio ao Santander, em resposta à carta enviada no mês de julho aos clientes de alta renda (Select), contra a reeleição do governo Dilma Rousseff.

Para o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários, Carlos Cordeiro, "um banco estrangeiro, que veio aqui e adquiriu bancos, sobretudo, na era das privatizações do governo FHC, revela um profundo desrespeito com o Brasil e os brasileiros, piorando ainda mais a sua imagem junto aos trabalhadores e à população".

"Não permitiremos que atos terroristas de bancos, como o Santander, coloquem em risco a democracia no Brasil, que foi duramente conquistada após muita luta e sangue nos últimos 50 anos", salientou o dirigente sindical.

Carlos Cordeiro informa que os bancários do Santander, em todo o País, decidiram realizar, nos próximos dias, um dia de luta contra o "terrorismo do banc"o. Além disso, a Contraf-CUT irá entrar com uma representação na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que tem entre suas signatárias a Espanha, onde está sediado o Santander.

“A categoria está indignada e a resposta será dada com muita mobilização” finalizou Cordeiro.

Leia a íntegra do texto aprovado:

MOÇÃO DE REPÚDIO AO BANCO SANTANDER

Os delegados reunidos na 16ª Conferência Nacional dos Bancários repudiam a postura do banco Santander Brasil ao enviar comunicado a clientes de renda alta, no qual afirma haver "quebra de confiança e pessimismo crescente em relação ao Brasil", e que se a presidenta Dilma Rousseff "se estabilizar ou voltar a subir nas pesquisas, um cenário de reversão pode surgir. O câmbio voltaria a se desvalorizar, juros longos retomariam alta e o índice da Bovespa cairia".

Consideramos o gesto do banco irresponsável, não só com a economia, mas com a democracia brasileira. Uma instituição desse porte não pode, ainda que tenha preferência eleitoral, praticar especulação, agredir a imagem do país e pôr em dúvida a nossa estabilidade. Vivemos uma situação de cenário mundial complicado, mas com crescimento sustentável, inflação controlada, juros estáveis, geração de empregos e elevação da renda.

É inaceitável essa ingerência do banco espanhol tentando influenciar a disputa eleitoral contra a vontade soberana do povo que irá às urnas em 5 de outubro.

Delegados e delegadas presentes à 16ª Conferência Nacional dos Bancários

Brasil Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 05:28:20 +0000 http://www.brasil247.com/148264
CUT: "Apoio sindical pode mudar uma eleição" http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148262 STUCKERT: "Os presidenciáveis querem apoio do movimento sindical porque que foi o movimento sindical que elegeu o presidente Lula", disse o presidente da CUT, Vagner Freitas, durante abertura da 14ª plenária da CUT, em Guarulhos (SP); em evento que contou a presença do ex-presidente, ele disse que ‘se Aécio Neves (PSDB) ganhar a eleição ele vai acabar com a conquista que conseguimos com Lula, que é a valorização do salário mínimo, que é até mais importante que o Bolsa Família’ <br clear="all"> STUCKERT:

247 - O presidente da CUT, Vagner Freitas, afirmou nesta segunda-feira, 28, que o apoio dos dirigentes sindicais "muda uma eleição". "Os presidenciáveis querem apoio do movimento sindical porque que foi o movimento sindical que elegeu o presidente Lula", disse, durante abertura da 14ª plenária da CUT, em Guarulhos (SP).

Ele sinalizou apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff e disse que as propostas de sucesso dos governos do PT são oriundas de ideias dos sindicalistas. A CUT vai realizar um plebiscito na semana de 1 a 7 de setembro para tratar sobre o assunto.

"Se o Aécio ganhar a eleição ele vai acabar com a conquista que conseguimos com o ex-presidente Lula, que é a valorização do salário mínimo. A valorização do salário mínimo é até mais importante que o Bolsa Família", disse Freitas.

Presente no evento, o ex-presidente Lula lembrou a história de greves das quais participou e afirmou o papel das lutas, mesmo em situações difíceis: "Se não fosse a ousadia de as pessoas fazerem as coisas em situações adversas, a gente não estaria aqui hoje". Lula ressaltou ainda que "os trabalhadores não podem se contentar com o que têm. Temos que querer sempre mais".

Brasil Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 05:37:23 +0000 http://www.brasil247.com/148262
Folha acusa Cardozo de tentar influir no TCU http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148273 : Jornal de Otavio Frias diz que ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, teria acompanhado, sem aviso prévio, o advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, em audiência no órgão para tentar adiar a votação do processo que apurava prejuízo na compra da Refinaria de Pasadena, pela Petrobras, um dia antes do caso passar pelo plenário; ministro respondeu que cabe a ele "acompanhar regularmente todos os casos que dizem respeito a atividades ordinárias da pasta  <br clear="all"> :

247 – A ‘Folha de S. Paulo’ desta terça-feira acusa o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de pressionar o TCU (Tribunal de Contas da União) para adiar a votação do processo que apurava prejuízo na compra da Refinaria de Pasadena, pela Petrobras, um dia antes do órgão analisar o caso no plenário.

Cardozo teria acompanhado, sem aviso prévio, o advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, que tinha audiência agendada com o presidente do órgão, ministro Augusto Nardes.

Questionado pelo jornal, o Cardozo informou, por meio de sua assessoria, que cabe a ele "acompanhar regularmente todos os casos que dizem respeito a atividades ordinárias da pasta --o que justifica a atuação junto aos órgãos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário por meio do titular da Pasta, secretários e diretores".

Por decisão do TCU, os conselheiros da estatal, entre eles a presidente Dilma Rousseff, não foram responsabilizados pelos prejuízos da compra da refinaria. O órgão, no entanto, condenou 11 diretores e ex-diretores da Petrobras a devolver US$ 792 milhões (R$ 1,6 bilhão) pela transação feita em 2006 (leia aqui).

Poder Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 06:40:23 +0000 http://www.brasil247.com/148273
Sininho: "podem mirar em mim, mas não vão destruir o movimento" http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148272 Fabio Motta: RIO DE JANEIRO/RJ 24-07-2014 CIDADES SININHO SOLTA ATIVISTA SININHO QUE ESTAVA PRESA NO COMPLEXO DE BANGU FOI SOLTA APOS  HABEAS CORPOS CONCEDIDO PELO DESEMBARGADOR SIRO DARLAM  FOTO FABIO MOTTA/ESTADAO “Historicamente, o Estado, o poder, precisa criar um líder para matar e criminalizar o movimento. É isso o que estão fazendo. E vão fazer com todos. Vão destruir as identidades por meio da mídia, para depois justificar prisão, tortura e assassinato. Eles precisam disso. Mas o movimento é espontâneo, não aceita esse tipo de coisa. Não adianta tentar criar o que não existe”, disse  ativista Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, que responde por quadrilha armada para a prática de atos violentos em protestos <br clear="all"> Fabio Motta: RIO DE JANEIRO/RJ 24-07-2014 CIDADES SININHO SOLTA ATIVISTA SININHO QUE ESTAVA PRESA NO COMPLEXO DE BANGU FOI SOLTA APOS  HABEAS CORPOS CONCEDIDO PELO DESEMBARGADOR SIRO DARLAM  FOTO FABIO MOTTA/ESTADAO

247 – Apontada pela polícia como líder de uma “quadrilha armada para a prática de atos violentos em protestos”, a ativista Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, de 28 anos, afirma que “por mais que mirem em mim, estão destruindo uma pessoa, mas não vão destruir o movimento”.

Ele ficou presa por 13 dias na Penitenciária de Bangu, na zona oeste do Rio, até obter habeas corpus, na última quinta-feira.

“Historicamente, o Estado, o poder, precisa criar um líder para matar e criminalizar o movimento. É isso o que estão fazendo. E vão fazer com todos. Vão destruir as identidades por meio da mídia, para depois justificar prisão, tortura e assassinato. Eles precisam disso. Mas o movimento é espontâneo, não aceita esse tipo de coisa. Não adianta tentar criar o que não existe”, disse em entrevista ao Estado de S. Paulo.

Sininho ainda classificou de “abobrinha” o processo de 15 volumes contra os 23 acusados: “Somos perseguidos políticos. Vão fazer 5 mil, 20 mil páginas de abobrinhas, de história surrealista. Porque não existe, são 23 pessoas que mal se conhecem. Nunca falei com a maioria dessas pessoas. Que líder é esse que não fala com os seus? Não existe liderança” (leia mais).

Brasil Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 06:31:51 +0000 http://www.brasil247.com/148272
'Comitê voluntário' sugere pagamento por apoio ao PSB http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148269 : Dono de casa usada para comitê ‘voluntário’ do PSB em Osasco, constrange o presidenciável socialista Eduardo Campos (PSB) e sua vice Marina Silva ao dizer que espera receber dinheiro pela iniciativa; "Isso é muito grave. Não trabalhamos dessa forma, nunca fizemos esse tipo de coisa e isso nem pode de acordo com a lei”, rebateu Marina  <br clear="all"> :

247 – O presidenciável socialista Eduardo Campos (PSB) passou por uma saia-justa ao lado da vice Marina Silva na inauguração de um comitê voluntário em Osasco, na Grande São Paulo.

O dono da casa, Edivaldo Manoel Sevino, disse esperar receber dinheiro pela iniciativa. Ao gravar um depoimento para ser usado pela campanha, Sevino perguntou se poderia falar a verdade. Encorajado pelos assessores de Marina, fez um gesto com a mão e disse que esperava “receber unzinho” pela atitude.

Questionada por jornalistas sobre o episódio, Marina rechaçou a prática de pagar por apoio político e disse que pediu para os seus aliados que organizaram o evento apurarem o caso. "Isso é muito grave", afirmou. “Não trabalhamos dessa forma, nunca fizemos esse tipo de coisa e isso nem pode de acordo com a lei”.

SP 247 Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 06:16:48 +0000 http://www.brasil247.com/148269
Caixa prevê superar R$1 tri em ativos até 2015 http://www.brasil247.com/pt/247/economia/148271 DANIEL TEIXEIRA: Brasil, S„o Paulo, SP. 22/07/10. MovimentaÁ„o na agÍncia da Caixa EconÙmica Federal, localizada na Av. Paulista, 1842. - CrÈdito:DANIEL TEIXEIRA/AG NCIA ESTADO/AE/CÛdigo imagem:105496 "Provavelmente estaremos no ano que entre os três maior bancos do país", disse o consultor da presidência do banco estatal, Marcelo Terrazas; "Chegar a um trilhão já nos colocaria um degrau acima"; planejamento estratégico previa que a marca seria alcançada até 2022, mas com o forte crescimento na carteira de crédito dos últimos anos, a meta pode acontecer sete anos antes <br clear="all"> DANIEL TEIXEIRA: Brasil, S„o Paulo, SP. 22/07/10. MovimentaÁ„o na agÍncia da Caixa EconÙmica Federal, localizada na Av. Paulista, 1842. - CrÈdito:DANIEL TEIXEIRA/AG NCIA ESTADO/AE/CÛdigo imagem:105496

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Caixa Econômica Federal deve ser tornar o terceiro maior banco comercial do país em volume de ativos em 2015, superando o Bradesco, disse nesta segunda-feira o consultor da presidência do banco estatal, Marcelo Terrazas.

Segundo ele, a Caixa deve encerrar 2015 com ativos totais acima de 1 trilhão de reais. No fim do primeiro trimestre, os ativos da Caixa somavam 910 bilhões de reais. Os ativos do Bradesco era de 922 bilhões de reais.

"Provavelmente estaremos no ano que entre os três maior bancos do país", disse Terrazas a jornalistas. "Chegar a um trilhão já nos colocaria um degrau acima".

O planejamento estratégico da Caixa previa que a marca seria alcançada até 2022, mas com o forte crescimento na carteira de crédito dos últimos anos, a meta pode acontecer sete anos antes.

A perspectiva é que a carteira de crédito da Caixa cresça perto de 20 por cento em 2014, segundo Terrazas. Isso deve ser suficiente para elevar a fatia da Caixa no crédito do sistema financeiro dos atuais 19 por cento para 20 por cento em 2015.

Ele descartou a necessidade de um novo aporte de capital do governo neste ano para dar suporte ao ritmo de expansão da Caixa. No ano passado, a carteira de crédito do banco cresceu 36,8 por cento.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Economia Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 06:20:01 +0000 http://www.brasil247.com/148271
Bethlem teria caixa 2 bancado por 'rei do ônibus' http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148261 : Diálogo entre o deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ) e a ex-mulher, a empresária Vanessa Felippe, sugere a contribuição do empresário Jacob Barata, conhecido como "rei do ônibus", à campanha política do ex-secretário de Ordem Pública do prefeito Eduardo Paes; em um trecho da conversa, datada de novembro de 2011, Bethlem diz que "foi muito útil' ao empresário: "Não foi pouco não, foi muito. Eu derrubei sessão, tirei projeto" <br clear="all"> :

Jornal do Brasil - Em nova gravação divulgada nesta segunda-feira pela revista Época um diálogo entre o deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ) e a ex-mulher, a empresária Vanessa Felippe, sugere a contribuição do empresário Jacob Barata, conhecido como "rei do ônibus", à campanha política do ex-secretário de Ordem Pública do prefeito Eduardo Paes. Em um trecho da conversa, datada de novembro de 2011, Bethlem diz que "foi muito útil' ao empresário. "Não foi pouco não, foi muito. Eu derrubei sessão, tirei projeto", diz ele na gravação divulgada pela revista.

Ainda segundo Época , a empresária entregou anotações à revista que seriam de doadores de campanha. Em um dos papéis consta a menção a "40 ônibus" e "200 Jaco", que seriam referências às contribuições do empresário à campanha de Bethlem.

Segundo a lei eleitoral, é vedada a contribuição de empresas prestadoras de serviço público às campanhas eleitorais. No entanto, Barata poderia ter contribuído como pessoa física. De acordo com a assessoria do empresário do ramo rodoviário, “a família Barata não fez qualquer contribuição, seja pessoal ou institucional, ao candidato Rodrigo Bethlem.

O curioso é que a ex-mulher de Bethlem denuncia, a revista publica e confirma com um perito a autenticidade dos vídeos, e ainda não tem ninguém preso. Será que no Rio de Janeiro pode-se roubar, mas não se pode quebrar?

No dia 15 de julho do ano passado o Jornal do Brasil publicou uma reportagem com o título: "Segurança pública atua em eventos privados da elite". Tinha sido um final de semana marcado pelo casamento de Beatriz Barata, neta do megaempresário dos transportes no Rio de Janeiro, Jacob Barata. Após uma manifestação absolutamente pacífica em frente ao Hotel Copacabana Palace, onde ocorria a festa, o vandalismo de algum convidado, que jogou um cinzeiro em direção ao público, custou a um manifestante um profundo corte na cabeça.

Trechos da NOVA gravação divulgada pela ex-mulher de Bethlem:

Vanessa - Tá, então deixa eu terminar. Por 16 anos, eu investi nisso aqui. O que quer que eu vá fazer agora, você sabe com o que você vai estar me ajudando, se me ajudar? Com dinheiro. Eu te ajudei com dinheiro na campanha? Por várias campanhas, seu maior colaborador, aliás, em quase todas as campanhas praticamente, o seu maior colaborador foi um homem chamado Jacob. Eu te ajudei com dinheiro, Rodrigo.

Bethlem – Eu construí uma relação com ele, Vanessa? Como eu te apresentei milhares de pessoas.

Vanessa - Eu não te ajudei com dinheiro, Rodrigo?

Bethlem- Se você não construiu relação, é outra história. Eu fui muito útil... que ele goste de mim, goste de você, tudo bem. Eu fui muito útil pra esse cara na Câmara. Não foi pouco não, muito. Eu derrubei sessão, eu tirei projeto...

Vanessa - Rodrigo, é a mesma coisa que estou lhe falando. Tá vendo como é? É igual.

Bethlem - Não é igual

Vanessa - É igual, olha aqui, é um pontapé. O que eu estou querendo dizer é o seguinte: você me ajudar com dinheiro?... Eu te ajudei com dinheiro, em todas elas. Fosse através do Jacob, fosse através do meu pai”.

Rio 247 Roberta Namour Tue, 29 Jul 2014 05:42:38 +0000 http://www.brasil247.com/148261
Dilma diz que situação em Gaza é um massacre http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148237 : Presidente classificou de desproporcional a ação de Israel na Faixa de Gaza durante sabatina promovida por Folha, Uol, SBT e Jovem Pan nesta segunda-feira; "Não acho que é genocídio, mas acho que é um massacre. Tem uma ação desproporcional", disse; Dilma Rousseff também lamentou as palavras do porta-voz da chancelaria israelense, que chamou o Brasil de "anão diplomático" <br clear="all"> :

Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff, candidata à reeleição, classificou hoje (28) de desproporcional a ação de Israel na Faixa de Gaza. Desde o início dos bombardeios de Israel em Gaza, há três semanas, 1.030 palestinos, inclusive mulheres e crianças, morreram. Do lado israelense, foram 43 mortes, todas de soldados. Para Dilma, Israel está promovendo um "massacre ao atingir a população civil, principalmente mulheres e crianças".

"Não acho que é genocídio, mas acho que é um massacre. Tem uma ação desproporcional," disse a presidenta, que considerou lamentável a posição do porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmo que, segundo um jornal local, chamou o Brasil de "anão diplomático". "Lamento as palavras do porta-voz, pois as palavras produzem um clima muito ruim, deveríamos ter cuidado com as palavras", ponderou.

Dilma fez as declarações em resposta a uma pergunta durante sabatina organizada pelo jornal Folha de S.Paulo, o portal UOL, o SBT e a Rádio Jovem Pan, realizada nesta segunda-feira no Palácio da Alvorada. Os quatro veículos de comunicação já sabatinaram neste mês os candidatos Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB).

A presidenta, porém, negou que haja uma crise diplomática com Israel e lembrou que o Brasil foi o primeiro país a reconhecer o Estado judeu. Segundo Dilma, o Brasil defende a existência tanto do Estado de Israel quanto de um Estado palestino.

Dilma elogiou a posição do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, que aprovou hoje (28) um pedido de cessar-fogo humanitário na região. "A decisão da ONU de exigir um cessar-fogo imediato é muito bem-vinda, pois é uma situação que não dá para continuar", avaliou.

Brasil Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 18:28:47 +0000 http://www.brasil247.com/148237
Aécio: “quando Dilma desce, confiança sobe” http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148236 : Presidenciável tucano critica presidente e PT em atacar análise financeira feita pelo banco Santander a seus clientes de alta renda no Brasil: "se fosse para demitir quem pensa assim, todos os analistas, de todos as instituições financeiras, teriam de ser demitidos", disse Aécio Neves, em São Paulo, após reunião de organização entre coordenadores de sua campanha em 27 estados; "A verdade é que quando a presidente cai nas pesquisas, as expectativas positivas para a economia sobem"; o ex-governador mineiro evitou a pergunta sobre se já realizou algum pouso no aeroporto de Cláudio (MG), onde a construção da pista durante sua gestão está sob suspeita de ilegalidade; "Esse assunto já foi suficientemente discutido" <br clear="all"> :

247 – O presidenciável Aécio Neves passou mais uma vez por São Paulo, maior eleitorado do País, e disparou suas farpas na direção da presidente Dilma Rousseff. Em entrevista após acompanhar uma reunião de coordenadores de sua campanha nos 27 estados do País, o ex-governador tucano apoiou a análise feita pelo banco espanhol Santander para seus clientes de alta renda no País. De acordo com a avaliação da instituição, que em seguida pediu desculpas formais, as perspectivas para investimentos irão se deteriorar se prosseguir a tendência de a presidente Dilma Rousseff vencer a campanha de reeleição:

- As reclamações da presidente e de seu partido não se sustentam. Não adianta querer cortar cabeças entre os que avaliam que a economia piora com a subida da presidente nas pesquisas. Se fosse para demitir, todos os analistas de todas as instituições teriam de ser demitidos, devolveu o presidenciável tucano. Para Aécio, "a verdade é a que todos sabem e podem ver em avaliações feitas também pela Fundação Getúlio Vargas". Ele sustentou que enquanto "a economia não estiver estável, segura e regulada, as expectativas irão continuar se deteriorando". E arrematou:

- Hoje, toda vez que a presidente oscilar para baixo nas pesquisas de opinião, mais as projeções sobre a economia irão melhorar.

Aécio reclamou da estratégia de campanha petista de somar realizações dos governos Lula e Dilma na campanha de reeleição: "A presidente terceiriza responsabilidade. Ela sempre mostra seu governo somado ao do ex-presidente Lula, mas o que está em julgamento é apenas o governo Lula. Na atual gestão, o Brasil cresceu dois pontos abaixo da América Latina. Nosso desempenho tem sido muito aquém do esperado".

Enquanto concedia a entrevista, no comitê eleitoral da Avenida Indianópolis, na sede estadual do PSDB, a poucos metros do local, o candidato a vice-presidente pelo PSDB, senador Aloysio Nunes (SP), e o presidente nacional do DEM e coordenador da campanha de Aécio, José Agripino Maia, encerravam uma reunião com 27 coordenadores estaduais da campanha tucana.

- É uma demonstração de força e organização o fato de não termos aqui nenhuma falta entre todos os que foram convidados, frisou Agripino. Ele estimulou os políticos, entre os quais candidatos a vice-governador e senador, a buscarem o apoio dos prefeitos que ainda não apoiam diretamente a chapa Aécio-Aloysio:

- Quatro anos atrás, os prefeitos diziam 'xô, praga' quando procurávamos o apoio deles, disse Agripino sobe a eleição em que José Serra concorreu contra Dilma. "Mas agora, eles já estão prontos a serem engajados".

O senador Aloysio lembrou que Aécio já fez, nesta campanha, 18 reuniões regionais em São Paulo. Na coletiva, o próprio candidato afirmou que seu partido tem pesquisas que mostram a ultrapassagem dos tucanos sobre a chapa do PT e do PMDB:

- Já empato em São Paulo e venço na região Sudeste, garantiu Aécio. "No Nordeste, nossa situação melhora a cada dia".

Como se viu, os tucanos estão otimistas, mas não apenas. Eles também estão trabalhando pelo voto.

Poder Aline Lima Mon, 28 Jul 2014 18:41:48 +0000 http://www.brasil247.com/148236
Começa prestação de contas à Justiça Eleitoral http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/148234 : A partir desta segunda-feira (28), os partidos políticos e candidatos às eleições de outubro devem apresentar à Justiça Eleitoral a primeira prestação de contas de campanha. O prazo termina no dia 2 de agosto. De acordo com a Lei Eleitoral, os candidatos que tiverem as contas consideradas irregulares podem ser cassados, mesmo após tomar posse <br clear="all"> :

Agência Brasil - Os partidos políticos e candidatos às eleições de outubro devem apresentar, a partir de hoje (28), à Justiça Eleitoral a primeira prestação de contas de campanha. O prazo termina no dia 2 de agosto. A entrega das informações é obrigatória. De acordo com a Lei Eleitoral, os candidatos que tiverem as contas consideradas irregulares podem ser cassados, mesmo após tomar posse.

Nos documentos que deverão ser entregues, os comitês financeiros de campanha terão de discriminar os recursos recebidos em dinheiro para financiar os candidatos e os gastos que foram feitos, além dos doadores.

Cabe ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e aos tribunais regionais eleitorais julgar as informações fornecidas. A Justiça Eleitoral poderá aprovar as contas, se estiverem regulares; aprová-las com ressalvas, quando as falhas não comprometerem as contas; e desaprová-las, quando estiverem irregulares em geral.

Brasília 247 Leonardo Araújo Mon, 28 Jul 2014 18:15:49 +0000 http://www.brasil247.com/148234
CNI pedirá mais competitividade e reforma tributária para candidatos http://www.brasil247.com/pt/247/economia/148232 : Confederação Nacional da Indústria, presidida por Robson Andrade, apresentou nesta segunda-feira 28 os pontos que, na avaliação da entidade, devem ser prioritários para o próximo presidente; propostas são parte de 42 estudos organizados pela entidade e serão base para o encontro de empresários com os candidatos Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), na próxima quarta-feira 30 <br clear="all"> :

Mariana Branco - Repórter da Agência Brasil

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresentou hoje (28) os pontos que, na avaliação da entidade, devem ser prioritários para o próximo presidente da República, entre eles um esforço coordenado para atacar o problema da competitividade. Também estão na lista a reforma tributária, a flexibilização das relações de trabalho, investimentos em infraestrutura e uma estratégia mais agressiva para conquistar mercados no exterior.

As propostas são parte de 42 estudos organizados pela entidade e serão base para o encontro de empresários com os candidatos Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), na próxima quarta-feira (30).

Segundo José Augusto Fernandes, diretor de Políticas e Estratégia da CNI, o país se tornou "caro e pouco competitivo" em função de fatores como custo da energia, transporte, burocracia, distorções no sistema tributário e taxas de juros. Ele ressaltou que "são temas horizontais, dispersos em vários ministérios e agências" e que os países que obtiveram bons resultados se organizaram para tratar o problema. "Essa coordenação tem que estar muito próxima do presidente da República. [Ele] tem que dar o empoderamento a um líder para que enfrente essa agenda. Tem que definir prioridades, ter um sistema para monitorar e avaliar os resultados. Senão o governo acaba se perdendo", disse.

Em relação a um dos entraves à competitividade, a questão tributária, Fernandes disse que o Brasil "é um ponto fora da curva". Ele citou como exemplo uma simulação encomendada pela CNI que mostrou que os impostos chegam a elevar em 10,6% o valor de um investimento no Brasil. "Contratamos uma empresa especializada de consultoria tributária. Essa empresa montou um projeto típico de investimento, no valor de US$ 4 bilhões. Fomos à Inglaterra, Austrália, México e Brasil", relatou. Segundo o diretor, atualmente, eliminar a cumulatividade de impostos (incidência em todas as etapas do processo produtivo) é o principal objetivo estratégico da indústria.

Outras demandas da CNI são: melhorar o processo de desoneração da folha de pagamento, aumentar o número de tratados internacionais para evitar dupla tributação, permitir ampla compensação de saldos credores de tributos federais, ampliar gradativamente prazos para pagamentos de tributos e, ainda, resolver a questão dos incentivos fiscais no caso do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), usado como instrumento da chamada "guerra fiscal".

Fernandes citou a infraestrutura como a área que obteve mais avanços até aqui e com maior possibilidade de mudanças nos próximos anos. "Temos vários marcos regulatórios que foram construídos. Existem muitas regras dadas, concessões, os aeroportos privados começam a aparecer", declarou. Segundo ele, a CNI defende aumento da participação do setor privado por meio de concessões e parcerias público-privadas. A entidade também quer mais qualidade nas licitações, instrumentos para que as obras não sejam paralisadas e reforma institucional do setor de transportes. "É importante que esse setor seja crescentemente profissional, crescentemente técnico", avaliou.

De acordo com diagnóstico da CNI, de 2000 a 2010, o valor médio do investimento em infraestrutura no Brasil correspondeu a 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas de um país), o equivalente a aproximadamente R$ 73 bilhões ao ano. A entidade destaca que o gasto deveria alcançar 5% do PIB, ou R$ 175 bilhões ao ano.

No caso das relações de trabalho, a CNI considera a legislação atual "rígida". "O mundo mudou. A forma de organização da produção mudou, de forma bastante revolucionária. Mesmo quando empresários e trabalhadores querem fazer uma mudança que é benéfica ao interesse comum, entram na zona de risco [de descumprimento da lei]. A gente precisa dar mais ordem, mais segurança jurídica a esse ambiente. O que estamos dando ênfase aqui é à negociação coletiva. Ela não pode ser desqualificada na Justiça", defendeu Fernandes. O diretor também defende a terceirização, com um marco regulatório que autorize a modalidade de contratação em qualquer atividade.

Fernandes comentou ainda a necessidade de uma estratégia mais agressiva para que o Brasil conquiste mercados no exterior. "Dadas as imperfeições no nosso sistema tributário, você cria um país de empresas tímidas e pouco ambiciosas para enfrentar o mundo. A mensagem que estamos passando aos candidatos é que o mercado do Brasil é um ativo, é importante. Mas não é suficiente. Várias empresas não conseguem ter a parcela devida só com nosso mercado, nem com o Mercosul".

De acordo com Fernandes, após o encontro de quarta-feira, no qual cada presidenciável terá um tempo para ouvir as propostas da indústria e falar para mais de 700 empresários, a CNI não deve declarar apoio a um candidato específico. "A CNI não escolhe candidatos. Procura influenciá-los, mostrar sua agenda, discutir suas opções. Até porque sua base se divide entre os candidatos, isso criaria um extraordinário problema de gestão", afirmou. Segundo ele, a compilação dos 42 estudos também deve ser discutida com candidatos ao Senado e à Câmara dos Deputados. O diretor ressaltou que, no caso de algumas áreas, a CNI preparou portarias, decretos e leis para sugerir aos candidatos.

Economia Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 17:55:27 +0000 http://www.brasil247.com/148232
Jô Soares é internado com pneumonia http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/148233 : Apresentador, de 76 anos, foi hospitalizado na sexta-feira no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para tratar da doença; de acordo com a direção de seu programa, o tratamento está evoluindo bem, com "ótima recuperação" <br clear="all"> :

247 – O apresentador da TV Globo Jô Soares está internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para tratar de uma pneumonia.

De acordo com a direção de seu programa, ele foi hospitalizado na sexta-feira 25 com a doença ainda no princípio e a evolução do tratamento é boa, com "ótima recuperação".

A expectativa é que ele recebe alta ainda nessa semana. O hospital não divulgou boletim médico. Por conta da internação, a edição do programa desta noite será uma homenagem ao escritor Ariano Suassuna, que morreu na última quarta-feira 23.

Cultura Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 17:59:47 +0000 http://www.brasil247.com/148233
Dilma sobre Santander: "inadmissível, lamentável" http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148205 : Presidente diz que terá "atitude bastante clara em relação ao banco", que alertou clientes de alta renda sobre um risco à economia caso ela seja reeleita; para Dilma Rousseff, gesto é "inadmissível, lamentável" para qualquer candidato; pedido de desculpas da instituição financeira, na opinião de Dilma, "foi bastante protocolar"; "Eu conheço bastante bem o CEO do banco, pretendo conversar a respeito", afirmou, durante sabatina, a respeito de Emilio Botín; candidata chamou de "massacre" e "ação desproporcional" os ataques israelenses contra os palestinos e, ao comentar as críticas de Aécio Neves contra o Mais Médicos, afirmou: "Em pleno século 21, essa posição fundamentalista sobre Cuba é um despropósito" <br clear="all"> :

247 – A presidente Dilma Rousseff classificou como "inadmissível" e "lamentável" a atitude do banco Santander, que emitiu um comunicado aos clientes de alta renda alertando para o risco à economia brasileira, caso Dilma vença as eleições. "É inadmissível, lamentável, para qualquer candidato", afirmou a presidente, durante sabatina promovida por Folha, Uol, SBT e Jovem Pan.

Dilma disse que terá "atitude bastante clara em relação ao banco" e afirmou ter considerado o pedido de desculpas da instituição como "bastante protocolar". Questionada se pretendia processar o banco, respondeu que irá "conversar primeiro" a respeito. "Eu conheço bastante bem o CEO do banco, pretendo conversar a respeito", acrescentou, sobre o presidente mundial, Emilio Botín, que é recebido com frequência no Palácio do Planalto.

No comunicado, o Santander disse que a reeleição da Dilma seria prejudicial à economia. No pedido de desculpas, afirmou: "a instituição pede desculpas aos seus clientes e acrescenta que estão sendo tomadas as providências para assegurar que nenhum comunicado dê margem a interpretações diversas dessa orientação". Emilio Botín tentou minimizar a responsabilidade da instituição: "não foi o banco, foi um analista" (leia aqui).

Privatização

Ao falar sobre economia, afirmou que "a inflação ficará abaixo do limite superior da meta, numa trajetória decrescente". Questionada se admitia erros na área econômica, e que se por isso promoveria mudanças, disse que não se faz mudanças porque errou, mas porque "precisa sempre querer alterar e melhorar as coisas que faz".

A presidente atribuiu a "jogo político" o fato de o PSDB apontar que o governo do PT promove privatizações. "O que nós fizemos é concessão, eles [os prestadores de serviço] têm prazo para devolver. É por isso que as pessoas se equivocam. Ninguém pode achar que [o serviço] é da pessoa eternamente, ao fim do prazo eles me devolvem. Privatização não existe devolução".

Rejeição

Dilma atribuiu a rejeição ao seu governo, especialmente no estado de São Paulo, ao "desconhecimento" sobre muitos programas realizados pelo governo federal. E acrescentou que pretende "esclarecer bastante" o eleitorado durante o horário político eleitoral, a partir de agosto. Ela lembrou que outros candidatos a presidente, em eleições passadas, tinham índice similar de rejeição nesse período da campanha. Segundo o último Datafolha, divulgada na semana passada, a rejeição ao governo Dilma é de 35% no País.

"Chantagem"

A candidata à reeleição pelo PT disse não ter se sentido chantageada, "de maneira alguma", pelo PR, que pediu a substituição do ministro dos Transportes em troca de apoio à sua candidatura. Dilma disse que o novo ministro, Paulo Sérgio Passos, "já estava acompanhando todo o processo dos transportes" e que César Borges, que não era aceito pelo partido, pode dar agora uma "grande contribuição" na área dos portos, para onde foi transferido.

Israel comete "massacre"

Ao comentar o conflito entre Israel e palestinos na Faixa de Gaza, Dilma classificou os ataques israelenses de "ação desproporcional" e "massacre", mas negou que seja um "genocídio". A presidente lembrou que o Brasil tem "uma relação bastante antiga de amizade com Israel" e que defende "os dois estados", dos israelenses e dos palestinos. Segundo ela, episódios como o da morte dos jovens israelenses "têm que acabar", mas o fato não pode resultar em mortes de crianças e idosos.

Dilma lamentou as palavras do porta-voz da chancelaria de Israel, Yigal Palmor, que chamou o Brasil de "anão diplomático", e afirmou que "elas produzem um clima muito ruim". Dilma evitou comentar, no entanto, se acredita que ele falava em nome do governo. "Não cabe a mim especular". Apesar do gesto diplomático brasileiro de ter convocado o embaixador em Tel-Aviv, Dilma afirmou que "não houve momento de ruptura" com Israel e que ele retornará "no momento oportuno".

Mais Médicos

Questionada sobre a opinião do candidato do PSDB, Aécio Neves, em relação ao programa Mais Médicos, falou em "despropósito". Ao ser sabatinado, no último dia 16, o tucano disse que mudaria o modelo de contratação dos médicos cubanos, que têm parte do salário recebido por meio do governo da ilha. "Vamos financiar os médicos cubanos, e não o governo cubano", disse na ocasião. Hoje, Dilma rebateu: "Em pleno século XXI, essa posição fundamentalista sobre Cuba é um despropósito".

Poder Ana Pupulin Mon, 28 Jul 2014 15:41:02 +0000 http://www.brasil247.com/148205
Genocida desafia ONU e vê longo conflito pela frente http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148211 : Em discurso na TV, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que seu país deve se preparar para um conflito prolongado na Faixa de Gaza, ignorando exigência de cessar-fogo por parte do Conselho de Segurança da ONU; combates já deixaram mais de 1.000 mortos, sendo mais de 900 do lado dos palestinos; premiê afirmou ainda que qualquer solução para a crise exige a desmilitarização do território palestino, controlado pelo grupo islâmico Hamas; grande explosão em um jardim público em Gaza deixou oito crianças e dois adultos mortos, além de 40 feridos; Israel nega envolvimento no ataque; quase na mesma hora, bombardeio atingiu o principal hospital de Gaza, sem deixar vítimas <br clear="all"> :

247, com Reuters - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse nesta segunda-feira que seu país deve se preparar para um conflito prolongado na Faixa de Gaza, encerrando qualquer esperança de um fim rápido para os combates que já deixaram mais de 1.000 mortos, mais de 900 do lado dos palestinos.

Em um discurso transmitido pela televisão, Netanyahu afirmou que qualquer solução para a crise exige a desmilitarização do território palestino, que é controlado pelo grupo islâmico Hamas e seus aliados militantes.

Oito crianças morrem em explosão em Gaza

Uma enorme explosão em um jardim público em Gaza matou oito crianças e dois adultos, e feriu outras 40 pessoas, disseram médicos palestinos nesta segunda-feira.

Os moradores atribuíram a explosão a um ataque aéreo israelense, mas Israel negou responsabilidade e afirmou que se tratou de uma falha num foguete lançado pelos militantes do grupo Hamas.

Quase à mesma hora uma outra explosão abalou o hospital de Shifa, o principal de Gaza, sem causar vítimas. Israel, que anteriormente acusou os militantes do Hamas de se esconderem no hospital, novamente atribuiu o fato a um erro no disparo de um foguete.

Poças de sangue ficaram no parque em um campo de refugiados.

"Nós saíamos da mesquita quando vimos as crianças brincando com seus brinquedos. Segundos depois, o foguete caiu", disse Munther Al-Derbi, morador do campo.

"Que Deus puna... Netanyahu", disse ele, referindo-se ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Israel e os militantes palestinos em Gaza estão há três meses envolvidos em confrontos nos quais 1.049 pessoas morreram em Gaza, na maioria civis, atingidos por bombardeios israelenses. Morreram também 43 soldados e três civis israelenses atingidos por foguetes e projéteis de morteiro disparados pelo Hamas.

A explosão de segunda-feira ocorreu durante uma relativa trégua nos combates, com os dois lados baixando a temperatura durante o feriado religioso muçulmano do Eid al-Fitr.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi)

Mundo Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 15:28:09 +0000 http://www.brasil247.com/148211
Número de mortos pela PM paulista cresceu 111% no primeiro semestre http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148223 : De janeiro a junho deste ano, 317 pessoas foram mortas por policiais militares que estavam em serviço no estado de São Paulo; no mesmo período do ano passado, 150 pessoas foram mortas; dado divulgado nesta segunda-feira pela Secretaria de Segurança Pública é o maior registrado desde 2003 <br clear="all"> :

Elaine Patricia Cruz - Repórter da Agência Brasil

De janeiro a junho deste ano, 317 pessoas foram mortas por policiais militares que estavam em serviço no estado de São Paulo, o que representa aumento de 111,3% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando 150 pessoas foram mortas.

É o maior número registrado desde 2003, quando 399 civis foram mortos por policiais militares em serviço. Os dados constam de balanço trimestral que foi divulgado pela Secretaria de Segurança Pública.

Já o número de policiais militares mortos em serviço no estado caiu, passando de 7 casos no ano passado para 6 no primeiro semestre este ano.

Segundo o balanço, no primeiro semestre, 280 pessoas ficaram feridas em confrontos com policiais militares em serviço. O levantamento não registra, porém, casos de pessoas mortas ou feridas nesse período por policiais que estavam em folga.

Quanto à atuação da Polícia Civil, o balanço informa que nove pessoas foram mortas por policiais em serviço entre janeiro e junho deste ano e 11 por policiais que estavam de folga. Nesse período, três policiais civis foram mortos em serviço.

SP 247 Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 17:06:32 +0000 http://www.brasil247.com/148223
Campos denuncia ter conta invadida na internet http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/148222 : Equipe responsável pelas redes sociais da campanha de Eduardo Campos (PSB) denunciou, pelo Facebook, que a conta de Campos e sua candidata a vice, Marina Silva, no Twitter foi alvo de um ataque feito por robôs. Texto diz que foi identificado que uma série de perfis falsos estão gerando "um tráfego anormal e artificial, com o possível intuito de criar confusão"; ataque, segundo a postagem, seria promovido por "membros da velha política" assustados com o debate político através da redes sociais <br clear="all"> :

Pernambuco 247 - A equipe responsável pelas redes sociais da campanha presidencial do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, denunciou, na página oficial que o socialista mantém no facebook, que a conta que Campos e sua vice, a ex-senadora Marina Silva, mantém no Twitter, foi alvo de um ataque feito por robôs. Segundo o post assinado pela #Equipe 40, foi identificado que uma série de perfis falsos estão gerando "um tráfego anormal e artificial, com o possível intuito de criar confusão". Este seria o segundo ataque do gênero sofrido pela campanha e que, neste caso, está sendo atribuído "aos membros da velha política".

Ainda segundo a postagem, o perfil do ataque segue a mesma linha da que teria sido registrada em abril deste ano, quando os perfis falsos, que não possuem seguidores, efetuam "registros automáticos nos perfis de Campos e Marina e replicam perguntas recorrentes".

Para coibir a prática e tentar identificar os autores, a coordenação da campanha estaria em contato direto com o Twitter para "bloquear este tipo de ataque". A postagem atribui o ataque ao que Campos tem chamado rotineiramente de "membros da velha política", além de defender "uma discussão limpa, tanto nas ruas como na internet".

Veja abaixo a postagem de Eduardo Campos sobre o assunto.

Contas no Twitter voltam a ser atacadas

A campanha de Eduardo Campos e de Marina Silva no Twitter está novamente sob ataque de robôs.

Desde a semana passada, perfis falsos, com zero seguidores, se registram automaticamente nos perfis de Eduardo e Marina e replicam perguntas recorrentes.

Em abril de 2014 as mesmas contas foram alvo de ataques. Na época, tanto Eduardo quanto Marina divulgaram nos seus canais de internet o ocorrido.

Os robôs são facilmente identificáveis. Os perfis falsos, automatizados, geram um tráfego anormal e artificial, com o possível intuito de criar confusão. Na época, publicações na internet e na imprensa veicularam informação falsa segundo a qual as campanhas de Eduardo e Marina estariam "inflando" a quantidade de usuários por meio do robôs.

Este é o tipo de confusão que os responsáveis pelo ataque procuram criar.

A campanha de Eduardo e Marina está em contato direto com o Twitter, tanto no sentido de avisá-lo do que está ocorrendo quanto em pedir providências para que a plataforma bloqueie este tipo de ataque, absolutamente nocivo para as boas práticas da comunicação em rede.

Como foi dito em abril passado, a campanha de Eduardo e Marina não compactua jamais com práticas como essas ou com o uso político de perfis "fakes" (falsos). As redes sociais, hoje, são um dos maiores palcos de debate sobre o Brasil atual e o seu futuro enquanto país democrático e socialmente justo. Eduardo e Marina defendem uma discussão limpa, tanto nas ruas como na internet.

Neste sentido, relembramos que quanto mais o debate sobre o novo Brasil se anuncia, mais os membros da velha política se assustam e tentam impedi-lo, também na internet. Mas este debate é inevitável. Quem determina isso é a sociedade brasileira e atacar perfis em redes sociais não impedirá que ele aconteça.

 

Pernambuco 247 Paulo Emílio Mon, 28 Jul 2014 17:01:19 +0000 http://www.brasil247.com/148222
Oito crianças morrem em explosão em Gaza http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148202 : Pai de uma criança palestina reage à morte de seu filho em hospital em Gaza. 28/07/14. REUTERS/Mohammed Salem Enorme explosão aconteceu em um jardim público e, além das oito crianças, matou dois adultos e feriu outras 40 pessoas; moradores culpam ataque aéreo israelense, mas Israel negou responsabilidade e afirmou que se tratou de uma falha num foguete lançado pelos militantes do grupo Hamas; quase à mesma hora, outra explosão abalou o hospital de Shifa, o principal de Gaza, sem causar vítimas <br clear="all"> : Pai de uma criança palestina reage à morte de seu filho em hospital em Gaza. 28/07/14. REUTERS/Mohammed Salem

GAZA (Reuters) - Uma enorme explosão em um jardim público em Gaza matou oito crianças e dois adultos, e feriu outras 40 pessoas, disseram médicos palestinos nesta segunda-feira.

Os moradores atribuíram a explosão a um ataque aéreo israelense, mas Israel negou responsabilidade e afirmou que se tratou de uma falha num foguete lançado pelos militantes do grupo Hamas.

Quase à mesma hora uma outra explosão abalou o hospital de Shifa, o principal de Gaza, sem causar vítimas. Israel, que anteriormente acusou os militantes do Hamas de se esconderem no hospital, novamente atribuiu o fato a um erro no disparo de um foguete.

Poças de sangue ficaram no parque em um campo de refugiados.

"Nós saíamos da mesquita quando vimos as crianças brincando com seus brinquedos. Segundos depois, o foguete caiu", disse Munther Al-Derbi, morador do campo.

"Que Deus puna... Netanyahu", disse ele, referindo-se ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Israel e os militantes palestinos em Gaza estão há três meses envolvidos em confrontos nos quais 1.049 pessoas morreram em Gaza, na maioria civis, atingidos por bombardeios israelenses. Morreram também 43 soldados e três civis israelenses atingidos por foguetes e projéteis de morteiro disparados pelo Hamas.

A explosão de segunda-feira ocorreu durante uma relativa trégua nos combates, com os dois lados baixando a temperatura durante o feriado religioso muçulmano do Eid al-Fitr.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi)

Mundo Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 14:38:35 +0000 http://www.brasil247.com/148202
Filha de Luiz Fux pleiteia uma vaga no TJ-RJ http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148204 : A OAB homologou seis nomes dos advogados que pleiteiam uma vaga de desembargador aberta no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ); um desses nomes é o da advogada Marianna Fux, filha do ministro do STF Luiz Fux; para efetivar sua candidatura, o postulante ao cargo deve apresentar pelo menos cinco petições por ano, em uma década de advocacia, conforme regimento da OAB; esta exigência não foi cumprida pela filha do ministro, que, mesmo assim, teve sua candidatura homologada <br clear="all"> :

Rio 247 – A Ordem dos Advogados do Brasil (OBA) homologou seis nomes dos advogados que pleiteiam uma vaga de desembargador aberta no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ). Um desses nomes é o da advogada Marianna Fux, filha do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux. Ela é favorita para o cargo.

Para efetivar sua candidatura, o postulante ao cargo deve apresentar pelo menos cinco petições por ano, em uma década de advocacia, conforme regimento da OAB. Porém, segundo a coluna Radar, de Veja, a advogada não comprovou que impetrou o o mínimo de petições nos anos de 2007, 2008, 2009, 2010 e 2014. Mesmo assim, teve sua candidatura homologada.

A OAB-RJ disse, em nota, ter recebido 38 pedidos de candidatura para o quinto constitucional. "Das 38 inscrições, oito foram indeferidas pela não comprovação documental". "Entre os 30 pedidos de candidaturas deferidos consta o de Mariana Fux, cujos documentos foram aprovados pela Comissão de Seleção e Processo de Inscrição", diz o texto.

Rio 247 Leonardo Lucena Mon, 28 Jul 2014 15:06:57 +0000 http://www.brasil247.com/148204
Cúpula reunirá os cinco presidentes do Mercosul http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148198 Roberto Stuckert Filho/PR: Montevidéu - Uruguai, 12/07/2013. Presidenta Dilma Rousseff posa para foto oficial durante Cúpula dos Estados Parte e Estados Associados 
do Mercosul e convidados especiais. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, da Argentina, Cristina Kirchner, do Uruguai, José Mujica, do Paraguai, Horacio Cartes, e da Venezuela, Nicolás Maduro, anfitrião do encontro, se reunirão em Caracas nesta terça-feira 29; como o Paraguai ficou suspenso de junho de 2012 a agosto de 2013 e a Venezuela ingressou em julho do ano passado, esta será a primeira reunião dos cinco presidentes <br clear="all"> Roberto Stuckert Filho/PR: Montevidéu - Uruguai, 12/07/2013. Presidenta Dilma Rousseff posa para foto oficial durante Cúpula dos Estados Parte e Estados Associados 
do Mercosul e convidados especiais. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Danilo Macedo – Repórter da Agência Brasil

Os presidentes dos países do Mercosul viajarão hoje (28) a Caracas para a Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, que acontecerá amanhã (29) durante toda a manhã. A última Cúpula do Mercosul aconteceu em julho de 2013 e a seguinte seria em dezembro do mesmo ano, mas alguns acontecimentos - como a crise na Venezuela e incompatibilidades nas agendas dos líderes do bloco - provocaram quatro adiamentos. Como o Paraguai ficou suspenso de junho de 2012 a agosto de 2013, devido à destituição do então presidente Fernando Lugo, e a Venezuela ingressou em julho do ano passado, esta será a primeira reunião dos cinco presidentes na Cúpula do Mercosul.

As presidentas do Brasil, Dilma Rousseff, e da Argentina, Cristina Kirchner, e os presidentes do Uruguai, José Mujica, do Paraguai, Horacio Cartes, e da Venezuela, Nicolás Maduro, anfitrião do encontro, discutirão temas que ficaram pendentes desde a última reunião, em Montevidéu, no Uruguai, como a elaboração da proposta comum que precisa ser apresentada à União Europeia (UE) para avançar o acordo de livre comércio entre os dois blocos. Alguns temas mais urgentes, no entanto, prometem tomar a maior parte das discussões.

Um dos principais, que tem ocupado os noticiários internacionais, é o litígio do governo argentino com os chamados fundos abutres, que eleva o risco do país decretar a segunda moratória da dívida externa em 13 anos, o que pioraria ainda mais a crise econômica no país e teria impactos negativos, também, nos países do bloco, inclusive nas negociações para o acordo com a UE. O governo da Argentina enviou hoje, a Nova York, uma equipe econômica para continuar as negociações com o mediador designado pela Justiça norte-americana, que deu sentença favorável aos fundos abutres.

O litígio entre as duas partes gerou um impasse que impediu a Argentina de pagar um vencimento de US$ 900 milhões aos credores que aceitaram, ao contrário dos fundos abutres, participar de dois planos de reestruturação da dívida após a moratória de 2001. A sentença da Justiça dos Estados Unidos obriga a Argentina a pagar, antes, US$ 1,3 bilhão devidos a esses credores que ganharam o processo em Nova York. Se a situação não for resolvida até quarta-feira, um dia depois da Cúpula do Mercosul, corre o risco de ter de decretar nova moratória.

Além disso, os chefes de Estado também discutirão o conflito na Faixa de Gaza, que já matou mais de mil pessoas, a maioria civis. O Brasil condenou, por meio da presidenta Dilma e de comunicados do Itamaraty, o "uso desproporcional da força" por parte de Israel, assim como o lançamento de foguetes ao território israelense pelo Hamas. Na semana passada, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, declarou que seu país ficou "desapontado" e se sentiu "traído" pelo Brasil, ao qual chamou de "anão diplomático", após a publicação de mais uma nota do governo brasileiro e da convocação, para consultas, do embaixador brasileiro em Israel, Henrique Sardinha.

Durante a cúpula, a Venezuela passará a presidência pró-tempore à Argentina, durante seis meses. Também participarão do encontro o presidente da Bolívia, Evo Morales, cujo país está associado e em processo de incorporação ao bloco. Na semana passada, o presidente Maduro disse que também estariam presentes os chefes de Estado do Chile, Michelle Bachelet; de El Salvador, Salvador Sánchez Cerén; e da Nicarágua, Daniel Ortega.

Hoje, um dia antes da cúpula, os chanceleres do Mercosul participam da 46ª Reunião do Conselho do Mercado Comum do Mercosul (CMC), que serve de preparação para o encontro dos chefes de Estado. As atividades dos presidentes começarão às 8h desta terça-feira com uma foto oficial na Praça Simón Bolívar, em frente à Casa Amarela, sede do Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, onde acontecerá a cúpula em seguida. Ao fim da reunião, os presidentes almoçarão no local e, depois, regressarão aos seus países.

De acordo com o Itamaraty, os cinco países do Mercosul representam 72% do território e 70% da população da América do Sul, além de deter 80% do PIB do continente e 58% dos investimentos estrangeiros diretos e 65% do comércio exterior.

Mundo Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 14:27:55 +0000 http://www.brasil247.com/148198
MP-RJ pede prisão de PMs suspeitos de homicídio http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148207 Andre Gomes de Melo: UPP Coroa/Fallet/Fogueteiro comemora 2 anos de pacificação O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pediu a prisão preventiva dos seis policiais militares suspeitos de assassinarem um homem no Morro do Fogueteiro, na zona norte da cidade; eles são suspeitos do homicídio de Vitor Luiz Rodrigues; a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) diz que houve um tiroteio entre policiais da UPP e criminosos; Vitor, segundo a Polícia Militar (PM), morreu no confronto <br clear="all"> Andre Gomes de Melo: UPP Coroa/Fallet/Fogueteiro comemora 2 anos de pacificação

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil

O promotor de Justiça Marcos Kac, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, pediu a prisão preventiva dos seis policiais militares suspeitos de assassinarem um homem no último sábado (26), no Morro do Fogueteiro, na zona norte da cidade. Eles são suspeitos do homicídio de Vitor Luiz Rodrigues.

A Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) diz que houve um tiroteio entre policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Fogueteiro e criminosos. Vitor, segundo a Polícia Militar (PM), morreu no confronto.

