Brasil 24/7 http://www.brasil247.com/ O seu jornal digital 24 horas por dia 7 dias por semana pt Copyright 2015, Brasil 24/7 Fri, 30 Jan 2015 05:51:56 +0000 60 Newscoop http://www.brasil247.com/themes/publication_1/theme_4/assets/img/logo.png Brasil 24/7 http://www.brasil247.com/ 144 120 Lava Jato: MP manda caso Anastasia para o STF http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/168278 : Ministério Público Federal deu parecer contrário ao pedido da defesa do senador eleito Antônio Anastasia (PSDB-MG), que quer acesso ao depoimento em que ele é citado pelo policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho, preso na Lava Jato, e afirmou que cabe ao Supremo Tribunal Federal fazer a análise das declarações; a questão será decidida pelo juiz Sérgio Moro; de acordo com o MPF, o depoimento faz "menção a pessoas com prerrogativa de foro"; o policial, conhecido como Careca, afirmou à polícia ter sido enviado a Belo Horizonte por Alberto Youssef para entregar R$ 1 milhão que seria do então governador Anastasia <br clear="all"> :

André Richter - Repórter da Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) enviou nesta quinta-feira 29 à Justiça Federal parecer contra pedido da defesa do senador eleito Antônio Anastasia (PSDB-MG), que quer acesso ao depoimento em que ele é citado pelo policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho, preso na Operação Lava Jato. No entendimento do órgão, cabe ao Supremo Tribunal Federal (STF) fazer a análise das declarações. A questão será decidida pelo juiz Sérgio Moro.

De acordo com a petição do MPF, as declarações do policial fazem "menção a pessoas com prerrogativa de foro em decorrência da função que exercem, sendo necessário prévio exame do caso pelo Supremo". No documento, os procuradores também informaram que pediram para a Polícia Federal investigar o vazamento do depoimento do agente.

De acordo com reportagem divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo no dia 8 de janeiro, o policial Jayme Alves, conhecido como Careca, afirmou, em depoimento à Polícia Federal, que foi enviado a Belo Horizonte para entregar R$ 1 milhão a pedido de Youssef.

Segundo o agente, o dinheiro foi entregue em 2010, em uma casa da capital mineira, a uma pessoa que não se identificou. Conforme o policial, o doleiro disse que o dinheiro era para o então governador Antônio Anastasia.

Em nota divulgada após a publicação da reportagem, Anastasia disse que nunca se encontrou com o policial e que não conhece Alberto Youssef.

"Em primeiro lugar, registro que não conheço este cidadão. Nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma, não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef. Em 2010, já como governador de Minas Gerais, não tinha qualquer relação com a Petrobras, que não tinha obras no estado, ademais do fato de eu ser governador de oposição ao governo federal", declarou.

Por determinação do juiz Sérgio Moro, Jayme Alves foi afastado das funções de policial federal em novembro passado. De acordo com as investigações, Jayme prestava serviços ao doleiro na entrega de remessas de dinheiro. Ele é réu em uma das ações penais da operação e não fez acordo de delação premiada.

Minas 247 Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 17:47:07 +0000 http://www.brasil247.com/168278
Cerveró processará quem fizer máscara com seu rosto para o Carnaval http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/168269 : Advogado do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, Edson Ribeiro alertou sobre processos por conta de rumores de que a máscara seria 'sensação' na folia deste ano; "Se alguém fizer isso, vou processar. Você tem o direito à imagem, tem o dano moral. Se alguém fizer, vou localizar quem fez", afirmou; dona de uma fábrica de produtos carnavalescos, Olga Valle disse que desistiu de reproduzir o rosto de Cerveró <br clear="all"> :

247 - Acusado de corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró promete processar quem produzir máscaras com seu rosto para o Carnaval. Segundo a agência O Globo, o advogado Edson Ribeiro passou a alertar sobre processos, por conta dos rumores que a máscara seria 'sensação' na folia deste ano.

Ainda de acordo com O Globo, um integrante da equipe de defesa chegou a ligar para a Condal, uma grande fábrica de acessórios para o Carnaval e informou que iniciaria uma ação judicial.

"Se alguém fizer isso, vou processar. Você tem o direito à imagem, tem o dano moral. Se alguém fizer, vou localizar quem fez", afirmou Ribeiro.

A dona da fábrica, Olga Valle, disse que desistiu de reproduzir o rosto de Cerveró para evitar dores de cabeça. "Eles falaram que iam tomar providências. Como estamos mal de tempo, e seria uma complicação, acho melhor não entrar nessa", disse Olga.

Ainda de acordo com Olga, os pedidos pelas máscaras de Cerveró não foram muitos e a aposta é fabricar máscaras da presidente da Petrobras, Graça Foster.

Brasil Romulo Faro Thu, 29 Jan 2015 16:21:07 +0000 http://www.brasil247.com/168269
Explosão em hospital no México deixa ao menos 7 mortos http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/168274 REUTERS/Edgard Garrido: Maternidade no oeste da Cidade do México, onde houve uma explosão. 29/1/2015 REUTERS/Edgard Garrido Entre os mortos estão quatro crianças; equipes de resgate trabalhando em meio aos escombros; explosão veio de um caminhão de gás <br clear="all"> REUTERS/Edgard Garrido: Maternidade no oeste da Cidade do México, onde houve uma explosão. 29/1/2015 REUTERS/Edgard Garrido

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Um caminhão de gás explodiu em um hospital maternidade no oeste da Cidade do México nesta quinta-feira, destruindo grande parte do local e deixando ao menos sete mortos, incluindo quatro crianças, informaram os serviços de emergência.

Imagens de televisão mostraram equipes de resgate trabalhando em meio aos escombros do hospital. O prefeito Miguel Angel Mancera disse que dezenas de mulheres e crianças foram retiradas do local, algumas com ferimentos provocados por estilhaços de vidro.

Muitas áreas da Cidade do México não têm fornecimento de gás e dependem de entregas feitas por caminhões.

(Reportagem de Michael O'Boyle e Anahi Rama)

Mundo Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 16:59:52 +0000 http://www.brasil247.com/168274
'Complexo Prisional de PE pode ter armas de fogo' http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/168268 : Secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico não descartou a possibilidade de existirem armas de fogo dentro do maior complexo prisional do Estado, que fica no Bairro do Curado, Zona Oeste no Recife; os detentos haviam feito uma rebelião de três dias onde exibiam facões e pedaços de madeira - dois presidiários e um PM foram mortos; "É possível que existe arma de fogo no Complexo do Curado? Sim, é possível", disse Eurico; o Executivo estadual já decretou estado de emergência no sistema carcerário <br clear="all"> :

Pernambuco 247 – O secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, não descartou a possibilidade de existirem armas de fogo dentro do maior complexo prisional do Estado, que fica no Bairro do Curado, Zona Oeste no Recife. Na semana passada, os detentos fizeram uma rebelião de três dias onde exibiam facões e pedaços de madeira. O governo de Pernambuco já decretou estado de emergência no sistema prisional.

"É possível que existe arma de fogo no Complexo do Curado? Sim, é possível", disse Pedro Eurico. "Eu afirmo que não tem porque até aqui não tenho dado de que tenha sido encontrado", disse Eurico à imprensa.

No Curado, integrantes da secretara acharam facas, celulares e até uma usina para a fabricação de cachaça artesanal. Nessa quarta-feira (28), duas armas foram apreendidas com presos da Penitenciária Professor Barreto Campello. Na manhã desta quinta (29), uma vistoria foi realizada na unidade prisional. "As revistas serão diuturnas. Nós vamos tirar as armas e vamos tirar as drogas", afirmou o secretário.

Ao comentar sobre a morte do sargento da Polícia Militar Carlos Silveira do Carmo, assassinado durante a rebelião, tenha sido morto por um tiro. O Instituto de Criminalística concluiu nessa quarta que a morte foi causado por "traumatismo raquimedular decorrente da ação de instrumento corto-contudente", o que significa que ele pode ter sido atingido por uma faca. "Não houve arma de preso e nem houve o tiro", afirmou Eurico. "Temos que ter cautela e aguardar o inquérito", acrescentou.

Após uma semana de uma rebelião que terminou com a morte de dois detentos e do sargento, o governo de Pernambuco decretou estado de emergência no sistema carcerário. Os detentos pedem mais agilidade para o julgamento dos processos referentes à concessão de benefícios e o afastamento do juiz da Vara de Execuções penais do Recife.

Outro problema apontado pelos presos é a superlotação. Em Pernambuco existem cerca de 31 mil detentos para nove mil vaga. Somente o Complexo Prisional do Curado abriga cerca de 6,9 mil presidiários, enquanto que a sua capacidade é para 1,5 mil. No início deste mês, a crise no sistema carcerário estadual já levou à queda do secretário-executivo de Ressocialização de Pernambuco, Humberto Inojosa, responsável pelo sistema prisional do estado e subordinado à Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

Medidas

Com o objetivo de amenizar a crise no sistema prisional, a Secretaria de Direitos Humanos apresentou, no dia 9 deste mês, medidas de curto, médio e longo prazo que envolvem reforma, ampliação e construção de unidades prisionais. Os investimentos somam cerca de R$ 200 milhões, com foco em infraestrutura e em tecnologia.

O pacote de ações também prevê a contratação contratação imediata de 132 Agentes de Segurança Penitenciária, todos do concurso realizado em 2009; convocação de 40 agentes integrantes do quadro permanente do sistema de ressocialização; redução do número de agentes de segurança penitenciária que foram cedidos para outros órgãos (leia mais aqui).

 

Pernambuco 247 Leonardo Lucena Thu, 29 Jan 2015 16:32:48 +0000 http://www.brasil247.com/168268
Petrobras prevê caixa de US$ 8 bi a US$ 12 bi em 2015 http://www.brasil247.com/pt/247/economia/168257 : Em teleconferência com analistas sobre o balanço não auditado do terceiro trimestre, presidente da estatal, Graça Foster, deu estimativa de caixa mínimo e máximo até o final do ano, sem captações; a dirigente disse que não foi possível precisar o valor e o período em que ocorreram pagamentos indevidos pela estatal nos atos investigados pela Operação Lava Jato, mas anunciou estimativa de R$ 4 bilhões em perdas; a cifra, no entanto, pode ser maior se surgirem novas denúncias, disse; Graça voltou a destacar as 66 medidas de governança, controle e gestão de riscos colocadas em prática no ano passado pela empresa <br clear="all"> :

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras estimou que encerrará 2015 com caixa de 8 bilhões a 12 bilhões de dólares, o que permitirá à companhia evitar captações de novos recursos ao longo do ano, conforme apresentação a investidores divulgada nesta quinta-feira.

A estatal começou o ano com caixa de 25 bilhões de dólares, segundo a apresentação, e prevê desembolsar entre 16 bilhões e 18 bilhões de dólares com dividendos, amortizações e juros.

A companhia prevê ainda levantar 3 bilhões de dólares com desinvestimentos no ano.

No cálculo do fluxo de caixa de 2015, entram também 28 bilhões a 32 bilhões de dólares de geração operacional e investimentos entre 31 bilhões e 33 bilhões de dólares, cifras que já haviam sido divulgadas pela estatal na véspera, quando foi publicado o balanço não auditado do terceiro trimestre de 2014.

As variações se devem à flutuação da taxa cambial e do preço internacional do petróleo, informou a Petrobras.

(Por Marta Nogueira e Gustavo Bonato)

Petrobras admite não pagar dividendos dependendo de situação financeira

A Petrobras admite a possibilidade de não pagar dividendos a acionistas, caso a situação financeira da companhia piore, disse nesta quinta-feira o diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, em teleconferência com analistas e investidores.

"Há a possibilidade de não haver pagamento de dividendos, essa é uma alternativa que pode ser avaliada dependendo (da situação da companhia)", disse Barbassa, sem especificar um período de tempo.

(Por Marta Nogueira, Jeb Blount e Rodrigo Viga Gaier)

Abaixo, reportagem do portal Infomoney sobre a teleconferência

Por Lara Rizério - A  Petrobras (PETR3;PETR4) realiza teleconferência na tarde desta quintafeira (29), com diversos pontos a serem esclarecidos sobre o balanço não-auditado da companhia e sem as perdas contábeis.

A companhia registrou lucro líquido de R$ 3,087 bilhões no terceiro trimestre de 2014, ante R$ 3,395 bilhões no mesmo período de 2013, segundo balanço não auditado divulgado na madrugada de quarta-feira.

O resultado não incluiu baixas contábeis relacionadas às denúncias de corrupção da Operação Lava Jato, mas incluiu baixas de R$ 2,7 bilhões de reais com a descontinuidade dos projetos das refinarias Premium I e II.

A presidente da Petrobras, Graça Foster, começou a teleconferência dando destaque à Operação Lava Jato, que alcançou a companhia em março de 2014 com a prisão de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da empresa em meio às denúncias de corrupção.

E, em face a essas investigações, a Petrobras não teve condições de divulgar as demonstrações revisadas no terceiro trimestre em decorrência do tempo necessário para se obter maior aprofundamento nas investigações.

A Petrobras não pode precisar nem o valor nem o período em que ocorreram os pagamentos indevidos porque os atos ilícitos envolvem pagamentos efetuados entre contratadas e fornecedores externos, ou seja, fora dos registros contábeis da companhia.

Sobre a metodologia para quantificar as baixas adotáveis, foram adotadas duas metodologias: estimou-se o valor do erro a partir do percentual médio de propina citado nos depoimentos, levando a uma perda estimada de R$ 4,06 bilhões. Novas informações poderiam resultar em novos ajustes, ampliação do escopo dos contratos e empresas e períodos de análise.

Sobre a segunda metodologia (Cálculo do Valor Justo dos Ativos), o valor da correção seria o valor contábil do ativo descontado o valor justo. Haveria duas abordagens: abordagem de custo, com base no custo de reposição ou abordagem de renda, com base nos fluxos de caixa descontados.

O cálculo do valor justo dos ativos totalizaram 52 ativos com R$ 188,4 bilhões, um terço do total do cerca de R$ 600 bilhões dos ativos imobilizados da companhia.

Os resultados e fragilidades: 31 ativos com valor justo dos ativos inferior ao valor contábil, totalizando R$ 88,6 bilhões e 21 ativos com valor justo dos ativos superior ao valor contábil, totalizando R$ 27,2 bilhões.

"Nós recomendamos o Conselho o fato de que nós não usaríamos à última metodologia que é uma composição de muitas variáveis, como mudanças nas variáveis econômicas, câmbio, taxas de desconto, mudança nas projeções de preços, margens e insumos, deficiências no planejamento dos projetos, cláusulas contratuais alteradas", destaca Graça, citando outros pontos. A comparação do valor justo com o valor contábil não permite isolar a parcela relacionada à corrupção, não se mostrando uma proxy adequada.

De tal forma, Graça destacou que a Petrobras dará o tratamento e o encaminhamento adequado às informações contidas nos laudos dos avaliadores independentes, de tal forma a ajustas os valores contábeis dos ativos.

Graça destacou que a posição de caixa da Petrobras e sua capacidade de geração operacional não é afetada por ajustes decorrentes da corrupção ou de qualquer outro relacionado ao valor dos seus ativos.

Números que saíram Olhando para os números da companhia que foram divulgados, o diretor-financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, explica a queda de 48% no lucro operacional de 48%, para R$ 4,6 bilhões, por quatro fatores. A baixa dos valores relacionados à construção das refinarias Premium I e II, reajuste salarial e gratificação concedidos pelo acordo coletivo de trabalho, a provisão para perdas referentes a recebíveis dos produtores independentes de energia e o pagamento de acordo com a Bolívia para a importação de gás.

Do lado positivo, estiveram a maior produção de petróleo e a receita extraordinária proveniente de acordo extrajudicial das plataformas P-19 e P-31.

Sobre os indicadores financeiros, o endividamento total subiu por conta da dívida contratada e também por conta da desvalorização do real. A alavancagem atingiu os 43%.

A dívida total, que cresceu para R$ 331,7 bilhões nos primeiros nove meses do ano, se deu pela desvalorização da dívida cambial da companhia. A dívida contratada, no entando, ajudou a equilibrar esses números, que chegaram, nofim, a 70 bilhões de reais em dívidas no período.

Com relação aos covenants para o balanço anual auditado, Barbassa destacou que as dívidas bilaterais exigem entrega dos resultados anuais auditados de até 120 dias após o fim do exercício mais 30 ou 60 dias de cura. Já os títulos exigem entrega dos resultados anuais auditados aos agentes fiduciários até 120 dias após o fim do exercício mais 60 dias de cura.

A meta é divulgar esses resultados, incluindo dívidas, com uma auditoria externa até o final de 150 dias a partir da data da notificação.

Produção O diretor de exploração e produção da Petrobras José Formigli destacou que a meta de produção de petróleo é de 2,12 milhões de barris por dia em 2015, uma alta de 4,5% na comparação com o ano anterior. O avanço dos ramp-ups de unidades que entraram em 2013 e 2014, a interligação de 69 poços e a entrada da FPSO Cidade de Itaguaí foram positivos.

As perspectivas são de que os novos sistemas serão no pré-sal, que apresenta boa produtividade; além disso, os problemas no Roncador devem ser solucionados.

"A preocupação com o capex e o opex seguem sempre presentes na avaliação das oportunidades do E&P, sempre considerando as eficiências dos recursos operacionais", destacou Formigli.

Premissas do fluxo de caixa da companhia Graça Foster voltou a falar, destacando as premissas da empresa, com base do preço do barril de petróleo entre US$ 50 a US$ 70 o barril. Os preços de gasolina e diesel serão mantidos, destaca a presidente, "o que permite uma recuperação" dos números da companhia, enquanto haverá uma revisão da política para os demais derivados.

Com relação ao capex, haverá redução do ritmo dos projetos que trazem pouca ou nenhuma contribuição ao caixa em 2015 e 2016 nas áreas de abastecimento, gás e energia e Exploração e Produção. O capex estimado para 2015está entre US$ 31 bilhões e US$ 33 bilhões, uma queda de 25%. "Podemos passar 2015 sem fazer novas captações", afirma Graça.

Já desinvestimentos, estão planejando apenas para o final do ano de cerca de US$ 3 bilhões.

Sobre o aperfeiçoamento da Governança corporativa, Graça destacou que a companhia segue acompanhando seus controles internos. Dentre os procedimentos, estão 66 medidas para o aprimoramento da governança, controle e gestão de riscos, a criação da diretoria nesta área e a posse do diretor João Adalberto Elek Júnior. 

Economia Aline Lima Thu, 29 Jan 2015 15:03:28 +0000 http://www.brasil247.com/168257
Pezão ameaça suspender benefícios da Petrobras http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/168266 Tânia Rêgo/Agência Brasil: Governo do Rio divulgou nota em que cogita suspender benefícios fiscais concedidos pelo estado à Petrobras, que não estaria repassando participações especiais referentes ao campo petrolífero de Lula; de acordo com o governador Luiz Fernando Pezão, os repasses são imprescindíveis para o Rio; em nota, a Petrobras nega irregularidades <br clear="all"> Tânia Rêgo/Agência Brasil:

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil

O governo do Rio de Janeiro divulgou hoje (29) nota em que cogita suspender benefícios fiscais concedidos à Petrobras, que não estaria repassando ao estado participações especiais referentes ao campo petrolífero de Lula.

De acordo com o governador, Luiz Fernando Pezão, os repasses são imprescindíveis para Rio de Janeiro. "São fundamentais para a arrecadação do estado. A empresa recebe benefícios do estado, mas se recusa a reconhecer nossos direitos".

Se a medida for adotada, a Petrobras perderá benefícios fiscais concedidos ao Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj). Além disso, a empresa ficaria sem a possibilidade de recolher impostos por meio de duas inscrições estaduais, o que, segundo a Secretaria Estadual de Fazenda, reduz o montante pago no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

O governo do Rio informou, ainda, que a arrecadação diminuiu por causa da queda do valor do barril de petróleo. Em 2014, a Petrobras recolheu R$ 400 milhões a menos de ICMS que em 2013.

Em nota, a Petrobras afirmou que o consórcio de que faz parte com a BG e a Petrogal discorda dos motivos que levaram a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a declarar que os campos de Lula e Cernambi são um campo único, o que levou a agência a cobrar participações governamentais adicionais ao que se considera devido.

Por conta disso, a empresa ajuizou ação cautelar na Justiça Federal do Rio de Janeiro, e, amparada por decisão judicial, efetua os depósitos judiciais apenas dos valores controvertidos. Paralelamente, a discordância está sendo analisada por uma arbitragem, o que, segundo a Petrobras, está previsto no contrato de concessão.

Rio 247 Leonardo Lucena Thu, 29 Jan 2015 15:58:25 +0000 http://www.brasil247.com/168266
Rossetto: “os direitos sociais são intocáveis” http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/168245 : Ministro da Secretaria-Geral da Presidência negou nesta manhã, durante café da manhã com blogueiros, que o ajuste fiscal anunciado pelo governo nas últimas semanas contradiga o projeto de desenvolvimento do governo; Miguel Rossetto ressaltou que as medidas são necessárias para a continuidade das políticas sociais; "O que temos são limites fiscais. Não há alteração de rumo, de estratégia, nenhuma guinada", afirmou; sobre os ajustes nos benefícios, que geraram protestos de centrais sindicais ontem em vários pontos do País, ele ressaltou: "os direitos sociais são intocáveis. O que estamos fazendo é corrigir distorções" <br clear="all"> :

Luana Lourenço - Repórter da Agência Brasil

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, defendeu nesta quinta-feira 29 o ajuste fiscal anunciado pelo governo nas últimas semanas. Ele negou que as medidas contradigam o projeto de desenvolvimento do governo e ressaltou que elas são necessárias para a continuidade das políticas sociais.

No último dia 19, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou aumentos na tributação de cosméticos e mercadorias importadas, reajustes de juros sobre o crédito e mudanças na tributação que podem refletir em aumentos no preço do diesel e da gasolina.

Rossetto negou qualquer alteração ideológica, politica ou estratégica por parte do governo. "O que temos são limites fiscais. Não há alteração de rumo, de estratégia, nenhuma guinada. O governo tem que ter capacidade de modulação de suas políticas para sustentar a estratégia de crescimento, de geração de emprego, de aumento dos investimentos", destacou em entrevista durante café da manhã com blogueiros, no Palácio do Planalto.

"Ao longo da nossa experiência, o governo foi capaz de, com medidas econômicas, estratégicas, conjunturais, responder às mudanças de cenários externos e internos preservando a estratégia de crescimento com geração de emprego, preservando a renda do povo brasileiro, priorizando a renda pública para os grandes programas que garantem direitos sociais", avaliou.

Segundo o ministro, os impactos das medidas recém-anunciadas são bem menores do que o de ajustes fiscais adotados por países em crise, como a Grécia. Ele reafirmou que as medidas não vão comprometer os repasses para políticas sociais e disse que o governo prepara novos programas nessa área.

"A agenda do país é uma agenda de continuidade do crescimento, da geração de emprego, da preservação da renda, dos grandes programas que mudaram o país e que vão continuar com mais força e mais intensidade. Estamos preservando investimentos, programas sociais e vamos inaugurar novos para sustentar isso que ocorre no país, que são mudanças estruturais muito importantes", destacou Miguel Rossetto.

Perguntado sobre a eventual redução de direitos trabalhistas com as mudanças nas regras do seguro-desemprego, ele disse que as medidas foram tomadas para corrigir distorções no benefício e desestimular a alta rotatividade no mercado brasileiro. "Os direitos sociais são intocáveis. O que estamos fazendo é corrigir distorções. Estamos mantendo o seguro-desemprego". Na próxima semana, o ministro terá nova reunião com centrais sindicais para discutir as mudanças nas regras de concessão dos benefícios, que entraram em vigor por meio de medida provisória.

Confira aqui o áudio da conversa do ministro com os blogueiros.

Brasil Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 13:02:47 +0000 http://www.brasil247.com/168245
Sabesp: “Folha presta desserviço e desinforma a população” http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/168236 : Em nota, empresa contesta reportagem que diz que o governo Alckmin prevê iniciar o rodízio de água até abril; "Conforme informado pelo diretor-presidente da Sabesp, Jerson Kelman, em entrevista no último dia 27/1, 'nós não definimos nem que vai ter racionamento nem a data eventual disso, muito menos. Nem qual o modelo de racionamento'", diz o comunicado <br clear="all"> :

247 – A Sabesp divulgou uma nota nesta quinta-feira 29 contestando a reportagem da Folha de S. Paulo que diz que o governo Geraldo Alckmin (PSDB) prevê começar o rodízio de água até abril. "O jornal Folha de S.Paulo presta um desserviço e desinforma a população ao estipular data para início de um eventual rodízio de água na Região Metropolitana de São Paulo, com base apenas em especulação", diz o comunicado.

A empresa ressalta que, conforme já dito em entrevista pelo presidente, Jerson Kelman, no último dia 27, "nós não definimos nem que vai ter racionamento nem a data eventual disso, muito menos. Nem qual o modelo de racionamento". A companhia assegura que "eventual decisão sobre o tema será comunicada de maneira transparante e com a devida antecedência". Leia abaixo:

NOTA À IMPRENSA

O jornal Folha de S.Paulo presta um desserviço e desinforma a população ao estipular data para início de um eventual rodízio de água na Região Metropolitana de São Paulo, com base apenas em especulação. A Folha faz uma conta arbitrária, sobre a qual a Sabesp não teve oportunidade de se manifestar, e parte do pressuposto falso de que nenhuma outra medida pode ser tomada daqui em diante.

Conforme informado pelo diretor-presidente da Sabesp, Jerson Kelman, em entrevista no último dia 27/1, "Nós não definimos nem que vai ter racionamento nem a data eventual disso, muito menos. Nem qual o modelo de racionamento."

Eventual decisão sobre o tema será comunicada de maneira transparante e com a devida antecedência, como informou ontem o secretário Benedito Braga.

A matéria do jornal cria pânico desnecessário, além de desmobilizar a população do esforço diário de economizar água – o que tem sido fundamental para superar a crise com o menor impacto possível para todos.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA SABESP

SP 247 Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 12:17:17 +0000 http://www.brasil247.com/168236
Lava Jato também traz custo político ao governo http://www.brasil247.com/pt/247/poder/168206 : Privado das informações sobre os políticos que serão denunciados em fevereiro pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras, "o Palácio do Planalto vê-se impedido de montar seu 'escalão de confiança' no Congresso", afirma a colunista do 247 Tereza Cruvinel; ela prevê um "quadro nebuloso" para o ambiente e como única ação possível do governo o apoio a Renan Calheiros e Arlindo Chinaglia; Tereza acredita que "o segundo governo Dilma sofrerá assim duas graves consequências da Lava Jato, uma econômica e outra política" <br clear="all"> :

247 – Se a Operação Lava Jato pode prejudicar investimentos e até o PIB de 2015, conforme projeção da Consultoria Tendências, "não menos grave começa a ser o impacto das investigações sobre a agenda política do ano e sobre a articulação parlamentar do Governo Dilma", afirma Tereza Cruvinel, em seu blog no 247.

A jornalista diz que o Planalto, "privado de qualquer informação confiável sobre os políticos que serão denunciados em fevereiro pelo procurador-geral da República ao STF, por envolvimento com o esquema de corrupção na Petrobrás", vê-se impedido de montar seu "escalão de confiança" no Congresso.

Tereza prevê um "quadro nebuloso" sobre o ambiente depois das denúncias (com todas as suas consequências, que vão de cassações à "morte" política de alguns personagens). "O máximo que o Planalto pode fazer é apoiar a reeleição de Renan Calheiros para a presidência do Senado e fortalecer a candidatura de Arlindo Chinaglia", diz ela.

O segundo governo Dilma sofrerá assim duas graves consequências da Lava Jato, uma econômica e outra política. Pensando na primeira, na fala da Granja do Torto a presidente defendeu punição para as pessoas que tenham cometido ilícitos, não para as empresas. Como tocar projetos de infraestrutura com as maiores empresas do país na UTI? Já as preocupações políticas ainda não estão sendo verbalizadas mas também estão no radar do Planalto. Num quadro destes, como falar em reforma política? Tiremos o cavalinho da chuva.

Leia aqui a íntegra do texto.

Poder Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 12:03:26 +0000 http://www.brasil247.com/168206
Desemprego é o menor da história em 2014: 4,8% http://www.brasil247.com/pt/247/economia/168208 : Taxa caiu de 4,8% em novembro para 4,3% em dezembro, repetindo a menor taxa histórica de dezembro de 2013; já o índice de desocupação médio de janeiro a dezembro de 2014 foi estimado em 4,8%, também o menor da história da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), contra 5,4% no ano anterior, segundo dados divulgados pelo IBGE na manhã desta quinta-feira 29; média anual da população desocupada foi estimada em 1,176 milhão de pessoas, contingente 54,9% menor que o de 2003 e 10,8% abaixo da média de 2013 <br clear="all"> :

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O desemprego brasileiro caiu a 4,3 por cento em dezembro, ante 4,8 por cento em novembro, e igualou a mínima histórica registrada no mesmo mês de 2013, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Com isso, o desemprego encerrou 2014 com taxa média de 4,8 por cento, também a menor da série, contra uma taxa média de 5,4 por cento em 2013.

Pesquisa da Reuters apontava expectativa para a taxa de desemprego de 4,6 por cento em dezembro, segundo a mediana de 26 projeções, que foram de 3,85 a 5,20 por cento.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Confira abaixo o texto publicado pelo IBGE com os dados da pesquisa:

Em dezembro, taxa de desocupação fica em 4,3% e fecha 2014 com média de 4,8%

Em dezembro de 2014, a taxa de desocupação foi estimada em 4,3%, repetindo o percentual de dezembro de 2013 e mantendo o menor nível de toda a série histórica da PME. Em novembro de 2014, a taxa fora de 4,8%. Já a taxa de desocupação média de janeiro a dezembro de 2014 foi estimada em 4,8% (a menor da série), contra 5,4% em 2013. Em relação a 2003 (12,4%), a redução chegou a 7,5 pontos percentuais.

Em 2014, a média anual da população desocupada foi estimada em e 1,176 milhão de pessoas desocupadas, contingente 54,9% menor que o de 2003 (2,608 milhões) e 10,8% abaixo da média de 2013 (1,318 milhão). Em dezembro de 2014, a população desocupada nas seis regiões pesquisadas (1,051 milhão) recuou 11,8% em relação a novembro (1,192 milhão) e 0,9% contra dezembro de 2013 (1,061 milhão).

A média anual da população ocupada nas seis regiões pesquisadas em 2014 foi estimada em 23,087 milhões de pessoas, recuando 0,1% em relação a 2013, quando este contingente era de 23,116 milhões. Em dezembro de 2014, a população ocupada nas seis regiões pesquisadas chegou a 23,224 milhões, recuando 0,7% em relação a novembro e ficando estatisticamente estável (0,5%) frente a dezembro de 2013.

O percentual médio de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado em relação à população ocupada passou de 50,3% (11,6 milhões) em 2013, para 50,8% (11,7 milhões) em 2014. Em 2003 essa proporção era de 39,7% (7,3 milhões). Em 12 anos esse contingente cresceu 59,6% (ou mais 4,4 milhões). Em dezembro de 2014, havia 11,807 milhões de trabalhadores com carteira assinada no setor privado, apresentando estabilidade no mês e no ano.

Em 2014, a média anual do rendimento habitual real da população ocupada (R$ 2.104,16) cresceu 2,7% em relação a 2013 (R$ 2.049,35). Em relação a 2003 (R$1.581,31), houve um ganho de 33,1% (ou cerca de R$ 522,85). De 2003 a 2014, o rendimento habitual real nos serviços domésticos teve o maior aumento (69,9%) entre os grupamentos de atividade pesquisados pela PME. Em dezembro de 2014, o rendimento médio habitual dos ocupados era R$ 2.122.10. Houve queda de 1,8% em relação a novembro (R$ 2.161,93) e alta de 1,6% contra dezembro de 2013 (R$ 2.089,57).

A média anual da massa de rendimento real mensal habitual em 2014 (R$ 49,3 bilhões) cresceu 3,0% em relação a 2013 e 66,0% contra 2003. Em dezembro de 2014, a massa de rendimento real habitual (R$ 50.015 milhões) caiu 2,4% em relação a novembro (R$ 51.243 milhões) e subiu 1,4% em relação a dezembro de 2013 (R$ 49.307 milhões). Já a massa de rendimento efetivo (R$ 55.180 milhões) cresceu 7,2% em relação a outubro (R$ 51.467 milhões) e cresceu 5,5% contra novembro de 2013 (R$ 52.297 milhões).

A Pesquisa Mensal de Emprego (PME) é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Sua publicação completa está disponível aqui. A publicação da Retrospectiva do Mercado de Trabalho 2003-2014 está aqui.

Rio de Janeiro mostra maior redução na população desocupada

O maior percentual de redução na população desocupada de 2014 em relação a 2013 foi na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (-23,4%), com São Paulo (-16,5%) e Belo Horizonte (-12,5%) a seguir. Nas Regiões Metropolitanas de Salvador (14,8%), Porto Alegre (8,7%) e Recife (1,8%), por outro lado, a população desocupada cresceu entre 2013 e 2014.

Nível de ocupação das mulheres ainda é menor, porém cresce mais que o dos homens

O nível da ocupação, proporção entre a População Ocupada e a População em Idade Ativa (dez anos ou mais de idade), alcançou 53,3%. Frente a 2003 (50,0%) houve alta de 3,2 pontos percentuais. O nível de ocupação das mulheres (45,4%) continuou inferior ao dos homens (62,6%), mas, em relação a 2003, seu aumento foi superior ao dos homens. Em relação a 2003, aumentou o nível da ocupação dos jovens de 18 a 24 anos (de 53,8% para 57,2%) e da população de cor preta ou parda (de 48,5% para 53,0%).

Serviços domésticos e construção têm os maiores ganhos no rendimento

Em todos os grupamentos de atividade houve ganhos no poder de compra do rendimento do trabalho. Os grupamentos com os maiores aumentos percentuais foram aqueles com os menores rendimentos. De 2013 a 2014, os ganhos de rendimento dos grupamentos foram: construção, 6,7%; serviços domésticos, 4,5%; comércio, 4,2%; educação, saúde e administração pública, 2,7%; outros serviços, 1,9%; indústria, 1,3% e serviços prestados às empresas, 0,6%.

Nos serviços domésticos, de 2003 a 2014, houve o maior aumento entre os grupamentos, 69,9%. Ainda em relação a 2003, outro destaque foi a construção, composto em sua maioria por pedreiros, com ganho de 58,7%.

Em 2014, o rendimento médio real domiciliar per capita (R$1.425,63) aumentou 2,4% em relação a 2013 e 49,6% comparado a 2003.

Rendimento dos pretos e pardos equivale a 58,0% dos rendimentos dos brancos

A pesquisa apontou disparidades entre os rendimentos de homens e mulheres e, também, entre brancos e pretos ou pardos. Em 2014, em média, as mulheres ganhavam em torno de 74,2% do rendimento recebido pelos homens - uma expansão de 0,6 ponto percentual frente a 2013 (73,6%). A menor proporção foi registrada em 2003, 70,8%.

O rendimento dos trabalhadores de cor preta ou parda, de 2003 para 2014, cresceu 56,3%, enquanto o rendimento dos trabalhadores de cor branca cresceu 30,4%. Mas a Pesquisa registrou também, que os trabalhadores de cor preta ou parda ganhavam, em média, em 2014, 58,0% do rendimento recebido pelos trabalhadores de cor branca. Em 2013, esta razão era 57,4%. Destaca-se que, em 2003, não chegava à metade (48,4%).

Rendimento no Rio de Janeiro mostra o maior crescimento

Entre as seis regiões metropolitanas pesquisadas, o rendimento médio real habitual da população ocupada no Rio de Janeiro teve a maior expansão (6,4%), com Recife (4,1%) a seguir.

Em relação a 2003, quatro regiões apresentaram variações maiores que a verificada no total das seis regiões metropolitanas (33,1%): Recife, Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, com taxas de 36,6%; 39,8%; 43,5% e 49,3%, respectivamente. As menores variações foram em São Paulo (23,9%) e Salvador (27,5%). Embora São Paulo tenha crescido menos do que a média das regiões pesquisadas, seu patamar é o segundo mais alto (R$ 2.192,43), logo atrás do Rio de Janeiro (R$ 2.346,50).

De 2013 para 2014, o rendimento aumentou em quase todas as formas de inserção: empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (1,7%), os militares e funcionários públicos estatutários (2,6%), trabalhadores por conta própria (3,8%) e empregadores (7,1%). Já os empregados sem carteira no setor privado registraram queda real de 1,7%.

Cresce a presença de pessoas com 50 anos ou mais no mercado de trabalho

De 2013 para 2014, a proporção de pessoas com 50 anos ou mais de idade na população em idade ativa aumentou de 32,3%, para 34,1%. Neste período, a presença de pessoas com 50 anos ou mais de idade no mercado de trabalho passou de 23,6%, para 24,7%. Em 2003, este grupo representava 16,7% da população ocupada.

Escolaridade de população ocupada continua crescendo

De 2013 para 2014, a escolaridade da população com 10 anos ou mais de idade aumentou. A proporção de pessoas com 11 anos ou mais de estudo cresceu 1,4 ponto percentual (de 48,5% para 49,9%). Em relação a 2003, quando este percentual era 34,3%, a expansão foi de 15,5 pontos percentuais em 12 anos.

Entre os trabalhadores, o avanço da população com 11 anos ou mais de estudo foi ainda maior, passando de 46,7% em 2003 para 65,4 % em 2014, crescimento de 18,7 pontos percentuais. Aumentou também a proporção de trabalhadores com ensino superior completo: em 2003 eles representavam 13,8% e, em 2014, 21,3%.

No ano, participação feminina no mercado de trabalho ficou estável

A participação das mulheres na população ocupada praticamente não se alterou, passando de 46,0% em 2013 para 46,1% em 2014. Ressalta-se que no confronto 2003 (43,0%), houve elevação significativa da participação delas no mercado de trabalho.

Em 2014, as pessoas ocupadas tinham uma jornada média semanal de 40,1 horas efetivamente trabalhadas, contra 41,3 horas em 2003. As regiões metropolitanas de São Paulo (40,6) e Rio de Janeiro (40,8) apresentaram jornadas superiores à média das seis regiões.

De 2013 para 2014, os grupamentos de atividade que mais aumentaram sua participação na população ocupada foram Serviços prestados às empresas (de 16,2% para 16,4%) e Outros Serviços (de 18,0% para 18,5%).

Resultados de dezembro de 2013: taxa de desocupação cai para 4,3%

A taxa de desocupação em dezembro de 2014 foi estimada em 4,3% para o conjunto das seis regiões metropolitanas investigadas, atingindo pelo segundo ano consecutivo o menor valor da série histórica da pesquisa (mesmo valor em dezembro de 2013). Frente a novembro último a taxa diminuiu 0,5 ponto percentual.

Regionalmente, na análise mensal, a taxa de desocupação sofreu redução em quatro das seis regiões analisadas: em Salvador caiu 1,5 ponto percentual (passou de 9,6% para 8,1%); em Recife caiu 1,3 ponto percentual (passou de 6,8% para 5,5%); em Belo Horizonte caiu 0,8 ponto percentual (passou de 3,7% para 2,9%); em Porto Alegre caiu 0,6 ponto percentual (passou de 4,2% para 3,6%) e nas demais regiões não variou. Em relação a dezembro de 2013, a taxa só apresentou variação estatisticamente significativa na região metropolitana de Porto Alegre, onde aumentou 1,0 ponto percentual, passando de 2,6% para 3,6%.

O contingente de desocupados, em dezembro de 2014 (1,1 milhão de pessoas no conjunto das seis regiões investigadas) recuou 11,8% em comparação com novembro (menos 141 mil pessoas). Na comparação com dezembro de 2013, apresentou estabilidade. Na análise regional, o contingente de desocupados, em comparação com novembro, caiu em Belo Horizonte (22,1%), em Recife (20,2%), em Salvador (16,8%) e em Porto Alegre (15,0%), ficando estável nas demais regiões. No confronto com dezembro de 2013, a desocupação aumentou 44,2% em Porto Alegre e caiu 17,7% em Belo Horizonte. Nas demais regiões não apresentou variação estatisticamente significativa.