Os policiais militares da UPP foram à 5ª Delegacia de Polícia da Lapa (5ª DP) para registrar a morte de Vitor como um auto de resistência (quando o policial mata em legítima defesa) no próprio sábado e levaram uma pistola calibre 40 como sendo da vítima.

No entanto, com base em depoimentos de testemunhas e em perícias no local, a Polícia Civil suspeitou da versão dos policiais militares e prendeu os seis em flagrante. A Polícia Civil considerou ainda que os suspeitos alteraram a cena do crime, retirando o corpo de Vitor do local do homicídio.

Além de Vitor, morreu no tiroteio Rafael de Souza Azerbinato. Diante da prisão dos policiais, a Coordenadoria de Polícia Pacificadora abriu inquérito policial militar (IPM) para apurar as circunstâncias das duas mortes.

Rio 247 Leonardo Lucena Mon, 28 Jul 2014 15:11:50 +0000 http://www.brasil247.com/148207
Vigilância dos EUA ameaça liberdade de imprensa, diz relatório http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/148208 : Programas de vigilância dos Estados Unidos estão tornando mais difícil para funcionários do governo falarem com a imprensa sob anonimato, disseram nesta segunda-feira o Human Rights Watch e a União das Liberdades Civis Americana, dois grupos de defesa dos direitos humanos <br clear="all"> :

WASHINGTON (Reuters) - Os programas de vigilância dos Estados Unidos estão tornando mais difícil para funcionários do governo falarem com a imprensa sob anonimato, disseram dois grupos de defesa dos direitos humanos nesta segunda-feira.

A vigilância em larga escala, como parte da repressão do governo do presidente Barack Obama aos vazamentos de assuntos de segurança nacional, ameaça a liberdade de imprensa e o direito à assistência jurídica, afirmaram o Human Rights Watch e a União das Liberdades Civis Americana (Aclu, na sigla em inglês), em um relatório conjunto.

Os programas de vigilância da Agência Nacional de Segurança (NSA), que incluem a obtenção de "metadados" de telefones, aumentaram as preocupações dos funcionários do governo em contatar a mídia já que "qualquer interação - qualquer e-mail, qualquer telefonema – tem o risco de deixar um rastro digital que pode ser posteriormente usado contra eles", diz o relatório.

Os grupos entrevistaram mais de 90 jornalistas, advogados e altos funcionários do governo dos Estados Unidos, atuais ou antigos, para o relatório.

"Os jornalistas disseram que as autoridades estão substancialmente menos dispostas a manter contato com a imprensa, mesmo em relação a questões sem sigilo ou opiniões pessoais, do que estavam alguns anos atrás", assinala o relatório.

A administração Obama tem sido mais agressiva do que seus recentes antecessores para silenciar potenciais vazadores. Há oito pessoas indiciadas sob a Lei de Espionagem, sob suspeita de vazamento de informações. Na esteira das revelações do ex-agente da NSA Edward Snowden, o governo vem intensificando os esforços para detectar "ameaças internas" de funcionários do governo que possam querer vazar informações.

Muitos programas atuais de vigilância dos Estados Unidos vão bem além do que é necessário para garantir a segurança nacional, disse o relatório.

"Os Estados Unidos se apresentam como um modelo de liberdade e democracia, mas os seus próprios programas de vigilância estão ameaçando os valores que dizem representar", disse o autor do relatório, Alex Sinha, em um comunicado.

O documento pede ao presidente Barack Obama e ao Congresso que ravaliem as políticas de vigilância do país, reduzam o sigilo e aumentem a proteção aos denunciantes.

A Câmara dos Estados Unidos aprovou uma lei em maio para acabar com coleta em grande escala de dados de telefone pelo NSA. A lei está sob análise no Senado.

(Reportagem de Rebecca Elliot)

Mídia Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 15:12:58 +0000 http://www.brasil247.com/148208
Palestina livre é a causa moral do século 21 http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148159 : Menino Samih Ijneid, de apenas quatro anos, é primeira vítima de Israel após cessar-fogo acertado com Hamas; tiro de tanque israelense destruiu casa em que ele vivia, na Faixa de Gaza; jovens em todo mundo declaram seu amor a Gaza; vítimas de bombardeios e de uma situação comparável ao apartheid sul-africano, os palestinos ganham a solidariedade global e o apoio de países como o Brasil; na carta de agradecimento da OLP, destacou-se que o País "enviou uma mensagem a muitos membros da comunidade internacional de que a responsabilidade de proteger um povo ocupado vai além de simples declarações"; lado certo da história <br clear="all"> :

247 – A morte de um menino palestino de 4 anos, atingido pelo disparo de um tanque israelense, é a primeira registrada desde o início da trégua humanitária concedida por Israel, após pressões do mundo inteiro, no fim de semana, na faixa de Gaza. O pequeno Samih Ijneid morreu junto com outras três pessoas, provavelmente de sua família, quando a casa em que vivia, em Jabaliya, foi destruída pelo morteiro.

Com 1.054 mortos entre a população palestina, até o cessar-fogo em vigência, e 46 baixas no exército de Israel, o massacre na faixa de Gaza isolou mundialmente o governo sionista do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Mostrado em todos os seus detalhes por imagens e textos que chocaram o mundo em tempo real, o ataque desproporcional que atingiu, indiscriminadamente, crianças e a população civil, teve todas as reações diplomáticas conhecidas – com a manifestação do presidente dos EUA, Barack Obama, em telefonema a Netanyahu, pedindo a suspensão da matança, insustentável do ponto de vista humanitário, moral e ético.

Antes, o Brasil fez uma veemente condenação do motivo e dos meios usados por Israel para responder a problemas de convivência na pressionada faixa de Gaza e suas fronteiras que, de resto, foram avançadas pelo uso da força. Após a manifestação brasileira e o recrudescimento dos ataques de Israel, o Conselho de Segurança da ONU, que vinha examinando o assunto, aprovou pedido de trégua "duradoura" em Gaza, baseada em uma iniciativa do Egito, segundo a qual o fim das hostilidades abre o caminho para negociações sobre o futuro de Gaza, incluindo a abertura das fronteiras do território. O pedido solicita ainda que a pausa nos combates ocorra em função do feriado muçulmano de Eid al-Fitr, que deve começar nos próximos dias, e se estenda depois disso.

Mas mais do que os diplomatas podem fazer, entre a dubidiedade americana após declarado e a solidariedade de pronto prestada pelo Brasil, é na população de diferentes países que a causa do Estado da Palestina está ganhando expressão. A bandeira palestina já vai sendo vista nas mãos, nas roupas e nas caras-pintadas de cidadãos de diferentes nacionalidades. Em Paris, no final de semana, entre manifestações violentas, como depredações marcadas pela queima de bandeiras de Israel, também houve espaço para o protesto pacífico.

Muitos jovens pintaram no rosto o vermelho, o branco, o preto e o verde que aglutinam o povo palestino sob sua bandeira. A discussão sobre o direito dos palestinos a terem seu próprio Estado – seja onde for -, extrapolou outra vez os salões da ONU – cujo Conselho de Segurança condenou Israel – para tomar as ruas e o corações das grandes cidades do mundo. Essa guerra, o louco Netanyahu jamais vai ganhar.

Mundo Felipe L. Goncalves Mon, 28 Jul 2014 12:24:46 +0000 http://www.brasil247.com/148159
Empresários têm oferecido doações a Dilma, diz tesoureiro http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148190 : Deputado estadual por São Paulo Edinho Silva, responsável pelas finanças da campanha da presidente Dilma Rousseff, diz que arrecadação de recursos ocorre sem dificuldades e com a pró-atividade dos empresários; "Muitos empresários ligaram e ofereceram contribuições para nós, o que mostra o entendimento de que a crise econômica é globalizada, oriunda da Europa e dos Estados Unidos e nós sofremos com os impactos", afirmou nesta segunda-feira, em referência ao baixo crescimento econômico do País <br clear="all"> :

247 – Responsável pelas finanças da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff, o deputado estadual por São Paulo Edinho Silva (PT) afirmou nesta segunda-feira 28 que o comitê tem recebido ligações de empresários, que oferecem doações ao projeto petista. O gesto, diz ele, indica que os números da economia brasileira – alvo de críticas da oposição e da mídia, que ressaltam baixo crescimento econômico e inflação em alta – não influenciaram a campanha de Dilma.

"Muitos empresários ligaram e ofereceram contribuições para nós, o que mostra o entendimento de que a crise econômica é globalizada, oriunda da Europa e dos Estados Unidos e nós sofremos com os impactos", afirmou Edinho, em entrevista ao Broadcast Político, da Agência Estado. "Todos entendem que enfrentamos a crise sem penalizar empregos e os programas sociais e sem recessão e ainda que estaremos em uma situação melhor em 2015", acrescentou.

Questionado, durante evento em Araraquara, interior paulista, sobre quanto teria sido arrecadado até o momento, o deputado disse não poder precisar um número. "Ainda não tenho um balanço", respondeu. Segundo ele, a campanha tem conseguido descontos de 30% a 40% por meio de cotações de "absolutamente tudo". Os gastos da campanha são estimados em R$ 298 milhões, segundo ele.

Poder Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 12:41:01 +0000 http://www.brasil247.com/148190
Com 1 mi no Face, Campos diz: "dinheiro não vence" http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/148166 : Comemorando 1 milhão de fãs em sua página no Facebook, candidato a presidente pelo PSB defende, em vídeo, a "inversão de prioridades" no País, volta a condenar a "polarização política", que "só beneficia aventureiros e oportunistas", e diz que não é a "força do dinheiro" ou o "tempo de televisão" que vai conquistar o coração dos brasileiros nas eleições de outubro; "Já somos mais de 1 milhão de brasileiros aqui no Facebook sonhando com um país melhor e participando da mudança que vai unir o país", afirma Eduardo Campos, destacando a "força do projeto" de sua candidatura com Marina Silva; mas ele ainda precisa vencer o ceticismo da própria Marina, cujo Rede pretende sair do PSB em 2015 com qualquer resultado, e se tornar conhecido do grande público <br clear="all"> :

Pernambuco 247 – O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, comemorou nesta segunda-feira 28, com uma mensagem de vídeo, o alcance de 1 milhão de fãs em sua página no Facebook. "Já somos mais de 1 milhão de brasileiros aqui no Facebook sonhando com um país melhor e participando da mudança que vai unir o país", escreveu o ex-governador de Pernambuco na rede social.

Na mensagem, Eduardo Campos diz que "é preciso haver uma inversão das prioridades" para mudar o País e defende que não é o dinheiro ou o tempo de TV que vencerão as eleições de outubro. "Está na hora de mostrar que não é a força do dinheiro ou o tempo na televisão que contam para conquistar os corações e as mentes de quem quer uma mudança de verdade", diz.

Segundo ele, o que conta na verdade "é o testemunho de cada um, que vai se entusiasmar, que vai entusiasmar outras pessoas para acabar com a polarização política que divide o País e só beneficia os aventureiros e os oportunistas". Campos faz, com essa declaração, uma crítica à troca de poderes por PT e PSDB no governo. "A hora de mudar é agora", afirma ainda o candidato, pedindo "coragem" aos eleitores.

Campos afirma também que é preciso "contar para milhões de brasileiros e brasileiras" sobre a "força do nosso projeto", em referência à sua candidatura com a ex-senadora Marina Silva. "Eu e Marina estamos comprometidos em manter as conquistas dos últimos anos", promete o presidente do PSB, acrescentando que haverá melhora dos serviços públicos, "escola integral para todos os brasileiros", "passe livre" e "um sistema de saúde que funcione de verdade", além do "combate à criminalidade e à violência".

Assista ao vídeo aqui.

Pernambuco 247 Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 10:33:04 +0000 http://www.brasil247.com/148166
ONU: avião abatido na Ucrânia pode ser 'crime de guerra' http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148177 : "Essa violação da lei internacional, dadas as circunstâncias, pode ser considerada crime de guerra", disse a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, acrescentando que "tudo será feito" para que os responsáveis pela tragédia, que matou 298 pessoas, sejam julgados, "sejam eles quem forem"; caixas-pretas do voo MH17 indicam explosão de míssil, diz Kiev <br clear="all"> :

Danilo Macedo*- Repórter da Agência Brasil

A Organização das Nações Unidas (ONU) denunciou hoje (28) que o ataque do avião da Malaysia Airlines por um míssil, no Leste da Ucrânia, pode ser considerado "crime de guerra" e exigiu investigação independente e rápida para que os culpados sejam encontrados e julgados.

"Essa violação da lei internacional, dadas as circunstâncias, pode ser considerada crime de guerra", disse a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, acrescentando que "tudo será feito" para que os responsáveis pela tragédia, que matou 298 pessoas em 17 de julho, sejam julgados, "sejam eles quem forem".

Navi Pillary ressaltou ser imprescindível que um inquérito "rápido, minucioso, eficaz e independente possa ser feito sobre o caso". O voo MH17 partiu de Amsterdã, capital da Holanda, e pousaria em Kuala Lumpur, capital da Malásia. A bordo estavam 193 holandeses, boa parte deles cientistas que trabalhavam em pesquisas sobre o vírus da aids. O avião foi abatido quando sobrevoava uma região controlada por rebeldes que querem anexar o Leste da Ucrânia à Rússia.

A alta comissária classificou o acirramento do conflito nas regiões separatistas de Donetsk e Lugansk de "extremamente alarmante", com os dois lados usando armamento pesado como artilharia, tanques, foguetes e mísseis. "Os dois lados devem impedir que mais civis sejam mortos ou feridos", apelou às partes. Na semana passada, a Cruz Vermelha Internacional anunciou oficialmente que o conflito no Leste da Ucrânia é uma guerra civil. Essa classificação permite processos por crimes de guerra.

Um relatório divulgado hoje pela ONU, em Genebra, indica que o confronto entre as formas militares do governo e os separatistas tenha matado 1.129 pessoas e ferido 3.442 desde meados de abril. De acordo com o documento, os grupos rebeldes lutam sob um comando unificado de líderes que, em muitos casos, têm nacionalidade russa.

"O que antes eram grupos armados anarquistas com diferentes lealdades e agendas estão hoje unidos sob um comando central", informa o relatório da ONU. Além disso, o documento informa que "seus líderes, muitos dos quais são de nacionalidades da Federação Russa, estão treinados e têm experiência em conflitos como os da Chechênia e da Moldávia".

Sobre as investigações da queda do avião, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, defendeu hoje que a missão internacional de investigação ao acidente do avião malásio deve ser acordada com as Nações Unidas. "Partimos da base de que essa investigação deve começar o mais cedo possível sob a égide da ONU", ressaltou, ao manifestar também que seu governo está preocupado em relação à possibilidade de manipulação de provas para que se aponte o apoio russo na derrubada do avião.

Em relação à falta de acordo para o fim do conflito, Lavrov disse que o chefe da diplomacia russa apontou como responsável a recusa do governo da Ucrânia de dialogar com os rebeldes pró-russos do Leste do país. Segundo ele, o presidente ucraniano Petro Porochenko não apresentou um plano de paz, mas um ultimato, no qual oferece apenas duas opções aos separatistas: a rendição ou a aniquilação.

Caixas-pretas do voo MH17 indicam explosão de míssil, diz Kiev

As caixas-pretas recuperadas do avião da Malaysia Airlines que caiu no Leste da Ucrânia mostram que a queda se deveu a estilhaços da explosão de um míssil, divulgaram hoje (28) fontes de segurança ucranianas.

Investigadores internacionais "indicaram que os dados gravados sobre o voo mostram que a razão para a destruição e queda do avião foi uma descompressão explosiva devido a inúmeras perfurações pelos estilhaços da explosão de um míssil", anunciou Andriy Lysenko, porta-voz do Conselho de Segurança e Defesa da Ucrânia.

Os dados das caixas-pretas foram decodificados no Reino Unido, após os rebeldes pró-russos, que controlavam a área da queda, entregarem o material a oficiais malaios.

Agentes encarregados da investigação na Holanda, que perdeu 193 cidadãos no desastre, não confirmaram a mais recente informação de Kiev, acrescentando que estão "à espera de ter uma ideia mais completa do que aconteceu".

O voo MH17 da Malaysia Airlines foi abatido na região de Donetsk, no Leste da Ucrânia, uma região ocupada por insurgentes pró-russos, dia 17 de julho, após partir de Amsterdã, capital holandesa, com destino a Kuala Lumpur, capital da Malásia.

A Ucrânia e os seus aliados ocidentais acusaram os rebeldes de abater o avião, matando todas as 298 pessoas que seguiam a bordo.

*Com a Agência Lusa

Mundo Gisele Federicce Mon, 28 Jul 2014 11:17:08 +0000 http://www.brasil247.com/148177
Conselho de Segurança da ONU condena o massacre http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148133 : Genocida israelense Benjamin Netanyahu ficou ainda mais isolado depois que uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas exigiu um cessar-fogo imediato; ONU defende ajuda urgente aos milhares de feridos, segundo a declaração lida pelo presidente rotativo do Conselho, o embaixador de Ruanda, Eugene-Richard Gasana (à esq.); representante palestino na ONU, Riyad Mansur (abaixo), lamentou que o órgão não tenha sido capaz de aprovar uma resolução para condenar a "agressão" israelense <br clear="all"> :

247 – O genocida Benjamin Netanyahu, cujo governo classificou o Brasil como "anão diplomático", está cada vez mais isolado aos olhos da comunidade internacional.

Em reunião convocada a pedido da Jordânia, o Conselho de Segurança da ONU exigiu um cessar-fogo imediato e incondicional que se prolongue durante a festividade árabe do "Eid ul-Fitr" e além na Faixa de Gaza.

Com mais de 1.100 pessoas mortas no massacre israelense, o órgão diz que a trégua permitiria a entrega de "ajuda urgente", segundo a declaração, lida pelo presidente rotativo do Conselho, o embaixador de Ruanda, Eugene- Richard Gasana.

O texto foi divulgado durante um breve encontro de urgência realizado em Nova York, na madrugada desta segunda-feira (28). O representante palestino na ONU, Riyad Mansur, lamentou que o Conselho de Segurança não tenha sido capaz de aprovar uma resolução para condenar a "agressão" israelense e exigir que se detenha.

Domingo mais um dia sangrento do massacre israelense com mais de cem palestinos mortos. Do lado israelense, 18 soldados morreram. O foco da ação israelense foi o distrito de Shejaiya, onde 60 pessoas perderam a vida.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que Shejaiya é "um reduto do terror" e serve de base de lançamento de foguetes contra Israel. Já o presidente palestino, Mahmoud Abbas, chamou a ação em Shejaiya de "massacre".

Abaixo, reportagem da Reuters que afirma que Israel não vê necessidade de um cessar-fogo em Gaza e a tensão entre o governo de Netanyahu e os Estados Unidos:

Tensões entre Israel e EUA crescem mesmo com menor hostilidade em Gaza

Por Nidal al-Mughrabi e Dan Williams

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Israel não vê necessidade de outro cessar-fogo em Gaza, de acordo com uma autoridade do país nesta segunda-feira, à medida que as tensões entre o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e Washington se acirram por conta da mediação dos Estados Unidos para encerrar a guerra que já dura três semanas.

O combate diminuiu no fim de semana, após militantes islâmicos do Hamas, grupo dominante do enclave palestino, terem endossado um pedido da Organização das Nações Unidas para uma trégua de 24 horas antes da comemoração do feriado islâmico do Eid al-Fitr, nesta segunda-feira.

Moradores da Faixa de Gaza e testemunhas da Reuters disseram que os bombardeios de Israel e o lançamento de foguetes do Hamas diminuíram aos poucos no domingo, indicando que uma trégua de fato estava sendo implementada antes do feriado do Eid al-Fitr, que começa nesta segunda-feira.

Mas Israel Israel abandonou sua própria oferta de estender uma trégua de 12 horas iniciada no sábado à medida que os ataques de foguetes pelos palestinos persistiam. E o gabinete de segurança de Netanyahu reuniu-se na manhã desta segunda-feira para debater as propostas, incluindo um aumento na escala da ofensiva de Gaza na qual 1.100 pessoas morreram.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, visitou a região na semana passada para tentar conter o derramamento de sangue, tendo o contato com o Hamas - o qual Hamas oficialmente não reconhece - facilitado por Egito, Turquia, Catar e pelo presidente palestino, Mahmoud Abbas, apoiado pelo Ocidente.

Israel quer que o Egito, que também tem fronteira com a Faixa de Gaza e vê o Hamas como uma ameaça à sua segurança, assuma a liderança para conter os militantes islâmicos palestinos, preocupado com que o Catar e a Turquia cedam às pressões do Hamas para abrir as fronteiras do território bloqueado.

Uma série de vazamentos à imprensa por autoridades de Israel condenando um projeto de acordo atribuído a Kerry, considerado muito favorável ao Hamas, foi contestada por um representante dos EUA, o qual, também em anonimato, disse a repórteres que os esforços dos principais diplomatas haviam sido descaracterizados.

Mas o presidente norte-americano, Barack Obama, que telefonou para Netanyahu no domingo, colocou pressão sobre Israel para que seja estabelecido um cessar-fogo incondicional e pareceu conectar a principal demanda israelense, de que o Hamas seja despojado de foguetes e túneis de infiltração, a um acordo com os palestinos que está longe do horizonte diplomático.

"O presidente salientou a visão dos EUA de que, no fim das contas, qualquer solução duradoura para o conflito israelense-palestino deve garantir o desarmamento de grupos terroristas e a desmilitarização de Gaza", disse a Casa Branca.

O governo dos EUA acrescentou que, embora Obama queira que qualquer trégua esteja dentre das linhas de um acordo egípcio que encerrou a última guerra em Gaza, em novembro de 2012, os Estados Unidos também apoiam "uma coordenação regional e internacional para encerrar as hostilidades".

Israel não respondeu imediatamente nem deu sinais sobre o que foi decidido na última reunião de gabinete.

Mas a rádio de Israel citou uma autoridade não-identificada do governo israelense dizendo: "não há necessidade de mais cessar-fogo, deixe o Hamas parar de atirar primeiro".

Uma pesquisa divulgada pelo Canal 10 da TV israelense no domingo mostrou que cerca de 87 por cento dos entrevistados queriam que Israel continuasse com a operação até que o Hamas fosse esmagado. Outra pesquisa, publicada no jornal Jerusalem Post, revelou que 86,5 por cento dos judeus, a maioria em Israel, se opunham a uma trégua enquanto os disparos de foguetes continuarem e Gaza mantiver qualquer um dos túneis transfronteiriços.

Ataques aéreos, marítimos e terrestres de Israel mataram 1.031 palestinos, a maioria deles civis, incluindo mulheres e muitas crianças, de acordo com autoridades de Gaza. Israel diz que 43 de seus soldados morreram, assim como três civis foram mortos por ataques de foguetes e morteiros vindos de Gaza.

Mundo Roberta Namour Mon, 28 Jul 2014 05:19:08 +0000 http://www.brasil247.com/148133
Nível do Cantareira pode ficar negativo em 30% http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148136 : Sabesp quer aval para captar mais 116 bilhões de litros de reserva profunda dos reservatórios, além dos 182,5 bilhões que já estão sendo sugados desde julho, para garantir o abastecimento no Estado de SP; medida pode deixar o manancial negativo em 30% para o início do ano; no começo de 2014, a capacidade do sistema era de 23% <br clear="all"> :

247 – A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) apresentou uma proposta polêmica para garantir o abastecimento no sistema Cantareira até 2015.

A concessionaria quer aval para captar mais 116 bilhões de litros de reserva profunda dos reservatórios, além dos 182,5 bilhões que já estão sendo sugados desde julho e devem acabar entre outubro e novembro. A medida pode deixar o manancial negativo em 30% para o início do ano. No começo de 2014, a capacidade do Sistema era de 23%.

São Paulo também prevê usar mais do volume de outros reservatórios para suprir as carências do Cantareira. Nas represas Jaguari-Jacaréi, a Sabesp quer retirar mais 90 bilhões de litros represados. Os mananciais que tem hoje 82% da capacidade ficarão com apenas 4% do seu volume total.

Leia aqui a reportagem de Fabio Leite sobre o assunto.

SP 247 Roberta Namour Mon, 28 Jul 2014 05:30:31 +0000 http://www.brasil247.com/148136
MP: Marinho usou conta na Suíça para comprar imóvel http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148135 : Parecer técnico da Promotoria de São Paulo revela que, no mesmo dia em que Robson Marinho transferiu US$ 1,15 milhão da Suíça para o Coutts Bank, o conselheiro do TCE fechou a compra de um imóvel de R$ 4 milhões no bairro do Morumbi, na capital paulista; ex-chefe da Casa Civil de Mario Covas (PSDB), ele é acusado de receber US$ 2,7 milhões em propina da Alstom, entre 1998 e 2005, em contas de paraísos fiscais, mas nega vínculo com bancos  <br clear="all"> :

247 – A Promotoria de São Paulo aponta indícios de que o conselheiro do TCE Robson Marinho tenha pago sua residência no Morumbi, em São Paulo, avaliada em R$ 4 milhões com dinheiro depositado em uma conta na Suíça.

Ex-chefe da Casa Civil de Mario Covas (PSDB), ele é acusado de receber US$ 2,7 milhões (o equivalente a R$ 6 milhões) em propina da Alstom, entre 1998 e 2005, em contas de paraísos fiscais. Até aqui, negou a existência delas. "Eu, Robson Marinho, não tenho nenhuma conta na Suíça. A conta atribuída a mim não tem um tostão, um dólar, da Alstom", afirmou, segundo reportagem de Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo.

Um parecer técnico do MP revela que, no mesmo dia em que transferiu US$ 1,15 milhão da Suiça para o Coutts Bank, o conselheiro fechou a compra do imóvel na capital paulista.

Entre os bens de Marinho também constam uma ilha em Paraty (RJ), uma casa em Ubatuba avaliada em R$ 7 milhões, e outros bens (leia aqui).

SP 247 Roberta Namour Mon, 28 Jul 2014 05:28:09 +0000 http://www.brasil247.com/148135
PSB já articula agenda com Alckmin e Campos em SP http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/148137 RENATO ARAUJOABr: A sigla, que tem Mário França como vice de Geraldo Alckmin (PSDB), prevê eventos de campanha em Campinas e São José do Rio Preto, as duas maiores cidades paulistas administradas pelo PSB em São Paulo; palanque duplo desagrada a vice de Campos, Marina Silva, que se nega a participar da campanha no Estado, e o presidenciável tucano Aécio Neves, que terá de dividir a exposição do governador, líder das pesquisas de intenção de voto, com o socialista <br clear="all"> RENATO ARAUJOABr:

247 – Após lançar o tema “Edualdo” em SP em referência à reeleição do governador tucano Geraldo Alckmin e da campanha à Presidência de Eduardo Campos, o PSB já articula agendas conjuntas entre os dois candidatos.

Palanque duplo desagrada a vice de Campos, Marina Silva, que se nega a participar da campanha no Estado, e o presidenciável tucano Aécio Neves, que terá de dividir a exposição de Alckmin, líder das pesquisas de intenção de voto, com o socialista.

"Não há ambiguidade no comportamento do Alckmin. Ele está do nosso lado", afirma o candidato a vice-presidente do PSDB, senador Aloysio Nunes (SP).

A sigla, que tem Mario França como vice do tucano, prevê eventos de campanha em Campinas e São José do Rio Preto, as duas maiores cidades paulistas administradas pelo PSB em São Paulo.

SP 247 Roberta Namour Mon, 28 Jul 2014 05:47:20 +0000 http://www.brasil247.com/148137
Em um ano, Bethlem repassou R$ 40 mi a ONG http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148139 : Contratos foram firmados por deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ) com a Casa Espírita Tesloo quando estava à frente da Secretaria municipal de Desenvolvimento Social do Rio, entre 10 maio de 2011 e 9 maio de 2012; segundo reportagens das revistas Veja e Época, Bethlem disse a sua ex-mulher que recebia uma "mesada" de R$ 70 mil da ONG  <br clear="all"> :

247 – Acusado de recebimento de propina, deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ) firmou seis contratos sem licitação, no valor de R$ 40,1 milhões, com a ONG Casa Espírita Tesloo quando estava à frente da Secretaria municipal de Desenvolvimento Social do Rio, entre 10 maio de 2011 e 9 maio de 2012.

A soma equivale a 50,73% dos valores previstos nos contratos firmados com a Tesloo em uma década (2005-2014), que totalizaram R$ 79,8 milhões, segundo reportagem de Luiz Ernesto Magalhães.

Segundo reportagens das revistas Veja e Época, Bethlem disse a sua ex-mulher que recebia uma "mesada" de R$ 70 mil da ONG. A prefeitura do Rio de Janeiro anunciou que vai abrir uma auditoria para apurar denúncias contra Rodrigo Bethlem.

Segundo Paes, em 2012, uma auditoria do órgão de controle apontou uma série de irregularidades e levou ao cancelamento do contrato da ONG Casa Espírito Tesloo com a Secretaria de Desenvolvimento Social.

O prefeito disse ainda que ficou chocado e estarrecido com as denúncias contra Bethlem, que é deputado federal pelo PMDB (leia mais).

Rio 247 Roberta Namour Mon, 28 Jul 2014 06:12:59 +0000 http://www.brasil247.com/148139
RJ: Braço direito de Cabral fará campanha de Aécio http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148140 : Wilson Carlos será o responsável por toda a parte logística do programa do presidenciável tucano Aécio Neves (PSDB) no Estado; ele vai se reunir segunda com articuladores do movimento “Aezão”, criado em referência ao tucano e ao governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) <br clear="all"> :

247 – O braço direito do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), Wilson Carlos de Carvalho, vai cuidar da campanha do presidenciável tucano Aécio Neves (PSDB) no Estado. Ele será o responsável por cuidar de toda a parte logística do tucano nas ruas.

Wilson Carlos vai se reunir segunda com articuladores do movimento “Aezão”, criado em referência ao tucano e ao governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Apesar da aproximação com Aécio, Cabral e Pezão ainda se dizem fiéis à direção nacional do PMDB que atua pela reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Na gestão Cabral, o ex-secretário cuidou de todas as campanhas incluindo as duas últimas para governador, em 2006 e 2010. Ele também coordenou a infraestrutura das campanhas do prefeito Eduardo Paes (PMDB), em 2008 e 2012.

Rio 247 Roberta Namour Mon, 28 Jul 2014 06:24:14 +0000 http://www.brasil247.com/148140
Desde Lula, Brasil lidera ação pelo estado palestino http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148060 REUTERS/Thiago Teixeira: Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva (R) raises the hand of his counterpart Palestinian Mahmoud Abbas in Salvador November 20, 2009. Abbas is on a three-day official visit in Brazil. REUTERS/Thiago Teixeira (BRAZIL POLITICS) Embora tenha sido chamado de "anão diplomático" pelo porta-voz da chancelaria israelense, o Brasil tem ocupado papel central no movimento pela criação de um estado palestino; lembrança foi feita pelo pesquisador de relações internacionais da Universidade de Brasília, Rodrigo Wiese Randig: "Em 1º de dezembro de 2010, o Brasil reconheceu a Palestina. Apenas nos meses seguintes ao reconhecimento pelo Brasil, a Palestina ganhou mais reconhecimentos do que em toda a década anterior"; "Assim que, como bem diplomaticamente disse nosso Chanceler ontem, se existe no mundo algum "anão diplomático", algum país "politicamente irrelevante", definitivamente não é o Brasil. E Israel sabe muito bem disso" <br clear="all"> REUTERS/Thiago Teixeira: Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva (R) raises the hand of his counterpart Palestinian Mahmoud Abbas in Salvador November 20, 2009. Abbas is on a three-day official visit in Brazil. REUTERS/Thiago Teixeira (BRAZIL POLITICS)

247 - A reação de Israel ao posicionamento brasileiro em relação ao massacre que vem sendo cometido na Faixa de Gaza é proporcional ao peso que o Itamaraty passou a ter, no debate sobre a criação do estado palestino, desde dezembro de 2010. Naquele mês, durante uma visita uma do presidente Mahmoud Abbas, o Brasil reconheceu a Palestina, no que foi seguido por vários outros países. A lembrança foi feita pelo pesquisador de relações internacionais da Universidade de Brasília, Rodrigo Wiese Randig.

Leia, abaixo, o texto postado por ele em sua página no Facebook:

Sobre essa história de "anão diplomático", só vou recordar uns fatos: em 1994, criou-se a Autoridade Palestina, com o objetivo de obter o reconhecimento de um Estado palestino. Até o final daquela década (1999), apenas 6 novos países foram convencidos a reconhecer a Palestina. Na década seguinte inteira (2000 até dezembro de 2010), apenas 8 outros países haviam decidido reconhecer o novo Estado.

Até que o Presidente palestino, Abbas, veio ao Brasil, pedir-nos pessoalmente o reconhecimento diplomático. Em 1º de dezembro de 2010, o Brasil reconheceu a Palestina. Menos de uma semana depois, a Argentina nos seguiu. Nas 2 semanas seguintes, Bolívia e Equador. No mês seguinte, Chile, Guiana e Peru.

E então Suriname e Uruguai, e logo mais de uma dúzia de países, sobretudo latino-americanos e caribenhos. Apenas nos meses seguintes ao reconhecimento pelo Brasil, a Palestina ganhou mais reconhecimentos do que em toda a década anterior. Menos de um ano após a decisão brasileira, a Palestina foi aceita como país-membro da Unesco e, um ano mais tarde, foi historicamente reconhecida como "país" pela ONU.

Assim que, como bem diplomaticamente disse nosso Chanceler ontem, se existe no mundo algum "anão diplomático", algum país "politicamente irrelevante", definitivamente não é o Brasil. E Israel sabe muito bem disso.

Leia ainda as cartas de Lula e Abbas sobre o reconhecimento do estado palestino:

“À Sua Excelência
Mahmoud Abbas
Presidente da Autoridade Nacional Palestina

Senhor Presidente,

Li com atenção a carta de 24 de novembro, por meio da qual Vossa Excelência solicita que o Brasil reconheça o Estado palestino nas fronteiras de 1967.

Como sabe Vossa Excelência, o Brasil tem defendido historicamente, e em particular durante meu Governo, a concretização da legítima aspiração do povo palestino a um Estado coeso, seguro, democrático e economicamente viável, coexistindo em paz com Israel.

Temos nos empenhado em favorecer as negociações de paz, buscar a estabilidade na região e aliviar a crise humanitária por que passa boa parte do povo palestino. Condenamos quaisquer atos terroristas, praticados sob qualquer pretexto.

Nos últimos anos, o Brasil intensificou suas relações diplomáticas com todos os países da região, seja pela abertura de novos postos, inclusive um Escritório de Representação em Ramalá; por uma maior freqüência de visitas de alto nível, de que é exemplo minha visita a Israel, Palestina e Jordânia em março último; ou pelo aprofundamento das relações comerciais, como mostra a série de acordos de livre comércio assinados ou em negociação.

Nos contatos bilaterais, o Governo brasileiro notou os esforços bem sucedidos da Autoridade Nacional Palestina para dinamizar a economia da Cisjordânia, prestar serviços à sua população e melhorar as condições de segurança nos Territórios Ocupados.

Por considerar que a solicitação apresentada por Vossa Excelência é justa e coerente com os princípios defendidos pelo Brasil para a Questão Palestina, o Brasil, por meio desta carta, reconhece o Estado palestino nas fronteiras de 1967.

Ao fazê-lo, quero reiterar o entendimento do Governo brasileiro de que somente o diálogo e a convivência pacífica com os vizinhos farão avançar verdadeiramente a causa palestina. Estou seguro de que este é também o pensamento de Vossa Excelência

O reconhecimento do Estado palestino é parte da convicção brasileira de que um processo negociador que resulte em dois Estados convivendo pacificamente e em segurança é o melhor caminho para a paz no Oriente Médio, objetivo que interessa a toda a humanidade. O Brasil estará sempre pronto a ajudar no que for necessário.

Desejo a Vossa Excelência e à Autoridade Nacional Palestina êxito na condução de um processo que leve à construção do Estado palestino democrático, próspero e pacífico a que todos aspiramos.

Aproveito a ocasião para reiterar a Vossa Excelência a minha mais alta estima e consideração.”


Carta do Presidente Mahmoud Abbas ao Presidente Luiz Inácio Lula da Silva

(Tradução não-oficial)

“Sua Excelência Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Federativa do Brasil Brasília

24/11/2010

Saudações,

Inicialmente, gostaríamos de estender a Vossa Excelência nossas felicitações pelo sucesso das eleições gerais no Brasil, louváveis por sua elevada transparência e pelo alto nível do processo democrático, que levaram à vitória a candidata de seu partido como nova Presidente da República Federativa do Brasil. É com satisfação que também saudamos entusiasticamente o seu Governo, testemunha de um período de prosperidade econômica e mudança política qualitativa, que inscreve Vossa Excelência na história política moderna do Brasil.

Senhor Presidente,

A atual situação nos territórios palestinos evidencia uma grande escalada das ações israelenses. O Governo de Israel recusa-se a interromper suas atividades em assentamentos. Isso paralisou o lançamento de negociações diretas, apesar das posições e dos pedidos de países de todo o mundo para que Israel ponha fim aos assentamentos, e, dessa forma, não apenas torne possíveis as negociações, como também dê uma chance à paz. No entanto, Israel ainda desafia o mundo inteiro e insiste em suas atividades colonizadoras. Tal posição dificulta qualquer possibilidade de se alcançar um acordo por meio de negociações e cria também uma nova realidade no terreno, que inviabiliza a solução de dois Estados.

Enquanto expressamos a Vossa Excelência o nosso orgulho das valorosas e históricas relações brasileiro-palestinas, que refletem suas posições firmes em relação ao nosso povo ao longo dos anos e em nossos recentes encontros, esperamos, nosso caro amigo, que Vossa Excelência decida tomar a iniciativa de reconhecer o Estado da Palestina nas fronteiras de 1967. Essa será uma decisão importante e histórica, porque encorajará outros países em seu continente e em outras regiões do mundo a seguir a sua posição de reconhecer o Estado palestino. Essa decisão levará também ao avanço do processo de paz e à promoção da posição palestina, que busca o reconhecimento internacional do Estado da Palestina. Esperamos que o nosso pedido possa receber sua bondosa aceitação e esperamos também que essa iniciativa possa ser tomada antes do fim de seu mandato presidencial.

Queira aceitar os protestos de nossa mais alta estima e consideração.

Mahmoud Abbas
Presidente do Estado da Palestina
Presidente do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina Presidente da Autoridade Nacional Palestina”

Mundo Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 14:49:07 +0000 http://www.brasil247.com/148060
Drauzio volta a defender legalização da maconha http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148035 : "Acho que a maconha deve ser legalizada por outras razões. A principal delas é o fracasso retumbante da política de guerra às drogas", diz o médico Drauzio Varella, que defende a experiência uruguaia; "Manter a ilusão de que a questão da maconha será resolvida pela repressão policial é fechar os olhos à realidade, é adotar a estratégia dos avestruzes" <br clear="all"> :

247 - O médico e apresentador Drauzio Varella, que é também colunista da Folha de S. Paulo, publica, neste sábado, um novo artigo em que defende a legalização da maconha.

"Acho que a maconha deve ser legalizada por outras razões. A principal delas é o fracasso retumbante da política de guerra às drogas", diz ele. "A que levou a famigerada política de guerra às drogas, senão à violência urbana, crime organizado, corrupção generalizada, marginalização dos mais pobres, cadeias abarrotadas e disseminação do consumo?", questiona.

Drauzio também aponta que os efeitos da maconha à saúde são menos nocivos do que os do cigarro. "Nos anos 1960, mais de 60% dos adultos brasileiros fumavam cigarro. Hoje, são 15% a 17%, números que não param de cair, porque estamos aprendendo a lidar com a dependência de nicotina, a esclarecer a população a respeito dos malefícios do fumo e a criar regras de convívio social com os fumantes. Embora os efeitos adversos do tabagismo sejam mais trágicos do que os da maconha, algum cidadão de bom senso proporia colocarmos o cigarro na ilegalidade?"

Por fim, ele condena o que chama de estratégia dos avestruzes. "Manter a ilusão de que a questão da maconha será resolvida pela repressão policial é fechar os olhos à realidade, é adotar a estratégia dos avestruzes. É insensato insistirmos ad eternum num erro que traz consequências tão devastadoras, só por medo de cometer outros."

Brasil Sat, 26 Jul 2014 06:45:29 +0000 http://www.brasil247.com/148035
Confederação Israelita se desculpa por grosseria de porta-voz http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148036 : O presidente da Confederação Israelita do Brasil, Claudio Lottenberg, telefonou para o ministro Aloizio Mercadante e se desculpou em nome dos judeus que vivem no Brasil pela grosseria cometida pelo porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor (foto), que chamou o Brasil de "anão diplomático" e ironizou a derrota sofrida pela seleção para a Alemanha; "O porta-voz foi muito infeliz", disse ele <br clear="all"> :

247 - Repercutiu muito mal, na comunidade israelita brasileira, a declaração do porta-voz israelense Yigal Palmor, que qualificou o Brasil como "anão diplomático".

"O porta-voz foi muito infeliz. O Brasil tem o direito de expor seu ponto de vista, e Israel, o de não gostar", disse Claudio Lottenberg, representante da comunidade judaica no país e presidente da Confederação Israelita Brasileira.

Lottenberg, segundo informa a colunista Mônica Bergamo, telefonou ao ministro Aloizio Mercandante e pediu desculpas pela grosseria cometida pelo porta-voz israelense. "Lottenberg diz que é brasileiro e ficou indignado com o fato de o porta-voz ter qualificado a nossa diplomacia de anã e ter dito que "desproporcional" é o 7 a 1 para a Alemanha na Copa", escreveu a colunista.

Brasil Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 06:57:15 +0000 http://www.brasil247.com/148036
Alinhada ao assassino, Veja condena Itamaraty http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/148030 : Capa da revista semanal que adota posições cada vez mais extremistas aponta "apagão na diplomacia" e "falência moral da política externa de Dilma"; com seu radicalismo, revista da família Civita sai em defesa do carniceiro Benjamin Netanyahu, que foi responsável pela morte de mais de mil pessoas nos últimos vinte dias e capaz de bombardear até um hospital e uma escola das Nações Unidas <br clear="all"> :

247 - Responsável pelo primeiro voto, em 1947, pela criação de Israel, o Brasil sempre foi um aliado da causa judaica. No entanto, a política externa do Itamaraty também sempre foi pautada pela defesa dos direitos humanos. Foi exatamente neste contexto que o chanceler Luiz Alberto Figueiredo divulgou uma nota em que condenava "energicamente" a ação desproporcional de Israel no conflito da Palestina, que, em menos de vinte dias, matou mais de mil pessoas.

Neste período, o governo do chanceler Benjamin Netanyahu assassinou mulheres, crianças e foi capaz até de bombardear um hospital e uma escola da Organização das Nações Unidas, levando o secretário Ban-Ki-Moon a se dizer "estarrecido". De acordo com as Nações Unidas, Netanyahu deve ser investigado por "crimes de guerra" e até mesmo o maior aliado de Israel, o governo dos Estados Unidos, tem se mostrado desconfortável com o banho de sangue. Ontem, o secretário de Estado, John Kerry, pediu uma trégua que impedisse a continuidade da matança.

No entanto, Netanyahu tem, a seu lado, a família Civita, que edita a revista Veja, cuja capa desta semana se dedica a a apontar o que seria o "apagão na diplomacia" e a "falência moral da política externa do governo Dilma". Internamente, a revista aponta o que seriam sinais de "nanismo" do Itamaraty. Um desses, curiosamente, seria até a declaração do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, numa reunião do G-20, quando chamou o ex-presidente Lula de "o cara". Ou seja: na lógica de Veja, um elogio de Obama no G-20, organismo que deve muito ao Brasil, diminuiria o País.

Com a capa desta semana, Veja se coloca à extrema direita e se isola até de mesmo seus leitores. Responsável pela formulação da política externa do candidato Aécio Neves (PSDB-MG), o embaixador Rubens Barbosa concordou com a posição adotada pelo Itamaraty. Neste sábado, a jornalista Mônica Bergamo também informa que o presidente da Confederação Israelita Brasileira, Claudio Lottenberg, se disse indignado com a grosseria do porta-voz Yigal Palmor, que chamou o Brasil de "anão diplomático". Em editorial, o jornal Estado de S. Paulo condenou o que chamou de "baixaria israelense".

Veja, assim, se isola, assim como o carniceiro Benjamin Netanyahu. Os dois, na verdade, se merecem.

Mídia Aline Lima Sat, 26 Jul 2014 07:21:40 +0000 http://www.brasil247.com/148030
FHC à Istoé: "PT perdeu a credibilidade" http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148029 : Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) estampa a capa da revista Istoé, que chega às bancas neste fim de semana com uma longa entrevista, na qual critica o PT, minimizando ações dos governos Lula e Dilma; para o tucano, haveria "uma fadiga em relação ao governo" que "favorece a oposição"; "Agora, o Aécio vai enfrentar uma situação mais difícil que a minha, se ele ganhar a eleição. Os problemas se acumularam, não foram resolvidos e o PT será duro como oposição", afirma <br clear="all"> :

247 - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) estampa a capa da revista Istoé, que chega às bancas, neste fim de semana, com quatro declarações fortes contra o PT. Para ele, "há uma fadiga em relação ao governo", "existe um mal-estar no país", "o PT perdeu a credibilidade" e a presidente Dilma Rousseff (PT) "não fala com o Brasil". FHC estará no centro da campanha eleitoral do candidato tucano Aécio Neves.

Segundo a reportagem de Istoé, "aos 83 anos, mais de uma década depois de deixar o Planalto e sem qualquer pretensão política, o ex-presidente se comportou, durante as duas horas de entrevista, como uma figura pública capaz de fazer análises objetivas do momento do País".

"Fez duras críticas ao governo, mas também ao PSDB. Elogiou determinados aspectos das gestões Lula e Dilma Rousseff, enquanto relativizou alguns de seus próprios feitos. Ao discorrer sobre a economia, tratou com pouca relevância um dos alvos preferenciais da oposição, o crescimento pífio do PIB brasileiro", afirma o jornalista Sérgio Pardellas.

Abaixo a entrevista na íntegra (leia aqui também):

ISTOÉ – O que mudou no cenário político de 2010 para cá?
Fernando Henrique Cardoso – O Brasil de 2010 tinha tomado medidas contra a crise de 2008 que funcionaram. Era um Brasil que tinha alguma esperança. Basicamente, o governo tentou estimular o crescimento com mais consumo graças à maior oferta de crédito. Então, houve uma expansão grande do crédito, que animou o consumo. Mas levaram muito tempo para entender que, para reativar o investimento, precisavam ter capital público e privado. E parou. Depois, por causa da Copa do Mundo, deu aquela aflição e correram para fechar parcerias público-privadas. Mas o fundamento posto lá atrás, qual seja, o crescimento via consumo e expansão do crédito, continua aí e não vem dando resultado.
ISTOÉ – O que deu errado?
FHC – Houve certa desatenção, não muito grave, à pressão inflacionária. Mas o endividamento é muito grande. É uma sociedade que cresceu no consumo e que chamam de “novas classes médias”, embora, sociologicamente falando, não sejam uma nova classe média de fato. Mas isso também trouxe transformações. As pessoas consumiram mais e agora é natural que queiram mais. As explosões de junho do ano passado foram consequência do querer mais. Existe uma corrida pelo crescimento do PIB. O governo está em busca disso. Mas a sociedade não quer só isso. As pessoas querem viver melhor.

ISTOÉ – Mas as manifestações de junho juntaram mais que apenas a chamada classe C.
FHC – É verdade. Todo mundo quer essa mudança. Queremos entrar no Primeiro Mundo. O Primeiro Mundo não é um país que tem muito PIB. É um país em que se vive melhor. Em que se tem segurança, educação, respeito e dignidade. Portugal não tem PIB nenhum e é mais Primeiro Mundo do que o Brasil. Aqui falta educação, segurança, o transporte não funciona. Estourou no governo Dilma. O governo persistiu no estímulo ao consumo e não olhou para os outros lados. Além disso, tem o manejo da política. O Lula sabia manejar o Congresso. Não da maneira correta, pois o mensalão ninguém pode apoiar. Mas ele sabia manejar. A Dilma não sabe manejar o Congresso. E a situação está aí. Vou ser sincero: há dois anos eu não acreditava na possibilidade de uma derrota eleitoral do governo. Porque o governo é o governo, tem recursos enormes e tem a exposição permanente. Os meios de comunicação, sobretudo a televisão, vão para um lado só. A televisão brasileira é esporte, crime, um pouquinho de internacional e muito governo. Por tradição. Nos EUA, ouve-se o outro lado. Aqui, o outro lado não existe para a massa. A pessoa só começa a ver o outro lado durante o período eleitoral. Achava muito difícil que houvesse uma mudança. Hoje eu acho possível transformar esse mal-estar em algo que tenha consequência eleitoral.

ISTOÉ – O sr. acha que a oposição não teve espaço na televisão brasileira?
FHC – É da nossa tradição. No meu governo também era assim, a oposição pouco aparecia na tevê. A diferença é que, no meu governo, não fazíamos tanta propaganda, até porque não tínhamos recursos. Este faz muita propaganda.

ISTOÉ – Isso não acontece hoje porque a oposição propõe pouco, não tem um projeto objetivo e claro?
FHC – O problema da oposição é outro: existe apenas uma oposição congressual. Os partidos existem no Congresso, não na vida da sociedade. A única exceção era o PT, que sempre teve organização partidária. A oposição se faz no Congresso, mas não repercute. O Congresso ficou muito confinado a ele próprio. Quando eu era senador, meus discursos eram publicados na íntegra nos jornais. Isso não acontece mais. Foi se perdendo o elo do Congresso com a sociedade. O mesmo aconteceu com outras instituições, com os sindicatos, com a UNE. Ela era importantíssima no passado. Hoje, qual é a importância?
ISTOÉ – Isso não tem relação com o aparelhamento dessas instituições?
FHC – A UNE, por exemplo, foi aparelhada. Mas talvez tenha sido no passado também. O problema é que a UNE e os próprios sindicatos eram grandes personagens da vida brasileira. Isso tem a ver com a sociedade como ela é hoje. De massas, conectadas, mas não presenciais. O que o governo decide incide sobre as pessoas. A oposição não toma decisão. Ela fala. E isso não aparece, só aparece um lado. O outro lado só aparece na eleição. Tem outra questão ainda: as diferenças, hoje, são lidas no espectro ideológico, direita e esquerda, mas não se dão nesse espectro. Na formulação é como se fosse “uns estão para cá, e outros estão para lá”. Na realidade não é assim. A diferença entre o PT e o PSDB é principalmente a concepção que se tem da política e do governo. O PT acredita que se muda o País ocupando o Estado e através do Estado tomando as decisões, controlando mais, sobretudo a economia. O PSDB acredita mais que é preciso não ocupar o Estado e ter uma relação maior com a sociedade. Isso é tênue, claro. Os dois têm um pouco de cada um. Mas a diferença essencial é essa. Na política monetária, por exemplo, o PT pode ter errado aqui ou ali, mas não mudaram o que vinha sendo feito. O juro não baixou como devia, é verdade. Mas isso é algo técnico. Ninguém está discutindo, na essência, a função do Banco Central.

ISTOÉ – No início do seu governo ainda havia uma tensão entre os que defendiam uma política econômica ortodoxa e os que queriam algo mais parecido com o desenvolvimentismo. Mas isso se diluiu. No governo Dilma a questão voltou e escolheu-se o caminho do nacional-desenvolvimentismo. Foi o caminho errado?
FHC – O que se entendia pelo desenvolvimentismo? O José Serra acredita muito no desenvolvimento com ativismo do governo. Acho que deve haver um ativismo mesmo. Quando eu era jovem, só se falava em desenvolvimento e subdesenvolvimento. A fórmula era assim: põe barreira para importação, dá subsídio ao juro e o governo investe. Isso foi mudando com o tempo. Como vai colocar barreira na importação com a economia globalizada?

ISTOÉ – A abertura da economia não tem volta?
FHC – Depois que o Collor abriu a economia não houve mudança nessa direção. Não houve movimento de fechamento. Todo mundo também é a favor da redistribuição de renda. As Bolsas (Escola e Alimentação) começaram no meu governo. E os outros governos só não fizeram porque não tinham como. A grande mudança nesse sentido se deu com a Constituição de 88, que garantiu direitos democráticos e desenhou a possibilidade de um país social-democrático, para usar uma expressão abusiva. A Constituição manda que o governo providencie gratuitamente a educação, a saúde, faça reforma agrária e assegure a previdência social. A partir de então, os governos, queiram ou não, terão de ir nesse caminho. As Bolsas foram para isso. A política de sustentação do saláriomínimo começou no governo Itamar.