O contingente de pessoas ocupadas em dezembro de 2014 (23,2 milhões para o conjunto das seis regiões) recuou 0,7% em relação ao mês de novembro. Frente a dezembro de 2013, esse contingente não apresentou variação. Regionalmente, a análise mensal mostrou que essa população manteve-se estável em todas as regiões, exceto no Rio de Janeiro, onde apresentou queda de 1,3%. Na comparação com dezembro de 2013, Salvador e Porto Alegre, registraram alta (3,8% e 2,8%, nesta ordem), Belo Horizonte, retração (2,6%) e nas demais regiões pesquisadas o quadro foi de estabilidade.

Para os grupamentos de atividade, no conjunto das seis regiões, de novembro para dezembro de 2014, houve quedas na Indústria e na Construção (ambas de 3,9%) e alta nos Serviços Domésticos (4,0%). Em relação a dezembro de 2013, houve retração na Construção (5,1%) e elevação em Outros serviços (3,4%).

O número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado, em dezembro de 2014, foi estimado em 11,8 milhões no conjunto das seis regiões pesquisadas. Este resultado não assinalou variação frente a novembro último e quando comparado com dezembro de 2013 também se mostrou estável.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores foi estimado, para o conjunto das seis regiões pesquisadas, no mês de dezembro de 2014, em R$ 2.122,10. Este resultado ficou 1,8% abaixo do registrado em novembro (2.161,93) e 1,6% acima do assinalado em dezembro do ano passado (R$ 2.089,57). Regionalmente, em relação a novembro passado, o rendimento apresentou retração em São Paulo (3,4%), Belo Horizonte (2,2%), Recife (1,8%) e Rio de Janeiro (1,0%). Cresceu em Salvador (2,3%) e em Porto Alegre (1,6%). Frente a dezembro de 2013, o rendimento apresentou resultado positivo em Salvador (9,7%), Porto Alegre (6,1%), Rio de Janeiro (2,6%) e Recife (1,0%); declinou 1,2% em Belo Horizonte e ficou estável em São Paulo.

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados foi estimada em R$ 50,0 bilhões em dezembro de 2014, registrou queda de 2,4% em relação a novembro último. Na comparação anual esta estimativa cresceu 1,4%.

Economia Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 10:07:37 +0000 http://www.brasil247.com/168208
DCM: R$ 88 bilhões é um “número malcompreendido” http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/168204 : O "barulho em torno dos 88 bilhões de reais", número divulgado como sendo o valor desviado por corrupção na Petrobras, mostra que a estatal, "embora tão falada, é uma ilustre desconhecida para muitos brasileiros. Por isso, é fácil usá-la com propósitos canalhas por quem quer tudo — menos, efetivamente, contribuir para o bem dela", afirma Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo; leia sua explicação sobre a cifra <br clear="all"> :

247 – Depois de um dia inteiro de publicações em torno da cifra de R$ 88 bilhões como sendo o valor desviado por corrupção na Petrobras, o jornalista Paulo Nogueira, do Diário do Centro do Mundo, explica de onde saiu o valor – e o que ele significa.

O número foi divulgado primeiramente pela Folha, que disse que a Petrobras "ignorou" o cálculo que mostrava a quantia desviada da empresa. Depois "corrigiu o erro, mas era tarde demais", como diz Nogueira.

Eis a explicação do colunista:

Os 88 bilhões são um cálculo aproximado de ativos supervalorizados. Imagine que, em vez da Petrobras, se tratasse da Abril. Suponha que a Veja, o principal ativo da casa, tivesse sido avaliada num balanço em 1 bilhão de reais. Depois, se verificaria que o valor estava inflado em 50%, digamos. No ano seguinte, o balanço corrigiria o excesso, e a Veja surgiria com o valor de 500 milhões de reais. É mais ou menos isso. Dentro dos 88 bilhões, existe uma parcela associada aos desvios. Mas ninguém sabe quanto é.

Segundo o jornalista, "raras vezes tantas tolices foram publicadas e compartilhadas em cima de um número malcompreendido". Nas redes sociais, houve um verdadeiro "festival de asneiras". "Em sua conta no Twitter, o PSDB postou um quadro que dizia que 'o prejuízo da Petrobras com corrupção pode chegar a 88 bilhões de reais'. Neste caso, não é apenas erro. É má fé. É manipulação. É cinismo", escreve ele.

Leia aqui a íntegra do texto.

Mídia Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 09:31:22 +0000 http://www.brasil247.com/168204
Edição histórica do Charlie Hebdo chega ao Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/168195 : Primeira capa veiculada após o atentado terrorista ao jornal francês, que matou 12 pessoas, traz um Maomé chorando e segurando um cartaz com a frase 'Je Suis Charlie' (Eu Sou Charlie) e o título: "Tout est pardonné" (Tudo está perdoado); material será vendido pela distribuidora Dinap e o preço previsto é de R$ 29,90 <br clear="all"> :

247 – A edição história do jornal satírico francês Charlie Hebdo começa a ser distribuído no Brasil nesta quinta-feira 29.

Esta é a primeira capa distribuída após o atentado terrorista que deixou 12 pessoas mortas na redação do veículo, em Paris, no dia 7 de janeiro.

O jornal traz um Maomé chorando e segurando um cartaz com a frase 'Je Suis Charlie' (Eu Sou Charlie), que se tornou famosa no mundo todo, sob o título: "Tout est pardonné" (Tudo está perdoado).

O material, em francês, será vendido pela distribuidora Dinap e o preço previsto é de R$ 29,90. A tiragem de milhões de cópias da edição ultrapassou de longe os 60 mil exemplares mensais do jornal.

Mídia Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 08:05:11 +0000 http://www.brasil247.com/168195
Documentos de Snowden mostram que Canadá espiona Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/168197 VINCENT KESSLER: Edward Snowden visto em tela durante videoconferência com memntos do Conselho Europeu, em Bruxelas. 08/01/2014 REUTERS/Vincent Kessler A agência de espionagem eletrônica do Canadá tem interceptado e analisado dados de mais de 15 milhões de downloads de arquivos por dia como parte de um programa de vigilância global, que inclui o Brasil e países aliados e parceiros comerciais do Canadá, como EUA, Grã-Bretanha, Alemanha, Espanha e Portugal, de acordo com uma reportagem da CBC News e o jornalista Glenn Greenwald; a iniciativa de espionagem foi revelada em 2012 em documentos obtidos pelo delator norte-americano Edward Snowden <br clear="all"> VINCENT KESSLER: Edward Snowden visto em tela durante videoconferência com memntos do Conselho Europeu, em Bruxelas. 08/01/2014 REUTERS/Vincent Kessler

Por David Ljunggren

OTTAWA (Reuters) - A agência de espionagem eletrônica do Canadá tem interceptado e analisado dados de mais de 15 milhões de downloads de arquivos por dia como parte de um programa de vigilância global, que inclui o Brasil, de acordo com uma reportagem publicada nesta quarta-feira.

Além do Brasil, o programa de vigilância, apelidado de Levitation (Levitação), inclui países aliados e parceiros comerciais do Canadá como Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha, Espanha e Portugal, disseram a reportagem da CBC News e o jornalista Glenn Greenwald.

A iniciativa de espionagem foi revelada em 2012 em documentos obtidos pelo delator norte-americano Edward Snowden. É a primeira revelação dos documentos de Snowden a mostrar que o Canadá lançou seu próprio programa global de vigilância na Internet.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil lamentou a informação da espionagem canadense e reafirmou a posição do governo de estimular a privacidade digital, lembrando que liderou na Organização das Nações Unidas (ONU) iniciativas aprovadas sobre o tema.

"O Brasil lamenta e repudia todos os episódios de espionagem não autorizada de autoridades estrangeiras por órgãos de inteligência. O Brasil tem procurado atuar, no sistema multilateral, no sentido de estimular o respeito à privacidade nos meios digitais", afirmou o ministério em e-mail enviado à Reuters.

"Também foram aprovadas resoluções, copatrocinadas pelo Brasil, na Assembleia-Geral da ONU, demonstrando o reconhecimento da importância do tema pela comunidade internacional", de acordo com o e-mail.

A CBC News revelou que o programa de vigilância Communications Security Establishment (CSE) detectou para a agência 350 "eventos de download interessantes" a cada mês.

O CSE é um órgão secreto e, assim como a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês), monitora comunicações eletrônicas e ajuda a proteger redes nacionais de computadores. Não é permitido alvejar canadenses ou empresas do país.

Entre suas principais iniciativas, o programa de espionagem descobriu um vídeo de um refém alemão e um documento que revelou a estratégia de um braço da Al Qaeda no norte da África, disse a CBC News.

A agência não confirmou a reportagem, alegando em comunicado que o "programa CSE provou que a inteligência teve um papel vital na descoberta de tentativas de extremistas baseados no exterior de atrair, radicalizar e treinar indivíduos para promover ataques".

Os documentos de Snowden mostram que a agência analisou de 10 milhões a 15 milhões de uploads por dia de vídeos, músicas e outros arquivos em mais de 102 sites de compartilhamento de arquivos.

O Canadá faz parte da rede de inteligência formada também por EUA, Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia.

Em 2013, a presidente Dilma Rousseff exigiu uma explicação do Canadá depois que uma reportagem, também baseada em documentos vazados por Snowden, apontou que o programa de vigilância CSE espionou o Ministério de Minas e Energia.

Os documentos devem gerar mais perguntas sobre o CSE, que enfrentou no passado acusações de interceptar de maneira imprópria ligações e e-mails de cidadãos canadenses.

Em novembro de 2013, a CBC News citou outros documentos de Snowden mostrando que o Canadá permitiu que a NSA conduzisse vigilância abrangente durante a cúpula do G20 em Toronto em 2010.

O CSE não estava imediatamente disponível para comentar.

(Reportagem adicional de Mike de Souza, em Ottawa; e de Anthony Boadle, em Brasília)

Mundo Gisele Federicce Thu, 29 Jan 2015 08:15:49 +0000 http://www.brasil247.com/168197
Aith rebate críticas da Folha contra governo Alckmin http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/168190 : “O Estado de São Paulo foi pioneiro no esforço de racionalização do uso da água, adotando o sistema de bônus e ônus antes de qualquer Estado”, defende o subsecretário de Comunicação do governo do Estado de São Paulo, Marcio Aith; “No caso das crises hídrica e energética, esta Folha, apesar de suas múltiplas vozes, confortou-se com uma ideia fixa: governos federal e estadual são igualmente culpados” <br clear="all"> :

247 – O subsecretário de Comunicação do governo do Estado de São Paulo, Marcio Aith, criticou o tratamento dado pela “Folha de S. Paulo” à questão da crise hídrica vivida pela gestão de Alckmin. Leia:

Marcio Aith: O apagão de fatos

Nem sempre a imprensa consegue distinguir os fatos que deveria apurar dos argumentos que bailam em torno deles, frequentemente interessados. No caso das crises hídrica e energética, esta Folha, apesar de suas múltiplas vozes, confortou-se com uma ideia fixa: governos federal e estadual são igualmente culpados.

Infelizmente, por mais confortável que possa parecer a alguns editorialistas, colunistas e repórteres deste jornal, tal argumento enfrenta o obstáculo de fatos.

Há um ano, no dia 27 de janeiro de 2014, um comercial veiculado pela Sabesp informava: "O Sistema Cantareira está com o nível mais baixo dos últimos dez anos. A falta de chuvas em dezembro –o menor índice dos últimos 84 anos– agravou o problema, deixando o sistema com apenas 24% da capacidade."

Foi o primeiro de vários. Em fevereiro de 2014, dois novos comerciais alertavam para o agravamento da crise e para a adoção de um bônus a quem reduzisse o consumo.

Em abril, mais dois filmes: um sobre a ampliação do bônus, que passou a valer em 31 municípios da Grande São Paulo; outro sobre esforços conduzidos para interligar bacias hidrográficas, trazer novas tecnologias e fazer avançar obras de captação e de produção de água.

Em maio, um novo comercial, acompanhado de um esforço didático sobre o uso racional da água, redobrava o alerta: "A chuva não veio. São Paulo vive a maior seca da sua história".

Outras duas campanhas foram lançadas depois do período eleitoral (período em que, curiosamente, esta Folha confortou-se, passivamente, com o consenso inverso, igualmente enviesado, de que a crise era apenas hídrica e exclusiva de São Paulo).

Passado um ano do primeiro comercial da Sabesp, a dimensão nacional do problema foi escancarada por um apagão elétrico em 11 Estados da Federação e pelo agravamento da crise hídrica em Minas Gerais e no Rio.

Ministros e agentes reguladores federais, sem abandonarem o discurso hostil a São Paulo, passaram a exprimir um novo consenso, idêntico ao qual chegou esta Folha: o de que todas as crises e governos cabem num só saco.

O argumento deriva de certa covardia jornalística, de grande cinismo, e não resiste aos fatos. Até dezembro de 2013, nenhum estudo meteorológico previu a atual crise, muito menos a sua gravidade. Entre 2014 e 2015, no entanto, os fatos já estavam aí.

O Estado de São Paulo foi pioneiro no esforço de racionalização do uso da água, adotando o sistema de bônus e ônus antes de qualquer Estado. Interligou sistemas, aumentou a captação do Alto Tietê, do Guarapiranga e do Rio Grande. Iniciou obras estruturais e trouxe inovação –caso das membranas de tratamento da água de reúso, por meio da nanotecnologia. O que fizeram outros no mesmo período?

É óbvio que jornalismo a favor não existe. Se é a favor, não é jornalismo. Se é jornalismo, não é a favor. Essa é a mais pura verdade. Mas é jornalismo o ato de promover uma pancadaria contra autoridades filiadas a partidos eventualmente adversários simplesmente para realçar uma suposta neutralidade?

Creio ser a forma mais covarde de "jornalismo a favor", pois pune quem age e beneficia quem se omite. Tratar igualmente os desiguais, numa espécie de jornalismo compensatório (de uma só via, é só checar), agride o fundamento da isenção porque agride a verdade.

A imprensa realmente isenta tem o rabo preso com os fatos, o que sempre será do interesse do leitor, do internauta, do telespectador, do ouvinte etc. O governo de São Paulo está fazendo a sua parte. A sua lista de ações é matéria de fato, não de opinião.

Diante da pior crise hídrica já registrada na história, o governo do Estado de São Paulo adotou desde janeiro de 2014, e continuará adotando, as medidas que forem necessárias em defesa de sua população.

Mídia Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 06:52:03 +0000 http://www.brasil247.com/168190
Bradesco tem lucro líquido de R$3,9 bi no 4º tri http://www.brasil247.com/pt/247/relacoes_com_investidores/168191 : Segundo maior banco privado do país, presidido por Luiz Carlos Trabuco, também previu nesta quinta-feira que sua carteira de empréstimos terá expansão de 5 a 9 por cento em 2015; o banco também projetou evolução de 8 a 12 por cento na receita com tarifas e serviços neste ano <br clear="all"> :

SÃO PAULO (Reuters) - O Bradesco, segundo maior banco privado do país, informou nesta quinta-feira que teve lucro líquido de 3,993 bilhões de reais no quarto trimestre.

Excluindo efeitos extraordinários, o lucro do grupo no período somou 4,132 bilhões de reais. A previsão média de analistas consultados pela Reuters apontava para lucro recorrente de 3,971 bilhões de reais.

O Bradesco previu nesta quinta-feira que sua carteira de empréstimos terá expansão de 5 a 9 por cento em 2015.

No segmento corporativo, a previsão do banco é de aumento de 4 a 8 por cento neste ano, enquanto para pessoa física, a estimativa é de 8 a 12 por cento de incremento.

O banco também projetou evolução de 8 a 12 por cento na receita com tarifas e serviços neste ano.

(Por Aluísio Alves e Guillermo Parra-Bernal)

Relações com Investidores Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 07:32:26 +0000 http://www.brasil247.com/168191
Kotscho prevê caos com a falta d’água http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/168189 : Diante da ameaça de SP ficar ‘a seco’ cinco dias por semana, colunista Ricardo Kotscho se pergunta como vão funcionar as ‘indústrias e os shoppings, as escolas e os hospitais, os restaurantes e os botecos, a agricultura e os banheiros públicos, os clubes e as floriculturas’; “Já imagino o escândalo que vai ser quando não tiver mais nem água Perrier para comprar” <br clear="all"> :

247 – O colunista Ricardo Kotscho já prevê caos no comércio e na sociedade com a ameaça de ‘seca’ nas torneiras de São Paulo por até cinco dias na semana. Leia:

Experimente ficar cinco dias sem tomar banho

Nesta terça-feira quente, em que a presidente Dilma Rousseff promoveu sua primeira reunião ministerial do segundo governo (ver no final do texto), o principal personagem do dia não foi ela, mas o diretor metropolitano da Sabesp, engenheiro Paulo Massato, que anunciou um iminente "rodízio pesado e drástico" de cinco dias por semana sem água em São Paulo, e roubou todas as manchetes.

Massato não deu detalhes nem prazos, mas deixou claro que esta seria a única solução para evitar o colapso total do Sistema Cantareira, que abastece 6,5 milhões de paulistanos, e está operando com apenas 5,1% da sua capacidade. O reservatório pode secar de vez já em março, se não chover muito até lá, o que não vem acontecendo, e não forem concluídas as obras emergenciais anunciadas pelo governo estadual, que só devem ficar prontas entre 2016 e 2018.

As previsões assustadoras do diretor da Sabesp foram feitas no mesmo evento festivo em que o governador Geraldo Alckmin inaugurou uma obra de aumento da captação do Alto Tietê, em Suzano, na Grande São Paulo. Alckmin simplesmente não tocou no assunto e não quis comentar as declarações de Massato. Desde o agravamento da crise no abastecimento de água no início do ano passado, Alckmin evita falar em racionamento e rodízio, como se vivesse em outro mundo.

Racionamento, na verdade, já existe faz tempo, embora o governador não admita: com a redução pela metade da pressão nas tubulações, quase todos os bairros de São Paulo já ficam sem água nas torneiras durante 15 horas e 13 minutos por dia, segundo uma página do site com informações sobre cortes no abastecimento inaugurado esta semana pela Sabesp.

"Se as chuvas insistirem em não cair no Sistema Cantareira, seria a solução de um rodízio muito pesado, muito drástico", prevê Paulo Massato, um técnico que não é candidato a nada e fala as coisas como as coisas são, sem meias palavras, ao contrário dos políticos tucanos, há mais de duas décadas no comando da região mais rica do país.

Se estas previsões se confirmarem, como será a vida dos paulistanos? Nem é preciso esperar pela decretação oficial do rodízio para fazer o teste: experimente, o caro leitor do Balaio, ficar cinco dias sem tomar banho. Quem vai aguentar?

O fedor será o de menos: sem água por tanto tempo, como vão funcionar as indústrias e os shoppings, as escolas e os hospitais, os restaurantes e os botecos, a agricultura e os banheiros públicos, os clubes e as floriculturas?

Sempre restará o recurso aos carros-pipa, claro, mas eles irão buscar água aonde? No Nordeste? A que preço? Quem pode já está estocando água mineral, construindo poços e cisternas, preparando-se para o pior. E quem não pode?

Já imagino o escândalo que vai ser quando não tiver mais nem água Perrier para comprar.

Mídia Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 06:31:28 +0000 http://www.brasil247.com/168189
Cardozo: Punição não pode afetar a economia http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/168170 : Em ofício ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), o juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, disse que “a única alternativa eficaz” para afastar o risco à ordem pública seria suspender todos os contratos das empreiteiras envolvidas com a Petrobras e com todos os outros setores da administração pública; o governo teme que a declaração de inidoneidade dessas empresas agrave a situação econômica do Brasil; segundo a Tendências Consultoria, o resultado das apurações contra corrupção podem retirar até 1,5% do crescimento econômico em 2015; “Economicamente, tem que tomar as medidas necessárias para que o mercado não sofra nenhum abalo. Aliás, é perfeitamente possível o rigor da lei e a saúde econômica”, defendeu o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, sobre a Operação Lava Jato <br clear="all"> :

247 – Preocupado com o impacto da Lava Jato na economia no Brasil, o governo tem sustentado a defesa de que é possível punir envolvidos no esquema sem afetar a economia. Em evento nesta quarta-feira, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, repercutiu a linha defendida pela presidente Dilma Rousseff neste sentido: 

"Do ponto de vista das empresas, me parece que há um desejo claro, que não afasta as punições de quem deva ser punido, e que nós não criemos situações que atrapalhem a vida econômica dos brasileiros. (É preciso) punir quem tem que ser punido. Economicamente tem de tomar as medidas necessárias para que o mercado não sofra nenhum abalo. Aliás, é perfeitamente possível o rigor da lei e a saúde econômica", disse o ministro

A declaração ocorre no dia em que o juiz federal Sérgio Moro, em ofício ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), disse que “a única alternativa eficaz” para afastar o risco à ordem pública seria suspender todos os contratos com a Petrobrás e com todas os outros setores da administração pública.

“Necessário, infelizmente, advertir com o remédio amargo as empreiteiras de que essa forma de fazer negócios com a administração pública não é mais aceitável – nunca foi, na expectativa de que abandonem tais práticas criminosas”, argumentou Sérgio Moro.

As obras paradas da Petrobras e das empreiteiras investigadas pela Polícia Federal devem afetar a projeção para os investimentos em infraestrutura e até a expectativa para o crescimento do PIB, de acordo com estimativa da Tendências Consultoria. A empresa, que calculou o peso das empreiteiras nos projetos do País, acredita que o resultado das apurações contra corrupção podem retirar até 1,5% do crescimento econômico em 2015: "O impacto deve ser maior do que imaginávamos anteriormente", afirma a analista Alessandra Ribeiro. 

As centrais sindicais apontam que, em menos de dois meses, empresas envolvidas na operação Lava Jato demitiram mais de 12 mil trabalhadores em todo o Brasil. Muitas delas entraram em processo de recuperação judicial.

Além disso, no dia 21 de janeiro, a Alumini Engenharia S/A teve pedido de recuperação judicial aprovado pelo juiz da 2ª Vara de Falências de São Paulo. A empresa é a primeira das citadas na Operação Lava Jato a entrar com pedido, protocolado no último dia 15. 

A construtora ainda não está sob investigação formal nem teve nenhum de seus diretores presos, mas deixou de receber R$ 1,2 bilhão em aditivos contratuais.

Brasil Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 05:09:59 +0000 http://www.brasil247.com/168170
Serra aposta na queda de Dilma como Jânio e Jango http://www.brasil247.com/pt/247/poder/168168 : Senador tucano aposta que presidente Dilma Rousseff não vai concluir o mandato; segundo ele, há um completo desgoverno, agravado pela crise econômica e pelas denúncias de corrupção; ele compara ambiente atual aos vividos por Jânio Quadros (PTN) e João Goulart (PTB), eleitos presidente e vice no pleito de 1960 <br clear="all"> :

247 – Para o senador tucano José Serra, a presidente Dilma Rousseff não vai concluir o mandato. Segundo nota do colunista Ilimar Franco, nas reuniões internas do partido, ele tem avaliado que há um completo desgoverno, agravado pela crise econômica e pelas denúncias de corrupção.

Serra compara o ambiente atual aos vividos por Jânio Quadros (PTN) e João Goulart (PTB), eleitos presidente e vice no pleito de 1960. Candidato por um partido nanico, com o apoio da UDN, Jânio renunciou em agosto de 1961, com menos de um ano de mandato. Goulart, que assumiu o cargo vago, foi destituído por um golpe militar em março de 1964, que gerou no país uma ditadura militar que só teve fim em 1985.

Poder Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 05:34:04 +0000 http://www.brasil247.com/168168
Após delação, Youssef tenta anular Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/168169 : Em defesa protocolada nesta quarta-feira, doleiro Alberto Youssef afirma que o juiz federal Sergio Fernando Moro autorizou uma série de escutas sem motivos claros, que se tornaram “bisbilhotice”, e não investigação; a defesa apoia-se na teoria dos frutos da árvore envenenada, que considera ilícitas provas derivadas daquelas já produzidas ilicitamente; quebras de sigilo telefônico foram dadas em 2013, a princípio para investigar suposto esquema de lavagem de dinheiro que envolveria o deputado José Janene, já morto; “Salta aos olhos que, em nenhum momento, houve qualquer definição, ainda que remota, do raio de alcance objetivo das investigações”, afirma o documento, assinado pelo advogado Antonio Figueiredo Basto <br clear="all"> :

Por Felipe Luchete, do Consultor Jurídico - O doleiro Alberto Youssef conseguiu uma série de benefícios depois de firmar acordo de delação premiada, mas mesmo assim tenta anular todos os processos da operação "lava jato", por classificar como ilegais os grampos que deram origem à operação. Em defesa protocolada nesta quarta-feira (28/1), ele afirma que o juiz federal Sergio Fernando Moro autorizou uma série de escutas sem motivos claros, que se tornaram “bisbilhotice”, e não investigação.

A defesa apoia-se na teoria dos frutos da árvore envenenada, que considera ilícitas provas derivadas daquelas já produzidas ilicitamente. Isso porque as quebras de sigilo telefônico foram dadas em 2013, a princípio para investigar suposto esquema de lavagem de dinheiro que envolveria o deputado José Janene, já morto. A partir de grampo feito em aparelho do doleiro Carlos Habib Chater, chegou-se a Youssef e ampliou-se o foco para as supostas fraudes na Petrobras.

A defesa do doleiro diz que Moro ampliou e prorrogou os grampos várias vezes, mesmo sem identificar quem eram os interlocutores (baseando-se apenas em apelidos como “Primo” e “Omeprazol”). “Salta aos olhos que, em nenhum momento, houve qualquer definição, ainda que remota, do raio de alcance objetivo das investigações”, afirma o documento, assinado pelo advogado Antonio Figueiredo Basto e outros integrantes do escritório Figueiredo Basto Advocacia.

“A cada decisão que prorrogava a interceptação, o juízo citava diálogos referentes a fatos novos, colhidos fortuitamente durante a interceptação, completamente desconexos com os anteriormente investigados. Tratou-se de uma interceptação que se retroalimentava de si própria, a cada nova prorrogação”, diz a defesa. “Interceptou-se para saber se o alvo viria praticar algum crime, fosse ele qual fosse.”

Os advogados apontam que Moro repetiu os mesmos trechos e “clichês retóricos” em ao menos sete decisões nas quais prorrogou as escutas, quando a jurisprudência “tem repelido a repetição literal da mesma fundamentação”. Ainda alegam que, em alguns casos, a Polícia Federal continuou fazendo monitoramentos mesmo depois do prazo estipulado pela Justiça. Por esses motivos, declaram que as denúncias foram feitas com bases ilícitas, e “a nulidade se espraia por todo o processo”.

Membro, mas não líder

Youssef tenta desconstruir parte das acusações, pois afirma que ter firmado acordo de delação premiada “não implica uma necessária submissão passiva a toda imputação”. Em dezembro, a revista Consultor Jurídico já havia revelado que os advogados planejavam questionar uma série de elementos nas 10 Ações Penais em que virou réu.

A principal controvérsia está na acusação de que ele seria líder de todo o esquema, quando diz ter sido apenas operador financeiro. “Para decepção da acusação e de toda mídia nacional, Youssef não era e nunca foi detentor de qualquer poder para alterar contratos de licitação, favorecer empresas e influenciar os procedimentos de Paulo Roberto Costa [ex-diretor de abastecimento] junto à Petrobras ou qualquer empresa.”

A defesa ainda critica o Ministério Público Federal por ter fatiado as acusações em uma série de denúncias diferentes, com termos idênticos ou semelhantes. As peças foram divididas por executivos de cada empreiteira suspeita, e todas repetem Youssef como réu. Assim, os advogados afirmam que o doleiro responde várias vezes pelos mesmos fatos, e por isso querem a reunião das ações penais.

O advogado Figueiredo Basto planeja ainda pedir perdão judicial, mas ainda não manifestou formalmente esse interesse. Ele avalia que o cliente prestou “relevante” contribuição com as investigações.

Paraná 247 Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 05:16:56 +0000 http://www.brasil247.com/168169
Presidente da UTC quer ministro e deputados como testemunhas http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/168187 : Em lista com 22 nomes encaminhada à Justiça, defesa de Ricardo Ribeiro Pessoa pede que o ministro Jaques Wagner (Defesa) e os deputados Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Paulinho da Força (SD-SP) sejam incluídos entre suas testemunhas; ele foi preso na Operação Lava Jato por suspeita de envolvimento com o esquema de Alberto Youssef  <br clear="all"> :

247 – Preso na Operação Lava Jato, o presidente da UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa, pediu nesta quarta-feira (28) que o ministro Jaques Wagner (Defesa) e os deputados Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Paulinho da Força (SD-SP) sejam incluídos em sua lista de testemunhas. Ele não explicou o motivo.

Entre os 22 nomes apontados, também foram incluídos o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo, além dos deputados federais Jutahy Junior (PSDB-BA), Jorge Tadeu Mutalen (DEM-SP) e Arnaldo Jardim (PPS-SP).
Ricardo Pessoa se tornou réu na Justiça pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e fraudes em licitações públicas, por suspeita de envolvimento no esquema de Alberto Youssef.

A UTC contestou seu afastamento de contratos com a Petrobras e negou a existência de um cartel para desvios na estatal.
A empreiteira critica ainda as delações. O advogado Sebastião Tojal afirma que, sendo uma concorrente da UTC em contratos de perfuração de poços em alto mar, a Toyo Setal, que colabora com as investigações, pode não ser isenta.

Brasil Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 06:15:22 +0000 http://www.brasil247.com/168187
MP afirma que Lava Jato pode repatriar R$ 500 mi http://www.brasil247.com/pt/247/economia/168174 : Ministério Público Federal (MPF) afirma ter fechado acordos de cooperação internacional com 12 países, com base nos depoimentos de investigados; “Certamente, sem essas delações, no modo como foram praticados os crimes, ou não se descobririam os fatos ou certamente demoraríamos décadas pra descobrir. E aí nós teríamos o instituto da prescrição inviabilizando a punição dos responsáveis”, disse o procurador Douglas Fischer; “Poderíamos dizer, de forma bastante segura, que este valor é histórico de tudo que se apurou até hoje em recuperação de valores relacionados à prática de crimes”, acrescentou <br clear="all"> :

247 - O Ministério Público Federal (MPF) afirma ter fechado acordos de cooperação internacional com 12 países para reaver R$ 500 milhões desviados por investigados na Operação Lava Jato.

Repasses fraudulentos por bancos em paraísos fiscais foram traçados a partir da delação premiada de 12 suspeitos de envolvimento no esquema comandado pelo doleiro Alberto Youssef.

“Certamente, sem essas delações, no modo como foram praticados os crimes, ou não se descobririam os fatos ou certamente demoraríamos décadas pra descobrir. E aí nós teríamos o instituto da prescrição inviabilizando a punição dos responsáveis”, disse o procurador Douglas Fischer.
“Poderíamos dizer, de forma bastante segura, que este valor é histórico de tudo que se apurou até hoje em recuperação de valores relacionados à prática de crimes”, acrescentou.

Os termos dos acordos de delação premiada têm gerado polêmica. O Ministério Público Federal informou que o doleiro preso Alberto Youssef não terá direito a nenhum tipo de recompensa no caso de recuperação dos recursos desviados no esquema de desvio de verbas e corrupção no âmbito da Petrobras. No entanto, diz que ele poderá ser beneficiado com abatimento da multa imposta.

Nesta terça (27), o ministro-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), Luís Inácio Adams, afirmou que avalia contestar, no Supremo Tribunal Federal (STF), a medida: “O MP não pode dispor de recursos da União nem da Petrobras”, sentencia.

“Ele não está ganhando. O colaborador em hipótese alguma está ganhando. Ele está perdendo, tanto é que já existe, até o momento, o bloqueio de pelo menos R$ 50 milhões do seu patrimônio, ou seja, não há possibilidade de prejuízo para a União ou para a Petrobras. Há uma garantia, sim, exatamente para a reparação do dano do crime que já foi praticado", rebateu o procurador.

Economia Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 05:44:25 +0000 http://www.brasil247.com/168174
Dilma defende união para enfrentar desafios da economia http://www.brasil247.com/pt/247/economia/168186  Foto: Roberto Stuckert Filho/PR: San José - Costa Rica. 28/01/2015. Presidenta Dilma Rousseff durante 2ª Sessão Plenária da III Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Ao discursar em sessão plenária da Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), presidente Dilma Rousseff declarou que a situação de baixo crescimento, queda no preço das commoditties e apreciação do dólar vai exigir "cautela e esforço" dos países da América Latina e do Caribe para estimular a competitividade na região; "Diante desse quadro torna-se urgente nossa cooperação, priorizando o comércio intrarregional e, ao mesmo tempo, sempre que possível, estimulando o desenvolvimento e a integração de nossas cadeiras produtivas"; ela também defendeu o fim do embargo a Cuba <br clear="all">  Foto: Roberto Stuckert Filho/PR: San José - Costa Rica. 28/01/2015. Presidenta Dilma Rousseff durante 2ª Sessão Plenária da III Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Paulo Victor Chagas – Repórter da Agência Brasil - A presidenta Dilma Rousseff comemorou o restabelecimento das relações entre os Estados Unidos e Cuba, mas defendeu o fim do embargo econômico do país norte-americano à ilha. Ao discursar em sessão plenária da Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), ela também defendeu a criação de um fórum composto por empresários dos países-membros como parte de um projeto de cooperação regional para enfrentar os problemas da economia internacional e retomar um crescimento “robusto”.

Ao iniciar sua fala, Dilma elogiou a “coragem" e "responsabilidade histórica" dos presidentes Barack Obama e Raul Castro pelo passo dado. Para ela, com o gesto, “começa a se retirar da cena latino-americana e caribenha o último resquício da Guerra Fria em nossa região”.

"Não podemos esquecer, todavia, de que o embargo econômico, financeiro e comercial dos EUA a Cuba, ainda continua em vigor. Essa medida coercitiva, sem amparo no direito internacional, que afeta o bem-estar do povo cubano e prejudica o desenvolvimento do país, deve, tenho certeza, do ponto de vista de todos países aqui representados, ser superada", declarou. Há exatamente um ano, e em outras ocasiões antes da normalização das relações, a presidenta havia se manifestado no mesmo sentido .

Dilma ressaltou ainda a "importante contribuição" do papa Francisco no restabelecimento das relações entre Cuba e EUA. O anúncio da normalização das relações entre os dois países é um dos temas que serão discutidos na cúpula, ao lado da aproximação do bloco com a China, que prometeu duplicar o intercâmbio comercial com a região e investir US$ 250 bilhões na próxima década.

Dizendo-se consciente de que a recuperação da economia mundial não ocorre com a força esperada, a presidenta declarou que a situação de baixo crescimento, queda no preço das commoditties e apreciação do dólar vai exigir "cautela e esforço" dos países da América Latina e do Caribe para estimular a competitividade na região.

Na opinião de Dilma, alguns subsídios "distorcem o comércio internacional" e as reações provocam "escaladas tarifárias" que dificultam as exportações de países em desenvolvimento. "Diante desse quadro torna-se urgente nossa cooperação, priorizando o comércio intrarregional e, ao mesmo tempo, sempre que possível, estimulando o desenvolvimento e a integração de nossas cadeiras produtivas", defendeu.

Após citar fóruns da comunidade com a China e com a União Europeia e pregar que a integração começa prioritariamente pelos vizinhos, a presidenta propôs a constituição de um fórum de empresários da Celac com a participação dos governos e das empresas. "Seu objetivo será desenvolver o comércio, aproveitar as oportunidades diversificadas que nossas economias oferecem, e estimular, quando possível, a integração produtiva, promovendo nossas relações com o resto do mundo”, explicou.

A presidenta participa da 3ª Cúpula da Celac em San Jose, na Costa Rica, até amanhã (29). O evento reúne chefes de Estado, de Governo e chanceleres dos 33 países americanos, com exceção dos Estados Unidos e do Canadá (que não são de origem latina). Presidentes do Uruguai, José Pepe Mujica, de Cuba, Raul Castro, da Venezuela, Nicolás Maduro, e do Chile, Michele Bachelet, estão no país para o encontro.

Após a reunião, Dilma se reúne reservadamente com os líderes da Colômbia, Juan Manoel Santos, e do Panamá, Juan Carlos Varela, e participa de jantar em homenagem aos chefes de Estado e de Governo oferecido pelo anfitrião, Luis Guillermo Solis Rivera, presidente da Costa Rica.

Nesta quinta-feira (29), as lideranças se recolhem em um retiro e participam da transferência da presidência pro-tempore do bloco, da Costa Rica ao Equador.

Economia Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 06:04:04 +0000 http://www.brasil247.com/168186
Governo de SP teme que rodízio cause tumulto http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/168188 : A exemplo de Itu, que registrou casos de depredação e saques, Prefeitura de SP, de Fernando Haddad (PT) prevê caos e possível proliferação de doenças como diarreia e a contaminação da água em consequência da diminuição da pressão na rede; Governo Alckmin (PSDB) projeta para abril início do racionamento  <br clear="all"> :

247 – O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) projeta para abril o início do racionamento de água em São Paulo. Segundo a direção da Sabesp, para evitar que os reservatórios zerem, medida pode deixar Grande SP até 5 dias seguidos sem água.

Diante da perspectiva, a Prefeitura de São Paulo, de Fernando Haddad (PT) trabalha com um quadro drástico, segundo a colunista Mônica Bergamo, a exemplo do município de Itu, que ficou meses sob racionamento. Nele foram registrados casos de tumulto, depredação e saque em locais sem abastecimento. Rodovias foram interditadas e ônibus, incendiados.

A análise é a de que, se numa cidade com cerca de 160 mil habitantes os problemas foram de tal envergadura, numa metrópole de 12 milhões eles podem ser multiplicados.

Outra preocupação é com a questão sanitária, com a ocorrência de doenças como diarreia e a contaminação da água em consequência da diminuição da pressão na rede.

SP 247 Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 06:27:55 +0000 http://www.brasil247.com/168188
Frei Betto: Fidel Castro tem boa saúde http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/168166 : "O comandante (Castro) desfruta de boa saúde e bom humor", disse o escritor Carlos Alberto Libânio Christo, conhecido como Frei Betto, à TV estatal, após se reunir com o líder na terça-feira em Havana; ele disse que Fidel sempre está em sua "torre de observação privilegiada..., mas sempre muito otimista" <br clear="all"> :

HAVANA (Reuters) - O ex-presidente cubano Fidel Castro tem boa saúde, está magro, mas muito lúcido, disse nesta quarta-feira na televisão estatal o teólogo brasileiro Frei Betto, após se reunir com o líder na terça-feira em Havana.

Fidel, de 88 anos, substituído na Presidência pelo seu irmão mais novo, Raúl, em 2008, não é visto em público desde 8 janeiro de 2014, quando participou da abertura de uma galeria de arte em Havana.

Fotos do líder histórico da revolução cubana também não são publicadas desde agosto. Seu silêncio na mídia estatal alimentou especulações sobre sua saúde.

"O comandante (Castro) desfruta de boa saúde e bom humor", disse o escritor Carlos Alberto Libânio Christo, conhecido como Frei Betto, à TV estatal.

Betto, um frade dominicano, disse que Fidel sempre está em sua "torre de observação privilegiada..., mas sempre muito otimista". Citado pela agência de notícias Prensa Latina, afirmou que Fidel "está muito bem, está magro, mas muito lúcido, anotando tudo em seu caderno" durante a conversa.

Além disso, Frei Betto disse que Fidel se mantém informado sobre tudo o que acontece em nível nacional e internacional.

Embora Fidel tenha publicado nos últimos anos artigos de opinião, manteve silêncio semanas depois que seu irmão Raúl e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciaram em 17 de dezembro o restabelecimento das relações diplomáticas.

Em 12 de janeiro, Fidel enviou uma carta ao amigo e ex-jogador de futebol argentino Diego Armando Maradona, silenciando os rumores sobre sua morte.

Fidel chegou ao poder com a revolução de 1959 e liderou o governo comunista durante 49 anos, criticando fortemente os EUA, considerados seu inimigo político.