ISTOÉ – O sr. não vê no governo Lula uma aceleração do processo de inclusão?
FHC – Acelerou porque ele pôde. Ele teve recursos para isso por causa do boom da China. Acabou a dívida externa na América Latina toda, não só aqui. A folga fiscal foi maior. Mas os princípios foram lançados antes. Progressivamente o Estado foi criando condições para melhorar. Condições estruturais e organizacionais, digamos. Não era possível criar as Bolsas sem internet. O Banco Mundial foi quem propôs primeiro. O PT era contra. Quem primeiro fez foi Honduras e quem melhor fez inicialmente foi o Chile. O cartão para criar o Bolsa Escola fui eu que fiz, copiando o exemplo de Goiás, com Marconi Perillo, para dar cidadania e entregando os recursos para a mulher. Foi decisão do meu governo. As Bolsas também estavam sendo unificadas no meu governo. Era uma questão técnica.
ISTOÉ – Mas o Lula iniciou com o Fome Zero.
FHC – Que nunca existiu. O Fome Zero do Lula ficou um ano sem sair do papel. Depois eles perceberam que era melhor pegar o plano anterior, que era o das Bolsas. Não houve mudanças radicais quando mudou o governo.

ISTOÉ – Nenhuma mudança expressiva?
FHC – O que houve foi maior presença do partido nas empresas. Sempre lutamos para tirar qualquer partido de dentro das empresas. A Petrobras, por exemplo. Nunca pensamos em privatização. É mentira. Nem se cogitou. Queríamos a competição e tirar a influência partidária. O mesmo com o Banco do Brasil e a Caixa Econômica. Eu diminuí muito a presença de partidos aí. Com o Lula isso se inverteu. E a Dilma está sofrendo as consequências. Ela, quando colocou a Graça Foster, foi para diminuir a influência política. Mas estourou na mão dela. Hoje, o PMDB tem vice-presidente da Caixa, Banco do Brasil, no meu governo não tinha isso. Essa é a diferença. Agora, entre a Dilma e o Lula, existem outras diferenças. Para a Dilma, o Estado tem que ter um papel crucial no investimento e no controle. Ela é intervencionista. Tem uma visão mais general Geisel.
ISTOÉ – E isso é prejudicial?
FHC – É uma visão mais dos anos 60 e 70. Mas, em relação ao Lula, não houve uma mudança muito radical, como não haverá se o Aécio Neves ganhar. O Aécio não vai mexer na política do Bolsa Família. O que deverá fazer é aumentar o mercado de trabalho. Acompanhar a pessoa que é assistida até ter o emprego, como ocorreu no Chile. O ideal é que as pessoas não sejam dependentes. O Bolsa Família é uma solução de emergência, necessária, mas não para o futuro.

ISTOÉ – Uma das críticas que são feitas recorrentemente à oposição é que, além de esconder o sr. nas últimas eleições, ela não soube dizer o que poderia fazer de diferente. Chegou o momento de fazer isso?
FHC – A população está interessada no bolso, e isso pesa muito hoje, porque a inflação para o povo é mais do que 7% – está em cerca de 10%. Hoje, o Bolsa Família é menor do que o bolso. A Bolsa não é suficiente para o bolso. Para as classes mais populares a vida está cara. Para a classe média também. Para o povo, inflação é carestia. Estamos vivendo de novo um problema de carestia. Nisso o candidato de oposição tem que ser claro. O governo atual levou a essa situação.

ISTOÉ – Como o candidato Aécio Neves pode passar a segurança de que tem condições de mudar o quadro atual?
FHC – Eu cultivo o hábito de desligar o som da tevê toda vez que começa o programa eleitoral de algum candidato. Porque sei que as pessoas percebem muito mais é como o candidato fala. O jeitão. Se transmite firmeza, simpatia, segurança. Podem dizer: se for assim, a Dilma dificilmente seria eleita... Mas o Lula não. E quem elegeu Dilma foi o Lula. Então você tem um lado que é como a pessoa se relaciona com o conjunto da população. São 140 milhões de eleitores. Eles não vão ler programa de partido. Mal sabem o nome dos candidatos. Estão começando a aprender, salvo o do governo. E eles vão pensar: eu confio nesse cara ou não confio? Ele falou alguma coisa que tocou no meu coração? Bem, ele vai pensar que é no coração, mas é no bolso também... O candidato tem que ter uma conversa com o País. Eu ganhei duas vezes no primeiro turno. E já era o Lula. Nunca deixei de falar do jeito que eu falo, embora digam que eu falo pedantemente. Não é verdade. Eu tenho meu jeito, não adianta imitar o outro. Mas eu falava com o País. Fui pesquisador de campo e sei como é isso. O Lula fala com o País. Já a Dilma não fala com o País.

ISTOÉ – O Aécio fala com o País?
FHC – O Aécio pode falar. Jeitão ele tem. Ele passa uma simpatia. Mas precisa dizer alguma coisa que faça ele chegar lá. Ele foi governador de Minas Gerais. Conseguiu.

ISTOÉ – Quem, entre os candidatos, pode capitalizar melhor o que aconteceu em junho de 2013, quando houve as manifestações populares?
FHC – Por enquanto, ninguém. E quem for capitalizar agora vai perder. A população vai interpretar como oportunismo. Agora, é muito importante em qualquer eleição o bad ou o good feeling. Hoje existe um mal-estar no País. Isso favorece a oposição. Por isso, acho que temos grandes chances. Há também o cansaço de material. Fadiga. O Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, com 54% de apoio, é um dos poucos que contrariam essa tese.

ISTOÉ – Mas no caso do Geraldo Alckmin parece que há o efeito teflon. Nada cola nele, mais ou menos como acontecia antes com o Lula.
FHC – É verdade. Nada cola.

ISTOÉ – Há uma fadiga em relação ao PT?
FHC – Há uma fadiga em relação ao governo. Bem, também existe a fadiga da classe média em relação ao PT. Sobretudo em São Paulo. É assustadora essa rejeição de 47% no Estado e 49% na cidade.

ISTOÉ – O que todo mundo comenta, no meio político, é que a batalha de São Paulo terá um peso maior nessas eleições. O sr. concorda?
FHC – Se for isso, nós vamos ganhar. Olha, o PSDB nunca tinha conseguido isso e estamos alcançando agora. Uma harmonização grande entre São Paulo e Minas. No Rio, nunca tivemos uma grande força e agora o Aécio Neves tem sido hábil e conseguiu desorganizar lá a base do governo. Para vencer, precisamos consolidar o peso que temos por aqui e reduzir a diferença no Norte-Nordeste. No Estado de São Paulo, o Aécio ganha no segundo turno e, na cidade, no primeiro turno. No Sul, a gente ganha. Na Bahia, estamos razoavelmente bem. Em Pernambuco, o Eduardo Campos, candidato do PSB, vai tirar votos da Dilma. No Ceará, fizemos acordo com Tasso Jereissati e Eunício Oliveira, do PMDB. E temos as prefeituras de Maceió, Teresina, Belém, Manaus, algo que nunca tivemos. Por isso, a chance de ganhar aumentou. Claro que o aumento da possibilidade de vitória do Aécio decorre de outros fatores que já elencamos, como o mal-estar no País, o cansaço, os erros de condução da política econômica e, mais recentemente, a quebra de confiança do empresariado no governo.
ISTOÉ – Essa ruptura do governo com o empresariado aconteceu quando?
FHC – Entre seis meses e um ano. No começo havia o sonho do “Volta, Lula”, que vinha mais do meio empresarial do que do povo. Depois que essas pessoas se convenceram de que não seria o Lula, começaram a tomar distância. Quem vai decidir mesmo é a massa, mas há uma certa fluidez entre esses segmentos. Não é isolado. Por exemplo, teve o episódio das vaias a Dilma no estádio. E falaram: “Ah, mas é elite branca”. É um exagero, não refletiu só isso. Se fosse, as pesquisas agora não iriam apontar essa queda na avaliação da presidenta. Vamos considerar que, de fato, as pessoas de maior poder aquisitivo eram as que estavam presentes no estádio. É verdade. Mas quem chamou a elite branca para lá? Foi o governo. Sobre os xingamentos, a mim me chocou. Soube, depois, que o que disseram para a Dilma se tratava de um bordão comum nos estádios de futebol. Bem, de qualquer maneira, ir ao estádio é chamar vaia. Qualquer governante. Nas atuais circunstâncias, mais ainda. Mas não é algo isolado: um candidato com 47% de rejeição não pode dizer que quem está contra é somente a elite branca.

ISTOÉ – O sr. não acha que essa definição de elite branca se destina a enfatizar que o PSDB é o partido dos ricos e o PT o partido dos pobres?
FHC – É um estigma que o PT quer colocar. Mas o PSDB ganha em Alagoas, em Maceió, em Belém e no Piauí. Essas são algumas das regiões mais pobres do Brasil. O quadro médio do PSDB é o sujeito de classe média universitária. O do PT é o quadro sindical. Tem uma diferença, sim. Mas não é essa coisa de elite branca.

ISTOÉ – Mas o sr. não acha que essa imagem pode ter força eleitoral?
FHC – O que pega na eleição depende do que o eleitor quer ouvir. Há momentos em que o povo está disposto a ouvir certos estigmas. Há outros que não. Isso não é religião: “Eis aqui a verdade, eu sou a verdade”. Você pode dar o dado certo, mas, se o povo não estiver querendo ouvir, não vai ouvir. Eu acho que a diferença nessas eleições é que o povo está disposto a ouvir outras coisas. Eu não ganhei do Lula? E não sou de classe média e universitária, da elite branca?

ISTOÉ – Pela sua autodefinição, da elite meio branca...
FHC – Isso, da elite meio branca... Mas a questão é que agora acho que o eleitor está disposto a ouvir o outro lado porque há uma ruptura de confiança, a economia piorou, há um cansaço e uma fadiga de material. Por isso, considero agora que é provável a vitória do PSDB e de Aécio Neves.

ISTOÉ – O escândalo do mensalão não colou no PT em 2005 e 2006. Pode afetar agora depois das prisões de ex-integrantes da cúpula do partido?
FHC – Não pegou porque as pessoas não estavam dispostas a ouvir. Nem a classe média. Mas ali o PT perdeu a credibilidade. O Lula não perdeu popularidade naquele momento, não sei hoje, mas perdeu a credibilidade. O mensalão arranhou muito.
ISTOÉ – E o mensalão mineiro, que atingiu quadros do PSDB?
FHC – Teve pouca repercussão. E, por outro lado, o Eduardo Azeredo é um cara correto. Você acha que se fosse só o José Genoino ele iria para a cadeia?

ISTOÉ – O sr. vê uma diferença entre o José Genoino e os demais presos pelo mensalão?
FHC – Eu falei mais pela percepção da população. Racionalmente, eu acho que o Genoino tinha que ser preso porque ele assinou aqueles papéis. Mas ele não tem a imagem de um cara maquiavélico e que vai se locupletar. O Eduardo Azeredo também é um cara assim.

ISTOÉ – O Joaquim Barbosa é visto hoje como alguém que mudou a cara da Justiça do País, mas, ao mesmo tempo, como uma pessoa autoritária. O sr. acha que ele tem futuro na política?
FHC – Se ele fosse candidato, teria muitos votos. Porque tem esse lado da Justiça, que todo mundo quer, e porque ele é negro e teve coragem. São atributos valorizados. Mas ele teve o bom senso de não se candidatar. Iria esmaecer o que fez. Não acho que ele tenha aptidões políticas. Ele é justo. Mas política não é só isso. Impeachment, por exemplo, não é justiça. É julgamento político.

ISTOÉ – O STF é uma casa política?
FHC – É e tem que ser. Por isso acho que deveria se restringir a discutir assuntos constitucionais. Mas o julgamento do mensalão não foi político. Ele fez um julgamento comum, em última instância, um julgamento de crime. O Joaquim, que é promotor, aplicou a lei. E o povo gostou, porque ele aplicou a lei sobre poderosos. E foi importante, de fato.

ISTOÉ – Qual é a diferença do PSDB que pode chegar ao poder em 2015 daquele de 1994, quando o sr. foi eleito?
FHC – Em 1994, era um PSDB que começava a entender a mudança do mundo. Mas quem chegou ao poder não foi o PSDB, fui eu, por causa do sucesso do Plano Real. O povo viu que mudamos a vida dele. E ali eu ganharia sem apoio de ninguém. Não precisava de aliança. Fiz aliança com o PFL para conseguir governar. Era melhor fazer aliança antes do que depois. Mas eu ganharia sem o PFL. Como o Lula ganhou sozinho em 2002, não foi o PT. O Lula ganharia sozinho. Mas ele foi fazer aliança depois e deu no mensalão. Se tivesse feito antes, seria mais fácil. Ganhamos com o Plano Real e com o sentimento da população de que a vida melhorou. Hoje é diferente. Se o Aécio ganhar, não será ele que vai vencer só.

ISTOÉ – Por quê?
FHC – O peso do PSDB vai ser maior desta vez. O Aécio teve que articular bem. Ele está crescendo por causa da capacidade de articulação que tem.

ISTOÉ – Um dos problemas das últimas eleições foi que o partido rachou. O PSDB está unido hoje?
FHC – O PSDB uniu todo. O Aécio foi lá e fez. Foi, de fato, um dos problemas graves das últimas eleições. Agora, o Aécio vai enfrentar uma situação mais difícil que a minha, se ele ganhar a eleição. Os problemas se acumularam, não foram resolvidos e o PT será duro como oposição.
ISTOÉ – É um exagero dizer que aqui caminhamos para uma situação como a da Venezuela. Mas já se percebe que a campanha será muito acirrada. Há risco de o País sair dividido das urnas?
FHC – O Aécio tem uma grande capacidade pessoal de acabar com divisões. E a força de atração do poder é muito grande. O PT vai espernear, mas não tem capacidade de paralisar certos processos em marcha. Governar é sempre difícil. Você depende de sorte também. Como fazer o PIB crescer quando você tem crise no mundo? O governo Lula teve vacas gordas e não usou.

ISTOÉ – O que o sr. achou da denúncia sobre a construção, pelo governo de Minas Gerais, de um aeroporto dentro de uma área que pertenceu a um tio-avô do candidato do PSDB, Aécio Neves, e qual o impacto eleitoral disso?
FHC – O Aécio explicou que a construção se fez em área já desapropriada e pertencente ao Estado de Minas e que seu tio-avô contesta o valor da desapropriação. Se é isso, qual a acusação? Se há denúncia, que haja apuração, mas não creio que isso arranhe a candidatura.

Poder Valter Lima Fri, 25 Jul 2014 22:43:42 +0000 http://www.brasil247.com/148029
Bibi, o genocida, faz sua concessão: quatro horas http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148055 : Pressionado por países neutros, como o Brasil, e até por aliados, como Estados Unidos e Inglaterra, o governo israelense de Benjamin Netanyahu, que já assassinou mais de mil civis na Faixa de Gaza, aceitou fazer uma concessão: irá paralisar a matança por quatro horas; isso mesmo, quatro horas; pressão internacional mostra que o Itamaraty se antecipou aos fotos e se colocou do lado certo da história <br clear="all"> :

Por Nidal al-Mughrabi e Maayan Lubell

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Israel vai estender a trégua humanitária na Faixa de Gaza por mais quatro horas, disse uma fonte do governo neste sábado, enquanto o número de mortes palestinas na guerra de 19 dias superou 1 mil.

Não ficou imediatamente claro se islamistas do Hamas, que controlam Gaza, também aceitaram prolongar o cessar-fogo, originalmente de 12 horas, até a meia-noite (18h, no horário de Brasília).

Os moradores da região aproveitaram a pausa no combate para recuperar os mortos e estocar suprimentos, inundando as ruas após o início do cessar-fogo e descobrindo cenas de destruição massiva em algumas áreas.

"Tudo acabou, todas as nossas vidas estavam naquela casa, lar de 18 pessoas!", gritou Zaneen, uma pequena mulher vestindo um robe negro e véu roxo, enquanto explorava os destroços da cidade de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza.

"Meu Deus, queremos paz, paz e que tudo isso pare!"

O gabinete de segurança de Israel deve se reunir ainda neste sábado para discutir os esforços internacionais, que estão sendo liderados pelo secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, em Paris, para assegurar trégua mais duradoura.

Mas embora Israel esteja disposta a estender o cessar-fogo, um ministro do gabinete de segurança, Gilad Erdan, disse que a possibilidade de acordo definitivo parece remota, sem que representantes de Israel, Egito ou da Autoridade Palestina presentes nas negociações em Paris.

"Acho que estamos muito longe de uma solução diplomática. Faz muito mais sentido estarmos mais perto de expandir a operação militar", disse ele a um canal da televisão israelense.

O porta-voz do ministério da Saúde de Gaza, Ashrak Al-Qidra, disse que equipes de resgate aproveitaram a trégua para explorar bairros destruídos e recuperaram mais de 100 corpos.

Isso levou o número de fatalidades palestinas, a maioria delas civis, a 1.000 desde 8 de julho, quando Israel lançou sua ofensiva, com o fim de dar fim aos ataques de mísseis de Gaza.

Pouco antes do início da trégua, 18 membros de uma única família, incluindo cinco crianças, morreram em ataque perto da cidade de Khan Younis, no sul do país, afirmaram médicos.

Israel deixou claro que, apesar da trégua, seu exército continuará buscando túneis usados por militantes. O Hamas e aliados aceitaram os termos e não houve relatos de violência intensa durante o dia.

Leia, ainda, reportagem da Reuters sobre a pressão de países aliados pelo cessar-fogo:

Ministros pedem extensão de cessar-fogo de 12 horas em Gaza

PARIS (Reuters) - Ministros das Relações Exteriores dos Estados Unidos, da Europa e do Oriente Médio pediram neste sábado a extensão do cessar-fogo de 12 horas entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza, afirmou o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, tem liderado os esforços internacionais para dar fim ao conflito de 19 dias em que 940 palestinos, muitos dos quais civis, foram mortos. Ele se encontrou com autroidades da Europa, do Catar e da Tuquia --importante interlocutores do Hamas-- em reuniões em Paris.

"Todos nós pedimos que os envolvidos estendam o cessar-fogo humanitário que está atualmente em andamento", disse Fabius a jornalistas após reunião que incluiu os ministros das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália, Catar, Turquia e EUA.

"Todos nós queremos obter, o mais rapidamente possível, um cessar-fogo duradouro e negociado que responda tanto às necessidades de Israel em termos de segurança e às necessidades da Palestina em termos de desenvolvimento sócio-econômico (de Gaza) e acesso ao território de Gaza", acrescentou Fabius.

Os ministros, junto com o diplomata sênior da UE Pierre Vimont, reuniram-se no mesmo dia em que Israel começou um cessar-fogo de 12 horas, durante o qual disse que vai continuar buscando túneis utilizados por militantes. O grupo islamista Hamas, que domina Gaza, disse que todas as facções palestinas respeitarão a breve trégua.

Os EUA se recusam a negociar com o Hamas porque consideram a facção palestina um grupo terrorista.

"A necessidade atualmente é dar fim às mortes", disse o secretário de Relações Exteriores britânico, Philip Hammond, a jornalistas.

"E paramos com as mortes através da extensão desse cessar-fogo por 12 horas, 24 horas ou 48 horas -- e então novamente, até que tenhamos estabelecido o nível de confiança que permite que os envolvidos sentem-se à mesa e discutam questões significativas", acrescentou.

(Reportagem de Arshad Mohammed e Mark John)



Mundo Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 13:14:01 +0000 http://www.brasil247.com/148055
Movimento "Edualdo" irrita e preocupa aecistas http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148033 : Tucanos mais próximos ao presidenciável Aécio Neves se mostram incomodados com a decisão do governador Geraldo Alckmin de fazer campanha ao lado do pernambucano Eduardo Campos, em vários municípios paulistas; "não estávamos contando com isso", disse um deles; auxiliares de Alckmin, no entanto, alegam que o crescimento de Campos é essencial para garantir um eventual segundo turno <br clear="all"> :

247 - Os movimentos políticos do governador Geraldo Alckmin têm incomodado o PSDB nacional, segundo informa a coluna Painel, de Bernardo Mello Franco. Tucanos mais próximos ao senador Aécio Neves têm restrições ao movimento "Edualdo", que garante palanque a Eduardo Campos, no maior colégio eleitoral do País. E aliados do pernambucano já sonham até em abrir vantagem de 2 milhões de votos em São Paulo.

Leia, abaixo, as nota publicadas a respeito:

Divisão no palanque

A decisão do tucano Geraldo Alckmin de subir no palanque de Eduardo Campos (PSB) causou irritação no comitê de Aécio Neves (PSDB). A campanha foi surpreendida com a declaração do governador de que terá "muita alegria" em pedir votos ao lado do pernambucano. "Nós não estávamos contando com isso. Obviamente não é um fato positivo", diz um aliado próximo a Aécio. Sem uma vitória expressiva em São Paulo, o mineiro considera impossível chegar à Presidência.

Tudo nosso Aliados de Alckmin alegam que o crescimento de Campos é essencial para que a eleição vá ao segundo turno. Eles dizem ainda que o pernambucano pode tirar votos de Dilma Rousseff (PT), e não de Aécio.

Front decisivo O PSB também vê São Paulo como o fiel da balança. O partido considera possível vencer Aécio no Nordeste e no Norte, mas não no Sul e no Centro-Oeste. Os votos paulistas seriam determinantes para levar Campos ao segundo turno.

Fazendo contas Para superar o tucano, o candidato do PSB calcula que precisará abrir uma vantagem de 2 milhões de votos sobre ele em São Paulo. O vice na chapa de Alckmin, Márcio França, é do partido de Campos.

Trincheiras Campinas e São José do Rio Preto, as duas maiores cidades paulistas comandadas pelo PSB, são as mais cotadas para receber o governador em eventos da chapa "Edualdo".

Poder Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 06:19:39 +0000 http://www.brasil247.com/148033
Lindbergh critica Dilma: errou ao se unir a Pezão http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148038 Cadu Gomes: senador Lindbergh Farias (PT-RJ) O candidato do PT ao governo do Rio de Janeiro, senador Lindbergh Farias (PT/RJ), criticou diretamente a presidente Dilma Rousseff, por ter feito seu primeiro ato de campanha no estado ao lado do governador Luiz Fernando Pezão, do PMDB; "Na nossa avaliação, para a campanha dela, há uma vinculação excessiva ao PMDB, que está traindo, está muito rejeitado no estado. Isso é ruim para a campanha dela", disse o senador, referindo-se ao movimento "Aezão"; movimento "Dilmão", que a une a Pezão, foi lançado na última quinta-feira <br clear="all"> Cadu Gomes: senador Lindbergh Farias (PT-RJ)

Rio 247 - Ao participar de um evento de campanha na noite de ontem, o senador Lindbergh Farias (PT/RJ), candidato do PT ao governo do Rio de Janeiro, criticou diretamente a presidente Dilma Rousseff, que tem se mostrado mais propensa a fazer campanha para o governador Luiz Fernando Pezão, do PMDB.

"Na nossa avaliação, para a campanha dela, há uma vinculação excessiva ao PMDB, que está traindo, está muito rejeitado no estado. Isso é ruim para a campanha dela", disse ele. "A Dilma já havia feito várias agendas institucionais com o Pezão. Começar a campanha novamente com o Pezão vincula muito a imagem. E isso não é bom. No Rio, o PMDB foi o epicentro das manifestações de junho do ano passado. Isso não anima a militância. Não acho que se deva começar uma campanha eleitoral com essa agenda. A Dilma tem que fazer uma agenda para cima, para frente".

Lindbergh, na verdade, lamenta não ter a exclusividade da presidente Dilma no Rio, onde os principais candidatos, como o ex-governador Anthony Garotinho, do PR, o ex-ministro Marcelo Crivella, do PRB, e o próprio Pezão, a apoiam oficialmente. Na próxima semana, por exemplo, Dilma terá uma agenda com Garotinho, que lidera a pesquisa Datafolha, ao lado de Crivella. "O Garotinho não quer exclusividade. Ele quer reciprocidade. E a reciprocidade virá agora", disse Rui Falcão, presidente nacional do PT, que depois contemporizou.  "Qualquer candidato gostaria de ter exclusividade. Mas essa exclusividade não se pode dar mesmo sendo a presidenta do mesmo partido do Lindbergh. Ele tem compreensão disso. No fragor da disputa, a pessoa (Lindbergh) manifesta algum desagravo."

Rio 247 Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 07:52:53 +0000 http://www.brasil247.com/148038
Nassif contesta "denuncismo ridículo" contra Manuela http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/148034 : Nota da revista Época apontou evolução patrimonial de 1.200% da deputada Manuela D´Ávila (PCdoB/RS) em quatro anos; no entanto, a "riqueza" foi de R$ 12 mil para R$ 184 mil, segundo apontou o jornalista Luis Nassif, o que seria plenamente compatível com seu salário como parlamentar <br clear="all"> :
RS 247 - O jornalista Luis Nassif, do jornal GGN, criticu o "denuncismo ridículo" da revista Época, em relação à evolução patrimonial da deputada Manuela D´Ávila (PCdoB/RS). Leia abaixo: 
 
Um ridículo fantástico. Manuela tinha R$ 14 mil de patrimônio, torna-se deputada e com salário de deputada aumenta o patrimônio para R$ 180 mil. E o Patury transforma em escândalo.
 
Da Coluna de Felipe Patury
Patrimônio de Manuela D'Ávila, do PCdoB, cresce 1200%
 
A deputada federal Manuela D´Ávila, do PCdoB do Rio Grande do Sul, enriqueceu – e muito. De 2010 para este ano, seu patrimônio aumentou 1200%. Saltou de R$ 14 mil para R$ 184 mil. Destaque para a sua conta poupança no Banco do Brasil, que saiu dos R$ 9 mil e chegou aos R$ 94 mil em quatro anos.
Rio Grande do Sul 247 Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 06:33:20 +0000 http://www.brasil247.com/148034
Para Economist, Minas perdeu competitividade http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/148042 : Estado, que era o terceiro colocado do ranking em 2011, foi superado por Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina; os motivos são o aumento da criminalidade e o baixo crescimento; parque industrial, que tem a Fiat, em Betim, como um de seus pilares, ficou estagnado <br clear="all"> :

Minas 247 - A terceira edição do Ranking de Competitividade dos Estados Brasileiros, elaborado pela Economist Intelligence Unit, um dos braços da revista inglesa The Economist, tem como principal novidade a queda de Minas Gerais, que passou da terceira posição para a sexta.

O estado foi superado por Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Nas duas primeiras posições, permanecem São Paulo e Rio de Janeiro.

O ranking avalia itens como o ambiente político, econômico, infraestrutura, regulação, até recursos humanos, criminalidade, inovação e sustentabilidade. Minas, que ocupava a terceira posição em 2011 e 2012, caiu para o sexto lugar no ranking de 2013, divulgado ontem.

Os principais motivos para o declínio foram a estagnação da indústria e ao aumento do índice de criminalidade. Nos últimos dois anos, a economia mineira cresceu abaixo da média nacional.

Minas 247 Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 09:22:01 +0000 http://www.brasil247.com/148042
Aécio encerra "aeroporto" e só fala sobre o Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/poder/148064 : O presidenciável tucano Aécio Neves quer colocar um ponto final nas denúncias referentes à construção de um aeroporto na cidade  de Cláudio (MG), na época em que era governador do Estado; segundo ele, o assunto já foi devidamente esclarecido; "Sobre esse assunto já dei todos os esclarecimentos que julgava necessários. Se quiserem falar sobre o Brasil, estou aqui", disse; ele também voltou a criticar a presidente Dilma Rousseff, sua rival no pleito de outubro, ao dizer que o governo "perdeu a capacidade de gerar expectativas positivas" junto aos empresários <br clear="all"> :

247 - Em campanha ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o candidato Aécio Neves (PSDB/MG) afirmou já ter prestado todos os esclarecimentos sobre a construção e o uso do aeroporto construído em Claudio (MG), na época em que era governador do Estado. "Sobre esse assunto já dei todos os esclarecimentos que julgava necessários. Se quiserem falar sobre o Brasil, estou aqui", disse. Ele também voltou a tecer críticas sobre a economia ao ressaltar que o governo da presidente Dilma Rousseff (PT), sua rival no pleito de outubro, "perdeu a capacidade de gerar expectativas positivas" junto ao mercado econômico e financeiro.

"Há uma coisa essencial em economia: expectativa. Essas avaliações mostram que o atual governo perdeu a capacidade de gerar expectativas positivas, seja nos agentes internos, seja nos agentes externos", disse Aécio. A declaração veio na esteira de uma matéria publicada pela Folha de São Paulo onde analistas nacionais e internacionais apontam que Dilma será derrotada pelo tucano nas eleições presidenciais.

Aécio, que esteve em São Paulo, neste sábado (26), junto com o governador e candidato à reeleição, Geraldo Alckmin (PSDB), para cumprir uma série de compromissos de campanha, evitou se aprofundar nas respostas referentes as denúncias sobre a construção e o uso de um aeroporto na cidade mineira de Cláudio, na época em que foi governador do Estado. "Sobre esse assunto já dei todos os esclarecimentos que julgava necessários. Se quiserem falar sobre o Brasil, estou aqui", pontuou.

Sobre a composição do palanque estadual em São Paulo, onde o PSDB está aliado ao PSB, o governador Geraldo Alckmin voltou atrás da afirmação feita esta semana de que poderia subir no palanque do presidenciável Eduardo Campos (PSB). "Quem é do PSB vai apoiar o seu candidato, Eduardo Campos, e quem é do PSDB vai apoiar o Aécio Neves, que é o meu candidato a presidente", declarou.

 

Poder Paulo Emílio Sat, 26 Jul 2014 15:42:06 +0000 http://www.brasil247.com/148064
Miriam Leitão condena estímulo ao crédito http://www.brasil247.com/pt/247/economia/148051 ANDRE DUSEK: ADTOMBINI306   BSB -  06/01/2011    - BANCO CENTRAL / TOMBINI -  ECONOMIA  - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini durante entrevista coletiva no Banco central, em Brasília.
FOTO: ANDRE DUSEK/AE Para a colunista do Globo, a decisão do Banco Central, comandado por Alexandre Tombini, de injetar R$ 45 bilhões na economia, seria contraditória com a ata do Comitê de Política Monetária e revelaria falta de autonomia do BC; "A ilusão da autonomia do Banco Central, em ambiente eleitoral, durou apenas algumas horas", diz a colunista; bancos elogiaram a medida <br clear="all"> ANDRE DUSEK: ADTOMBINI306   BSB -  06/01/2011    - BANCO CENTRAL / TOMBINI -  ECONOMIA  - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini durante entrevista coletiva no Banco central, em Brasília.
FOTO: ANDRE DUSEK/AE

247 - A jornalista Miriam Leitão, colunista econômica do Globo, condenou o pacote de estímulo ao crédito, anunciado ontem pelo Banco Central e elogiado pelos dois principais bancos privados do País: Bradesco e Itaú. Segundo ela, o estímulo a novos financiamentos revelaria falta de autonomia do BC. Leia abaixo:

Contradição do BC - MIRIAM LEITÃO

A ilusão da autonomia do Banco Central, em ambiente eleitoral, durou apenas algumas horas. Ontem, a autoridade monetária voltou a se curvar às pressões quando ampliou o espaço para concessão de crédito, atendendo às propostas feitas pelas autoridades políticas e pelo Ministério da Fazenda. Isso é contraditório com o que havia dito com clareza na Ata do Copom.

A decisão anunciada ontem foi de ampliação do dinheiro em circulação através da liberação de metade dos recursos que as instituições financeiras têm que recolher ao Banco Central sobre os depósitos a prazo. Na quinta-feira pela manhã, o BC garantiu, em ata, que sua estratégia "não contempla redução dos instrumentos de política monetária". Como se sabe, instrumentos de política monetária são desde taxas de juros até o volume de compulsórios.

Ontem, o BC anunciou a liberação, alegando que houve moderação do crédito, recuo do risco e diminuição da inadimplência. No dia anterior, havia dito que a inflação permanece forte e resistente, e as projeções estão mostrando que as taxas continuarão elevadas. E mais, como todos sabem, há inúmeros preços reprimidos e outros cuja expectativa é que subam fortemente, como da conta de luz. Diante de uma inflação alta, resistente, com preços represados e expectativas de novas pressões, o que deve fazer um Banco Central que já vê o estouro da meta? Há várias medidas a serem tomadas e nenhuma delas é estimular o crédito.

A explicação para a flagrante contradição entre o que disse e o que fez o BC talvez esteja nas convicções monetárias do ex-presidente Lula. "Se a inflação não é de demanda, por que estamos barrando o crédito? Não temos que ter medo. Acho que temos que ficar mais afoitos. Só seguir a rotina técnica não dá certo. O crédito melhora a vida de todo mundo. Podemos chegar a 80% do Produto Interno Bruto para o crédito, 90%, não tem problema nenhum", disse ele há exato um mês.

Na verdade, o crédito não está sendo barrado. Apenas está havendo desaceleração do ritmo de ampliação dos empréstimos, como mostram os números, sob diversos ângulos. Nos últimos 12 meses, o saldo total de crédito na economia subiu 12,7% e alcançou R$ 2,8 trilhões. As concessões, que medem o fluxo de dinheiro novo sendo emprestado, cresceram 9,6%. Mais R$ 315 bi foram concedidos a pessoas físicas e jurídicas no país, entre junho de 2013 e maio de 2014. Se o recorte for feito pelo crédito livre a pessoas físicas, o aumento das concessões é de 13,7%. A torneira continua aberta.

A inadimplência está num nível menor do que há dois anos, mas parou de cair. De janeiro a maio, oscilou de 6,6% para 6,7% no crédito livre para pessoas físicas. O indicador antecedente da inadimplência, que mede atrasos entre 15 e 90 dias, foi de 6,4% para 6,6%. Há ainda um volume grande de dívida estacionado nas mais caras modalidades: o rotativo do cartão de crédito e o cheque especial. Houve diminuição da procura por financiamento de automóveis, mas depois de um crescimento forte nos últimos anos. É natural que após um período assim haja moderação.

Essa administração do Banco Central ficará marcada por ter cedido à pressão do governo e por tolerar uma inflação mais perto do teto da meta, do que do seu centro, para, assim, supostamente, garantir mais crescimento. Não garantiu o crescimento e continua dando sinais ambíguos no combate à alta dos preços.

A Ata do Copom, divulgada na quinta-feira, foi mais clara que o usual. Está lá a mesma linguagem empolada, mas com reiterações e palavras-chaves que indicavam que não reduziria os juros. No dia seguinte, houve o desmonte de parte do arsenal monetário que, na prática, reduz os juros, apesar da inflação alta. É exatamente essa volatilidade de sinais que ajuda a confirmar as dúvidas sobre o espaço de atuação do Banco Central.
Economia Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 11:42:09 +0000 http://www.brasil247.com/148051
Ataques de Israel matam 18 pessoas de uma mesma família em Gaza http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148048 REUTERS/Stringer: Israel's Prime Minister Benjamin Netanyahu delivers a statement to the foreign media in Tel Aviv November 15, 2012. A Hamas rocket killed three Israelis north of the Gaza Strip on Thursday, drawing the first blood from Israel as the Palestinian death toll Genocídio comandado por Benjamin Netanyahu faz novas vítimas e o número de fatalidades subiu para 881 palestinos, a maioria deles civis, desde que a ofensiva de Israel em Gaza começou no dia 8 de julho <br clear="all"> REUTERS/Stringer: Israel's Prime Minister Benjamin Netanyahu delivers a statement to the foreign media in Tel Aviv November 15, 2012. A Hamas rocket killed three Israelis north of the Gaza Strip on Thursday, drawing the first blood from Israel as the Palestinian death toll

GAZA (Reuters) - Ataques de tanques israelenses mataram 18 palestinos de uma única família no sul da Faixa de Gaza neste sábado, informou o ministério da Saúde de Gaza, pouco antes de uma trégua humanitária de 12 horas acertada entre Israel e o Hamas entrar em vigor. 

O porta-voz do ministério da Saúde de Gaza, Ashraf Al-Qidra, disse que 18 membros da família estavam aprisionados em sua casa na vila de Khuzaa, ao leste de Khan Younis, desde quinta-feira, e também que muitos outros estavam feridos graças aos tanques israelenses.

O número de fatalidades subiu para 881 palestinos, a maioria deles civis, desde que a ofensiva de Israel em Gaza começou no dia 8 de julho. 

(Reportagem de Nidal Almughrabi)

Mundo Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 10:54:27 +0000 http://www.brasil247.com/148048
Inglaterra culpa Rússia por queda de avião http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148057 : A Grã-Bretanha, governada por David Cameron, acusou a Rússia de ter feito afirmações falsas sobre o avião malaio que foi derrubado no leste da Ucrânia, e disse que era "muito provável" que a aeronave tenha sido derrubada por um míssil fornecido pelos russos disparado por rebeldes da área separatista apoiados pela Rússia <br clear="all"> :

LONDRES (Reuters) - A Grã-Bretanha acusou a Rússia de ter feito afirmações falsas sobre o avião malaio que foi derrubado no leste da Ucrânia, e disse que era "muito provável" que a aeronave tenha sido derrubada por um míssil fornecido pelos russos disparado por rebeldes da área separatista apoiados pela Rússia. 

O departamento de Relações Exteriores disse em comunicado que a Rússia emitiu uma sucessão de afirmações contraditórias sobre o incidente, que matou todas as 298 pessoas a bordo do avião, incluindo 10 britânicos. 

Os britânicos também têm informações que sugerem que os separatistas planejavam espalhar partes de outros aviões no local para confundir os investigadores, segundo o comunicado. 

O comunicado veio depois que o embaixador russo na Inglaterra, Alexander Yakovenko, disse a jornalistas na quinta-feira que as alegações de que a Rússia estaria envolvida no caso "não se sustentavam". 

O comunicado emitido pela diplomacia britânica com o título "mitos russos sobre o MH17" descredita as afirmações do Kremlin, que diz apenas auxiliar os separatistas com assistência humanitária e que as evidências sobre o contrário não tem credibilidade. 

"Dado o crescente número de evidências, sem informações relevantes que provem o contrário, acreditamos que é muito provável que o voo MH17 tenha sido derrubado pelo sistema de mísseis russo SA-11, operado a partir de uma área separatista apoiada pelos russos no leste da Ucrânia", diz o comunicado. 

"A Rússia fez afirmações contraditórias, mutualmente excludentes, que culpam a Ucrânia pelo ataque, mas eles não estão baseados em fatos", acrescenta o documento. "A Rússia não disponibilizou evidências para sustentar suas afirmações'.

(Reportagem de Stephen Addison)

Mundo Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 13:55:15 +0000 http://www.brasil247.com/148057
DEM pretende embargar pesquisa Vox Populi http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/148063 : “O Vox Populi está sob suspeição na Bahia", diz José Carlos Aleluia, que preside a coligação “Unidos pela Bahia”, do candidato Paulo Souto; segundo ele, o instituto comandado por Marcos Coimbra pretende favorecer o candidato do PT ao governo estadual, que é Rui Costa;  "Uma nova tentativa de pesquisa do Vox Populi será alvo de ação judicial”, diz Aleluia <br clear="all"> :

Bahia 247 - O presidente da coligação do candidato Paulo Souto ao governo da Bahia, José Carlos Aleluia, pretende embargar uma pesquisa Vox Populi no estado. Segundo ele, o levantamento teria o objetivo de inflar os números do petista Rui Costa. Leia, abaixo, nota divulgada por Aleluia:

“O Vox Populi está sob suspeição na Bahia. Na semana passada, o registro de uma pesquisa com o questionário cheio de vícios, objetivando favorecer o candidato petista a governador, inabilitou esse instituto a realizar qualquer consulta eleitoral em nosso estado. Portanto, uma nova tentativa de pesquisa do Vox Populi será alvo de ação judicial”, avisa o presidente da coligação “Unidos pela Bahia”, José Carlos Aleluia.

O líder oposicionista destaca que a Justiça Eleitoral, por meio de decisão do juiz Salomão Viana, reconheceu a ilegalidade e determinou a proibição da pesquisa do Vox Populi, em que a consulta estimulada para governador não apresentava isoladamente os nomes dos candidatos, como determina a legislação, mas apenas com os apoios. “Curiosamente, o mesmo procedimento não foi feito para a presidência da República, que dispunha apenas dos nomes dos candidatos, como previsto pela lei”.

Para Aleluia, o ardil teve como único objetivo favorecer os candidatos petistas em detrimento dos adversários. “Na tentativa de dar uma impulsionada no desconhecido candidato a governador, destacaram os apoios. Já para a presidência, em que o adversário oposicionista Aécio Neves é menos conhecido, evitaram apresentar o apoio de ACM Neto, por exemplo. Por outro lado,  recente pesquisa do Ibope seguiu à risca a legislação eleitoral”.

Bahia 247 Leonardo Attuch Sat, 26 Jul 2014 14:58:47 +0000 http://www.brasil247.com/148063
"Projeto de Taques não pode virar hemorragia" http://www.brasil247.com/pt/247/matogrosso247/148066 : Presidente regional do DEM, o ex-governador Júlio Campos defendeu que o candidato ao Governo Pedro Taques (PDT) tome providências, com urgência, para evitar uma "debandada" de lideranças políticas e candidatos da sua base; "Isso é péssimo. Qualquer dissidência pode pesar na hora de decidir uma candidatura", afirmou; "O Taques precisa conversar, reunir seu conselho político, os presidentes de partidos, seus assessores e tomar algumas decisões. Isso não pode virar uma hemorragia e ficar fora de controle" <br clear="all"> :

MidiaNews - Presidente regional do DEM, o ex-governador Júlio Campos defendeu que o candidato ao Governo Pedro Taques (PDT) tome providências, com urgência, para evitar uma "debandada" de lideranças políticas e candidatos da sua base.

"Isso é péssimo. Qualquer dissidência pode pesar na hora de decidir uma candidatura", disse.

Nos últimos dias, vários candidatos recuaram e anunciaram que estão fora da disputa, entre eles dez candidatos à Assembleia Legislativa pelo PRP. 

Ele classificou as defecções recentes de "princípio de hemorragia" no projeto de Taques. 

"Estou vendo com muito surpresa essa perdas de apoios políticos e de candidatos desistindo de disputar. Acho que o Pedro Taques precisa fazer uma reunião de emergência para ver se estanca isso. Ele tem que tomar providência, e rápido", afirmou.

"O Taques precisa conversar, reunir seu conselho político, os presidentes de partidos, seus assessores e tomar algumas decisões. Isso não pode virar uma hemorragia e ficar fora de controle", disse.

Segundo o líder do DEM, a perda de apoio, neste instante, pode "dificultar muito" seu projeto. "Se quem saiu levar 10 ou 20 votos, já é prejuízo", disse. 

"Começamos a perder"

Ele relembrou o que aconteceu com sua candidatura ao Governo, em 1998, quando perdeu para o então governador Dante de Oliveira, que disputava a reeleição.

"Eu sofri a primeira dissidência, naquela campanha, por parte do então prefeito Vanderlei Farias, de Barra do Garças. O Antônio Joaquim, que disputava a Câmara Federal, o convenceu a não me apoiar mais. Ao saber da notícia, meu pai, 'seo' Fiote, virou e me disse: 'Começamos a perder hoje a eleição. Toda a dissidência é ruim'", contou Campos.

Ele afirmou que não foi convidado a participar da coordenação da campanha de Taques, ou de colaborar para evitar perda de apoio.

"Estamos sendo muito pouco acionados... Não estamos participando, na verdade. Mas continuamos aguardando sermos convocados", disse.

Mato Grosso 247 Leonardo Lucena Sat, 26 Jul 2014 15:58:18 +0000 http://www.brasil247.com/148066
Aécio: estímulo a crédito bancário é "improviso" http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/148003 : Em visita à comunidade de Vigário Geral, zona norte do Rio, presidenciável tucano criticou falta de planejamento na economia do Brasil, que "não conseguiu manter um mínimo de credibilidade para que os investimentos retornassem", e criticou "medidas paliativas emergenciais", que, segundo ele, "podem ter um custo alto lá na frente"; BC anunciou hoje pacote de R$ 45 bilhões de estímulo ao crédito; ao comentar sobre os ataques de Israel à Faixa de Gaza, Aécio Neves disse concordar que "haja, sim, uso excessivo da força" por parte dos israelenses, mas defendeu que governo brasileiro prime por uma "posição pelo equilíbrio" <br clear="all"> :

247, com Agência Brasil – O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, classificou nesta sexta-feira 25 como "improviso" o pacote divulgado hoje pelo Banco Central, que visa a incentivar os bancos a transformarem em crédito ao consumidor valores retidos como depósitos compulsórios. "Como não houve planejamento e o Brasil não conseguiu manter um mínimo de credibilidade para que os investimentos retornassem, essas medidas paliativas e emergenciais podem ter um custo alto lá na frente", disse.

"O Brasil é hoje um país com enorme desconfiança dos investidores internos e externos pelo excessivo intervencionismo do Estado em setores fundamentais da economia, como o setor energético e o de petróleo. Temos que estabelecer regras claras", disse, acrescentando que "é preciso adotar um novo modelo, baseado na meritocracia, no Estado enxuto e eficiente".

Aécio Neves visitou hoje a comunidade de Vigário Geral, na zona norte do Rio de Janeiro, onde assistiu a apresentações de dança e música na sede da ONG Afro Reggae e conversou com moradores. No local, ele defendeu a redução da maioridade penal para crimes hediondos, medida que, segundo ele, "pode sinalizar um caminho para a diminuição da impunidade". O tucano acrescentou, porém, que "essa não é a solução, é uma questão paliativa. A solução é a educação, é a oportunidade, é fazer o Brasil crescer".

Faixa de Gaza

Aécio Neves comentou também os ataques de Israel à Faixa de Gaza e as declarações do governo israelense, que classificou o Brasil de "anão diplomático" e "parceiro irrelevante". "O Brasil, ao longo desses últimos anos, vem tendo uma política externa com viés claramente ideológico. Esta questão específica do conflito na Faixa de Gaza, eu compreendo que haja, sim, uso excessivo da força. Mas nós temos que primar nossa posição pelo equilíbrio. Nós teremos uma política externa que não será ideologizada, será pragmática. Nós temos que reinserir as empresas brasileiras nas cadeias globais das quais elas saíram".

Rio 247 Ana Pupulin Fri, 25 Jul 2014 17:01:04 +0000 http://www.brasil247.com/148003
Lobão Filho sem apoio de Lula e Dilma. E agora? http://www.brasil247.com/pt/247/maranhao247/148070 Gilson Teixeira /OIMP/OIMP/D.A P: Dada a largada para a corrida eleitoral, as cartas foram jogadas na mesa e o candidato apoiado pela governadora Roseana Sarney, Edinho Lobão, não conseguiu nem mesmo ter o PT de Dilma Rousseff e Lula na chapa majoritária; ele teve que lançar uma "chapa pura" com outro integrante do PMDB para a disputa; o PMDB maranhense também não consegue o monopólio do apoio de Dilma; a legenda não obteve na Justiça Eleitoral o aval para que o comitê da militância petista de apoio a Flávio Dino, líder nas pesquisas, fosse destituído <br clear="all"> Gilson Teixeira /OIMP/OIMP/D.A P:

Blog do Marrapá - Dada a largada para a corrida eleitoral, as cartas foram jogadas na mesa e o candidato apoiado pela governadora Roseana Sarney, Edinho Lobão, não conseguiu nem mesmo ter o PT de Dilma Rousseff e Lula na chapa majoritária. Ele teve que lançar uma "chapa pura" com outro integrante do PMDB para a disputa.

Sem ter o PT na chapa – que, seguindo orientação da própria direção nacional da legenda, teve de retirar inclusive o nome indicado para ser candidato de Edinho –, o PMDB maranhense também não consegue o monopólio do apoio de Dilma. O partido não obteve na Justiça Eleitoral o aval para que o comitê da militância petista de apoio a Flávio Dino, líder nas pesquisas, fosse destituído.

A assessoria jurídica de Edinho Lobão tenta obter uma conquista na Justiça Eleitoral que fica inviabilizada pela legislação e pela jurisprudência. Como é coligado nacionalmente com o PT, o PCdoB de Flávio Dino pode ter a candidatura em nível local apoiada por petistas, o mesmo direito que tem o PMDB.

Tarefa inglória

Sem o monopólio do apoio de Dilma e dos petistas, Edinho Lobão sabe que a tarefa de dividi-lo com Flávio Dino é inglória. Do ponto de vista ideológico, tanto a presidente Dilma, quanto diversas lideranças nacionais do PT – como o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro –, além de integrantes da legenda no Maranhão, têm preferência pela candidatura de Flávio Dino.

Para os estrategistas da campanha de Edinho Lobão, obter por via judicial a garantia do monopólio do apoio de Dilma é fundamental para a candidatura do senador, que não consegue ultrapassar a barreira dos 30% de intenção de votos e ainda enfrenta problemas internos, como a ausência da governadora Roseana Sarney nos atos de campanha.

A dificuldade de obter a exclusividade deste apoio pela via judicial faz que a campanha de Edinho Lobão adote outra tática: a de reforçar por meio de setores da imprensa alinhados com o candidato do PMDB a tese de que Flávio Dino não é aliado de Dilma, e sim de Aécio Neves.

Mas tal argumento também cai por terra quando se registra a presença do DEM no palanque de Edinho Lobão. A legenda, que faz oposição ao PT desde o governo Lula, integra a coligação "Pra Frente Maranhão", de Edinho.

Obstáculo

Com o apoio de Dilma e do PT dividido entre Flávio Dino e Edinho Lobão, o candidato do PMDB sabe que terá ainda mais dificuldades junto ao eleitorado. E neste momento torna-se fundamental obter essa exclusividade.

O problema é que as duas derrotas no TRE mostram que juridicamente é algo muito difícil. E no terreno político, desde 2010, quando o PT ainda teve espaço na chapa de Roseana Sarney, o partido de Lula e Dilma está dividido no Maranhão. Nem mesmo as imposições vindas da direção nacional da legenda, favoráveis ao PMDB maranhense, afastam boa parte da militância petista do palanque da oposição.

 

Maranhão 247 Leonardo Lucena Sat, 26 Jul 2014 16:05:54 +0000 http://www.brasil247.com/148070
Israel rejeita proposta de cessar-fogo dos EUA: banho de sangue prossegue http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/148008 : Gabinete de Segurança do governo de Benjamin Netanyahu rejeitou por unanimidade a proposta apresentada pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, "nos termos em que está"; intenção de Kerry era chegar a um acordo de cessar-fogo, após 18 dias de conflito armado, que já causou a morte de cerca de 800 palestinos, a maioria civis, e de 73 israelenses, 34 deles soldados <br clear="all"> :

Da Agência Lusa

O governo de Israel recusou hoje (25) a proposta de cessar-fogo apresentada pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, informou emissora de televisão israelense.

Segundo o Canal 1, o Gabinete de Segurança rejeitou por unanimidade a proposta de Kerry, "nos termos em que está". O Canal 1 adiantou, porém, que os ministros continuarão discutindo o assunto.

Kerry encontrou-se com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e o ministro dos Negócios Estrangeiros do Egito, Samed Shukri, com a intenção de chegar a um acordo de cessar-fogo, após 18 dias de conflito armado, que já causou a morte de cerca de 800 palestinos, a maioria civis, e de 73 israelenses, 34 deles soldados.

Os meios de comunicação informam que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, não abdica do direito do Exército de destruir túneis usados pelos guerrilheiros do Hamas para lançar ataques em território israelense.

A proposta de Kerry previa um cessar-fogo inicial, seguido de negociações entre delegações das partes envolvidas no conflito.

O Hamas, a maior força em Gaza, rejeitou inicialmente a proposta de cessar-fogo, exigindo um acordo final antes da suspensão das hostilidades, mas esforços da mediação internacional obtiveram uma abertura para alcançar a paz.

Kerry, que passou a última noite no Cairo, capital egípcia, manteve encontros com Ban Ki-moon e Samed Shukri e prometeu falar aos jornalistas ainda nesta sexta-feira.

Mundo Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 17:36:16 +0000 http://www.brasil247.com/148008
Youssef sofre infarto na prisão; Justiça aceita nova denúncia http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/148009 : O doleiro Alberto Youssef é um dos investigados na operação Doleiro começou a passar mal nesta manhã, foi levado a um hospital de Curitiba, onde está preso, e teve de ser submetido a um cateterismo; no mesmo dia, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigação Lava Jato, aceitou a quinta denúncia contra Alberto Youssef, desta vez pelo crime de evasão de divisas; ele é acusado pelo MP de ter desviado US$ 78,2 milhões para o exterior <br clear="all"> : O doleiro Alberto Youssef é um dos investigados na operação

247 – O doleiro Alberto Youssef, principal alvo da operação Lava Jato, sofreu um infarto nesta sexta-feira 25, na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso. Ele foi levado a um hospital da capital paranaense, onde se submeteu a um cateterismo (desobstrução de veias entupidas), e sua volta à prisão é aguardada para ainda hoje.

Também nesta sexta-feira, o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal Criminal, aceitou uma nova denúncia contra o doleiro, desta vez por desvio ilegal de US$ 78,2 milhões para o exterior. O crime de evasão de divisas é a quinta acusação contra Youssef no âmbito da investigação Lava Jato, que investiga esquema de lavagem de dinheiro que pode ter movimentado R$ 10 bilhões.

A nova acusação do Ministério Público aponta que Youssef realizou 1.114 contratos de câmbio fraudulentos envolvendo duas empresas offshores em paraíso fiscal nas Antilhas. A ação envolve ainda outros sete acusados.

Brasil Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 17:51:02 +0000 http://www.brasil247.com/148009
BC anima mercado e Bradesco terá mais R$ 10 bi ao crédito http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147987 : Pacote de estímulo ao crédito do Banco Central é bem recebido pelo mercado; presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, anunciou que a capacidade de empréstimos do banco deve aumentar em pelo menos R$ 10 bilhões depois das medidas de flexibilização dos requerimentos de capital anunciadas pelo BC; "Para nós, a flexibilização dos requerimentos pode aumentar em pouco mais de 10 bilhões o crédito sem necessidade adicional de capital", disse ele; intenção do governo é ampliar volume de empréstimos em R$ 45 bilhões para combater a retração econômica <br clear="all"> :

SÃO PAULO (Reuters) - Medidas de flexibilização dos requerimentos de capital anunciadas pelo Banco Central devem aumentar em pelo menos 10 bilhões de reais a capacidade de empréstimos do Bradesco, disse nesta sexta-feira à Reuters o presidente-executivo do banco, Luiz Carlos Trabuco.

"Para nós, a flexibilização dos requerimentos pode aumentar em pouco mais de 10 bilhões o crédito sem necessidade adicional de capital", disse Trabuco.

As medidas anunciadas mais cedo incluem redução no recolhimento de parte dos compulsórios e no requerimento de capital para risco de crédito.

Segundo Trabuco, a flexibilização nos compulsórios deve liberar para o Bradesco um montante adicional de cerca de 6 bilhões de reais.

(Por Aluísio Alves)

Leia, ainda, a reportagem sobre o pacote de estímulo lançado hoje pelo governo:

BC estimula crédito em até R$45 bi para conter desaceleração econômica

Por Camila Moreira e Luciana Otoni

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - Com o objetivo de estimular o mercado de crédito, num momento em que a atividade mostra fraqueza, o Banco Central anunciou nesta sexta-feira redução no recolhimento de parte dos compulsórios e no requerimento de capital para risco de crédito ao varejo, medidas com potencial para injetar 45 bilhões de reais na economia.

Especialistas avaliam, no entanto, que as medidas não devem ter grande efeito na oferta de empréstimos.

"(As medidas) devem ter um impacto limitado no crescimento do crédito, uma vez que a recente desaceleração do crédito é alimentada pela pior percepção de risco de crédito, dada a visível desaceleração econômica e o risco de desemprego crescente", afirmou o diretor de pesquisa econômica do Goldman Sachs para América Latina, Alberto Ramos.

No caso do compulsório (parte dos recursos dos bancos que fica depositada no BC, ou seja, fora de circulação), a autoridade monetária "decidiu adotar medidas com vistas a melhorar a distribuição da liquidez na economia", um dia após ter deixado claro que não pretende baixar a taxa básica de juro diante da inflação ainda pressionada.

O BC disse ainda, em nota, que a medida foi tomada levando em consideração a recente moderação na concessão do crédito, inadimplência relativamente baixa e menor nível de risco no sistema financeiro nacional.

Entre as medidas de compulsório, com potencial de liberar 30 bilhões de reais para uso no mercado de crédito, o BC permitiu que até 50 por cento do recolhimento compulsório sobre depósito a prazo sejam cumpridos com novas operações de crédito e na compra de carteiras diversificadas (pessoas jurídicas e físicas).

Em um segundo comunicado, o BC divulgou ajustes em critérios sobre o requerimento mínimo de capital para risco de crédito das operações de varejo, permitindo "alocação de capital mais compatível com o histórico de pagamentos da operação". O capital adicional requerido nas operações de crédito em função do prazo original de contratação passa a ser pelo prazo remanescente, isto é, até o vencimento.

Segundo o chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do BC, Sérgio Odilon dos Anjos, a medida relacionada ao crédito ao varejo tem potencial para liberar cerca de 15 bilhões de reais.

Os bancos têm mostrado mais cautela na oferta de empréstimos, diante do baixo crescimento do país e menor oferta de emprego. Para este ano, o BC prevê que o estoque total de crédito no Brasil crescerá 12 por cento, menos do que os 14,7 por cento em 2013. 

CONTRADIÇÃO?

As medidas de estímulo ao crédito foram divulgadas no dia seguinte ao BC ter deixado claro que não vai reduzir a Selic, atualmente em 11 por cento ao ano, porque vê que o cenário inflacionário ainda está pressionado.

Na ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada na quinta-feira, o BC acabou lembrando as medidas macroprudenciais de 2010 o que, para alguns analistas, já era indicação de que alguma mudança poderia vir.

Com as alterações no compulsório e no requerimento de capital para risco de crédito no varejo, o BC estimula o mercado de financiamentos de forma mais pontual, evitando que uma ação mais ampla de política monetária acabe tendo impacto maior na economia.

"O BC não deve mexer na taxa de juros tão cedo... Está recorrendo às medidas macroprudenciais para prover algum alento ao mercado de crédito. As medidas ocorrem em boa hora, mas, dada a conjuntura adversa para o consumo, devem ter impactos limitados", afirmou em nota a equipe da Rosenberg Associados.

Ramos, do Goldman Sachs, avalia que a tentativa de estimular o crédito com as medidas desta sexta-feira "em um ambiente ainda de inflação elevada pode minar a efetividade da política monetária e a busca contínua para desinflacionar a economia e realinhar a inflação para a meta".

Questionado se as medidas para crédito são contraditórias com a política monetária, o chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do BC não respondeu.

A assessoria de imprensa do BC comunicou que as novas medidas "em nada alteram" as projeções de inflação da autoridade monetária. "(O BC) acabou de divulgar a ata (do Copom) onde consta a descrição do cenário para inflação. Além disso, cabe destacar, como está claro na ata, nesse cenário leva-se em conta a evolução esperada para o mercado de crédito", informou.

O BC estima que a inflação medida pelo IPCA fechará este ano a 6,4 por cento, muito perto do teto da meta oficial --de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos. Para 2015, o BC vê o índice em 5,7 por cento.

Economia Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 15:36:58 +0000 http://www.brasil247.com/147987
Desde Amato, em 1989, elite demoniza nome à esquerda http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147953 : Rejeitar candidato de esquerda é dogma para a elite financeira e empresarial brasileira; na eleição de 1989, então presidente da Fiesp Mario Amato produziu a pérola da radicalização: se Lula fosse eleito, 800 mil empresários sairiam do País com destino a Miami; mais tarde, em 2002, primeira vitória foi cercada por previsões catastrofistas jamais realizadas; pelo banco Goldman Sachs, economista Daniel Tenengauzer chegou a criar um 'lulômetro'; agora, banco Santander assusta clientes sobre perdas com a reeleição de Dilma; desculpas não escondem repetição do mantra de cada quatro anos: o fim do mundo vem aí <br clear="all"> :

247 – O relatório destinado a clientes ricos, produzido pelos analistas do banco Santander, no qual projetam perdas financeiras diante de uma escalada da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas eleitorais é típico. O pedido de desculpas feito logo a seguir à divulgação da peça não esconde o fato de que sempre, entra e sai eleição para presidente, tanto o mercado financeiro quanto os empresários de maior visibilidade procuram, acima de todas as coisas, temer, rejeitar e demonizar os candidatos de esquerda à Presidência da República.

Como quem tem chances reais de vencer, desde 1989, são os candidatos do PT – com Lula cinco vezes candidato, e Dilma Rousseff desenvolvendo agora sua segunda campanha -, o nome do partido e a própria legenda acabando sofrendo a pressão.

Hoje é folclore, virou piada, Mas quando o então presidente da poderosa Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Mario Amato, declarou que 800 mil empresários iriam embora do País se Lula vencesse as eleições de 1989, a frase foi levada muito a sério. Foi estampada na primeira página de jornais como a Folha e o Estado, repercutiu em programas de televisão e veio acompanhada de teses sobre a incapacidade de governança do PT e intenções de intervir em empresas e no mercado financeiro que, por fim, foram praticadas pelo vitorioso Fernando Collor.

A demonização a Lula, no entanto, prosseguiu em todas as campanhas nacionais disputadas pelo ex-presidente, inclusive as que ele ganhou. Em 2002, a missão de superar o tucano José Serra incluía, também, superar uma impressionante série de rumores, boatos e fofocas que apontavam para um estouro nas contas públicas no caso da vitória do ex-metalúrgico. Com a chancela do banco americano Goldman Sachs, o economista Daniel Tenengauzer ganhou seus quinze minutos de fama ao criar o que chamou de "lulômetro". Consistia em medir o nível da disparada da cotação do dólar sobre o real de acordo com o crescimento que Lula apresentava nas pesquisas. Assim, quanto mais o futuro presidente avançava, mas o "lulômetro" apurava que se chegava mais perto do fim do mundo cambial. O real seria pulverizado.

O que se viu, no entanto, desde o primeiro do mandato de Lula foi a normalização de todos os grandes indicadores da economia e, em seguida, o "espetáculo do crescimento" que deu ao presidente uma reeleição tranquila.

Agora, ao completar 12 anos sem representantes de seu campo político-ideológico no poder central, setores do sistema financeiro e da classe empresarial voltam a dar as mãos para rezar o mantra do medo da esquerda acima de todas as coisas.

Nesta sexta-feira 25, a divulgação do relatório do Santander a seus clientes de alta renda trouxe à luz do dia o que está correndo solto nos bastidores das mesas de investimentos e dos encontros entre grandes barões da indústria. Apesar de os três governos sucessivos dos presidente de esquerda terem preservado todos os princípios da economia de mercado, acrescentando o dado do aumento do mercado consumidor como um ponto que deveria ser atribuído a seu favor, seus representantes continua a ser atacados. Das mais diferentes maneiras. Desta vez, foi um relatório sem base técnica seguido de pedido de desculpas. Aguarda-se para ver o nível da próxima provocação.

Economia Ana Pupulin Fri, 25 Jul 2014 14:05:30 +0000 http://www.brasil247.com/147953
FT agora faz piada com resultado da Copa http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/147978 : Jornal de finanças britânico ironiza derrota do Brasil para a Alemanha; "Economia brasileira: outra derrota por 7-1?", diz título no blog Beyond Brics; texto publicado nesta sexta-feira 25 diz que o Brasil pode fechar 2014 com inflação próxima de 7% e crescimento do PIB de cerca de 1% <br clear="all"> :

247 – Texto publicado nesta sexta-feira 25 no blog Beyond Brics, no site do jornal Financial Times (aqui, em inglês), afirma que o Brasil pode sofrer outra derrota por 7 a 1, desta vez fora dos campos de futebol, e não contra a seleção alemã, mas na economia.

"Economia brasileira: outra derrota por 7-1?", diz o título. A matéria prevê que o Brasil pode ter, em 2014, uma inflação próxima dos 7% e um crescimento do PIB perto de 1%. A análise do jornal britânico é de que essa pode ser a grande oportunidade para a oposição nas eleições de outubro.

"Alguns economistas começaram a falar sobre a possibilidade de uma recessão técnica em 2014 se os dados do PIB do primeiro trimestre forem revisados para baixo no mês que vem. Para os candidatos de oposição do Brasil, esse pode ser o 'gol contra' que eles estiveram esperando do PT - tudo que eles precisam para ganhar eleitores no que deve ser a disputa eleitoral mais disputada dos últimos 25 anos", diz o texto.

Pelo Facebook, o presidenciável do PSB, Eduardo Campos, destacou o enfoque do FT e criticou: "no futebol, por maior que seja a decepção, a derrota faz parte do jogo. Já com o futuro do Brasil é diferente, esse é um jogo que não podemos perder".

Mídia Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 14:39:22 +0000 http://www.brasil247.com/147978
Dilma se emociona ao instalar comitê de combate à tortura http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147975 : "A experiência, a minha especificamente, mas falo no sentido geral também, mostra que a tortura é como um câncer, que começa em uma cela, mas compromete toda a sociedade", discursou a presidente no evento; Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, com 23 membros, terá a missão de fortalecer o enfrentamento à tortura em instituições de privação de liberdade, como delegacias, penitenciárias, locais de permanência para idosos e hospitais psiquiátricos <br clear="all"> :

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil

Vítima de tortura na ditadura militar, a presidenta Dilma Rousseff se emocionou hoje (25) ao instalar o Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura. O colegiado terá a missão de fortalecer o enfrentamento à tortura em instituições de privação de liberdade, como delegacias, penitenciárias, locais de permanência para idosos e hospitais psiquiátricos.

"A experiência, a minha especificamente, mas falo no sentido geral também, mostra que a tortura é como um câncer, que começa em uma cela, mas compromete toda a sociedade. Quem tortura, obviamente, o torturado, porque afeta a condição mais humana de todos nós, que é sentir dor, e destrói os laços civilizatórios da sociedade", disse a presidenta com a voz embargada.

Ao posar para foto com os 23 membros do comitê - 11 indicados pelo Poder Executivo Federal e 12 por organizações da sociedade civil, escolhidos por meio de uma consulta pública – a presidenta abraçou emocionada a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci. "Quando poderíamos imaginar que estaríamos aqui hoje, Eleonora?", perguntou Dilma.

Assim como a presidenta, Menicucci também foi presa e torturada durante o regime militar. À época, ela esteve no presídio Tiradentes com Dilma Rousseff, de quem era vizinha e colega de faculdade em Belo Horizonte.

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Ideli Salvatti, disse que com a criação do comitê o país não quer apenas combater a tortura, mas eliminá-la do Brasil. "Ao estarmos aqui instalando o comitê fica bastante claro que uma das principais tarefas é a criação do mecanismo [Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT). Esse instrumento vai permitir que as pessoas escolhidas a adentraram qualquer espaço de privação de liberdade para conferir as condições, dar flagrante, contribuir de forma efetiva para que seja eliminada [a tortura]", frisou.

"Não queremos apenas combater, queremos eliminar a tortura do no nosso país. Isso é um compromisso internacional assumido pelo Brasil", acrescentou Ideli.

Entre as atribuições do comitê, estão a avaliação e a proposição de ações de prevenção e combate à tortura, integrando a atuação de órgãos do governo e segmentos sociais. Com a instalação do colegiado, os membros terão 90 dias para criar o Mecanismo de Prevenção e Combate à Tortura que será composto por 11 peritos independentes que deverão recomendar medidas para a adequação dos espaços de privação de liberdade aos parâmetros nacionais e internacionais, bem como o acompanhamento e a diligência para o cumprimento das recomendações feitas.

Um dos representantes da sociedade civil, José Jesus Filho, da Associação de Apoio e Acompanhamento da Pastoral Carcerária Nacional, classificou o momento como histórico. "Já estamos em processo de levar a política adiante. O banco de dados de coleta de informações sobre tortura já está em processo de construção, investigações estão sendo levantadas e isso significa que, para nós, esse é um momento histórico".

De acordo com a Secretaria de Direitos Humanos, a escolha dos locais a serem visitados será definida pelo mecanismo nacional, com base nas informações e dados fornecidos pelo Comitê. Além do mecanismo nacional, sete unidades federativas já criaram seus mecanismos locais por meio de leis estaduais: Rio de Janeiro, Paraíba, Alagoas, Espírito Santo, Rondônia e Minas Gerais. O mecanismo do estado do Rio de Janeiro está em funcionamento desde 2011 e, recentemente, o estado de Pernambuco concluiu o processo de seleção dos membros do seu mecanismo estadual.

Poder Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 13:20:42 +0000 http://www.brasil247.com/147975
ONU apela para pausa humanitária em Gaza http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147976 : Secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon apelou para uma pausa humanitária imediata na Faixa de Gaza até a próxima semana, período em que se comemora o fim do Eid Ul Fitr - celebração muçulmana que marca o fim do Ramadã, o mês em que os muçulmanos praticam o jejum ritual; esta pausa "deverá prolongar-se por todo o período das festas do Eid Eid Ul Fitr", disse comunicado da organização <br clear="all"> :

Danilo Macedo* Repórter da Agência Brasil

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, apelou hoje (25) para uma pausa humanitária imediata na Faixa de Gaza até a próxima semana, período em que se comemora o fim do Eid Ul Fitr - celebração muçulmana que marca o fim do Ramadã, o mês em que os muçulmanos praticam o jejum ritual, um dos pilares do Islamismo.

"Nesta última sexta-feira do Ramadã, apelo a uma pausa humanitária imediata e incondicional nos combates em Gaza e em Israel", disse Ki-moon. Esta pausa "Deverá prolongar-se por todo o período das festas do Eid Eid Ul Fitr", declarou num comunicado divulgado pela ONU.

O apelo do secretário-geral acontece depois de vários encontros com o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e representantes egípcios, com o objetivo de terminar com 18 dias de conflitos que já mataram mais de 800 palestinos, a maioria civis.

Segundo Ki-moon, a suspensão do ataque israelense na Faixa de Gaza pode levar a um plano de cessar-fogo de longo prazo. "Creio que todas as partes poderão aceitar silenciar as suas armas neste período sagrado de celebração e reflexão. Acredito que todos poderão aceitar o fim das violências e das mortes pelo menos neste breve período de tempo", acrescentou.

Em sua declaração, o líder da ONU afirma que "a pausa humanitária pode e deve começar a ser cumprida imediatamente, sem condições, sem desculpas, sem atrasos".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) também pediu hoje que se abra um corredor humanitário na Faixa de Gaza para evacuar os feridos e levar suprimentos médicos que ajudarão a salvar vidas. De acordo com a OMS, hospitais e ambulâncias ficaram danificados ou destruídos no território ocupado, reduzindo drasticamente a capacidade do sistema de saúde local atender ao crescente número de feridos.

Além dos 800 mortos em Faza, a OMS contabiliza mais de 5 mil feridos, sendo aproximadamente 1,5 mil crianças. "A pressão e insuficiência nas instalações de saúde em Gaza, somadas ao desafio de adquirir material médico nesses centros e a insegurança cada dia maior, aumenta o número de pessoas que precisam de melhores cuidados médicos", disse o porta-voz da OMS em Genebra, Paul Garwood.

*Com informações da Agência Lusa

Mundo Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 14:06:44 +0000 http://www.brasil247.com/147976
Santander fez campanha aberta contra Dilma http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147917 : Banco do espanhol Emilio Botín, que já foi recebido várias vezes no Palácio do Planalto pela presidente Dilma Rousseff, distribuiu comunicado aos clientes de alta renda informando que sua reeleição seria prejudicial à economia; depois do papelão, o banco pediu desculpas e disse não adotar viés partidário em suas análises; "A instituição pede desculpas aos seus clientes e acrescenta que estão sendo tomadas as providências para assegurar que nenhum comunicado dê margem a interpretações diversas dessa orientação", diz o texto; furo foi obtido pelo jornalista Fernando Rodrigues <br clear="all"> :

247 - O banco Santander cometeu um papelão no País. Distribuiu comunicado aos seus clientes de alta renda, informando que a reeleição da presidente Dilma Rousseff seria prejudicial à economia brasileira. 

De acordo com a análise, obtida pelo jornalista Fernando Rodrigues, Dilma provocaria alta dos juros, do dólar e queda das ações na BM&FBovespa.

Eis a reprodução da carta enviada pelo banco de Emílio Botín, que já foi recebido várias vezes no Palácio do Planalto, aos clientes:

 

Depois da notícia, o Santander pediu desculpas aos clientes, com a seguinte nota:

“O Santander esclarece que adota critérios exclusivamente técnicos em todas as análises econômicas, que ficam restritas à discussão de variáveis que possam afetar os investimentos dos correntistas, sem qualquer viés político ou partidário. O texto veiculado na coluna ‘Você e Seu Dinheiro’, no extrato mensal enviado aos clientes do segmento Select, pode permitir interpretações que não são aderentes a essa diretriz. A instituição pede desculpas aos seus clientes e acrescenta que estão sendo tomadas as providências para assegurar que nenhum comunicado dê margem a interpretações diversas dessa orientação.”

Economia Leonardo Attuch Fri, 25 Jul 2014 08:56:45 +0000 http://www.brasil247.com/147917
Após 800 mortos, até EUA pedem trégua a Netanyahu http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147955 : Secretário de Estado americano pede "trégua humanitária" na faixa de Gaza; John Kerry procura líderes regionais para articular pressão local sobre Israel para que pare de matar civis palestinos; número de mortos sob bombardeios cresce seguidamente; conflito pode se estender para a Cisjordânia ocupada e Jerusalém; urgência dos EUA foi despertada pela morte, ontem, de 15 adultos e crianças em escola da ONU; até os maiores aliados de Benjamin Netanyahu ficaram chocados; governo-anão de Israel isolado globalmente <br clear="all"> :

Por Nidal al-Mughrabi e Dan Williams

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, pressionou líderes regionais a firmarem um cessar-fogo em Gaza nesta sexta-feira, após o número de civis mortos ter disparado, ameaçando espalhar o banho de sangue entre israelenses e palestinos para a Cisjordânia ocupada e também Jerusalém.

Com Israel e combatentes islâmicos do Hamas apresentando termos aparentemente irreconciliáveis para uma trégua, a qual mediadores esperam que comece antes de uma celebração religiosa muçulmana na semana que vem, Kerry fez diversas ligações do Egito, enquanto seus auxiliares deixaram claro que sua paciência estava se esgotando.

A urgência foi causada pela morte, na quinta-feira, de 15 pessoas em uma escola da ONU onde civis buscam abrigo, no norte da Faixa de Gaza, em um ataque que as qual autoridades locais atribuíram à artilharia de Israel.

Israel disse que suas forças sofreram ataques de guerrilheiros palestinos na área da escola e revidaram fogo, e acusou o Hamas de evitar que qualquer remoção de civis fosse realizada.

Autoridades de Gaza disseram que ataques de Israel mataram 27 pessoas nesta sexta-feira, incluindo o chefe de mídia do Jihad Islâmico, aliado do Hamas, e também seu filho. Assim, o número de mortos palestinos em Gaza em 18 dias já totaliza 819 pessoas, a maioria civis.

Na Cisjordânia ocupada, onde o presidente palestino, Mahmoud Abbas, que tem o apoio dos EUA, governa em uma incômoda coordenação com Israel, cerca de 10 mil manifestantes marcharam em solidariedade com Gaza durante a noite, uma escala que relembra revoltas do passado.

Manifestantes foram até um ponto de controle de Israel, atirando pedras e coquetéis molotov, e médicos palestinos disseram que uma pessoa morreu a tiros e 200 ficaram feridas quanto as tropas abriram fogo.

Nesta sexta-feira, a polícia paramilitar israelense ficou em estado de alerta para quaisquer ocorrências na mesquita mais importante de Jerusalém durante as orações para a etapa final do mês sagrado muçulmano do Ramadã.

Yitzhak Aharonovitch, ministro da polícia de Israel e membro do gabinete de segurança, disse estar realizando diversas consultas sobre como conter as crescentes hostilidades. "Temos uma noite muito difícil", disse ele à rádio do Exército de Israel. "Espero que consigamos passar bem o dia hoje."

Israel perdeu 32 soldados em Gaza por conta de um avanço terrestre cujo objetivo oficial é destruir dezenas de túneis utilizados para a infiltração de combatentes do Hamas, que ameaçam vilas ao sul do país assim como bases do Exército.

Três civis foram mortos em Israel por ataques de foguetes e morteiros vindos de Gaza - disparos que aumentaram no mês passado depois da repressão militar israelense contra ativistas do Hamas na Cisjordânia. Esses projéteis desencadearam a ofensiva de Israel contra Gaza em 8 de julho.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, deve reunir seu gabinete de segurança nesta sexta-feira para discutir uma trégua humanitária limitada sob a qual o movimento palestino estaria livre para permitir ajuda às pessoas, assim como a retirada de mortos e feridos.

O líder do Hamas, Khaled Meshaal, havia expressado, na quarta-feira, apoio a trégua humanitária, mas apenas se Israel aliviasse as restrições impostas ao 1,8 milhão de habitantes da Faixa de Gaza.

O Hamas também quer que o Egito abra suas fronteiras com Gaza, e tem exigido que Israel liberte centenas de prisioneiros detidos na Cisjordânia no mês passado após o sequestro e assassinato de três estudantes seminaristas judeus.

Essas concessões, no entanto, pareciam improváveis, considerando que tanto Israel quanto o Egito consideram o Hamas como ameaça à sua segurança.

(Reportagem adicional de Ori Lewis em Jerusalém, Noah Browning em Gaza, Arshad Mohammed, Yasmine Saleh e Shadia Nasralla no Cairo)

Mundo Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 11:37:58 +0000 http://www.brasil247.com/147955
PML: Israel teve reação "insolente" do ponto de vista histórico http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/147938 : Colunista Paulo Moreira Leite diz que, ao chamar o Brasil de "anão diplomático", o porta-voz da chancelaria do governo de Benjamin Netanyahu "esconde o papel brasileiro na fundação de Israel", além de ser um "gesto mal educado em qualquer caso"; jornalista relembra atuação do chanceler brasileiro Oswaldo Aranha na ONU, que realizou "manobra diplomática" para que os israelenses conquistassem o apoio necessário <br clear="all"> :

247 - O colunista Paulo Moreira Leite classifica como "disparate", "absurda" e "insolente" do ponto de vista histórico a reação da chancelaria israelense, que chamou o Brasil de "anão diplomático". O jornalista relembra a atuação do diplomata brasileiro Oswaldo Aranha, fundamental na ONU para a criação do Estado de Israel. Leia abaixo:

DISPARATE ISRAELENSE
Ao dizer que Brasil é "anão diplomático" porta-voz da chancelaria de Israel esconde papel brasileiro na fundação de Israel

A reação de um porta-voz da chancelaria do governo de Benjamin Netanyaou à notas de repúdio do governo brasileiro diante do massacre de Gaza reflete uma reação insolente, pela diplomacia, e absurda, do ponto de vista histórico.

Definir o Brasil – e qualquer outro país – como "anão diplomático" é um gesto mal educado em qualquer caso mas puro delírio nas relações entre Israel e Brasil.

Isso porque a delegação brasileira presente a Conferência da ONU em San Francisco, em 1948, teve um papel importante na decisão que permitiu a partilha da Palestina, medida que deu origem ao Estado Judeu.

Vamos recapitular o que houve. Encarregado de presidir a sessão da ONU, entidade então em seus rascunhos, o antigo chanceler Oswaldo Aranha, um dos homens fortes durante a maior parte do governo Vargas, foi a San Francisco como chefe da delegação brasileira. Estávamos no governo de Eurico Dutra, bastante alinhado com os Estados Unidos.

Em San Francisco, Aranha fez um levantamento prévio das preferências entre os países presentes. Descobriu que a partilha da Palestina, que o Brasil apoiava, não reunia o mínimo de 2/3 de votos necessários para ser aprovada. Atuando em sua própria lógica, os soviéticos de Josef Stalin apoiavam Israel porque ajudava a prejudicar os inglêses. Os norte-americanos tinham alguma simpatia pela ideia, mas não podiam assumir um alinhamento aberto. Aranha fez, então, uma pequena manobra diplomática.

Adiou a decisão, dando tempo para que os aliados de Israel conquistassem os votos necessários. Foi assim que os israelenses venceram e a ideia de instalar um Estado de fora para dentro numa terra habitada, há pelo menos dois mil anos, por uma população árabe, foi aprovada. A noção de dar uma terra sem povo para um povo sem terra, uma das frases mais absurdas do marketing político mundial – mesmo com a imigração massiva promovida por entidades sionistas nas décadas anteriores a demografia do lugar apresentava dois árabes para cada judeu – ganhou legitimidade internacional. O prestígio de Oswaldo Aranha entre a comunidade israelense tornou-se gigangesto, a ponto de seu nome virar nome de rua em Tel Aviv.

Pesquisas nos arquivos do Itamaraty vieram a demonstrar, décadas depois, que no final da década de 1930 Aranha foi um dos responsáveis pela postura anti-judeus da política de imigração que o governo brasileiro assumiu durante a maior parte da Segunda Guerra. Ainda que na prática tenha ocorrido – por vias legais e também pelo contrabando – uma imigração judaica muito maior do que os textos escritos sugerem, não faltam ordens e resoluções assinadas por Aranha que envergonham quem as lê. Mesmo considerando que refletem um mundo no qual noções de hierarquia racial faziam parte da ideologia vigente, são inaceitáveis.

Mas, em 1948, ele assumiu outra postura, viabilizando um projeto que o movimento sionista buscava desde 1897. Ao contrário do que disse o porta-voz do governo de Israel, que chegou a lembrar a derrota de 7 a 1 para a Alemanha na Copa!, foi, do ponto de vista israelense, um gesto de gigante.

A reação disparatada, 66 anos depois, só não é estranha porque faz parte do comportamento dos governantes israelenses há muito tempo. Ajuda, no plano externo, a evitar a discussão que interessa: a necessidade de interromper um novo ataque brutal a população palestina, massacrada numa região de onde não pode sequer escapar. A nota do governo brasileiro lembra, corretamente, os direitos da população palestina, atacada cotidianamente.

Também ajuda a estimular o nacionalismo judaico, um elemento importante na política israelense desde sempre.

Já em 1949, o drama dos refugiados palestinos – milhares foram retirados e expulsos de suas casas e conduzidos até a fronteira – tornou-se um assunto da diplomacia internacional.

Interessado em encontrar uma saída negociada, o governo do presidente americano Harry Truman mostrou-se decepcionado com a postura de Israel, que não exibia a menor disposição de encontrar uma saída satisfatória para a situação. Fazendo uma analogia dramática, mas que seria usada com frequencia pelos críticos e adversários de Israel nos anos seguintes, Truman usou um emissário para informar Ben Gurion, ministro da Defesa de Israel e seu patrono, para registrar uma mudança em sua visão do problema naquela região que ia muito além de uma simples querela diplomática. Truman mandou dizer que "agora estava inclinado a apoiar os árabes, da mesma forma que anterioramente havia suportado a causa sionista porque tinha simpatia com com os refugiados judeus, sobreviventes do Holocausto." ("1949 – the first israelis," de Tom Segev, página 35 e seguintes).

O mesmo Tom Segev, historiador registra a reação de Ben Gurion a mensagem do presidente dos EUA. Em seu diário, Ben Gurion sustenta que Israel foi criado por conta própria e não deve satisfação a ninguém – nem a aliados internacionais, nem a ONU. "O Estado de Israel não foi estabelecido como consequencia da resolução da ONU," escreve ele. Mais adiante: "a América não levantou um dedo para nos salvar..." Ainda: "não existem refugiados – mas combatentes que querem nos destruir (...) nos exterminar uma segunda vez." E ainda: "nossa autopreservação é mais importante para nós do que a obediência" aos Estados Unidos.

O que se construiu, ao longo dos anos seguintes, foi uma visão mitológica de Israel, avalia o estudioso Geoffrey Wheatcroft, no livro "The Controversy of Zion." Analisando um histórico que envolveu várias formas de perseguição, como progroms na antiga Russia, sem falar no Holocausto, Wheatcroft lembra que "é claro que Israel deu aos judeus um novo sentido de orgulho e auto-respeito." Mas adverte: "sem apoio do Ocidente, Israel não poderia sobreviver." Investigando essa contradição, Wheatcroft lembra duas questões. Se o nacionalismo judaico ajudou a emancipar os judeus como homens "donos de seu destino", a criação de Israel se fez na "dependência e generosidade" norte-americana, situação que ajuda a compreender traços que define como "paranóicos" no discurso político israelense.

Há um aspecto curioso nessa dependência em relação aos Estados Unidos, contudo. Envolve uma ajuda militar entre 3 e 5 bilhões de dólares por ano mas não pode ser descrita como uma clássica relação do tipo metrópole-colonia. Os interesses israelenses tem uma presença descomunal na política interna norte-americana.

Desde a guerra pelo Canal de Suez, em 1957, quando mostrou sua importância para enfrentar a resistência dos países árabes, Israel tornou-se a nação amiga dos países ocidentais numa região hostil a exploração imperial do petróleo. Este é seu papel e sua função geopolítica. Mas, se Harry Trumann já havia encontrado problemas com a política de Israel em relação aos vizinhos, o republicano Dwight Einsenhower também encontrou os seus. Explorando a divisão de poderes, lobistas israelenses fizeram uma fortaleza no Congresso americano, graças a um sistema político favorável a intervenção de grandes interesses. Não só não há limites para contribuições privadas em eleições. Também não há verbas públicas para o funcionamento de gabinetes dos parlamentares, que dependem, assim, de amizades endinheiradas para pagar assessores – oferecidos pelas grandes empresas – para tocar boa parte de seus gabinetes. O saldo é que os lobistas de Israel tem a maior organização de Washington, e só perdem para a NRA, a associação dos fabricantes de armas. Embora a população judia dos Estados Unidos represente pouco mais de 2,2% da população, seus lobistas têm 50 milhões de dólares por ano para gastar. Na década passada, venceram por 60 a 0 uma disputa no Senado. Conforme um levantamento da insuspeita revista Economist, sua única derrota relevante ocorreu na década de 1950. Naquela época, o secretário John Foster Dulles, chegou a dizer, ironicamente, que não se considerava inimigo dos judeus "mas não podemos ter nossas políticas feitas em Jerusalém."

A historiadora brasleira Arlene Clemesha já registrou que os Estados Unidos usaram seu poder de veto mais de 40 vezes para impedir a aprovação de resoluções desfavoráveis a Israel no Conselho de Segurança da ONU. Ela lembra:

"Por que duvidar que a manutenção do conflito israelo-palestino não seja do interesse dos Estados Unidos? Lobistas em Washington pouco poder teriam se suas posições não estivessem em frequente acordo com interesses dos sucessivos governos norte-americanos."

Esta é a questão. Falar em anões é só um disfarce.

Mídia Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 10:35:21 +0000 http://www.brasil247.com/147938
Queda de avião matou 118, confirma Hollande http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147957 : Presidente francês afirmou, em um breve discurso televisivo, que não há sobreviventes entre os destroços do avião da Air Algérie, que caiu no Mali nesta quinta-feira; entre os mortos, havia 50 franceses; "Infelizmente não há nenhum sobrevivente", informou François Hollande; "Uma caixa-preta foi encontrada e enviada para Gao", no norte do país africano, acrescentou;  mau tempo foi a causa provável do acidente <br clear="all"> :

247, com Agência Lusa

O presidente francês, François Hollande, afirmou nesta sexta-feira 25 que uma caixa-preta do avião da Air Algérie, que caiu no Mali, foi recuperada. Ele reiterou que não há "nenhum sobrevivente" entre os destroços.

"Infelizmente não há nenhum sobrevivente", informou Hollande num breve discurso televisivo. "Uma caixa-preta foi encontrada e enviada para Gao", no norte do Mali, para militares franceses que mantêm a zona segura, indicando ainda que a caixa preta deverá ser examinada o mais rapidamente possível.

O avião da Air Algérie caiu na manhã de quinta-feira com 118 pessoas a bordo, 50 delas cidadãos franceses, menos de uma hora após decolar de Ouagadougou, a capital de Burkina Faso, em direção a Argel, capital argelina. A informação divulgada anteriormente foi de que ele levava 116 pessoas.

"Segundo informações, os destroços do avião estão concentrados num espaço limitado mas ainda é cedo para tirar conclusões. Existem hipóteses de influência climática, mas não afastamos nenhuma hipótese até sabermos os resultados da investigação", continuou o presidente francês.

A equipe espanhola que pilotava o avião tinha avisado que mudaria de rota "devido a condições meteorológicas particularmente difíceis", indicou ontem o chefe de Estado.

"O Gabinete de Inquéritos sobre Acidentes, vinculado ao Ministério dos Transportes, também enviou peritos para o local que vão conduzir as investigações necessárias", acrescentou Hollande.

Mau tempo foi a causa provável da queda de avião da Air Algerie, dizem autoridades

Por Chine Labbé

PARIS (Reuters) - O mau tempo foi provavelmente a causa da queda do voo da Air Algerie no Mali, no oeste da África, no qual morreram todas as 116 pessoas a bordo, disseram autoridades francesas nesta sexta-feira.

Investigadores no local do desastre no norte do Mali concluíram que o avião se partiu quando atingiu o solo, disseram, sugerindo que isso indica ser improvável ter sido alvo de um atentado.

"Soldados franceses que estão na área começaram a investigação. Infelizmente não há sobreviventes", disse o presidente francês, François Hollande, a repórteres nesta sexta-feira.

Uma coluna de 100 soldados e 30 veículos das forças francesas estacionadas na região chegou ao local na manhã desta terça-feira para proteger a área da queda, perto da cidade de Gossi, no norte malinês, e recuperar os corpos, informou uma autoridade do Ministério da Defesa.

Hollande disse que uma das caixas-pretas com os dados do voo já havia sido encontrada e será analisada rapidamente.

"Os destroços do avião estão concentrados em uma área pequena, mas ainda é muito cedo para tirar conclusões", declarou Hollande sobre a aeronave, que levava 51 cidadãos franceses e se espatifou perto de Burkina Fasso, de onde partira.

"Há teorias, especialmente o tempo, mas nós não estamos excluindo nenhuma teoria", acrescentou.

Autoridades da aviação perderam contato com o voo AH5017 menos de uma hora depois de decolar rumo à Argélia, por volta de 1h55 GMT (22h55 em Brasília) na terça-feira, depois que o piloto fez uma solicitação de mudança de curso por causa do mau tempo.

(Reportagem adicional de Mark John e John Irish em Paris, Joe Bavier em Dacar e Paul Day em Madri)


Mundo Gisele Federicce Fri, 25 Jul 2014 11:45:49 +0000 http://www.brasil247.com/147957
Queda de viaduto pode causar prejuízo de R$ 10 mi http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/147958 : SÃO PAULO,SP,03.07.2014:DESABAMENTO-VIADUTO - Equipes trabalham durante a madrugada desta sexta-feira (4), no local em que um viaduto desabou na Avenida Pedro I, próximo à Lagoa do Nado, região da Pampulha, em Belo Horizonte, MG. Dois caminhões, um c O desabamento do Viaduto Batalha dos Guararapes, em Belo Horizonte, que deixou dois mortos, e a demolição causarão um prejuízo de, no mínimo, R$ 10 milhões; a estimativa é do Ministério Público Estadual, com base em valores dos contratos firmados pela prefeitura da capital mineira; segundo a promotoria de Defesa do Patrimônio Público, "quem for o culpado terá de arcar com esse custo e a responsabilidade civil pode ser repartida por vários envolvidos com o projeto e a obra" <br clear="all"> : SÃO PAULO,SP,03.07.2014:DESABAMENTO-VIADUTO - Equipes trabalham durante a madrugada desta sexta-feira (4), no local em que um viaduto desabou na Avenida Pedro I, próximo à Lagoa do Nado, região da Pampulha, em Belo Horizonte, MG. Dois caminhões, um c

Minas 247 – O desabamento do Viaduto Batalha dos Guararapes, em Belo Horizonte, e a demolição causarão um prejuízo de, no mínimo, R$ 10 milhões. A estimativa é do Ministério Público Estadual, com base em valores dos contratos firmados pela prefeitura da capital mineira. A queda da estrutura, no dia 3 deste mês, deixou dois mortos e 23 feridos.

"Quem for o culpado terá de arcar com esse custo e a responsabilidade civil pode ser repartida por vários envolvidos com o projeto e a obra", diz o promotor de Defesa do Patrimônio Público Eduardo Nepomuceno. De acordo com ele, o plano de demolição deverá ficar pronto em 20 dias. "O prejuízo pode ser maior, se encontrarmos superfaturamento ou erros na execução do projeto", acrescenta.

A Cowan, responsável pela demolição das obras, decidiu bancar o custo da demolição mesmo sem assumir qualquer responsabilidade pelo incidente, segundo o promotor. A burocracia estatal poderia atrasar essa providência. "Se o município fosse fazer o procedimento, iria demorar pelo menos 90 dias. Na iniciativa privada, isso ocorre bem mais rapidamente", afirma.

O promotor diz que ainda não está definido se outro viaduto será construído no local. "É prudente esperar o laudo (pericial, que está sendo feito pela Polícia Civil) para decidir reconstruir ou não. Ele pode indicar que não é viável construir outro", observa.

Segundo laudo técnico encomendado pela Cowan, a alça sul desabou porque o projeto executivo, feito pela Consol Engenheiros Consultores, tem erros de cálculo. A quantidade de aço no bloco de concreto que ficava sob um dos pilares da obra foi de apenas 10% do necessário para sustentar a estrutura. E as 10 estacas fincadas no bloco tinham capacidade para sustentar 2,5 mil toneladas, mas ficaram submetidas a um peso de 3.034 toneladas.

Minas 247 Leonardo Lucena Fri, 25 Jul 2014 11:49:38 +0000 http://www.brasil247.com/147958
Folha faz nova denúncia sobre aeroporto em Minas http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/147900 : Após acusar Aécio Neves de gastar R$ 14 milhões do governo de Minas para construir aeroporto em terreno da família, jornal de Otavio Frias diz que o hoje presidenciável tucano abriu caminho para que seu tio-avô resolva pendência judicial em ação por ter feito pista de pouso em sua fazenda nos anos 80 com recursos públicos; ao desapropriar terreno bloqueado na Justiça, ele ganhou o direito de receber do Estado pelo menos R$ 1 milhão de indenização pela área; colunista Chico de Gois, do Globo, também aponta que Aécio reformou pista em Montezuma, onde seu pai, o ex-deputado federal Aécio Cunha, fundou uma agropecuária <br clear="all"> :

247 – Desde domingo, o presidenciável tucano Aécio Neves tem sido questionado por denúncia da ‘Folha de S. Paulo’ sobre suposto uso da máquina pública como governador de Minas Gerais para construir aeroporto em terras de sua família.

Ele teria gasto R$ 14 milhões em seu segundo mandato na obra em Cláudio (MG), mas alega que o terreno de seu tio-avô fora desapropriado para o fim.

Nesta sexta-feira, o jornal de Otavio Frias faz nova denúncia e aponta que, ao desapropriar a área, favoreceu o fazendeiro Mucio Tolentino em uma pendência judicial que se arrasta há mais de uma década.

O fazendeiro é réu numa ação movida pelo Ministério Público estadual que o obriga devolver aos cofres públicos o dinheiro gasto pelo Estado na construção de uma pista de pouso existente no local antes de o aeroporto ser feito pelo governo de Aécio.

Desde então, a área foi bloqueada para venda na Justiça. Com a desapropriação, feita sete anos depois, ele ganhou o direito de receber do Estado pelo menos R$ 1 milhão de indenização (leia aqui).

O colunista Chico de Gois também aponta que o governo de MG, na gestão do tucano, reformou pista em Montezuma, onde seu pai, o ex-deputado federal Aécio Cunha, fundou uma agropecuária. 

O governo de Minas informou que o aeroporto foi construído há 30 anos e, nos últimos 12, passou por melhorias. A última custou R$ 309 mil para “melhorias na pista de pouso existente”. O governo sustenta ainda que Montezuma “está situada em uma das regiões mais pobres do estado e tem como principal eixo estratégico para o seu desenvolvimento a atividade turística a ser desenvolvida a partir do balneário de água quente”.

Minas 247 Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 07:11:18 +0000 http://www.brasil247.com/147900
Tucanos apoiam posição brasileira em Gaza http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147899 : Campanha do presidenciável Aécio Neves (PSDB) aprovou posição do Itamaraty contra a ofensiva de Israel na faixa de Gaza; responsável pelo programa de política externa do tucano, o embaixador Rubens Barbosa diz que o país deve se manter firme em favor da criação do Estado palestino e da negociação pelo fim do confronto armado <br clear="all"> :

247 – Adversário da presidente Dilma Rousseff nas urnas, o presidenciável tucano Aécio Neves validou a posição do governo contra o massacre promovido por Israel em Gaza.

Segundo o colunista Bernardo Mello Franco, o responsável pelo programa de política externa do tucano, o embaixador Rubens Barbosa diz que o Brasil deve se manter firme em favor da criação do Estado palestino e da negociação pelo fim do confronto armado.

Ele reprovou a reação de Israel, que chamou o Brasil de "anão diplomático". "Sabemos que não somos anões e o Itamaraty deveria ter ignorado essa afirmação. Mas o ministro Figueiredo preferiu responder...", comentou. Barbosa diz apenas que o governo pecou ao não condenar o lançamento de foguetes pelo Hamas, para demonstrar “equilíbrio” na questão.

Trata-se de uma viravolta nas relações entre o PSDB com as relações exteriores dos governos do PT. Em 2010, José Serra atacou duramente a política de Lula para o Oriente Médio.

 

Poder Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 06:38:43 +0000 http://www.brasil247.com/147899
Brasil articula nota do Mercosul contra Israel http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147898 : Após censurar os abusos cometidos pelo governo de Benjamin Netanyahu na Faixa de Gaza, Brasil usa liderança no continente para emitir declaração em comum com líderes dos cinco países que compõem o Mercado Comum do Sul (Mercosul) condenando uso desproporcional da força por Israel; grupo se reúne na 46ª Cúpula do bloco, marcada para a próxima terça-feira (29), em Caracas, Venezuela; articulação é mais uma resposta do governo brasileiro contra a chancelaria de Israel que chamou o Brasil de "anão diplomático" <br clear="all"> :

247 – Após assumir dianteira na censura contra os abusos cometidos por Israel na Faixa de Gaza, o Brasil articula posição do Mercosul contra o país de Benjamin Netanyahu.

O tema será discutido pelos líderes dos cinco países que compõem o Mercado Comum do Sul (Mercosul), na 46ª Cúpula do bloco, marcada para a próxima terça-feira (29), em Caracas, Venezuela.

O governo Dilma e o Itamaraty divulgaram notas condenando "energicamente o uso desproporcional da força" por Israel em conflito na Faixa de Gaza. O massacre já matou 700 palestinos em Gaza, a maioria civis. As declarações foram hostilizadas pelo país.

Em resposta, o ministro Luiz Alberto Figueiredo rebateu comentário feito pela chancelaria de Israel de que o Brasil é um "anão diplomático": "Somos um dos 11 países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU e temos um histórico de cooperação pela paz e ação pela paz internacional. Se há algum anão diplomático, o Brasil não é um deles", afirmou.

Mundo Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 06:26:47 +0000 http://www.brasil247.com/147898
'Dilma Bolada' pode entrar na campanha de Dilma http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/147896 R.Stuckert: Brasília - DF, 27/09/2013. Presidenta Dilma Rousseff durante encontro com Jeferson Monteiro criador do Dilma Bolada. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR. Perfil do personagem satírico sobre a presidente Dilma Rousseff, que contava com 1,5 milhão de seguidores no Facebook, foi retirado do ar por seu criador, desanimado com “hostilidades na internet em período eleitoral”; integrantes do comitê presidencial sinalizaram possibilidade de contratação de Jeferson Monteiro para a campanha de Dilma e, assim, trazer ‘Dilma Bolada’ de volta <br clear="all"> R.Stuckert: Brasília - DF, 27/09/2013. Presidenta Dilma Rousseff durante encontro com Jeferson Monteiro criador do Dilma Bolada. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

247 – O governo Dilma Rousseff quer reverter a decisão de Jeferson Monteiro de tirar a ‘Dilma Bolada’ da internet. Perfil do personagem satírico sobre a presidente Dilma contava com 1,5 milhão de seguidores no Facebook mas foi retirado do ar por seu criador.

Ele alegou a escalada de hostilidades na internet em período pré-eleitoral pela tomada da decisão: “Entramos no período eleitoral e esse ano não vai ser mole. Há alguns dias foi liberada a campanha e é muito ruim saber que você pode fazer a diferença mas ver que está quase sozinho no meio de uma tormenta que é a internet, e que tem tudo para piorar conforme 05/10 se aproximar”.

Integrantes do comitê presidencial querem reanimar um projeto de contratação de Monteiro para a campanha de Dilma e, assim, trazer ‘Dilma Bolada’ de volta. Recentemente, ele disse que nunca recebeu nada pelo perfil, mas que atuaria na campanha desde que tivesse liberdade para criar.

Leia aqui a reportagem de Natuza Nery sobre o assunto.

Mídia Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 05:53:11 +0000 http://www.brasil247.com/147896
Vice do PSB, Marina cobra apurações sobre suborno http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/147895 : Ex-senadora Marina Silva, vice na chapa de Eduardo Campos (PSB), comentou denúncia do deputado José Augusto Maia (Pros-PE), que afirma ter recebido oferta de "vantagem financeira" em troca de apoio político a Paulo Câmara: "Se existe uma denúncia, existe um processo de investigação. Essa é a minha posição e a do Eduardo" <br clear="all"> :

247 - Candidata a vice na chapa à Presidência de Eduardo Campos (PSB), a ex-senadora Marina Silva, defendeu nesta quinta-feira (24) uma investigação sobre a denúncia de compra de apoio político para o candidato do partido ao governo de Pernambuco, Paulo Câmara.

"Se existe uma denúncia, existe um processo de investigação. A Justiça Eleitoral está aí para fazer a investigação, então toda e qualquer denúncia deve ser investigada e apurada. Essa é a minha posição e a do Eduardo", disse Marina.

O deputado José Augusto Maia (Pros-PE) afirmou ter recebido oferta de "vantagem financeira" para que seu partido integrasse a coligação de Câmara.

Pernambuco 247 Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 05:51:08 +0000 http://www.brasil247.com/147895
Pezão para Dilma: "nada vai nos separar" http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/147894 Ichiro Guerra/ PT: Governador do Rio de Janeiro, Luiz Pezão (PMDB), que vai disputar o governo do Estado em chapa que divide palanque com os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e o Pastor Everaldo (PSC), reuniu 62 prefeitos em ato pela presidente Dilma Rousseff na Baixada Fluminense: “Nossa aliança está acima dessas questões partidárias. A senhora foi uma das maiores amizades que diz na política, e nada vai nos separar”; por sua vez, Dilma exaltou a parceria com a gestão de Sérgio Cabral e não poupou elogios ao atual governador: "Descobri no Pezão uma grande humanidade. Tem uma característica que para nós é imprescindível, sem a qual não conseguiríamos governar" <br clear="all"> Ichiro Guerra/ PT:

247 – A presidente Dilma Rousseff deu o pontapé inicial de sua campanha para a reeleição no Rio de Janeiro ao lado do governador Pezão (PMDB), alvo de disputa com o presidenciável tucano Aécio Neves. Acompanhada pelo vice-presidente, Michel Temer, Dilma foi recebida em um jantar com 62 prefeitos e ex-prefeitos do Estado no município de São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Em um discurso de 32 minutos, a presidente ressaltou a parceria política e estratégica do governo federal com o governo do Rio, iniciada durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-governador Sérgio Cabral, que, segundo ela, proporcionou ao estado a retomada de setores econômicos fundamentais, como o de estaleiros, além de ter propiciado a conclusão de projetos viários importantes, como o Arco Rodoviário e o Bus Rapid Transport (BRT) Transcarioca, inaugurados recentemente.

Quanto ao governador, Dilma não poupou elogios: "Descobri no Pezão uma grande humanidade. Tem uma característica que para nós é imprescindível, sem a qual não conseguiríamos governar", disse a presidente.

Por sua vez, Pezão, que vai disputar o governo do Estado em chapa que forma aliança com 17 partidos e que, além de Aécio, também apoia o presidenciável Pastor Everaldo (PSC), reafirmou fidelidade à petista: “Nossa aliança está acima dessas questões partidárias. A senhora foi uma das maiores amizades que diz na política, e nada vai nos separar”.

A presidente conta com quatro candidatos de sua base no Estado. Além de Pezão e do senador Lindberg Farias (PT), o senador Marcelo Crivella (PRB) e o deputado Anthony Garotinho (PR) declararam apoio à petista.