(Reportagem de Nelson Acosta)

Mundo Roberta Namour Thu, 29 Jan 2015 05:38:52 +0000 http://www.brasil247.com/168166
Aliados de Chinaglia fazem ofensiva na reta final http://www.brasil247.com/pt/247/poder/168149 : A quatro dias da eleição que definirá o novo presidente da Câmara, oito siglas se reuniram em um almoço, nesta quarta-feira, com o intuito de formar uma aliança em torno da candidatura do deputado Arlindo Chinaglia, do PT; três legendas - PP, PR e PRB - ainda consultarão suas bancadas, enquanto PT, PROS, PDT, PCdoB e PSD já aprovaram a ideia; bloco será formalizado no sábado, um dia antes do pleito; "Esse bloco, sendo constituído, tem uma importância vital para a governabilidade do País. Foi uma extraordinária iniciativa política", disse ao 247 o vice-líder do governo, José Guimarães (PT-CE); segundo ele, o PT "está disposto a fazer concessões" a fim de angariar aliados <br clear="all"> :

Gisele Federicce, 247 – Na reta final da campanha à presidência da Câmara dos Deputados, o PT lançou hoje, em um almoço que reuniu presidentes e lideranças de oito partidos, além de cinco ministros, uma ofensiva para garantir apoio ao candidato petista Arlindo Chinaglia (SP).

A proposta foi formar um bloco de atuação na Câmara em torno da candidatura e das pautas que o governo pretende organizar neste ano. Os ministros presentes no encontro foram Pepe Vargas, das Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, das Comunicações, Gilberto Kassab, das Cidades, Gilberto Occhi, da Integração Nacional, e Antonio Carlos Rodrigues, dos Transportes.

"Esse bloco, sendo constituído, tem uma importância vital para a governabilidade do País", comentou, em entrevista ao 247, o deputado José Guimarães (PT-CE), vice-líder do governo na Câmara e vice-presidente do PT.

Três siglas – PP, PR e PRB – ainda consultarão suas bancadas, enquanto PT, PROS, PDT, PCdoB e PSD já aprovaram a ideia. "Qualquer que seja o resultado, nós do PT estamos apoiando a formação desse grande bloco, que foi uma extraordinária iniciativa política", disse Guimarães.

Segundo ele, o PT, que, como maior bancada, tem prioridade na escolha dos cargos caso Arlindo Chinaglia seja o novo presidente, "está disposto a fazer concessões" na Mesa e em comissões, por exemplo, a fim de angariar aliados.

"Vamos continuar trabalhando muito" até a manhã de sábado 31, quando será "concluído o processo" de formação do bloco, disse o parlamentar. O deputado definiu como "decisiva" a articulação para a vitória do petista no próximo domingo 1º.

Reta final

O vice do PT se mostrou confiante com a vitória de Chinaglia. "Temos um lado, vamos fazer um debate de alto nível, trabalhar muito para vencermos a disputa, e se der, até vencer no primeiro turno", ressaltou. "Nossa expectativa é que, havendo segundo turno, a maioria migrará para o Arlindo", acrescentou, otimista.

Ele defendeu uma campanha com "menos acusações e mais ideias", mas evitou criticar o principal adversário do PT na disputa, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). "São visões diferentes sobre o País e sobre o Congresso", pontuou. Para Guimarães, entre os quatro candidatos, não há "o de oposição e o de governo, mas visões diferentes".

Poder Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 19:00:01 +0000 http://www.brasil247.com/168149
Skaf repudia racismo contra atleta em Minas http://www.brasil247.com/pt/247/esporte/168152 : "São inadmissíveis atos de racismo como o que ocorreu com a nossa atleta Fabiana Claudino, durante o jogo entre o Sesi-SP e a Camponesa/Minas na noite da última terça-feira, em Belo Horizonte", afirmou o presidente da Fiesp, que administra o Sesi, em nota; segundo a jogadora de vôlei, um homem na torcida "disparou uma metralhadora de insultos" e a chamou de "macaca" diversas vezes <br clear="all"> :

247 – O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, divulgou uma nota de repúdio contra as agressões racistas sofridas pela capitã da seleção brasileira de vôlei Fabiana. "Como cidadão e presidente do Sesi-SP, sinto-me ofendido e estarrecido com esse tipo de comportamento em pleno século 21", escreveu Skaf.

Fabiana jogava pelo seu clube, o Sesi-SP, que é administrado pela Fiesp, contra o Camponesa-Minas em Belo Horizonte, na noite de terça-feira 27, quando um homem na torcida "disparou uma metralhadora de insultos" e a chamou de "macaca" diversas vezes.

Ela afirmou nas redes sociais ter se sentido especialmente ofendida nesse episódio por ter nascido na capital mineira e sua família estar no estádio. Disse ainda que pensou em não comentar o fato, mas que debater o racismo "ajuda a colocar em discussão o mundo em que vivemos e queremos para nossos filhos".

Leia abaixo a nota de Skaf sobre o episódio:

SKAF / NOTA DE REPÚDIO

São inadmissíveis atos de racismo como o que ocorreu com a nossa atleta Fabiana Claudino, durante o jogo entre o Sesi-SP e a Camponesa/Minas na noite da última terça-feira, em Belo Horizonte.

É com indignação que, em nome da indústria, lamentamos esse vergonhoso fato. Numa sociedade democrática e igualitária, é preciso ser intolerante com esses episódios e repudiar qualquer tipo de preconceito.

Como cidadão e presidente do Sesi-SP, sinto-me ofendido e estarrecido com esse tipo de comportamento em pleno século 21.

Lamento o fato e reitero o orgulho de termos em nossa equipe uma atleta como Fabiana, que representa com talento e maestria as cores da nossa instituição e as cores do Brasil.

O episódio precisa ser investigado pelas autoridades competentes e sua punição levada às últimas consequências. O racismo é um crime que deve ser punido e combatido por todos os cidadãos brasileiros.

Paulo Skaf

Presidente Sesi SP

Esporte Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 19:40:51 +0000 http://www.brasil247.com/168152
TCU quer revisão de custos da Ponte Rio-Niterói http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/168148 : O TCU determinou que o edital para nova concessão da Ponte Rio-Niterói só poderá ser publicado depois que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) retifique os custos de mão de obra e de veículos incluídos nas despesas operacionais do empreendimento; o tribunal detectou indícios de custos superestimados nos estudos apresentados pela Agência <br clear="all"> :

Sabrina Craide - Repórter da Agência Brasil 

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou hoje (28) que o edital para nova concessão da Ponte Rio-Niterói só poderá ser publicado depois que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) retifique os custos de mão de obra e de veículos incluídos nas despesas operacionais do empreendimento.

O TCU detectou indícios de custos superestimados nos estudos apresentados pela Agência.

Relator da matéria, o ministro Walton Alencar recomendou que o primeiro estágio de acompanhamento do processo de concessão seja aprovado com ressalvas. Segundo ele, os custos da obra "devem ser ajustados para valores compatíveis com os custos incorridos pela atual concessionária".

O trecho a ser licitado é compreendido entre o acesso à Ponte Presidente Costa e Silva, conhecida como Rio-Niterói, e o entroncamento com a RJ-071 (Linha Vermelha). Com 13,2 quilômetros de extensão, a Ponte Rio-Niterói foi concedida para a iniciativa privada em 1º de junho de 1995, pelo período de 20 anos. O atual contrato termina em maio de 2015.

A ANTT informou que está ciente da decisão do TCU e aguarda divulgação do acórdão do Tribunal para que possa se manifestar.

Rio 247 Leonardo Lucena Wed, 28 Jan 2015 18:13:34 +0000 http://www.brasil247.com/168148
Rússia cortará 10% das despesas públicas contra a crise http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/168145 REUTERS/Maxim Shipenkov: Presidente russo, Vladimir Putin, em foto de arquivo no Kremlin, em Moscou. 23/12/2014 REUTERS/Maxim Shipenkov "É necessário alcançar o equilíbrio do sistema orçamentário para 2017, de acordo com o nível estimado dos preços dos principais produtos de exportação russos", diz o plano governamental apresentado pelo governo do presidente Vladimir Putin nesta quarta-feira <br clear="all"> REUTERS/Maxim Shipenkov: Presidente russo, Vladimir Putin, em foto de arquivo no Kremlin, em Moscou. 23/12/2014 REUTERS/Maxim Shipenkov

Da Agência Lusa

O governo da Rússia apresentou nesta quarta-feira 28 um plano para fazer frente à crise que prevê um corte de 10% nos gastos públicos na maioria das rubricas do orçamento e uma redução anual de 5% para o triênio 2016-2018.

Documento publicado no portal do Executivo russo informa que os cortes orçamentários não afetarão programas sociais, gastos na área da defesa, subvenções à agricultura, nem as obrigações internacionais do país.

"É necessário alcançar o equilíbrio do sistema orçamentário para 2017, de acordo com o nível estimado dos preços dos principais produtos de exportação russos", diz o plano governamental.

O governo considera que a estabilização paulatina das matérias-primas nos mercados internacionais e os passos dados pelo Banco Central da Rússia vão permitir "normalizar a situação no mercado de divisas e criar condições para uma significativa diminuição das taxas de juros".

No último ano, devido à queda dos preços do petróleo e às sanções econômicas impostas à Rússia por causa da crise na Ucrânia, a moeda do país desvalorizou-se mais de 50% frente ao dólar. Para travar a depreciação do rublo, o Banco Central russo elevou, em dezembro último, a taxa de juros de 10,5% para 17%.

O presidente Vladimir Putin garantiu, em dezembro do ano passado, que a economia russa sairá da atual crise econômica. Ele atribui a situação a fatores externos, como a queda dos preços do petróleo, no pior dos cenários, mantendo-se nos próximos dois anos.

Mundo Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 17:43:18 +0000 http://www.brasil247.com/168145
Moro: prisões são “remédio amargo” para empreiteiras http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/168139 : Juiz da Lava Jato, Sérgio Moro afirma que a prisão dos executivos das empreiteiras investigadas na operação funciona como "advertência" às empresas e visa "prevenir a continuidade do ciclo delituoso" na Petrobras; declaração está em manifestação enviada pela Justiça do Paraná ao STJ, que vai julgar o mérito dos habeas corpus de quatro presos ligados à OAS; hoje, em entrevista, o procurador Deltan Dallagnol, integrante da força-tarefa da investigação, disse que as empreiteiras não são vítimas, mas "protagonistas de um grande e danoso esquema criminoso de sangria de recursos públicos que ocorre há muitos anos" <br clear="all"> :

247, com Agência Brasil - O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigação da Operação Lava Jato, disse nesta quarta-feira 28 que a prisão dos executivos das empreiteiras investigadas é uma advertência para mudar a forma de fazer negócios com a administração pública. Moro também reafirmou que a prisão cautelar dos acusados tem objetivo de "prevenir a continuidade do ciclo delituoso" na Petrobras.

As declarações de Moro estão em uma manifestação enviada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que vai julgar o mérito dos habeas corpus de quatro presos ligados à OAS. No início deste mês, o ministro Newton Trisotto negou pedidos de liberdade de José Adelmário Filho, presidente da OAS, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor-presidente da Área Internacional, de José Ricardo Nogueira Breghirolli e Mateus Coutinho, funcionários da empreiteira.

No entendimento do juiz, sem a prisão dos acusados não há como afastar o risco de repetição dos crimes. "A prisão cautelar do paciente [investigado] se impõe, lamentavelmente, para prevenir a continuidade do ciclo delituoso, alertando não só a ele, mas também à empresa das consequências da prática de crimes no âmbito de seus negócios com a administração pública. Necessário, infelizmente, advertir com o remédio amargo as empreiteiras de que essa forma de fazer negócios com a administração pública não é mais aceitável - nunca foi, na expectativa de que abandonem tais práticas criminosas", disse Moro.

Além de executivos das OAS, estão presos na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba diretores e funcionários da  Engevix, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, Camargo Correa e UTC Engenharia. De acordo com depoimentos de delação premiada, as empresas são acusadas de formação de cartel em contratos com a Petrobras.

Empreiteiras são "protagonistas", diz procurador

O procurador da República no Paraná Deltan Dallagnol, integrante da força-tarefa que investiga o esquema de corrupção na Petrobras, afirmou hoje em entrevista ao jornal O Globo que as empreiteiras não são vítimas, mas "protagonistas de um grande e danoso esquema criminoso de sangria de recursos públicos que ocorre há muitos anos". 

"A corrupção é praticada há tanto tempo por essas empresas que se tornou um modelo de negócio que objetivava majorar lucros. Se as empresas se organizaram em cartéis para fraudar licitações e aumentar ilegalmente suas margens de lucro, não faz sentido alegar que foram vítimas de achaques por seus cúmplices", acrescentou.

 

Paraná 247 Leonardo Lucena Wed, 28 Jan 2015 17:35:10 +0000 http://www.brasil247.com/168139
Dilma promete se empenhar pela reforma política http://www.brasil247.com/pt/247/poder/168108 : O discurso que abriu a primeira reunião ministerial do segundo mandato, ontem, teve o último ponto como o "mais importante", na avaliação de Tereza Cruvinel, colunista do 247; Dilma Rousseff prometeu colocar em debate com a sociedade, já nesse primeiro semestre, o tema da reforma política; "Como, ela não disse, mas só debater é pouco", opina a jornalista, que defende que "Dilma pode e deve fazer muito mais", como reunir o Conselho da República, o que raramente acontece, e "enviar uma proposta"; "Se o Congresso engavetá-la, pior para ele. Ficará mais uma vez claro que os senhores congressistas, entra e sai legislatura, não querem mudar nada neste sistema", afirma; leia a íntegra <br clear="all"> :

247 – O último ponto do discurso de ontem da presidente Dilma Rousseff aos 39 ministros na Grana do Torto foi o "mais importante" de toda a fala, avalia a colunista do 247 Tereza Cruvinel. Dilma Rousseff prometeu colocar em debate com a sociedade, já nesse primeiro semestre, o tema da reforma política.

Na opinião da jornalista, porém, "só debater é pouco". "Dilma pode e deve fazer muito mais", defende Tereza, em seu blog. Uma das propostas que Dilma deveria seguir, diz ela, é reunir o Conselho da República, instituição prevista em nossa Constituição como um órgão de aconselhamento da presidência e que raramente se reúne.

Outra sugestão da jornalista é a de a presidente "enviar uma proposta". "Se o Congresso engavetá-la, pior para ele. Ficará mais uma vez claro que os senhores congressistas, entra e sai legislatura, não querem mudar nada neste sistema que vem encalacrando o país".

Em um texto publicado hoje sobre o discurso, o Blog do Planalto ressaltou no título: "Presidenta diz que reforma política será prioridade". O destaque é mais uma prova de que o governo pretende dar mais atenção ao tema. "Uma das prioridades do governo neste semestre será estimular o debate e ações pela reforma política no País, demanda de grande expectativa da sociedade brasileira", diz o post (leia aqui).

Leia aqui a íntegra do texto de Tereza Cruvinel.

Poder Ana Pupulin Wed, 28 Jan 2015 15:32:34 +0000 http://www.brasil247.com/168108
Pelo Twitter, Danilo Gentili manda Dilma se f... http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/168137 : Humorista e apresentador do SBT passa dos limites da agressividade ao responder, nesta manhã, um tuíte da presidente Dilma Rousseff sobre seu discurso de ontem na abertura da reunião ministerial <br clear="all"> :

247 - O humorista e apresentador do programa The Noite, do SBT, Danilo Gentili, passou de todos os limites da agressividade nesta quarta-feira 28 ao responder, pelo Twitter, a uma mensagem da presidente Dilma Rousseff.

"Vai se fude", escreveu Gentili, em cima da seguinte publicação da presidente: "O nosso povo votou em nós porque acredita em nossa capacidade e em nossa honestidade de propósitos".

A mensagem de Dilma dizia respeito ao discurso feito ontem por ela na abertura da primeira reunião ministerial do segundo mandato.

Gentili é crítico constante do governo e da presidente Dilma. Um dia depois da posse, que ocorreu em 1º de janeiro, ele comparou a petista a porcos em um pequeno texto no Facebook.

"A posse da Dilma ontem foi uma posse de proporções bíblicas. Igual aquela vez que tomaram posse dos porcos e eles foram em direção ao desfiladeiro", escreveu.

Mídia Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 16:58:01 +0000 http://www.brasil247.com/168137
Luiz Henrique diz a Renan que mantém candidatura no Senado http://www.brasil247.com/pt/247/poder/168134 Lia de Paula/Agência Senado: "Serão dois candidatos. É uma coisa natural, cuja disputa se encerra no domingo... Se não for pelo partido, eu não tenho mais como recuar", disse o senador Luiz Henrique (PMDB-SC), após passar a manhã reunido com senadores para angariar apoio; Renan Calheiros, que ainda não lançou oficialmente sua candidatura à presidência do Senado, sugeriu que os dois nomes fossem submetidos à bancada do PMDB <br clear="all"> Lia de Paula/Agência Senado:

BRASÍLIA (Reuters) - O senador Luiz Henrique (PMDB-SC), que disputará a presidência do Senado, passou a manhã reunido com senadores para angariar apoio suprapartidário em torno de sua candidatura, e afirmou que não pretende recuar da disputa pelo comando da Casa, mesmo que tenha de enfrentar um outro nome do PMDB.

Integrante do partido que tem a maior bancada de senadores, Luiz Henrique teve um conversa na manhã desta quarta-feira com o atual presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na tentativa de construir um consenso em torno de seu nome.

Renan, que ainda não lançou oficialmente sua candidatura ao posto, sugeriu por sua vez que os dois nomes fossem submetidos à bancada do PMDB.

"Eu disse que na política se trabalha com realidade. Eu sei quantos votos eu tenho na bancada. Não poderia submeter à vontade de um grupo menor a vontade de um grupo que perpassa diversos partidos", disse Luiz Henrique a jornalistas.

"Serão dois candidatos. É uma coisa natural, cuja disputa se encerra no domingo... Se não for pelo partido, eu não tenho mais como recuar."

O senador catarinense, que disse ter esperado o retorno do líder da bancada, Eunício Oliveira (PMDB-CE), para anunciar sua intenção de concorrer à presidência, lançou informalmente sua candidatura sob as bandeiras da reforma política e de temas federativos.

Simpatizantes da candidatura, como o peemedebista Ricardo Ferraço (ES) e o líder do DEM, Agripino Maia (RN), têm dito que o nome do senador catarinense representa a independência do Legislativo.

Uma disputa entre Luiz Henrique e Renan contradiz previsão da Executiva do PMDB, segundo a qual o partido estaria unido em torno de um nome para presidir o Senado.

Uma candidatura alternativa à de Renan saída de um partido da base aliada da presidente Dilma Rousseff era um desejo dos partidos de oposição. O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), participou das articulações nesse sentido se reunindo inclusive com Ferraço, que coordenou sua campanha à Presidência da República no ano passado e chegou a ter o nome ventilado para sair candidato.

O PT, segunda maior bancada do Senado atrás do PMDB, irá apoiar o nome que for oficialmente anunciado pela bancada peemedebista, segundo o líder do PT na Casa, senador Humberto Costa (PT-PE). A tendência, até a terça-feira, era de que a bancada anunciasse apoio integral ao nome de Renan.

Luiz Henrique diz ter recebido sinalizações de integrantes de partidos tanto da base como da oposição, mas que ainda não entrou em contato com representantes do Executivo.

"Eu imagino que o governo não vai interferir nesse processo", disse o senador a jornalistas. "Até porque a minha candidatura não é uma candidatura de oposição", assegurou.

O anuncio formal da candidatura do senador catarinense deve ocorrer apenas na sexta-feira, mas Luiz Henrique já passou a manhã desta quarta reunido com integrantes do PDT e do PP.

"Não é uma aventura, é um projeto sério, viável", afirmou a senadora Ana Amélia (PP-RS), acrescentando que o nome do senador reúne apoio "suprapartidário".

"Ele usou o termo 'irreversível'", disse a jornalistas o senador eleito Lasier Martins (PDT-RS).

"Estamos apoiando a candidatura de um peemedebista... Não é oposição, é renovação", acrescentou.

À tarde, Luiz Henrique deve ainda se reunir com o PSB, que mantém a postura de apoiar uma candidatura do PMDB, desde que se comprometa com a discussão de temas como as reformas política e tributária e mudanças internas no Senado.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Poder Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 16:24:18 +0000 http://www.brasil247.com/168134
Pezão diz que Rio estava preparado para crise hídrica http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/168123 : Governador Luiz Fernando Pezão afirmou, após reunião com a presidente Dilma, em Brasília, que a situação é "um pouco melhor" no Rio do que nos outros estados da Região Sudeste por ter investido em obras de infraestrutura hídrica nos últimos anos; mais cedo, o governador Fernando Pimentel, que também se reuniu com Dilma, previu racionamento "severo" em Minas <br clear="all"> :

Luana Lourenço – Repórter da Agência Brasil

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, minimizou hoje (28) a crise hídrica no estado, que, segundo ele, está em uma situação "um pouco melhor" do que os outros estados da Região Sudeste por ter investido em obras de infraestrutura hídrica nos últimos anos.

Pezão disse que o Rio "não é melhor nem pior que nenhum estado", mas fez muitas obras, muitos investimentos, mudou a captação de águas de algumas cidades. "E, se precisar mudar, vamos mudar de novo", afirmou o governador, após audiência com a presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto.

Segundo Pezão, após problemas com a estiagem entre 2009 e 2013, a Secretaria Estadual do Ambiente e a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) investiram em obras para aumentar a captação e garantir o abastecimento do estado, principalmente na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Na última quinta-feira (22), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou que o nível do reservatório de Paraibuna, no Rio Paraíba do Sul, atingiu o volume morto e deixou de produzir energia. O Paraibuna é o maior dos quatro reservatórios que abastecem o Rio.

O governador do Rio reconheceu que a atual situação dos reservatórios do Sudeste é grave, mas voltou a descartar possibilidade de sobretaxa ou racionamento de água no Rio de Janeiro nos próximos meses. "Neste momento, não queremos tomar nenhuma dessas medidas porque ainda não é necessário, mas nada está afastado, se a seca se prolongar. Se não chover o suficiente, vamos tomar outras medidas", disse Pezão, sem adiantar as providências que poderá tomar.

Ele informou que a única medida emergencial do governo fluminense será reforçar uma campanha institucional para estimular a população a economizar água. "Com as obras que fizemos, dá para garantir um ritmo normal [de abastecimento]."

O governador disse que, em caso de restrições de uso da água, as empresas serão as primeiras atingidas, porque a prioridade é o abastecimento humano. "Não queremos prejuízo de ninguém, agora, se alguém for penalizado, serão as empresas primeiro. Nossa prioridade é o abastecimento humano, que dá para ser garantido por algum tempo ainda."

De acordo com Pezão, na audiência, Dilma enfatizou a disposição do governo federal de dar apoio financeiro e técnico aos estados que enfrentam a crise hídrica e mostrou-se "muito proativa" para resolver os problemas de abastecimento.

Antes de Pezão, Dilma recebeu o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que está enfrentando uma situação mais grave. Pimentel disse que o estado corre o risco de ter racionamento "severo" de água daqui a três meses.

Rio 247 Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 15:40:33 +0000 http://www.brasil247.com/168123
Nível do Sistema Cantareira continua em 5,1% http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/168132 : Apesar dos 7,6 milímetros (mm) de chuva de ontem para hoje e dos 21mm registrados segunda-feira 26, nível do reservatório se manteve o mesmo; os outros reservatórios de São Paulo registraram alta <br clear="all"> :

Flávia Albuquerque - Repórter da Agência Brasil

O nível do Sistema Cantareira permaneceu em 5,1%, apesar dos 7,6 milímetros (mm) de chuva de ontem (27) para hoje (28) e dos 21mm registrados segunda-feira (26). Ao longo deste mês, o índice pluviométrico alcançou 141,8mm, enquanto a média histórica do período é 271,1mm.

Os dados estão publicados no site da Companhia Estadual de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

No Alto Tietê, o nível subiu de 10,4% para 10,6%, com as chuvas chegando a 5,6mm de ontem para hoje. Em janeiro, o índice pluviométrico atingiu 91,5mm. A média histórica do mês no sistema é 251,5mm. No Guarapiranga, o nível também subiu de 46% para 47,4%, com 29mm de precipitação, totalizando 246,2 (média para o mês de 229,3mm).

No Sistema Rio Grande, o nível passou de 74,1% para 74,6%. De ontem para hoje, choveu 28,4mm na área. No mês, o total de chuvas chegou a 225mm. A média para janeiro é 251,5.

Os dados também indicam que, no Sistema Rio Claro, o nível caiu de 27,15 para 26,6%, com 0,2mm de chuvas. Em janeiro, o sistema recebeu 157,3 de chuvas, para uma média histórica de 298,9mm. No Sistema Alto Cotia, os números ficaram estáveis, com nível de capacidade de 28,4% e 71,2mm no mês. A a média histórica é 232mm.

SP 247 Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 16:16:37 +0000 http://www.brasil247.com/168132
Alagoas lidera homicídios de adolescentes http://www.brasil247.com/pt/247/alagoas247/168117 : O Estado de Alagoas registra o maior índice de assassinatos de adolescentes, segundo a 5ª edição do Índice de Homicídios na Adolescência (IHA); entre as capitais, Maceió ficou em segundo lugar, atrás apenas de Fortaleza; por região, o Nordeste também lidera o ranking; o Centro-Oeste vem em seguida <br clear="all"> :

Alagoas247 - Alagoas é o estado que registrava o maior índice de assassinato de adolescentes, conforme a 5ª edição do Índice de Homicídios na Adolescência (IHA) divulgado nesta quarta-feira (28). No estado, o risco de adolescentes com idades entre 12 e 19 anos serem mortos antes de completarem o 19º aniversário é de 8,82 para cada 100 mil habitantes. Os dados são referentes ao ano de 2012.

Entre as capitais, Maceió ficou na segunda posição, com um índice de 9,37, atrás apenas de Fortaleza (9,92).

De acordo com o levantamento, a Região Nordeste também lidera o ranking com um índice de 5,95 mortes para cada 100 mil habitantes. Seguindo essa linha, entre os anos de 2013 e 2019 a expectativa é que sejam assassinados 16,180 adolescentes na região. 

A Região Centro-Oeste vem logo depois do Nordeste, com IHA de 3,74 e 3.373 homicídios esperados; a Região Norte ocupa a terceira colocação entre as regiões, com 3,52 e 3.908 mortes esperadas. Em seguida vem a Região Sudeste, que embora tenha um índice de 2,25, espera 14.323 assassinatos de adolescentes.

Em suas conclusões, o estudo aponta um crescimento no número de homicídios de adolescentes de 12 a 18 anos de idade no Brasil e apresenta um ranking das cidades brasileiras com mais de 200 mil habitantes onde este índice se encontra mais elevado.

O levantamento foi preparado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Observatório de Favelas e Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (LAV-UERJ).

Com gazetaweb.com

 

Alagoas 247 Voney Malta Wed, 28 Jan 2015 15:01:22 +0000 http://www.brasil247.com/168117
PE entre os 10 destinos mais bonitos do Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/168116 : A praia de Porto de Galinhas, localizada em Ipojuca, Região Metropolitana do Recife, e o arquipélago de Fernando de Noronha, que pertence a Pernambuco, estão entre os dez lugares mais bonitos do País, segundo o portal britânico Global Grasshopper; piscinas naturais e esportes náuticos são destaques na publicação <br clear="all"> :

Pernambuco 247 - A praia de Porto de Galinhas, localizada em Ipojuca, Região Metropolitana do Recife, e o arquipélago de Fernando de Noronha, que pertence a Pernambuco, estão entre os dez lugares mais bonitos do Brasil, segundo o portal britânico Global Grasshopper.

A seleção dos locais foi feita pela blogueira sueca Sandra Svensson, que durante dois meses e meio viajou pelo Brasil com o objetivo de conhecer os destinos turísticos do país. Além da praia de Porto de Galinhas e do arquipélago de Fernando de Noronha, a listagem também elegeu o Rio de Janeiro, Salvador, Jericoacoara, Pantanal, Chapada Diamantina, Lençóis Maranhenses, Ilha Grande e as Cataratas do Iguaçu.

No texto sobre os destinos pernambucanos, Svensson ressalta a prática de esportes náuticos e a beleza das piscinas naturais da praia de Porto de Galinhas e ressalta que o local já foi eleito por oito vezes consecutivas como a melhor praia do Brasil. Sobre Fernando de Noronha, ela faz um questionamento: "Você gostaria de visitar uma praia brasileira que só de olhar lhe faria sentir falta de ar?" Logo em seguida ela mesma responde: "Bem, aqui você pode!".

Confira aqui a publicação do portal Global Grasshopper.

 

Pernambuco 247 Paulo Emílio Wed, 28 Jan 2015 14:53:49 +0000 http://www.brasil247.com/168116
Haddad anuncia projeto para punir uso abusivo de água http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/168112 : Prefeito da capital paulista anunciou que deve encaminhar à Câmara de Vereadores, o mais rápido possível, projeto de lei para punir consumidores pelo uso abusivo de água, como lavar calçadas; segundo ele, prioridade, porém, é criar um conjunto de medidas para enfrentar a crise hídrica, como as sugeridas por 29 prefeitos da região metropolitana reunidos hoje com o secretário estadual de Recursos Hídricos, Benedito Braga   <br clear="all"> :

SP 247 – O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), se reuniu na manhã desta quarta-feira 28 com prefeitos da região metropolitana e o secretário estadual de Recursos Hídricos, Benedito Braga, para discutir a crise hídrica no estado.

Um dia depois de a Sabesp admitir que, na pior das hipóteses, pode adotar racionamento de cinco dias sem água por semana, os prefeitos cobraram um plano de contingência para definir as ações pela redução do consumo.

Os representantes das administrações municipais sugeriram a criação de um comitê de crise, incluindo a Prefeitura, o Estado e consórcios da Grande São Paulo e, segundo Haddad, um plano baseado em cenários a partir da previsão de chuva.

"A partir de cada cenário, tomar providências para evitar colapsos", explicou. "O cenário de dois, três meses atrás divulgado pelas autoridades competentes é de que não faltaria água. Esse cenário não se confirmou", cutucou o petista.

As propostas vão ser levadas pelo secretário ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), que deve dar uma resposta em até dez dias. Benedito Braga anunciou hoje a proposta de multar em até R$ 1 mil os cidadãos que desperdiçarem água na lavagem de calçadas.

Abaixo, reportagem da Agência Brasil em que Haddad anuncia projeto para punir o uso abusivo de água em São Paulo:

Marli Moreira - Repórter da Agência Brasil

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, anunciou nesta quarta-feira 28 que deve encaminhar, o mais rápido possível, à Câmara de Vereadores projeto de lei para punir consumidores pelo uso abusivo de água, como lavar calçadas. Ele deu a informação logo após reunião com o secretário de Recursos Hídricos do estado, Benedito Braga, e mais 29 prefeitos da região metropolitana de São Paulo.

No entanto, mais importante do que essa punição, a ser adotada também nas cidades vizinhas da capital, disse o prefeito, é criar um conjunto de medidas para enfrentar a crise hídrica. Haddad acrescentou que, por isso, os prefeitos apresentaram sugestões ao governo do estado visando à criação de um comitê de acompanhamento da crise hídrica e de um canal de comunicação com a população.

A ideia, conforme o prefeito, é estudar os vários cenários possíveis de falta d'água e, diante disso, tomar providências para evitar um colapso no abastecimento. Há uma preocupação sobre como seria o tratamento especial em relação a órgãos públicos que envolvem a saúde, no caso, hospitais e postos de atendimento; segurança (penitenciárias, por exemplo) e educação (escolas e creches).

Haddad disse que o secretário se comprometeu a dar uma resposta em dez dias. Segundo ele, os prefeitos não esperavam pelo anúncio de ontem (27), quando o governo do estado acenou para a possibilidade de aplicar o rodízio de cinco dias sem fornecimento de água. "A possibilidade desse rodízio é uma medida muito dura", avaliou o prefeito.

O secretário Benedito Braga destacou, porém, que, embora a situação seja difícil em razão da baixa quantidade de chuva que tem caído sobre os reservatórios, não é motivo para que a população entre em desespero, porque nenhuma medida drástica sobre o rodízio será tomada sem antes um estudo mais detalhado e com transparência das ações a serem seguidas. Uma medida como essa, segundo ele, "não se toma da noite para o dia; é preciso um trabalho para verificar locais como hospitais e penitenciárias, que não podem ficar sem água".

SP 247 Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 14:07:56 +0000 http://www.brasil247.com/168112
Índice de Confiança da Indústria cresce em janeiro http://www.brasil247.com/pt/247/economia/168106 : Índice de Confiança da Indústria (ICI), medido pela FGV, passou de 84,3 para 85,9 pontos, avançando 1,9% entre dezembro de 2014 e janeiro de 2015; no mês anterior havia recuado 1,5%; o ICI deste período é o maior desde junho passado (87,2 pontos) <br clear="all"> :

Flávia Albuquerque - Repórter da Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria (ICI), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre), passou de 84,3 para 85,9 pontos, avançando 1,9% entre dezembro de 2014 e janeiro de 2015. No mês anterior havia recuado 1,5%. O ICI deste período é ligeiramente superior ao nível de novembro passado e é o maior desde junho passado (87,2 pontos).

De acordo com a FGV/Ibre a alta em janeiro foi determinada tanto pelas avaliações sobre o momento presente quanto pelas expectativas em relação aos meses seguintes. O Índice da Situação Atual (ISA) avançou 2,1%, para 85,8 pontos. O Índice de Expectativas (IE) registrou alta de 1,8% – 89,2 pontos –, o maior desde maio passado.

"Embora permaneça extremamente baixo em termos históricos, o ICI consolida-se em patamar superior ao de setembro, o pior momento do ano passado. Há alguma melhora na percepção em relação à demanda e ao nível de estoques, mas as expectativas são ainda incompatíveis com um cenário de recuperação consistente e contínua", avaliou o superintendente adjunto para ciclos econômicos da FGV/IBRE, Aloisio Campelo Jr.

O indicador que mede o grau de satisfação dos industriais com o nível de demanda exerceu a maior influência na alta do ISA em janeiro, ao passar de 76,5 para 82,1 pontos e avançar 7,3% entre dezembro e janeiro. A parcela das empresas que o consideram forte diminuiu de 7,6% para 7,1%, e as que avaliam como fraco caiu de 31,1% para 25%.

O indicador de produção previsto avançou para 8,9% – 119,1 pontos – o maior nível desde março de 2014. A proporção de empresas que preveem aumentar a produção nos próximos três meses continuou em 32,4% e a parcela das que esperam diminuir a produção caiu de 23% para 13,3%.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) aumentou 0,7 ponto percentual (p.p.) entre dezembro e janeiro, ao passar de 81,3% para 82%.

Economia Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 13:11:23 +0000 http://www.brasil247.com/168106
Ato de centrais sindicais mira 'pacote de maldades' http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/168096 : Cerca de duas mil pessoas, segundo a Polícia Militar, protestaram em São Paulo em defesa da revogação das medidas anunciadas no fim de 2014 que mudam as regras para benefícios previdenciários; segundo as seis centrais sindicais, que organizaram o protesto, as MPs "retiram direitos dos trabalhadores"; "Nós não concordamos e achamos que isso é muito prejudicial ao trabalhador", disse o presidente da CUT, Vagner Freitas; deputado Paulinho da Força apelou: "ou [a presidente Dilma] está doida ou acha que só tem idiota do lado de cá" e chamou as medidas de "maldito pacote de maldades" <br clear="all"> :

247, com Agência Brasil - Uma manifestação das centrais sindicais na capital paulista interditou nesta manhã a Avenida Paulista, uma das principais da cidade. O ato foi contra as medidas provisórias 664 e 665, anunciadas no final do ano passado pelo governo federal, que alteram regras para benefícios sociais como pensão, auxílio-doença e seguro-desemprego.

Segundo a Polícia Militar, cerca de duas mil pessoas participam do ato. Representantes das centrais sindicais estimam que 10 mil pessoas estariam presentes. O protesto começou às 9h no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo, e os manifestantes permanecem no local. Agentes de trânsito bloquearam, por volta das 10h30, o trecho da Avenida Paulista em frente ao museu.

Os manifestantes pretendem seguir em passeata até o prédio da Petrobras e depois para o Ministério da Fazenda, com o objetivo de entregar um documento com críticas às medidas do governo. Há protestos agendados em vários outros estados (veja a agenda aqui).

O protesto é organizado por seis centrais sindicais: Central Única dos Trabalhadores, Força Sindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Sindicatos Brasileiros, a Nova Central e movimentos sociais.

De acordo com João Carlos Gonçalves (Juruna), secretário-geral da Força Sindical, os sindicatos defendem que o governo adote fórmulas para melhorar a arrecadação e evitar a retirada de benefícios trabalhistas. Entre as ações, estão o combate à fraude, à evasão de pagamento dos direitos e o aumento da fiscalização.

"As medidas provisórias retiram, na nossa opinião, os diretos dos trabalhadores. Já estamos em negociação com o governo, então, esta manifestação é uma maneira de demonstrar a insatisfação dos trabalhadores, dos movimentos sociais com essas medidas neoliberais", disse Juruna.

Na opinião do sindicalista, as medidas provisórias prejudicam classes de trabalhadores mais fragilizadas. "Não basta diminuir o seguro-desemprego, não basta cortar o abono, porque essas medidas acabam prejudicando principalmente aqueles que conseguem empregos de pequena duração e os jovens que estão pegando empregos de muita rotatividade no nosso país", declarou.

O deputado Paulo Pereira da Silva, também da Força Sindical, disse, sobre a presidente Dilma Rousseff, que "ou ela está doida ou acha que só tem idiota do lado de cá" e chamou as medidas de "maldito pacote de maldades".

O presidente da CUT, Vagner Freitas, afirmou que "nós [as centrais sindicais] não concordamos e achamos que isso é muito prejudicial ao trabalhador".

Luiz Carlos Mota, presidente da UGT em São Paulo, reclama que o movimento sindical foi pego de surpresa pelas medidas provisórias, pois o assunto não foi discutido com os representantes dos trabalhadores. "Este é o momento em que os trabalhadores estão mostrando para a presidenta Dilma que não podemos retroceder nos direitos trabalhistas, temos que avançar", disse ele.

Além das medidas provisórias, outra questão levantada por Mota é a pauta trabalhista. "A redução da jornada de trabalho, o fim do fator previdenciário, a correção da tabela do Imposto de Renda são questões que estão afetando o bolso do trabalhador. São reivindicações que temos feito com as centrais sindicais há vários anos. Nunca se mexeu em nada da pauta trabalhista. E agora vem querer mexer na questão do seguro-desemprego, abono, auxílio-doença. Nós não vamos admitir isso não", declarou.

Brasil Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 12:35:53 +0000 http://www.brasil247.com/168096
Pimentel: Minas pode ter racionamento “severo” http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/168100 : Governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, disse que o estado pode enfrentar um racionamento "severo" de água daqui a três meses; o estado é um dos mais atingidos pela crise hídrica que ameaça o abastecimento em parte do país; "Se não chover, se o consumo não cair e a vazão não aumentar - se não conseguirmos mais captação, em três meses vamos ter que racionar severamente", disse o petista, após reunir-se com a presidente Dilma e o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, no Palácio do Planalto, para discutir a situação dos reservatórios mineiros <br clear="all"> :

Luana Lourenço - Repórter da Agência Brasil

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, disse hoje (28) que o estado pode enfrentar um racionamento "severo" de água daqui a três meses. O estado é um dos mais atingidos pela crise hídrica que ameaça o abastecimento em parte do país.

"Se não chover, se o consumo não cair e a vazão não aumentar - se não conseguirmos mais captação, em três meses vamos ter que racionar severamente", disse o governador após reunir-se com a presidenta Dilma Rousseff e o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, no Palácio do Planalto, para discutir a situação dos reservatórios mineiros.

Apesar do diagnóstico pessimista, Pimentel espera que medidas emergenciais possam atenuar os impactos da escassez e evitar o racionamento. O governo mineiro estabeleceu a meta de economia de 30% de água na região metropolitana de Belo Horizonte e criará uma sobretaxa para quem consumir mais água que em 2014. Além disso, uma obra de transposição do Rio Paraopeba para o Rio Manso, que abastece a capital, deverá melhorar o cenário até o fim do ano, antes da próxima estiagem.