Rio 247 Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 05:26:45 +0000 http://www.brasil247.com/147894
ONU cita Bolsa Família como exemplo para o IDH http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/147893 : Segundo o relatório para o Desenvolvimento Humano, da Organização das Nações Unidas, desde 2008, o programa da gestão do PT suavizou os efeitos negativos da crise internacional sobre o poder de compra dos mais pobres e trouxe benefícios de longo prazo uma vez que as famílias, para receberem o benefício, precisam manter os filhos na escola; segundo o estudo, o Bolsa Família contribuiu com 20% a 25% da redução da desigualdade no país em 2008 e 2009, ao custo de 0,3% do PIB  <br clear="all"> :

247 – O Relatório para o Desenvolvimento Humano, da Organização das Nações Unidas, divulgado nesta semana, apresenta os programas Bolsa Família, do Brasil, e Oportunidades, do México, são exemplos de políticas em que todos ganham.

Para a ONU, desde 2008, as iniciativas suavizaram os efeitos negativos da crise internacional sobre o poder de compra dos mais pobres e trouxeram benefícios de longo prazo uma vez que as famílias, para receberem o benefício, precisam manter os filhos na escola.

Segundo o estudo, o Bolsa Família contribuiu com 20% a 25% da redução da desigualdade no país em 2008 e 2009, ao custo de 0,3% do PIB (Produto Interno Bruto).

Outro ponto destacado é o aumento do salário mínimo: “O aumento do salário mínimo foi uma resposta à crise no Brasil e contribuiu para aumentar os salários e a distribuição de renda”.

Brasil Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 05:25:15 +0000 http://www.brasil247.com/147893
Líder tucano pede a Janot revisão sobre Pasadena http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/147890 : Para o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), arquivamento da apuração de supostas irregularidades praticadas pelo Conselho de Administração da Petrobras na compra da refinaria de Pasadena foi no mínimo, precipitado: "A decisão veio antes mesmo da conclusão dos trabalhos das duas comissões parlamentares de inquérito sobre o caso atualmente em andamento no Congresso Nacional"; tucano afirma que nas próximas semanas, serão ouvidos em depoimento diretores da estatal na época do negócio, "personalidades que certamente poderão trazer novas informações que podem contradizer a decisão do procurador-geral" <br clear="all"> :

247 - O líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), vai entrar com uma representação junto à Procuradoria-Geral da República solicitando que seja revisto o arquivamento da apuração de supostas irregularidades praticadas pelo Conselho de Administração da Petrobras na compra da refinaria de Pasadena, nos EUA. O conselho era presidido por Dilma Rousseff à época e aprovou por unanimidade a polêmica operação.

Para Imbassahy, o arquivamento foi, no mínimo, precipitado: “A decisão veio antes mesmo da conclusão dos trabalhos das duas comissões parlamentares de inquérito sobre o caso atualmente em andamento no Congresso Nacional. Nas próximas semanas, por exemplo, serão ouvidos em depoimento justamente os diretores da Petrobras na época do negócio que foram responsabilizados ontem pelo TCU. São personalidades que certamente poderão trazer novas informações que podem contradizer a decisão do procurador-geral”.

Segundo ele, todo esse processo que a Petrobras está atravessando nos últimos anos deixa os brasileiros perplexos e indignados. “Não se trata somente de uma operação financeira desastrada, mas de uma estatal brasileira afogada em denúncias com fortes indícios de superfaturamentos e corrupção, como ocorre não apenas em Pasadena, mas nas refinarias de Abreu e Lima, Comperj e quase todas as obras da Petrobras em curso. Esses fatos não podem ser relegados a um segundo plano”.

Bahia 247 Roberta Namour Fri, 25 Jul 2014 05:32:15 +0000 http://www.brasil247.com/147890
Alta produção levanta ação da Petrobras em 72% http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147853 : Papéis da estatal atingem valor mais alto em 22 meses; pico de R$ 21,05, nesta semana, representou alta de 72% sobre pior cotação no ano, de R$ 11,81, em março; além da especulação feita em torno das pesquisas eleitorais, agora investidores reconhecem que elevação para 1,95 milhão de barris/dia de petróleo extraídos pela estatal no País garante ótimos resultados financeiros; da área do pré-sal já saem mais de 500 mil barris/dia nos primeiros poços; "É a Harvard das águas profundas", comparou, elogiando, o banco Credit Suisse; JP Morgan e Goldman Sachs também recomendam compra dos papéis em razão de "crescimento consistente" na produção; presidente Graça Foster comemora: "Aqui dentro temos uma espécie de mantra: produção, produção e produção", diverte-se ela <br clear="all"> :

247 – O mercado está devolvendo, e rapidamente, toda a sangria provocada de maneira especulativa sobre as ações da Petrobras. Esse retorno já está na casa dos 72% de valorização do papel da estatal brasileira desde o piso em que se encontrava no pregão do dia 17 de março, quando valia apenas R$ 11,81, no seu pior momento histórico. Nesta semana, atingiu o pico de R$ 21,05. Foi o maior valor histórico do papel da petrolífera desde o dia 14 de setembro de 2012, vinte e dois meses atrás. O fechamento nesta quinta-feira 24 ficou em R$ 20,31, com valorização de 0,25% sobre a véspera.

Desta vez, o motivo da forte maré de alta das ações da Petrobras não está na  especulação dos investidores em torno de pesquisas de opinião. Os grandes operadores da Bolsa de Valores jogaram quantias pesadas na fuga do papel no ano passado. A partir de março, correram a fazer pesadas compras, ao sabor de boas notícias nas pesquisas eleitorais para a oposição, o que levou o preço da ação subir com o crescimento de expectativa sobre um segundo turno.

O que faz a ação subir, agora, é um motivo muito mais robusto e adequado ao julgamento de uma companhia pelo mercado: seus resultados. No caso da Petrobras, os players do mercado de ações se renderam ao fato de a companhia ser a única, em todo o mundo, a aumentar sua produção de petróleo nos últimos seis anos. Com atuais 1,95 milhão de barris produzidos diariamente, a Petrobras já retira, desde o final de junho, mais de meio milhão de barris diários exclusivamente de poços na área do pré-sal, confirmando projeções de um universo de 13 bilhões de barris.

Importantes analistas de mercado convergem para avaliações em tudo positivas sobre a decisão estratégica da presidente Graça Foster, da Petrobras, de dar prioridade à busca por petróleo. O Credit Suisse, em relatório a investidores, chamou o pré-sal de Harvard das águas profundas”, reconhecendo a riqueza que a estatal preservou, em leilões, para si própria, nos contratos de concessões compartilhadas. Goldman Sachs, JP Morgan e Bradesco passaram a recomendar a compra dos papéis da estatal, registrando o crescimento consistente do aumento da produção.

- Aqui temos uma espécie de mantra: produção, produção, produção, disse Graça ao 247, em entrevista com jornalistas da mídia internet, na comemoração promovida pela companhia para a retirada superior a 500 mil barris/dia no pré-sal.

- Sabemos que produzir mais é o presente e o futuro dessa empresa. Cobro os diretores todos os dias, desde a primeira hora em que entram na minha sala. A marca de meio milhão de barris diários no pré-sal é histórica, e muitas outras virão. Nossas reservas comprovadas no pré-sal são de pelos menos 13 bilhões de barris, assinala a presidente.

O mercado não deixou de registrar que a companhia garantiu junto ao governo direitos exploratórios sobre áreas do pré-sal que não foram licitadas no primeiro momento. A companhia não irá precisar tomar empréstimos e aumentar seu endividamento para fazer os investimentos necessários na exploração dos atuais e novos poços.

- Estamos entrando num círculo virtuoso, no qual quanto mais produzimos, mais faturamos e mais temos capacidade de investir.

Acima dos ataques especulativos provocados pela disputa presidencial, a Petrobras está mostrando resultados de uma solidez estratégica que o mercado não tem como não aplaudir.

Nós estávamos certos, sabíamos que estávamos.

Economia Aline Lima Thu, 24 Jul 2014 18:15:02 +0000 http://www.brasil247.com/147853
Constantino e Reinaldo apoiam Israel e veem Brasil como anão http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/147854 : Para o Menino Maluquinho de Veja, Rodrigo Constantino, "o Itamaraty virou um braço ideológico" do PT, "sempre do lado errado nas disputas internacionais"; Reinaldo Azevedo, que também defende a tese do governo israelense de que o Brasil é um "anão diplomático", afirma que nota emitida ontem pelo governo brasileiro, que declarou "inaceitável" a escalada de violência entre Israel e Palestina, foi uma afronta ao governo israelense <br clear="all"> :

247 – O Menino Maluquinho de Veja, Rodrigo Constantino, concorda com o governo israelense na tese de que o Brasil é um "anão diplomático". A opinião foi emitida por meio da chancelaria israelense após nota do Itamaraty que declarou como "inaceitável" a escalada de violência entre Israel e Palestina e "desproporcional" a força do exército israelense (leia mais).

"O ministério israelense está certo! O Brasil, sob o comando do PT, virou mesmo um 'anão diplomático'. O Itamaraty virou um braço ideológico do partido, sempre do lado errado nas disputas internacionais. Os exemplos são infindáveis e preencheriam um livro todo (que, aliás, deveria ser escrito por algum diplomata corajoso)", escreveu o colunista.

Constantino diz ainda que, quando se trata de questões externas, o governo brasileiro é tão "incompetente e ideológico" como nas questões internas. "O estrago tem sido enorme. Ninguém sério nos leva mais a sério. O Brasil virou piada de salão, um país que emite opinião apenas para defender a escória internacional", atacou.

Sobre o conflito que já deixou 700 mortos do lado palestino e cerca de 40 do lado de Israel, ele condena o termo "desproporcional" usado pelo governo brasileiro e diz que o Brasil não cita, em sua nota, os mísseis lançados pelos terroristas do Hamas. "O tom é totalmente contra Israel, como se fosse um país invasor e colonizador, sem motivo algum para entrar em Gaza e perseguir os membros do Hamas".

Reinaldo Azevedo, também do lado do governo de Benjamin Netanyahu, diz que, "de A a Z, a política externa brasileira percorreu todos os verbetes da indignidade", mas que "o auge da estupidez" está na nota emitida nesta quarta-feira pelo Itamaraty, segundo ele, "um verdadeiro repto contra Israel". O colunista também chama o comunicado do governo brasileiro de "vergonha da história".

"Os israelenses reagiram com dureza e fizeram muito bem. Um país que luta contra inimigos poderosos não tem tempo para palhaçadas", defende Reinaldo Azevedo, sobre forças armadas que hoje atacaram pela segunda vez uma escola da ONU deixando 15 mortos, inclusive crianças e funcionários das Nações Unidas, além de um hospital nessa semana.

A resposta de Israel, de que o Brasil "escolheu ser parte do problema em vez de parte da solução", para Azevedo, "é uma reação à altura da indignidade da nota emitida pelo Brasil".

Na ofensiva em Gaza, Israel bombardeou um hospital, uma escola da ONU e será alvo de investigação das Nações Unidas em razão dos crimes de guerra cometidos por Benjamin Netanyahu.

Mídia Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 17:32:13 +0000 http://www.brasil247.com/147854
“Estamos desiludidos com a posição do Brasil” http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147858 : Declaração é do cônsul-geral de Israel em São Paulo, Yoel Barnea; comunidade israelita no País também rejeita o que chama de "abordagem unilateral" do Itamaraty e critica influência política brasileira, que condenou operação 'Margem Protetora' <br clear="all"> :

Patrícia Dichtchekenian, Opera Mundi - "Nós lamentamos e estamos muito desiludidos com a posição do Brasil", afirmou a Opera Mundi o cônsul-geral de Israel em São Paulo, Yoel Barnea, em entrevista por telefone, nesta quinta-feira (24/07). A declaração vem um dia após o Itamaraty voltar a criticar a ofensiva de Tel Aviv na Faixa de Gaza, que já deixou 725 mortos do lado palestino.

"O comunicado é muito parcial e não se refere de jeito nenhum ao lado israelense, aos milhares de mísseis que foram lançados contra Israel nos últimos dias", critica Barnea. "Além disso, não cita o Hamas e a sua vontade de assassinar o maior número de israelenses possíveis. Estamos falando de um organismo terrorista que tem como intenção destruir o Estado de Israel", completa.

Ontem, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro condenou "energicamente o uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza", alertou para o "elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças", reiterou um "imediato" cessar-fogo e chamou para consultas o embaixador do país em Tel Aviv, Henrique Sardinha Filho.

"Lamentamos o Brasil ter retirado o embaixador em Tel Aviv. Nenhum país europeu, nem árabe, fez isso. Dos vizinhos, só Equador", assinala o cônsul-geral. "Temos uma relação de amizade, mas se o Brasil gostaria de ter influência e contribuir para a paz, ele deveria ter uma política de visão mais equilibrada, levando em conta as necessidades dos dois lados, em vez de ignorar alguns importantes fatos no Oriente Médio", acrescenta.

Na mesma linha, a Conib (Confederação Israelita do Brasil) manifestou indignação com a "abordagem unilateral" tomada pelo Itamaraty. Em comunicado, o órgão lamenta que a chancelaria brasileira "exime o grupo terrorista Hamas de responsabilidade" no atual panorama.

"Com uma abordagem que poupa de críticas um grupo que oprime a população de Gaza e persegue diversas minorias, o Brasil mina sua legítima aspiração de se credenciar como mediador no complexo conflito do Oriente Médio", critica a nota.

Hoje, fontes do Ministério da Saúde na Faixa de Gaza afirmam que pelo menos 15 pessoas morreram após um tanque israelense atacar uma escola da ONU, representando a quarta vez que uma instalação da organização é atingida desde que foi lançada, há 17 dias, a operação "Margem Protetora", que já deixou mais de 725 mortos do lado palestino e 37 baixas entre israelenses.

Após a ofensiva, o Exército de Tel Aviv emitiu um comunicado assegurando que está "revisando" o incidente e ressaltou que o ataque pode ter sido causado por um foguete lançado de Gaza, território controlado pelo Hamas e cujo braço armado combate Israel.

Mundo Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 17:43:52 +0000 http://www.brasil247.com/147858
Chanceler rebate Israel: "se há anão, não é o Brasil" http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147837 : Ministro Luiz Alberto Figueiredo rebate comentário feito pela chancelaria de Israel de que o Brasil é um "anão diplomático"; "Somos um dos 11 países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU e temos um histórico de cooperação pela paz e ação pela paz internacional. Se há algum anão diplomático, o Brasil não é um deles", afirmou; com o comentário, Israel rebatia gesto diplomático do Brasil contra ataques que já mataram 700 palestinos em Gaza, a maioria civis; nesta quinta-feira, disparo contra uma escola da ONU deixou 15 mortos, inclusive crianças; dentre elas, um bebê de um ano <br clear="all"> :

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, rebateu nesta quinta-feira as declarações do porta-voz da chancelaria de Israel que teria chamado o Brasil de "anão diplomático" ao criticar a decisão do país de chamar para consultas seu embaixador em Tel Aviv por causa do conflito na Faixa de Gaza.

Em evento em São Paulo, o ministro também rebateu nota da chancelaria israelense que afirmou que a decisão brasileira ignorava o direito de Israel de se defender.

"Somos um dos 11 países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU e temos um histórico de cooperação pela paz e ação pela paz internacional. Se há algum anão diplomático, o Brasil não é um deles", disse o ministro a jornalistas.

"Mas não contestamos o direito de Israel de se defender, jamais contestamos isso. O que contestamos é a desproporcionalidade das coisas", acrescentou.

Na noite de quarta-feira, o Itamaraty divulgou nota em que considera "inaceitável" a escalada da violência em Gaza e condena "energicamente o uso desproporcional da força por Israel" no conflito, que já matou 747 palestinos. Na mesma nota, o Brasil anunciou que chamou seu embaixador em Tel Aviv para consultas.

O Ministério das Relações Exteriores israelense reagiu em nota, declarando-se "desapontado" com a decisão do governo brasileiro que, segundo o órgão, "não reflete o nível das relações entre os dois países e ignora o direito de Israel se defender".

O documento afirma ainda que a atitude brasileira não contribui para promover "a calma e a estabilidade" no Oriente Médio e que dá "vento favorável" ao terrorismo, além de "naturalmente afetar a capacidade do Brasil de exercer influência".

"Israel espera apoio de seus amigos em sua luta contra o Hamas, que é reconhecido como uma organização terrorista por muitos países ao redor do mundo", afirma o documento divulgado no site do Ministério de Relações Exteriores de Israel.

Além da nota da chancelaria, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, disse, segundo a imprensa israelense, que a decisão do Brasil de chamar seu embaixador para consultas é uma demonstração das razões que levam o Brasil, apesar de ser "um gigante econômico e cultural, permanecer um anão diplomático".

(Por Eduardo Simões; Edição de Maria Pia Palermo)

Artilharia de Israel mata ao menos 15 pessoas em abrigo da ONU em Gaza

Por Nidal al-Mughrabi

GAZA (Reuters) - Pelo menos 15 pessoas foram mortas e muitas ficaram feridas nesta quinta-feira, após forças israelenses terem disparado fogo de artilharia contra uma escola administrada pela ONU que abrigava refugiados palestinos no norte de Gaza, disse um porta-voz do ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al-Qidra.

O diretor de um hospital local disse que vários centros médicos ao redor de Beit Hanoun estavam recebendo os feridos.

"Tal massacre exige mais do que um hospital para lidar com a situação", disse Ayman Hamdan, diretor do hospital de Beit Hanoun.

Um fotógrafo da Reuters no local disse que poças de sangue podiam ser vistas no chão e nas mesas dos estudantes no pátio da escola, perto do aparente impacto de um projétil de artilharia.

Diversas famílias que vivam na escola correram com seus filhos para o hospital onde as vítimas estavam sendo atendidas, a algumas centenas de metros.

Laila Al-Shinbari, mulher que estava na escola no momento do bombardeiro, disse à Reuters que as famílias haviam se reunido no pátio para esperar um comboio da Cruz Vermelha para retirá-las de lá.

"Todos nós no sentamos em um lugar quando de repente quatro projéteis acertaram nossas cabeças... corpos estavam no chão, (havia) sangue e gritos. Meu filho está morto e todos os meus parentes foram mortos, incluindo meus outros filhos", disse ela em prantos.

Chris Gunness, porta-voz da principal agência da ONU em Gaza, a UNRWA, confirmou o ataque e criticou Israel.

"Coordenadas precisas do abrigo da UNRWA em Beit Hanoun foram formalmente dados para o Exército de Israel... no curso do dia, a UNRWA tentou coordenar com o Exército israelense uma janela para que civis deixassem o local, mas isso não foi concedido", disse Gunness em sua página no Twitter.

Mais cedo nesta quinta-feira, Gunness disse à Reuters que forças de Israel haviam atacado abrigos da ONU em três ocasiões diferentes desde segunda-feira, em incidentes que não causaram vítimas.

O Exército de Israel não comentou imediatamente a questão.

(Reportagem adicional de Finbarr O'Reilly)

Mundo Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 15:34:19 +0000 http://www.brasil247.com/147837
Pnud usou dados desatualizados para calcular IDH, diz governo http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/147834 Marcelo Camargo/Agência Brasil: Para compor o índice, foram usadas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2009 e 2010 e de um relatório da OCDE de 2012, afirmaram ministros em coletiva de imprensa nesta quinta-feira 24; de acordo com cálculo do governo, caso os dados estivessem atualizados, o Brasil ficaria em 67º lugar no ranking de 187 países, e não em 79º <br clear="all"> Marcelo Camargo/Agência Brasil:

Carolina Sarres - Repórter da Agência Brasil

O governo brasileiro contestou hoje (24) os dados divulgados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), em que o país aparece como 79º no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 2013 e informou que os dados usados pelo órgão das Nações Unidas (ONU) são desatualizados. Para compor o índice, foram usadas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2009 e 2010 e de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) de 2012.

De acordo com um cálculo feito pelo governo, se fossem usadas as informações disponíveis atualizadas - Pnad de 2012 e 2013 e indicadores da OCDE de 2013 -, o Brasil ficaria em 67º lugar no ranking de 187 países. Segundo relatório do Pnud, o Brasil ficou com IDH 0,744, o que classifica o país como de alto desenvolvimento humano por registrar nota acima de 0,7. O índice varia de 0 a 1, que é o grau máximo.

Ainda assim, a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, considera que o índice divulgado pelo Pnud não reflete os avanços dos últimos quatro anos. De acordo com ela, essa avaliação desatualizada tem ocorrido nos últimos três anos e fez com que o Brasil entrasse em contato com o órgão, na tentativa de evitar que isso se repita. "Continuaremos discutindo [com o Pnud] para que sejamos avaliados por dados que reflitam os resultados das políticas públicas no Brasil", disse Tereza.

Segundo a ministra, o IDH de outros países foi calculado de acordo com dados estatísticos mais atualizados, o que deveria ter sido feito também com o Brasil.

Conforme o cálculo apresentado pelo governo, em dois dos três critérios usados pelo Pnud para medir o IDH há diferenças estatísticas. Em relação à esperança de vida ao nascer, o dado usado pelo órgão da ONU foi 73,4 anos. O mais atual seria 74,8 anos.

Em relação à expectativa de anos de estudos e à média de anos de estudo da população adulta, foram considerados 15,2 anos e 7,2 anos, respectivamente. As informações atualizadas seriam 16,3 anos e 7,6 anos, respectivamente. Em relação à renda nacional bruta per capita, foram mantidos os US$ 14.275.

A ministra Tereza Campello avaliou ainda que o IDH mede a redução da desigualdade, mas não é capaz de captar detalhes do processo. "Sabe-se que a renda de todos cresceu, mas a renda que mais cresceu foi a dos mais pobres. Outro ponto é o combate à pobreza extrema, que não é medida só por meio de renda, mas por medidas multidimensionais", explicou.

Para o ministro da Educação, Henrique Paim, a condicionalidade de frequência escolar imposta pelo Bolsa Família e as políticas de ação afirmativa foram os principais responsáveis pelos avanços verificados na educação. "O que ocorreu foi uma grande evolução nesse processo. O posicionamento em relação ao Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e à América do Sul é avançado. O processo de inclusão é reconhecido nesse relatório e a combinação de políticas é o segredo para que possamos avançar", disse Paim.

De acordo com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, o ganho de 11,2 anos em relação à expectativa de vida do brasileiro entre 1980 e 2013 é extremamente favorável. Outros pontos considerados positivos por ele foram a redução da mortalidade infantil, a redução nos casos de mortes por doenças crônicas não transmissíveis e o declínio de mortes em acidentes de trânsito.

"Foi um resultado positivo em relação à evolução do indicador. Essa expectativa de vida não é acaso, mas uma combinação de elementos extremamente importantes", informou Chioro.

Brasil Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 15:15:19 +0000 http://www.brasil247.com/147834
Primo de Bruno: corpo de Eliza está perto do Confins http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/147835 : Jorge Rosa Sales, primo do ex-goleiro Bruno Fernandes, condenado a 22 anos de prisão pela morte da sua ex-amante Eliza Samudio, disse que o corpo da mulher foi enterrado próximo ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Grande Belo Horizonte; a Polícia Civil de Minas solicitará à Rádio Tupi (RJ) cópia da entrevista que o jovem concedeu nesta quinta-feira e diz que Sales pode voltar a prestar esclarecimentos; ele foi condenado a medidas socioeducativas quando ocorreu o crime, em 2010 <br clear="all"> :

Minas 247 – O jovem de 21 anos Jorge Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes, condenado a 22 anos de prisão pela morte da sua ex-amante Eliza Samudio, afirmou que o corpo da mulher foi enterrado próximo ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O homicídio ocorreu em 2010 e o cadáver nunca foi encontrado. Sales foi considerado culpado pelo desaparecimento do corpo de Eliza. Como era menor de idade, ele cumpriu apenas medida socioeducativa e foi solto em setembro de 2012. A Polícia Civil de Minas solicitará cópias das declarações.

O ex-réu confessou que ajudou a fazer a cova para enterrar o corpo. "Ela foi assassinada e enrolada em um lençol e colocada dentro de um saco plástico preto e enterrada em um buraco bem fundo escavado com trator em uma chácarazinha perto do aeroporto de Belo Horizonte", revelou Sales, em referência ao aeroporto de Confins, durante entrevista à Rádio Tupi (RJ). "Eu sei chegar ao local. Eu sei ir certo porque observo bastante", admitiu.

Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, o delegado Wagner Pinto, chefe do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), disse que solicitará à Rádio Tupi o envio da entrevista. O setor informou que o jovem poderá ser convocado a prestar esclarecimentos à polícia mineira. As buscas no local próximo ao aeroporto, indicado por Sales, também poderão ser determinadas pelo delegado.

Sales disse que revelou o fato só agora, porque o crime "mexia muito" com sua cabeça. De acordo com o jovem, o lugar exato onde o corpo se encontrado tem como referência um coqueiro. "Tem um pé de coqueiro, só tem esse coqueiro lá dentro. É um pé de coqueiro grande. Mesmo se não tiver esse pé, eu sei onde está", observou. "Assim que você entra nesse sitiozinho, [a cova] é no meio desse terreno", complementou.

Sales confessa contradições em depoimento

A polícia havia acusado Sales de ter presenciado a morte de Eliza Samudio no imóvel do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola, apontado como o homem que matou a mulher de Bruno. A casa fica em Vespasiano, na Grande de Belo Horizonte. O primo do goleiro afirmou, também, que não tentou impedir a execução do crime, porque estava com medo de ser morto por Bola.

Em depoimento, o jovem de 21 anos tentou isentar o Bruno de ter envolvimento no crime. Durante a etapa de investigação e julgamento, as versões acerca do homicídio e atribuiu isso ao seu advogado de defesa. "Foi muita pressão em cima de mim. Ele [o advogado] pedia para fazer essas coisas. Fui criando uma história em cima da outra", confessou.

 

Minas 247 Leonardo Lucena Thu, 24 Jul 2014 15:20:35 +0000 http://www.brasil247.com/147835
Netanyahu no inferno dos inimigos da humanidade http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147825 : Sob a desaprovação do mundo e forte constrangimento até mesmo do seu principal aliado, os Estados Unidos, Benjamin Netanyahu prossegue genocídio de crianças e civis aos olhos do mundo, na Faixa de Gaza; depois do bombardeio a um hospital, forças israelenses dispararam contra escola da ONU, matando 15 pessoas e ferindo 200; na mitologia, Netanyahu, ao dar a ordem para os ataques que já mataram mais de 120 crianças, se iguala a Herodes; na história real, desce ao inferno de monstros como Slobodan Milosevic, Adolf Hitler e Idi Amin Dada, entre outros; Brasil condena ação tresloucada de Israel e ouve de volta que é "um anão diplomático"; resposta rasteira era esperada; sionistas assassinos é que são anões morais; vozes isoladas na mídia tradicional defendem morticínio; a que ponto se pode chegar? <br clear="all"> :

247 – Dar as ordens para bombardeios que já mataram mais de 120 crianças, 600 civis e atingiram dois hospitais e por duas vezes uma escola da ONU na Faixa de Gaza fazem descer ao inferno dos inimigos da humanidade o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Com um fúria típica dos genocidas tresloucados como Adolf Hitler, com quem foi comparado pelo primeiro-ministro da Turquia, o sérvio Slobodan Milosevic, o ugandense Idi Amin Dada e outros, Netanyahu fecha os ouvidos a todos os apelos internacionais e prossegue no ataque covarde contra a população palestina civil.

Disparos israelenses feitos nesta quinta-feira atingiram novamente uma escola da ONU que protegia refugiados palestinos. O número de mortos pode chegar a 15, incluindo crianças e um bebê de um ano de idade, além de 200 feridos. O caso aconteceu em Beit Hanoun, norte da Faixa de Gaza. O secretario-geral da ONU, Ban Ki-moon, se disse chocado com o ataque, que também matou, além de mulheres e crianças, funcionários das Nações Unidas.

Maior aliado no acobertamento dos crimes de guerra de Israel, até os Estados Unidos estão constrangidos com o nível de barbárie praticado por Israel. Todas as regras de guerra foram quebradas, dando aos ataques a marca de um massacre. Tanto é assim que ainda não há nenhuma saída aberta à população civil para deixar o território. As tropas israelenses fecharam todas as fronteiras, tornando comum a situação de não haver lugar seguro para ninguém.

Em três dias consecutivos, depois de promover um domingo sangrento com a morte de mais de 100 civis, os militares israelenses atacaram com bombas um hospital, onde quatro pessoas morreram, uma escola da ONU e centenas de alvos civis, provocando a morte de mais de 700 palestinos até agora, contra menos de 70 baixas entre os israelenses.

Manifestando uma posição que hoje é global, o Brasil condenou duramente os ataques de Israel. Em participar de um diálogo de nível civilizado, no entanto, os diplomatas brasileiros ouviram como resposta de representantes de Israel que o País seria um 'anão moral'. A reação tem o mesmo padrão rasteiro da política externa do regime sionista israelense, esse sim um verdadeiro anão moral.

No Brasil, infelizmente, vozes isoladas procuram emprestar, como se fosse possível, alguma legitimidade ao morticínio de indefesos que está em curso na Faixa de Gaza sob um pretexto esfarrapado de tapar túneis transfronteiriços. Na verdade, o que está em curso é mais etapa da limpeza étnica que Israel promove desde a sua criação como Estado contra o povo palestino.

Abaixo, reportagem da Agência Brasil sobre a resposta de Israel, que chama o Brasil de "anão diplomático":

Israel critica postura do governo brasileiro sobre conflito em Gaza

Danilo Macedo - O governo de Israel criticou a postura do governo brasileiro de convocar o embaixador em Tel Aviv para consultas e a publicar duas notas, em uma semana, considerando inaceitável a escalada da violência entre Israel e Palestina. No texto divulgado ontem (24), o Brasil "condena energicamente o uso desproporcional da força" por Israel na Faixa de Gaza.

Em comunicado à imprensa, o Ministério das Relações Exteriores de Israel, por meio do porta-voz, Yigal Palmor, manifestou "desapontamento" diante da convocação do embaixador brasileiro. "Israel manifesta o seu desapontamento com a decisão do governo do Brasil de retirar seu embaixador para consultas. Esta decisão não reflete o nível das relações entre os países e ignora o direito de Israel de se defender. Tais medidas não contribuem para promover a calma e a estabilidade na região. Em vez disso, eles estimulam o terrorismo, e, naturalmente, afetam a capacidade do Brasil de exercer influência", informa o texto.

Yigal Palmor disse que "Israel espera o apoio de seus amigos em sua luta contra o Hamas, que é reconhecido como uma organização terrorista por muitos países no mundo". Jornais israelenses noticiaram críticas mais duras do porta-voz. De acordo com o jornal judaico The Jerusalem Post, Palmor disse que "essa é uma demonstração lamentável de por que o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua a ser um anão diplomático", e acrescentou que "o relativismo moral por trás deste movimento faz do Brasil um parceiro diplomático irrelevante, aquele que cria problemas em vez de contribuir para soluções".

Na nota publicada nessa quarta-feira, o Ministério de Relações Exteriores também reiterou seu chamado a um "imediato cessar-fogo" entre as partes. O Itamaraty explicou que, diante da gravidade da situação, votou favoravelmente à resolução do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas que condena a atual ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza e cria uma comissão internacional para investigar todas as violações e julgar os responsáveis.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) também reagiu. "A Confederação Israelita do Brasil vem a público manifestar sua indignação com a nota divulgada pelo nosso Ministério das Relações Exteriores, na qual se evidencia a abordagem unilateral do conflito na Faixa de Gaza, ao criticar Israel e ignorar as ações do grupo terrorista Hamas", destaca o texto.

"Uma nota como a divulgada nesta quarta-feira só faz aumentar a desconfiança com que importantes setores da sociedade israelense, de diversos campos políticos e ideológicos, enxergam a política externa brasileira", criticou a Conib, representante da comunidade judaica brasileira, que disse compartilhar da preocupação do povo brasileiro e expressar "profunda dor pelas mortes dos dois lados do conflito", além de também esperar um cessar-fogo imediato.

Na nota publicada no dia 17 de julho, o governo brasileiro afirmou que "condena, igualmente, o lançamento de foguetes e morteiros de Gaza contra Israel". Apesar de ter sido classificado como "anão diplomático", o Brasil e a Alemanha são os únicos países a ter relações diplomáticas com todas as nações do mundo. Ontem, foi um dos 29 países a votar a favor da resolução do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Houve 17 abstenções e apenas um voto contra, dos Estados Unidos. Além do Japão, todos os países europeus presentes, incluindo a França, o Reino Unido e a Alemanha, optaram pela abstenção.

Mundo Ana Pupulin Thu, 24 Jul 2014 14:14:22 +0000 http://www.brasil247.com/147825
Dilma terá "dois pilares": emprego e assistência http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147802 : Campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição define seu principal slogan: Mais Mudanças; “É bom que a população queira mudança, porque quem tem condições de fazer isso somos nós”, diz presidente do PT; discurso eleitoral terá “dois pilares”, de acordo com Rui Falcão; “Consumo, emprego, salário e distribuição de renda de um lado, e programas sociais de outro”, pontuou; oposição será criticada por propostas que, para o PT, podem provocar desemprego para controlar a inflação; "Antes, não tinha crescimento, não tinha investimento, não tinha distribuição de renda"; debate econômico no centro da campanha <br clear="all"> :

247 – O PT vai apostar num discurso econômico simples e direto para convencer o público, especialmente nos programas no horário eleitoral gratuito, a partir de 19 de agosto, a votar pela reeleição da presidente Dilma Rousseff. "Serão dois pilares", explica o presidente do partido, Rui Falcão. "De um lado, consumo, emprego, salário e distribuição de renda", enumerou. "Do outro, os programas sociais".

Dentro principal slogan da campanha – Mais Mudanças -, o partido quer explorar as realizações de governo nos últimos doze anos, e não apenas nos quatro anos do primeiro mandato de Dilma, para mostrar que tem condições de avançar em seu programa:

- É positivo que o Brasil queira a realização de mais mudanças. Quem tem as condições de fazer isso somos nós, que estamos promovendo mudanças nos últimos doze anos, e não quem apenas está dizendo que vai fazer sem nunca ter feito, disse Falcão.

A aposta é num discurso econômico direto, no qual não irão faltar críticas ao projeto da oposição. A campanha do partido está pronta para atribuir à oposição, em particular sobre o presidenciável Aécio Neves, do PSDB, um plano de controlar a inflação a partir do esfriamento da economia e do encolhimento do mercado de trabalho.

- São 12 anos com o Brasil relativamente imune à maior crise que o mundo já viveu, afirmou. "Quando falamos que a Europa queimou 60 milhões de empregos, enquanto nós geramos emprego aqui com carteira assinada, isso não é propaganda, isso é dado real", disse.

O PT quer atribuir aos tucanos um plano de combate à inflação que tenha como eixo o esfriamento da economia com a consequente redução dos atuais níveis de emprego. A intenção é deixar claro, com uma linguagem de fácil compreensão, propostas bem distintas de programa de governo.

- Antes do PT,  não tinha crescimento, não tinha investimento, não tinha distribuição de renda. Era uma economia voltada para 30% da população"

Economia Ana Pupulin Thu, 24 Jul 2014 11:51:24 +0000 http://www.brasil247.com/147802
Israel rebate crítica e diz que Brasil é "irrelevante" http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147814 : Após gesto diplomático do governo brasileiro, que convocou ontem seu embaixador em Tel Aviv, Henrique Pinto, para consulta sobre a morte de palestinos, chancelaria de Israel respondeu duramente: "Seu comportamento nesta questão ilustra a razão por que esse gigante econômico e cultural permanece politicamente irrelevante"; autoridades do governo Dilma receberam com indignação posição do governo de Benjamin Netanyahu e estudam a melhor reação a um comentário "tão duro" <br clear="all"> :

247 – A chancelaria de Israel criticou duramente o comportamento brasileiro em relação ao conflito entre o país e o Hamas, que já deixou 700 palestinos mortos na Faixa de Gaza, contra 35 israelenses. Em resposta enviada ao jornal Folha de S. Paulo, a representação israelense afirmou que "o Brasil está escolhendo ser parte do problema, em vez de integrar a solução", e classificou o País como "politicamente irrelevante".

Nesta quarta-feira 23, o Itamaraty divulgou nota considerando "inaceitável" a escalada de violência entre Israel e Palestina e chamando de "desproporcional" a força israelense contra os palestinos. O Brasil convocou ainda seu embaixador em Tel Aviv, Henrique Pinto, para consulta sobre as mortes de centenas de civis na Faixa de Gaza. O comentário do governo de Israel foi uma resposta ao gesto diplomático brasileiro.

"Seu comportamento nesta questão ilustra a razão por que esse gigante econômico e cultural permanece politicamente irrelevante", disse ainda a chancelaria israelense. O comentário foi recebido com indignação por autoridades do governo da presidente Dilma Rousseff. O Palácio do Planalto e o Itamaraty avaliaram juntos qual seria a melhor reação para um comentário "tão duro".

O ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, rebateu as declarações do porta-voz da chancelaria de Israel. "Somos um dos 11 países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU e temos um histórico de cooperação pela paz e ação pela paz internacional. Se há algum anão diplomático, o Brasil não é um deles", disse a jornalistas. "Mas não contestamos o direito de Israel de se defender, jamais contestamos isso. O que contestamos é a desproporcionalidade das coisas", acrescentou.

Mundo Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 12:29:29 +0000 http://www.brasil247.com/147814
FMI corta projeção de PIB do Brasil para 1,3% em 2014 http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147821 : Previsão anterior do Fundo Monetário Internacional para o crescimento da economia brasileira era de 1,8%; de acordo com a instituição financeira, emergentes crescerão 4,6% esse ano; relatório do FMI também reviu para baixo o crescimento dos EUA e da China <br clear="all"> :

247 - O Fundo Monetário Internacional (FMI) decidiu cortar suas previsões para o crescimento da economia brasileira neste ano. O FMI reduzir sua projeção do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil para 1,3%, ante 1,8% previstos em abril. Abaixo, reportagem da Reuters sobre o relatório do FMI divulgado nesta quinta-feira 24, que reviu para baixo também o crescimento dos Estados Unidos e da China.

FMI vê menos crescimento global; alerta para risco de estagnação em países ricos

WASHINGTON (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou nesta quinta-feira sua estimativa para o crescimento da economia global em 2014 para levar em consideração a fraqueza no início do ano nos Estados Unidos e na China, as duas maiores economias do mundo.

O FMI também alertou que apenas alguns dos fatores que motivaram a redução das projeções são temporários e afirmou que países mais ricos em particular enfrentam o risco de estagnação econômica a menos que façam mais para estimular o crescimento por meio de reformas mais profundas, como investimento em infraestrutura ou mudanças em leis tributárias.

Em atualização de seu relatório Perspectiva Econômica Global, o FMI informou que a economia global deve crescer 3,4 por cento neste ano, 0,3 ponto percentual abaixo do previsto em abril. O crescimento deve então acelerar a 4 por cento no ano seguinte, inalterado ante a estimativa anterior.

Mas o FMI afirmou que uma robusta recuperação global da profunda crise financeira de 2007-09 ainda é incerta, e que riscos geopolíticos oriundos das crises no Oriente Médio e na Ucrânia podem golpear ainda mais o crescimento.

"Ímpeto de demanda robusto ainda não emergiu, apesar de taxas de juros muito baixas e do arrefecimento dos obstáculos à recuperação, incluindo consolidação fiscal ou condições financeiras apertadas", trouxe o FMI, acrescentando que todas as principais economias avançadas fariam bem em manter as taxas de juros baixas por enquanto.

Bancos centrais nos EUA, Japão, zona do euro e Grã-Bretanha reduziram com força os juros para impulsionar o crescimento econômico e prometeram manter os níveis baixos por mais tempo para permitir que a recuperação seja sustentável.

Focos positivos na economia global, segundo o FMI, incluem a recuperação do crescimento no Japão, na Alemanha, na Espanha e no Reino Unido. Mas eles foram ofuscados pelo crescimento fraco nos EUA no primeiro semestre, além da desaceleração da demanda doméstica na China, cujo governo buscou reduzir a atividade de empréstimos e o mercado imobiliário esfriou.

A Rússia também pesou sobre as estimativas gerais. Sua economia praticamente não deve crescer neste ano, devido a sanções e outros impactos da crise da Ucrânia.

De fato, entre os Brics --Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul-- apenas a Índia escapou de ter suas estimativas reduzidas pelo FMI, com a confiança empresarial recuperando-se após as eleições no país.

Para essas projeções, o FMI calculou o crescimento do PIB usando novos parâmetros de paridade do poder de compra que foram divulgados neste ano, mostrando que a economia global cresceu de fato mais rapidamente nos últimos três anos do que o FMI havia previsto, especialmente nos mercados emergentes.

(Reportagem de Anna Yukhananov)

 

Economia Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 13:19:30 +0000 http://www.brasil247.com/147821
"Decisão do TCU foi ducha de água fria na oposição" http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/147812 : O líder do PT no Senado, senador Humberto Costa (PE), disse que a decisão do plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) de não culpar o conselho de administração da Petrobras pelas perdas com a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, foi uma "ducha de água fria" para a oposição; "O ministro José Jorge [relator do processo no TCU] foi obrigado a reconhecer que a presidenta Dilma não tem qualquer responsabilidade com Pasadena. O principal objetivo da oposição caiu por terra", declarou  <br clear="all"> :

Agência Câmara - O líder do PT no Senado, senador Humberto Costa (PE), disse que a decisão do plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) de não culpar o conselho de administração da Petrobras pelas perdas com a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, foi uma "ducha de água fria" para a oposição.

"O ministro José Jorge [relator do processo no TCU] foi obrigado a reconhecer que a presidenta Dilma não tem qualquer responsabilidade com Pasadena. O principal objetivo da oposição caiu por terra", declarou Costa. O depoimento do secretário de Controle Externo da Administração Indireta do Tribunal de Contas da União (TCU), Osvaldo Perrout, à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras foi encerrado há pouco – a reunião ocorreu a portas fechadas.

Em parecer aprovado por unanimidade nesta tarde pelo plenário do TCU, Jorge inocentou a presidente Dilma Rousseff, então comandante do Conselho de Administração da Petrobras, pelo prejuízo com a aquisição da refinaria norte-americana.

O texto de Jorge condena, porém, o ex-presidente da estatal José Gabrielli e os ex-diretores da Área Internacional Nestor Cerveró, e de Abastecimento e Refino Paulo Roberto Costa, e demais diretores da estatal à época, a devolver 792,3 milhões de dólares por causa de prejuízos com a compra de Pasadena. Costa foi preso na operação Lava Jato da Polícia Federal por suspeita de envolvimento em uma operação que teria desviado R$ 10 bilhões.

Costa considera que José Jorge não poderia ter relatado o caso de Pasadena por já ter sido ministro de Minas e Energia e presidente do conselho de administração da Petrobras durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso na presidência. "Ele está arrolado em um processo da troca de ativos entre a Petrobras e a Repsol, não deveria ter relatado", sustentou o senador.

PGR

Também hoje, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidiu arquivar a apuração para analisar possível irregularidade na aprovação da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006. A decisão foi tomada pelo Conselho de Administração da Petrobras, comandado à época pela presidente.

O procurador informou que não é possível "imputar o cometimento de delito de nenhuma espécie" aos integrantes do conselho. O documento foi assinado na terça-feira (22) e divulgado nesta quarta (23).

A investigação foi pedida em março por um grupo de senadores, entre eles Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), Ana Amélia (PP-RS), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Cristovam Buarque (PDT-RS) e Pedro Simon (PMDB-RS).

Pernambuco 247 Paulo Emílio Thu, 24 Jul 2014 12:01:57 +0000 http://www.brasil247.com/147812
Avião desaparecido com 116 a bordo caiu no Mali http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147775 : Aeronave que havia desaparecido enquanto voava de Burkina Faso para Argel, capital da Argélia, na África, caiu, disse um representante da agência argelina de aviação; companhia espanhola Swiftair havia informado que um de seus aviões operado pela Air Algerie deveria ter aterrissado em Argel às 5h10, horário local, mas não chegou a seu destino; há uma semana, o voo MH17 da Malaysia Airlines, com 298 passageiros, foi derrubado na Ucrânia; ontem, um acidente aéreo em Taiwan matou 47 pessoas <br clear="all"> :

Danilo Macedo* – Repórter da Agência Brasil

O avião da Air Algérie que estava desaparecido desde a madrugada de hoje (24) caiu no Mali, onde o último contato havia sido registrado, anunciaram autoridades argelinas. A aeronave transportava 116 pessoas, das quais 50 eram da França, 26 de Burkina Faso, de onde o avião partiu, e sete da Argélia, onde deveria ter pousado.

A companhia aérea Air Algérie anunciou pela manhã que perdeu contato com um de seus aviões 50 minutos depois de ter decolado de Ouagadougou, capital de Burkina Faso, rumo a Argel, capital da Argélia. "Os serviços de navegação aérea perderam contato com o avião que assegurava a ligação entre Ouagadougou e Argel, 50 minutos depois da descolagem".

De acordo a página da companhia na internet, a Air Algérie oferece quatro voos semanais para a capital de Burkina Faso. A aeronave, um McDonnell Douglas MD-83, decolou à 1h17 do horário local (22h17 horário de Brasília) e deveria ter chegado à Argélia às 5h10 (1h10 em Brasília).

A aviação mundial enfrenta um ano de grandes tragédias. Na semana passada, um avião da Malaysia Airlines com 298 passageiros foi atingido por um míssil no Leste da Ucrânia. Os primeiros corpos recuperados chegaram ontem (23) à Holanda, país com o maior número de vítimas. Ontem (23), um avião da TransAsia teve de fazer um pouso forçado em Taiwan e deixou mais de 40 mortos. Além disso, um outro avião da Malaysia Airlines, que levava 239 passageiros a bordo continua desaparecido desde março.

*Com informações da Agência Lusa

Mundo Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 08:04:02 +0000 http://www.brasil247.com/147775
Israel pratica “genocídio” em Gaza, diz Garcia http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147784 : Assessor da presidente Dilma Rousseff em assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia classifica como "genocídio" e "massacre" os ataques de Israel contra os palestinos, que já deixaram 700 mortos do lado de Gaza e 35 do lado dos israelenses; "O que nós estamos assistindo no Oriente Médio, pelo amor de Deus, é um genocídio, é um massacre", afirmou; Garcia diz também que ONU está enfraquecida; em nota, Itamaraty considerou "inaceitável" a escalada de violência entre Israel e Palestina <br clear="all"> :

247 - O chefe da Assessoria Especial da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, classificou como "genocídio" os ataques de Israel contra Gaza, conflito que, segundo a Organização das Nações Unidas, já deixou 700 palestinos mortos nos últimos 15 dias, contra 35 israelenses, de acordo com números atualizados.

Nesta quinta-feira 24, disparos israelenses deixaram mortos nove palestinos, sendo uma criança de um ano, em uma escola da ONU em Beit Hanoun, norte da Faixa de Gaza, onde vários palestinos estavam refugiados. A contagem é de um fotógrafo da agência de notícias AFP.

Questionado se o Brasil não está sendo incoerente ao condenar os ataques de Israel e apoio dos Estados Unidos às forças israelenses, mas não o governo russo de Vladimir Putin em relação à região da Crimeia e Ucrânia, e se isso também não enfraqueceria a ONU, Garcia afirma que as Nações Unidas estão enfraquecidas por outras razões, essa seria apenas uma delas.

"Nós temos tido uma conduta prudente tanto no espaço do Meio Oriente quanto no espaço ucraniano. Nós temos feito saber aos governos da Rússia e aos governos do Oriente Médio a nossa posição sobre como resolver esses conflitos. Agora o que nós estamos assistindo no Oriente Médio, pelo amor de Deus, é um genocídio, é um massacre", afirmou.

Para Garcia, que assessora a presidente Dilma Rousseff em assuntos internacionais, o Brasil não deve defender uma intervenção da ONU na região. "Se nós fizéssemos essa opção, não passaria pelo Conselho de Segurança e nós respeitamos o conselho", afirmou, em entrevista ao SBT nesta quarta-feira 23.

Para ele, a Organização das Nações Unidas está enfraquecida porque falta representatividade nos seus órgãos de decisão. Assista aqui à entrevista concedida ao jornalista Kennedy Alencar e leia, abaixo, a nota emitida ontem pelo Itamaraty considerando "inaceitável" a escalada de violência entre Israel e Palestina.

Conflito entre Israel e Palestina

23/07/2014

O Governo brasileiro considera inaceitável a escalada da violência entre Israel e Palestina. Condenamos energicamente o uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza, do qual resultou elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças.

O Governo brasileiro reitera seu chamado a um imediato cessar-fogo entre as partes.

Diante da gravidade da situação, o Governo brasileiro votou favoravelmente a resolução do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas sobre o tema, adotada no dia de hoje.

Além disso, o Embaixador do Brasil em Tel Aviv foi chamado a Brasília para consultas.

Mundo Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 09:46:28 +0000 http://www.brasil247.com/147784
Ata do Copom sinaliza que BC não vai reduzir Selic http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147782 : BRASÍLIA, DF, 01.07.2011: BANCO CENTRAL DO BRASIL - Vista do Banco Central do Brasil (BC ou BACEN), em Brasília. (Foto: Bia Fanelli/Folhapress) Banco Central sinalizou nesta quinta-feira que a inflação tende a entrar em convergência para a meta dentro de um cenário de política monetária que não inclui redução da Selic; o BC também elevou suas projeções de inflação para este ano e o próximo, pelo cenário de referência <br clear="all"> : BRASÍLIA, DF, 01.07.2011: BANCO CENTRAL DO BRASIL - Vista do Banco Central do Brasil (BC ou BACEN), em Brasília. (Foto: Bia Fanelli/Folhapress)

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central sinalizou nesta quinta-feira que a inflação tende a entrar em convergência para a meta dentro de um cenário de política monetária que não inclui redução da Selic.

"Antecipa cenário que contempla inflação resistente nos próximos trimestres, mas, que, mantidas as condições monetárias --isto é, levando em conta estratégia que não contempla redução do instrumento de política monetária-- tende a entrar em trajetória de convergência para a meta nos trimestres finais do horizonte de projeção", afirmou o BC por meio da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta quinta-feira.

O BC também elevou suas projeções de inflação para este ano e o próximo, pelo cenário de referência.

(Por Patrícia Duarte)

Economia Gisele Federicce Thu, 24 Jul 2014 09:30:03 +0000 http://www.brasil247.com/147782
Brasil reduz pobreza em 22% e sobe posição no IDH http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/147764 : Segundo ranking da ONU, país ocupa 79ª posição entre 187 países com base em renda, educação e saúde; Brasil está na faixa de países de desenvolvimento 'elevado': “O Brasil mostra uma melhora consistente da condição de vida das pessoas nos últimos 30 anos. A nível global foi um dos países que mais melhorou”, elogiou o argentino Jorge Chediek, representante residente do Pnud e coordenador do sistema ONU no Brasil; o índice de brasileiros em situação de pobreza multidimensional caiu 22,5% em seis anos <br clear="all"> :

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil - O Brasil subiu no ranking mundial de desenvolvimento humano em 2013. Segundo dados divulgados hoje (24) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o país ficou em 79º lugar no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no ano passado, uma posição acima da registrada em 2012. Apesar da melhora, o Brasil continua abaixo de outros países latino-americanos como Chile, Argentina, Cuba e Uruguai.

Com IDH 0,744, o país registrou a mesma nota da Geórgia (república da região do Cáucaso) e de Granada (país do Caribe). Pela metodologia das Nações Unidas, o Brasil é considerado um país de alto desenvolvimento humano por ter registrado nota acima de 0,7. O IDH varia de 0 a 1, grau máximo de desenvolvimento. Em 2013, o indicador abrangeu 187 países.

A Noruega foi o país com maior IDH no ano passado, com índice de 0,944, seguida de Austrália (0,933), Suíça (0,917) e Holanda (0,915). Em relação aos países latino-americanos, os mais bem classificados foram Chile (41º lugar, com nota 0,822), Cuba (44º, com nota 0,815) e Argentina (49º, com nota 0,808), considerados com grau muito alto de desenvolvimento humano por terem obtido nota acima de 0,8.

Na América Latina e Caribe, Uruguai (50º no ranking, com nota 0,790), Barbados (59º, nota 0,776), Antígua e Barbuda (61º, nota 0,774), Trinidad e Tobago (64º, nota 0,766), Panamá (65º, nota 0,765), Venezuela (67º, nota 0,764), Costa Rica (68º, nota 0,763), México (71º, nota 0,756) e São Cristóvão e Nevis (73º, nota 0,750) também registraram IDH mais alto que o Brasil.

Entre o Brics, grupo que reúne as cinco principais economias emergentes do mundo, o Brasil registrou o segundo melhor IDH, atrás da Rússia (57º lugar, nota 0,778). Com nota 0,719, a China ficou na 91ª posição. A África do Sul ficou em 118º no ranking (nota 0,658); e a Índia, em 135º (nota 0,586).

Apesar da melhoria de 2012 para 2013, o Brasil acumula queda de quatro posições em relação a 2008, quando estava em 75º na lista geral. De acordo com o Pnud, o IDH brasileiro melhorou em todos esses anos. No entanto, quatro países – Irã, Azerbaijão, Sri Lanka e Turquia – tiveram crescimento maior que o Brasil no período, resultando na perda de posições.

Criado em 1980, o IDH mede o desenvolvimento humano por meio de três componentes: expectativa de vida, educação e renda. Em 2013, o Brasil registrou 73,9 anos de expectativa de vida, 7,2 anos de média de estudo, 15,2 anos de expectativa de estudo para as crianças que atualmente entram na escola e renda nacional bruta per capita de US$ 14.275 ajustada pelo poder de compra.

O IDH do Brasil em 2013 subiu 36,4% em relação a 1980. Naquele ano, a expectativa de vida correspondia a 62,7 anos, a média de estudo era de 2,6 anos, a expectativa de estudo somava 9,9 anos, e a renda per capita totalizava US$ 9.154.

“O Brasil é um dos países que mais evoluíram no desenvolvimento humano nos últimos 30 anos”, disse o representante residente do Pnud no Brasil, Jorge Chediek. Ele destacou que as mudanças são estruturais e têm ocorrido em todos os governos.

Por causa de mudanças na metodologia, a série histórica do IDH foi revista. Pelo critério anterior, o Brasil tinha ficado em 85º em 2012. Com a mudança de cálculo, o país subiu para a 80ª colocação no ano retrasado.

Brasil reduziu em 22% pobreza em seis anos

O índice de brasileiros em situação de pobreza multidimensional caiu 22,5% em seis anos, revelou hoje (24) o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Segundo levantamento do órgão, a parcela da população brasileira com privação de bens caiu de 4% para 3,1%, entre 2006 e 2012.

A fatia da população próxima à pobreza multidimensional caiu de 11,2% para 7,4%. A proporção de pessoas em pobreza severa passou de 0,7% para 0,5% na mesma comparação.

Os números constam do Relatório de Desenvolvimento Humano de 2014. Além de publicar oranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 187 países, o documento apresentou o Índice de Pobreza Multidimensional (IPM) para 91 países. Foi divulgada também a comparação do IPM com anos anteriores de 39 deles.

Diferentemente do IDH, que estima o grau de desenvolvimento com base na expectativa de vida, na renda e na educação, o IPM usa critérios mais abrangentes para avaliar o padrão de vida de um país. Esse índice leva em conta indicadores de saúde (nutrição e mortalidade infantil), educação (anos de estudo e taxa de matrícula) e a qualidade do domicílio (gás de cozinha, banheiro, água, eletricidade, piso e bens duráveis).

Outra diferença está no uso de dados nacionais. O IDH é construído com estatísticas do Banco Mundial, da Organização Mundial do Trabalho e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O Índice de Pobreza Multidimensional, no caso do Brasil, baseia-se na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo Andréa Bolzon, coordenadora do Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil, o IPM não permite a comparação entre países por causa da falta de padronização dos dados internacionais. “A melhor maneira de comparar o Brasil é com ele mesmo. Os indicadores mostram que há uma evolução significativa na redução da pobreza multidimensional.”

De acordo com ela, o principal objetivo do IPM é retratar a pobreza não apenas em função da renda. Pelos padrões internacionais, a linha de pobreza está fixada em US$ 1,25 por pessoa por dia. “O Índice Multidimensional de Pobreza procura não captar apenas a renda, mas as condições materiais de sobrevivência.”

Pelo critério tradicional de medição, o índice de pobreza no Brasil é maior que a pobreza multidimensional. De acordo com o Pnud, 6,14% da população brasileira ganhava menos que US$ 1,25 diários em 2012. No México, ocorre o contrário. A pobreza multidimensional atingia 6% da população, enquanto a pobreza com base na renda mínima afetava apenas 0,72% no mesmo ano. “O IPM, na verdade, reflete o modo de vida e a estrutura de cada sociedade”, esclarece a coordenadora.

Brasil Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 05:35:29 +0000 http://www.brasil247.com/147764
Brasil: violência de Israel em Gaza é 'inaceitável' http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147760 : “Condenamos energicamente o uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza, do qual resultou elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças”, diz comunicado do Ministério das Relações Exteriores que reitera seu chamado a um imediato cessar-fogo entre as partes; embaixador do Brasil em Tel Aviv também foi chamado a Brasília para consultas; pelo menos 655 palestinos e 35 israelenses perderam a vida no massacre e há registros de 4,3 mil feridos <br clear="all"> :

247 - O governo brasileiro voltou a criticar nesta quarta-feira (23/07) a ofensiva de Israel em Gaza, pediu a implementação de um cessar-fogo e chamou para consultas o embaixador do país em Tel Aviv.

O Ministério das Relações Exteriores, em comunicado, considerou "inaceitável a escalada de violência entre Israel e Palestina" e condenou "energicamente o uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza".

Este foi o segundo comunicado oficial do governo sobre o conflito desde que Israel lançou há duas semanas uma ofensiva contra o Hamas em Gaza.

Nos 16 dias que duram as hostilidades, pelo menos 655 palestinos e 35 israelenses perderam a vida e há registros de 4,3 mil feridos.

Veja a íntegra da nota:

Ministério das Relações Exteriores

Assessoria de Imprensa do Gabinete

Nota nº 168

23 de julho de 2014

Conflito entre Israel e Palestina

O Governo brasileiro considera inaceitável a escalada da violência entre Israel e Palestina. Condenamos energicamente o uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza, do qual resultou elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças.

O Governo brasileiro reitera seu chamado a um imediato cessar-fogo entre as partes.

Diante da gravidade da situação, o Governo brasileiro votou favoravelmente a resolução do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas sobre o tema, adotada no dia de hoje.

Além disso, o Embaixador do Brasil em Tel Aviv foi chamado a Brasília para consultas.

Mundo Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 05:18:01 +0000 http://www.brasil247.com/147760
Vicentinho cobra investigação sobre aeroporto em MG http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/147759 : Líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), protocolou na Secretaria da Mesa Diretora da Câmara dois requerimentos de informações sobre a construção de um aeroporto na cidade de Cláudio (MG), na gestão do então governador Aécio neves; ele também abrirá outra solicitação de audiência pública para debater o caso <br clear="all"> :

Iolando Lourenço - Repórter da Agência Brasil - O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), protocolou ontem (23) na Secretaria da Mesa Diretora da Câmara dois requerimentos de informações sobre a construção de um aeroporto na cidade de Cláudio (MG), na gestão do então governador Aécio neves.

Hoje (24), o petista deverá protocolar outro requerimento solicitando a realização de audiência pública para debater a construção do aeroporto.

Um dos requerimentos do líder petista pede que o Ministério da Defesa, por meio do Departamento de Controle do Espaço Aéreo, informe os pousos e decolagens ocorridos no aeródromo de Cláudio. O outro documento solicita à Secretaria de Aviação Civil que preste esclarecimentos sobre a construção e o funcionamento do aeroporto.

Ontem (23), O PT entrou com um pedido de abertura de inquérito na Procuradoria-Geral da República para investigar a suposta utilização irregular do aeródromo. A medida foi tomada após reportagem do jornal Folha de S.Paulo, publicada no último domingo (20), revelar que o governo de Minas Gerais construiu o aeroporto em uma fazenda que pertencia ao tio-avô do candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, que era governador do estado na época.

Brasília 247 Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 05:22:24 +0000 http://www.brasil247.com/147759
Santa Casa reabre; Chioro culpa SP por rombo http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/147763 : Pronto-socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo volta a funcionar após liberação de verba emergencial de R$ 3 milhões pelo governo do Estado; ministro da Saúde, Arthur Chioro, alega que a gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) não transferiu R$ 74,7 milhões ao hospital que haviam sido repassados desde o ano passado; já o secretário estadual de Saúde David Uip questionou administração da instituição e pediu auditoria  <br clear="all"> :

247 - O pronto-socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo reabriu por volta das 22h desta quarta-feira (23), mediante a liberação de uma verba emergencial de R$ 3 milhões pelo governo do Estado.

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, alega que a gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) não transferiu R$ 74,7 milhões ao hospital que haviam sido repassados pela pasta no período entre janeiro de 2013 e maio deste ano.

"Há uma tentativa de partidarizar o problema. Talvez as afirmações do governador sejam uma maneira de transferir para o ministério a responsabilidade sobre a crise", disse.

A instituição fechou as portas do seu atendimento emergencial por 24 horas após acumular dividas de R$ 50 milhões.

O secretário estadual de Saúde David Uip anunciou que irá exigir a abertura das contas do hospital para verificar como está sendo feita a gestão da instituição.

“O que estamos vendo na Santa Casa de São Paulo reflete o que acontece em todas as Santas Casas do País. Queremos avaliar folha, custeio, desperdício, produção, etc. Vamos auxiliar com isso. Somos experientes nesse sentido. É um problema de gestão e financiamento. Não é um braço de ferro. Isso tem como objetivo atender a população que precisa. Não é uma luta de quem é mais forte”, completou.

SP 247 Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 05:51:31 +0000 http://www.brasil247.com/147763
Justiça intima Campos como testemunha da Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/147758 : Juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, aceitou pedido do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso, que indicou o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos como testemunha sobre a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco; também foi autorizado o depoimento do ex-ministro da Integração Nacional Fernando Bezerra, candidato do PSB ao Senado; apesar disso, magistrado reconhece dificuldade por conta do período eleitoral e considera que prova 'não é necessária' no caso <br clear="all"> :

247 - O juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, mandou intimar o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, para testemunho a pedido do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa na Operação Lava Jato. A decisão foi assinada no dia 22 de julho e divulgada nesta quarta-feira (23).

Também foi autorizado o depoimento do ex-ministro da Integração Nacional Fernando Bezerra, candidato do PSB ao Senado.

Apesar da decisão, magistrado considerou que a prova "não é necessária" no processo. Segundo ele, esclarecimentos sobre aumento no valor das obras da refinaria podem ser obtidos de outra forma, “com testemunha de mais fácil inquirição ou com requisição de informações e documentos à Petrobras”.

"Na compreensão, será muito difícil a oitiva de referidas testemunha em período de campanha eleitoral, concorrendo ambos a cargos eletivos, o primeiro presidencial", afirmou.

O juiz afirmou que há possibilidade de depoimento por videoconferência em data previamente agendada e estipulou prazo de 30 dias "já que há acusados presos".

Moro diz ainda que o objeto da ação não trata dos motivos do superfaturamento da refinaria Abreu e Lima, mas sim da suposta lavagem no fluxo de dinheiro da Petrobras para uma empresa que, segundo o Ministério Público Federal, era controlada pelo doleiro Alberto Youssef.

 

Paraná 247 Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 05:42:34 +0000 http://www.brasil247.com/147758
Skaf: 'Não vejo palanque duplo para Dilma em SP' http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/147762 : “Já falei e vou repetir. O PT é nosso adversário assim como o PSDB. Nossa proposta é independente do PSDB e do PT. Há 20 anos o PSDB e o PT polarizam em São Paulo. Há 20 anos a mesma visão, o mesmo jeito de fazer as coisas, as mesmas pessoas governam São Paulo”, disse o candidato do PMDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf; “Nossa proposta é oferecer uma visão nova, um jeito diferente de fazer as coisas” <br clear="all"> :

por Eduardo Maretti, da Rede Brasil Atual
São Paulo – O candidato do PMDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, voltou a dizer ontem (23), na capital, que para ele não há diferença entre os adversários do PT, Alexandre Padilha, e do PSDB, o governador Geraldo Alckmin, que concorre à reeleição. Perguntado se a presidenta Dilma Rousseff vai aparecer no seu material de propaganda e se vai abrir o palanque para ela em São Paulo, Skaf declarou: “Não enxergo palanque duplo. O palanque da presidente Dilma, como ela é do PT, é do candidato do PT”.

“Já falei e vou repetir. O PT é nosso adversário assim como o PSDB. Nossa proposta é independente do PSDB e do PT. Há 20 anos o PSDB e o PT polarizam em São Paulo. Há 20 anos a mesma visão, o mesmo jeito de fazer as coisas, as mesmas pessoas governam São Paulo”, acrescentou. “Nossa proposta é oferecer uma visão nova, um jeito diferente de fazer as coisas.”

Na segunda-feira, o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), coordenador da campanha de Dilma no estado, disse claramente que a intenção é ter um palanque duplo para a presidenta em São Paulo. “Queremos saber como o PMDB vai participar para valer da campanha da presidente Dilma. Como o PMDB vai ajudar neste processo”, disse Marinho.

Há 20 dias, o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, disse à RBA que nos estados onde há mais de um candidato da base de Dilma será preciso definir como vão se relacionar sem atrapalhar as campanhas de cada um e "buscando potencializar o objetivo geral, que é reeleger a presidenta Dilma”. Segundo o ministro, em São Paulo não haverá uma escolha. "Haverá o reconhecimento de que nós temos duas candidaturas fortes.”

Ação contra Alckmin

A coordenação jurídica da campanha de Skaf divulgou, no início da noite, ter entrado com ação contra o governador Geraldo Alckmin e o Facebook, por ilícito eleitoral, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP).

Skaf acusa o governador de burlar a proibição de propaganda eleitoral paga na internet. Os advogados de Skaf argumentam que Alckmin “turbinou o número de curtidores de sua página no Facebook mediante uso de links e posts patrocinados”, segundo informação da assessoria de comunicação do candidato do PMDB.

Para a coordenação jurídica de Skaf, ao violar a lei que proíbe a propaganda eleitoral paga na internet, a campanha de Alckmin conseguiu que mais pessoas curtissem seu perfil e, assim, fossem incorporadas à base que hoje recebe notícias sobre as eleições por meio da rede social.

Em dezembro de 2013, Alckmin tinha 100 mil seguidores, número que levou quatro anos a atingir, e com a estratégia contestada no TRE chegou a 320 mil em seis meses.

 

SP 247 Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 05:59:19 +0000 http://www.brasil247.com/147762
Oposição quer que CPI apure “pressão” sobre TCU http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147761 : “Na nossa visão, houve pressão política sobre o ministro José Jorge para isentar a presidente Dilma. Vamos apresentar requerimento de convocação novamente do ministro José Jorge para dar explicações. Se recebeu gente do governo, se houve pressão sobre esse relatório, porque seria uma coisa inédita neste país”, disse o líder do Solidariedade na Câmara, deputado Fernando Francischini (PR) <br clear="all"> :

Mariana Jungmann - Repórter da Agência Brasil - O relatório do Tribunal de Contas da União aprovado ontem (23), que pediu a condenação de 11 diretores da Petrobras a devolver US$ 792 milhões para a companhia por causa da compra equivocada da Refinaria de Pasadena, foi criticado por oposicionistas no Congresso. Já os governistas valorizaram a decisão do TCU de inocentar a presidenta Dilma do Rousseff do processo de compra da refinaria.

Os parlamentares da oposição consideraram que o TCU errou ao isentar a Dilma e outros membros do Conselho de Administração da Petrobras na época pela compra da refinaria. O líder do Solidariedade na Câmara, deputado Fernando Francischini (PR), defendeu que a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras investigue se houve pressão sobre o ministro relator, José Jorge.

“Na nossa visão, houve pressão política sobre o ministro José Jorge para isentar a presidente Dilma. Vamos apresentar requerimento de convocação novamente do ministro José Jorge para dar explicações. Se recebeu gente do governo, se houve pressão sobre esse relatório, porque seria uma coisa inédita neste país”, disse.

Na opinião de Francischini, a decisão do TCU beneficiará maus gestores, que não poderão ser responsabilizados quando se omitirem ou forem negligentes com erros cometidos por seus subordinados. “Porque no caso maior do país, que envolve a chefe da Casa Civil, que era presidente do Conselho de Administração, que era a grande gerente superpreparada do nosso país, deixou acontecer isso, por que vamos fazer com prefeito lá na ponta? É um trem da alegria que vai ser convalidado hoje”, avaliou.

Para os defensores do governo, o resultado do julgamento do TCU serviu para “jogar por terra” a intenção dos oposicionistas de tirar proveito político da situação. “Acredito que hoje, sem dúvida, foi um dia de verdadeira ducha de água fria até porque mesmo nessa posição, o ministro José Jorge foi obrigado a reconhecer que a presidenta Dilma não tem qualquer responsabilidade em qualquer irregularidade que foi eventualmente praticada, bem como foi essa a posição do procurador Rodrigo Janot”, disse o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).

No entanto, Costa questionou a isenção do relator da matéria no TCU e disse que “há opiniões divergentes” no tribunal sobre a responsabilidade dos 11 diretores que foram condenados e que ainda poderão recorrer à Justiça.

Os parlamentares se reuniram para ouvir o depoimento do secretário de Controle Externo da Administração Indireta do TCU, Osvaldo Perrout. A oitiva aconteceu a portas fechadas a pedido de Perrout, o que também gerou reclamações por parte da oposição. Ao fim, o relator da CPMI, deputado Marco Maia (PT-RS), também considerou que não havia necessidade do sigilo e disse que as informações prestadas por Perrout corroboram com o relatório do TCU aprovado hoje.

“O técnico aqui reafirmou este entendimento do TCU, ou seja, de um lado tira qualquer tipo de responsabilidade do Conselho de Administração e coloca esta responsabilidade nos diretores. É o que nós vamos nos aprofundar, no processo de investigação, para saber se há realmente esta responsabilidade, de quem é esta responsabilidade e quais os valores envolvidos nesta negociação e que precisam ser devolvidos aos cofres públicos”, disse o relator.

Poder Roberta Namour Thu, 24 Jul 2014 06:07:15 +0000 http://www.brasil247.com/147761
ONU vai investigar Israel por crimes de guerra http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147703 : Contra o voto dos Estados Unidos e com 19 abstenções, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas aprovou a formação de comissão para investigar governo de Benjamin Netanyahu por crimes de guerra na ofensiva contra a população civil na faixa de Gaza; 29 dos 47 países-membros votaram a favor; comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay fez comentário duro; "Há forte possibilidade de terem sido cometidos crimes de guerra. Cada incidente tem de ser investigado de modo adequado e independente"; 120 crianças já morreram, 900 estão feridas e, segundo a ONU, 107 mil sofreram traumas por perdas de parentes e moradias; baixas civis são mais de 600 entre os palestinos <br clear="all"> :

OPERA MUNDI - O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas aprovou nesta quarta-feira (23/07) uma resolução que condena Israel por sua ofensiva militar contra Gaza e também cria uma comissão própria para investigar crimes e violações do direito internacional na empreitada.

Entre os 47 países-membros do conselho, a resolução foi aprovada por 29 votos favoráveis — todos os países latino-americanos, incluindo o Brasil, apoiaram a proposta — e 17 abstenções (Alemanha, Itália, França e Reino Unido permaneceram neutros). Os Estados Unidos foram os únicos a se opor à proposta, assinalando que o conteúdo do documento é "destrutivo" e que em nada contribui para o fim das hostilidades.

GENEBRA (Reuters) - Israel pode ter cometido crimes de guerra ao matar civis e bombardear casas e hospitais durante suas duas semanas de ofensiva contra a Faixa de Gaza, disse a comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay, nesta quarta-feira.

Ao abrir um debate emergencial no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, Pillay também condenou o disparo indiscriminado de foguetes e projéteis de morteiro por militantes palestinos contra Israel.

Citando casos de bombardeios aéreos e disparos de artilharia que atingiram casas e hospitais no enclave costeiro, ela disse: "Esses são apenas alguns exemplos nos quais parece haver uma forte possibilidade de que a lei humanitária internacional esteja sendo violada, de um modo que pode caracterizar crimes de guerra. Cada um desses incidentes tem de ser investigado de modo adequado e independente", declarou Pillay, num de seus mais duros comentários sobre o conflito.

Israel nega as alegações, aumentando a guerra de palavras e acusando o Hamas de utilizar habitantes de Gaza como escudos humanos.

A entidade, com sede em Genebra, convocou uma sessão especial de um dia a pedido dos palestinos, do Egito e do Paquistão.

Israel acusa o Conselho de ser tendencioso e o boicotou durante 20 meses, tendo retomado sua cooperação em outubro. Seu principal aliado, os Estados Unidos, também Estado membro, dizem que Israel é injustamente acusada sozinha.

(Reportagem de Stephanie Nebehay)

Secretário dos EUA amplia esforços diplomáticos por cessar-fogo em Gaza

Por Nidal al-Mughrabi e Crispian Balmer

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Forças israelenses continuaram seus ataques na Faixa de Gaza nesta quarta-feira, encontrando dura resistência de militantes do grupo islâmico Hamas e forçando a fuga de milhares de moradores. Ao mesmo tempo, o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, dizia durante visita a Israel que as conversações por uma trégua haviam feito progresso.

Em um revés para a economia de Israel, e um golpe de relações públicas para o Hamas, empresas aéreas dos EUA e da Europa pararam de voar para o Estado judaico, citando preocupações sobre foguetes lançados por militantes de Gaza que atingiram uma casa perto do aeroporto Ben Gurion. Israel pediu a reconsideração dessa medida, dizendo que o espaço aéreo estava seguro.

Em uma viagem não anunciada, de apenas um dia, Kerry estava pronto para encontrar o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, sinalizando uma intensificação nos esforços para encerrar a violência.

"Nós certamente demos alguns passos para a frente. Ainda há trabalho a ser feito", disse Kerry logo após chegar ao país.

Até agora foram mortos 30 soldados de Israel no confronto, incluindo um oficial de tanque de guerra, atingido por um atirador de elite palestino durante a noite. No total, três civis morreram em Israel por conta dos ataques de foguetes lançados de Gaza, incluindo um trabalhador estrangeiro atingido nesta quarta-feira.

Os militares dizem que um de seus soldados está desaparecido e acreditam que ele possa estar morto. O Hamas diz tê-lo capturado, mas ainda não divulgou uma foto dele em cativeiro.

O ministério da Saúde de Gaza informou que 18 palestinos foram mortos nesta quarta-feira, a maioria na cidade de Khan Yunis, no sul - um dos principais alvos da ofensiva israelense.

No extremo norte, os moradores continuaram a fugir de Beit Hanoun à medida que tanques israelenses avançam na cidade, perto da fronteira, tendo destruído pomares próximos em busca de túneis ocultos do Hamas.

"Colunas de pessoas estão indo para oeste de Beit Hanoun, à procura de um abrigo seguro. Isto não é uma guerra, isto é aniquilação", disse Hamed Ayman, de 17 anos.

"Antes eu sonhava em me tornar um médico. Hoje estou sem casa. Eles deveriam prestar atenção quanto ao que eu poderia me tornar depois", afirmou o jovem à Reuters.

Autoridades da Faixa de Gaza disseram que até agora, no conflito de 16 dias, 475 casas foram totalmente destruídas pelo fogo israelense e 2.644 parcialmente danificadas. Cerca de 46 escolas, 56 mesquitas e sete hospitais também sofreram danos em diferentes graus.

Mundo Gisele Federicce Wed, 23 Jul 2014 14:40:25 +0000 http://www.brasil247.com/147703
Governo libera R$ 3 mi para reabertura da Santa Casa http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/147699 : Maior centro de atendimento filantrópico da América Latina, a Santa Casa de São Paulo teve o pronto-socorro fechado nesta terça-feira por falta de recursos; segundo o secretário estadual de Saúde, David Uip, a pasta pretende fazer uma auditoria nas contas da instituição <br clear="all"> :

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo anunciou nesta quarta-feira 23 que irá liberar R$ 3 milhões para a reabertura do Pronto-Socorro da Santa Casa de Misericórdia da cidade, fechado desde ontem (22) por falta de recursos. Segundo o secretário de Saúde, David Uip, a pasta pretende fazer uma auditoria nas contas da instituição.

A Santa Casa, o maior centro de atendimento filantrópico da América Latina, está com o pronto-socorro fechado e também suspendeu as cirurgias eletivas e os exames laboratoriais, afetando em torno de 6 mil pessoas. Só no atendimento de emergência passam em média 1,2 mil pacientes por dia. Foram mantidos apenas o acompanhamento dos internados e as consultas já agendadas.

SP 247 Gisele Federicce Wed, 23 Jul 2014 14:17:50 +0000 http://www.brasil247.com/147699
O que explica a diferença entre Ibope e Datafolha? http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147692 : Intenções de voto captadas pelos dois institutos de pesquisa para primeiro turno coincidem; grande diferença está na simulação de segundo turno; enquanto o Datafolha, de Mauro Paulino, aponta empate técnico entre a presidente Dilma Rousseff (PT), com 44%, contra 40% de Aécio Neves, e vitória de apenas sete pontos entre Dilma e Campos, no Ibope, de Carlos Augusto Montenegro, Dilma vence com distância nos dois cenários: 41% contra 33%, contra Aécio, e 41% contra 29%, contra Campos; ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta quarta-feira que, entre um e outro levantamento, "deve dar uma diferença de 10 milhões de votos"; "Tá muito longe", afirmou <br clear="all"> :

247 – Nas últimas eleições municipais, o instituto Datafolha cometeu um dos erros mais grosseiros de sua história. Na véspera da eleição, divulgou uma pesquisa com empate triplo em primeiro lugar – José Serra (PSDB) com 28%, Celso Russomano (PRB) com 27% e Fernando Haddad (PT) com 24% -, quando na verdade apenas dois se classificaram, Serra (30,75%) e Haddad (28,98%), e o terceiro, Celso Russomano, mal deu torcida (21,6%). Agora, nesta eleição presidencial, os resultados do Datafolha começam a despertar dúvidas desde cedo.

Na pesquisa divulgada na última quinta-feira 17, o levantamento do Datafolha mostra a presidente Dilma Rousseff (PT) com 36% das intenções de voto, o candidato do PSDB, Aécio Neves, com 20%, e Eduardo Campos (PSB) com 8%. Os números são bastante similares, considerando o empate técnico, com os do Ibope divulgados na noite desta terça-feira 22. Nessa mostra, Dilma tem 38%, Aécio, 22%, e Campos mantém os 8%.

A grande diferença está na simulação de segundo turno. Enquanto o Datafolha registra empate técnico entre Dilma (com 44% das intenções de voto) e Aécio (com 40%), e uma pequena distância entre Dilma (45%) e Campos (38%), o Ibope aponta vitória distante da petista nas duas hipóteses, quando enfrenta o senador tucano (41% contra 33%) e quando disputa com o ex-governador de Pernambuco (41% contra 29%).

O próprio Planalto reagiu com estranheza ao Datafolha da semana passada, conforme noticiou Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania. Segundo ele, a pesquisa foi recebida "com espanto e até com indignação" pela equipe do governo Dilma, que questionou, por exemplo, a lógica de o candidato do PSDB ficar estacionado no primeiro turno e ganhar 20 pontos percentuais em um eventual segundo turno, enquanto a petista só ganharia oito.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta quarta-feira 23 ver uma grande diferença entre os dois levantamentos e ressaltou que "pesquisa eleitoral não conclui nada". "As pesquisas nos deixam um pouco sem ter condição de concluir. Se você olhar o Datafolha e o Ibope deve dar uma diferença de 10 milhões de votos entre um e outro. Tá muito longe. Como não sou pesquisador, eu fico olhando isso. Serve para a gente refletir, mas pesquisa não conclui nada", afirmou.

Poder Gisele Federicce Wed, 23 Jul 2014 12:58:57 +0000 http://www.brasil247.com/147692
Latuff: ativistas presos por presunção de culpa http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/147694 : Nova charge do cartunista Carlos Latuff ironiza o "Estado Democrático de Direito" com a prisão, pela polícia, de manifestantes no Rio de Janeiro, com apoio da imprensa e da Justiça <br clear="all"> :

Rio 247 Gisele Federicce Wed, 23 Jul 2014 13:17:53 +0000 http://www.brasil247.com/147694
Avião se acidenta ao pousar em Taiwan; 47 morrem http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147682 : Aeronave da Transasia Airways sofreu acidente enquanto fazia sua segunda tentativa de pouso de emergência durante uma tempestade em uma ilhada perto de Taiwan nesta quarta-feira; 47 morreram e prédios foram incendiados; avião do modelo ATR 72 levava 54 passageiros e quatro tripulantes a bordo <br clear="all"> :

TAIPEI (Reuters) - Um voo doméstico da Transasia Airways sofreu um acidente em sua segunda tentativa de pousar durante uma tempestade em uma ilha perto de Taiwan nesta quarta-feira, matando 47 pessoas e incendiando edifícios, disseram autoridades locais.

O avião do modelo ATR 72 com capacidade para 70 passageiros caiu próximo à pista de pouso da ilha de Penghu, a oeste da ilha principal, com 54 passageiros e quatro tripulantes a bordo, disseram as fontes. Ninguém foi morto ou ficou ferido nos edifícios que pegaram fogo.

Onze feridos a bordo do avião foram levados para o hospital, disse o governo.

A aeronave havia decolado da cidade de Kaohsiung, no sul de Taiwan, e se dirigia para a ilha de Makong, mas caiu ao tentar pousar no município de Huxi, no distrito de Penghu, principal ilha na cordilheira conhecida como Pescadores.

"A condições eram de tempestade durante o acidente", disse His Wen-guang, um porta-voz dos bombeiros de Penghu.

"Enviamos 11 pessoas com lesões do local do acidente para o hospital. Alguns edifícios adjacentes à pista de pouso pegaram fogo, mas não havia ninguém dentro no momento e o fogo foi extinto", acrescentou.

O tufão Matmo atingiu Taiwan nesta quarta-feira, trazendo fortes chuvas e ventos e fechando desde o mercado financeiro a escolas.

(Reportagem de Michael Gold; Texto de Nick Macfie)

Mundo Gisele Federicce Wed, 23 Jul 2014 11:40:53 +0000 http://www.brasil247.com/147682
Skaf trava batalha digital contra Alckmin http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/147676 : Candidato ao governo de São Paulo pelo PMDB, Paulo Skaf acusa o tucano de ter inflado o número de seguidores no Facebook comprando links e posts patrocinados e diz que pretende levar o caso à Justiça Eleitoral nesta quarta-feira 23 <br clear="all"> :

SP 247 - A campanha do candidato do PMDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, iniciou uma batalha digital contra o candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB). O peemedebista acusa o tucano de ter pago para conseguir o atual número de seguidores no Facebook e pretende levar o caso à Justiça Eleitoral. Leia abaixo na coluna Painel, da Folha de S. Paulo:

Pagando bem... A campanha de Paulo Skaf (PMDB) acusa o governador Geraldo Alckmin (PSDB) de ter inflado seu número de seguidores no Facebook comprando posts e links patrocinados. A lei eleitoral proíbe propaganda paga na internet.

... que mal tem? O PMDB levará o caso hoje à Justiça Eleitoral. Vai pedir a exclusão de seguidores e alegar que os anúncios, mesmo sendo anteriores à campanha, beneficiam Alckmin na disputa.

SP 247 Gisele Federicce Wed, 23 Jul 2014 11:21:40 +0000 http://www.brasil247.com/147676
Lula cutuca FHC: controlar inflação demitindo é fácil http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147606 : Ex-presidente afirma, em sua página no Facebook, que durante os 12 anos do governo do PT, "a inflação se manteve dentro da meta" e que isso foi feito com aumento de salário mínimo, crescimento do mercado interno e taxa de desemprego baixa; ontem, durante congresso com químicos no litoral paulista, petista alfinetou Fernando Henrique Cardoso: "É muito fácil controlar a inflação demitindo trabalhadores e arrochando salários"; eleições marcam duelo de corpo a corpo entre ex-presidentes, que fazem de tudo para preservar seus legados e nunca tiveram tanta importância para os candidatos de seus partidos <br clear="all"> :

247 – A eleição presidencial de outubro já tem uma marca exclusiva: nunca antes ex-presidentes foram tão influentes nos destinos dos candidatos de seus partidos. A ponto de, muitas vezes, assumirem o protagonismo do debate e ocuparem as manchetes no lugar de quem estará diretamente sob o julgamento das urnas. Em nenhum outro país isso acontece, muito menos na proporção e com a naturalidade com que ocorre no Brasil.

Na manhã desta quarta-feira 23, antes que o tucano Fernando Henrique ocupasse a mídia, o petista Lula já apareceu para tomar o espaço com uma alfinetada ao antecessor tucano. "No Brasil, durante os 12 anos dos governos Lula e Dilma, a inflação se manteve dentro da meta. Isso foi feito com aumento real de salário mínimo, crescimento do mercado interno e uma taxa de desemprego menor que muito países europeus", postou o ex-presidente petista no Facebook.

A mensagem resgata uma frase de Lula dita ontem, durante congresso de químicos na Praia Grande, no litoral paulista. "É muito fácil controlar a inflação demitindo trabalhadores e arrochando salários", disse o ex-presidente, acrescentando na mensagem na rede social: mas o compromisso dos governos Lula e Dilma tem sido o de controlar a inflação melhorando a vida do trabalhador. O link leva para uma publicação do site Muda Mais, que diz: "Inflação cai, mas nem todo mundo viu assim".

Lula também veio hoje com declarações de que a presidente Dilma Rousseff irá superar a rejeição e convencer o eleitorado de São Paulo a dar o voto a ele. A julgar pelo que vem ocorrendo até aqui, ele deverá ser retrucado pelo rival.  

Nas últimas semanas, não passou um dia sequer sem que Fernando Henrique ou Lula não tivesse procurado criar fatos políticos um atrás do outro. Chamando o adversário para a briga verbal, o tucano registrou dias atrás que o petista não sabe reconhecer seus próprios erros, preferindo apenas atacar quem o critica. Dando de ombros, Lula devolveu que não lê o que Fernando Henrique. A troca de farpas, sem dúvida, vai continuar cada vez mais certeira até outubro.

Enquanto Fernando Henrique, na eleição, joga a favor do resgate de seu estilo de governo, Lula trabalha pela reeleição da presidente Dilma Rousseff para ele próprio ter um caminho de volta à Presidência da República mais suavizado, com uma aliada no poder. Pela idade, FHC não pensa em voltar, mas o antigo núcleo de sua equipe econômica, com Armínio Fraga à frente, já fala em nome de Aécio e muitos de sus antigos auxiliares em outras áreas ocupam postos chave na campanha. O tesoureiro, por exemplo, é seu ex-ministro e amigo pessoal José Gregori.

A influência de Lula sobre Dilma se dá em outro plano. O ex-presidente tem no jornalista Franklin Martins e no chefe do gabinete presidencial Gilberto Carvalho homens de sua confiança no centro da campanha de reeleição. Lula manterá a posição, se Dilma ganhar a eleição, de principal interlocutor da presidente, saindo como pré-candidato favorito no PT para concorrer em 2018.

Aos 83 anos, Fernando Henrique não alimenta planos de voltar. Mas ele também tem muito a ganhar. A vitória de Aécio, que ele próprio lançou e que não esconde a admiração pelo governo e o estilo pessoal do ex-presidente, seria um espetacular resgate de sua herança política. Depois de ter tido sua gestão defenestrada seguida por Lula, primeiro, e por Dilma, sem seguida, FHC atua fortemente para vencer essa revanche. Ele tem concedido mais entrevistas e não se furta a orientar os passos do candidato.

Poder Ana Pupulin Wed, 23 Jul 2014 10:26:18 +0000 http://www.brasil247.com/147606
Herdeiro do Estadão compara PT a Getúlio e prega resistência http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/147658 : Fernão Lara Mesquita, um dos herdeiros do jornal Estado de S. Paulo, ainda vive nos tempos da batalha perdida de 1932 e compara a era Lula-Dilma aos anos de Getúlio Vargas, que, segundo ele, devem ser combatidos pela resistência paulista; "São Paulo resistiu sozinho a Getúlio; São Paulo vem resistindo até aqui quase sozinho a Lula. A luta de 1932, portanto, ainda não acabou. E em outubro próximo haverá uma batalha decisiva", diz ele; incrível <br clear="all"> :

247 - O jornalista Fernão Lara Mesquita, um dos herdeiros do jornal Estado de S. Paulo, compara a era Lula-Dilma ao período em que o Brasil foi governado por Getúlio Vargas e prega a resistência paulista contra este modelo. Leia abaixo:

O 9 de Julho, de Getúlio ao PT

Fernão Lara Mesquita

São Paulo comemorou este mês, ainda com um feriado estadual (Marta Suplicy já tentou acabar com ele uma vez), o 82º aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932 que muito pouca gente, neste Estado e no resto do Brasil, sabe o que foi.

É impróprio, aliás, usar os verbos no passado para tratar deste assunto. Pois a luta de 1932, que começara pelo menos 50 anos antes com o Movimento Abolicionista que desaguou na República e que por sua vez finca raízes na Guerra do Paraguai (1864-1870) onde começou a se formar a identidade nacional brasileira, é exatamente a mesma de hoje.

Gira em torno da seguinte pergunta: onde é que se quer instalar a sociedade brasileira emancipada, do lado da civilização ou da barbárie? No Estado de Direito regido pela Lei igual para todos ou nas versões modernas do caudilhismo populista que se alimentam da ignorância onde fala quem pode e obedece quem tem juízo? Numa meritocracia onde só a educação e o esforço legitimam a diferença ou nas variações das misturas de autoritarismo e demagogia em que temos vegetado onde a cooptação e a cumplicidade com a corrupção são os únicos caminhos para o Poder e para a afluência?

O Movimento Abolicionista que, meio acidentalmente, deságua na República, é o primeiro na História do Brasil a nascer nas ruas e não nos palácios, como todos os que o antecederam, e a tomar o país inteiro numa avassaladora mobilização cívica.

Ele nasceu sob inspiração direta da Revolução Americana. Muitos dos seus principais líderes brancos e negros – especialmente em São Paulo e em Pernambuco – frequentaram as mesmas “lojas maçônicas” (precursoras da “rede mundial” onde tais processos se articulam hoje) em que a elite do Iluminismo fugida do absolutismo monárquico europeu, regime sob o qual vivia o Brasil e o resto do mundo de então, iniciou o debate que resultaria no desenho das instituições da democracia moderna.

Tratava-se de uma humanidade escaldada por dois mil anos dormindo sob o risco de sua majestade acordar de mau humor e mandar torturá-la até a morte sem ter de dar explicações a ninguém.

Para garantir que nunca mais fosse assim, aqueles conspiradores estabeleceram os princípos fundamentais da democracia que ainda não chegou por aqui: o império da lei inclusive e principalmente sobre os governantes; a vontade popular, democraticamente aferida, como única fonte de legitimação dessas leis e o mérito individual como única fonte de legitimação do poder econômico; a descentralização do poder para garantir a fiscalização a mais direta possível dos representados sobre os representantes concentrando nos municípios todas as decisões que dissessem respeito a eles próprios, nos estados apenas as que se referissem aos assuntos que envolvessem mais de um município e na União só os que não pudessem ser resolvidos por essas duas instâncias, e mais as relações internacionais.

Por cima de tudo, para garantir que de fato assim fosse e que as tentações do mando não produzissem os efeitos que sempre produzem no caráter dos homens, estabeleceu-se também que cada uma dessas instâncias de governo fossem divididas em três poderes autônomos e independentes, um encarregado de fiscalizar e contrabalançar os atos do outro.

Nas trincheiras em Silveiras

Não foi atôa, portanto, que as testemunhas desse verdadeiro milagre, algumas delas ex-escravos libertos como Luis Gama, autor da proposta de que a república brasileira fosse baseada nesses mesmos princípios e se chamasse República dos Estados Unidos do Brasil como o país de fato se chamou até o início do regime militar de 1964 (veja matéria sobre ele neste link), tivessem se encantado por esses ideais e dedicado suas vidas a plantá-los no Brasil.

Foi em nome deles que nasceu a República, foi em nome deles que foram feitas a Revolução de 1930, a redemocratização de 1945, o contragolpe de 1964 e a redemocratização de 1985.

Continuamos na mesma luta até hoje.

Getúlio traiu, como Lula, a bandeira da “ética na política” que levou os dois ao poder em 1930 e em 2002. Getúlio adiando a convocação de uma Assembléia Constituinte e nomeando títeres como governadores dos estados até que São Paulo se levantasse contra a sua ditadura não declarada em 1932; Lula aliando-se a todos os paladinos da bandalheira na política que antes atacava para se perenizar no poder.

Foram 87 dias em que toda a população do Estado de São Paulo – homens e mulheres, pobres e ricos, da capital e do interior – pegou em armas numa guerra desigual contra os exércitos da União. Foi derrotado militarmente mas teve uma vitória moral tão indiscutível que Getúlio, depois de devolver o governo do estado a lideranças paulistas (na pessoa de Armando Salles de Oliveira), sentiu-se constrangido a convocar finalmente a Constituinte que deu ao Brasil, em 1934, a única Constituição verdadeiramente democrática que ele teve.

Tão democrática que o caudilho não conseguiu conviver com ela e “fechou” o país, em 1937, decretando a sua própria Constituição e reinstalando a ditadura, num movimento semelhante ao que o PT pretende repetir agora decretando que nossas leis passarão a ser feitas não mais por um Congresso Nacional democraticamente eleito por todos os brasileiros mas pelos “movimentos sociais” que o partido eleger.

Um dos primeiros atos da ditadura varguista, além de extinguir os partidos políticos, foi queimar as bandeiras dos estados na cerimonia que você poderá assistir no filme que abre esta matéria. Os “argumentos” para tal ato estão todos lá…

O PT também trata de centralizar o poder não pelos métodos explícitos possíveis nos anos 30 do último século do milênio passado, mas por meio de uma sucessão de Medidas Provisórias e outros expedientes subreptícios que, passo a passo, vão tirando atribuições e fontes de arrecadação dos governos estaduais e municipais de modo a deixá-los totalmente dependentes da União.

Getulio fechou o Congresso; Lula comprou o Congresso. Getúlio instalou um Poder Judiciário teleguiado; Lula criou um Poder Judiciário colonizado. Getulio instituiu o regime em que “Para os amigos, (o Estado dava) tudo; para os inimigos, (o Estado aplicava) a lei”; Lula instituiu o sistema das ações policiais seletivas e dos vazamentos para a imprensa dos “podres” dos seus adversários políticos de par com as suites especiais para os poucos amigos presos antes da desmontagem do Poder Judiciário. Getulio criou a industria de base e a distribuiu entre os “amigos” que financiavam o regime; Lula reverteu a economia democratizada que recebeu na política dos “campeões nacionais” donos de monopólios setoriais financiados com dinheiro público e financiadores das campanhas do PT. Getulio seduziu o povão com a outorga de direitos sem a contrapartida dos deveres; Lula comprou o povão com os salários sem a contrapartida do trabalho. Getúlio criou os sindicatos pelêgos sustentados pelo Estado; Lula e o PT são o produto direto deles.

São Paulo resistiu sozinho a Getúlio; São Paulo vem resistindo até aqui quase sozinho a Lula.

A luta de 1932, portanto, ainda não acabou. E em outubro próximo haverá uma batalha decisiva.

Mídia Leonardo Attuch Wed, 23 Jul 2014 09:54:23 +0000 http://www.brasil247.com/147658
Gaza: 29 mortos de Israel contra 600 palestinos http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147650 : Exército israelense anunciou que 29 soldados do país morreram em ofensiva contra o Hamas que já causou a morte mais de 600 palestinos e deixou ainda 4 mil feridos – maioria civis que acabaram como alvos dos bombardeamentos israelenses <br clear="all"> :

Da Agência Lusa - O Exército israelense anunciou hoje (23) que a ofensiva militar contra o Hamas já provocou a morte a 29 soldados do país, depois de mais dois militares terem morrido em combate ontem (22).

Além dos 29 mortos, Israel fala também em militares feridos, nove dos quais com gravidade e oito de forma leve, em diferentes incidentes na Faixa de Gaza.

Já os números das Nações Unidas para as perdas palestinas superam os 600, com o registo de ainda 4 mil feridos – maioria civis que acabaram como alvos dos bombardeamentos israelenses.

Mundo Roberta Namour Wed, 23 Jul 2014 08:53:20 +0000 http://www.brasil247.com/147650
Ministro do TCU isenta Dilma no caso Pasadena http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/147630 : Relator José Jorge aceitou o argumento apresentado pela presidente Dilma Rousseff e defende que os conselheiros da Petrobras na época não sejam responsabilizados pelas irregularidades da compra da refinaria dos EUA; em contrapartida, ele sugere a punição de diretores da estatal, estimando um prejuízo de cerca de US$ 700 milhões (R$ 1,5 bilhão); relatório será votado nesta quarta-feira pelo plenário do tribunal <br clear="all"> :

247 – O ministro José Jorge, relator do processo no TCU (Tribunal de Contas da União) sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras, defende que os conselheiros da empresa na época, entre eles a hoje presidente Dilma Rousseff, não sejam responsabilizados pelas irregularidades do caso.

O relatório, que deve ser votado nesta quarta-feira (23) pelo plenário do tribunal, sugere a punição de diretores da estatal, estimando um prejuízo de cerca de US$ 700 milhões (R$ 1,5 bilhão). Entre eles, estão os ex-diretores da área internacional Nestor Cerveró e de abastecimento Paulo Roberto Costa, preso em uma operação da Polícia Federal sob a suspeita de esquema de lavagem de dinheiro com o doleiro Alberto Youssef.

José Jorge aceitou o argumento apresentado pela presidente Dilma de que os conselheiros nos anos de 2006 e 2007 não foram informados pela diretoria de algumas cláusulas da compra.

Se a proposta do relator for aprovada, a presidente e outras nove pessoas (entre elas seis ministros e ex-ministros), que participaram das reuniões como conselheiros aprovando as transações, ficam isentas de punição.

Brasília 247 Roberta Namour Wed, 23 Jul 2014 05:43:35 +0000 http://www.brasil247.com/147630
Deputado denuncia suposto suborno por apoio ao PSB http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/147634 : Deputado federal José Augusto Maia (Pros-PE) afirma que PSB chegou a oferecer até R$ 6 milhões para o presidente nacional do Pros, Eurípedes Jr., e para o líder da bancada do PP na Câmara, Eduardo da Fonte (PE) para integrarem a coligação do candidato ao governo de Pernambuco Paulo Câmara (PSB), como sucessor de Eduardo Campos; eles negam a transação  <br clear="all"> :

247 - O deputado federal José Augusto Maia (Pros-PE) acusa o PSB de oferecer "vantagem financeira" para que seu partido integrasse a coligação do candidato a governador Paulo Câmara (PSB), candidato à sucessão de Eduardo Campos em Pernambuco. Segundo ele, soma oferecida chegou a R$ 6 milhões.

Ele afirma que o suborno foi feito ao presidente nacional do Pros, Eurípedes Jr., e ao líder da bancada do PP na Câmara, Eduardo da Fonte (PE). Ambos teriam negado a transação. 

A campanha de Paulo Câmara divulgou nota em que "refuta veementemente a acusação". "Esta não é a forma de fazer política da Frente Popular, que conta com o apoio de 21 partidos, sendo esta a maior coligação já constituída em torno de uma candidatura."

Leia aqui reportagem de Ranier Bragon sobre o assunto. 

Pernambuco 247 Roberta Namour Wed, 23 Jul 2014 06:05:49 +0000 http://www.brasil247.com/147634
Deputada será investigada por carona a ativistas http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/147629 : Polícia Civil do Rio de Janeiro registrou ocorrência contra a deputada estadual Janira Rocha (PSOL), por crime de favorecimento pessoal; ela admitiu ter dado carona aos ativistas Eloísa Samy, David Paixão e à namorada dele, acusados de atos violentos, que tiveram asilo político negado pelo Consulado-Geral do Uruguai <br clear="all"> :

Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil - A Polícia Civil do Rio de Janeiro registrou ontem (22) ocorrência contra a deputada estadual Janira Rocha (PSOL), por crime de favorecimento pessoal. A deputada admitiu ter dado carona aos ativistas Eloísa Samy, David Paixão e à namorada dele, acusados de atos violentos, que tiveram asilo político negado pelo Consulado-Geral do Uruguai na segunda-feira (21).

A parlamentar admitiu que deixou o prédio do consulado pela porta da frente levando os ativistas, considerados foragidos.

Com base nas declarações da deputada, a 10ª Delegacia de Polícia (Botafogo) fez um registro de ocorrência para a presidência da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e ao Tribunal de Justiça sobre o crime de favorecimento pessoal (Artigo 348 do Código Penal), que teria sido cometido pela parlamentar.

Rio 247 Roberta Namour Wed, 23 Jul 2014 05:49:54 +0000 http://www.brasil247.com/147629
Em crise, Santa Casa de SP fecha emergência http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/147632 : Maior hospital filantrópico da América Latina acumula uma dívida de cerca de R$ 50 milhões com os fornecedores e fecha Pronto-Socorro, que atende 1,2 mil pacientes diariamente, por falta de materiais e medicamentos; Ministério da Saúde e a Secretaria Estadual da Saúde divulgaram notas dizendo que irão tomar providências <br clear="all"> :

247 – Sem recursos, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, maior hospital filantrópico da América Latina, interrompeu os atendimentos de emergência no final da tarde desta terça-feira (22).

Responsável por receber 1,2 mil pacientes diariamente e referência em atendimentos de alta complexidade, o Pronto-Socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo acumula uma dívida de cerca de R$ 50 milhões com os fornecedores.

Em 400 anos de história, é a segunda vez que a Santa Casa interrompe os atendimentos de urgência e emergência. O primeiro fechamento aconteceu nos anos 1980, pelo mesmo motivo.

A instituição culpa a desatualização da tabela de repasses do SUS para bancar procedimentos médicos. "Não temos dinheiro para remédio. Não tem seringa, soro e esparadrapo", disse Kalil Rocha Abdalla, provedor da Santa Casa.

O Ministério da Saúde e a Secretaria Estadual da Saúde divulgaram notas dizendo que irão tomar providências.

SP 247 Roberta Namour Wed, 23 Jul 2014 05:34:51 +0000 http://www.brasil247.com/147632
Ministra levanta dúvidas sobre Cantareira em 2015 http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/147635 : “Há uma preocupação em relação à segurança hídrica do reservatório em 2015”, disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira; "Embora o Brasil já esteja vivendo os efeitos do El Niño, não há nenhuma garantia de que o El Niño vai gerar chuvas em São Paulo. A correlação entre as duas coisas é zero", afirmou <br clear="all"> :

247 – A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, colocou em dúvida, nesta terça-feira (22), o abastecimento de água pelo sistema Cantareira até março de 2015, como havia garantido a Sabesp, companhia de água do governo de São Paulo.

“Há uma preocupação em relação à segurança hídrica do reservatório em 2015”, disse em reunião convocada pela ANA (Agência Nacional das Águas) com especialistas de diversas instituições, como USP e Unicamp, para discutir o assunto.

"Embora o Brasil já esteja vivendo os efeitos do El Niño, não há nenhuma garantia de que o El Niño vai gerar chuvas em São Paulo. A correlação entre as duas coisas é zero", afirmou. "É muito prematuro falar isso", disse.

Além disso, afirma que desviar água do Alto-Tietê para suprir o Sistema Cantareira é “estressar” outro sistema hídrico para garantir o abastecimento de água em São Paulo.

Brasil Roberta Namour Wed, 23 Jul 2014 06:21:46 +0000 http://www.brasil247.com/147635
Ibope: Dilma mantém dianteira em 1º e 2º turnos http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147620 : Pesquisa Ibope, divulgada nesta terça (22), apresenta cenário mais favorável à presidente Dilma Rousseff (PT) do que o último Datafolha; na disputa pelo segundo turno, Dilma vence nos dois cenários: ela soma 41% tanto quando enfrenta Aécio (que fica com 33%) quanto quando o adversário é Campos (que soma 29%); no entanto, avaliação do governo segue em baixa: apenas 31% avaliam como ótimo e bom; sobre a forma da presidente Dilma governar, aprovação é de 44%; confira todos os dados <br clear="all"> :

247 - Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (22) pelo Jornal Nacional, da TV Globo, mostrou que a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, tem 38% dos votos. Em segundo lugar aparece o candidato do PSDB a presidente do país, senador Aécio Neves, com 22% das intenções de votos. O ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, candidato a Presidência pelo PSB, aparece com 8% dos votos. O Pastor Everaldo tem 3%.

No levantamento anterior realizado pelo instituto, em junho, Dilma aparecia com 39%, Aécio com 21% e Campos com 10%. O candidato do PSC, Pastor Everaldo, alcançou 3% das intenções de voto, mesmo percentual do levantamento anterior.