“Vai chover um pouco, podemos aumentar a captação mesmo sem essa obra [transposição] e o consumo vai cair. Colocamos essa meta de 30%, que é uma meta factível e que nos permite vislumbrar atravessar o ano sem medidas drásticas, mas se isso não acontecer, vamos para o rodízio e para o racionamento”, confirmou.

A obra de aumento da vazão do Rio Manso deverá ficar pronta em novembro e será financiada com um aditivo em um contrato de Parceria Público Privada que já existe, de acordo com o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

“Esse contrato que já existe será adaptado para aumentar a vazão para esse reservatório. Nós não temos outros detalhes, isso vai ser trabalhado entre as equipes técnicas. A ideia é que a gente tenha detalhes até o fim de fevereiro para que o governo federal possa decidir como vai auxiliar nisso: pode ser com a inclusão entre as obras do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], como foi feito com obras de São Paulo, pode ser uma ação conjunta para viabilizar a execução desse investimento, no que se refere a licenciamento que depende do governo federal e outras modalidades”, explicou.

Segundo Pimentel, a obra custará “menos de R$ 1 bilhão”. O governador criticou a ausência de medidas do governo anterior em relação à crise hídrica em Minas e disse que a situação já era conhecida desde o ano passado quando o governador era Antonio Anastasia, do PSDB.

“Essa situação já podia ter sido detectada em meados do ano passado, a Agência Nacional de Águas chegou a fazer dois alertas para a Copasa, nossa empresa estadual de saneamento, em agosto e em setembro, sobre a gravidade da situação, e esses alertas não foram levados em conta. A população não foi comunicada da gravidade da situação e essas medidas de economia, que podiam ter sido adotadas há seis meses, não foram. Vão ter que ser tomadas agora, com atraso, e portanto, com mais intensidade”, comparou.

Além de Pimentel, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, também será recebido por Dilma nesta quarta-feira para discutir medidas de apoio do governo federal no enfrentamento da crise hídrica.

Minas 247 Leonardo Lucena Wed, 28 Jan 2015 12:55:16 +0000 http://www.brasil247.com/168100
Petrobras desaba após balanço e puxa Ibovespa http://www.brasil247.com/pt/247/economia/168092 : Petroleira fechou com perdas de 11%, azedando o humor na Bovespa, que encerrou o dia em baixa de 1,85%; ações da estatal abriram em queda de 8% no pregão desta quarta-feira 28 e chegaram a desabar 12% ao longo do dia, depois de divulgado balanço que decepcionou o mercado ao não registrar as baixas contábeis relacionadas aos desvios de dinheiro na petroleira; segundo a empresa, é "impraticável quantificar de forma correta, completa e definitiva" as perdas resultantes da investigação Lava Jato <br clear="all"> :

Por Ricardo Bomfim 

SÃO PAULO - Em uma sessão dominada pelo noticiário sobre Petrobras, o Ibovespa fechou em baixa de 1,85%, a 47.694 pontos, puxado principalmente pela queda das ações da estatal. Nos últimos minutos, o índice ainda foi afetado de modo bastante modesto pela reunião do FOMC (Comitê Federal de Mercado Aberto), que manteve os juros básicos da economia norteamericana entre 0% e 0,25%. O volume financeiro negociado foi de R$ 5,927 bilhões.

O dólar fechou em leve alta de 0,24%, a R$ 2,5750 na compra e R$ 2,5769 após a reunião do FOMC, na qual a autoridade monetária repetiu que pode ser paciente antes de começar a subir taxas. O Federal Reserve, banco central norte-americano, ainda disse que viu a inflação cair e que ela deve baixar ainda mais.

Segundo o analista da Guide Investimentos, Luís Gustavo Pereira, o Ibovespa estaria quase no zero a zero não fosse a forte baixa da Petrobras. Para ele, papéis mais defensivos estão ganhando pressão compradora, diante do pessimismo no mercado principalmente por conta do que ocorre com a petroleira. 

Aqui, o principal driver foi a divulgação do resultado do terceiro trimestre de 2014 da Petrobras (PETR3, R$ 8,63, -10,48%; PETR4, R$ 9,03, -11,21%), ainda não aprovado por uma auditoria. As expectativas do mercado eram de que o balanço registraria baixas contábeis relacionadas aos desvios de dinheiro dos cofres da empresa para o pagamento de propinas a empresários e políticas, como foi descoberto pela Operação Lava Jato da Polícia Federal. Contudo, essas previsões foram frustradas e a estatal mostrou apenas um lucro líquido de R$ 3,087 bilhões no terceiro trimestre de 2014, ante R$ 3,395 bilhões no mesmo período de 2013. Uma queda forte mesmo sem contabilizar a corrupção.

Segundo fonte ouvida pelo Valor Econômico, o fato de não fazer uma baixa contábil nesse momento, como era esperado, não significa que isso não será feito no futuro. "Haverá dentro de alguns meses alguns números confiáveis para serem publicados", explicou a fonte.

Reunião de Dilma Se do lado da Petrobras, o balanço desanimou os mercados. do lado da reunião ministerial da presidente Dilma Rousseff (PT), ocorreu tudo como esperado. A presidente demonstrou apoio às medidas de aperto fiscal apregoadas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy e não deu sinalizações de querer voltar atrás em quaisquer das políticas anunciadas.

Ações em destaque As ações da Vale (VALE3, R$ 18,95,  -0,26%; VALE5, R$ 16,85,  -0,82%)  caíram pelo quinto pregão consecutivo.Acompanharam o movimento as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 11,99, -2,20%), holding que detém participação na mineradora.

Do lado da alta ficaram as "ações de viciados" como Ambev (ABEV3, R$ 17,11, +0,94%) e Souza Cruz (CRUZ3, R$ 22,90, +3,43%), que segundo Luís Gustavo, da Guide, se beneficiam por serem papéis de perfil defensivo, com maior distribuição de dividendos e demanda mais resiliente, funcionando como portos seguros em tempos de pessimismo na Bolsa.

O governador fluminense Luiz Pezão (PMDB) quer quebrar o monopólio da BM&F Bovespa (BVMF3, R$ 9,66, -1,83%). Isto porque, segundo coluna do Ancelmo Gois, do jornal O Globo, ele estaria empenhado para, junto ao ministro da Fazenda e à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que o Rio de Janeiro tenha de volta uma Bolsa de Valores. Segundo a publicação, o secretario Julio Bueno tem se reunido com o pessoal da bolsa mercantil de Nova York (NYMEX).

As ações da Braskem  (BRKM5, R$ 11,91,  -2,62%)  seguiram em queda livre desde que aumentou o risco de um racionamento de energia. A companhia, grande consumidora de energia, desaba 31,94% no ano. Com a derrocada, os papéis voltam aos patamares de julho de 2012.

Também ficaram em baixa os bancos Bradesco (BBDC3, R$ 33,96,  -2,97%;  BBDC4, R$ 35,14, -2,39%) e Itaú (ITUB4, R$ 33,60, -2,04%), que para Luís Gustavo, são prejudicados por expectativas mais baixas para os seus balanços, que serão divulgados nas próximas semanas. "Acho que o cenário está convergindo para uma redução marginal nesses resultados", disse. O principal motivo para essa descrença nos balanços seria porque a melhora na qualidade do crédito não está sendo tão significativa quanto o esperado.

Mas dentro do setor, o banco que mais caiu foi o Banco do Brasil (BBAS3, R$ 22,01, -4,30%), que além das preocupações do setor, ainda sofre com o temor de que estando mais exposto a ativos da Petrobras, seja prejudicado no futuro. Para Celson Plácido, estrategista-chefe da XP Investimentos, a petroleira se encontra muito endividada e sem baixa contábil no balanço, o que deve prejudicar seu financiamento em instituições privadas no futuro. Com isso, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal podem ser usados no futuro para capitalizar a estatal. 

Silêncio, boatos e queda das ações: o resumo do dia da Petrobras em números

O dia que o mercado tanto aguardava chegou e os investidores continuaram sem saber o que mais queriam. A Petrobras (PETR3; PETR4) apresentou seu balanço do terceiro trimestre do ano passado, mas mais uma vez não divulgou as baixas contábeis em relação aos casos de corrupção envolvendo a empresa. Com toda a decepção, as ações da companhia não foram perdoadas.

Na noite de ontem uma "prévia" da queda de hoje já havia sido apresentada ao mercado com os ADRs da estatal negociado em Nova York despencando quase 5%. Para se ter uma ideia do dia negativo da empresa, a máxima das ações hoje na Bovespa foram de queda de 5,39%, enquanto na mínima os ativos da estatal despencaram 12%.

As ações ordinárias fecharam com queda de 10,48%, a R$ 8,63, enquanto as preferenciais recuaram 11,21%, para R$ 9,03. Tudo isso representa uma perda de valor de mercado de R$ 13,90 bilhões apenas hoje. Enquanto isso, o volume movimentado pelos papéis superou com facilidade a média dos últimos 21 dias, com os ativos ordinários movimentando R$ 261,80 milhões, enquanto os preferenciais tiveram volume de R$ 955,75 milhões.

Enquanto as ações caem, as opções disparam

Quem apostou na queda das ações da Petrobras hoje pode ter se dado muito bem na Bolsa, principalmente quem operou no mercado de opções. Com a forte derrocada das ações da estatal, opções de venda da companhia chegaram a disparar mais de 100% nesta quarta-feira (28).

Isto porque uma "put" (opção de venda) dá o direito do investidor vender uma ação em um vencimento pré-determinado por um valor "X". Ou seja, quando a ação cai, a opção de venda tende a subir, mas em uma amplitude muito maior já que seu valor de face é muito baixo quando comparado às ações.

Para conferir o desempenho das opções da estatal, clique aqui.

O resultado A estatal anunciou que registrou lucro líquido de R$ 3,087 bilhões no terceiro trimestre de 2014, ante R$ 3,395 bilhões no mesmo período de 2013. Este lucro representa uma queda de 38% em relação ao trimestre anterior em 2014, "refletindo o menor lucro operacional", segundo a Petrobras. Já frente ao mesmo período de 2013, quando o lucro havia sido de R$ 3,395 bilhões, o recuo foi de 9,9%.

O resultado não incluiu baixas contábeis relacionadas às denúncias de corrupção da Operação Lava Jato, mas incluiu baixas de R$ 2,7 bilhões de reais com a descontinuidade dos projetos das refinarias Premium I e II.

Já o Ebitda ajustado da companhia ficou em R$ 11,7 bilhões, ante R$ 16,2 bilhões no segundo trimestre de 2014 e R$ 13,1 bilhões no terceiro trimestre de 2013.  A divulgação das demonstrações contábeis não revisadas pelos auditores independentes "tem o objetivo de atender obrigações da companhia (covenants) em contratos de dívida e facultar o acesso às informações aos seus públicos de  interesse, cumprindo com o dever de informar ao mercado e agindo com transparência com relação aos eventos recentes que vieram a público no âmbito da 'Operação Lava Jato'".

A "companhia entende que será necessário realizar ajustes nas demonstrações contábeis para a correção dos valores  dos ativos imobilizados que foram impactados por valores  relacionados aos atos ilícitos perpetrados por empresas  fornecedoras, agentes políticos, funcionários da Petrobras e outras pessoas no âmbito da 'Operação Lava Jato'".

"No entanto, em face da impraticabilidade de  quantificar de forma correta, completa e definitiva tais  valores que foram capitalizados em seu ativo  imobilizado, a companhia considerou a adoção de abordagens alternativas para correção desses valores: i) uso de um percentual médio de pagamentos indevidos, citados em depoimentos; ii) avaliação a valor justo dos ativos cuja constituição se deu por meio de contratos de fornecimento de bens e serviços firmados com empresas  citadas na ''Operação Lava Jato''. Essas alternativas se  mostraram inapropriadas para substituir a impraticável  determinação do sobrepreço relacionado a esses  pagamentos indevidos", informou a companhia em seu release de resultado.

Uma fonte ouvida pela Reuters afirmou que a Petrobras  pode divulgar os resultados auditados do ano de 2014 no final de abril, com as perdas contábeis por conta da corrupção deflagrada na Operação Lava Jato. Além disso, as divulgações do quarto trimestre devem vir já com as baixas contábeis.

Mas por que não publicaram as baixas? Sem dar números precisos, a Petrobras disse em notas explicativas de seu balanço que encontrou ativos superavaliados em R$ 88,6 bilhões, o equivalente a 47% do total de ativos nos quais a empresa faz uma varredura. Esses ativos para avaliação somam R$ 188,4 bilhões, praticamente 1/3 do ativo imobilizado total da Petrobras, de R$ 600,1 bilhões. A escolha baseou nos ativos cujos contratos foram firmados entre a Petrobras e as empresas citadas na Operação Lava Jato entre 2004 e abril de 2012.

O problema do número exposto pela empresa é ele ainda não é conclusivo e, por isso, não pôde ser usado para fazer a baixa contábil. A empresa sugere que o trabalho ainda não terminou. O motivo é que a estatal ainda não conseguiu encontrar uma metodologia adequada para calcular o tamanho do estrago. Foram avaliados 21 ativos do segmento de Abastecimento, 11 de Gás e Energia, 19 de Exploração e Produção e 1 da área Corporativa.

O que disseram os especialistas Entre reações de frustração do mercado, as atenções não ficaram muito voltadas para os números da companhia, e sim para as perspectivas de quando virão as baixas contábeis. A conclusão de uma avaliação feita pela companhia é de os ativos com valor justo abaixo do valor contábil continham diferenças a maior de R$ 88,6 bilhões e a menor de R$ 27,2 bilhões.

"Assim, podemos concluir que, em termos líquidos, os ativos da empresa teriam de ser reduzidos em R$ 61,4 bilhões. Este valor é equivalente a 17,5% do Patrimônio Líquido em 30 de setembro de 2014 ou a 47,7% do Valor de Mercado, considerando as cotações de ontem", destaca a Planner Corretora.

Já a Guide Investimentos destaca que a estatal divulgou uma "peça de ficção", uma vez que o conselho não chegou a um consenso e continuarão presentes as incertezas em torno da companhia. "Não é só ruim para ela: menores investimentos dela afetam, e de forma expressiva, os investimentos do país como um todo – algo que deve continuar contribuindo para a revisão do crescimento do PIB nas próximas semanas", afirma a equipe da corretora.

Economia Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 11:35:06 +0000 http://www.brasil247.com/168092
Lava Jato pode prejudicar investimentos e até o PIB http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/168085 : Obras paradas da Petrobras e das empreiteiras investigadas na Operação da Polícia Federal devem afetar a projeção para os investimentos em infraestrutura e até a expectativa para o crescimento do PIB, de acordo com estimativa da Tendências Consultoria; empresa, que calculou o peso das empreiteiras nos projetos do País, acredita que o resultado das apurações contra corrupção podem retirar até 1,5% do crescimento econômico em 2015; "O impacto deve ser maior do que imaginávamos anteriormente", afirma a analista Alessandra Ribeiro <br clear="all"> :

247 – Não fosse o desenrolar das investigações da Lava Jato, o Brasil poderia crescer 1% em 2015, já considerando os ajustes fiscais anunciados pelo novo governo, acredita a Tendências Consultoria.

Mas os efeitos do esquema de corrupção derrubou a projeção da empresa para 0,6% e agora, com base na paralisia das obras da Petrobras e das empreiteiras envolvidas no caso, segundo a Polícia Federal, a Tendências voltou a revisar sua projeção, desta vez para uma retração de 0,5%.

"Já contávamos com uma redução na projeção anterior por conta da Lava¬ Jato, mas o impacto deve ser maior do que imaginávamos inicialmente", disse a analista Alessandra Ribeiro, de acordo com reportagem do jornal Valor Econômico. "O efeito multiplicador da Petrobras é muito grande", explica.

As obras paradas, na avaliação da consultoria, podem causar uma queda de cerca de 15% nos investimentos em infraestrutura. A nova previsão da Tendência é apenas mais uma entre várias que começaram a revisar suas expectativas de crescimento da economia brasileira com base na investigação da PF. 

Sozinha, a Petrobras representa cerca de 2% do PIB – que seriam os US$ 220 bilhões planejados no programa de investimentos da estatal entre 2014 e 2018. Nas contas da consultoria, a cada R$ 1 que a empresa aplica, R$ 1,90 são alavancados na economia.

As empreiteiras investigadas também têm um peso grande. A estimativa é que os projetos tocados por elas atualmente no País, segundo o levantamento da Tendências, representem 2,8% do PIB.

Brasil Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 11:01:58 +0000 http://www.brasil247.com/168085
Londrina teve o prenúncio para casos da Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/168097 : Município do Centro-Norte paranaense, Londrina foi o centro de casos preliminares de corrupção tendo o doleiro Alberto Youssef como o principal envolvido; segundo entrevistados, os supostos crimes investigados na Operação Lava Jato são similares à experiência de corrupção enfrentada pela cidade nas últimas décadas; Youssef já era alvo de investigações em 2000; Londrina, no entanto, rejeita a fama de ser mais corrupta do que outras; "Londrina desenvolveu uma cultura de resistência, de inconformismo", afirma o promotor Cláudio Esteves, do Gaeco <br clear="all"> :

Paraná 247 – Município do Centro-Norte paranaense, a 381 quilômetros de Curitiba (PR), Londrina foi o centro de casos preliminares de corrupção tendo o doleiro Alberto Youssef como o principal envolvido. Segundo entrevistados, os supostos crimes investigados na Operação Lava-Jato são similares à experiência de corrupção enfrentada pelo município nas últimas décadas.

Atual subprocurador-Geral da Justiça do Ministério Público do Paraná, Bruno Sérgio Galatti, esteve à frente das investigações, em 2000, quando o MP descobriu que Youssef descontou, em uma agência de Londrina do extinto banco estadual Banestado, um cheque de R$ 120 mil. O valor foi pago a uma empresa que não existia, por serviços que não foram prestados, e contratados por meio de licitações forjadas na antiga Autarquia Municipal do Ambiente (Ama), atual Secretaria Municipal do Ambiente (Sema).

Apesar de ter tido nomes de projeção nacional envolvidos em corrupção, como o ex-deputado federal André Vargas, que teve seu mandato em 2014 e foi vereador de Londrina, a cidade de ser a mais corrupta que as outras. "Londrina desenvolveu uma cultura de resistência, de inconformismo", afirma o promotor Cláudio Esteves, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em Londrina, que atuou nas investigações que levaram à cassação do ex-prefeito Antonio Belinati.

Leia mais nas edições do Valor (aqui e aqui)

 

Paraná 247 Leonardo Lucena Wed, 28 Jan 2015 12:48:56 +0000 http://www.brasil247.com/168097
Miriam e Mantega barraram grandes baixas contábeis por Petrobras, diz fonte http://www.brasil247.com/pt/247/economia/168102 : Guido Mantega (Fazenda) e Miriam Belchior (Planejamento) Os ex-ministros Guido Mantega e Miriam Belchior, chairman e conselheira da Petrobras, pressionaram o colegiado, reunido na terça-feira, a não aceitar grandes baixas contábeis em ativos da estatal que poderiam ser percebidas como integralmente relacionadas às denúncias de corrupção na estatal, disse nesta quarta-feira uma fonte à agência Reuters; baixas por corrupção podem ser incluídas no balanço auditado no final de abril <br clear="all"> : Guido Mantega (Fazenda) e Miriam Belchior (Planejamento)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os ex-ministros Guido Mantega e Miriam Belchior, chairman e conselheira da Petrobras, pressionaram o colegiado, reunido na terça-feira, a não aceitar grandes baixas contábeis em ativos da estatal que poderiam ser percebidas como integralmente relacionadas às denúncias de corrupção na estatal, disse nesta quarta-feira uma fonte com conhecimento direto do assunto.

A Petrobras divulgou na madrugada desta quarta-feira o balanço não auditado do terceiro trimestre de 2014 sem incluir baixas contábeis relacionadas à corrupção apontada pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, frustrando expectativas de analistas e investidores.

O Conselho, reunido na sexta-feira passada sem a presença de Mantega e Miriam, havia decidido oficializar as baixas contábeis, mas os ex-ministros reverteram a decisão no longo e tenso encontro de terça, disse a fonte, que pediu para não ser identificada.

"Essencialmente, o governo não queria que as baixas contábeis fossem interpretadas como totalmente relacionadas à corrupção", disse a fonte à Reuters.

(Reportagem de Jeb Blount)

As baixas por corrupção podem ser incluídas no balanço auditado no final de abril da estatal. Leia abaixo na reportagem do portal Infomoney:

Petrobras pode incluir baixas por corrupção em balanço auditado no final de abril 

SÃO PAULO - A Petrobras  (PETR3;PETR4)  pode divulgar os resultados auditados do ano de 2014 no final de abril, com as perdas contábeis por conta da corrupção deflagrada na Operação Lava Jato, de acordo com uma fonte ouvida pela Reuters. As divulgações do quarto trimestre de 2014 devem vir com as baixas contábeis.

A fonte pediu anonimato porque não tinha autorização para falar com a imprensa, de acordo com a agência. A Petrobras anunciou na madrugada de hoje que registrou lucro líquido de R$ 3,087 bilhões no terceiro trimestre de 2014, ante R$ 3,395 bilhões no mesmo período de 2013, segundo balanço não auditado divulgado na madrugada desta quarta-feira. O resultado não incluiu baixas contábeis relacionadas às denúncias de corrupção da Operação Lava Jato porque a companhia ainda não chegou a um consenso. As perdas contábeis podem chegar a R$ 88,6 bilhões. 

Economia Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 12:57:30 +0000 http://www.brasil247.com/168102
Proibir Lista Suja "enfraquece" combate ao trabalho escravo http://www.brasil247.com/pt/247/agro/168093 : SONY DSC Esta é a avaliação de autoridades do governo federal, Ministério Público e especialistas no tema, que consideram a proibição de publicar o Cadastro de Empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas à escravidão como um "ataque" a um dos principais instrumentos da política brasileira de combate a esse tipo de crime <br clear="all"> : SONY DSC

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil

A proibição de publicar o Cadastro de Empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas à escravidão, conhecido como Lista Suja, foi considerada por autoridades do governo federal, Ministério Público e especialistas no tema como um "ataque" a um dos principais instrumentos da política brasileira de combate a esse tipo de crime.

Instituída em 2003 e atualizada em 2004, a Lista Suja estava disponível até o último dia 31 de dezembro no site do Ministério do Trabalho, quando foi retirada do ar após liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowiski, acatando pedido da Associação das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).

A liminar foi concedida um dia antes da atualização semestral, feita pelo Ministério do Trabalho. A lista contém os nomes dos empregadores que foram flagrados submetendo trabalhadores a condições análogas à escravidão e que não tenham conseguido contestar o auto de infração.

Para o coordenador da organização não governamental Repórter Brasil e integrante da Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo, jornalista Leonardo Sakamoto, a proibição da divulgação da Lista Suja se insere em uma estratégica de "enfraquecimento" da política brasileira de combate ao trabalho escravo.

"Quem se utiliza do trabalho escravo não fica impávido esperando para ver o que acontece. Ele reage. Reage às fiscalizações e às punições. O que aconteceu é que o sistema econômico brasileiro que se utiliza do trabalho escravo está reagindo", disse Sakamoto à Agência Brasil. Para ele, a tentativa de enfraquecimento do combate ao trabalho escravo também passa pela tentativa de "flexibilização" do que é considerado trabalho escravo.

"É aquela coisa: já que não se consegue impedir o combate, vamos mudar o conceito. Alguns setores querem alterar para diminuir o combate. [A proibição da divulgação da Lista Suja] é também atentado à liberdade de expressão, porque a Lista Suja nada mais é que uma base de dados de transparência", acrescentou Sakamoto.

O chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério da Trabalho, Alexandre Lyra, argumentou que o empregador antes de ter o nome inserido na lista tem amplo direito de defesa, podendo contestar o auto de infração lavrado pelos auditores-fiscais do trabalho. Por isso, ele considerou a proibição de divulgar a Lista Suja um golpe no enfretamento ao trabalho escravo.

"Infelizmente, o Supremo determinou que retirássemos do site a oferta desses nomes à sociedade. Estamos lutando para reverter a liminar, mas é um duro golpe justamente pelo compromisso do Ministério do Trabalho em dar ciência à sociedade desses nomes", lamentou Lyra.

Apesar de respeitar a decisão liminar do STF, o procurador-geral do Trabalho, Luís Antônio Camargo, prometeu "trabalhar arduamente" para rever a decisão.

"O Cadastro de Empregadores Infratores é um beneficio que a sociedade brasileira tem, nos ajuda a identificar as pessoas físicas e jurídicas que estão sendo investigadas por manter trabalhadores em condições análogas à de escravo. Esse é um absoluto benefício para a sociedade – do Poder Público para a sociedade – na erradicação do trabalho escravo contemporâneo no Brasil", disse Camargo.

"Não posso admitir que o dinheiro público, que o sistema financeiro que opera com recursos públicos – e que às vezes falta para áreas importantes como saneamento e habitação, seja utilizado para financiar trabalho escravo. A partir de fevereiro, com a volta das atividades do Judiciário, vamos trabalhar arduamente para modificar essa decisão e permitir que o Cadastro de Empregadores Infratores, conhecido como Lista Suja, seja publicado, [para que] as pessoa tenham acesso à informação e que o dinheiro público não seja utilizado para financiar a exploração de trabalhadores no Brasil", acrescentou o procurador-geral do Trabalho.

Em nota, a Abrainc explicou que o pedido de liminar foi feito por considerar as portarias do Ministério do Trabalho que instituíram a Lista Suja inconstitucionais, por "substituírem a competência legislativa do Congresso Nacional, assim como o procedimento dessa inclusão desrespeitar o devido processo legal."

A associação acrescentou que "tem trabalhado incessantemente para promover o setor imobiliário, um dos maiores empregadores do país, buscando, entre outros objetivos, o aprimoramento das relações de trabalho". A Abrainc disse também em nota, que se posiciona veementemente contra o trabalho em condições análogas à escravidão e que "continuará envidando todos os seus esforços para a eliminação completa [do trabalho escravo] em todos os setores da sociedade brasileira."

Agro Gisele Federicce Wed, 28 Jan 2015 11:46:23 +0000 http://www.brasil247.com/168093
Rodízio de água deve vir nos próximos 50 dias http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/168040 : Sabesp avalia que o racionamento mencionado pelo diretor metropolitano da empresa, Paulo Massato, terá de ser adotado nos próximos dois meses; segundo ele, "o cálculo conceitual, teórico para reduzir 15 metros cúbicos por segundo no sistema Cantareira, precisaria de um rodízio de dois dias com água por cinco dias sem água”; a ordem dada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) à estatal é "não deixar zerar" os reservatórios; ontem, ele anunciou obra para dobrar a captação de água do córrego Guaratuba para o Sistema do Alto Tietê <br clear="all"> :

247 – A implantação oficial do rodízio de água em São Paulo deve ocorrer nos próximos 50 dias, embora o governo tucano de Geraldo Alckmin diga que não há nada definido.

Segundo a colunista Vera Magalhães, a Sabesp avalia que o racionamento mencionado nesta terça-feira pelo diretor metropolitano da empresa, Paulo Massato, terá de ser adotado nos próximos dois meses.

De acordo com ele, “o cálculo conceitual, teórico para reduzir 15 metros cúbicos por segundo no sistema Cantareira, precisaria de um rodízio de dois dias com água por cinco dias sem água”. A ordem dada pelo governador à estatal é "não deixar zerar" os reservatórios.

Ontem, Alckmin anunciou que a oferta de água para a Grande São Paulo foi aumentada em 500 litros por segundo, com a inauguração da ampliação da transferência de água do córrego Guaratuba para o Sistema Alto Tietê. A obra foi executada em pouco mais de dois meses.

Atualmente, 500 litros por segundo de água são transferidos do córrego Guaratuba para a Grande São Paulo. Com a nova obra, o volume dobrará, chegando a 1.000 litros por segundo.

SP 247 Roberta Namour Wed, 28 Jan 2015 05:53:56 +0000 http://www.brasil247.com/168040
Aeroporto de Brasília se torna o 2º maior do Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/168066 : Com expansão de 10%, chegando a 18,1 milhões de passageiros, terminal ultrapassou Congonhas (SP) e Galeão (RJ) e se tornou o segundo mais movimentado do país em 2014, atrás apenas de Guarulhos; aeroporto é controlado pela concessionária formada pelo grupo brasileiro Engevix e pela argentina Corporación América, que investiu R$ 1,2 bilhão em sua ampliação <br clear="all"> :

247 – O aeroporto de Brasília se tornou o 2° maior do Brasil. Com expansão de 10%, chegando a 18,1 milhões de passageiros, terminal ultrapassou Congonhas (SP) e Galeão (RJ) e se tornou o segundo mais movimentado do país em 2014, atrás apenas de Guarulhos.

O aeroporto é controlado pela concessionária formada pelo grupo brasileiro Engevix e pela argentina Corporación América, que investiu R$ 1,2 bilhão em sua ampliação.

O crescimento também foi impulsionado pela redução do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o combustível de aviação no Distrito Federal em 2013 - de 25% para 12%. Após a medida, companhias aéreas passaram a incluir Brasília na rota dos voos.

Leia aqui reportagem de Fabio Pupo sobre assunto.

Brasília 247 Roberta Namour Wed, 28 Jan 2015 06:29:11 +0000 http://www.brasil247.com/168066
Pezão quer reativar a Bolsa no Rio http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/168065 : Segundo o colunista Ancelmo Gois, governador Luiz Pezão (PMDB) vai se empenhar junto ao ministro Joaquim Levy e à CVM para que o Rio volte a ter uma Bolsa de Valores pujante; o secretario Julio Bueno tem se reunido com o pessoal da bolsa mercantil de Nova York  <br clear="all"> :

247 – O Rio de Janeiro pode ter de volta sua Bolsa de Valores. Uma das primeiras a entrar em operação no Brasil, ela deixou de negociar ações em 2000 - com a transferência da negociação para a Bolsa de Valores de São Paulo, passou a negociar apenas títulos públicos e, em 2002, foi incorporada pela BM&F.

Segundo o colunista Ancelmo Gois, governador Luiz Pezão (PMDB) vai se empenhar junto ao ministro Joaquim Levy e à CVM para que o Rio volte a ter uma Bolsa de Valores pujante. O secretario Julio Bueno tem se reunido com o pessoal da bolsa mercantil de Nova York (NYNEX).

Rio 247 Roberta Namour Wed, 28 Jan 2015 06:21:28 +0000 http://www.brasil247.com/168065
Moro: 'importante é que fins foram alcançados' http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/168039 : Questionado sobre a validade de grampos na Lava Jato, juiz federal Sergio Fernando Moro afirmou que “não tem a menor relevância a questão relativa à forma de implementação da diligência”;  “essas são questiúnculas relativas a formalidades, sendo apenas relevante se atenderam ou não a finalidade da realização da diligência e se foram ou não autorizadas judicialmente, questões já respondidas no sentido afirmativo” <br clear="all"> :

Por Felipe Luchete, do Consultor Jurídico - Questionado por uma série de advogados sobre a validade de grampos na operação “lava jato”, o juiz federal Sergio Fernando Moro afirmou que o importante não é se atentar a detalhes de cada diligência, mas se houve autorização judicial e se os fins foram alcançados.

Em decisão da última segunda-feira (26/1), ele escreveu que “não tem a menor relevância a questão relativa à forma de implementação da diligência, se os ofícios judiciais ou da autoridade policial foram entregues a X ou a Y, se foram selados ou não, se o endereço foi escrito corretamente, com utilização de letra cursiva ou não”. Para Moro, “essas são questiúnculas relativas a formalidades, sendo apenas relevante se atenderam ou não a finalidade da realização da diligência e se foram ou não autorizadas judicialmente, questões já respondidas no sentido afirmativo”.

O entendimento despertou críticas de criminalistas que atuam no caso. “O que diferencia um Estado totalitário de um estado de Direito são os meios, são os métodos”, afirma o advogado Fábio Tofic Simantob, que defende três executivos da empreiteira Engevix. “Assinar um contrato também é uma mera formalidade, mas com base nisto meus clientes estão sendo processados por nada menos do que três crimes.”

Para o advogado Edward Carvalho, defensor de executivos da OAS, a justificativa de que os meios não são relevantes poderia permitir depoimentos feitos sob tortura, por exemplo. O criminalista Marcelo Leonardo (foto), que atua em defesa de um empresário da Mendes Júnior, afirma que “tudo tem importância, pois é preciso saber se [a prova] foi alcançada de forma regular e legal”. Ele aponta que a operação castelo de areia, de 2009, desmoronou porque provas obtidas foram consideradas irregulares pelo Superior Tribunal de Justiça.

Soberania e cooperação

A frase de Moro foi uma resposta a advogados que tentavam anular do processo o uso de conversas interceptadas a partir de um aparelho BlackBerry. As defesas de ao menos cinco réus, defendidos por três escritórios diferentes, alegavam que a produção da prova dependia de uma empresa sediada no Canadá. Assim, deveria respeitar regras bilaterais firmadas pelo Decreto 6.747/2009.

A regra fixa que solicitações e respostas entre os países devem ser intermediadas pela Procuradoria-Geral da República e pelo Ministério da Justiça canadense. Para os advogados, os grampos da “lava jato” aplicam-se na norma, pois a Constituição apenas autoriza a quebra de sigilo telefônico “nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer”.

“Desobedecidas as regras, há violação da lei e da Constituição, tornando as provas decorrentes de tais atos ilícitos totalmente contaminadas”, afirma petições assinadas por Edward Carvalho e Roberto Telhada, em defesa de executivos da OAS. Outros dois escritórios seguiram tese semelhante.

O juiz, porém, disse que a cooperação jurídica internacional não foi necessária porque todas as pessoas interceptadas moram no Brasil, tecendo críticas às formalidades cobradas pelos advogados. “Recusar ao juiz brasileiro o poder de decretar a interceptação telemática ou telefônica de pessoas residentes no Brasil e para apurar crimes praticados no Brasil representaria verdadeira afronta à soberania nacional”, justificou.

Paraná 247 Roberta Namour Wed, 28 Jan 2015 05:10:12 +0000 http://www.brasil247.com/168039
Janot denunciará políticos em bloco ao STF http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/168041 : Procurador-geral da República, Ricardo Janot, apresentará em fevereiro lista com todos os parlamentares suspeitos de participar do esquema de desvios de Alberto Youssef, na Operação Lava Jato; grupo de procuradores montado para investigar os políticos se reuniu pela primeira vez ontem em Brasília  <br clear="all"> :

247 - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reuniu ontem, pela primeira vez, a equipe de procuradores que vai auxiliá-lo na investigação de políticos suspeitos de envolvimento no esquema de Alberto Youssef.

No início de fevereiro, Janot deve enviar a lista de todos os parlamentares que serão investigados aos STF (Supremo Tribunal Federal).

Em seu depoimento de dezembro, o ex-diretor da Petrobras Paulo roberto Costa citou 28 políticos beneficiários do esquema. Nomes são do PP, PT, PMDB, PSB e PSDB.

Brasília 247 Roberta Namour Wed, 28 Jan 2015 05:15:27 +0000 http://www.brasil247.com/168041
PF vai investigar Andrade Gutierrez e mais nove http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/168038 : Por determinação do delegado Eduardo Mauat, chefe da investigação da Operação Lava Jato, a PF vai investigar possível envolvimento nos desvios de diretores e funcionários da companhia presidida por Otávio Azevedo, além de empresas como a Setal Engenharia, MPE Montagens e Projetos Especiais, Alusa Engenharia S/A, Promon Engenharia, Techint Engenharia e Construção S/A, Skanska Brasil e a GDK <br clear="all"> :

André Richter - Repórter da Agência Brasil – A Polícia Federal (PF) abriu mais dez inquéritos para investigar empresas suspeitas de participar do esquema de corrupção em contratos com a Petrobras. Por determinação do delegado Eduardo Mauat, chefe da investigação da Operação Lava Jato, a PF vai investigar possível envolvimento de diretores e funcionários nos desvios.

De acordo com a PF, serão investigadas as empreiteiras Andrade Gutierrez, Setal Engenharia, MPE Montagens e Projetos Especiais, Alusa Engenharia S/A, Promon Engenharia, Techint Engenharia e Construção S/A, Skanska Brasil, GDK, Schahin Engenharia e a Carioca Christiani Nielsen Engenharia.

Na última fase da Operação Lava Jato, executivos das empreiteiras Engevix, OAS, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, Camargo Correa e UTC Engenharia se tornaram réus em ações oriundas das investigações da PF. De acordo com depoimentos de delação premiada, as empresas são acusadas de formação de cartel em contratos com a Petrobras.

Brasil Roberta Namour Wed, 28 Jan 2015 05:06:38 +0000 http://www.brasil247.com/168038
PT não cai no jogo de Marta e não irá expulsá-la http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/168053 : Assim, senadora preservaria seu mandato; o partido não esconde, no entanto, o mal estar com suas declarações; o presidente do PT-SP, Emidio de Souza, chegou a dizer que “preferia as opiniões da Marta sobre o PT e o governo dadas durante a campanha”, quando defendia o legado do partido; com ambições de voltar à Prefeitura de SP, ela agora terá nas costas uma condenação do TJ por irregularidades na principal bandeira de sua gestão, o CEU (Centro Educacional Unificado) <br clear="all"> :

247 – A ex-senadora Marta Suplicy voltou a criticar publicamente o governo de Dilma Rousseff, após entrevista em que expos os líderes do PT. Apesar das tentativas recorrentes para ser expulsa, o partido ainda acredita que há possibilidade de entendimento para sua permanência. Assim, ela preservaria seu mandato. 

O PT não esconde, no entanto, o mal estar com suas declarações. Interlocutor da senadora com o partido, o presidente do PT-SP, Emidio de Souza, chegou a dizer que “preferia as opiniões da Marta sobre o PT e o governo dadas durante a campanha”, quando defendia o legado do partido.

Marta sinalizou interesse em disputar a Prefeitura de São Paulo contra a reeleição do petista Fernando Haddad. Seu partido de preferência era o PMDB. No entanto, este formalizou uma aliança com o PT após a nomeação de Gabriel Chalita como secretário.

Ela ainda é sondada pela oposição para se lançar candidata. Agora, porém, terá nas costas uma condenação do TJ por irregularidades na principal bandeira de sua gestão na administração municipal.

O Tribunal de Justiça condenou a ex-prefeita do PT  a pagar multa de R$ 5 milhões por uso de verba pública em propaganda irregular do CEU (Centro Educacional Unificado). A decisão foi tomada por dois votos a um.

O deputado eleito José Américo (PT), ex-secretário de Comunicação da gestão de Marta, também foi condenado.

“Acreditamos que a decisão do Tribunal de Justiça, em sua maior parte, é correta”, declarou o advogado de defesa das suas partes, Pedro Serrano. “Mas a decisão de condenar (Marta e Américo) ao pagamento da multa, apesar de ter o nosso respeito, é equivocada. Por isso, vamos recorrer ao Superior Tribunal de Justiça.”

O Ministério Público Estadual também queria a condenação da ex-prefeita e do ex-secretário à suspensão dos direitos políticos e perda da função pública.

SP 247 Roberta Namour Wed, 28 Jan 2015 05:37:34 +0000 http://www.brasil247.com/168053
Pior cenário da Sabesp: 5 dias sem água na semana http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167993 : Executivo Paulo Massato, diretor da Sabesp para a área metropolitana de São Paulo, revelou nesta terça-feira a jornalistas qual seria o pior cenário possível para o abastecimento de água na capital paulista; "O cálculo conceitual, teórico para reduzir 15 metros cúbicos por segundo lá no Cantareira, precisaria de um rodízio de dois dias com água por cinco dias sem água. Se for necessário, para não chegar no zero, na represa, zero, não ter mais água nenhuma para distribuir, lá no limite, se as obras não avançarem na velocidade que nós estamos planejando, aí podemos correr esse risco de um rodízio drástico", disse ele; situação seria inédita numa grande metrópole <br clear="all"> :

SÃO PAULO (Reuters) - A Sabesp pode ter que adotar, no pior cenário, um racionamento de água para a região metropolitana de São Paulo que prevê interrupção no abastecimento por cinco dias na semana e retomado nos outros dois, disse o diretor para região metropolitana da empresa, Paulo Massato, nesta terça-feira.

De acordo com Massato, que deu as declarações em Suzano, onde o governador Geraldo Alckmin (PSDB) inaugurou obras para aumento de captação de água para o sistema Alto Tietê, esse racionamento seria necessário para evitar que o sistema Cantareira zere sua capacidade se a seca continuar e se as obras para reverter o problema não forem concluídas a tempo.

"O cálculo conceitual, teórico para reduzir 15 metros cúbicos por segundo lá no Cantareira, precisaria de um rodízio de dois dias com água por cinco dias sem água. Se for necessário, para não chegar no zero, na represa, zero, não ter mais água nenhuma para distribuir, lá no limite, se as obras não avançarem na velocidade que nós estamos planejando, aí podemos correr esse risco de um rodízio drástico", disse Massato a jornalistas.

Segundo dados da Sabesp, o sistema Cantareira, o mais importante conjunto de reservatórios de água que abastece a região metropolitada de São Paulo e cidades do interior paulista e que já está operando com o seu segundo volume morto, está com 5,1 por cento de sua capacidade.

A Sabesp também passou a informar em seu site (www.sabesp.com.br) os horários em que está realizando a redução da pressão na cidade de São Paulo.

(Por Eduardo Simões)

SP 247 Leonardo Attuch Tue, 27 Jan 2015 14:37:02 +0000 http://www.brasil247.com/167993
Novo presidente da Sabesp é bem avaliado por analistas http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167986 : R Jerson Kelman Analistas avaliam positivamente a escolha, feita pelo governo paulista, de Jerson Kelman para controlar a crise hídrica; consultados pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, eles apontam que Kelman é experiente e preparado para o cargo, tem um perfil mais técnico e deve ter mais autonomia que sua antecessora, mas dizem não esperar novas medidas no curto prazo <br clear="all"> : R Jerson Kelman

SÃO PAULO - No último dia 9 de janeiro, o Conselho de administração da Sabesp (SBSP3) escolheu o nome do executivo que tentará livrar a companhia - e o estado de São Paulo - da atual crise hídrica da região. Jerson Kelman foi eleito presidente, substituindo Dilma Pena, que estava desde 2011 no cargo, no comando da empresa.

Apesar das expectativas para tentar aliviar o cenário de seca, Kelman fez um grande alerta em seu discurso de posse. Segundo ele, a população "tem que estar preparada para o pior". "Seria irresponsabilidade, no quadro em que estamos hoje olhar para a frente com otimismo", afirmou o executivo. A escolha foi bem-recebida por analistas, que o consideram experiente e preparado.

Consultados pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, os analistas apontam que Kelman tem um perfil mais técnico e deve ter mais autonomia que sua antecessora, mas dizem não esperar novas medidas no curto prazo. O consenso é de que 2015 será um ano ainda mais difícil para a companhia e que a solução virá somente com maiores níveis de chuva.

"É uma boa notícia. Acredito que Kelman terá mais independência e poder de barganha com o governador Geraldo Alckmin para aplicar as melhores soluções técnicas, independentemente de questões políticas", avalia Ezequiel Fernández, do Scotiabank.

Ele ressalta, porém, que não há muito a se fazer além de "esperar pelas chuvas", uma vez que já existem soluções de médio prazo sendo implementadas, como o Sistema São Lourenço e a ligação das Represas Jaguari e Atibainha. "O próprio Kelman já disse isso em entrevistas recentes", lembra. "Para o curto prazo, me parece que a única escolha da Sabesp será decidir como o racionamento será aplicado e isso só deve ocorrer após o fim do período chuvoso".

Jerson Kelman nasceu no Rio de Janeiro em 1948, é casado, tem dois filhos e cinco netos. É engenheiro civil com especialização em hidráulica pela Escola de Engenharia da UFRJ em 1971. Entre suas formações, ele ainda é Mestre em Engenharia Civil pela COPPE-UFRJ (1973), Ph.D. em Hidrologia e Recursos Hídricos por Colorado State University (1976) e Livre Docente da UFRJ (1983).

Foi Interventor na Enersul (Empresa Energética de Mato Grosso do Sul), Presidente do Grupo Light entre 2010 e 2012, Diretor-Geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica entre 2005 e 2008 e Diretor Presidente da ANA (Agência Nacional de Águas de 2001 a 2004. Antes, o executivo foi pesquisador do CEPEL (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica), Diretor da SERLA-RJ (Fundação Superintendência Estadual de Rios e Lagoas), consultor do Banco Mundial e sócio da BR-Investimentos.

Desde 1974 é professor de Recursos Hídricos da COPPE-UFRJ. Ele é autor dos livros "Cheias e Aproveitamentos Hidroelétricos" (1983) e "Desafios do Regulador" (2009), e de mais de uma centena de artigos técnicos e capítulos em livros especializados. Kelman foi fundador, diretor e presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Hídricos).

Ele já foi membro do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), do CNRH (Conselho Nacional de Recursos Hídricos), do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), do Conselho Internacional da ABENGOA (Espanha), do Conselho Consultivo do Instituto de Hidráulica da UNESCO (Holanda) e do CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico). Foi coordenador da Comissão de Análise do Sistema Hidrotérmico de Energia Elétrica que diagnosticou as causas do racionamento de 2001.

Kelman é  membro atual do Conselho Curador da FBDS (Fundação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável), do Comitê Científico da Semana Mundial da Água em Estocolmo, da ANE (Academia Nacional de Engenharia), do Conselho Superior de Infraestrutura da FIESP (Federação da Indústria do Estado de São Paulo), do Conselho de Energia da FIRJAN, da Força Tarefa sobre Segurança Hídrica da GWP (Global Water Partnership) e da OECD (Organisation for Economic Co-operation and Development).

É também comendador da Ordem do Rio Branco e da Ordem do Mérito Científico. Recebeu medalhas de mérito legislativo da Câmara dos Deputados e da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, o Distinguished Alumni Award (2012, Colorado State University), o título de Engenheiro Eminente (2010, Associação de Antigos Alunos da Politécnica) e o King Hassan II World Water Prize (2003, World Water Council)

Para Alexandre Montes, analista da consultoria Lopes Filho, Kelman é um "ótimo nome" para enfrentar uma situação "dificílima". "Não espero medidas imediatas, até porque será preciso tomar pé da situação, mas com certeza virão medidas", diz, ressaltando que não haverá "milagre". "Não há muito o que fazer nessa situação a não ser rezar por chuva. Qualquer coisa que se faça tem um prazo de maturação elevado e não salva 2015", avalia.

Já o analista de um grande banco norte-americano, que preferiu não ser identificado, avalia que Kelman não deve arriscar sua reputação adotando uma postura de conivência diante do governo e, com isso, deve ter mais autonomia que sua antecessora. "Dilma era um pouco 'em linha' demais com a atual administração estadual", afirma. Segundo ele, porém, isso ocorreu principalmente devido às eleições de 2014.

Com Agência Estado

SP 247 Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 14:03:22 +0000 http://www.brasil247.com/167986
Spielberg: judeus ainda enfrentam antissemitismo http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/167987 Lukasz Krajewski/Agencja Gazeta/Reuters: Cineasta que ganhou um Oscar de Melhor Diretor por "A Lista de Schindler" disse que espera que as celebrações de 50 anos do fim do Holocausto que ocorrerão na Polônia na terça-feira sejam um aviso para as gerações futuras, tendo em vista a crescente onda de antissemitismo e intolerância contra judeus <br clear="all"> Lukasz Krajewski/Agencja Gazeta/Reuters:

CRACÓVIA, Polônia (Reuters) - O cineasta Steven Spielberg disse nesta segunda-feira que espera que as celebrações do fim do Holocausto que ocorrerão na Polônia na terça-feira sejam um aviso para as gerações futuras, tendo em vista a crescente onda de antissemitismo e intolerância contra judeus.

Spielberg conversou com sobreviventes do Holocausto em Cracóvia, no sul da Polônia, antes do principal evento que lembrará os 70 anos desde que tropas soviéticas libertaram o campo de extermínio nazista alemão de Auschwitz.

"Se você é um judeu hoje, na verdade se você é qualquer pessoa que acredita na liberdade de religião, liberdade de discurso, liberdade de livre expressão, você sabe que, como muitos outros grupos, estamos mais uma vez enfrentando os demônios perenes da intolerância", disse o cineasta premiado com o Oscar.

Spielberg, que ganhou um Oscar de Melhor Diretor por "A Lista de Schindler", seu filme de 1993 sobre um alemão que salvou mais de mil refugiados, em sua maioria judeus polacos, durante o Holocausto, alertou para a disseminação do antissemitismo.

"(Há) páginas no Facebook que identificam os judeus e suas localizações geográficas com a intenção de atacar e com esforços crescentes para banir os judeus da Europa", disse Spielberg.

"Minha esperança para as celebrações de amanhã é que os sobreviventes se sintam confiantes de que estamos renovando o apelo deles pela memória. Que não só vamos tornar as próprias identidades deles conhecidas, mas ajudar a formar uma consciência significativa, uma consciência coletiva para as gerações vindouras."

A celebração de terça-feira na localidade no sul da Polônia, onde os nazistas mataram cerca de 1,5 milhão de pessoas, principalmente judeus europeus, entre 1940 e 1945, pode ser o último grande evento com a participação de vários sobreviventes.

Cultura Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 14:07:02 +0000 http://www.brasil247.com/167987
Argentina importa energia do Brasil. Imprensa ignora http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167971 : Assim como fez o Brasil na semana passada, que importou 165 MW médios de energia elétrica do país vizinho, a Argentina importou ontem do sistema brasileiro 200 MW médios, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS); o fato, no entanto, não foi noticiado por nenhum veículo da imprensa; é comum que sistemas interligados de países vizinhos importem e exportem energia de acordo com demandas temporárias de cada um, mas apenas por aqui, e só quando o Brasil importa, o fato vira manchete, como na última quarta-feira 21, após o blecaute que atingiu 11 estados e o Distrito Federal <br clear="all"> :

247 – Importação e exportação de energia elétrica são comuns e frequentes entre sistemas interligados, de acordo com as demandas temporárias de cada um. Só no Brasil, no entanto, o fato vira manchete na imprensa. E apenas quando o Brasil é o país importador.

Prova disso é a notícia, de acordo com o site do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), de que a Argentina importou do Brasil, nesta segunda-feira 26, 200 MW "em função da redução não programada de disponibilidade de geração naquele país".

O fato, porém, não foi noticiado em nenhum veículo da imprensa brasileira. Bem diferente do que ocorreu na semana passada, quando o Brasil importou um pouco menos (165 MW) da Argentina. A transferência aconteceu um dia depois do blecaute que atingiu 11 estados e o Distrito Federal no País.

Apesar de ser comum países vizinhos partilharem suas redes, a exemplo de Estados Unidos e Canadá, a importação brasileira foi logo vinculada ao 'apagão', pela imprensa, e justificada pelos jornais pelo fato de o Brasil não ter energia suficiente para suprir o consumo brasileiro.

Para noticiar o fato da semana passada, a imprensa utilizou o IPDO (Informativo Preliminar da Operação) do ONS. Acesse aqui o IPDO de ontem, que noticia a importação de energia brasileira por parte da Argentina. A energia foi exportada pela estação de conversão Garabi 2, no Rio Grande do Sul.

Economia Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 13:35:02 +0000 http://www.brasil247.com/167971
Odebrecht é investigada também em Portugal http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167968 : O ex-primeiro-ministro José Sócrates, de Portugal, está sendo investigado por supostas propinas que teriam sido pagas pela empreiteira brasileira Odebrecht, de Marcelo Odebrecht, por meio de sua subsidiária Bento Pedroso Construções; denúncia foi publicada nesta terça-feira pela imprensa portuguesa e envolveria negócios em Portugal, no Brasil e em Angola; maior empreiteira do País, a Odebrecht também está sendo investigada na Suíça em razão da propina de US$ 23 milhões, que teria sido paga a Paulo Roberto Costa, pivô da Lava Jato <br clear="all"> :
247 - Uma denúncia publicada nesta terça-feira pela imprensa portuguesa envolve a Odebrecht, maior empreiteira brasileira, e o ex-primeiro-ministro José Sócrates, que chegou a ser preso na Operação Marquês.

De acordo com o procurador Rosário Teixeira, estão sendo investigadas propinas supostamente pagas pelo grupo brasileiro, por meio da construtora Bento Pedroso, subsidiária da Odebrecht. A denúncia foi publicada nos jornais iOnline e jornaldengocios.
 
Leia, abaixo, a denúncia original, do iOnline:

A teia de ligações de José Sócrates sob investigação na Operação Marquês está longe de esgotar-se na Octapharma, no grupo Lena e em Carlos Santos Silva. Passa por Nova Iorque, pela Argélia, por Angola, pela Venezuela e pelo Brasil. 
 
O procurador Rosário Teixeira e a equipa da Autoridade Tributária que lideram esta operação estão a investigar as relações do ex-primeiro-ministro com uma construtora brasileira – a Odebrecht – ligada a Luiz Inácio Lula da Silva, averiguou o i. A empresa foi quem convidou o antigo presidente do Brasil a vir a Portugal em Outubro de 2013, para a comemoração dos 25 anos de presença em Portugal. O momento coincidiu com a apresentação do livro de Sócrates sobre tortura em democracia, a 23 de Outubro de 2013. Mas as ligações suspeitas não terminam aí. Os brasileiros da Odebrecht são os donos da Bento Pedroso Construções, que integrou uma série de consórcios que venceram obras públicas durante os anos em que José Sócrates foi primeiro-ministro. 
 
A Bento Pedroso Construções – comprada há 26 anos pela Odebrecht mas que só em 2013 passou a chamar-se Odebrecht Portugal – integrava, por exemplo, o Consórcio Elos, que venceu o concurso para a construção do TGV entre Poceirão e Caia. Deste consórcio, liderado pela Brisa e pela Soares da Costa, também fazia parte o grupo Lena, de que Carlos Santos Silva – o amigo suspeito de ser o testa-de-ferro de Sócrates – foi administrador. O projecto acabaria por ser enterrado por Pedro Passos Coelho. Agora, o consórcio que ganhou a adjudicação para a construção e exploração do troço reclama em tribunal um pedido de indemnização ao Estado no valor de 169 milhões de euros, montante que reclama ter despendido com a construção e expropriações. 
 
 Aquela construtora integrou ainda o consórcio liderado pela Brisa que venceu a concessão do Baixo Tejo, uma das oito Parcerias público-privadas rodoviárias lançadas por José Sócrates. O grupo Lena também fazia parte do agrupamento. A concessão do Baixo Tejo, situada na zona metropolitana de Lisboa foi outorgada por um período de 30 anos, depois de ser avaliada em 110 milhões de euros – uma das mais rentáveis por estar perto de Lisboa.  
 
A construtora, que era braço do grupo brasileiro Odebrecht para o mercado nacional, juntou-se ainda a outro agrupamento nos concursos das PPP rodoviárias. Foi o caso da concessão da via rodoviária da Grande Lisboa, desta vez liderada pela Mota-Engil. O consórcio era composto por esta construtora, pela OPCA, pelo BES e pela construtora portuguesa que era detida pelos brasileiros da Odebrecht. O investimento estava orçamentado em 292 milhões de euros. Em contrapartida, o consórcio recolheria as receitas durante 30 anos. 
 
Em 2008, foi a vez de a empresa Bento Pedroso Construções, juntamente com a Lena Engenharia Construções, reunidas em consórcio, assinarem em Bragança um contrato para a construção da barragem do Baixo Sabor, no valor de cerca de 257 milhões de euros, numa cerimónia encabeçada por José Sócrates e pelo então ministro da Economia Manuel Pinho. O governo de Sócrates aprovou, em 2007, um Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico.
 
 Os elementos confirmados pelo i junto de fontes próximas do processo mostram que as suspeitas de corrupção a incidir sobre o primeiro-ministro – em prisão preventiva há 60 dias no Estabelecimento Prisional de Évora – não se limitam aos negócios que terão favorecido o grupo Lena, como tem vindo a ser noticiado. Há outras empresas e outras ligações sob suspeita. 
 
A relação entre Lula e a Odebrecht não terminou na viagem a Portugal a convite da construtora brasileira. Em Maio de 2014, o ex-presidente do Brasil esteve em Luanda, a convite da Fundação Eduardo dos Santos (FESA). Durante a visita, elogiou a parceria entre empresas brasileiras e angolanas na construção da Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom). E quem faz parte da Biocom? As angolanas Sonangol e Damer e a brasileira Odebrecht. 
 
Lula e Sócrates chegaram a trocar elogios públicos. Em 2010, Sócrates escreveu um discurso que terminava com uma alusão ao trabalho do ex-presidente brasileiro: “O meu Brasil é com “S”. “S” de Silva. Lula da Silva. Saravá!” Lula da Silva devolveu com outro discurso encorajador, em Outubro de 2013, durante a apresentação do seu livro, “A Confiança no Mundo”: “Tem que voltar a politicar, é muito cedo para deixar a política. Você está em forma.”
 
Lula e a Octapharma De acordo com as informações recolhidas pelo i, a investigação terá recolhido elementos que indiciam que Lula da Silva terá tido ainda um papel fundamental na promoção de contactos que seriam úteis a José Sócrates enquanto representante na América Latina da multinacional farmacêutica Octapharma. Sócrates terá começado a exercer estas funções no início de 2013, depois do período em que se se dedicou à vida académica em Paris. E Lula, ao que o i averiguou, terá proporcionado os contactos com o Ministério da Saúde brasileiro e o Instituto Butantan, um centro de pesquisa biomédica na cidade de São Paulo. 
 
Esses contactos seriam depois oficializados por Guilherme Dray, ex-chefe de gabinete de Sócrates em São Bento à data em funções no Brasil, ao serviço da Ongoing. 
 
O i revelou em Fevereiro de 2013 que no dia 5 daquele mês José Sócrates se encontrou às 15h, em Brasília, com o ministro da Saúde brasileiro, Alexandre Padilha. Na sala estavam Guilherme Dray – que garantiu na altura ter acompanhado Sócrates “a pedido deste e apenas como amigo” –, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Carlos Gadelha, o director de produtos Estratégicos da Hemobrás, Luiz de Melo Amorim, o presidente da comissão executiva do Grupo Octapharma, Joaquim Paulo Lalanda de Castro e membros da equipa técnica do ministério tutelado por Alexandre Padilha.  
 
Mundo Leonardo Attuch Tue, 27 Jan 2015 11:54:46 +0000 http://www.brasil247.com/167968
A polêmica casa de Cármen Lúcia: blog ataca, ela defende http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/167960 : Denúncia aponta que mansão em Brasília comprada pela ministra do STF por R$ 1,7 milhão está ligada ao doleiro Fayed Traboulsi, envolvido no esquema investigado pela Operação Lava Jato; gabinete da magistrada afirma que notícia "não tem pé nem cabeça" e que negócio foi legitimado pela Caixa Econômica, que financiou o imóvel <br clear="all"> :

Brasília 247 – A compra de um imóvel em Brasília pela ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, se tornou alvo de denúncia. De acordo com o blog do jornalista Mino Pedrosa, o imóvel está ligado ao doleiro Fayed Traboulsi, envolvido no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

A casa estava no nome de Andréa Filipe Ramos, casada com Alexandre Chaves Ribeiro. Os dois, de acordo com a denúncia, são laranjas de Fayed e o imóvel "deveria constar no rol de apreensões e bloqueios de bens do doleiro". O valor, segundo o texto, também é suspeito, uma vez que a casa seria avaliada por pouco mais de R$ 3 milhões no mercado imobiliário.

O próprio doleiro, segundo o blog, admitiu em depoimento à PF ser proprietário do imóvel, que era usado como "endereço de várias pessoas". Fayed foi preso em setembro de 2013 e alvo de mandados de busca e apreensão em suas propriedades da capital federal no âmbito da Operação Miqueias, que investigava fundos de previdência e pensão.

A chefe de gabinete da ministra Cármen Lúcia, Maria Cristina Petcov, contesta todas as acusações, que "não têm pé nem cabeça", e assegura que a ministra tem todos os documentos da negociação, legitimada pela Caixa Econômica Federal, responsável pelo financiamento do imóvel.

Ainda segundo informações do gabinete, a casa já havia sido financiada anteriormente pela antiga proprietária, no mesmo valor, o que reforça a legitimidade do banco pelo negócio e desmente a tese de que a casa vale quase o dobro do preço que foi pago pela ministra.

Brasília 247 Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 12:59:04 +0000 http://www.brasil247.com/167960
Indústria fecha 2014 com queda na produção e no emprego http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167977 INA FASSBENDER: A worker is pictured at the production of steering gears at a plant of Germany's industrial conglomerate ThyssenKrupp AG in the western city of Muelheim January 16, 2013. Some ThyssenKrupp AG investors have seized on big losses and scandals to call for th Segundo o levantamento, o índice de evolução da produção registrou, em dezembro, 38,3 pontos, em relação aos 40,2 pontos registrados em dezembro de 2013. Já o índice relativo ao número de empregados ficou em 44,2 pontos em dezembro de 2014, abaixo, portanto, dos 46,4 pontos registrados em dezembro de 2013 <br clear="all"> INA FASSBENDER: A worker is pictured at the production of steering gears at a plant of Germany's industrial conglomerate ThyssenKrupp AG in the western city of Muelheim January 16, 2013. Some ThyssenKrupp AG investors have seized on big losses and scandals to call for th
Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil

Queda na produção, no emprego e aumento de ociosidade. Essa foi a situação em que a indústria brasileira terminou o ano de 2014, de acordo com a Sondagem Industrial, pesquisa divulgada hoje (27) pela Confederação Nacional da Indústria.

Segundo o levantamento, o índice de evolução da produção registrou, em dezembro, 38,3 pontos, em relação aos 40,2 pontos registrados em dezembro de 2013. Já o índice relativo ao número de empregados ficou em 44,2 pontos em dezembro de 2014, abaixo, portanto, dos 46,4 pontos registrados em dezembro de 2013.

Com os indicadores abaixo de 50 pontos – em escala que varia de zero a 100 – a CNI caracteriza que o setor está em situação de queda, tanto na produção como no emprego. Os índices relativos a dezembro de 2014 são os menores desde o início da série histórica, em janeiro de 2010.

Os dados da sondagem revelam ainda que a utilização média da capacidade instalada ficou em 68% – menor percentual para o mês, desde 2011. "Em dezembro de 2013 e de 2014, o percentual estava em 70%", informou o especialista em políticas e indústria da CNI, Marcelo Souza Azevedo. Apesar disso, o indicador ficou em 50,5 pontos em 2014 – ligeiramente acima, portanto, da média, indicando que o ajuste de estoques ficou próximo do nível planejado.

A sondagem mostra ainda que as condições financeiras das empresas pioraram no último trimestre de 2014, conforme indicam o índice sobre a situação financeira (46 pontos) e o índice sobre satisfação com o lucro operacional (40,6 pontos), influenciados pela alta do preço das matérias-primas.

A facilidade de acesso ao crédito também apresentou índice baixo: 36,8 pontos. O cenário constatado pela CNI a partir desses índices é de “insatisfação”. A carga tributária é apontada por 59,7% dos entrevistados como o principal problema enfrentado pelo setor empresarial no último trimestre de 2014, seguido da falta de demanda (38,5%).

A sondagem da CNI foi feita entre os dias 5 e 15 de janeiro com 2.186 empresas. Destas, 874 são de pequeno porte; 788 de médio porte; e 524 de grande porte.

Economia Leonardo Attuch Tue, 27 Jan 2015 12:44:11 +0000 http://www.brasil247.com/167977
Crédito no Brasil cresce 11,3% em 2014, menor ritmo em 11 anos http://www.brasil247.com/pt/247/seudinheiro/167975 : Segundo o Banco Central, o estoque do crédito direcionado foi que o puxou o mercado, ao subir 19,6% no ano passado, impulsionado pelos financiamentos imobiliários e créditos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social <br clear="all"> :

BRASÍLIA (Reuters) - O mercado de crédito no Brasil fechou 2014 com expansão de 11,3 por cento sobre o ano anterior, menor ritmo em 11 anos em meio ao cenário de juros elevados para domar a inflação e maior endividamento das famílias.

Apenas em dezembro, o estoque total de crédito no Brasil subiu 2,0 por cento sobre novembro, informou o Banco Central nesta terça-feira. A variação no ano é a menor desde 2003, quando o mercado cresceu 8,8 por cento.

Com o resultado, o mercado total somou 3,022 trilhões de reais em 2014, a primeira vez neste patamar, ou 58,9 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Segundo o BC, o estoque do crédito direcionado foi que o puxou o mercado, ao subir 19,6 por cento no ano passado, impulsionado pelos financiamentos imobiliários e créditos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em 2013, no entanto, esse segmento havia crescido 24,5 por cento.

Já o crédito livre avançou bem menos em 2014, 4,7 por cento no ano passado, após avançar 7,8 por cento em 2013, num sinal de maior restrição dos bancos diante do cenário de fraca atividade e confiança dos agentes econômicos.

A política monetária apertada também ajudou a desacelerar o crédito, ainda mais com o início de um novo ciclo de aperto em outubro passado e que já elevou a Selic para o atual patamar de 12,25 por cento ao ano para tentar domar a alta dos preços.

Para 2015, o BC ainda projeta que o mercado de crédito crescerá 12 por cento, mesmo com as recentes medidas de restrição. 

INADIMPLÊNCIA

No mês passado, informou o BC, a inadimplência no segmento de recursos livres ficou em 4,8 por cento, ante 4,9 por cento em novembro e 4,7 por cento dezembro de 2013. No segmento de recursos totais, incluindo os direcionados, a inadimplência fechou o ano passado em 2,9 por cento, praticamente em linha aos 3 por cento vistos um ano antes.

Ainda segundo o BC, o spread bancário --diferença entre o custo de captação e a taxa efetivamente cobrada do consumidor final-- foi de 20,4 pontos percentuais em dezembro no segmento de recursos livres, abaixo dos 21,1 pontos vistos no mês anterior, mas bem acima de 17,5 pontos percentuais em dezembro de 2013.

Considerando o crédito total, o spread ficou em 12,1 pontos percentuais no ano passado, também maior do que os 11,1 por cento vistos em dezembro de 2013.

A taxa média de juros no segmento de recursos livres chegou a 32,4 por cento em dezembro, inferior aos 32,9 por cento de novembro mas acima dos 29 por cento verificado em dezembro de 2013. No crédito total, os juros ficaram em 20,9 por cento no mês passado, maior do que os 19,7 por cento apurados um ano antes. 

(Reportagem de Luciana Otoni)

Seu Dinheiro Leonardo Attuch Tue, 27 Jan 2015 12:42:13 +0000 http://www.brasil247.com/167975
Energia eólica: Brasil vive revolução silenciosa http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167372 : Em meio a críticas e previsões da oposição e da imprensa de que o País está à beira de um racionamento, por falta de energia, uma revolução silenciosa acontece em estados como Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará, Rio Grande do Sul e Piauí; é o avanço da energia eólica, que traz junto com ela uma forte geração de empregos, aumento da arrecadação e capacidade eólica instalada de cerca de 15 GW até 2018, mais que Itaipu ou Belo Monte; essa fonte abastece hoje cerca de 12 milhões de pessoas – o equivalente à cidade de São Paulo; até o final desse ano, o Brasil estará entre os dez maiores geradores de energia eólica no mundo; dados, pouco ou nada divulgados na mídia, descartam especulação sobre racionamento <br clear="all"> :

247 – As previsões de racionamento de energia no Brasil, intensificadas na mídia recentemente devido ao apagão ocorrido em dez estados e no Distrito Federal na semana passada, vêm acompanhadas, desde 2012, do argumento de falta de chuvas no Sudeste. Ignoram, porém, dados importantes sobre uma verdadeira revolução silenciosa que vem acontecendo, há vários anos, nas regiões Sul e Nordeste do País.

A evolução da energia eólica, produzida em maior parte nos estados do Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará, Rio Grande do Sul e Piauí, traz números impressionantes, capazes de descartar especulações sobre racionamento por falta de energia no Brasil. O ano de 2014 foi concluído com cerca de 5 GW instalados no País, que chegará em 2018 com, no mínimo, 15 GW já oficialmente autorizados, mais que as usinas de Itaipu ou Belo Monte.

Existem ainda novas usinas eólicas sendo frequentemente liberadas para operação comercial em dezenas de municípios, como mostra o site Energia Mapeada, que compila dados oficiais da Aneel sobre energia limpa. "Até o fim de 2015, o Brasil já estará entre os dez maiores geradores de energia eólica no mundo", afirma o engenheiro eletricista Alarico Neves Filho, responsável pela página.

Atualmente dependente das chuvas para gerar 70% da energia elétrica, o Brasil tem potencial eólico capaz de abastecer quase três vezes a sua demanda, segundo estimativas mais recentes do setor. Além de ser hoje a fonte de expansão mais barata, a energia produzida através da força dos ventos é também a mais ecologicamente correta.

Viabilidade

Pesquisada há mais de 50 anos, a energia eólica economicamente viável tem pouco mais de 20 anos. Os países precursores dessa tecnologia ficam na Europa: Dinamarca e Alemanha. Recente no Brasil, ela vem contribuindo significativamente para o desenvolvimento do País, abastecendo hoje cerca de quatro milhões de casas, ou 12 milhões de pessoas – o equivalente à cidade de São Paulo – segundo dados da Associação Brasileira de Energia Eólica.

Presente no Senado em um debate sobre o assunto, a presidente da entidade, Élbia Melo, defendeu que o Brasil precisa superar uma "visão turva" sobre essa fonte de energia, que a coloca em desconfiança sob o argumento de que esse recurso seria "sazonal e intermitente". Ela destacou que toda fonte que vem da natureza é, por definição, sazonal e intermitente, mas que é possível conter riscos no caso da eólica por meio do aumento da quantidade de geradores montados.

Foram contratados desde 2009, a partir do primeiro leilão competitivo com participação eólica, mais de 12 GW de capacidade eólica instalada, o que representa cerca de 10% de toda a matriz energética brasileira, incluindo as fontes nuclear, hidrelétrica, carvão, biomassa e outras. A energia eólica hoje instalada representa cerca de 4% do total de energia para o sistema e deve crescer fortemente nos próximos anos, podendo chegar a 10% em 2018.

Economia Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 10:30:24 +0000 http://www.brasil247.com/167372
“O problema não é o seguro desemprego, mas a rotatividade” http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167945 : Ex-presidente do Ipea Marcio Pochmann diz que "a principal anomalia no atual programa do seguro desemprego, que o faz elevar a quantidade de beneficiários e os gastos totais justamente nos períodos de maiores taxas de emprego formal, é a rotatividade e a informalidade na ocupação" <br clear="all"> :

Por Marcio Pochmann, do portal Brasil Debate

O trabalho no Brasil registra especificidades que o distingue do funcionamento do mercado laboral de outros países, sobretudo o das economias capitalistas avançadas. Como a literatura especializada adotada predominantemente nas escolas de economia do País tem como referência as economias ricas do mundo, não se apresenta fato incomum análises que destoam da real situação interna das relações capital-trabalho.

Exemplo disso pode ser identificado no debate atual que decorre da implementação da Medida Provisória 665 do penúltimo dia do ano passado, voltada à redução de parcela dos gastos públicos com a assistência aos desempregados.

Para os que deverão utilizar o seguro desemprego pela primeira vez, o novo requisito mínimo passa a ser o de 18 meses acumulados nos últimos 24 meses anteriores à rescisão do registro em carteira (ao invés de 6 em 36 meses).

Em relação ao ano de 2014, por exemplo, a aplicação da nova medida implicaria excluir 26,5% dos 8,6 milhões de requisitantes do seguro desemprego do acesso ao benefício. Na sua maior parte, os jovens seriam os mais afetados, uma vez que estariam justamente na fase inicial de ingresso no mercado de trabalho.

Destaca-se que, de acordo com o IBGE/Pnad, a taxa nacional de desemprego do ano de 2013 foi de 6,5% do conjunto da força de trabalho. Mas em relação às faixas etárias prevalece significativa diferenciação no desemprego.

No caso dos jovens, por exemplo, a taxa de desemprego apresenta-se mais expressiva, como nos casos da faixa etária de 15 a 17 anos que atingiu 23,1% (3,6 vezes maior que a geral) e de 18 a 24 anos com 13,7% (2,1 vezes que a geral) de desempregados no ano de 2013.

Para a população adulta, a taxa de desemprego no mesmo ano se mostra menos intensa, como no segmento etário de 25 a 49 anos que representou 5,4% (17% menor que a geral) e, ainda, para os detentores de 50 anos e mais de idade com desemprego de 2,4% (63% menor que a geral).

Por outro lado, deve-se considerar que a principal anomalia no atual programa do seguro desemprego, que o faz elevar a quantidade de beneficiários e, em consequência, os gastos totais justamente nos períodos de elevação no nível de emprego formal e não o contrário, como na maior parte dos países, é a rotatividade e a informalidade na ocupação.

Isso porque o País ainda possui uma parcela de sua mão de obra na situação de informalidade que se encontra excluída do acesso ao seguro desemprego.

Assim, à medida que o nível de emprego assalariado formal aumenta, os trabalhadores passam a ter condições de cumprir os requisitos de acesso ao seguro desemprego. Isoladamente, isso pouco alteraria a trajetória dos segurados do seguro desemprego, salvo pela rotatividade.

Observa-se que, desde o ano de 2008, quando se iniciou a crise econômica de dimensão global, o Brasil se tornou um dos poucos países do mundo cujo desemprego decresceu ao ritmo médio anual de 6,9%, ao passo que subiu 4,8% no México, 7,1% na França, 9,5% na França e 11,9% na Itália.

Não obstante a queda na taxa de desemprego dos brasileiros, o nível da ocupação assalariada cresceu 9,4% ao ano, em média, enquanto a quantidade de beneficiados do seguro desemprego aumentou 21,5% como média anual.

Nos países ricos, os segurados e valor total dos gastos aumentam justamente na fase em que o desemprego se eleva e não o contrário, como ocorre no Brasil.

Isso porque, aqui, a flexibilidade contratual estabelecida pela facilidade no uso da rotatividade no emprego termina por ampliar a quantidade de trabalhadores que passam a cumprir os requisitos do programa de garantia de renda aos desocupados.

Com a redução da rotatividade, o Brasil poderia presenciar situação equivalente ao que ocorre na dinâmica do seguro desemprego nas economias avançadas, ou seja, a redução sensível na quantidade de usuários do seguro desemprego e, por consequência, no volume de gastos públicos.

Percebe-se, portanto, que a sociedade encontra-se diante de excelente oportunidade para enfrentar em definitivo e em novas bases a problemática da rotatividade no Brasil, avançando para relações modernas de trabalho.

E ao cumprir esta etapa fundamental de modernização no mercado de trabalho, encontraria as melhores condições de redução dos gastos desnecessários que por ventura são gerados pelo uso do seguro desemprego em função da rotatividade abusiva.

Economia Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 10:03:01 +0000 http://www.brasil247.com/167945
Kotscho: 'Será que Dilma já se arrependeu da reeleição?' http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167939 : Desde a posse, no dia 1º de janeiro, "a presidente só foi vista em público na Bolívia, durante a cerimônia de posse de Evo Morales, em que se recusou a falar com os jornalistas", observa o jornalista; segundo Ricardo Kotscho, "uma boa oportunidade para Dilma responder a todas as dúvidas da população será nesta terça-feira, quando reunirá, pela primeira vez, seu novo ministério, em Brasília" <br clear="all"> :

247 - O jornalista Ricardo Kotscho volta a perguntar, como fez há alguns dias, em seu blog, por onde andará Dilma. Desta vez, ele acrescenta: será que a presidente já se arrependeu da reeleição? Desde a posse, no dia 1º de janeiro, "a presidente só foi vista em público na Bolívia, durante a cerimônia de posse de Evo Morales, em que se recusou a falar com os jornalistas", observa o blogueiro. "Uma boa oportunidade para Dilma responder a todas as dúvidas da população será nesta terça-feira, quando reunirá, pela primeira vez, seu novo ministério, em Brasília", escreve ele. Leia:

Será que Dilma já se arrependeu da reeleição?

Só a própria presidente Dilma Rousseff poderá responder à pergunta do título, pois é cada dia mais intrigante seu silêncio nestes 26 dias do novo governo. "Por onde andará Dilma?", perguntei aqui mesmo, quase duas semanas atrás, ao estranhar seu sumiço desde a posse. De lá para cá, a presidente só foi vista em público na Bolívia, durante a cerimonia de posse de Evo Morales, em que se recusou a falar com os jornalistas.

Uma boa oportunidade para Dilma responder a todas as dúvidas da população será nesta terça-feira, quando reunirá, pela primeira vez, seu novo ministério, em Brasília. Com as medidas de arrocho até aqui anunciadas pelo ministro Joaquim Levy, da Fazenda, promovido a porta-voz do governo, sem qualquer agenda positiva no horizonte, fica difícil saber aonde Dilma quer chegar, qual é o seu plano de voo para o segundo mandato, se é que tem algum..

Mais impostos e cortes nos benefícios sociais para fazer o "ajuste fiscal", que devem render cerca de R$ 20 bilhões aos cofres do governo, aumentos da gasolina e nas contas de energia, ao mesmo tempo em que uma crise hídrica sem precedentes ameaça o abastecimento de água e luz nas áreas metropolitanas, uma onda de demissões no rastro da Operação Lava-Jato: o conjunto da obra de más notícias cresce a cada dia.

Para completar o cenário negativo, que mais lembra final do que começo de governo, neste domingo teremos a reabertura do Congresso, com a eleição dos novos presidentes da Câmara e do Senado. Na Câmara, é quase certa a vitória do deputado carioca Eduardo Cunha, atual líder do PMDB, um desafeto declarado de Dilma, que promete complicar ainda mais a vida do governo nas relações já abaladas com os parlamentares da sua própria base aliada.

E ainda não é tudo: nas semanas seguintes, a Justiça e o procurador-geral Rodrigo Janot deverão divulgar oficialmente os nomes dos políticos denunciados no escândalo da Petrobras, que até agora só apareceram em depoimentos de delatores vazados para a imprensa.

A sorte de Dilma, por enquanto, é que a oposição partidária também sumiu, com Aécio Neves se limitando a divulgar notas para criticar as medidas anunciadas pelo governo e denunciar o "estelionato eleitoral". De fato, pelo que vimos até agora, o "pacotinho" restritivo de Levy, para colocar em ordem as contas do governo, faz exatamente o que os economistas tucanos planejavam e que a presidente tanto criticou durante a campanha eleitoral.

Por isso, a maior oposição a Dilma vem de setores do próprio PT e dos partidos aliados, insatisfeitos com a formação do novo ministério e os rumos da política econômica. Ao tentar agradar a todos para garantir maioria no Congresso, dando uma fatia da Esplanada a cada um, sem levar em conta critérios de qualificação e representatividade social, a presidente conseguiu arrumar mais inimigos do que parceiros, ficando cada vez mais isolada no Planalto.

Por que, afinal, Dilma lutou tanto pela sua reeleição? Já vou deixando bem claro que não fui e não sou adepto do "volta Lula", antes que alguém me interprete mal. Tudo na vida tem seu tempo, que não volta. Ao contrário : sou a favor da renovação de lideranças e da alternância no poder, desde que se apresentem, é claro, alternativas melhores e viáveis ao eleitorado.

Só queria saber o que move Dilma para enfrentar os duros quatro anos que terá pela frente, já que ela nunca teve um projeto político pessoal, e só chegou à presidência pela força das circunstâncias em 2010. Diante dos seus 39 ministros, amanhã, a presidente acidental terá agora a chance de clarear o horizonte, orientar a tropa e dizer o que pensa e o que quer para o país. Seria muito bom que o fizesse em transmissão ao vivo, convocando uma rede nacional de rádio e televisão, para que todos possamos saber o que nos espera.

Como um dos seus 54 milhões de eleitores, acho que tenho este direito.

Vida que segue.