Confira abaixo os números do Ibope, segundo a pesquisa estimulada, em que os nomes de todos os candidatos são apresentados ao eleitor (os candidatos que aparecem com 0% são os que tiveram menos de 1% das menções cada um):

- Dilma Rousseff (PT): 38%
- Aécio Neves (PSDB): 22%
- Eduardo Campos (PSB): 8%
- Pastor Everaldo (PSC): 3%
- Luciana Genro (PSOL): 1%
- Zé Maria (PSTU): 1%
- Eduardo Jorge (PV): 1%
- Eymael (PSDC): 0%
- Levy Fidelix (PRTB): 0%
- Mauro Iasi (PCB): 0%
- Rui Costa Pimenta (PCO): 0%
- Branco/nulo: 16%
- Não sabe/não respondeu: 9%

O Ibope fez a pesquisa entre as últimas sexta (18) e segunda (21). O instituto ouviu 2.002 eleitores em 143 municípios. A margem de erro é de dois pontos, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso quer dizer que o instituto tem 95% de certeza de que os resultados obtidos estão dentro da margem de erro. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-00235/2014.

Pesquisa espontânea

Na parte da pesquisa em que os entrevistadores do Ibope simplesmente perguntaram ao eleitor em quem votará (sem apresentar a ele a relação dos candidatos), 26% mencionaram Dilma. Veja abaixo:

- Dilma Rousseff: 26%
- Aécio Neves: 12%
- Eduardo Campos: 4%
- Outros: 2%
- Brancos/nulos: 17%
- Não sabe/não respondeu: 39%

Segundo turno

O Ibope fez simulações de segundo turno entre Dilma e Aécio e entre Dilma e Campos. Os resultados são os seguintes:

- Dilma Rousseff: 41%
- Aécio Neves: 33%
- Branco/nulo: 18%
- Não sabe/não respondeu: 8%
- Dilma Rousseff: 41%
- Eduardo Campos: 29%
- Branco/nulo: 20%
- Não sabe/não respondeu: 10%

Rejeição

A pesquisa aferiu a taxa de rejeição de cada um dos candidatos, isto é, aquele em quem o eleitor diz que não votará de jeito nenhum. Dilma tem a maior rejeição e Eduardo Jorge, a menor:

- Dilma Rousseff: 36%
- Aécio Neves: 16%
- Pastor Everaldo: 11%
- Zé Maria: 9%
- Eduardo Campos: 8%
- Eymael: 8%
- Levy Fidelix: 8%
- Luciana Genro: 6%
- Mauro Iasi: 6%
- Rui Costa Pimenta: 6%
- Eduardo Jorge: 5%
- Poderia votar em todos: 13%
- Não sabe/não respondeu: 17%

Expectativa de vitória

De acordo com o Ibope, 54% dos entrevistados (independentemente da intenção de voto) acham que o futuro presidente da República será Dilma Rousseff; 16% opinaram que será Aécio Neves; 5% acreditam que será Eduardo Campos.

Desejo de mudança

Aumentou do desejo de mudança do eleitorado em relação à pesquisa anterior. No levantamento anterior, de maio, 65% diziam que gostariam de mudar tudo ou quase tudo no governo. Agora, os mudancistas são 70%. Eles se dividem em dois grupos: 29% gostariam que o próximo presidente mudasse totalmente o governo do País (eram 30% em maio), e outros 41% querem que o próximo governante mantenha alguns programas mas mude muita coisa – ante 35% na pesquisa anterior.

Segundo 18% dos eleitores, o próximo presidente deveria fazer poucas mudanças e manter muitas coisas – ante 21%. Para 10%, a próxima gestão deveria dar total continuidade ao atual governo. Os que queriam total continuidade eram 9% em maio.

Situação econômica

A maior parte dos eleitores classifica a atual situação econômica do Brasil como regular. É a opinião de 48%, segundo o Ibope. Partes equivalentes avaliam que a economia está boa ou ótima (24%), ou julgam que, ao contrário, a situação econômica está ruim ou péssima (25%).

O Ibope também perguntou aos eleitores sobre suas expectativas para a economia do País em 2015. A maior parte (41%) acredita que a situação estará no próximo ano igual a como está hoje. Outros 34% acreditam que estará melhor, e 18%, que ficará pior do que em 2014.

Avaliação do governo Dilma:

Bom/Ótimo - 31%

Regular - 36%

Ruim/Péssimo - 33% 

Forma de governar de Dilma

Aprovam - 44%

Desaprovam - 50%

A sondagem foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo".

Poder Valter Lima Tue, 22 Jul 2014 21:13:23 +0000 http://www.brasil247.com/147620
PT processa Aécio por peculato e prevaricação http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147610 : Pega fogo a campanha eleitoral; o Partido dos Trabalhadores acaba de entrar com representação criminal contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), em razão do aeroporto construído em terras que já pertenceram à sua família, no município mineiro de Cláudio; petição ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pede também que se investigue por que o governo mineiro optou pela fazenda de Múcio Tolentino, tio de Aécio; coordenador jurídico da campanha da presidente Dilma, Flávio Caetano diz que denúncia é "gravíssima", porque "além de mostrar que há um beneficiamento privado de algo que seja público, também há relação da empresa que fez o aeroporto com doações de campanha ao senador Aécio"; em nota, PSDB defendeu investigação e disse que obra atendeu a critérios técnicos <br clear="all"> :

247 - Como havia decidido ontem, o PT pediu nesta terça-feira 22 ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, investigação contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato à Presidência da República, pelos crimes de peculato (crime cometido contra a administração pública) e prevaricação. A representação se deve à construção de um aeroporto no município de Cláudio, em Minas Gerais, em terras que pertenceram ao tio de Aécio, na época em que o tucano era governador do estado.

"Os fatos são gravíssimos e merecem rigorosa apuração do Ministério Público, tanto em âmbito federal como em âmbito estadual, para apuração não só de atos de improbidade administrativa, mas de eventuais crimes", afirmou ao 247 o coordenador jurídico da campanha da presidente Dilma Rousseff (PT), Flávio Caetano. Segundo ele, trata-se da denúncia mais grave até este momento da campanha, "porque além de mostrar que há um beneficiamento privado de algo que seja público, também há relação da empresa que construiu o aeroporto com doações de campanha ao senador Aécio. Então é gravíssima".

Leia abaixo reportagem do portal Entrefatos e a íntegra do documento: 

PT pede a procurador da República investigar Aécio por peculato e prevaricação

Advogados do partido querem investigação de aeroporto construído em fazenda de parente

Redação Entrefatos - O Diretório Nacional do PT protocolou na tarde desta terça-feira (22) pedido ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que investigue a construção pelo governo mineiro, quando sob o comando de Aécio Neves, de um aeroporto na cidade de Cláudio, interior do estado. O governo Aécio construiu um aeroporto em área pertencente a um tio, Múcio Tolentino, e investiu R$ 14 milhões em obras no local, além de determinar o pagamento de indenização por desapropriação de R$ 1 milhão a um parente do governador.

O aeroporto não possui autorização para operação da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) e mesmo assim opera, segundo publicou no último domingo (20) a "Folha de S.Paulo". Além disso, o jornal descobriu que as chaves que dão acesso à pista de aviação ficam com a família de Múcio, que é tio-avô de Aécio. O senador e candidato a presidente do PSDB possui uma fazenda a seis quilômetros do aeroporto, passa fins de semana no lugar, embora tenha tentado dizer que o imóvel rural não é seu, e pertence somente ao "espólio de dona Risoleta Neves", sua avó.

Entre as alegações do partido de Dilma, está a possibilidade que Aécio cometeu crime de prevaricação, crime cometido por autoridade contra a administração pública. A petição a Rodrigo Janot pede que o procurador investigue a alegada operação irregular do aeroporto, já que não tem autorização da ANAC. Os advogados pedem também à procuradoria-geral da República que verifique a infração a três artigos do Código Brasileiro de Aeronáutica e dois artigos da Lei de Improbidade Administrativa, além do crime de peculato, previsto no artigo 312 do Código Penal.

O PT pede ainda que o procurador investigue porque o governo mineiro optou pela fazenda de Múcio Tolentino para a construção do aeroporto. "Nota-se que a prevalecer o divulgado pelas matérias, essa parceria público-privada remonta à história familiar do ex-governador", aponta a petição protocolada há pouco pelo PT.

Ontem (21), ao perceber que o assunto não ficaria circunscrito à "Folha de S.Paulo", o PSDB apresentou queixa ao Tribunal Superior Eleitoral, alegando que Aécio sofre "perseguição" do governo Dilma Rousseff, por uso da máquina pública, já que a ANAC afirmou que a operação da pista na fazenda de seu tio Múcio é irregular.

Poder Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 18:41:29 +0000 http://www.brasil247.com/147610
Aécio se defende com dois ex-presidentes do STF http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147618 : Candidato a presidente pelo PSDB mostrou pareceres de dois ex-integrantes do Supremo Tribunal Federal sem nenhuma objeção sobre a compra de terreno e construção de aeroporto em Cláudio, no interior de Minas; “Foi para fins de utilidade pública, sem nada de juridicamente inválido”, escreveu Ayres Britto; “O procedimento é correto”, garantiu Carlos Velloso; Aécio Neves lembrou que assunto já foi investigado por procuradora Maria Elmira do Amaral Dick, que arquivou o caso em abril; "Campanha começa como nossos adversários gostam, com mentiras e ataques à honra do adversário, uma praxe no PT", respondeu sobre pedido de investigação na Procuradoria Geral da República <br clear="all"> :

247 – O candidato Aécio Neves, do PSDB, não quer dar espaço para que prospere a acusação formal feita pelo PT de favorecimento a um tio na desapropriação de uma fazenda em Cláudio, no interior de Minas Gerais, para a construção de um aeroporto regional, no tempo em que era governador do Estado.

Hoje, em São Paulo, o senador apresentou dois breves pareceres, de uma página cada um, dos juristas Carlos Velloso e Carlos Ayres Britto, ambos ex-presidentes do Supremo Tribunal Federal.

- Essa campanha começa como nossos adversários gostam, com mentiras e ataque à hora do adversário, praxe do PT, disse o senador mineiro.

- Se houve algum favorecido, foi o Estado (Minas Gerais) e não meu parente, continuou, lembrando que a desapropriação foi feita por R$ 1 milhão contra um pedido de R$ 9 milhões feito pelo então proprietário, Múcio Tolentino, seu tio-avô.

Além das opiniões dos juristas, ele mostrou a jornalistas e correligionários, durante reunião com a deputada tucana Mara Gabrilli, um processo sobre o mesmo assunto arquivado, por ausência de irregularidades, pela procuradora Maria Elvira do Amaral Dick. Isso ocorreu em abriu deste ano. Para a campanha do PSDB, o processo que o Ministério Público de Minas intenciona abrir agora é o mesmo.

Em suas ponderações, Ayres Britto citou documentos a respeito da desapropriação, "para fins de utilidade pública", da fazenda que recebeu, em seguida, a pista do aeroporto de Cláudio. "Nada de juridicamente inválido", registrou o ex-ministro.

Na mesma direção, o ex-ministro Carlos Velloso assinou de Lisboa, onde se encontra, uma "Breve opinião legal" sobre o caso. "É lícita a realização de obras para as quais a desapropriação ocorreu", avaliou ele. "O procedimento é correto".

A preocupação de Aécio é não sofrer no campo eleitoral com a iniciativa do PT de pedir à Procuradoria Geral da República uma investigação sobre ele por improbidade. Na campanha tucana, a avaliação é de que o caso não irá prosperar, por inexistência de irregularidades. Atribuiu-se a iniciativa do adversário ao fato de pesquisas indicarem que Aécio pode ser um candidato duro contra a presidente Dilma Rousseff num eventual segundo turno.

Poder Aline Lima Tue, 22 Jul 2014 20:34:01 +0000 http://www.brasil247.com/147618
Empreiteira reconhece falha no 'desastre da Copa' http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/147593 : Queda de viaduto no início de julho em Belo Horizonte, que provaria o fiasco da Copa do Mundo, segundo a mídia familiar, aconteceu por falha na concepção do projeto, disse nesta terça-feira a construtora Cowan, empreiteira responsável pela obra; projeto estava nas mãos do grupo mineiro Consol; desabamento há 19 dias causou a morte de duas pessoas; na ocasião, principais jornais da imprensa atribuíram a construção a uma "obra inacabada da Copa" e apostaram na tragédia para o fiasco do evento, que vinha dando certo <br clear="all"> :

Minas 247 – A construtora Cowan, responsável pela obra do viaduto Batalha dos Guararapes, em Belo Horizonte, afirmou nesta terça-feira 22 que falhas no projeto provocaram a queda da estrutura há 19 dias, causando a morte de duas pessoas. Na ocasião, a mídia familiar apostou na tragédia para o fiasco da Copa do Mundo, que vinha sendo realizada a pleno vapor, sem grandes problemas.

No dia seguinte ao acidente, os jornais O Estado de S. Paulo, O Globo e Folha de S. Paulo deram as seguintes manchetes, respectivamente: "Viaduto planejado para Copa cai e mata 2"; "Viaduto de obra da Copa desaba e mata 2 em BH"; e "Obra inacabada da Copa desaba e mata 1 em BH". Uma forma de revanche da imprensa contra um evento que previa que daria errado, mas não deu (leia aqui).

Também na época do acidente, o secretário de Obras da prefeitura de Belo Horizonte, Lauro Nogueira, assegurou que o viaduto não se tratava de uma "obra da Copa" e que, por isso mesmo, não havia pressa para entrega. O secretário admitiu que houve falha na fiscalização e que a culpa era mesmo do poder municipal, comandado pelo prefeito Márcio Lacerda (PSB).

A versão da construtora consta em pareceres técnicos dos especialistas contratados pela empresa para investigarem a causa do acidente. "Os resultados dos pareceres técnicos sobre o projeto executivo, fornecido pela Sudecap (Superintendência de Desenvolvimento da Capital), apontou falhas de concepção provocando a queda do ramos sul do Viaduto Batalha dos Guararapes", informou a Cowan. O responsável pelo projeto é o grupo mineiro Consol, segundo a empreiteira.

Minas 247 Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 17:01:15 +0000 http://www.brasil247.com/147593
Previsão oficial de crescimento neste ano cai para 1,8% http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147596 REUTERS/Jianan Yu: Pela sexta semana seguida, economistas reduziram suas previsões de expansão da economia brasileira neste ano, vendo queda maior da indústria, mas insuficientes para aliviarem a pressão sobre a inflação. 24/06/2014 REUTERS/Jianan Yu Nova estimativa consta do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado hoje pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; além do menor crescimento do PIB (de 2,5% para 1,8%), a equipe econômica elevou a projeção da inflação oficial para 6,2%, contra 5,6% na previsão anterior <br clear="all"> REUTERS/Jianan Yu: Pela sexta semana seguida, economistas reduziram suas previsões de expansão da economia brasileira neste ano, vendo queda maior da indústria, mas insuficientes para aliviarem a pressão sobre a inflação. 24/06/2014 REUTERS/Jianan Yu

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

A previsão oficial de crescimento para a economia brasileira neste ano caiu de 2,5% para 1,8%. A estimativa consta do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado há pouco pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Além do menor crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), a equipe econômica elevou a projeção da inflação oficial. Segundo o relatório, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá fechar o ano em 6,2%, contra 5,6% na previsão anterior.

Divulgado a cada dois meses, o documento traz as previsões oficiais para a economia brasileira que servem de base para projetar a evolução das receitas e das despesas e definir a execução do Orçamento Geral da União. Apesar de o relatório ser apresentado pelo Ministério do Planejamento, as estimativas para os parâmetros da economia são de autoria da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda.

Segundo o documento, as mudanças nas projeções para o PIB refletem os números trimestrais divulgados até agora pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta da inflação, justifica o relatório, está relacionada aos dados do IPCA observados até junho.

Apesar de o governo trabalhar com maior inflação e menor crescimento, as previsões continuam mais otimistas que as estimativas do setor financeiro. Segundo o Boletim Focus, levantamento semanal com instituições financeiras divulgado pelo Banco Central, os economistas de mercado acreditam que o PIB encerrará 2014 com crescimento de 0,97%, e o IPCA alcançará 6,44% neste ano. A meta do IPCA em 2014 corresponde a 4,5%, com tolerância de dois pontos percentuais, podendo chegar a 6,5%.

Economia Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 16:49:25 +0000 http://www.brasil247.com/147596
Após matar 121 crianças, Israel ataca escola da ONU http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147598 : Benjamin Netanyahu acentua ofensiva sobre população civil na Faixa de Gaza; depois do domingo sangrento, com 100 mortes entre palestinos, e bombardeio a hospital, foguetes de Israel atingem escola da ONU para deslocados pela guerra; escritório da agência Associated Press é atacado; em 15 dias, operação por ar e terra matou 121 crianças, 80 delas com menos de 12 anos; 107 mil estão traumatizadas por perdas de familiares e de moradia, segundo Unicef; mais de 500 adultos já morreram; exército invasor tem apenas 27 baixas; não há guerra, mas um massacre; quem vai segurar a mão assassina do primeiro-ministro? <br clear="all"> :

247 – O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está ultrapassando, sem indicar uma parada, todos os marcos de crimes contra crianças e civis em conflitos armados. Depois de patrocinar um domingo sangrento, com o maior número de mortos – 100 – da operação de tomada da faixa de Gaza que já dura 15 dias, Israel bombardeou um hospital na terça-feira 21 e, hoje, destruiu uma escola para deslocados de guerra mantida pela ONU. Além disso, um escritório da agência Associated Press foi atingido por estilhaços de bombas.

Já não há qualquer dúvida de que Israel, muito mais que achar e tapar túneis transfronteiriços, como alegou Netanyahu para justificar a convocação de 53 mil reservistas e despejar o que tem de mais pesado sobre os palestinos, quer mesmo e arrasar a população civil.

As crianças têm sido um alvo preferencial do ataque ordenado por Netanyahu. Entre mais de 900 feridas, 121 crianças já morreram, 80 delas com menos de 12 anos de idade. A Unicef calcula que Gaza tem 107 mil crianças traumatizadas por sequelas dos bombardeios e perda de familiares e da própria moradia.

O número de palestinos mortos está sendo calculado hoje em 600, contra 27 baixas entre o exército israelense. A relação mostra que não está havendo uma guerra, mas um massacre dirigido contra a população civil. Foguetes continuam a ser lançados por militantes do Hamas, num sinal de que os ninhos de ataques não estão sendo incomodados. Os israelenses, afinal, tem um sistema anti-mísseis que abate quase a totalidade dos artefatos. O centro do fogo israelense está mesmo sobre os palestinos, para que não prosperem como povo.

Mundo Ana Pupulin Tue, 22 Jul 2014 17:15:10 +0000 http://www.brasil247.com/147598
Deputada confessa ter dado carona a ativistas http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/147597 : Deputada estadual Janira Rocha (PSOL) admitiu ter ajudado ativistas foragidos da Justiça a deixarem o prédio onde fica o consulado do Uruguai; segundo Janira, depois ter o pedido de asilo político negado, a advogada Eloísa Samy e outros dois manifestantes pediram carona a ela <br clear="all"> :

Rio 247 – A deputada estadual Janira Rocha (PSOL) confessou, nesta terça-feira (22), que ajudou, um dia antes, ativistas foragidos da Justiça a deixar o prédio onde fica o consulado do Uruguai. De acordo com a parlamentar, depois ter o pedido de asilo político negado, a advogada Eloísa Samy e outros dois manifestantes pediram carona para a socialista.

O delegado titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), Alessandro Thiers, afirmou que é função da Assembleia Legislativa do Rio e do Ministério Público investigar a deputada, uma vez que ela possui imunidade parlamentar.

Policiais da DRCI tentam prender os 18 ativistas acusados de envolvimento em atos violentos em manifestações. Os manifestantes estão foragidos desde a última sexta-feira, quando tiveram a prisão preventiva decretada. Eles afirmam seus direitos estão sendo violados.

Advogados ligados a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e representantes de entidades civis também se manifestam em favor dos ativistas e dizem aos advogados dos manifestantes que não estão tendo acesso ao inquérito de investigação da polícia.

 

Rio 247 Leonardo Lucena Tue, 22 Jul 2014 17:06:23 +0000 http://www.brasil247.com/147597
Lula defende investigação sobre aeroporto em Minas http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147561 : Ex-presidente evitou fazer comentários sobre a denúncia de que o tucano Aécio Neves, quando governador de Minas Gerais, construiu um aeroporto com recursos públicos em propriedade que pertenceu ao seu tio, na cidade de Cláudio (MG), mas defendeu apuração do episódio, publicado pela Folha de S. Paulo: "Eu não comento denúncia porque denúncia tem que ter um processo de investigação para saber se tem procedência ou não", disse; "A denúncia foi feita e deve ser investigada para saber se tem procedência", completou Lula, após participar de congresso de químicos na Praia Grande, litoral paulista <br clear="all"> :

247 – O ex-presidente Lula defendeu, nesta terça-feira 22, que seja investigada a denúncia de que o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, construiu um aeroporto em propriedade que pertenceu ao seu tio, na cidade mineira de Cláudio. A estrutura foi construída durante seu segundo mandato como governador de Minas Gerais e teve investimento de quase R$ 14 milhões do estado.

"Eu não comento denúncia porque denúncia tem que ter um processo de investigação para saber se tem procedência ou não", declarou Lula na Praia Grande, litoral paulista, onde participou hoje do 8º Congresso da FEQUIMFAR (Federação dos Trabalhadores da Indústrias Químicas e Farmacêuticas do estado de São Paulo). "A denúncia foi feita e deve ser investigada para saber se tem procedência", acrescentou.

O comitê da campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) decidiu ontem que entrará com uma ação por improbidade administrativa contra Aécio no Ministério Público de Minas Gerais. De acordo com a coordenação jurídica da campanha, a representação seria formulada e apresentada ao órgão nesta terça-feira. Para o presidente do PT, Rui Falcão, o tucano "usou o governo de Minas como extensão de suas propriedades".

A Anac (Agência Nacional de Aviação) informou que irá investigar se houve uso irregular do aeródromo construído em Cláudio, uma vez que a área não tinha ainda, de acordo com a agência, autorização para realizar pousos e decolagens. A Anac deu dez dias para que o governo de Minas e a prefeitura se pronunciem. Em nota, o PSDB apontou perseguição do órgão regulador (leia aqui).

Poder Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 14:32:10 +0000 http://www.brasil247.com/147561
Candidatos fazem apostas diferentes no mapa global http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147537 : Política externa do Brasil será fortemente aprofundada ou radicalmente alterada, a depender de quem vença as eleições outubro; presidente Dilma Rousseff vai repicar aposta em fortalecimento dos Brics e da Unasul; senador Aécio Neves e ex-governador Eduardo Campos, ao contrário, querem promover aproximação com Estados Unidos e acelerar acordos bilaterais de comércio, em lugar de negociações em grupo; "Nossa atual política externa privilegia o alinhamento ideológico", disse Aécio; "O Mercosul não pode impedir o Brasil de avançar", registrou Campos; "O Mercosul garante empregos no Brasil e na região", demarca Dilma; divergências de sobra <br clear="all"> :

247 – Aceleração no rumo atual ou guinada de 180 graus em relação ao caminho percorrido nos últimos 12 anos em matéria de política externa. Não é menos do que isso o que irá ocorrer com a política externa brasileira a partir do resultado das eleições de outubro. As visões de mundo dos três principais candidatos são em tudo diferentes entre si. E, cada um ao seu modo, Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos não escondem as pistas do que pretendem fazer caso estejam à frente do governo a partir de 2015.

Jogando pesado no fortalecimento do Mercosul e da Unasul como blocos de cooperação econômica e alinhamento político, a presidente Dilma Rousseff verá sua construção regional deslizar como um castelo de areia tanto na opção do público por Aécio, como na escolha a favor de Campos.

Falando a membros da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em São Paulo, no mês passado, quando transmitiu as linhas gerais de sua plataforma externa, o candidato do PSB deixou claro não tem  o eixo Mercosul-Unasul como prioridade. "Precisamos de uma diplomacia comercial de resultados", disse Campos. "É muito melhor realizar acordos bilaterais do que enfrentar as dificuldades de convencer todo um bloco de países a fazer o mesmo". Ele se comprometeu a derrubar barreiras tarifárias existentes na relação com os EUA  e aproximar as duas economias. "O Mercosul não pode ser um peso para o Brasil. Temos de agir rápido para crescer e criar empregos. Não dá para esperar até que todas resolvam seguir juntos".

Um dos responsáveis pelo programa de política externa do PSDB, em ex-embaixador do Brasil em Washington Rubens Barbosa já anuncia que, se Aécio Neves se eleger, haverá uma ruptura completa com as diretrizes da atual política externa do País. "Haverá uma reavaliação das prioridades estratégicas", registrou ele, citando o programa para a área internacional recém-divulgado pelo tucano.

Pessoalmente, Aécio quer mudar todo o modo de relacionamento com os vizinhos da América do Sul. Ele e o PSDB são opositores de primeira hora do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, frios em relação à Argentina de Christina Kirchner e adversário ideológicos de presidentes como Evo Morales, da Bolívia, e Rafael Corrêa, do Equador. Com o Chile de Michele Bachelet, no entanto, o diálogo poderá ser mais próximo. Quem deu a pista foi o ex-presidente Fernando Henrique:

- Encaramos a Aliança do Pacífico (da qual o Chile participa com os Estados Unidos) como uma oportunidade de integração do continente. Se o Brasil jogar o seu peso, o Mercosul também vai convergir para esse caminho. Mas com Dilma, a Aliança continuará sendo vista como uma ameaça para a integração.

O próprio Aécio tem batido duro na política externa do governo. Ontem, ele se encontrou com o presidente da Comissão Européia, o português José Manuel Durão Barroso, para entender, do ponto de vista europeu, o que está impedindo a assinatura de um acordo comercial com o Mercosul.

- Infelizmente, nossa atual política externa privilegia o alinhamento ideológico em detrimento de parcerias comerciais, atacou o candidato do PSDB. "No momento em que o atual governo deixar de buscar apenas aliança com os seus vizinhos, mas alianças que possam ajudar a desenvolver a nossa economia, o entendimento com a União Europeia vai avançar".

É completamente diversa a visão da presidente Dilma. Ela acaba de liderar a aproximação dos Brics com os países da Unasul, bloco político que o Brasil ajudou a fundar. O governo brasileiro, num detalhe, deu tratamento privilegiado ao presidente de Cuba, Raúl Castro, que pernoitou na Granja do Torto, e a própria Dilma, ao receber o presidente russo, Vladimir Putin, elogiou as posições do país nos conflitos do Oriente Médio e em apoio a posições brasileiras na ONU, em especial a discussão sobre a espionagem promovida da governo dos EUA. O episódio da descoberta de grampos sobre os computadores da presidente levou Dilma, no ano passado, a cancelar uma vista de Estado a Washington.

Fã do fortalecimento dos laços políticos entre os países latino-americanos, Dilma, sempre que pode, elogia o Mercosul que seus adversários tentarão esvaziar:

- Com medidas reconhecidas como legais pela OMC, o Mercosul tem conseguido proteger as economias e os empregos da nossa região.

Mundo Ana Pupulin Tue, 22 Jul 2014 13:28:39 +0000 http://www.brasil247.com/147537
"Não há lugar seguro para civis" em Gaza, diz ONU http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147552 : Palestinos na densamente povoada Faixa de Gaza não têm nenhum lugar para se esconder da ofensiva militar de Israel, e as crianças estão pagando o preço mais alto, disse a ONU nesta terça-feira; "Literalmente, não há lugar seguro para os civis", afirmou Jens Laerke, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha, em inglês), durante coletiva em Genebra; mais de 500 palestinos já foram mortos pelas forças israelenses; prioridade para as agências de apoio é a proteção de civis, o resgate e tratamento de feridos, disse <br clear="all"> :

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - Os palestinos na densamente povoada Faixa de Gaza não têm nenhum lugar para se esconder da ofensiva militar de Israel, e as crianças estão pagando o preço mais alto, disse a ONU nesta terça-feira.

"Literalmente, não há lugar seguro para os civis", afirmou Jens Laerke, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha, em inglês), em entrevista coletiva em Genebra.

Mais de 500 pessoas foram mortas no enclave costeiro que tem um número estimado de 4.500 pessoas por quilômetro quadrado, disse Laerke. A prioridade para as agências de apoio é a proteção de civis, o resgate e tratamento de feridos.

Cerca de 500 casas foram destruídas por ataques aéreos israelenses e 100.000 pessoas buscaram abrigo em escolas da Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina no Oriente Médio (Unrwa, em inglês) e precisam de comida, água e colchões, disse ele.

Israel começou os bombardeios aéreos sobre a Faixa de Gaza em 8 de julho, dizendo que queria acabar com os ataques com foguetes de militantes do Hamas, e lançou uma ofensiva terrestre na última quinta-feira. Israel voltou a atingir alvos na Faixa de Gaza nesta terça-feira, acabando com as esperanças de uma pausa nos combates.

Na semana passada o Hamas rejeitou uma proposta de cessar-fogo mediada pelo Egito.

Vinte e nove israelenses, 27 deles soldados, morreram.

A maioria das pessoas mortas até agora no conflito é de palestinos, incluindo 121 crianças e jovens de Gaza menores de 18 anos, que compõem um terço do total de mortes de civis, disse Juliette Touma, do Fundo das Nações Unidas para a Infância(Unicef).

Mais de 900 crianças palestinas também estão feridas, segundo a Unicef.

"De acordo com uma avaliação dos agentes humanitários no local, ao menos 107 mil crianças precisam de apoio psicológico para o trauma que estão enfrentando, com as mortes, ferimentos e a perda de suas casas", disse Laerke.

Mais de 1,2 milhão de pessoas no enclave não tem água ou tem apenas um acesso limitado à água, com redes de energia danificadas e falta de combustível para geradores, disse ele.

"Além disso, temos relatos de inundações com esgoto, o que é uma ameaça à saúde pública", disse ele.

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) distribuiu comida e vale-alimentação para mais de 90.000 pessoas até agora durante o conflito, disse a porta-voz Elisabeth Byrs.

"Alimentos prontos para o consumo estão acabando em Gaza, já que o conflito já dura duas semanas e as necessidades estão aumentando", disse ela.

Suprimentos serão comprados localmente e também levados de helicóptero a partir de Dubai.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que 18 unidades de saúde em Gaza foram danificadas, incluindo três hospitais.

"Há sérias preocupações com o abastecimento de materiais hospitalares, já que os estoques de medicamentos e produtos descartáveis estão seriamente reduzidos, tanto no hospital do Ministério da Saúde como nos de ONGs, devido ao grande número de vítimas e à escassez antes mesmo da escalada da violência", disse a porta-voz da OMS, Fadela Chaib.

Mundo Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 12:53:32 +0000 http://www.brasil247.com/147552
“Insatisfação não é só da elite branca”, diz FHC http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147524 : Em entrevista ao jornal chileno La Tercera, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz que há um "mal-estar difuso" na sociedade brasileira e que é um erro acreditar que isso se deve apenas aos meios de comunicação e às 'elites brancas', como, segundo ele, diz o ex-presidente Lula "para dar a impressão (falsa) de que é um fenômeno artificial e se restringe a uma minoria"; segundo o tucano, "a insatisfação é ampla e crescente" no Brasil; FHC afirmou ainda que os empresários "perderam a confiança" no governo da presidente Dilma Rousseff e que, por essas razões, há "novas e melhores oportunidades para a oposição" em outubro <br clear="all"> :

247 – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso acredita que a atual situação econômica do País, somada à insatisfação da sociedade, dá "novas e melhores oportunidades para a oposição". Em entrevista ao jornal chileno La Tercera, o tucano, cabo eleitoral do candidato à Presidência da República Aécio Neves, do PSDB, menciona que "a inflação voltou a afetar a vida cotidiana" e que os empresários "perderam a confiança" no governo da presidente Dilma Rousseff.

"Há sem dúvidas um sentimento difuso de mal-estar na sociedade brasileira. É um erro crer que isso se deve aos meios de comunicação ou às 'elites brancas', como costuma dizer o ex-presidente Lula, para dar a impressão (falsa) de que é um fenômeno artificial e restringido a uma minoria. A insatisfação é ampla e crescente", afirmou. O ex-presidente destacou ainda a "economia praticamente estagnada" e serviços públicos de má qualidade, o que contrasta com o "'marketing' do governo".

Na avaliação de FHC, Lula se beneficiou das linhas macroeconômicas criadas na gestão tucana e do alto preço das commodities, devido à demanda chinesa. "Lula soube aproveitar bem as circunstâncias", disse. Depois da crise de 2008, segundo Fernando Henrique, a economia já não podia mais crescer de forma sustentável puxada pelo consumo. "Dilma tentou estimular a inversão afrouxando a política fiscal, forçando a queda da taxa de juros e concedendo incentivos seletivos a alguns setores, mas a colheita dessa 'nova política econômica' foi paupérrima", afirmou.

Ao falar sobre Aécio Neves, o ex-presidente disse acreditar que, apesar de a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, ter mais tempo de televisão e ainda "a máquina governamental, incluindo as empresas estatais", para fazer publicidade, Aécio terá "tempo suficiente" durante a propaganda eleitoral gratuita – segundo ele, único período em que há um "equilíbrio" entre os candidatos, 45 dias antes das eleições de outubro – para "fazer uma campanha competitiva e levar as eleições para o segundo turno".

Poder Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 10:22:18 +0000 http://www.brasil247.com/147524
Confirmado pela CBF, Dunga diz que seleção teve coisas boas na Copa http://www.brasil247.com/pt/247/esporte/147536 REUTERS/Ricardo Moraes: Dunga, novo técnico da seleção brasileira, durante coletiva de imprensa no Rio de Janeiro. 22/07/2014. REUTERS/Ricardo Moraes Ex-técnico da seleção brasileira voltará ao comando do time para assumir a vaga aberta pela saída de Luiz Felipe Scolari após o fracasso do Brasil na Copa do Mundo; em coletiva, Dunga disse que o desempenho da equipe no Mundial teve "coisas boas" e que "a gente não pode colocar como terra arrasada"; treinador admitiu que precisa "aprimorar" relacionamento com a imprensa <br clear="all"> REUTERS/Ricardo Moraes: Dunga, novo técnico da seleção brasileira, durante coletiva de imprensa no Rio de Janeiro. 22/07/2014. REUTERS/Ricardo Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O técnico Dunga, confirmado nesta terça-feira como técnico da seleção brasileira, disse que o desempenho do Brasil na Copa do Mundo deste ano teve "coisas boas" e admitiu que precisa "aprimorar" sua relação com a imprensa nesta segunda passagem pela seleção.

"A partir dessa Copa do Mundo a gente não pode colocar como terra arrasada, teve muitas coisas boas e coisas que a gente deve modificar", disse o treinador em entrevista coletiva ao assumir o posto.

"É um início de trabalho, apesar de a CBF já estar nesse planejamento há dois anos, nós vamos dar sequência", afirmou.

O Brasil sofreu a pior derrota de sua história na semifinal do Mundial ao ser humilhado pela Alemanha que venceu a seleção por 7 x 1 na Copa disputada em casa.

O treinador reconheceu que precisa melhorar sua relação com a imprensa, marcada por confrontos em sua primeira passagem pela seleção entre 2006 e 2010.

"Sei que eu tenho que melhorar muito no contato com as pessoas, para vocês jornalistas", disse. "Eu tenho que aprimorar o meu relacionamento com a imprensa, é minha culpa", reconheceu.

Dunga reassume a equipe após a demissão de Luiz Felipe Scolari depois do fracasso no Mundial encerrado no dia 13 deste mês.

O primeiro compromisso do novo técnico do Brasil será no dia 5 de setembro em amistoso contra a Colômbia em Miami.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Esporte Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 11:19:13 +0000 http://www.brasil247.com/147536
Gaza: ofensiva israelense matou 589 pessoas http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147534 REUTERS/Mohammed Salem: Palestinos caminham próximos aos escombros de um prédio residencial que a polícia diz ter sido destruído em um ataque aéreo de Israel, em Gaza. 22/07/2014.
 REUTERS/Mohammed Salem O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e o chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, tentam nesta terça-feira 22 estabelecer um cessar-fogo entre Israel e Palestina, após duas semanas de ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza; hoje de manhã, pelo menos seis pessoas, incluindo uma mulher grávida e uma criança, foram mortas pelo Exército israelense <br clear="all"> REUTERS/Mohammed Salem: Palestinos caminham próximos aos escombros de um prédio residencial que a polícia diz ter sido destruído em um ataque aéreo de Israel, em Gaza. 22/07/2014.
 REUTERS/Mohammed Salem

Da Agência Lusa

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e o chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, tentam hoje (22) estabelecer um cessar-fogo entre Israel e Palestina, após duas semanas de ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza, que já provocou a morte de 589 palestinos.

O secretário de Estado norte-americano chegou na segunda-feira (21) à noite ao Cairo, capital egípcia, onde encontrará o secretário-geral da ONU para tentar encontrar uma solução para o conflito, que também matou 27 soldados e dois civis israelenses.

Hoje de manhã, pelo menos seis pessoas, incluindo uma mulher grávida e uma criança, foram mortas pelo Exército israelense durante ofensiva na Faixa de Gaza. "Nós vamos continuar esta operação para lutar contra o terrorismo", declarou Peter Lerner, um porta-voz do Exército de Israel.

Os meios de comunicação palestinos comentaram, na noite de segunda-feira, sobre uma possível trégua humanitária de algumas horas hoje, para permitir que moradores da Faixa de Gaza conseguissem mantimentos mas, até o momento, esta trégua não foi confirmada.

Em Doha, capital do Catar, onde se encontraram na segunda-feira, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, e o chefe do Hamas, Khaled Mechaal, apelaram pelo fim "da agressão israelense" contra a Faixa de Gaza e o levantamento do bloqueio instituído desde 2006.

"O Hamas e o presidente Abbas estão de acordo que todas as organizações palestinas devem trabalhar em conjunto a favor de um cessar-fogo", disse um negociador do movimento nacionalista Fatah, Azzam Al Ahmad.

"É preciso, primeiro, um cessar-fogo e depois continuaremos a discutir com o Egito e todas as partes regionais e internacionais, até que nós concretizemos o conteúdo do acordo de paz final", explicou Al Ahmad.

As Forças Armadas israelenses lançaram no dia 8 de julho uma operação aérea, batizada de Margem Protetora, e estendeu para uma ofensiva terrestre no dia 17, com o objetivo de neutralizar o movimento islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

Mundo Gisele Federicce Tue, 22 Jul 2014 11:08:18 +0000 http://www.brasil247.com/147534
Caso do aeroporto tende a sumir da mídia impressa http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/147493 : Primeiro disparo contra Aécio Neves, a denúncia da Folha sobre a construção de um aeroporto na cidade de Cláudio (MG), onde o ex-governador mineiro tem uma fazenda, teve repercussão tímida em publicações como Globo, Estado e a própria Folha; isso explica a iniciativa do PT, que decidiu entrar com representação contra o presidenciável tucano por improbidade administrativa, para manter o tema "aceso" durante a campanha eleitoral; desdobramentos da investigação da Anac também podem gerar novas manchetes; ontem, em Minas, Aécio defendeu que o caso seja investigado "com transparência" e tucanos anunciaram ação contra Dilma por "uso da máquina" para "perseguir adversários" <br clear="all"> :

247 -O primeiro disparo contra a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que foi a denúncia da Folha de S. Paulo sobre a construção de uma pista de pouso na cidade de Cláudio (MG), onde o presidenciável tucano possui uma fazenda (leia aqui), teve repercussão relativamente discreta na mídia impressa. 

O principal exemplo disso foi a cobertura do jornal O Globo, que dedicou uma nota pequena ao tema, sobre a investigação que será conduzida pelo Ministério Público e pela Agência Nacional de Aviação Civil sobre o caso. No Estado de S. Paulo, houve maior espaço para a cobertura, com três matérias: uma sobre o pedido de explicações da Anac, a declaração de Aécio defendendo a investigação e uma nota com a informação de que a construtora responsável pelas obras, a Vilasa, fez uma doação de R$ 67 mil à sua campanha para o governo mineiro.

Na própria Folha, o tom foi menos denuncista do que no domingo, quando o caso foi revelado. A cobertura se limitou a noticiar a investigação da Anac e a guerra judicial entre os comitês do PT e do PSDB - enquanto o PT anunciou uma ação por improbidade administrativa contra o senador tucano (leia aqui), o PSDB respondeu com uma ação por uso da máquina contra o governo da presidente Dilma, que, segundo o deputado Carlos Sampaio (PSDB/SP), estaria usando a Anac para "perseguir adversários" (leia aqui).

A judicialização do episódio é uma tentativa deliberada dos dois partidos. No caso do PT, visa manter o tema "aceso" na mídia. Para os tucanos, trata-se de uma estratégia para conter os danos. Como o PT enxerga nos jornais tradicionais uma trincheira da oposição, a ação proposta pelo comitê da reeleição da presidente Dilma visa constrangê-los a noticiar o caso, uma vez que fatos novos, como uma eventual abertura de inquérito, não poderão ser ignorados. A resposta tucana atende ao mesmo objetivo. Visa vitimizar o partido, como alvo de perseguição política durante o período eleitoral.

O episódio também servirá para ilustrar o primeiro confronto desta campanha presidencial entre veículos impressos e a chamada blogosfera, onde o caso se alastra com maior velocidade. Os danos reais, no entanto, serão medidos apenas nas próximas pesquisas eleitorais. Ontem, em Minas, Aécio defende que o caso seja investigado "com lisura e transparência".

 

Mídia Leonardo Attuch Tue, 22 Jul 2014 06:24:44 +0000 http://www.brasil247.com/147493
Uruguai nega asilo a acusada de ser black bloc http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/147489 : Segundo a deputada estadual Janira Rocha (Psol), o consulado do Uruguai negou a solicitação de refúgio da advogada Eloisa Samy e de dois outros ativistas, considerados foragidos pela Operação Firewall; segundo a parlamentar, a consul Myrian Chala explicou que o governo uruguaio tem um tratado com o governo brasileiro, respeita o estado democrático de direito e não vê razão para um asilo político; eles teriam fugido do prédio após a negativa <br clear="all"> :

247 - O pedido de asilo político feito no consulado do Uruguai pela advogada Eloisa Samy, acusada de ter ligação com black blocs, foi negado na noite desta segunda-feira, segundo a assessoria da deputada estadual Janira Rocha (Psol).

Apontada pela Operação Firewall, da Polícia Civil, como uma black bloc, Eloisa se refugiou no prédio com mais um casal também acusado de vandalismo nas manifestações populares e sindicais ocorridas na capital fluminense. 

Na denúncia encaminhada à Justiça, o promotor Luís Otávio Lopes diz que ela se aproximou dos outros ativistas como advogada, mas que depois teria participado dos atos violentos, "inclusive passando instruções aos ocasionais participantes, tendo sido vista ordenando o início de atos de violência".

O advogado Rogério Borba, integrante do Coletivo dos Advogados do Rio de Janeiro (CDA), que presta assistência jurídica aos ativistas, disse que os orientou permanecerem no local até que haja uma decisão sobre o pedido de habeas corpus apresentado ontem (21) à Justiça do Rio. No entanto, eles teriam fugido após a negativa do asilo. 

Segundo Janira, a consul Myrian Chala explicou que o governo uruguaio tem um tratado com o governo brasileiro, respeita o estado democrático de direito e não vê razão para um asilo político.

Seu colega, o advogado Rodrigo Mondego, reconhece que a solicitação dificilmente seria atendida. "É difícil sair o asilo porque o Uruguai teria de reconhecer que foi quebrada a ordem democrática no Brasil. Entendo a dificuldade. Mas o Rio de Janeiro está sofrendo uma crise institucional no que tange às liberdades democráticas", afirmou Mondego.

Rio 247 Roberta Namour Tue, 22 Jul 2014 05:18:27 +0000 http://www.brasil247.com/147489
Em crise, Abril contrata novo presidente http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/147492 : Alexandre Caldini, CEO do Valor Econômico desde 2012, foi nomeado para comandar as Unidades de Negócios Veja, Exame, Segmentadas, Assinaturas e Casa Cor; “Caldini terá como uma de suas principais missões focar na consolidação da estratégia de todos os títulos e marcas da Editora Abril, a fim de promover o crescimento e a rentabilização de cada um deles”, disse Fábio Barbosa, presidente da Abril Mídia; no início do mês, grupo anunciou corte de dez revistas, que serão transferidas para a Editora Caras <br clear="all"> :

247 – A Abril anunciou nova reformulação, dias após cortar dez revistas de seu portfólio. Alexandre Caldini, CEO do Valor Econômico desde 2012, foi nomeado o novo presidente da Editora Abril.

Com reporte direto a Fabio C. Barbosa, presidente da Abril Mídia, Alexandre Caldini retorna à empresa para liderar as Unidades de Negócios Veja, Exame, Segmentadas, Assinaturas e Casa Cor.

“Caldini, ao lado de sua equipe, terá como uma de suas principais missões focar na consolidação da estratégia de todos os títulos e marcas da Editora Abril, a fim de promover o crescimento e a rentabilização de cada um deles”, disse Fábio Barbosa.

Em momento de crise da Editora, seu papel será o de ajudar a canalizar esforços nos títulos considerados mais rentáveis. Há três meses, o grupo contratou o consultor Vicente Falconi, conhecido como 'mãos de tesoura', para reequilibrar o caixa, transferindo dez revistas para a Caras.

Joint venture entre a própria Abril e o grupo português Impresa, a Editora Caras tem uma política de benefícios trabalhistas considerada bastante inferior à da principal acionista. Além disso, a sede do parceiro na joint-venture é no exterior.

A intenção declarada dos presidentes Gianca Civita, do Conselho, e Fabio Barbosa, executivo, é ter foco nas publicações de influência, como a revista Veja, e obter lucros com braço educacional da companhia.

“Além de somarmos o talento e a experiência de um profissional que conhece muito bem o mercado, esta mudança vai possibilitar que eu dedique mais tempo e energia às questões estratégicas, reforço de capital, relacionamentos institucionais e, sobretudo, à observação da qualidade e integridade do jornalismo da Abril”, disse o presidente da Abril Mídia.

Mídia Roberta Namour Tue, 22 Jul 2014 06:36:49 +0000 http://www.brasil247.com/147492
Moscou detecta caça da Ucrânia próximo a MH17 antes da queda http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147487 : "Um caça da Força Aérea ucraniana foi detectado ganhando altitude, sua distância do Boeing malaio era de 3 a 5 km", declarou oficial russo; modelo SU-25 pode atingir até 10 km de altitude e é equipada com mísseis R-60 ar-ar; "Nós gostaríamos de pedir explicações quanto ao porquê do caça militar estar voando junto a um corredor da aviação civil praticamente na mesma hora e no mesmo nível de uma aeronave cheia de passageiros" <br clear="all"> :

Opera Mundi - As Forças Armadas russas informaram nesta segunda-feira (21/07) que seu sistema de radar detectou um caça ucraniano voando em direção ao Boeing MH17 da Malaysia Airlines no dia da tragédia, quinta-feira (17/07).

Além de pedir explicações à Ucrânia, militares russos também afirmam que a aeronave ucraniana é equipada com poder de fogo que seria capaz de atingir, àquela distância, a aeronave civil.

Tuíte do veículo RT reproduz imagens cedidas pelo Ministério da Defesa russo, supostamente indicando que radar russo detectou presença de caça ucraniano em direção à aeronave malaia:

"Um caça da Força Aérea ucraniana foi detectado ganhando altitude, sua distância do Boeing malaio era de 3 a 5 km", declarou hoje em uma conferência de imprensa o tenente-general Andrey Kartopolov, chefe da Diretoria de Operações Principais do quartel-general do Exército russo, citado pela agência Efe. 

Segundo Kartopolov, a aeronave militar modelo SU-25 pode atingir até 10 km de altitude e é equipada com mísseis R-60 ar-ar, capazes de atingir um alvo a até 12 km de distância — "seguramente até 5 km", observou o oficial. 

"Nós gostaríamos de pedir explicações quanto ao porquê do caça militar estar voando junto a um corredor da aviação civil praticamente na mesma hora e no mesmo nível de uma aeronave cheia de passageiros", afirmou Kartopolov, acrescentando que a presença do caça ucraniano pode ser confirmada por imagens capturadas pelo centro de monitoramento do Exército russo.

Moscou nega ter enviado armamentos

A Rússia também afirmou que não forneceu aos grupos separatistas do leste ucraniano os sistemas de mísseis do tipo Buk, supostamente utilizado para derrubar o avião malaio, com suas 298 pessoas a bordo. Moscou também nega que "qualquer outro tipo de armamento" tenha sido entregue aos separatistas da região de Donetsk.

A inteligência norte-americana rebate a afirmação russa ao dizer ter "detectado aumento na quantidade de armamento pesado chegando nas mãos de separatistas e cruzando a fronteira entre Rússia e Ucrânia".

O Ministério da Defesa russo também afirmou que as Forças Armadas ucranianas possuem bases para lançar mísseis terra-ar em locais muito próximos ao território controlado por separatistas. "Temos imagens aéreas de certos locais onde a Defesa Aérea ucraniana esteve instalada no sudeste do país", disse Kartapolov.

A Rússia também afirma que um satélite de monitoramento norte-americano sobrevoava a região separatista onde o avião caiu no dia da queda. Moscou pediu para os EUA divulgarem as imagens obtidas pelo suposto satélite.

Um grupo de especialistas ouvidos pela agência de notícias russa Itar-Tass classificou como "falsa" a gravação sonora divulgada pela Ucrânia, em que combatentes dos grupos separatistas ucranianos supostamente conversavam sobre a derrubada do avião malaio.

Após estudar a gravação, o grupo de experts chegou à conclusão que a fita foi produzida a partir de diversas gravações diferentes.

"Esta gravação de áudio não é um arquivo integral e foi produzida a partir de vários fragmentos", disse Nikolai Popov, especialista em som e análise de voz.

Cessar-fogo no local da queda

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, ordenou hoje um cessar-fogo em um raio de 40 quilômetros ao redor do local onde supostamente foi abatido há quatro dias o Boeing 777 da Malaysia Airlines.

"Eu dei a ordem. Os militares ucranianos não devem fazer operações nem abrir fogo em um raio de 40 quilômetros a partir do local da tragédia", disse o líder ucraniano aos jornalistas, após visitar a embaixada da Malásia em Kiev.

Por sua vez, Andrei Purguin, um dos líderes dos separatistas de Donetsk, região onde caiu o avião malaio, assegurou que "os milicianos garantiram a segurança na região da catástrofe desde o primeiro dia após o acidente".

"No entanto, junto ao lugar da tragédia se concentram muitas forças ucranianas. Temo que não se possam evitar escaramuças locais. São possíveis provocações da parte ucraniana", advertiu Purguin.

(*) Com informações da Agência Efe

Mundo Roberta Namour Tue, 22 Jul 2014 05:22:29 +0000 http://www.brasil247.com/147487
Dilma reduz impostos de mais 174 remédios http://www.brasil247.com/pt/247/saudeebemestar/147488 : Lista com isenção de impostos passa a ter 1.645 produtos com a atualização dos preços da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); "pacote de bondades" do governo Dilma Rousseff garante que 75% dos remédios comercializados no País terão preço reduzido; medida visa reduzir o custo para o tratamento de artrite reumatoide, câncer de mama, leucemia, hepatite C, doença de Gaucher e HIV, entre outros <br clear="all"> :

por Portal Brasil
Os medicamentos que passaram a ter a isenção do PIS/COFINS chegam mais baratos nas farmácias a partir desta segunda-feira (21). O governo federal ampliou em 174 a lista de substâncias que ficam livres da cobrança desses tributos, o que deve levar a uma redução de 12%, em média, nos preços dos produtos. A chamada “lista positiva”, com a inclusão dos novos produtos, já soma mais de mil itens com sistema especial de tributação, o que representa 75,4% dos medicamentos comercializados em todo o País.

Atualmente, quase a totalidade dos medicamentos tarja vermelha e preta estão isentas de PIS/COFINS. Essa medida visa reduzir o custo para a população com medicamentos essenciais, utilizados para o tratamento de artrite reumatoide, câncer de mama, leucemia, hepatite C, doença de Gaucher e HIV, entre outros.

Os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde e a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) na seleção das substâncias que terão o benefício levam em consideração as patologias crônicas e degenerativas, os programas de saúde do governo instituídos por meio de políticas públicas e a essencialidade dos medicamentos para a população. Para fazerem jus ao benefício, os medicamentos devem estar sujeitos à prescrição médica e estarem destinados à venda no mercado interno.