Mídia Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 09:39:22 +0000 http://www.brasil247.com/167939
'Informação é a melhor arma para enfrentar o preconceito' http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167943 : "O nível de preconceito que emergiu na sociedade neste período pós-eleitoral é algo assustador", afirma a ministra Tereza Campello; em entrevista, ela fala sobre o atual estágio das políticas sociais no Brasil e aponta as prioridades do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome para o próximo período <br clear="all"> :

Marco Weissheimer, portal Sul 21

Após a disputa eleitoral de 2014, houve um grande crescimento do volume de manifestações preconceituosas contra vários setores da sociedade, em especial negros, pobres e nordestinos. O fenômeno não é novo, mas reapareceu com força no final do ano passado. "O que piorou muito não está relacionado à media da opinião da população. O problema está entre aqueles setores mais reacionários que nutrem uma coisa racista contra os mais pobres. Essas pessoas passaram a ter coragem de expressar seus preconceitos mais abertamente. Saíram do armário", diz a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.

Em entrevista ao Sul21, Tereza Campello analisa as causas desse tipo de preconceito e defende que a informação é a melhor arma para combatê-lo. "Recentemente tivemos o caso de uma jornalista que disse que os pobres só pensam em procriar. É um negócio inacreditável. Os dados sobre taxa de fecundidade no Brasil, hoje, são completamente conhecidos. A taxa de fecundidade brasileira caiu em todas as classes sociais e caiu muito mais entre os mais pobres, uma queda em torno de 50% acima da média nacional", exemplifica. A ministra também fala sobre o atual estágio das políticas sociais no Brasil, aponta as prioridades para o próximo período e nega que programas como o Bolsa Família possam sofrer cortes em função de medidas de ajuste fiscal.

Em que ponto estamos hoje no processo de construção de políticas sociais iniciado no primeiro governo Lula e que entra agora em seu quarto governo? Quais são os planos do MDS daqui para frente, qual o olhar para o futuro?

Tereza Campello: Estamos em um ponto parecido ao que estávamos quando a presidenta Dilma assumiu. Naquele momento, quando olhávamos para trás víamos oito anos de muito sucesso que tiveram como carro chefe a agenda social e como resultados a inclusão de milhões de brasileiros, a geração de empregos e muitos investimentos na área social.

Parecia que não era possível avançar numa agenda que já tinha avançado tanto e que o trabalho a ser realizado era basicamente de manutenção. Aí a presidenta lançou um mega e ousado plano que foi o Brasil Sem Miséria. Acho que as pessoas não têm muita noção da dimensão desse programa. Nós não fomos tão bem tratados pela mídia tradicional, mas nós também somos ruins de comunicação.

Qual é essa dimensão do Brasil Sem Miséria que não ficou bem visível para a sociedade?

Tereza Campello: O Brasil Sem Miséria acabou implementando um padrão de inovação nas políticas sociais brasileiras que coloca um ponto de não retorno. Cada vez que se avança muito, se estabelece um novo degrau. Acho que estabelecemos uma verdadeira laje, que nos dá bagagem para dar um salto muito superior. A presidenta fez algumas inflexões nas políticas sociais que são pouco conhecidas.

Sul21: Que inflexões foram essas?

Tereza Campello: Em primeiro lugar, estabeleceu a ideia de que precisamos universalizar a rede de proteção social no Brasil. Isso não estava colocado. Agora chegamos num patamar em que é possível dizer: o Bolsa Família está universalizado. Certamente ainda tem gente que está fora, mas é muito residual. No caso de qualquer política em que falta abranger 150 mil famílias em um universo de 50 milhões, você pode dizer que universalizou. Mas isso não aconteceu por acaso. Foi uma determinação da presidenta Dilma. Ela determinou que fizéssemos uma busca ativa. Se há pessoas fora do sistema, é responsabilidade do Estado ir buscá-las. A responsabilidade é do Brasil Sem Miséria. Isso muda a equação. Essas pessoas são tão pobres, estão tão distantes e foram tão excluídas e abandonadas que não chegarão ao Estado brasileiro. Então, o Estado deve ir buscá-las.

A segunda inflexão, que diz respeito a algo que também não existia nas políticas públicas voltadas à população pobre no Brasil, é estabelecer uma linha abaixo da qual o Estado não aceita mais que as pessoas estejam. Uma coisa é ter um conceito de linha de pobreza para medir e poder fazer quantificações. Outra coisa é ter uma linha e estabelecer que, quem estiver abaixo dessa linha, terá uma complementação de renda garantida pelo Estado. Isso não é apenas um ditame, mas vem acompanhado de uma política pública que vai dar conta do problema. Introduziu uma mudança no Bolsa Família, fazendo com que o benefício variasse para completar a renda de quem estivesse abaixo da linha da pobreza. Essa foi uma mudança muito importante não só no que o Estado brasileiro assumiu para ele, como de referência para outros países. Tem gente que olha e não acredita que estamos fazendo isso. De fato, é uma inovação muito grande.

É óbvio que só foi possível fazer essas inflexões porque havia oito anos de governo Lula atrás. Houve ainda uma terceira grande inflexão que consistiu em dizer: não é só renda; nós queremos que os adultos tenham acesso a oportunidades para melhorar a sua renda. Isso envolve, entre outras coisas, capacitação profissional, acesso a bancos, possibilidade de formalização via carteira assinada, micro ou pequena empresa, cooperativa, economia solidária. Nós fizemos uma ação massiva muito forte de inclusão econômica dessa população. Isso não quer dizer que essas pessoas não trabalhassem. Trabalhavam (e trabalham). O que não tinham era qualificação profissional, tecnologia, informação, acesso a crédito, etc.

A última coisa, falando das inflexões, é que ficou claro para o Estado brasileiro uma coisa que, de certa forma, é óbvia, mas que não estava tão institucionalizado e que o Brasil Sem Miséria transformou em legado. É a noção de que, independente da existência de grandes políticas universais em áreas como saúde e educação, se você não tiver um caminho diferenciado a população pobre não acessa os serviços públicos. Queremos creches para todos, mas se tivermos um caminho tradicional de universalização, os últimos a serem universalizados serão os mais pobres. Queremos a possibilidade de que todos façam tomografia, mas, pelos caminhos tradicionais, os mais pobres serão os últimos a fazer. E assim por diante...

Então, para construir uma agenda de equidade dentro de uma política de universalização é preciso ter um caminho diferente que faça com que os mais pobres sejam incluídos ao mesmo tempo em que os outros, que não sejam os últimos a serem atendidos. É preciso ter um caminho diferenciado para essa faixa da população ter acesso à creche, ao Mais Médicos, a uma escola em tempo integral, ao crédito, etc.

E esse caminho diferenciado é também, ele próprio, uma política pública...

Tereza Campello: São várias políticas. O Brasil Sem Miséria construiu esse espaço. Todo mundo sentava à mesa para discutir, por exemplo, como fazer para que a escola em tempo integral chegasse aos mais pobres, como fazer para que as comunidades mais pobres não fossem as últimas a terem acesso a essa escola. A partir daí fomos construídos vários caminhos para atingir esse objetivo.

Qual é o universo de pessoas que é objeto da busca ativa hoje? Quantas famílias ainda não tem acesso às políticas públicas do Estado brasileiro?

Tereza Campello: A nossa estimativa é de um universo de 150 mil famílias, algo em torno de 600 mil pessoas. É muita gente ainda. Além disso, temos que fazer um esforço gigantesco para impedir que as pessoas que melhoraram de vida e que foram incluídas voltem à situação anterior de pobreza. Nós não podemos deixar que isso aconteça em hipótese alguma. O que melhor expressa a nossa ambição é aquela frase da presidenta Dilma na posse: nenhum direito a menos, nenhum passo atrás. É uma frase muito forte que afirma que não vamos recuar em direitos.

O Brasil Sem Miséria fechou um ciclo. Não que não existam mais pessoas a serem buscadas, mas cumprimos com todas as metas que havíamos definido para esses últimos quatro anos. Elaboramos um diagnóstico conjunto no governo, organizamos um conjunto de políticas, criamos um sistema de monitoramento, executamos e entregamos tudo, algumas coisas acima das metas fixadas e outras que nem estavam previstas.

Como funciona esse processo de busca ativa na prática?

Tereza Campello: Ele ocorre de várias maneiras, pois o Brasil tem regiões e situações muito diferentes. Fizemos, por exemplo, alguns mutirões com barcos em reservas extrativistas na Amazônia, e encontramos pessoas muito pobres que ainda não havíamos localizado e que não tinham nem documentos. Chegamos a encontrar quatro gerações de uma mesma família sem qualquer documento, nem certidão de nascimento. Essa situação melhorou muito, pois o governo fez um esforço gigante, principalmente por meio do Ministério do Desenvolvimento Agrário com a política nacional de documentação de registro civil. Mais de um milhão de documentos foram emitidos com essa política. Nós contratamos a Marinha que acabou fazendo 120 lanchas que foram distribuídas a municípios da região Norte, com o objetivo de localizar essas famílias.

Também realizamos busca ativa em algumas regiões metropolitanas. Em São Paulo, por exemplo, aumentou muito o número de pessoas beneficiadas pelo Bolsa Família. Quando Fernando Haddad assumiu em São Paulo, essa busca passou a ser política da prefeitura. Aqui no Rio Grande do Sul tínhamos uma baixa cobertura também que melhorou bastante nos últimos anos. Houve mutirões aqui também. Em resumo, há diferentes formas de implementar a busca ativa. Foram sendo construídos desenhos adequados às diferentes realidades encontradas no país.

Há um debate agora, no início do segundo governo Dilma, sobre os rumos da política econômica. Fala-se da necessidade de ajustes e de alguns cortes no orçamento da União. Esses ajustes e cortes representam, na sua avaliação, alguma ameaça para a continuidade das políticas sociais?

Tereza Campello: Não há risco de cortes de benefícios ou de serviços sociais. O que todo mundo vai ter que fazer é um esforço para diminuir gastos da máquina. Sempre é possível melhorar aí. Nós temos também mecanismos de controle dentro de nossos programas para localizar pessoas que estejam recebendo benefícios de forma indevida. Isso não tem a ver com o ajuste fiscal, mas sim com nosso esforço permanente para ter uma política cada vez mais eficiente, que chegue aqueles que mais precisam. Podem ocorrer algumas coisas que não têm nada a ver com cortes. Nós fizemos, por exemplo, 750 mil cisternas. Praticamente universalizamos as cisternas na região do Semi Árido. Ainda há cisternas a serem feitas, algo em torno de 50 mil por ano. Nós estávamos fazendo 50 mil a cada dois meses. Então se olharmos para o dinheiro disponível para cisternas, veremos que ele é muito menor do que já foi, mas isso se deve ao sucesso que tivemos no cumprimento de nossas metas.

A senhora tem qualificado, em algumas ocasiões, programas como o Bolsa Família como construtores de políticas e instrumentos de reforma do Estado brasileiro. Poderia detalhar um pouco mais essa qualificação?

Tereza Campello: Hoje temos 14 milhões de famílias dentro de nosso radar. Nós sabemos onde essas famílias estão, criamos uma ferramenta no Brasil que é a nossa tecnologia social mais difundida no mundo. Nós exportamos hoje essa ideia do cadastro único. Temos um espaço de registro que não serve apenas para pagar o Bolsa Família. Ele fornece informações sobre essas famílias e é alimentado por outras fontes também. Nós estamos alimentando o cadastro do Bolsa Família, por exemplo, com dados do Banco Central sobre microcrédito. Nos interessa saber se essas famílias têm acesso a crédito, não com o objetivo de fazer algum tipo de fiscalização, mas para poder criar outras ferramentas que possam auxiliá-las. Esse tipo de cruzamento de dados permite também um olhar mais apurado sobre os territórios onde essas famílias vivem e sobre possíveis oportunidades para melhorar a sua qualidade de vida.

Nós fizemos isso com o Mais Médicos. O novo decreto do programa repete esse mesmo desenho que permite, entre outras coisas, apontar onde há mais problemas para os médicos irem. Pegamos o mapa do Bolsa Família e colocamos sobre o território brasileiro, localizando as regiões onde havia posto de saúde e onde havia maior concentração de população pobre. Isso nos ajudou a definir as regiões onde a necessidade de médicos era mais urgente. Esse é um exemplo do que chamo de papel construtor de outras políticas desempenhado pelo Bolsa Família. Nós precisamos avançar agora em controle social.

Por onde passa esse avanço?

Tereza Campello: Passa por várias coisas. Estou pensando muito neste tema agora. Considere o Bolsa Família, por exemplo. É um programa pulverizado, onde as famílias recebem o benefício. Há alguns elementos de transparência que nos ajudam com o controle público. Todos os beneficiários estão com o nome no Portal da Transparência. Quem quiser saber se o vizinho recebe Bolsa Família pode descobrir acessando esse portal. Esse é um passo importante que ajuda o controle social. Nós queremos que cada município tenha seu conselho de assistência social. Temos pressionado para que isso aconteça. Não é uma relação simples, pois temos entidades filantrópicas, gestores públicos, usuários e movimentos sociais com assento nesses conselhos. Mas é só assim que se constrói controle social, com as pessoas e entidades envolvidas sentando em volta de uma mesa e estabelecendo um espaço de diálogo. Um exemplo disso é o que vem acontecendo no Conselho Nacional de Assistência Social e no Conselho Nacional de Saúde onde temos, pela primeira vez, representantes da população de rua. São setores muito organizaram que se mobilizaram, criaram a sua institucionalidade e vem participando e cobrando o setor público.

No Brasil Sem Miséria, nós fizemos seis diálogos com diferentes grupos da sociedade civil. Ouvimos críticas e sugestões antes de concluir o formato final do programa. Nós temos um espaço de diálogo e participação social muito forte, com gente muito qualificada e comprometida com uma agenda de avanço das políticas sociais. Agora, nenhum desses atores representa, de fato, aqueles mais pobres que geralmente não estão sindicalizados ou organizados em torno de alguma entidade. Então, nós temos um desafio colocado para o Estado e para os setores organizados da sociedade que consiste em ouvir a voz dessas pessoas. Hoje, ela começa a aparecer em tudo o que é lugar. Não é mais uma coisa esporádica. Agora, há muitos casos onde as pessoas não têm coragem de falar por conta do preconceito. O nível de preconceito que emergiu na sociedade neste período pós-eleitoral é algo assustador.

Qual a sua avaliação sobre a crescente emergência dessas manifestações de preconceito contra setores mais pobres da população, vistas neste período mais recente?

Tereza Campello: Eu acho que piorou. Nós tivemos um período muito ruim do começo do governo Lula até 2005, 2006. Foi algo muito violento. Depois essas manifestações de preconceito diminuíram. Os raivosos pararam de falar e passaram a ficar envergonhados diante dos resultados muito efetivos que obtivemos. Hoje, mesmo com toda a tensão e radicalização verificada na última campanha eleitoral, a maioria da população brasileira é a favor do Bolsa Família. Cerca de 70% da população é favorável ao programa. O que muitas pessoas dizem é que não pode ser só isso, o que nós também achamos. Por isso temos o Pronatec, cursos de formação profissional, programas de crédito. O próprio Bolsa Família é também escola e educação.

O que piorou muito não está relacionado à media da opinião da população. O problema está entre aqueles setores mais reacionários que nutrem uma coisa racista contra os mais pobres. Essas pessoas passaram a ter coragem de expressar seus preconceitos mais abertamente. Saíram do armário. A impressão é que aumentou muito o número dos que são contra programas como o Bolsa Família, quando na verdade o que aumentou foi o número dos que têm coragem de falar esse monte de barbaridade, inclusive coisas que não têm a menor aderência com a realidade.

Recentemente tivemos o caso de uma jornalista que disse que os pobres só pensam em procriar. É um negócio inacreditável. A pessoa parece letrada, embora não deva ter ido muito longe para falar uma coisa dessas. Os dados sobre taxa de fecundidade no Brasil, hoje, são completamente conhecidos. A taxa de fecundidade brasileira caiu em todas as classes sociais e caiu muito mais entre os mais pobres, uma queda em torno de 50% acima da média nacional.

Então, não tem o menor cabimento as pessoas continuarem repetindo esse tipo de coisa. Por que repetem? Fico pensando nisso. Outra barbaridade que segue sendo dita é que a pessoa é pobre porque não trabalha. A pessoa é pobre porque é preguiçosa ou porque é uma perdedora, ou as duas coisas juntas. A verdade é que raríssimas pessoas que não se alimentaram bem na infância, que não tiveram oportunidades de formação e tiveram que começar a trabalhar muito jovens, conseguem posições melhores nas suas áreas. A violência dessas manifestações de preconceito constrange quem é pobre, pois difunde, entre as crianças, essa ideia de que a pessoa é pobre porque não trabalha, porque é preguiçosa.

Isso envolve, entre outras coisas, uma disputa cultural e simbólica. No início dessa entrevista, você se referiu a problemas de comunicação. Em que medida esses problemas contribuem para o problema do agravamento do preconceito? Caberia ao governo algum tipo de política nesta área?

Tereza Campello: Contra o preconceito eu acho que cabe sim. Acredito que a melhor arma contra o preconceito é a informação. Tem um monte de gente que repete essas barbaridades por que não tem informação. Ouve alguém falar, acha engraçadinho e sai repetindo a bobagem, que nem essa história dos "pobres gostam de procriar". A pessoa que disse isso talvez não seja permeável a nenhum tipo de informação e de cultura. Mas, certamente, muita gente que leu essa bobagem sai repetindo sem saber o que está falando. Então, precisamos melhorar a nossa capacidade de transmitir informação clara e de qualidade para a população.

Tem gente que acha que, para uma família receber o benefício do Bolsa Família, basta ter as crianças matriculadas na escola. Não é isso. A criança tem que frequentar a escola e conferimos a cada mês se ela tem um mínimo de 80% de frequência. O nível de exigência sobre essa família é forte e positivo para o país, pois visa garantir a permanência dessa criança na escola. Por maiores problemas que tenha a escola, nela a criança tem acesso a um ambiente mais organizado, ao convívio com outras pessoas, tem acesso à informação, e está fora da rua e do trabalho infantil.

Perguntei em um programa de rádio do qual participei recentemente quantas crianças temos na escola hoje no Brasil. Ninguém soube responder. São 17 milhões de crianças. Esse número aumentou muito graças também ao Bolsa Família. Esse é o tipo de informação que eu acho que tocaria muita gente. Por mais conservadora que a pessoa seja, se ela souber que o Bolsa Família tem esse impacto sobre a saúde e a educação das crianças, pode mudar sua visão.


Brasil Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 09:57:31 +0000 http://www.brasil247.com/167943
Forte nevasca paralisa a maior parte do Nordeste dos EUA http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167949 ADREES LATIF: Turistas carregam bagagem na Times Square, sob neve, em Nova York. 27/01/2015 REUTERS/Adrees Latif Uma forte nevasca caiu sobre o Nordeste dos Estados Unidos e prejudicou cerca de 20 por cento da população do país, já que manteve trabalhadores e estudantes presos em casa, impediu a decolagem de milhares de voos e levou Nova York a proibir o tráfego de veículos e a fechar o metrô <br clear="all"> ADREES LATIF: Turistas carregam bagagem na Times Square, sob neve, em Nova York. 27/01/2015 REUTERS/Adrees Latif

Por Jonathan Allen e Barbara Goldberg

NOVA YORK (Reuters) - Uma forte nevasca caiu sobre o Nordeste dos Estados Unidos e prejudicou cerca de 20 por cento da população do país, já que manteve trabalhadores e estudantes presos em casa, impediu a decolagem de milhares de voos e levou Nova York a proibir o tráfego de veículos e a fechar o metrô.

Com a lembrança ainda viva do furacão Sandy, uma supertempestade que causou grande devastação na Costa Leste em 2012, os governadores de seis Estados da região declararam situação de emergência. A tempestade poderia afetar até 60 milhões de pessoas em quase uma dúzia de Estados.

O Serviço Meteorológico Nacional (NWS, na sigla em inglês) alertou para uma "tempestade capaz de causar risco à vida", que poderia despejar até 75 centímetros de neve em partes da região, à velocidade de até quatro centímetros por hora. Os ventos poderão ter rajadas de até 80 quilômetros por hora na área da cidade de Nova York.

O Serviço Nacional de Meteorologia, em Nova York, disse que cerca de 5,5 centímetros de neve haviam caído no Central Park, em Manhattan, na madrugada desta terça-feira, e que quase 9 centímetros foram registrados em partes de Long Island.

Funcionários do NWS em Boston informaram que nesta terça-feira houve rajadas de vento de até 110 quilômetros por hora no Nantucket Memorial Airport.

"Por favor, fiquem em casa", disse o governador de Nova Jersey, Chris Christie, aos moradores. Ele também ordenou que apenas os funcionários públicos cujos serviços fossem essenciais comparecessem ao trabalho no Estado de segunda-feira à tarde até quarta-feira, no mínimo.

O governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, proibiu viagens nas estradas em 13 municípios a partir das 23h (horário local), com exceção dos veículos de emergência, incluindo a cidade de Nova York, o subúrbio de Westchester e Long Island, e ameaçou aplicar multa de 300 dólares para os infratores.

"Se você estiver em seu carro e estiver em qualquer estrada, cidade, vila, cidade, não importa, depois das 23h você tecnicamente estará cometendo um crime", disse Cuomo. "Pode ser uma questão de vida ou morte, por isso a cautela é necessária."

Proibições de circulação nos Estados de Connecticut, Massachusetts e Nova Jersey praticamente paralisaram as viagens na região, em meio a um branco quase total na paisagem.

DIA CATASTRÓFICO

Presos em casa, os moradores da região Nordeste se voltaram para as mídias sociais para dar vazão à sua frustração, adotando hashtags relacionadas com a tempestade como #blizzardof2015, #Snowmageddon2015 e #Snowpocalypse.

A sede da Organizaçõa das Nações Unidas (ONU) teve um dia de folga nesta terça-feira. Escolas da Costa Leste fecharam, inclusive em Nova York, que tem a maior rede pública de ensino do país, com 1 milhão de estudantes. Universidades, entre as quais Harvard e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, cancelaram as aulas.

As bolsas de valores informaram que esperam se manter em operação normal nesta terça-feira. A última vez que o mau tempo fechou os mercados de ações foi em outubro de 2012, quando o furacão Sandy atingiu a Costa Leste, causando inundações, ventos arrasadores e quedas de energia generalizadas.

Mundo Gisele Federicce Tue, 27 Jan 2015 10:43:38 +0000 http://www.brasil247.com/167949
Adams irá contestar recompensa a Youssef http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167918 : Ministério Público Federal nega que o doleiro preso Alberto Youssef terá direito a recompensa em dinheiro no caso da Lava Jato, mas sinaliza que ele poderá ser beneficiado com abatimento da multa imposta; para Janio de Freitas, alegação é uma redundância: "os valores de multa devida pelo delator premiado serão propriedade da União, e qualquer parte que lhes seja retirada para pagamento a Youssef, ou a outros, consistirá em remuneração com dinheiro da União"; "O MP não pode dispor de recursos da União nem da Petrobras", sentencia ministro Luís Adams, da Advocacia-Geral da União; benefício a Paulo Roberto Costa também será questionado; para o jornalista PML, diretor do 247 em Brasília, o acordo feito pelo juiz Sergio Moro põe a Lava Jato sob suspeita <br clear="all"> :

247 – O ministro Luís Adams, da Advocacia-Geral da União, promete questionar qualquer acerto financeiro feito com Alberto Youssef ou Paulo Roberto Costa na operação Lava Jato.

Segundo o colunista Ilimar Franco, ele vai pedir ao Supremo Tribunal Federal acesso aos acordos de delação premiada ao Ministério Público: “O MP não pode dispor de recursos da União nem da Petrobras”, sentencia. A União ira atrás dos réus para ressarcir as perdas da estatal.

O Ministério Público Federal informou que o doleiro preso não terá direito a nenhum tipo de recompensa no caso de recuperação dos recursos desviados no esquema de desvio de verbas e corrupção no âmbito da Petrobras. No entanto, diz que ele poderá ser beneficiado com abatimento da multa imposta.

Para o colunista Janio de Freitas, a alegação é apenas um outro modo de dizer a mesma coisa: os valores de multa devida pelo delator premiado serão propriedade da União, e qualquer parte que lhes seja retirada para pagamento a Youssef, ou a outros, consistirá em remuneração com dinheiro da União. “Procuradores e juízes que negociam delações podem ceder direitos financeiros da União e da Petrobras?”, contesta ele.

Segundo o jornalista Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, o acordo feito entre o juiz Sergio Moro e Youssef põe a Lava Jato sob suspeita. "Taxa de sucesso que pode chegar a R$ 20 milhões a delator da Lava Jato só reforça convicção de que Sérgio Moro quer condenações a qualquer preço", diz (leia aqui).

Brasil Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 06:02:31 +0000 http://www.brasil247.com/167918
Carvalho: 'Querem nos levar aos tribunais' http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167912 : Ex-ministro Gilberto Carvalho saiu em defesa do ex-ministro José Dirceu; citado recentemente na Operação Lava Jato e condenado na AP 470, ele afirma que as acusações contra Dirceu seriam uma tentativa da oposição de criminalizar o partido e impedir a volta de Lula em 2018: "Eles querem nos levar para as barras dos tribunais. O envolvimento do Zé (Dirceu) agora de novo é tudo na mesma perspectiva", disse; "Não vamos subestimar a capacidade deles para nos criminalizar, nos identificar com o roubo, para nos chamar de ladrão, para tentar impingir em nós uma separação definitiva em relação à classe média, para tentar nos isolar e inviabilizar em 2018 a candidatura do Lula, seja politicamente, seja judicialmente" <br clear="all"> :

247 – Em encontro com militantes petistas na noite desta segunda-feira, o ex-ministro Gilberto Carvalho saiu em defesa do ex-ministro José Dirceu. Citado recentemente na Operação Lava Jato e condenado na AP 470, ele afirma que as acusações contra Dirceu seriam uma tentativa da oposição de criminalizar o partido e impedir a volta de Lula em 2018.

“Eles querem nos levar para as barras dos tribunais. O envolvimento do Zé (Dirceu) agora de novo é tudo na mesma perspectiva. E a leitura que se impõe diariamente na cabeça do nosso povo é essa de que a corrupção nasce conosco e por isso não temos condição de continuar governando o país”, disse.

“Tem uma central de inteligência disposta a fazer o ataque definitivo ao Partido dos Trabalhadores e nosso projeto popular. Não vamos subestimar a capacidade deles para nos criminalizar, nos identificar com o roubo, para nos chamar de ladrão, para tentar impingir em nós uma separação definitiva em relação à classe média, para tentar nos isolar e inviabilizar em 2018 a candidatura do Lula, seja politicamente, seja judicialmente”, acrescentou.

Quanto ao suposto conluio de empresas para desviar dinheiro público, ele afirmou que “são empresas que se unem e corrompem funcionários de uma estatal para auferir lucros, fazer lavagem de dinheiro. A contribuição política é apenas um pequeno capítulo do grande crime que é todo o processo do acerto entre as empresas que fazem seu cartel, como fizeram no metrô em São Paulo e fazem na Petrobras”, disse.

Poder Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 05:13:24 +0000 http://www.brasil247.com/167912
Moro nega 'tortura psicológica' na Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/167916 : Advogados que defendem empreiteiros acusados pelos supostos desvios na Petrobras vão tentar anular a Operação Lava Jato sob o argumento de ‘coação’; Juiz federal Sérgio Moro atribui versão a ‘meros arroubos retóricos’; em ofício enviado ao STF, o magistrado afirma que as prisões não têm como objetivo ‘obter confissões involuntárias’: ‘Já a equiparação da prisão à “tortura psicológica”, não vislumbro sentido nela salvo se então admitido que todos os presos brasileiros sejam também considerados “torturados psicológicos”’ <br clear="all"> :

247 – Questionado pela condução da Operação Lava Jato, o juiz federal Sérgio Moro negou ‘tortura psicológica contra empreiteiros’.

Em uma ação jurídica articulada, os advogados que defendem os acusados pelos desvios na Petrobras vão tentar anular a Operação Lava Jato nos tribunais superiores questionando pontos que consideram frágeis na investigação. No foco central está uma decisão do procurador Manoel Peçanha, que defendeu, em parecer, a prisão preventiva do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, como estratégia para forçar novos acordos de delação premiada.

"Coação. Essa será a palavra de ordem da defesa, um forte argumento jurídico e a grande polêmica que decidirá o destino da operação", avalia o ex-juiz e jurista Luiz Flávio Gomes.

Em ofício enviado ao ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, o magistrado atribui versão da defesa a ‘meros arroubos retóricos’. Segundo ele, as prisões não têm como objetivo ‘obter confissões involuntárias’. ‘Já a equiparação da prisão à “tortura psicológica”, não vislumbro sentido nela salvo se então admitido que todos os presos brasileiros sejam também considerados “torturados psicológicos”’, afirmou Moro.

Paraná 247 Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 05:09:23 +0000 http://www.brasil247.com/167916
Marta volta a criticar Dilma: 'O diretor sumiu' http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167913 WILSON DIAS-ABR                 : Ex-ministra Marta Suplicy contesta novamente gestão da presidente Dilma Rousseff: “Se tivesse havido transparência na condução da economia no governo Dilma, dificilmente a presidente teria aprofundado os erros que nos trouxeram a esta situação de descalabro”; segundo a senadora petista, “o PT vive situação complexa, pois embarcou no circo de malabarismos econômicos, prometeu, durante a campanha, um futuro sem agruras, omitiu-se na apresentação de um projeto de nação para o país, mas agora está atarantado sob sérias denúncias de corrupção” <br clear="all"> WILSON DIAS-ABR                 :

247 – Após forçar um racha com o PT por ambições eleitoreiras em entrevista à jornalista Eliane Cantanhêde, a ex-ministra Marta Suplicy volta a criticar o governo Dilma Rousseff: “Se tivesse havido transparência na condução da economia no governo Dilma, dificilmente a presidente teria aprofundado os erros que nos trouxeram a esta situação de descalabro”. 

Leia: 

O diretor sumiu

Se houvesse transparência na condução da economia no governo Dilma, ela não teria aprofundado os erros que nos trouxeram a esta situação

Tenho pensado muito sobre a delicadeza e a importância da transparência nos dias de hoje. Temos vivido crises de todos os tipos: crise econômica, política, moral, ética, hídrica, energética e institucional. Todas elas foram gestadas pela ausência de transparência, de confiança e de credibilidade.

Se tivesse havido transparência na condução da economia no governo Dilma, dificilmente a presidente teria aprofundado os erros que nos trouxeram a esta situação de descalabro. Não estaríamos agora tendo de viver o aumento desmedido das tarifas, a volta do desemprego, a diminuição de direitos trabalhistas, a inflação, o aumento consecutivo dos juros, a falta de investimentos e o aumento de impostos, fazendo a vaca engasgar de tanto tossir.

Assim que a presidenta foi eleita, seu discurso de posse acompanhou o otimismo e reiterou os compromissos da campanha eleitoral: "Nem que a vaca tussa!".

Havia uma grande expectativa a respeito do perfil da equipe econômica que a presidenta Dilma Rousseff escolheria. Sem nenhuma explicação, nomeia-se um ministro da Fazenda que agradaria ao mercado e à oposição. O simpatizante do PT não entende o porquê. Se tudo ia bem, era necessário alguém para implementar ajustes e medidas tão duras e negadas na campanha? Nenhuma explicação.

Imagina-se que a presidenta apoie o ministro da Fazenda e os demais integrantes da equipe econômica. É óbvio que ela sabe o tamanho das maldades que estão sendo implementadas para consertar a situação que, na realidade, não é nada rósea como foi apresentada na eleição. Mas não se tem certeza. Ela logo desautoriza a primeira fala de um membro da equipe. Depois silencia. A situação persiste sem clareza sobre o que pensa a presidenta.

Iniciam-se medidas de um processo doloroso de recuperação de um Brasil em crise. Até onde ela se propõe a ir? Até onde vai o apoio à equipe econômica?

Para desestabilizar mais um pouco a situação, a Fundação Perseu Abramo, do PT, critica as medidas anunciadas, o partido não apoia as decisões do governo e alguns deputados petistas vociferam contra elas. Parte da oposição, por receio de se identificar com a dureza das medidas, perde o rumo criticando o que antes preconizou.

O PT vive situação complexa, pois embarcou no circo de malabarismos econômicos, prometeu, durante a campanha, um futuro sem agruras, omitiu-se na apresentação de um projeto de nação para o país, mas agora está atarantado sob sérias denúncias de corrupção.

Nada foi explicado ao povo brasileiro, que já sente e sofre as consequências e acompanha atônito um estado de total ausência de transparência, absoluta incoerência entre a fala e o fazer, o que leva à falta de credibilidade e confiança.

É o que o mercado tem vivido e, por isso, não investe. O empresariado percebe a situação e começa a desempregar. O povo, que não é bobo, desconfia e gasta menos para ver se entende para onde vai o Brasil e seu futuro.

Acrescentem-se a esse quadro a falta de energia e de água, o trânsito congestionado, os ônibus e metrôs entupidos, as ameaças de desemprego na família, a queda do poder aquisitivo, a violência crescente, o acesso à saúde longe de vista e as obrigações financeiras de começo de ano e o palco está pronto.

A peça se desenrola com enredo atrapalhado e incompreensível. O diretor sumiu.

Poder Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 05:19:48 +0000 http://www.brasil247.com/167913
Levy revê declaração sobre seguro-desemprego http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167919 : Após questionar o benefício, ministro da Fazenda resolveu colocar um ponto final nesta questão, segundo o colunista Ancelmo Gois: “O ministro Rossetto está certíssimo ao dizer que ninguém vai tirar nenhum direito social. Investidor não gosta de incerteza... e o trabalhador tampouco” <br clear="all"> :

247 – O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, voltou atrás em sua alegação sobre o segundo-desemprego.

Em entrevista ao britânico Financial Times, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, ele falou sobre a necessidade de "livrar-se de subsídios e ajustar os preços", além de, a fim de colocar as finanças em ordem, "fazer cortes em várias áreas".

Segundo nota do colunista Ancelmo Gois, ele agora dá razão ao ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto:

Seguro-desemprego fica

Joaquim Levy, cuja declaração sobre o futuro do seguro-desemprego provocou reação do ministro Miguel Rossetto, resolveu colocar um ponto final nesta questão:

“O ministro Rossetto está certíssimo ao dizer que ninguém vai tirar nenhum direito social. Investidor não gosta de incerteza... e o trabalhador tampouco”.

Economia Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 06:23:13 +0000 http://www.brasil247.com/167919
Cristina Kirchner dissolve Secretaria de Inteligência http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167930 REUTERS/Presidência da Argentina/Divulgação: A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, pronuncia discurso à nação em cadeia nacional de televisão, em Buenos Aires, nesta segunda-feira. 26/01/2015 REUTERS/Presidência da Argentina/Divulgação Ela aproveitou o anúncio da medida, em cadeia nacional de televisão, para rebater insinuações de que seu governo estaria por trás da morte do promotor Alberto Nisman; ele morreu, com um tiro na cabeça, no último dia 18; promotor tinha acabado de denunciar um suposto complô da presidenta com o governo iraniano, para acobertar os responsáveis pelo atentado de 1994 contra o Centro Comunitário Judaico Amia, que matou 85 pessoa <br clear="all"> REUTERS/Presidência da Argentina/Divulgação: A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, pronuncia discurso à nação em cadeia nacional de televisão, em Buenos Aires, nesta segunda-feira. 26/01/2015 REUTERS/Presidência da Argentina/Divulgação

Monica Yanakiew - Correspondente da Agência Brasil/EBC - A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou nessa segunda-feira (26) a dissolução da Secretaria de Inteligência e o envio, ao Congresso, de projeto de lei que cria uma agência federal para substituí-la. Ela aproveitou o anúncio da medida, em cadeia nacional de televisão, para rebater insinuações de que seu governo estaria por trás da morte do promotor Alberto Nisman.

Nisman morreu, com um tiro na cabeça, no último dia 18. O promotor tinha acabado de denunciar um suposto complô da presidenta com o governo iraniano, para acobertar os responsáveis pelo atentado de 1994 contra o Centro Comunitário Judaico Amia, que matou 85 pessoas.

Nisman era o promotor encarregado das investigações do atentado ao Amia, considerado o pior ataque terrorista da história argentina. Ele culpou o Irã de ter planejado a explosão, que teria sido executada pelo grupo xiita libanês Hezbollah, e pediu a captura de oito pessoas – a maioria, altos funcionários do governo iraniano.

O Irã sempre negou as acusações e rejeitou os pedidos da Justiça argentina de tomar o depoimento dos suspeitos de terem planejado o atentado. A situação mudou em 2013, quando Cristina Kirchner anunciou a assinatura de um memorando de entendimento entre os dois governos, criando uma Comissão da Verdade para investigar o atentado ao Amia.

Nisman condenou o memorando e, uma semana antes de morrer, acusou a presidenta de ter negociado secretamente com o governo iraniano para inocentar os acusados e colocar um fim às investigações. O motivo, disse o promotor, seria econômico: a Argentina trocaria grãos e armas por petróleo.

Nisman ia apresentar um relatório de 300 páginas ao Congresso, na segunda-feira (19), com o que considerava serem provas da conspiração. Mas seu corpo foi encontrado horas antes, no banheiro de casa, em Buenos Aires. As perícias iniciais indicam que o autor do disparo foi o próprio Nisman – mas ninguém ainda descarta a possibilidade de o suicídio ter sido induzido.

A própria Cristina Kirchner, em carta publicada em sua página no Facebook, disse ter a certeza de que a morte de Nisman não foi suicídio e insinuou que foi um golpe contra seu governo. O governo acusa setores descontentes da Secretaria de Inteligência de estar por trás da denúncia feita pelo promotor.

O documento de 300 páginas - tornado público apoós a morte de Nisman – não contém provas contundentes do suposto complô. Segundo Cristina, para o governo teria sido fácil desmentir as acusações de Nisman – mas a morte do promotor, horas antes de seu comparecimento ao Congresso, criou um clima de suspeita.

Nisman baseou suas acusações em escutas telefônicas - algumas delas entre supostos agentes da Secretaria de Inteligencia que, segundo o governo, eram falsos espiões. A presidência decidiu reformar o setor e criar, em seu lugar, a Agência Federal de Inteligência.

Mundo Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 06:30:34 +0000 http://www.brasil247.com/167930
PSB pressiona Aécio contra apoio tucano a Cunha http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167917 : Depois de selar em dezembro o apoio formal à candidatura de Júlio Delgado (PSB), deputados do PSDB já admitem que podem embarcar no projeto de Eduardo Cunha (PMDB) no primeiro turno da disputa, contra o PT; peemedebista sondou ala paulista do partido: "Daqui até domingo será muita conversa, muita tentativa de convencimento. Já fui na sede e conversei com a bancada do PSDB aqui em São Paulo. Estou disposto a conversar com quem quer que seja", disse Cunha <br clear="all"> :

247 - Em reunião em Brasília, o PSB pressionou o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), a manter o acordo pelo seu candidato na disputa pela Presidência da Câmara. "É bom a gente confiar nas lideranças do PSDB", disse o ex-governador do Espírito Santo e presidente da Fundação João Mangabeira, Renato Casagrande.

Depois de selar em dezembro o apoio formal à candidatura de Júlio Delgado (PSB), deputados do PSDB já admitem que podem embarcar no projeto de Eduardo Cunha (PMDB) no primeiro turno da disputa, contra o PT.

Depois de participar de evento na Força Sindical, o peemedebista se reuniu com o PSDB paulista na tarde desta segunda-feira. "Daqui até domingo será muita conversa, muita tentativa de convencimento. Já fui na sede e conversei com a bancada do PSDB aqui em São Paulo. Estou disposto a conversar com quem quer que seja", disse Cunha.

Minas 247 Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 05:42:12 +0000 http://www.brasil247.com/167917
Fidel diz não confiar nos EUA, mas apoia acordo http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167911 : "Não confio na política dos Estados Unidos, nem troquei uma palavra com eles. Isso não significa - longe disso - uma rejeição a uma solução pacífica dos conflitos", disse o líder cubano Fidel Castro, de 88 anos, afastado do poder desde 2006, em uma carta dirigida à Federação Estudantil Universitária; ele rompe, assim, o silêncio de mais de um mês sobre a histórica aproximação anunciada por seu irmão e sucessor Raúl Castro e pelo presidente Barack Obama <br clear="all"> :

AFP - O líder cubano Fidel Castro disse nesta segunda-feira (26) que não confia nos EUA e que não conversou com Washington, rompendo, assim, o silêncio de mais de um mês sobre a histórica aproximação anunciada por seu irmão e sucessor Raúl Castro e pelo presidente Barack Obama.

"Não confio na política dos Estados Unidos, nem troquei uma palavra com eles. Isso não significa - longe disso - uma rejeição a uma solução pacífica dos conflitos", disse Fidel, de 88 anos, afastado do poder desde 2006, em uma carta dirigida à Federação Estudantil Universitária.

Com a data de hoje (27), a carta foi lida pelo presidente da Federação, Randy Perdomo, esta segunda à noite na televisão cubana.

O pai da Revolução Cubana não criticou o acordo anunciado por Raúl e Obama em 17 de dezembro passado, por meio do qual ambos pretendem normalizar as relações bilaterais. O acontecimento foi saudado em todo o mundo.

"O presidente de Cuba deu os passos pertinentes de acordo com suas prerrogativas e com as faculdades que a Assembleia Nacional e o Partido Comunista de Cuba concedem a ele", escreveu Fidel Castro.

"Defenderemos sempre a cooperação e a amizade com todos os povos do mundo e, entre eles, os dos nossos adversários políticos. É o que estamos reivindicando para todos", completou Fidel Castro, o grande ausente no histórico processo de aproximação entre ambos os países, após meio século de inimizade.

No longo texto, Fidel fala dos mais diversos tópicos, indo da Grécia Antiga à incursão militar cubana na África, nas décadas de 1970 e 1980, e encerra com seus comentários sobre a reaproximação com os Estados Unidos.

O silêncio de Fidel voltou a alimentar rumores sobre sua saúde e sobre sua morte no início do mês, até que o ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona, seu amigo pessoal e que estava de visita em Havana, anunciou há duas semanas ter recebido uma carta do líder cubano.

A última aparição pública de Fidel foi em 8 de janeiro de 2014, quando assistiu à inauguração de uma galeria do artista cubano Alexis Leyva "Kcho", também seu amigo.

Mundo Roberta Namour Tue, 27 Jan 2015 05:35:03 +0000 http://www.brasil247.com/167911
Temer diz não crer que PF armou contra Cunha http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167892 Anderson Riedel/ Vice PR: "Não acredito e nem o Eduardo Cunha acredita. A Polícia Federal cumpre seu papel de investigação", disse o vice-presidente da República; deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) divulgou áudio que disse acreditar ter sido armado pela Polícia Federal contra sua candidatura à presidência da Câmara <br clear="all"> Anderson Riedel/ Vice PR:

247 – O vice-presidente da República, Michel Temer, disse não acreditar que a Polícia Federal está envolvida na armação de um áudio contra o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

A gravação de um diálogo entre um suposto agente da PF e de um suposto aliado de Cunha, de acordo com o deputado, foi forjado por alguém da corporação para prejudicar sua campanha à presidência da Câmara.

"Não acredito e nem o Eduardo Cunha acredita. A polícia federal cumpre seu papel de investigação. Eu não acredito que alguém da Polícia Federal pudesse fazer isso", disse Temer nesta segunda-feira 26. O áudio será investigado pela PF.

Temer disse ser "natural" que esses episódios aconteçam à medida que a eleição, agendada para 1º de fevereiro, se aproxima. "É natural que ocorram acidentes e incidentes. Nesta última semana, há um agravamento nesses incidentes, mas tenho certeza que, ao final dessa semana, feita a eleição, a Câmara se pacifica em torno do candidato eleito", afirmou.

Poder Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 19:01:19 +0000 http://www.brasil247.com/167892
Pobreza na América Latina se mantém em torno de 28% em 2014 http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167890 : Nível é mantido desde 2012, em meio a uma desaceleração da economia da região, apontou nesta segunda-feira um boletim da Cepal; de acordo com o "Panorama Social da América Latina 2014", o número de pessoas em situação de pobreza chegou no ano passado a 167 milhões <br clear="all"> :

SANTIAGO (Reuters) - A pobreza afeta 28 por cento da população da América Latina, um nível que se mantém desde 2012, em meio a uma desaceleração da economia da região, apontou nesta segunda-feira um boletim da Cepal.

De acordo com o "Panorama Social da América Latina 2014", o número de pessoas em situação de pobreza chegou no ano passado a 167 milhões.

"A recuperação da crise financeira internacional não parece ter sido aproveitada suficientemente para o fortalecimento de políticas de proteção social que diminuam a vulnerabilidade frente aos ciclos econômicos", disse a Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal).

O estudo não apontou mudanças estatisticamente significativas nos níveis de pobreza e miséria da região em seu conjunto, uma vez que o crescimento do PIB per capita seria similar ou um pouco menor do que em 2013 e que não houve variações consideráveis do emprego ou da inflação na maioria dos países.

Enquanto isso, a população em situação de pobreza extrema subiu para 12 por cento, ante 11,7 por cento em 2013, o que corresponde a 71 milhões de pessoas.

"As projeções mostram um leve aumento da taxa de miséria... o que significaria não apenas um retrocesso desta taxa aos níveis observados no princípio da década, mas também um crescimento considerável da quantidade de pessoas afetadas por essa situação, devido ao crescimento demográfico", afirmou.

Os países que apresentaram maior redução da pobreza foram Paraguai, El Salvador, Colômbia, Peru e Chile.

Além de analisar a pobreza pela renda, o estudo apresentou uma medição complementar que engloba cinco âmbitos: moradia, serviços básicos, educação, emprego e proteção social, e padrão de vida.

Nessa medição, as maiores quedas ocorreram em Argentina, Uruguai, Brasil, Chile e Venezuela.

"Os países da América Latina e Caribe enfrentam hoje o desafio de continuar buscando os avanços significativos na redução da pobreza e o desemprego, assim como ampliar os avanços iniciais na distribuição de renda, alcançados em conjunto com a consolidação democrática, a estabilização macroeconômica e as políticas sociais", disse.

(Reportagem de Fabián Andrés Cambero)

Mundo Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 18:51:39 +0000 http://www.brasil247.com/167890
S&amp;P rebaixa rating soberano da Rússia http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167888 : A agência de classificação de risco Standard &amp; Poor's cortou nesta segunda-feira o rating soberano da Rússia para BB+, abaixo do grau de investimento, com perspectiva negativa, e disse que a perspectiva de crescimento econômico para o país enfraqueceu <br clear="all"> :

MOSCOU (Reuters) - A agência de classificação de risco Standard & Poor's cortou nesta segunda-feira o rating soberano da Rússia para BB+, abaixo do grau de investimento, com perspectiva negativa, e disse que a perspectiva de crescimento econômico para o país enfraqueceu.

O rublo caiu após a notícia, para 67,63 ante o dólar, queda de 5 por cento em relação ao fechamento na véspera.

A S&P havia alertado no fim de dezembro que poderia tirar o grau de investimento da Rússia a partir de meados de janeiro, após rápida deterioração da flexibilidade da política monetária do país e em meio ao enfraquecimento da economia.

A agência afirmou em comunicado que as situações externa e fiscal poderiam se deteriorar devido ao aumento da pressão externa e ao maior apoio do governo à economia.

O rebaixamento, para "BB+" ante "BBB-", marca a primeira vez em mais de 10 anos que a dívida soberana da Rússia é classificada abaixo do grau de investimento, o que alguns chamam de "grau especulativo".

A medida pode prejudicar não só a imagem da Rússia entre os investidores, mas também elevar seus custos financiamento, uma vez que muitos fundos de investimento e de pensão têm regras que os impedem de comprar títulos não classificados como grau de investimento.

A economia da Rússia deve entrar em recessão este ano, uma vez que as sanções do Ocidente em decorrência da situação na Ucrânia estimulam a fuga de capitais e a inflação, e uma queda duradoura dos preços do petróleo pressiona fortemente as receitas de exportação da Rússia.

(Por Lidia Kelly e Thomas Grove)

Mundo Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 18:00:29 +0000 http://www.brasil247.com/167888
Centrais sindicais protestarão contra mudanças em benefícios http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167883 : As seis maiores centrais sindicais do País promoverão, na quarta-feira 28, uma manifestação para pedir a revogação das medidas provisórias 664 e 665 que alteram regras sobre pensão, auxílio-doença e seguro-desemprego; o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, acha que as medidas prejudicarão não somente os trabalhadores, mas a economia do País; o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, destaca que é preciso resgatar um compromisso de campanha da presidente Dilma; "O pacote anunciado dia 30 de dezembro restringe a produção, o crédito, aumenta juros. E o pacote dos direitos sociais afeta a aposentadoria e o seguro-desemprego, o que é inaceitável" <br clear="all"> :

Flávia Albuquerque - Repórter da Agência Brasil

As seis maiores centrais sindicais do país promoverão quarta-feira (28) uma manifestação para pedir a revogação das medidas provisórias (MP) 664 e 665, anunciadas no fim do ano passado. As duas medidas alteram regras sobre pensão, auxílio-doença e seguro-desemprego.

Durante o ato, que começará no Museu de Arte de São Paulo, na Avenida Paulista, e seguirá em passeata, os representantes das centrais farão duas paradas (uma no prédio do Ministério da Fazenda e outra na Petrobras) para entregar um documento expressando a insatisfação dos trabalhadores.

De acordo com o secretário de Organização e Políticas Sindicais da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Francisco Pereira de Souza, o objetivo é discutir a defesa dos direitos e o emprego dos trabalhadores, porque, na avaliação das seis centrais sindicais, as medidas do governo vão causar prejuízos importantes para a sociedade.

"Nossa mobilização é também em função de um certo descontentamento, porque estivemos com o governo em algumas ocasiões, e a nós foi dito que os trabalhadores não teriam nenhuma surpresa, e que não haveria mudança em seus direitos. Mas fomos surpreendidos. Não concordamos com elas [medidas provisórias], nem com a forma como foram anunciadas. Vamos propor que o governo reveja as medidas", disse o sindicalista.

Para o representante da Nova Central Sindical (NCTS), Luiz Gonçalves, é preciso que o governo não apenas minimize os efeitos das MPs para os trabalhadores, mas também atender às reivindicações feitas há muito tempo. "São documentos que estão protocolados desde o momento da campanha eleitoral."

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, acha que as medidas prejudicarão, não somente os trabalhadores, mas a economia do país. "Quanto mais renda e consumo, mais a indústria trabalha e há geração de empregos. Queremos dar uma resposta ao governo de que as MPs prejudicam o desenvolvimento do país. Faremos o possível para que o governo modifique as propostas."

O secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sérgio Nobre, destaca que é preciso resgatar um compromisso de campanha da presidenta Dilma Rousseff. Ela disse que não faria ajustes na produção industrial ou nos direitos trabalhistas. Para Nobre, as medidas empurrarão o país para uma crise econômica.

"O pacote anunciado dia 30 de dezembro restringe a produção, o crédito, aumenta juros. E o pacote dos direitos sociais afeta a aposentadoria e o seguro-desemprego, o que é inaceitável. Hoje um trabalhador que se aposenta sofre o redutor do fator previdenciário, e agora, além disso, quando ele falece, há um novo redutor sobre a pensão."

O secretário-geral da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Wagner Gomes, explicou que o protesto é preparatório para uma grande manifestação no dia 26 de fevereiro. "Não vamos aceitar calados que se estabeleça uma política econômica que vai levar o país a uma paralisação. As MPs são restritivas e a consequência é a demissão [de trabalhadores]."

O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Álvaro Egea, ressaltou que não é possível o Brasil continuar no caminho do desenvolvimento e valorização do emprego com a política anunciada pelo governo. "O governo foi capturado pela política derrotada nas urnas. É uma contradição muito grande. Não só os trabalhadores, mas há setores do governo e empresários que também discordam. Não vamos aceitar que, para recuperar a economia, coloque-se em primeiro lugar o interesse do capital financeiro", afirmou.

Brasil Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 17:46:56 +0000 http://www.brasil247.com/167883
SP pede ao governo federal plano de economia de luz http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167877 : Em meio à crise de abastecimento de água, o governo paulista quer discutir com o Planalto o que chama de escassez de energia no Brasil; "O governo precisa apresentar uma proposta à população para que economize" energia elétrica, ressaltou o secretário de Energia do estado, João Carlos Meirelles, em coletiva de imprensa; campanha para redução do consumo, segundo ele, é a única opção de curto prazo para evitar um racionamento no País <br clear="all"> :

Por Rodrigo Tolotti Umpieres

SÃO PAULO - O Governo de São Paulo pediu ao Governo Federal um plano de contingência para energia, afirmou o secretário de energia do estado, João Carlos Meirelles, em coletiva de imprensa em São Paulo. Segundo ele,  o governo estadual pretende se reunir com o novo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, para discutir a situação de escassez de energia no Brasil.

O governo paulista irá propor ao governo federal que elabore uma campanha de redução de consumo elétrico, iniciativa apontada por Meirelles como única opção de curto prazo para evitar um racionamento de energia. O pedido de audiência com o ministro será formalizado hoje e o governo de São Paulo espera que o encontro ocorra ainda na próxima semana.

O lançamento de uma campanha de conscientização para o consumo de energia é uma das iniciativas que serão apresentadas por São Paulo ao governo federal. "O governo precisa apresentar uma proposta à população para que economize", sintetizou o secretário, que participou nesta segunda-feira da cerimônia de Lançamento do Selo Energia Verde, na sede da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

O mapeamento de áreas onde eventuais cortes de energia não podem ocorrer também deve ser proposto. É o caso, por exemplo, da Avenida Paulista, classificada por Meirelles como o "maior corredor de hospitais do País". Esse mapeamento, pondera o secretário, seria levado em consideração em situações em que o corte de energia fosse programado, e não em dias de ocorrência inesperada, como foi a última segunda-feira.

A declaração ocorre uma semana após onze estados e o Distrito Federal ficarem sem luz devido a um apagão inicialmente "intencional", após a ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) pedir cortes no fornecimento de energia ao redor do Brasil. Segundo as informações, ocorreu um pico de consumo no início da tarde, levando o operador a pedir que o fornecimento fosse cortado para evitar maiores problemas.

No dia seguinte, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga o sistema energético do Brasil é robusto e o que ocorreu foi apenas uma falha técnica, mas que mesmo assim o governo está tomando as medidas necessárias para reforçar o sistema. Para ele, o que ocorreu na última segunda-feira não foi falta de energia e quem precisa dar explicações sobre os fatos é o ONS, já que tudo não passou de uma falha técnica.

Com Agência Estado

SP 247 Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 16:54:12 +0000 http://www.brasil247.com/167877
Defesa de Cerveró pede intimação de Gabrielli e desiste de indicar Dilma como testemunha http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/167866 : A defesa do ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró solicitou à Justiça a intimação do ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli como testemunha no processo a que responde por suposto recebimento de propina quando era diretor da empresa e desistiu do pedido feito mais cedo para que a presidente Dilma Rousseff também fosse intimada; Cerveró é acusado de corrupção por ter supostamente recebido propina na compra de navios-sonda da Petrobras <br clear="all"> :

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - A defesa do ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró solicitou à Justiça a intimação do ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli como testemunha no processo a que responde por suposto recebimento de propina quando era diretor da empresa e desistiu do pedido feito mais cedo para que a presidente Dilma Rousseff também fosse intimada.

Cerveró é acusado de corrupção por ter supostamente recebido propina na compra de navios-sonda da Petrobras.

O ex-diretor nega as acusações e, em defesa encaminhada por escrito à Justiça, seu advogado pede sua absolvição e extinção do processo. Argumenta também que a Justiça Federal do Paraná é incompetente para julgar o caso porque, segundo o Ministério Público Federal, os crimes teriam acontecido no Rio de Janeiro.

A defesa de Cerveró havia pedido que a presidente fosse intimada como uma de sua testemunhas, mas enviou outro pedido à Justiça Federal do Paraná desistindo do pedido alegando que a contratação dos navios-sonda foi tomada diretamente pela diretoria da Petrobras, sem passar pelo Conselho de Administração da Petrobras, presidido por Dilma entre 2003 e 2010.

Já Gabrielli, que presidiu a estatal entre 2005 e 2012, foi indicado como testemunha junto a outras sete pessoas.

Cerveró está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba desde 14 de janeiro. O Ministério Público pediu sua prisão por entender que o ex-diretor seguiria cometendo crimes ao fazer transferências patrimoniais no que seria, de acordo com a Procuradoria, uma manobra para ocultar recursos de origem ilícita.

A Justiça já denunciou 39 pessoas na operação Lava Jato. Além de Cerveró, foram denunciados o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e 23 pessoas ligadas a seis das maiores empreiteiras do Brasil.

Segundo depoimento feito à Justiça por Costa, que assinou acordo de delação premiada em troca de redução da pena, as empeiteiras teriam formado um cartel nos contratos com a Petrobras, que seriam firmados com sobrepreço.

Em troca, diretores da estatal, operadores do esquema políticos e partidos receberiam propina. Entre os partidos citados por Costa em seu depoimento estão PT, PP e PMDB.

A Procuradoria-Geral da República montou uma força-tarefa para analisar o envolvimento de políticos com prerrogativa de foro junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas o procurador-geral, Rodrigo Janot, só deve apresentar eventuais denúncias ao Supremo após a volta do recesso do Judiciário em fevereiro.

Paraná 247 Leonardo Attuch Mon, 26 Jan 2015 15:41:30 +0000 http://www.brasil247.com/167866
Altman: Vitória do grego Syriza chacoalha Europa http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167847 : Antes da ascensão do partido na Grécia, "a esquerda europeia esteve circunscrita a papel secundário", analisa Breno Altman, colunista do 247; "O jogo, agora, mudou" com a vitória de Alexis Tsipras, futuro primeiro-ministro grego, afirma o jornalista, que diz que a legenda "tem fisionomia semelhante ao PT brasileiro"; Altman ressalta, porém, que enquanto "o petismo pode promover a expansão de emprego, renda e direitos, durante longo período, sem confrontar o modelo rentista e as forças que o sustentam", o Syriza "somente será capaz de enfrentar a calamitosa herança social e econômica deixada por seus antecessores se fizer mudanças profundas e enfrentar o centro dirigente do imperialismo europeu"; leia a íntegra <br clear="all"> :

247 – Até a ascensão do partido grego Syriza, "a esquerda europeia esteve circunscrita a papel secundário, desempenhado por partidos comunistas e outros grupos com sérias dificuldades para se viabilizarem como alternativa de poder", analisa Breno Altman, em seu blog no portal Opera Mundi, parceiro do 247. "O jogo, agora, mudou" com a vitória de Alexis Tsipras, futuro primeiro-ministro grego.

Para Altman, o Syriza "tem fisionomia semelhante ao PT brasileiro". "Mais do que partido clássico, trata-se de frente orgânica. Aglutina inúmeras correntes, em espectro que vai do trotsquismo à social-democracia, ao redor de um programa de caráter socialista. Sua principal força propulsora são os movimentos sociais e populares que se rebelaram contra o garrote financeiro imposto sobre a Grécia desde a crise de 2010", descreve o jornalista.

O cenário com o qual Tsipras e seus correligionários irão lidar, no entanto, é oposto ao percurso petista após a conquista eleitoral de 2002, na avaliação de Altman. "A verdade é que o petismo pode promover a expansão de emprego, renda e direitos, durante longo período, sem confrontar o modelo rentista e as forças que o sustentam. O Syriza, no entanto, somente será capaz de enfrentar a calamitosa herança social e econômica deixada por seus antecessores se fizer mudanças profundas e enfrentar o centro dirigente do imperialismo europeu".

"O nó górdio é a dívida pública. Sem estancar esta sangria, o Estado grego continuará insolvente para atender as reivindicações das ruas e retomar o crescimento", prossegue o colunista. Aconteça o que acontecer, porém, diz ele, "a Grécia se transformou no epicentro dos principais lances políticos dos próximos tempos" e a "a Europa está aturdida por um fenômeno que talvez abra novo ciclo político, no qual se viabilize uma esquerda antagonista vocacionada para conduzir o continente a outro modelo de desenvolvimento".

Leia aqui a íntegra do artigo.

Mundo Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 13:48:29 +0000 http://www.brasil247.com/167847
Cunha promete legislar contra financiamento público http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167858 : Candidato à presidência da Câmara, deputado afirma discordar da posição da maioria dos ministros do STF, que considera inconstitucional as doações de empresas privadas a campanhas políticas, e disse que, caso seja mantida essa decisão da corte suprema, "provavelmente" terá de legislar sobre o tema; "tentativa de criminalizar" o financiamento privado "é perigoso" e "uma seara de risco enorme", ressaltou Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em ato de campanha na Força Sindical, em São Paulo <br clear="all"> :

247 – O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), candidato à presidência da Câmara, afirmou nesta segunda-feira 26 ser contra a "tentativa de criminalização" do financiamento privado de campanha durante eleições. Segundo ele, proibir as doações de empresas a campanhas "é perigoso" e "uma seara de risco enorme". Cunha deu as declarações durante ato na Força Sindical, em São Paulo.

Ele disse discordar da posição da maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que julgam ação apresentada pela OAB que prevê o financiamento exclusivamente público de campanha. O julgamento foi interrompido após pedido de vista do ministro Gilmar Mendes. "Discordo da decisão que o financiamento privado seja ilegal. Se é inconstitucional ou ilegal, todo mundo aqui se elegeu na ilegalidade", afirmou.

De acordo com o parlamentar, o financiamento "será um dos grandes pontos da reforma política" e deve ser um debate feito junto a outros temas. Ele também defendeu a diminuição do tempo de campanha, a fim de reduzis os custos. "Três meses é muito. O eleitor decide em cima da hora. Se você diminuir o tempo de campanha, você diminui o custo", defendeu. Durante o ato, ele evitou assumir compromissos com as reivindicações dos trabalhadores.

Poder Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 14:50:58 +0000 http://www.brasil247.com/167858
Dino promete “recompor” serviços públicos http://www.brasil247.com/pt/247/maranhao247/167838 : Governador do Maranhão afirmou que os serviços públicos no estado foram destruídos justamente pela farra de terceirizações irregulares; "Nosso principal esforço em 2015 é para recompor o que foi destruído: os serviços públicos no Maranhão", disse; uma das medidas anunciadas foi enviar uma medida provisória à Assembleia Legislativa que estabelece o fim das terceirizações no sistema penitenciário e a realização de processo seletivo para a contratação temporária de 1,3 mil profissionais para reforçar a segurança nos presídios <br clear="all"> :

Maranhão 247 - O governador Flávio Dino (PCdoB) deu o tom do que será seu governo em 2015: recompor os serviços, que segundo o governador foram destruídos pelas terceirizações irregulares no Maranhão. 

“No Maranhão, por força dos interesses econômicos dos protegidos de sempre, terceirizaram tudo, para atender necessidades reais e fictícias. Nosso principal esforço em 2015 é para recompor o que foi destruído: os serviços públicos no Maranhão”, afirmou o governador pelo Twitter.

O governador enviou medida provisória à Assembleia Legislativa, que estabelece o fim das terceirizações no sistema penitenciário e a realização de processo seletivo para a contratação temporária de 1,3 mil profissionais com o objetivo reforçar a segurança nas unidades prisionais. O seletivo será aberto no mês de fevereiro com 800 vagas para vigilantes penitenciários e mais 500 vagas para agentes penitenciários. O procedimento vai substituir os funcionários terceirizados até a conclusão de concurso público.

“Este é um passo importante na gestão do sistema penitenciário do Maranhão: substituir as terceirizações e economizar mais de R$ 20 milhões por ano. Com o dinheiro economizado, vamos avançar na organização das unidades, investindo em segurança e no respeito à Lei de Execuções Penais”, disse Flávio Dino.

Na educação, são mil vagas para professores temporários até a realização do concurso público. As inscrições começam nesta segunda-feira (26). Também já foi instituído processo eleitoral para diretor de escolas. Na semana passada, Flávio Dino assinou seis decretos voltadas para educação.

As medidas preveem Prorrogação dos contratos de 4.990 professores, contratação de 1.000 professores temporários, progressão funcional de 11.444 professores, reajuste de 15% no salário dos professores contratos, fixação do piso nacional em todos os patamares do magistério e reparos emergenciais em 93 escolas que estão sem condições de funcionamento.

No Detran, haverá uma substituição gradual do serviço ilegal das terceirizadas pela convocação dos servidores concursados.

 

 

 

Maranhão 247 Leonardo Lucena Mon, 26 Jan 2015 12:46:57 +0000 http://www.brasil247.com/167838
‘Super Dilma’ comemora novos empregos no Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167856 : Perfil da presidente no Facebook, administrada pelo PT, traz nova foto da presidente com uma capa de super-herói, desta vez para comemorar a criação de 5.277.071 novos empregos com carteira assinada, gerados entre 2011-2014; "O número de um mandato de Dilma supera os oito anos do governo FHC", diz a publicação <br clear="all"> :

247 – A página da presidente Dilma Rousseff no Facebook, administrada pelo PT, voltou a usar a personagem 'Super Dilma', em que a petista aparece com o contorno de uma capa de super-herói.

Desta vez, o texto comemora o número de empregos com carteira assinada criados entre 2011 e 2014: 5.277.071. "O número de um mandato de Dilma supera os oito anos do governo FHC", compara o texto. Leia a íntegra:

SUPER DILMA

O esforço da presidenta Dilma em combater os efeitos da crise mundial e garantir o emprego para o trabalhador brasileiro deu resultado. O Brasil atingiu a marca de 5.277.071 novos empregos com carteira assinada, gerados entre 2011-2014, com um crescimento de 11,97% no período. http://goo.gl/48grME

O número de um mandato de Dilma supera os oito anos do governo FHC, que somou 5.016.672 empregos entre 1995 e 2002. Lembrando que, durante a crise, de 2008 até agora, o País gerou mais de 10,5 milhões de postos de trabalho, enquanto o mundo calcula ter perdido até 62 milhões de vagas.

Economia Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 14:06:36 +0000 http://www.brasil247.com/167856
Oposição articula para que Renan não seja reeleito http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167820 : Senador João Capiberibe (PSB-AP) está anunciando o lançamento da candidatura do colega Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) para disputar a presidência do Senado contra Renan Calheiros (PMDB-AL), cuja reeleição, segundo ele, "tornou-se inaceitável" por conta de seu suposto envolvimento com o esquema Petrobras, "embora ninguém saiba, até agora, quem são os parlamentares acusados de favorecimento", escreve a colunista do 247 Tereza Cruvinel; Capiberibe diz, porém, que "o PSB, com apoio das oposições, só lançará a candidatura de Valadares caso Renan insista em disputar"; "Mas Renan não está com a menor disposição para recuar", avalia a jornalista <br clear="all"> :

Por Tereza Cruvinel, em seu blog no 247

Primeiro ensaio contra Renan

Começou a articulação da oposição para evitar a reeleição do senador Renan Calheiros a presidente do Senado. O senador Capiberibe (PSB-AP) está anunciando o lançamento da candidatura do colega Antonio Carlos Valadares para disputar com ele no plenário como candidato avulso.

Capiberipe alega que a reeleição de Renan tornou-se inaceitável por parte dos senadores por conta de seu suposto envolvimento com o esquema Petrobrás, embora ninguém saiba, até agora, quais são os parlamentares que foram acusados de favorecimento nas investigações da Operação Lava Jato. Sua articulação é um ardil: ele diz que o PSB, com apoio das oposições, só lançará a candidatura de Valadares caso Renan insista em disputar. Se ele desistir, será respeitado direito de o PMDB, como maior partido, indicar o presidente da Casa.

Manobra interessante porque pode atiçar a ambição de algum peemedebista. Mas Renan, que tem o couro grosso e curtido, não está com a menor disposição para recuar.

Poder Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 12:02:34 +0000 http://www.brasil247.com/167820
Chuva interrompe quedas seguidas do nível do Cantareira http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167826 LUIS MOURA: View drought in Rio Jacarei, region of Joanopolis, interior of Sao Paulo, southeastern Brazil, on February 14, 2014. The level of Cantareira System, abastace dam that almost 9 million people in Sao Paulo is in 18.7\%, the lowest level since 1974. Photo: L Depois de registrar quedas diárias nos últimos 19 dias, o nível do Sistema Cantareira, principal manancial da região metropolitana de São Paulo, ficou estável nesta segunda-feira 26 em 5,1% <br clear="all"> LUIS MOURA: View drought in Rio Jacarei, region of Joanopolis, interior of Sao Paulo, southeastern Brazil, on February 14, 2014. The level of Cantareira System, abastace dam that almost 9 million people in Sao Paulo is in 18.7\%, the lowest level since 1974. Photo: L

Marli Moreira - Repórter da Agência Brasil

Depois de registrar quedas diárias nos últimos 19 dias, o nível do Sistema Cantareira ficou estável nesta segunda-feira 26 em 5,1%. Nos seis reservatórios que formam este Sistema, o principal manancial da região metropolitana de São Paulo, o acumulado de chuva neste mês está em 113,2 milímetros (mm)  e seria necessário chover mais 158 mm nesses próximos cinco dias para que alcançasse a média histórica de janeiro (271,1 mm).

De acordo com a medição feita pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), no Sistema Alto Tietê, o volume armazenado manteve-se inalterado de sábado (24) para domingo (25), em 10,4%, mas hoje voltou a cair atingindo 10,3%. A quantidade de chuva também está abaixo do esperado com um total de 71,7 mm desde o começo do mês em relação à média histórica de 251,5 mm.

Entre os mananciais administrados pela Sabesp, o do Guarapiranga é o que apresenta a melhor condição de recuperação. O nível subiu de 41,1% para 43,7% e, em 26 dias, a pluviometria está em 188,4 mm, bem próximo da média do mês (229,3 mm).

No Sistema Alto Cotia, o armazenamento de água caiu de 28,6% para 28,5% e de ontem para hoje, praticamente não choveu sobre este sistema, com o registro de apenas 0,2 mm. O acumulado no mês alcançou 71,2 mm ante a média histórica de 232 mm.

Pela quinta vez ocorreu elevação no nível do Sistema Rio Claro que passou de 27,3% para 27,4%. A retenção de água de chuva está em 156,1 mm ante a média histórica de 298,9 mm.

SP 247 Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 11:50:50 +0000 http://www.brasil247.com/167826
Opep: preços do petróleo podem se recuperar em breve http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167837 : "Agora os preços estão em torno de 45 e 55 dólares e eu acho que talvez tenham atingido um piso e verão alguma recuperação muito em breve", disse Badri, disse o secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Abdullah al-Badri <br clear="all"> :

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo podem ter atingido um piso nos níveis atuais e podem se recuperar muito em breve, afirmou o secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Abdullah al-Badri, nesta segunda-feira.

"Agora os preços estão em torno de 45 e 55 dólares e eu acho que talvez tenham atingido um piso e verão alguma recuperação muito em breve", disse Badri, em uma entrevista.

Questionado sobre as perspectivas para a política de petróleo da Arábia Saudita com um novo rei, Badri disse:

"A Arábia Saudita é um país estável, tem um governo estável e eu acho que as coisas vão ser normais."

Salman foi rápido ao manter o veterano ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Ali al-Naimi, na sexta-feira, em uma mensagem destinada a acalmar um mercado de energia nervoso após a morte do rei Abdullah na semana passada.

(Reportagem de Alex Lawler)

Economia Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 12:22:47 +0000 http://www.brasil247.com/167837
Rio tem 12 casos de bala perdida em apenas 10 dias http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/167833 : Pelo menos 12 casos de balas perdidas foram registrados nos últimos dez dias na Região Metropolitana do Rio; quatro das vítimas morreram; na madrugada desta segunda-feira (26), a menina Lilian Leal de Moraes, de 12 anos, foi atingida por uma bala perdida no Morro do Chapadão, em Costa Barros, na Zona Norte do Rio; são cinco dias seguidos de casos envolvendo pessoas atingidas por balas perdidas; secretário de Segurança do Estado do Rio, José Mariano Beltrame, diz que todos os casos estão sendo mapeados <br clear="all"> :

Rio 247 - Pelo menos 12 casos de balas perdidas foram registrados nos últimos dez dias na Região Metropolitana do Rio. Quatro das vítimas morreram. Na madrugada desta segunda-feira (26), a menina Lilian Leal de Moraes, de 12 anos, foi atingida por uma bala perdida no Morro do Chapadão, em Costa Barros, na Zona Norte do Rio. Ela foi levada para o Hospital estadual Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste.

O secretário de Segurança do Estado do Rio, José Mariano Beltrame, disse que todos os casos envolvendo balas perdidas estão sendo mapeados. O dirigente reconheceu que a polícia tem problemas, mas afirmou que "é muito importante dizer que "a maior parte de casos de balas perdidas não foi em confronto com a polícia". São cinco dias seguidos de casos envolvendo pessoas atingidas por balas perdidas.

No fim da noite desse domingo , Adriene Solan do Nascimento, de 21 anos, foi baleada durante um tiroteio entre traficante e policiais da UPP, na Rocinha, na Zona Sul. Ela morreu.

No final da tarde de sábado, um adolescente de 14 anos foi atingido por uma bala perdida, enquanto brincava num condomínio no bairro do Fonseca, em Niterói. Caio Robert Carvalho Rodrigues está com a bala alojada no braço direito e não corre risco de morrer.

Ainda no sábado, um tiroteio no Morro do Juramento, Zona Norte do Rio, atingiu uma mulher e deixou um adolescente ferido. No mesmo dia, Diogo da Silva Santos morreu e uma segunda pessoa, não identificada, foi baleada em tiroteio no Centro de São Gonçalo.

Na última sexta-feira (23), Edilton de Jesus dos Santos, de 20 anos, foi atingido no Parque Madureira e, na véspera, a menina Lavínia Crissiullo, de 3 anos, foi baleada na perna na Cidade Nova. Na quinta-feira (22), William Robaiana da Silva, de 35 anos, foi atingido na Avenida Cesário de Melo, em Santa Cruz, Zona Oeste.

No dia 16 deste mês, Asafe William Costa de Ibrahim, de 9 anos, morreu depois de ser atingido no Sesi de Honório Gurgel, bairro da Zona Norte da capital. Larissa de Carvalho, de 4 anos, morreu atingida por uma bala perdida na cabeça em Bangu, na Zona Oeste.

Ao comentar sobre o casos de balas perdida, durante entrevista à GloboNews, o secretário de Segurança do Estado do Rio, José Mariano Beltrame, afrimou que "é da natureza da verdadeira nação de criminosos que tem desapego pela vida. Eles fazem uso dessas armas como quem faz uso de qualquer objeto".

"Que tenhamos mortes em confrontos é muito diferente dos casos de bala perdida. O que estamos fazendo é entrar nos impérios para acabar com isso. É o que fazemos com operações no Chapadão, em Costa Barros; em Santa Cruz e na Baixada Fluminense. No sábado, apreendemos 11 fuzis e farta quantidade de munição no Morro do Juramento. Temos feito ocupações temporárias, porque não podemos fazer definitiva", declarou.

Ele afirmou que a polícia efetuou 4.410 prisões e apreendeu 65 fuzis nos últimos três meses - de 7 de novembro a 25 de janeiro - durante operações em comunidades do Rio. De acordo com o dirigente, 578 pistolas foram encontradas nas ações.

Rio 247 Leonardo Lucena Mon, 26 Jan 2015 11:59:55 +0000 http://www.brasil247.com/167833
Lagarde descarta tratamento especial à Grécia http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167832 REUTERS/Yuri Gripas: REUTERS/Yuri Gripas A Grécia tem que respeitar as regras da zona do euro e não pode exigir tratamento especial para sua dívida na esteira da vitória do partido contrário à austeridade Syriza, afirmou a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde; "Não podemos fazer categorias especiais para tal ou tal país", disse ela <br clear="all"> REUTERS/Yuri Gripas: REUTERS/Yuri Gripas

PARIS (Reuters) - A Grécia tem que respeitar as regras da zona do euro e não pode exigir tratamento especial para sua dívida na esteira da vitória do partido contrário à austeridade Syriza, afirmou em entrevista a um jornal a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

"Existem regras internas na zona do euro a serem respeitadas", disse Lagarde ao Le Monde. "Não podemos fazer categorias especiais para tal ou tal país."

Lagarde acrescentou que a Grécia ainda precisa realizar reformas importantes, como arrecadação de impostos e redução de atrasos judiciais.

"Não é uma questão de medidas de austeridade, essas são reformas profundas que restam ser feitas", disse ela.

(Reportagem de Alexandria Sage e Leigh Thomas)

Mundo Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 11:49:36 +0000 http://www.brasil247.com/167832
EI confirma em rádio execução de refém japonês http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167829 : "O segundo refém [Kenji Goto] apela aos seus familiares para pressionarem o governo para a libertação da nossa irmã Sajida Al Rishawi, detida na prisão dos opressores na Jordânia, em troca da sua libertação", diz a mensagem do grupo extremista <br clear="all"> :

Da Agência Lusa

O grupo extremista Estado Islâmico confirmou nesse domingo (25) por meio da sua rádio que executou o refém japonês Haruna Yukawa, um dia depois de ter divulgado um vídeo anunciando a efetivação.

"O Estado Islâmico cumpriu a sua ameaça e executou o refém japonês Haruna Yukawa após ter expirado o prazo dado ao Japão", anunciou a rádio do grupo, Al Bayan, por meio do Youtube.

"O segundo refém [Kenji Goto] apela aos seus familiares para pressionarem o governo para a libertação da nossa irmã Sajida Al Rishawi, detida na prisão dos opressores na Jordânia, em troca da sua libertação", diz a mensagem.

A iraquiana Sajida Al Rishawi está presa e foi condenada à morte na Jordânia pelo envolvimento em um triplo atentado à bomba perpetrado em Amã, em novembro de 2005, que provocou a morte de 60 pessoas.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, considerou "ignóbil e imperdoável" a morte do refém e exigiu a libertação imediata de Kenji Goto.

Mundo Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 11:45:42 +0000 http://www.brasil247.com/167829
Projeção para inflação sobe e para o PIB cai em 2015 http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167834 Salvador Scofano: 12122013 -  Especial Polo Automotivo MAN Resende. A projeção de economistas de instituições financeiras para a inflação neste ano disparou para 6,99% (ante 6,67% previstos anteriormente) após o anúncio de aumentos de impostos ao mesmo tempo em que a estimativa de crescimento da economia despencou a 0,13%, contra 0,38% no levantamento anterior; a projeção para a Selic ao final de 2015 permaneceu inalterada <br clear="all"> Salvador Scofano: 12122013 -  Especial Polo Automotivo MAN Resende.

SÃO PAULO (Reuters) - A projeção de economistas de instituições financeiras para a inflação neste ano disparou para praticamente 7 por cento após o anúncio de aumentos de impostos ao mesmo tempo em que a estimativa de crescimento da economia despencou, mas a projeção para a Selic ao final de 2015 permaneceu inalterada.

De acordo com a pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira, a projeção para a alta do IPCA em 2015 foi elevada pela quarta semana seguida, a 6,99 por cento, contra 6,67 por cento anteriormente.

A última vez que a inflação oficial brasileira ficou acima de 7 por cento foi em 2004, quando o IPCA subiu 7,60 por cento. A meta oficial é de 4,5 por cento, com margem de 2 pontos percentuais.

A forte revisão da projeção no Focus aconteceu depois que o governo anunciou pacote de aumento de impostos, com destaque para tributos sobre combustíveis, como parte da investida do governo para colocar as contas públicas em ordem.

A alta dos preços administrados é uma das maiores fontes de pressão neste ano, e a estimativa subiu para 8,70 por cento, alta de 0,5 ponto percentual sobre a semana anterior.

O IPCA-15, prévia da inflação oficial, acelerou a alta a 0,89 por cento em janeiro, maior nível em quase quatro anos, como resultado dos preços de alimentos e tarifas públicas, acumulando alta de 6,69 por cento em 12 meses.

Para o final 2016, entretanto, a perspectiva para o IPCA no Focus foi reduzida em 0,1 ponto percentual, a 5,6 por cento.