A Câmara de Regulação é responsável pelo monitoramento dos preços dos remédios e por garantir que as reduções tributárias sejam integralmente refletidas nos preços fixados como teto para os produtos.

Saúde e Bem Estar Roberta Namour Tue, 22 Jul 2014 05:45:38 +0000 http://www.brasil247.com/147488
RS: Grupo pró-Temer abre frente contra PMDB pró-Campos http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/147483 : Peemedebistas inauguram no dia 15 de agosto, em Porto Alegre, comitê de apoio à candidatura à reeleição do vice-presidente Michel Temer (PMDB), em medida contra a decisão estadual da legenda; aliado do PSB no Rio Grande do Sul, o PMDB gaúcho, que disputará o Palácio Piratini com José Ivo Sartori, irá ceder o palanque presidencial ao candidato Eduardo Campos (PSB); "Dissidência é de quem apoia Eduardo Campos, porque está sendo discordante da decisão nacional do partido, que tem Michel Temer como candidato a vice", diz o deputado federal Eliseu Padilha (PMDB) <br clear="all"> :

Nícolas Pasinato
Sul 21 - No dia 15 de agosto, um grupo de peemedebistas inaugura em Porto Alegre comitê de apoio à candidatura à reeleição do vice-presidente Michel Temer (PMDB), com a presença do peemedebista. O espaço é coerente com a posição do diretório nacional do partido, no entanto, vai contra a decisão estadual da legenda. Aliado do PSB no Rio Grande do Sul, o PMDB gaúcho, que disputará o Palácio Piratini com José Ivo Sartori, irá ceder o palanque presidencial ao candidato Eduardo Campos (PSB).

O deputado federal Eliseu Padilha (PMDB), principal interlocutor de Temer, conta que o espaço contará com material de campanha e servirá de local de encontro para a coordenação de ações políticas. Um dos objetivos, conforme Padilha, é formar comitês pró-Temer em outras regiões do Estado. “Ainda não sei em quantas regiões, pois vai depender da mobilização local. Sei que vai ter em Passo Fundo”, adianta o deputado.

Padilha não compartilha da ideia de que o comitê possa ser considerado uma dissidência do PMDB gaúcho. “Só quem é neófito em política para pensar isso. Neste caso, a dissidência é de quem apoia Eduardo Campos, porque está sendo discordante da decisão nacional do partido, que tem Michel Temer como candidato a vice”, diz ele.

O comitê também fará campanha para o candidato a governador José Ivo Sartori (PMDB) e para o vice, José Paulo Cairoli (PSD). Questionado sobre o comparecimento dos candidatos ao Piratini na inauguração do comitê, Padilha contesta a ideia de que um palanque pró-Dilma possa constrangê-los e confia que eles estarão presentes na ocasião. “Faço política há mais de 40 anos e nunca vi ninguém rejeitar apoio de parte considerável de seu partido”, ressalta o deputado. O comitê será instalado na avenida Farrapos, esquina rua Garibaldi, no bairro Floresta, em Porto Alegre.

Rio Grande do Sul 247 Roberta Namour Tue, 22 Jul 2014 05:57:00 +0000 http://www.brasil247.com/147483
Dilma quer limitar poder de agentes no futebol http://www.brasil247.com/pt/247/esporte/147491 : Brasília - DF, 21/07/2014. Presidenta Dilma Rousseff durante encontro com atletas do Bom Senso Futebol Clube. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR "O Ministério do Esporte tem uma preocupação em relação aos empresários, o investimento do futebol brasileiro", disse o secretário nacional de futebol do Ministério do Esporte, Toninho Nascimento, após reunião entre a presidente Dilma Rousseff e integrantes do Bom Senso F.C.; "Nós achamos que no momento em que o refinanciamento da dívida dos clubes fortalece os clubes, é hora também de não fortalecer os empresários" <br clear="all"> : Brasília - DF, 21/07/2014. Presidenta Dilma Rousseff durante encontro com atletas do Bom Senso Futebol Clube. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil - Integrantes do Bom Senso F.C. foram recebidos pela presidenta Dilma Rousseff ontem (21) e sugeriram alterações no projeto que cria a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) do Esporte para defender direitos dos atletas.

“O que nós queremos colocar no projeto são vários tipos de punição [para os clubes que não pagam os salários dos atletas] e que existam mais meios de fiscalização. Hoje nós temos apenas uma certidão negativa de débito e nós queremos que tenha ali uma fiscalização trimestral", defendeu o diretor executivo do movimento, Ricardo Martins.

A legislação, que está em tramitação na Câmara dos Deputados, prevê o reparcelamento em até 300 meses das dívidas tributárias e trabalhistas dos clubes de futebol. "O Bom Senso nunca falou das dívidas ou do reparcelamento das dívidas, o que importa é que, se haverá reparcelamento, que haja contrapartida", pontuou Martins.

O movimento defende que os clubes só tenham direito ao parcelamento se comprovarem não atrasar o pagamento salarial. "Que os clubes sejam obrigados a comprovar pagamentos de salário, trimestralmente às entidades de representação da categoria e também às federações estaduais e à Confederação Brasileira de Futebol [CBF]."

Atualmente, os clubes são obrigados a apresentar, uma vez por ano, uma Certidão Negativa de Débitos (CND). Caso não apresentem, podem ser punidos com rebaixamento. De acordo com Martins, o movimento defende um aumento da fiscalização, com a criação de uma entidade específica para esta função, e um escalonamento das punições para quem estiver inadimplente com o pagamento de salários e luvas. O rebaixamento seria a última punição.

A LRF do Esporte mantém a punição da forma como está. O secretário do Futebol do Ministério da Justiça, Antonio José Carvalho do Nascimento Filho, disse que o governo diverge da posição dos atletas.

Segundo Nascimento Filho, o governo defende um acordo entre clubes e a CBF para que as punições constem no regulamento da instituição. "Queremos firmar um pacto no qual os clubes só teriam acesso a este refinanciamento a partir do compromisso de que constem no regulamento da CBF as punições relativas a pagamento de salário, direito de imagem, entre outras”, disse.

Além da presidenta e de integrantes do Bom Senso F.C., participaram da reunião o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, e representantes do Ministério da Fazenda. "O que saiu dessa reunião foi a necessidade de aprimoramento deste projeto, uma delas é aprofundar um pouco mais as medidas de contrapartida que são a base deste projeto todo," disse o secretário.

Nascimento Filho destacou ainda que uma das mudanças será a diminuição do poder dos empresários sobre os atletas. "Crianças de 14 anos estão sendo aliciadas pelos empresários e na medida em que o governo fortalece os clubes, vamos forçar a retirada ou diminuição do poder entre os empresários". Segundo ele, no entanto, a medida não implica retorno da chamada "Lei do Passe" que dava aos clubes o direito de negociar os atletas.

De acordo com o Bom Senso F.C., nos últimos cinco anos, o endividamento líquido dos 24 principais clubes brasileiros registrou um crescimento de 74%. A maior fatia e referente ao endividamento tributário, que hoje chega a cerca de R$ 2,5 bilhões.

O movimento, que reúne atletas e ex-atletas do futebol, também defende que os clubes sejam obrigados a gastar somente aquilo que arrecadam. As mudanças fazem parte do que o Bom Senso chama de “fair play financeiro”. O modelo defendido pelo grupo é baseado no da UEFA (órgão que controla o futebol europeu) e já é aplicado em pelo menos cinco ligas pela Europa.

Esta é a segunda vez que Dilma se reúne com os representantes do movimento, fundado em 2013 por jogadores de grandes clubes. A primeira foi em 26 de maio, quando foram discutidas propostas de melhoria do futebol brasileiro. Na ocasião, Dilma se mostrou estarrecida com o atraso no pagamento dos atletas.

A reunião desta segunda-feira acontece 14 dias após a histórica derrota da seleção brasileira para a Alemanha por 7 x 1 em uma das semifinais da Copa do Mundo. Nascimento Filho rebateu as críticas de que a atitude do governo seria oportunista, em decorrência da derrota da seleção. Segundo ele, há mais de um ano o governo debate a proposta, mas "parece que precisou perder de 7 x 1 para todo mundo ter soluções para o futebol brasileiro. Já conversamos desde o ano passado. Para nós, o placar surpreende, mas deficiências do futebol nem um pouco," disse o secretário.

Os integrantes do Bom Senso F.C. também aproveitaram o encontro para apresentar sugestões para a democratização do futebol. Para a entidade, é fundamental que o corpo técnico do esporte, como atletas, árbitros, técnicos tenham direito a voz e voto dentro dos clubes "para que possam influir nas decisões do esporte”, ressaltou Martins.

Esporte Roberta Namour Tue, 22 Jul 2014 05:57:03 +0000 http://www.brasil247.com/147491
PGR admite erro de R$ 419 bilhões sobre planos http://www.brasil247.com/pt/247/economia/147490 : Procurador-geral Rodrigo Janot revê para R$ 21,87 bilhões expurgos inflacionários dos planos Cruzado, Bresser, Collor 1 e Collor 2, do período de junho de 1987 a setembro de 2008; conta fica bem distante dos R$ 441,7 bilhões cotados inicialmente <br clear="all"> :

por Hylda Cavalcanti, da Rede Brasil Atual
Brasília – A Procuradoria Geral da República (PGR) divulgou hoje (21) parecer com recálculo dos valores referentes à margem bruta de lucro obtida pelos bancos com os expurgos inflacionários dos planos econômicos Cruzado, Bresser, Collor 1 e Collor 2. O valor de R$ 21,87 bilhões leva em conta o período de junho de 1987 a setembro de 2008, e fica bem distante dos R$ 441,7 bilhões cotados inicialmente.

A constatação da PGR derruba o argumento principal contrário à condenação dos bancos que vinha sendo apresentado – o de que as indenizações a serem pagas aos brasileiros que tinham poupança no país durante a vigência de tais planos poderiam chegar a perto de R$ 500 bilhões, uma estimativa montada com base em planilhas apresentadas pelo próprio Ministério Público. O montante, segundo diziam os bancos, acarretaria em desequilíbrios na economia nacional, em caso de decisão judicial desfavorável a tais instituições financeiras.

A avaliação conclui que não seria, portanto, nenhum absurdo para as instituições desembolsar o valor reclamado por cerca de 400 mil poupadores a serem beneficiados pela ação. Os três maiores bancos privados do país (Bradesco, Itaú Unibanco e Santander) alcançaram lucro líquido de quase R$ 30 bilhões em 2013.

As contas da PGR mostram, também, que estavam certos desde o início os cálculos do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e dos advogados das partes – milhares de brasileiros de todas as regiões do país.

Com a entrega do parecer, o julgamento dos recursos referentes aos expurgos inflacionários de antigos planos econômicos nas contas de poupança, que está emperrado no Supremo Tribunal Federal (STF) desde o final do ano passado, já tem condições de ser retomado a partir de agosto, quando se inicia o semestre do Judiciário.

Recursos

O tribunal avalia a constitucionalidade da aplicação retroativa dos índices de correção monetária dos planos econômicos Cruzado, Bresser, Collor I e Collor II, implementados nos anos 80 e 90, em Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) e em quatro recursos extraordinários sobre o tema, em tramitação. A decisão vai embasar ações coletivas movidas em todo o país por pessoas que tinham poupanças na época e reivindicam o recebimento das diferenças provocadas pela aplicação dos índices econômicos definidos pelos governos durante a vigência dos planos.

Um dos empecilhos para a decisão do colegiado do STF ainda é o fato de que muitas das poupanças daquela época estavam em bancos públicos, como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal – motivo pelo qual ainda é preciso avaliação sobre o impacto dos pagamentos nas contas da União.

Líquido x bruto

Conforme o parecer de hoje, assinado pelo procurador-geral Rodrigo Janot, o cálculo feito pela equipe técnica da PGR destaca que o valor médio anual do lucro líquido dos maiores bancos brasileiros nos últimos 14 anos anteriores a setembro de 2008 situou-se na faixa de R$ 8,3 bilhões (montante que exprime o resultado de todos os produtos da indústria bancária no período).

A PGR informou, também, que elaborou o estudo entre junho de 1987 e setembro de 2008 a partir de saldos consolidados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, assim como dos dados fornecidos pelo Banco Central e também de percentuais de faixa livre de operações bancárias regulamentados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Quatro anos atrás, parecer da PGR apontava como resultado obtido pelos bancos com as cadernetas de poupança o valor de R$ 441,7 bilhões. Mas, no documento divulgado hoje, a PGR explica que esse valor é tão alto porque nele se considera o valor bruto dos bancos com tais planos, e não o valor que se queria obter, referente aos expurgos nas contas de poupança.

Expressaria, segundo o relatório, “os 20% dos saldos totais das cadernetas de poupança existentes no momento dos planos econômicos em questão, atualizados pela remuneração aplicada à poupança e somados”. “Não representa o número que se deseja encontrar: o lucro bruto”, enfatiza o documento. Foi por esse motivo que no último julgamento os ministros do STF solicitaram formalmente novo parecer à PGR.

Para todos

Existem, atualmente, cerca de 500 mil processos em tramitação nos tribunais brasileiros e perto de 100 ações civis públicas reivindicando a devolução de expurgos de planos econômicos diversos, tendo como partes grupos de pessoas que eram poupadoras na época. Se o julgamento do STF for favorável aos poupadores – como se espera – terão direito ao ressarcimento todas as pessoas que possuíam contas em poupança no período e ajuizaram ações em tribunais diversos.

O motivo para essa situação é que os ministros relatores no STF definiram que os recursos serão julgados pelo procedimento da repercussão geral. Segundo o mecanismo, o que for decidido no julgamento valerá para todos os demais recursos com o mesmo tema e pode, inclusive, vir a se tornar uma súmula vinculante (decisão a ser seguida por todos os juízes e tribunais do Judiciário brasileiro).

Economia Roberta Namour Tue, 22 Jul 2014 05:24:44 +0000 http://www.brasil247.com/147490
PT confirma ação contra Aécio por aeroporto http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147470 : Coordenação jurídica da campanha da presidente Dilma Rousseff decidiu que irá entrar nesta terça-feira com uma representação por improbidade administrativa no Ministério Público de Minas Gerais contra o candidato do PSDB, Aécio Neves; ação se deve a denúncia publicada pela Folha de S. Paulo neste domingo de que o tucano, quando governador de Minas, construiu um aeroporto com recursos públicos em terras que pertenceram à sua família; presidente do PT, Rui Falcão, disse ontem que o senador "usou o governo de Minas Gerais como extensão de suas propriedades"; senador atribuiu a reportagem ao "período eleitoral"; Anac vai investigar pousos e decolagens em área ainda sem autorização para ser usada <br clear="all"> :

247 – O comitê da campanha da presidente Dilma Rousseff decidiu, na tarde desta segunda-feira 21, entrar com uma representação por improbidade administrativa no Ministério Público de Minas Gerais contra o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves.

A ação, que deve ser apresentada nesta terça-feira, tem como base denúncia da Folha de S. Paulo publicada neste domingo acusando Aécio de ter construído, no segundo mandato de seu governo em Minas, um aeroporto com quase R$ 14 milhões de recursos públicos em uma propriedade que pertencia ao seu tio, no município de Cláudio (leia mais).

Nesta segunda-feira, durante visita ao Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na Grande Belo Horizonte, o presidenciável minimizou a denúncia, atribuindo-a ao "período eleitoral" (leia aqui). "Não podemos aceitar é que em razão da proximidade eleitoral se deturpe fatos", disse o tucano.

Ontem, o presidente do PT e membro do comitê presidencial de Dilma, Rui Falcão, acusou Aécio Neves de "usar o governo de Minas Gerais como extensão de suas propriedades" e de não distinguir o "público do privado". Aécio publicou respostas à reportagem pelas redes sociais (leia mais).

Anac vai investigar pousos e decolagens em aeródromo

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) vai investigar se há registro de pousos e decolagens no aeródromo construído durante o governo de Aécio na cidade de Claúdio. Isso porque, de acordo com a agência, não há autorização para o uso da estrutura, uma vez que a pista ainda não foi liberada pelo órgão de fiscalização.

De acordo com a reportagem da Folha, o aeródromo foi construído em um terreno que já pertenceu a Múcio Guimarães Tolentino, tio-avô de Aécio e ex-prefeito do município de Cláudio. A matéria traz relato de um primo que afirma que Aécio usa o aeroporto toda vez que visita a cidade.

A Anac deu dez dias para o governo de Minas e a prefeitura se pronunciarem sobre o caso e investigará se houve operações clandestinas no local.

Poder Gisele Federicce Mon, 21 Jul 2014 18:17:34 +0000 http://www.brasil247.com/147470
"Passe Livre" de Campos é questionado até pela prima http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/147472 : Desde que o presidenciável Eduardo Campos afirmou que se eleito, irá implantar o passe livre no transporte público para cerca de 20 milhões de estudantes de todo o país, o ex-governador vem sendo questionado sobre a real possibilidade de implantar a medida; as últimas traulitadas vieram da Frente de Luta pelo Transporte Público e da própria prima, a vereadora do Recife Marília Arraes (PSB);  tanto Marília quanto o movimento social ressaltam que a promessa de Campos não encontra eco nos sete anos em que esteve à frente do Executivo Pernambuco, já que ele não implantou a medida quando era o governador do Estado; A Frente taxou o discurso como senndo algo "puramente eleitoreiro" <br clear="all"> :

Pernambuco 247 - Desde que o presidenciável Eduardo Campos afirmou que se eleito, irá implantar o passe livre no transporte público para cerca de 20 milhões de estudantes de todo o país, o ex-governador vem sendo questionado sobre a real possibilidade de implantar a medida. As últimas traulitadas vieram da Frente de Luta pelo Transporte Público e da própria prima a vereadora do Recife, Marília Arraes (PSB), que na última sexta-feira (19) anunciou que irá apoiar a reeleição da presidente Dilma Rouseff (PT). Tanto Marília quanto a Frente de Luta pelo Transporte Público ressaltam que a promessa de Campos não encontra eco nos sete anos em que esteve à frente do Executivo Pernambuco, já que ele não implantou a medida quando era o governador do Estado.

"Não sei se ele vai conseguir implantar isso aí no nível nacional, se ele ganhar a eleição, o que é bastante difícil de acontecer, de acordo com o que as pesquisas indicam", disse Marília em entrevista à Rádio Jornal. "É uma pena que o passe livre não foi implantado em todo o Estado. A gente teve sete anos para implantar o passe livre em Pernambuco. Será que será possível cumprir essa promessa nacional?", complementou.

Em nota, a Frente de Luta pelo Transporte Público disse ter recebido "com perplexidade" a declaração de Campos, uma vez que que durante a sua gestão o governo "nunca abriu ou promoveu discussão acerca do Passe Livre Estudantil". A nota também ressalta que a "redução das passagens propagada por Eduardo Campos foi um mero repasse da desoneração da PIS/COFINS (imposto federal) levado a cabo pelo governo federal, e que ainda assim não foi feito de maneira proporcional em todas as tarifas de ônibus".

A redução das tarifas, da ordem de R$ 0,10 foi anunciada por Campos pouco depois dos protestos pela melhoria dos serviços públicos que marcaram o país em meados do ano passado. Para o movimento social, a promessa feita pelo socialista tem caráter meramente eleitoreiro.

Leia abaixo a íntegra da nota da Frente de Luta pelo Transporte Público:
No Governo Eduardo Campos, nunca houve discussão sobre Passe Livre!
Nós da Frente de Luta pelo Transporte Público de Pernambuco, movimento que reúne diversas entidades estudantis, de trabalhadores, usuários do transporte e da juventude em geral, vimos por meio desta demonstrar nossa estranheza e perplexidade com as afirmações de Eduardo Campos na sabatina promovida pela Folha de São Paulo.

O candidato à presidência da República pelo PSB durante seus quase 8 anos de governo nunca abriu ou promoveu discussão acerca do Passe Livre Estudantil em Pernambuco. Desde que assumiu o governo, já naquela época com o discurso de democratizar a gestão do Transporte Público criou o Consórcio Grande Recife em lugar da antiga EMTU – Empresa Metropolitana de Transporte Urbano, no entanto na prática não vimos mudanças concretas na política do Transporte

Os usuários continuaram não sendo ouvidos para as decisões e o Grande Recife continuou com a mesma estruturação de loteamento de cargos de sua ampla aliança política no Estado de Pernambuco. Não à toa que é uníssona na sociedade pernambucana a crítica ao modelo de expansão do Transporte feito exclusivamente por Terminais Integrados (quem utiliza diariamente, os chama de "currais" integrados, pois o povo é tratado como porco) em detrimento de uma integração temporal por bilhetagem eletrônica, ainda uníssono é o descontentamento com a não unificação das tarifas, onde temos ônibus com menor distância com preço de passagens mais caras do que outros com maior distância.

Tudo isto demonstra uma irracionalidade no atual sistema de transporte na Região Metropolitana do Recife (administrado pelo Governo do Estado) que vem sendo denunciada ao longo dos últimos anos e foi motivo de uma carta aberta endereçada pessoalmente ao então governador, Eduardo Campos, onde apresentamos 13 pontos, no meio das manifestações do ano passado, que igualmente sequer obtivemos resposta. Outro ponto que nós, juntamente com outros diversos movimentos sociais, temos reivindicado como desdobramento do direito social ao transporte (Proposta de Emenda Constitucional da Deputada Luiza Erundina do PSB – partido de Eduardo Campos!) é o Passe Livre Estudantil e para os trabalhadoras desempregados/as.

Só ano passado realizamos cerca de 22 protestos, ações de rua, ocupação da Câmara Municipal, do Consórcio Grande Recife, e fomos recebidos apenas uma vez pelo segundo escalão do Governo (o então subsecretário da Casa Civil, Marcelo Canuto e o presidente do Consórcio Grande Recife, Nelson Menezes) que em resposta aos 13 pontos esposados na carta aberta endereçada ao Governador, nos afirmou que nenhum daqueles pontos era de interesse do governo e nos mandou procurar as "Conferências Municipais e Regional do Transporte" para que pudéssemos apresentar nossas propostas. Tal atitude já revela de maneira clara que a gestão de Eduardo Campos não teve/tem nenhum interesse em discutir a temática do Passe Livre. Ainda assim, procuramos acompanhar as conferências, mas para não surpresa nossa (como de costume na atual gestão) as mesmas em sua maioria não aconteceram.

A resposta ao pleito da juventude foi uma dura repressão por parte do Governo Eduardo Campos, onde protestos pacíficos sofreram constantemente tentativas de sufoco por parte da Polícia Militar de Pernambuco, onde militantes foram indiciados, onde o DCE da UNICAP foi invadido pela PM em uma reunião do movimento... A prova é tanta que o então secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, não aguentou a pressão dos organismos internacionais, nacionais e regionais de defesa dos Direitos Humanos e pediu exoneração do cargo.

Neste ínterim, a proposta de Passe Livre a ser executava em uma eventual eleição de Eduardo Campos para Presidente da República soa como oportunismo eleitoral e merece todo descrédito da população pernambucana, sabedora que em nenhum momento houve um lampejo sequer para adotar o Passe Livre em Pernambuco.

Ainda assim, o presidenciável do PSB tenta confundir o cidadão brasileiro ao apontar que em Recife, temos "Passe Livre". Antes de mais nada, importante não subestimar a inteligência do povo, Eduardo Campos não era prefeito do Recife, era governador do Estado. Em segundo lugar, quando a prefeitura apresentou a proposta de Passe Livre a ser aprovada na Câmara Municipal, Eduardo Campos sequer era mais governador. E em terceiro e mais importante, o referido projeto da prefeitura é bastante limitado e foi feito sem ouvir uma única vez os representantes da juventude e dos estudantes na cidade. Lembrando que a Câmara Municipal tinha construído uma comissão especial, formada por vereadores e representantes da sociedade, logo após a ocupação do prédio público com intuito de elaborar um projeto, mas o que vimos foi um verdadeiro atropelo e a nossa não participação neste processo, tanto que os vereadores da oposição se retiraram da Comissão.

Por outro lado, a redução das passagens propagada por Eduardo Campos foi um mero repasse da desoneração da PIS/COFINS (imposto federal) levado a cabo pelo governo federal, e que ainda assim não foi feito de maneira proporcional em todas as tarifas de ônibus (ou seja, foi estipulado um valor de 10 centavos e reduzido estes valor de todos os anéis – A, B, D e G – quando na verdade a redução era para ser proporcional em cima de cada valor de passagem).

Ante o exposto, vimos através desta nota esclarecer que em Pernambuco não há Passe Livre e que Eduardo Campos em nenhum momento, como governador, encaminhou ou aprofundou a discussão sobre tal temática, sendo assim merece descrédito e repulsa a utilização de um direito social – reivindicado com muita luta, suor e com muito gás lacrimogênio, balas de borracha e spray de pimenta no rosto da juventude – como um discurso puramente eleitoreiro!

"PASSE LIVRE É UM DIREITO,
ELE É DO POVO E NÃO É SÓ POR 10 CENTAVOS!"

 

Pernambuco 247 Paulo Emílio Mon, 21 Jul 2014 19:01:10 +0000 http://www.brasil247.com/147472
Kassab sugere biometria no Estatuto do Torcedor http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/147471 : Candidato a senador pelo PSD, ex-prefeito propõe tema a ser discutido em reunião entre a presidente Dilma Rousseff e os jogadores que fazem parte do Bom Senso FC; identificação biométrica avança como solução de segurança em grandes cidades do mundo; instalação de tecnologia contribui para combater violência entre torcidas; proposta é incluir obrigatoriedade no Estatuto do Torcedor <br clear="all"> :

247 – Uma sugestão de tema para a reunião, dia 30, entre a presidente Dilma Rousseff e os integrantes do Bom Senso FC foi lançada ao debate pelo candidato a senador Gilberto Kassab, do PSD. O ex-prefeito aponta a instalação de identificação biométrica nas entradas dos estádios de futebol, como forma de reduzir o potencial de violência entre as torcidas.

A proposta prevê que, por meio de uma emenda ao Estatuto do Torcedor, sejam instalados e operados sistemas de identificação por biometria digital nos estádios, para identificar os torcedores pela impressão digital. Com mais segurança, os chamados torcedores "comuns" frequentariam mais os estádios, com suas famílias. Além de ser mais uma opção de cultura e lazer, o aumento dos públicos do futebol poderia contribuir para o crescimento da arrecadação e para o fortalecimento dos clubes e campeonatos.

O sistema de identificação biométrica digital já tem diversos usos no país e faz parte do cotidiano da população, como em sistemas de controle de frequência (ponto) eletrônico em empresas. Com a identificação de torcedores envolvidos em atos de violência, impedir seu acesso aos estádios ocorreria de maneira ágil e eficiente, facilitando a investigação policial e a punição prevista em lei.

A identificação de torcedores e a adoção de tecnologias já aparecem nas pautas do Ministério do Esporte, Federação Paulista de Futebol e em Assembleias Legislativas de alguns Estados. A ampliação do debate pode apresentar novas propostas e formas de implantação, mais eficientes e de menor custo para clubes e federações.

SP 247 Marco Damiani Mon, 21 Jul 2014 19:03:13 +0000 http://www.brasil247.com/147471
Aécio minimiza denúncia da Folha: "Período eleitoral" http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/147454 Bruno Magalhães / Nitro: Belo Horizonte_MG, 21 de julho de 2014

PSDB

Os candidatos a governador, Pimenta da Veiga, e o presidente da Republica, Aecio Neves, visitam o Santuario Nossa Senhora da Piedade.Tambem estao presentes os candidatos a vice-governador, Dinis Pinheiro, Durante visita ao Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na Grande Belo Horizonte, o presidenciável Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou que "não podemos aceitar é que em razão da proximidade eleitoral se deturpe fatos"; ele estava acompanhado pelo governador Antonio Anastasia e o candidato tucano Pimenta da Veiga; "Ou alguém em sã consciência é capaz de achar que é possível um governo realizar em área privada um investimento público? É claro que não", disse o tucano, rebatendo mais uma vez denúncia da Folha de S. Paulo de que construiu, quando governador de Minas, um aeroporto nas terras de sua família; comitê de Dilma cogita entrar com ação contra Aécio por improbidade administrativa <br clear="all"> Bruno Magalhães / Nitro: Belo Horizonte_MG, 21 de julho de 2014

PSDB

Os candidatos a governador, Pimenta da Veiga, e o presidente da Republica, Aecio Neves, visitam o Santuario Nossa Senhora da Piedade.Tambem estao presentes os candidatos a vice-governador, Dinis Pinheiro,

Minas 247 – O presidenciável pelo PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse nesta segunda-feira 21, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que a denúncia do jornal Folha de S. Paulo publicada neste domingo 20 se deve ao período de campanha eleitoral.

"O que não podemos aceitar é que em razão da proximidade eleitoral se deturpe fatos. Ou alguém em sã consciência é capaz de achar que é possível um governo realizar em área privada um investimento público? É claro que não", afirmou o tucano.

O jornal acusou Aécio de ter construído, em seu segundo mandato no governo de Minas Gerais, um aeroporto com quase R$ 14 milhões em recursos públicos nas terras de sua família, no município de Cláudio, a 150 km de Belo Horizonte. O aeroporto seria administrado pelo ex-prefeito da cidade Múcio Guimarães Tolentino, tio-avô de Aécio (leia mais aqui).

Aécio disse ainda que nesta segunda-feira o jornal Folha de S. Paulo se "corrigiu" e "amenizou" a reportagem de domingo. "Essa obra foi feita levando em conta os interesses de uma região", voltou a defender o tucano sobre o aeroporto. Ontem ele contestou a denúncia (leia mais aqui).

Aécio Neves visitou hoje o Santuário Nossa Senhora da Piedade. Ele estava acompanhado do governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Pinto Coelho, dos candidatos pelo PSDB ao governo do estado, Pimenta da Veiga, a vice-governador, Dinis Pinheiro, e ao Senado, Antonio Anastasia.

Minas 247 Leonardo Lucena Mon, 21 Jul 2014 16:40:37 +0000 http://www.brasil247.com/147454
Barbárie de Israel em Gaza mata até em hospital http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147450 : Maior genocídio do século 21 em curso; ignorando apelos humanitários da ONU, Benjamin Netanyahu prossegue levando Israel a escalada sem precedentes de violência contra uma população civil; nesta segunda-feira 21, bombas israelenses destruíram a unidade de CTI de um hospital no centro de Gaza, mataram quatro pessoas e deixaram 16 feridas; na véspera, domingo sangrento matou 100 palestinos; do total de 500 mortos até aqui, 100 crianças; até Barack Obama teve de registrar que muitos civis estão morrendo; mas EUA dão cobertura diplomática para ação hitleriana de Netanyahu, como definiu premiê da Turquia; "Concordamos plenamente com tudo isso" disse, na véspera, secretário John Kerry <br clear="all"> :

247 - As certezas de que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, é um genocida se confirmaram, mais uma vez, nesta segunda-feira 21, quando bombardeios sobre a faixa de Gaza foram dirigidos, entre outros alvos civis, ao hospital Al-Aqsa, no centro do território. Quatro pessoas morreram e 16 ficaram feridas apenas nesse ataque. Instalações do Centro de Terapia Intensiva, que ficava no terceiro andar do edifício, foram destruídas. Bombas também foram lançadas nas redondezas. No domingo sangrento, 20, as tropas comandadas por ar e terra por Netanyahu atingiram o auge da carnificina que já dura 18 dias, matando pelo menos cem palestinos. Do total de 500 cidadãos de Gaza mortos, 100 são crianças. 

Mesmo depois de um pedido de cessar-fogo imediato do Conselho de Segurança da ONU, além da condenação dos ataques pelo secretário-geral Ban Ki-moon, Israel segue despejando sua máquina de guerra sobre a população palestina, numa desmedida represália sobre á abertura e uso de túneis transfronteiriços por militantes do Hamas. "Quatro pessoas morreram e mais de 50 ficaram feridas, incluindo paramédicos, enfermeiras e civis por causa dos disparos", denunciou porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf Al Qedra, à imprensa, referindo-se ao hospital atacado.

- Nós concordamos plenamente com tudo isso, disse, na véspera o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry. Ele fez menção positiva á chamada missão israelense de fechar os túneis palestinos, pretexto para o morticínio. Hoje, mais cedo, Israel matou 10 militantes palestinos que se infiltraram no país através da fronteira de Gaza, por meio de túneis escondidos, elevando para mais de 500 o número mortos do lado dos palestinos em um massacre comandado pelo governo de Netanyahu. Além dos apelos humanitários das Nações Unidas, o premiê israelense ignorou protestos que reuniram milhares de pessoas em várias partes do mundo pedindo paz na região. Ele está protegido pela diplomacia de guerra dos EUA.

Leia abaixo reportagem da Reuters sobre os ataques de hoje:

Por Nidal al-Mughrabi e Crispian Balmer

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Forças israelenses mataram 10 militantes palestinos que se infiltraram em Israel nesta segunda-feira através da fronteira de Gaza, por meio de túneis escondidos, disseram militares, elevando para cerca 500 o número de palestinos mortos, incluindo quase 100 crianças, em duas semanas de conflito.

Em meio a crescentes apelos internacionais por uma trégua, e um apelo do Conselho de Segurança da ONU por um cessar-fogo imediato, os jatos de Israel, tanques e artilharia continuaram a bombardear a Faixa de Gaza, tendo matado 28 membros de uma mesma família perto da fronteira com o Egito, disseram médicos.

O grupo islâmico Hamas e seus aliados dispararam diversos foguetes contra regiões no centro e no sul de Israel, e pesados combates foram relatados no norte e no leste de Gaza.

Ataques ininterruptos aumentaram o número de palestinos mortos para 496, incluindo quase 100 crianças, desde que o confronto começou, em 8 de julho, de acordo com representantes médicos de Gaza. Israel diz que 18 de seus soldados e 2 civis morreram.

Ainda nesta segunda-feira um projétil disparado por um tanque israelense atingiu o hospital de Al-Aqsa, no centro da Faixa de Gaza, matando quatro pessoas e ferindo 16, de acordo com o porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, Ashraf Al-Qidra.

O porta-voz afirmou que o terceiro andar abrigava uma Unidade de Terapia Intensiva e salas de cirurgia. Outros projéteis caíram no entorno do hospital, acrescentou. Autoridades pediram ajuda à Cruz Vermelha para a remoção de pacientes. Os militares israelenses não fizeram comentários de imediato sobre o hospital.

Militantes palestinos anunciaram ter capturado no fim de semana um soldado israelense na Faixa de Gaza, mas o representante de Israel na ONU negou a informação.

Apesar de pedidos do mundo todo pelo fim do pior episódio de violência entre palestinos e israelenses em mais de cinco anos, ministros de Israel descartaram a possibilidade de qualquer trégua imediata.

"Esta não é a hora de falar de cessar-fogo", disse Gilad Erdan, ministro das comunicações e membro do gabinete interno de segurança do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

"Devemos completar a missão, e a missão não pode ser terminada até que a ameaça dos túneis seja removida", disse ele a repórteres.

Por sua vez, o Hamas, enfraquecido pela perda do Egito e Síria como aliados, expressou determinação de lutar para romper o cerco econômico de Israel sobre Gaza.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, deve voar para o Egito mais tarde nesta segunda-feira como parte de um esforço para parar a violência, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, está viajando pelo Oriente Médio para tentar assegurar um cessar-fogo.

Embates antigos entre Israel e seus inimigos em Gaza e no Líbano geralmente acabaram quando os Estados Unidos, um grande aliado do Estado judaico, pediu o fim das agressões, solicitação geralmente motivado quando um ataque causava grandes baixas civis do lado árabe.

Embora Washington tenha concordado com a posição o Conselho de Segurança, no domingo, os norte-americanos até agora defenderam as ações de Israel e evitaram pressionar Netanyahu publicamente para que interrompesse os ataques.

A violência na fronteira de Gaza se intensificou nesta segunda-feira, e sirenes soaram em grande parte do centro e do sul de Israel por conta da iminência de ataques de foguetes inimigos. Pelo menos nove foguetes foram interceptados por sistemas antimísseis de Israel, disse o Exército.

Buscando levar a luta para solo israelense, dois grupos de combatentes palestinos vindos de Gaza cruzaram a fronteira através de dois túneis, abrindo fogo ao entrarem em território israelense.

Vídeos gravados por câmeras de segurança, fornecidos pelo Exército, mostraram um grupo de cinco ou seis homens se agachando na grama e atirando. Segundo depois, eles foram atingidos por uma grande explosão, a qual gerou uma coluna de fumaça no ar.

Uma porta-voz militar de Israel disse que pelo menos 10 militantes morreram. Ela não comentou as informações sobre mortes entre forças israelenses. O Hamas disse ter destruído um jipe do Exército durante o avanço.

Mundo Gisele Federicce Mon, 21 Jul 2014 15:34:42 +0000 http://www.brasil247.com/147450
Campos promete R$ 37 bilhões para saúde pública http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/147448 : Depois de prometer universalizar o acesso à escola integral e implantar o passe livre para todos os estudantes do país caso seja eleito, o presidenciável Eduardo Campos (PSB) acenou, nesta segunda-feira 21, em São Paulo, com a possibilidade de destinar R$ 37 bilhões para a saúde pública; o montante equivale a 10% da receita corrente bruta da União; "Tudo isso que a gente fala, a gente faz conta com responsabilidade", disse; apesar de falar em valores, Campos não disse de onde tiraria os recursos; "Se tem R$ 50 bilhões para investir no setor elétrico, por que não tem para o passe livre e para a Saúde?", disparou <br clear="all"> :

Pernambuco 247 - Depois de prometer universalizar o acesso à escola integral e implantar o passe livre para todos os estudantes do país caso seja eleito, o presidenciável Eduardo Campos (PSB) acenou, nesta segunda-feira (21), em São Paulo, com a possibilidade de destinar R$ 37 bilhões para a saúde pública. O montante equivale a 10% da receita corrente bruta da União. "Tudo isso que a gente fala, a gente faz conta com responsabilidade", disse. "O Governo Federal tem recurso, sim, para fazer a escola integral em quatro anos, para fazer o passe livre para todos os estudantes", complementou.

De acordo com o ex-governador de Pernambuco, que participou da inauguração do comitê central da sua campanha presidencial em São Paulo, a questão da origem dos recursos não parece ser um brande problema. "Se tem R$ 50 bilhões para investir no setor elétrico, por que não tem para o passe livre e para a Saúde?", disse sem detalhar a proposta de elevar os recursos para o setor. Ninguém pergunta de onde vêm os R$ 50 bilhões para botar nos cofres das empresas de energia, ninguém pergunta como a Petrobras tem R$ 50 bilhões para segurar o custeio de decisões eleitoreiras da Presidência da República", disparou.

Campos prometeu, ainda, criar uma carreira federal para a categoria médica e teceu críticas veladas ao programa Mais Médicos, do Governo Federal. Segundo o socialista, o Governo não pode seguir realizar uma "política de criminalização dos médicos, que joga o povo contra os médicos". Entre os presentes na inauguração do comitê central da campanha estava o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto d'Avila. O CFM é tem se posicionado de forma contrária ao Mais Médicos. 

A expectativa é que esta e outras propostas, como a implantação do passe livre e a universalização do acesso à escola integral, sejam detalhadas nos próximos dias, quando o PSB deverá entregar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o projeto atualizado de um plano de governo, contemplando setores e promessas que ainda não haviam entrado na discussão quando por ocasião do registro da candidatura.

Pernambuco 247 Paulo Emílio Mon, 21 Jul 2014 15:27:03 +0000 http://www.brasil247.com/147448
Ibope: Dilma tem 41%, Aécio 23% e Campos 6% no RS http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/147456 : Levantamento feito no estado mostra que a presidente Dilma Rousseff seria reeleita no primeiro turno; 53% dos entrevistados aprovam o atual governo e 36% dizem que ele é ótimo ou bom; entre outros candidatos, a soma atinge 36%, sendo que a candidata do PSOL, Luciana Genro, tem 4% das intenções <br clear="all"> :

Por Lara Rizério e Rodrigo Tolotti Umpieres

SÃO PAULO - Pesquisa Ibope divulgada na manhã desta segunda-feira (21) mostrou o cenário para as eleições presidenciais no Rio Grande do Sul. No estado, Dilma Rousseff (PT) apresenta uma boa vantagem sobre seus adversários, com 41% das intenções de voto, contra 23% de Aécio Neves (PSDB) e 6% de Eduardo Campos (PSB). Neste cenário, Dilma seria reeleita no primeiro turno.

Entre outros candidatos, a soma atinge 36%, sendo que a candidata do PSOL, Luciana Genro, tem 4% das intenções. Enquanto isso, 9% dos eleitores disseram que vão votar nulo ou em branco e 13% declararam não saber em quem votar. Na pesquisa, a margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Sobre a aprovação do governo, 53% dos entrevistados veem como positivo, sendo que 36% consideram a administração de Dilma ótima ou boa. De acordo com a pesquisa, a nota média da presidente ficou em 5,6. O Ibope entrevistou 812 eleitores entre 13 e 16 de julho.

Rio Grande do Sul 247 Gisele Federicce Mon, 21 Jul 2014 16:13:49 +0000 http://www.brasil247.com/147456
Obama cobra Putin: "O que querem esconder?" http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/147451 : Em pronunciamento na Casa Branca, presidente dos EUA disse que os separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia continuam a manter os investigadores afastados do local em que o avião da Malaysia Airlines caiu, às vezes disparando tiros para o alto; "O que estão tentando esconder?", questionou <br clear="all"> :

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aumentou nesta segunda-feira a pressão sobre o presidente russo, Vladimir Putin, para que force os separatistas pró-Rússia a suspender o bloqueio da investigação internacional sobre o abate de um avião de passageiros na semana passada.

Em um pronunciamento na Casa Branca, Obama disse que os separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia continuam a manter os investigadores afastados do local em que o avião da Malaysia Airlines caiu, às vezes disparando tiros para o alto.

"O que estão tentando esconder?", questionou Obama.

Obama disse que Putin tem responsabilidade direta em fazer os separatistas cooperarem com as investigações e que cabe agora a Moscou insistir que os separatistas parem de bloquear a investigação.

(Reportagem de Steve Holland, Jeff Mason e Roberta Rampton)

Combates continuam na Ucrânia mesmo com chegada de investigadores

Por Anton Zverev e Peter Graff

DONETSK Ucrânia (Reuters) - Combates irromperam nesta segunda-feira na cidade de Donetsk, leste da Ucrânia, enquanto numa região próxima investigadores começavam a inspecionar os corpos de vítimas do voo MH17 da Malaysia Airlines, abatido em pleno ar na semana passada.

Os combates em Donetsk serviram como lembrança dos perigos que os especialistas enfrentam ao trabalhar em uma zona de guerra. Inspetores internacional conseguiram acesso aos restos de centenas de vítimas armazenados em vagões refrigerados de trens próximos ao local da queda, mas governos expressaram preocupações sobre a falta de maior acesso à área da queda do avião, controlada por rebeldes.

O governo ucraniano negou ter enviado o Exército regular para o centro de Donetsk, capturado por separatistas pró-Rússia em abril, mas disse que grupos "auto-organizados" pró-Ucrânia estavam combatendo rebeldes na cidade.

Quatro pessoas foram mortas em confrontos perto da estação ferroviária e próximo ao aeroporto nos arredores de Donetsk, disseram funcionários da área médica.

Fogo de artilharia fez emergir colunas de fumaça perto da estação de trem de Donetsk, a cerca de 60 quilômetros do local da queda do avião, no que, segundo separatistas, era uma tentativa de forças do governo de entrar na cidade.

Donetsk está no centro da rebelião contra o governo central, de Kiev. O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, prometeu retomar a cidade como parte do que seu governo chama de "operação antiterrorismo" contra os separatistas.

Com o pano de fundo da perplexidade internacional sobre o destino dos restos mortais das 298 vítimas do desastre, os primeiros investigadores internacionais chegaram ao leste da Ucrânia nesta segunda-feira.

Três membros de uma equipe holandesa de identificação de vítimas de desastres chegaram à estação de trem próxima ao local da queda, onde rebeldes disseram ter armazenado 247 corpos em vagões refrigerados. Cerca de dois terços das vítimas da tragédia eram holandeses.

Autoridades ucranianas disseram nesta segunda-feira que 272 corpos e 66 fragmentos de corpos haviam sido encontrados.

"O armazenamento dos corpos foi feito em boas condições", disse Peter van Vliet, cuja equipe entrou nos vagões com máscaras cirúrgicas e luvas de borracha.

O vice-primeiro-ministro ucraniano Volodymyr Groysman disse nesta segunda-feira que todos os corpos seriam levados em um trem refrigerado para a cidade de Kharkiv, no leste do país, e a previsão era que partisse depois das 19 horas (14 horas em Brasília). Depois, todos os corpos seriam levados para a Holanda, segundo Groysman.

De acordo com as autoridades ucranianas, 272 corpos e 66 fragmentos de corpos tinham sido encontrados.

(Reportagem adicional de Pavel Polityuk)

Mundo Gisele Federicce Mon, 21 Jul 2014 15:39:38 +0000 http://www.brasil247.com/147451
Otimista, Lula volta a usar a rede para atrair jovens http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147430 : "O Brasil é um País maravilhoso", diz ex-presidente no sétimo vídeo com mensagens políticas publicado na página do Instituto Lula; disposto, como disse, a se dedicar integralmente à mais importante missão de sua vida, referindo-se à campanha eleitoral, Lula se dirigiu à juventude: "Se tem uma coisa que o jovem não pode perder é a esperança", disse; "Em vez de ficar reclamando, temos que trabalhar para transformar nossos sonhos em coisas concretas", defendeu; oposição procura evitar debater com Lula, mas ele não quer ficar de fora das polêmicas; com recém completados um milhão de amigos no Facebook, ex-presidente usa sua melhor arma na rede: ele mesmo <br clear="all"> :

247 – Em novo vídeo sobre a importância da participação na política, publicado nesta segunda-feira 21, o ex-presidente Lula destaca as qualidades do Brasil e ressalta que "se tem uma coisa que o jovem não pode perder é a esperança". "O Brasil é um país maravilhoso, um país que tem tudo para acontecer ainda", afirma Lula na mensagem. Ele cita a "maior riqueza de biodiversidade do planeta Terra", os "vizinhos extraordinários" e o "povo ordeiro" do Brasil. "Temos tudo para fazer nesse País", diz.

Determinado a alavancar as candidaturas do PT a presidente e aos governos estaduais, Lula quer se manter onipresente nas redes sociais. Ele decidiu acentuar seus pronunciamentos com ainda mais frequência do que vinha fazendo. O ex-governador Eduardo Campos (PSB) notou que o ex-presidente estaria lançando uma armadilha aos adversários, para atrair para si o debate com os presidenciáveis e poupar a presidente Dilma Rousseff. Nos programas de Dilma no horário político, tudo está certo até agora para que Lula seja o âncora.

No vídeo divulgado hoje, Lula seguiu sua pregação pela participação, especialmente da juventude, na atividade política. "O que nós precisamos fazer todo dia é levantar e dizer o seguinte: o que é que eu quero fazer hoje para mudar minha vida, para ajudar minha cidade, o meu País?", afirma. "Em vez de ficar reclamando, temos que trabalhar para transformar nossos sonhos em coisas concretas", defendeu.

Assista: 

Poder Gisele Federicce Mon, 21 Jul 2014 13:12:02 +0000 http://www.brasil247.com/147430
Aécio encontra Barroso e critica “desinteresse” com Comissão Europeia http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/147425 : Após café da manhã com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, presidenciável pelo PSDB, Aécio Neves, disse ter reiterado sua "convicção de que estamos atrasados com a negociação com a União Europeia, que poderia estar ampliando nossos mercados"; presidente Dilma Rousseff recebeu Barroso na semana passada no Palácio do Planalto <br clear="all"> :

247 – O candidato pelo PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, se reuniu nesta segunda-feira 21 com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, em café da manhã. Em nota sobre o encontro publicada no Facebook, o tucano chamou o ministro de "amigo" e afirmou que a reunião tratou de "temas internacionais".

"Reiterei minha convicção de que estamos atrasados com a negociação com a União Europeia, que poderia estar ampliando nossos mercados. Lamento o desinteresse do atual governo pelo tema, adiando mais uma vez, agora para o próximo ano, a conclusão dessas negociações", criticou o presidenciável.

Aécio acrescentou que, "enquanto isso, a União Europeia avança seus entendimentos com outras regiões do mundo, em especial com os Estados Unidos". E prometeu, caso seja eleito presidente da República, que "esse tema será tratado como prioridade". Aécio também disse que o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia será uma das prioridades de seu governo. A presidente Dilma Rousseff recebeu Barroso no Palácio do Planalto na semana passada.

"Infelizmente, temos hoje uma política externa que prioriza o alinhamento ideológico em detrimento de parcerias comerciais que poderiam gerar mais renda, mais emprego, a inclusão das empresas brasileiras nas cadeias globais de produção. No momento em que tivermos um governo que não busque apenas aliança entre vizinhos, mas alianças que possam ajudar a desenvolver a nossa economia, o entendimento com a União Europeia vai avançar. Espero que isso possa ocorrer a partir de 2015", disse.

Brasil Gisele Federicce Mon, 21 Jul 2014 12:14:21 +0000 http://www.brasil247.com/147425
Dilma defenderá quatro reformas em campanha http://www.brasil247.com/pt/247/poder/147411 : Entre as propostas que serão apresentadas pela presidente, constam as reformas política, federativa, urbana e dos serviços públicos; objetivo é atender ao anseio por mudança de mais de 70% da população, segundo Datafolha; PT quer resgatar chamado para plebiscito, como feito nos protestos de junho de 2013, e a formação de uma constituinte exclusiva para debater as mudanças no sistema político; Dilma Rousseff tem reforçado, em discursos recentes, a necessidade de obras de infraestrutura em mobilidade urbana e habitação e ressaltará, durante a campanha, a necessidade de um plano específico para a educação <br clear="all"> :

247 – No intuito de trabalhar em cima do desejo de mudança por parte da população – mais de 70% desejam mudanças no País, segundo pesquisa Datafolha divulgada em maio desse ano –, a campanha da presidente Dilma Rousseff, que disputará a reeleição, trabalha com uma lista de propostas que envolve quatro grandes reformas no País: a política, a federativa, a urbana e a dos serviços públicos.

A reforma política é pauta mais frequente do governo do PT desde os protestos de junho do ano passado, quando Dilma sugeriu um plebiscito e a criação de uma constituinte exclusiva para debater o tema. Desde então, ela tem dito que, sem o apoio da população, uma grande mudança no sistema político brasileiro não será possível. A proposta também vem sendo defendida pelo ex-presidente Lula.

O principal cabo eleitoral da presidente falou, em vídeo publicado nessa semana, sobre coletar assinaturas durante a campanha presidencial para apresentar ao Congresso Nacional um projeto de iniciativa popular sobre o tema (veja aqui). O presidente do PT, Rui Falcão, enfatiza que a sociedade não se sente mais representada pelo atual sistema político e defende, entre outros pontos, o financiamento público de campanha.

A reforma federativa envolve as responsabilidades da União, dos estados e dos municípios sobre temas essenciais como segurança pública, saúde e até mesmo a cobrança de impostos – o que envolve a discussão sobre uma reforma tributária. Já a dos serviços públicos tem foco na Educação. As propostas pretendem enfatizar a valorização do professor e o investimento destinado à área com recursos do pré-sal.

A reforma urbana envolve obras de infraestrutura principalmente em mobilidade urbana, saneamento e habitação. Neste ano, a presidente Dilma participou de dezenas de lançamentos de obras e de investimentos nessas áreas em grandes cidades, como São Paulo, Salvador e Porto Alegre. E tem ressaltado em seus discursos a importância de se deslocar em menos tempo de casa para o trabalho, em prol da qualidade de vida, e a obrigação do Estado em garantir moradia para todos os cidadãos.

Sobre o assunto, Rui Falcão aborda a dificuldade de se gerir grandes conglomerados urbanos. "O conceito das áreas metropolitanas não pode ser tratado mais como tema de capitania hereditária. O governador do Estado não quer a autonomia porque perde poder político. Então, que tal se a gente criasse regiões metropolitanas como novos entes federados? Não é município nem estado, mas é um ente federado atípico, como tem na Alemanha, como tem no Canadá. Isso tem que ser fruto de um debate sobre essas cidades, principalmente em cidades com mais de 500 mil habitantes", disse o presidente do PT ao portal Último Segundo.

Poder Felipe L. Goncalves Mon, 21 Jul 2014 10:50:05 +0000 http://www.brasil247.com/147411