Em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto, para 2015 a estimativa despencou a 0,13 por cento, contra 0,38 por cento no levantamento anterior, quarta semana seguida de redução. A economia deve melhorar em 2016 na visão dos especialistas consultados, mas a projeção foi reduzida em 0,26 ponto percentual, a 1,54 por cento.

Sobre 2014, os economistas consultados ajustaram a perspectiva e projetam agora expansão de 0,10 por cento, contra 0,12 por cento anteriormente.

Com a perspectiva de inflação mais pressionada mas diante da fraqueza da economia, os agentes consultados não mudaram a projeção para a Selic ao final deste ano, e continuam vendo nova elevação de 0,25 ponto percentual em março, com a taxa básica de juros encerrando 2015 a 12,50 por cento.

O BC elevou a Selic pela terceira vez seguida na semana passada, a 12,25 por cento ao ano, e sinalizou nova alta no curto prazo, mas deixou em aberto o ritmo que poderá imprimir. Os agentes econômicos aguardam agora a divulgação da ata da reunião na quinta-feira em busca de mais pistas sobre os próximos passos.

Para o final de 2016, a perspectiva da Selic também não mudou, ficando em 11,50 por cento.

(Por Camila Moreira)

Economia Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 11:54:26 +0000 http://www.brasil247.com/167834
Cortar BV da Globo é 1º passo da reforma da mídia http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167802 : O BV (bonificação de volume), criado e sustentado pela Globo, é hoje, na prática, o lucro das agências de publicidade e significa "uma prova cabal da dependência de todo um setor de apenas um veículo", explica o jornalista Ricardo Ebling, em artigo para o 247; "Em vista do quadro sumariamente descrito, a grande mídia brasileira é uma aliança entre empresas quase quebradas e uma gigante que controla todo o fluxo de todas as verbas publicitárias", escreve ele; "Mas este conjunto heterogêneo é unificado em torno de um discurso tão pobre quanto falso: o controle editorial ou censura da mídia"; Ebling acredita que esse "desequilíbrio comercial" deveria estar sendo tratado "há muito tempo" pelo Cade, mas afirma que "a briga pela regulação é levada pelos interessados para outras arenas, como o Congresso e o Ministério das Comunicações, onde a derrota é certa" <br clear="all"> :

247 - O "desequilíbrio comercial" do setor da mídia deveria estar sendo tratado pelo Cade e pela SDE (Secretaria de Direito Econômico), da esfera do Ministério da Justiça, mas "a briga pela regulação é levada pelos interessados para outras arenas, como o Congresso e o Ministério das Comunicações, onde a derrota é certa", analisa o experiente jornalista Ricardo Ebling, em artigo exclusivo para o 247.

Ele descreve o setor como "uma aliança entre empresas quase quebradas e uma gigante que controla todo o fluxo de todas as verbas publicitárias", em referência à Globo. Mas o debate em torno do tema, completa Ebling, leva "um discurso tão pobre quanto falso: o controle editorial ou censura da mídia". "É uma suruba política entre seis ou sete envolvidos onde, no recinto, só um é ativo", ressalta. Leia abaixo seu texto:

Uma suruba conveniente

Ricardo Ebling, especial para o 247 - Pretendo colocar aqui um outro ângulo nesse tema árido e momentoso que é a regulação da mídia no Brasil e que esta voltando agora com nova força.

Acho que a principal questão, o que desequilibra mesmo o jogo concorrencial entre os veículos, é uma sequência interligada de fatores:

1 - A venda casada de comerciais pela Globo e RBS, através de um jogo de pressão entre os veículos da "casa". Esta chantagem junto aos anunciantes, públicos e privados, prejudica diretamente a todos, concentrando o bolo num só grupo.

2 - O "suborno virtuoso" chamado BV (bonificação de volume), criado e sustentado pela Globo. O BV é hoje, na prática, o lucro das agências de publicidade. Quem atrasa as faturas para a Globo, fica fora do BV. Tem agência que não recebe do cliente e se endivida na rede bancária para garantir ficha limpa na Globo. É uma prova cabal da dependência de todo um setor de apenas um veículo.

3 - A proibição da existência no Brasil (e só aqui) dos Birôs de Mídia, que criariam maior equilíbrio na compra e venda de espaços comerciais. Os birôs foram proibidos ainda no governo Fernando Henrique, quando estava se abrindo toda a economia para o mundo. Na ocasião, ao contrário do movimento geral, e da pregação em todos os veículos a favor do liberalismo, a mídia trafegou em sentido contrário, fechando o seu mercado para o mundo. Em síntese: os birôs compram a mídia no atacado e a revendem no varejo. Quebrariam na prática com o sistema de BV.

4 - Os descontos nas tabelas de preços praticados só pelos veículos mais necessitados e desesperados. A Globo não dá desconto. O restante, que reparte as migalhas, chega a praticar uma tabela desesperada de menos 80% dos valores de face.

Em vista do quadro sumariamente descrito, a grande mídia brasileira é uma aliança entre empresas quase quebradas e uma gigante que controla todo o fluxo de todas as verbas publicitárias. Mas este conjunto heterogêneo é unificado em torno de um discurso tão pobre quanto falso: o controle editorial ou censura da mídia.

Este notório desequilíbrio comercial deveria estar sendo tratado há muito tempo pelo CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e pela SDE (Secretaria de Direito Econômico), da esfera do Ministério da Justiça. Trata-se de um escândalo de concorrência desleal, que leva à concentração monopolística. O CADE já atuou duro em outros setores, como cerveja, frango e creme dental.

Mas a briga pela regulação é levada pelos interessados para outras arenas, como o Congresso e o Ministério das Comunicações, onde a derrota é certa.

Há um grande veículo matando economicamente a concorrência, ao mesmo tempo em que enquadra todos na linha do ataque às ameaças de "censura à imprensa". Abril, Diários Associados e o Estadão, por exemplo, estão morrendo mas defendem inflexíveis a "honra" do parceiro predador.

Na prática, o que ocorre no Brasil é uma outra jabuticaba, como em outros casos, sem precedentes nem similitudes internacionais. A concentração de propriedade horizontal e vertical e a papagaiada anti toda e qualquer organização mais ou menos esquerdizante é muito pouco perante o que acontece de fato no controle da distribuição das verbas publicitárias, públicas e privadas: 60% na mão de um só grupo, proporção impensável em qualquer país capitalista do mundo.

Uma linha de trabalho político a ser feito seria a de, pelo menos, atrapalhar a aliança mal sustentada dos adversários, que defendem teses abstratas e se deixam destruir no essencial do negócio: o econômico.

É uma suruba política entre seis ou sete envolvidos onde, no recinto, só um é ativo.

Mídia Gisele Federicce Mon, 26 Jan 2015 09:56:34 +0000 http://www.brasil247.com/167802
Charge irrita prefeito, que exige desculpas de jornal http://www.brasil247.com/pt/247/goias247/167805 : Paulo Garcia (PT), de Goiânia, qualificou desenho do cartunista Jorge Braga (foto à direita), que o compara ao sargento Garcia (personagem bufo da série de TV Zorro), de “matéria encomendada e desrespeitosa”, sugerindo ainda que o jornal O Popular, o mais importante de Goiás, estaria a serviço dos interesses de seus adversários políticos no Estado, notadamente o governador tucano Marconi Perillo; “Desculpem o desabafo. Penso que quem mereceria um pedido de desculpas pelo exagero seria eu por parte da direção do veículo. Tudo tem limite”, escreveu o petista em sua conta no microblog Twitter <br clear="all"> :

Realle Palazzo-Martini, do Goiás247 - Charge publicada na edição dominical do jornal O Popular pelo cartunista Jorge Braga enfureceu o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, que exigiu um pedido de desculpas do veículo. O petista, que reativou semana passada sua conta no microblog Twitter (@PauloGarciaPT), reclamou com veemência do desenho por meio da rede social, qualificando-o de “matéria encomendada e desrespeitosa”, levantando a suspeita de que o profissional estaria a serviço de seus opositores e que a publicação, a mais importante da imprensa escrita em Goiás, pertencente ao Grupo Jaime Câmara, se oferece à comercialização de conteúdos editoriais.

No cartoon, Braga compara o prefeito ao sargento Garcia, personagem desastrado e bufo da série de TV norte-americana Zorro, do final da década de 1950. “Somente agora tive tempo de ver a charge de O Popular de hoje (ontem). Fora de contexto, uma vez que a cidade vive sem nenhuma excepcionalidade”, rebateu Paulo, ao questionar a afirmação da charge de que a gestão municipal está uma “zorra”. O cartoon se refere aos problemas administrativos da capital, que vive grave crise financeira, com reflexos em serviços básicos, como a coleta de lixo. O prefeito também enfrenta uma crise política depois que perdeu a maioria em sua base de sustentação na Câmara Municipal.

"Com todo respeito que merece o cartun (sic) me parece matéria encomendada e desrespeitosa. Aliás conduta que tem ultrapassado o limite do razoável”, acusou o prefeito, sugerindo que o cartunista Jorge Braga e o jornal O Popular estaria a serviço de seus opositores no intuito de atingir sua imagem. A queixa de Paulo faz crer que o veículo se presta aos interesses políticos do governador do Estado, Marconi Perillo, que é do PSDB. Recentemente, o prefeito acusou aliados de Perillo de interferirem na eleição para a Mesa Diretora do Legislativo que resultou na vitória da oposição. Paulo Garcia é personagem recorrente das tiras de humor do cartunista Jorge Braga, que publica charges diariamente em O Popular. 

O próprio jornal repercutiu as declarações de Garcia na manhã desta segunda-feira (26) em sua versão on-line (aqui). A publicação não entrou no mérito das acusações feitas pelo prefeito. A direção de O Popular limitou-se a informar que a charge "expressa a opinião do chargista e que o jornal presa (sic) pela liberdade de manifestação e expressão". No mesmo Twitter, porém, a editora-chefe Cileide Alves disse que o revide de Garcia vai na "onda antichargistas".

As críticas de Garcia acontecem em meio a acalorado debate sobre liberdade de expressão estimulado pelo atentado terrorista à redação do semanário satírico francês Charlie Hebdo, que deixou 12 mortes em Paris no último dia 7. A revista europeia foi atacada por extremistas islâmicos revoltados com a publicação de caricaturas do profeta Maomé, cuja representação gráfica é considerada desrespeitosa pela doutrina muçulmana.

“Desculpem o desabafo. Penso que quem mereceria um pedido de desculpas pelo exagero seria eu por parte da direção do veículo. Tudo tem limite”, revoltou-se Paulo Garcia, que, de antemão, já defendeu-se: “Eu sempre serei a favor da liberdade de imprensa e da criação. E vale o mesmo para o contraditório.”

(Atualizada às 12h05)

Goiás 247 Realle Palazzo-Martini Mon, 26 Jan 2015 10:00:30 +0000 http://www.brasil247.com/167805
Colunista diz que ACM Neto deve ir para o PDT http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/167810 : O namoro do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), com o PDT pode dar em casamento; o democrata tem estreitado relações com o partido presidido pelo ex-ministro Carlos Lupi e há um mês decidiu dar a Secretaria de Trabalho aos pedetistas; além de criar uma secretaria para o PDT, ACM Neto orientou os deputados do DEM a votarem no candidato do PDT ao comando da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo; Lupi não disfarça; "São sinais de que o prefeito nos quer ao lado dele"; outra evidência da aproximação é o recente rompimento do PDT com o novo governador da Bahia, Rui Costa, do PT <br clear="all"> :

Bahia 247 - O namoro do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), com o PDT pode dar em casamento. O democrata tem estreitado relações com o partido presidido pelo ex-ministro Carlos Lupi e há um mês decidiu dar a Secretaria de Trabalho ao partido, na pessoa da ex-vereadora Andrea Mendonça, que é irmã do deputado federal e presidente do PDT na Bahia, Félix Mendonça Jr.

Nota do jornalista Felipe Patury, colunista de Época.com, diz que as conversas estão avançadas e que ACM tenta ainda convencer seus correligionários a fazer fusão do DEM com o PDT. Caso não consiga, ele deve mesmo se mudar para o ninho pedetista.

Patury observa três fatos para que as conversas avançassem nos últimos dias. Além de criar uma secretaria para o PDT, ACM Neto orientou os deputados do DEM a votarem no candidato do PDT ao comando da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo. À coluna, o presidente do PDT, Carlos Lupi, diz: "São sinais de que o prefeito nos quer ao lado dele".

O rastro da possibilidade é visto com as novas investidas do democrata em tê-los ao seu lado. "Na semana passada, o PDT rompeu com o governador da Bahia, o petista Rui Costa, principal adversário de ACM Neto. O motivo: Costa disse aos pedetistas que eles deveriam escolher entre participar do governo do PT no Estado ou da gestão do DEM na capital. Fez-se a escolha", encerra a nota.

Bahia 247 Romulo Faro Mon, 26 Jan 2015 10:42:13 +0000 http://www.brasil247.com/167810
PML: Syriza acende sinal amarelo para austeridade http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167794 : “Vitória do Syriza, partido nascido em 2009, nas eleições gregas lembra o básico: eleitorado pode ser cruel com governos que não defendem empregos e salários”, diz o jornalista Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília; segundo ele, experiência ensina ao Brasil que “todo cuidado é pouco”: ‘comprometida com a perspectiva de “arrumar a casa”, a presidente tem se demonstrado particularmente zelosa quando se trata dos direitos dos trabalhadores’  <br clear="all"> :

por Paulo Moreira Leite

A vitória do Syriza nas eleições gregas, lembra uma dessas viradas históricas na vida de um país.

Terá profunda repercussão na Europa, onde Espanha, Portugal e Italia, enfrentam um recessão prolongada depois do colapso financeiro de 2009.

A vitória pode produzir efeitos imprevisíveis sobre a economia mundial. Isso pode acontecer caso, diante de uma enfática manifestação das urnas, a União Europeia se mostre sem disposição política para aliviar o sufoco de cinco anos, o que pode gerar novas ondas de choque e instabilidade.

A causa do resultado eleitoral é fácil de ser decifrada. Envolve questões universais, que preocupam a humanidade em toda parte — emprego, recessão, colapso de serviços públicos — e costumam resolver eleições no mundo inteiro. Até por essa razão, permite paralelos com o Brasil.

Lula e Dilma teriam sido aniquilados, levando consigo as conquistas obtidas pela população a partir de 2003, como aconteceu com os social-democratas do Pasok, caso o governo brasileiro tivesse seguido a política que Atenas praticou nos últimos cinco anos — e que era recomendada pelos centros financeiros internacionais.

Se a eleição deste domingo na Grécia reuniu conflitos típicos da luta de classes também colocou, de forma aguda, a questão nacional. A crise de 2009 colocou o conflito da soberania nacional da Grécia frente aos poderes coloniais das grandes economias europeias, que nos últimos cinco anos submeteram o conjunto da população a um programa de descontrução da economia local.

E é por que tem esse caráter nacional que a eleição abriu caminho para uma remodelagem do sistema político, anunciando uma aposentadoria prolongada — quem sabe falencia definitiva — de partidos tradicionais.

Após uma austeridade prolongada e selvagem, num ambiente de chantagem no qual os mercados atravessaram várias regras da democracia para impor seus interesses — inclusive para impedir um referendo onde o povo diria sim ou não às propostas de austeridade — o eleitorado foi às urnas para fazer o ajuste de contas com a pobreza, o desemprego e a falta de perspectiva.

A mensagem é clara: venceu um partido que há poucos anos tinha uma presença simbólica ao lado de legendas tradicionais — mas cresceu com um discurso firme contra os programas de pobreza. O crescimento de um partido nazista dá bem uma ideia do ambiente de radicalização e confronto em que se encontra a Grécia.

Como acontece em países onde a situação atingiu um patamar desesperado — nos últimos anos, famílias de classe média arruinada disputavam vagas na fila das instituições de caridade destinada preferencialmente a população pobre — era possível encontrar eleitores do Syriza nos bairros chiques, nas lojas de artigos de luxo, entre empresários que em outros tempos eram votos assegurados à direita, revela Helen Smith, correspondente do Guardian em Atenas.

Os bilionários programas aprovados pela Troika — União Européia, Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional — destinavam-se a confortar os credores estrangeiros, ampliando a dívida do país – sem nada deixar para os investimentos que poderiam animar a economia e os programas sociais que protegiam o povo.

É normal, assim, que empresários e ex-empresários locais, interessados em reativar seus negócios, voltassem sua atenção a uma sigla que, em outros tempos, só causaria repulsa. A vitória teria sido ainda mais expressiva se, numa manobra burocrática, o governo conservador da Nova Democracia não tivesse impedido o alistamento de uma numerosa parcela de eleitores jovens — evitando a presença, nas urnas, da parcela mais sacrificada da população, reservatório natural de votos para o Syriza.

Do ponto de vista da economia, as urnas de domingo se encerram com vários pontos de interrogação — a começar pela provável resistência do governo de Angela Merkel para aceitar mudanças na política da União Europeia em relação a Grécia, permitindo que o país tenha acesso a uma parcela do pacote superior a 1 trilhão de euros recém-aprovado pelo Banco Central Europeu, que poderia dar oxigênio para a economia, estimulando os investimentos, o crédito e o crescimento. O futuro do governo do Syriza irá depender, fundamentalmente, de sua capacidade de conservar o apoio popular para transformar as propostas de palanque em medidas concretas, capazes de aliviar o imenso sofrimento da população grega e abrir uma nova perspectiva para o país.

Para os brasileiros, chega a ser irônico que, seis anos depois da crise dos derivativos, os gregos tenham escolhido um governo que denuncia a austeridade e, há um mês, em Brasília, Dilma Rousseff tenha escolhido Joaquim Levy para ocupar o ministério da Fazenda, no lugar de Guido Mantega, que teve um papel decisivo na política de estímulo que permitiu ao país atravessar a crise de 2009.

A verdade é que não há termo de comparação entre os programas impostos a Grécia ao longo dos últimos anos e as propostas de ajuste que Levy e a equipe econômica. São universos separados pela geografia, pela história e pela política. Mas o afundamento do tradicional sistema político da Grécia demonstra que o eleitorado costuma ser impiedoso com partidos que não correspondem a suas promessas e compromissos. A indignação do eleitorado explica por que o desgaste do conservador Nova Democracia, que aplicou os programas de austeridade, encurvado perante a Troika, tenha sido até menor que o desmoronamento dos socialistas, eleitos com a promessa de promover o bem-estar e proteger os direitos dos trabalhadores.

O principal objetivo do ajuste consiste em recuperar a confiança dos empresários, mercadoria que, concordam monetaristas e desenvolvimentistas, é indispensável para fazer a economia capitalista funcionar. Comprometida com a perspectiva de “arrumar a casa”, a presidente tem se demonstrado particularmente zelosa quando se trata dos direitos dos trabalhadores. É bom que seja assim, pois a experiência ensina que todo cuidado é pouco nesta matéria. Como diz um governador da base do governo: “os mercados nunca estão satisfeitos. Sempre pedem mais para mostrar que têm confiança, O risco é acabarem engolindo o governo.”

Três dias depois de ser empossado no Ministério do Planejamento, Nelson Barbosa anunciou que estava em curso uma mudança na legislação do salário mínimo. Acabou obrigado pela presidente a divulgar uma nota à imprensa na qual dizia que tudo seguirá como está. Na semana passada, quando o Financial Times atribuiu a Joaquim Levy a afirmação de que o seguro-desemprego estava ultrapassado, o próprio ministro da Fazenda foi levado a divulgar nota corrigindo o jornal. Para que não restasse um fiapo de dúvida, o ministro Miguel Rossetto, secretário particular da Presidência da República, definiu o seguro-desemprego como cláusula pétrea, conceito constitucional em que se encontra a proibição do país produzir armas nucleares, por exemplo.

 

Brasil Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 07:29:26 +0000 http://www.brasil247.com/167794
Dilma: falta de dinheiro não será pretexto http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167776 : Em primeira reunião ministerial do segundo mandato, presidente Dilma Rousseff vai cobrar cumprimento da restrição orçamentária, sem afetar iniciativa das pastas, para unificar discurso em torno das medidas anunciadas pela nova equipe econômica; lideranças do PT tem criticado as ações divulgadas pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa   <br clear="all"> :

247 – Em sua primeira reunião ministerial do segundo mandato, prevista para esta terça-feira, a presidente Dilma Rousseff deve ‘enquadrar’ os ministros a cumprir os cortes anunciados pela equipe econômica, sem que isso afete as iniciativas das pastas. Para a presidente, falta de dinheiro não é pretexto para barrar as ações governamentais.

A intenção de Dilma é passar uma mensagem credível ao mercado, respeitando dentro de casa as medidas anunciadas pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa. A meta é fazer um superávit primário equivalente a 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, e de 2% nos dois anos seguintes.

Nos últimos dias, lideranças do PT criticaram as primeiras ações da equipe econômica. Dilma deve cobrar um discurso unificado do governo para evitar novas divergências públicas.

Economia Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 05:08:43 +0000 http://www.brasil247.com/167776
Aloysio Nunes: 'Levy é executor solitário' http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167777 : Líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP) apoiou a declaração do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga sobre o ministro da Fazenda, Joaquim Levy; segundo ele, "Levy é uma ilha de competência em um mar de mediocridade"; para Aloysio, o ministro é um executor "solitário", enquanto a presidente Dilma Rousseff está "escondida" <br clear="all"> :

247 – O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP) validou a declaração do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga sobre o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Em entrevista à jornalista Eliane Cantanhêde, o quase ministro da Economia do senador e ex-presidenciável tucano Aécio Neves disse que única coisa boa na reforma ministerial feita pela presidente foi a indicação de Joaquim Levy para administrar a economia, pois “o Levy é uma ilha de competência em um mar de mediocridade” (leia mais).

Para Aloysio, Levy é um executor "solitário" enquanto a presidente Dilma Rousseff está "escondida". "O Levy não é só a ilha em mar de mediocridade, ele tem acima dele alguém que é a encarnação da mediocridade", declarou.

Poder Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 05:13:29 +0000 http://www.brasil247.com/167777
Empreiteiras usaram blindagem jurídica em 'doações' http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167781 : Para driblar o limite legal de doações ou esconder os repasses, empresas transferiram recursos para candidatos por meio de parceiros comerciais; "Isso está no âmbito do jeitinho brasileiro, o que é lamentável porque a prestadora de serviços fica no papel de laranja", afirma o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello; "Moralmente é condenável, mas legalmente não tem como pegar"; detido na operação Lava Jato, executivo Gerson de Mello Almada, vice-presidente da construtora Engevix, relacionou o esquema de corrupção de Alberto Youssef ao financiamento privado dos partidos <br clear="all"> :

247 – Para camuflar parte do financiamento de partidos, grandes empreiteiras transferem recursos para candidatos por meio de parceiros comerciais.

A medida, adotada quando adotada para driblar o limite legal de doações ou para esconder os repasses, tem blindagem jurídica. "Isso está no âmbito do jeitinho brasileiro, o que é lamentável porque a prestadora de serviços fica no papel de laranja", afirma o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, ex-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao Valor. "Moralmente é condenável, mas legalmente não tem como pegar, não vejo o que possa ser feito. É o tipo da coisa escamoteada que não tem como glosar", acrescenta.

Executivos das maiores empreiteiras do Brasil foram detidos pela operação Lava-Jato da Polícia Federal por envolvimento no esquema de desvios do doleiro Alberto Youssef e pagamento de propinas em contratos com a Petrobras. Em sua defesa, o executivo Gerson de Mello Almada, vice-presidente da construtora Engevix, relaciona o suposto cartel ao financiamento privado dos partidos. Ele diz que sofreu “achaques” do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, "em nome de partido, ou em nome de governo" (leia mais).

Brasil Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 06:04:11 +0000 http://www.brasil247.com/167781
Petrobras contesta Gaspari sobre caso BTG http://www.brasil247.com/pt/247/relacoes_com_investidores/167796 : Colunista Elio Gaspari afirmou que o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, foi favorecido na compra de poços de petróleo na Nigéria; estatal afirma que a Chevron, ao contrário do que escreveu Gaspari, foi consultada no processo e não manifestou interesse em ampliar sua posição na África; além disso, diz que a parceria engloba campos de alto risco em Benin, Gabão, Namíbia, Angola e Tanzânia, cujas atividades exploratórias já receberam aporte de cerca de US$ 250 milhões na perfuração de poços que se mostraram secos <br clear="all"> :

247 - Em nota divulgada neste domingo, a Petrobras contestou a coluna de Elio Gaspari deste final de semana, que afirmou que o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, foi favorecido na compra de poços de petróleo na Nigéria.

Segundo a companhia comandada por Graça Foster, o principal motivo para a formação da joint-venture na África foi viabilizar o desenvolvimento do campo de Egina, na Nigéria, que pedia US$ 3 bilhões em investimentos.

Diz ainda que a parceria engloba campos de alto risco em Benin, Gabão, Namíbia, Angola e Tanzânia, cujas atividades exploratórias já receberam aporte de cerca de US$ 250 milhões na perfuração de poços que se mostraram secos.

Afirma também que, a Chevron, ao contrário do que escreveu Gaspari, foi consultada no processo e não manifestou interesse em ampliar sua posição na África (leia aqui).

Relações com Investidores Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 08:12:05 +0000 http://www.brasil247.com/167796
'Troika e austeridade viraram passado na Grécia' http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167774 : Líder do Syriza e futuro primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras confirmou que as medidas de austeridade no país estão próximas do fim: “A Grécia está virando uma página, deixando para trás cinco anos de humilhação e dor. Hoje, a troika é coisa do passado. Não haverá quebra mútua , nem continuação ou subjugação” <br clear="all"> :

por Opera Mundi - O líder do Syriza e futuro primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, agradeceu neste ontem (25) a vitória do partido e confirmou que as medidas de austeridade no país estão próximas do fim.

“A Grécia está virando uma página, deixando para trás cinco anos de humilhação e dor. Hoje, a troika (grupo que impôs medidas de austeridade) é coisa do passado”, afirmou, diante de apoiadores em Atenas. “Não haverá quebra mútua (com a troika), nem continuação ou subjugação.”

Tsipras defendeu a negociação para a questão da dívida externa, que atinge 175% do Produto Interno Bruto (PIB), no que ele chamou de solução “mutuamente aceitável”. Ele também chamou pela união dos gregos após o pleito. “Não há vitoriosos e derrotados. Hoje foi uma derrota das elites e das oligarquias da Grécia.”

Com cerca de 60% dos votos apurados, o Syriza, de esquerda, havia alcançado 149 cadeiras (das 300 em jogo), duas a menos que o necessário para garantir a maioria absoluta sem coligações. O Nova Democracia, do primeiro-ministro Antonis Samaras, estava com 77, seguido pelo Aurora Dourada, de extrema-direita, com 17, pelo To Potami (centro-esquerda), que estava com 16, pelos comunistas, com 15, e pelo Pasok, outrora um dos partidos mais fortes do país, que deve conseguir 13 cadeiras.

O líder do To Potami, Stavros Theodoraskis, anunciou que vai apoiar o Syriza, garantindo maioria parlamentar mesmo que o vencedor da eleição não consiga as 151 cadeiras e fazendo com que Tsipras vire premiê do país.

Em um cenário de necessidade de coligações, os comunistas passariam a sofrer pressão para entrar no governo e formar maioria junto com o Syriza. Apesar disso, um dos líderes do partido, o eurodeputado Kostas Papadakis, rejeitou a possibilidade em entrevista a um veículo espanhol.

“Não apoiaremos o Syriza; somos contra a União Europeia, a Otan e as cadeias do capitalismo”, afirmou.

Samaras admitiu a derrota pouco antes do discurso de Tsipras. “Entrego um país que é parte da União Europeia e do euro. Pelo bem deste país, eu espero que o próximo governo mantenha o que foi conquistado”, disse em declarações à imprensa.

Mundo Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 05:23:30 +0000 http://www.brasil247.com/167774
Ives Gandra se posiciona contra regulação da mídia http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167775 : Jurista afirma que a liberdade de imprensa está em perigo com o projeto defendido pelo governo de Dilma Rousseff: “Além de não ser o momento de discuti-los, fica-se com a impressão que o governo, em conjuntura delicada, na qual se examina sua moralidade, pretende calar a imprensa” <br clear="all"> :

247 – Para o jurista Ives Gandra, um dos mais respeitados do país, o projeto de regulação econômica da mídia, defendido pelo governo Dilma Rousseff é uma tentativa de calar a imprensa. Leia:

Liberdade de imprensa em perigo

Agora que começamos a descobrir como agiu o governo no escândalo do petrolão, fala-se de novo em "controle social da mídia"

O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, pretende discutir o controle da imprensa no Brasil, mas diz que não do seu conteúdo, visto que a Constituição assegura a liberdade dos meios de comunicação.

Reiterando posições do presidente de seu partido, Rui Falcão, de que a imprensa precisa ser "democratizada" e que a concentração de capital no controle de jornais e canais de TV macularia tal liberdade, sustenta que a diluição desse controle entre outros participantes levaria a uma imprensa "mais democrática".

À evidência, não faz menção ao controle governamental da imprensa oficial, com conteúdo definido exclusivamente pelo governo. A imprensa oficial não desvenda os porões e as podridões do poder. Só a imprensa livre o faz e, quando o faz, surgem ideias semelhantes às dos que advogam uma "democratização conduzida" dos meios de comunicação, como na Argentina ou na Venezuela. Sabe-se o que ocorre. Os governos financiam grupos dóceis.

Basta ver o que aconteceu com o principal canal de TV da semiditadura venezuelana e o que a presidente Cristina Kirchner tem feito com o jornal "Clarín", exclusivamente por terem mostrado, na Venezuela, a violação de direitos fundamentais e, na Argentina, o fracasso econômico do governo.

Na mesma linha, o governo tentou, com os denominados conselhos populares, criar um poder paralelo ao do Congresso Nacional.

Com eleições teleguiadas por correligionários para definir políticas para os esclerosados 39 ministérios, no melhor estilo de conselhos semelhantes existentes em algumas ditaduras e semiditaduras com as quais o governo tem estreitas relações e a presidente Dilma Rousseff, principalmente com a ditadura cubana, particular afinidade.

À evidência, as últimas eleições demonstraram uma fragilização do PT, com uma presidente eleita por estreita margem de votos e por 38% dos eleitores inscritos --62% dos eleitores não votaram na presidente. Há muito o partido perdeu suas raízes de defensor da ética, quando na oposição, convivendo hoje com o maior assalto público ao dinheiro do contribuinte.

São bilhões de reais desviados, por culpa (omissão, negligência ou imperícia) ou por dolo (fraude ou má-fé), beneficiando correligionários e aliados, durante pelo menos dez anos, seja no caso do mensalão, seja no do petrolão.

E a imprensa teve papel fundamental neste desventrar, ao lado da Polícia Federal e do Ministério Público --órgãos que não prestam vênia ao poder--, o maior escândalo da história do Brasil.

O petrolão será examinado pelo Judiciário, pois no mensalão já houve decisão. Causa, todavia, particular estranheza que, neste momento, em que o povo começa a descobrir como agiu o governo por culpa ou dolo, não faço avaliação prévia, no desvio do dinheiro público, venha-se novamente falar em controle indireto da imprensa, por meio do controle das direções dos jornais.

Não conheço o ministro Berzoini, embora conheça Rui Falcão, de quem sempre tive boa impressão. Entendo que a liberdade de imprensa é, todavia, cláusula pétrea da Constituição Federal, por dizer respeito ao mais sagrado direito de uma sociedade de ser informada da verdade, não pelos detentores do poder, mas pela imprensa livre.

Não podem, portanto, serem modificados os fundamentos do "caput" do artigo 220 da lei suprema. Além de não ser o momento de discuti-los, fica-se com a impressão que o governo, em conjuntura delicada, na qual se examina sua moralidade, pretende calar a imprensa.

Mídia Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 05:15:27 +0000 http://www.brasil247.com/167775
Haddad oferece apoio a Alckmin contra crise da água http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167778 : "Meu papel é de oferecer apoio na coordenação dos prefeitos da região, para que o secretário e a Sabesp possam orientar aqueles que, mesmo não sendo os responsáveis, consigam colaborar", disse o prefeito Fernando Haddad (PT) sobre as ações do Estado, gerido pelo tucano Geraldo Alckmin, contra a crise hídrica  <br clear="all"> :

247 – Diante da maior seca vivida por São Paulo, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, ofereceu apoio ao governo de Geraldo Alckmin (PSDB) contra a crise hídrica. E

O prefeito petista vai se reunir com o secretário Estadual de Recursos Hídricos e os outros prefeitos da região metropolitana de São Paulo. "Nosso objetivo é ouvi-lo e colher subsídios para que possamos colaborar com o governo do Estado", disse.

"Meu papel é de oferecer apoio na coordenação dos prefeitos da região, para que o secretário e a Sabesp possam orientar aqueles que, mesmo não sendo os responsáveis, consigam colaborar", acrescentou.

Durante a comemoração do aniversário de São Paulo, Haddad disse que desejava como presente ‘o que toda população deseja’: "Eu acho que todo mundo tá pedindo chuva na Cantareira".

SP 247 Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 05:30:17 +0000 http://www.brasil247.com/167778
Novo comando da Cemig quer negociar com a União http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167780 Marcelo Camargo/ Agência Brasil:  O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Mauro Borges, concede entrevista na 6ª Cúpula do Brics Estatal trava briga com o governo federal pelo controle de três hidrelétricas em Minas; "Sob a liderança de nosso governador, vamos analisar de maneira bastante criteriosa a posição tomada pela Cemig na ocasião e decidir de uma forma harmônica e viável para a solução negociada das controvérsias judiciais", disse Mauro Borges, que foi ministro da presidente Dilma Rousseff (PT) e assumiu a presidência da Companhia  <br clear="all"> Marcelo Camargo/ Agência Brasil:  O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Mauro Borges, concede entrevista na 6ª Cúpula do Brics

247 – Sob a gestão do governador petista Fernando Pimentel, o novo presidente da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Mauro Borges, sinalizou a busca e uma trégua com o governo federal para um impasse de anos com a União pelo controle de três hidrelétricas em Minas.

"Sob a liderança de nosso governador, vamos analisar de maneira bastante criteriosa a posição tomada pela Cemig na ocasião e decidir de uma forma harmônica e viável para a solução negociada das controvérsias judiciais", disse Borges.

Ex-ministro do governo Dilma, ele falou em negociação para decidir o destino de Jaguara, São Simão e Miranda. "Como nós estamos em plena judicialização do processo das três usinas, o primeiro caminho que nós temos que percorrer é o entendimento com o judiciário, que está julgando o caso, a União e o Estado de Minas. Então, não tem solução a não ser uma solução negociada", disse Borges.

A disputa pelas usinas teve início após mudanças nas regras do setor elétrico via MP 579 de 2012. Na época, com a redução do preço da energia, a Cemig decidiu não aderir às novas regras e, consequentemente, abriu mão do controle de 18 usinas.

Leia aqui reportagem de Marcos de Moura e Souza sobre o assunto.

Minas 247 Roberta Namour Mon, 26 Jan 2015 05:39:39 +0000 http://www.brasil247.com/167780
Lula: com PT, 'boliviano é tratado como brasileiro' http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167724 : "Enquanto o PT governar a cidade de São Paulo e o Brasil, os bolivianos serão tratados como brasileiros", disse o ex-presidente Lula, em sua primeira agenda pública depois das eleições presidenciais; ele, que vem sendo apontado como o candidato do PT à presidência da República, em 2018, elogiou a política do prefeito Fernando Haddad, que estendeu os benefícios do Bolsa-Família a imigrantes bolivianos; em 2009, ele anistiou 42 mil imigrantes ilegais; "dois quais 32 mil eram bolivianos", disse Lula <br clear="all"> :

247 - Apontado como candidato do PT à presidência da República em 2018, o ex-presidente Lula participou neste sábado de sua primeira agenda pública: uma feira boliviana em São Paulo. No evento, defendeu a política de integração dos imigrantes e disse que, com o PT na prefeitura de São Paulo, "bolivianos serão tratados como brasileiros". Leia, abaixo, o material distribuído pelo Instituto Lula:

Lula destaca contribuição de imigrantes ao Brasil durante feira boliviana

"Enquanto o PT governar a cidade de São Paulo e o Brasil, os bolivianos serão tratados como brasileiros". A afirmação foi feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na tarde deste sábado (24), durante visita à terceira edição da Feira da Alasita - tradicional encontro boliviano na Capital.

Lula destacou a contribuição dos imigrantes à cultura e à economia do país e reforçou que já houve "avanços extraordinários" na integração regional. Ao lado do secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, Rogério Sottili, o ex-presidente visitou uma barraca de artesanatos bolivianos e provou a salteña - prático típico do país.

Ao ser chamado ao palco, Lula lembrou que, em 2009, quando uma forte crise economia ganhou escala mundial e muitos casos de perseguição a estrangeiros foram registrados, ele anistiou 42 mil imigrantes que viviam no Brasil. "Dos quais, 32 mil eram bolivianos", completou. Lula também cumprimentou Sottili e o prefeito Fernando Haddad por estenderem o programa Bolsa Família a cinco mil famílias imigrantes na cidade. 

 Ouça a fala de Lula no encontro:

Lula lembrou ainda que a feira ocorre na mesma semana em que Evo Morales, presidente reeleito da Bolívia, tomou posse para o terceiro mandato à frente do Palácio do Quemado. E, se colocando à disposição da comunidade boliviana e estrangeira de uma maneira geral, puxou o coro de "Viva Evo Morales".

SP 247 Leonardo Attuch Sat, 24 Jan 2015 20:01:45 +0000 http://www.brasil247.com/167724
Levy diz que ações do governo focarão investimentos http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167721 WORLD ECONOMIC FORUM/swiss-image.ch/Photo Moritz Hager: DAVOS/SWITZERLAND, 24JAN15 - Joaquim Levy, Minister of Finance of Brazil is captured during the session 'The Global Economic Outlook' at the Annual Meeting 2015 of the World Economic Forum at the congress centre in Davos, January 24, 2015. 

WORLD ECONO O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse, neste sábado, em Davos, na Suíça, que a prioridade deste ano para o governo da presidente Dilma Rousseff será o reforço dos investimentos; "Após as eleições, decidimos mudar. A presidente decidiu começar este ano com ações para reforçar investimentos", afirmou; "Queremos o setor privado e para isso temos de assegurar que seja mais fácil fazer negócios no Brasil. Há muito o que fazer em impostos", completou <br clear="all"> WORLD ECONOMIC FORUM/swiss-image.ch/Photo Moritz Hager: DAVOS/SWITZERLAND, 24JAN15 - Joaquim Levy, Minister of Finance of Brazil is captured during the session 'The Global Economic Outlook' at the Annual Meeting 2015 of the World Economic Forum at the congress centre in Davos, January 24, 2015. 

WORLD ECONO

247 - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse, neste sábado, em Davos, na Suíça, que a prioridade deste ano para o governo da presidente Dilma Rousseff será o reforço dos investimentos. "Após as eleições, decidimos mudar. A presidente decidiu começar este ano com ações para reforçar investimentos", afirmou.

Segundo o ministro, o caminho escolhido pelo Brasil é diferente dos demais países emergentes. No painel "Perspectivas para a Economia Global", ele ressaltou que o país criou milhões de postos de trabalho e possui, atualmente, uma das mais baixas taxas de desemprego da história.

"Nos últimos dois anos, esse processo começou a se desacelerar, em parte pela mudança nos preços das commodities", pontuou. Levy também observou que o crescimento do país nos últimos anos foi impulsionado pelo consumo e que o foco agora é voltar esta demanda para investimentos.
"Para ter investimento, é preciso ter confiança. Por isso, tomamos a decisão de adotar medidas para aumentar a confiança na economia", disse. "

Tivemos um declínio na confiança em parte porque tivemos eleições. A desaceleração da economia foi pela queda de investimentos", justificou.

Levi destacou as medidas do pacote econômico anunciado pelo governo ao falar do "reforço no ajuste fiscal com a meta de superávit de 1,2% neste ano e, no próximo ano, será um pouco mais".

"Queremos o setor privado e para isso temos de assegurar que seja mais fácil fazer negócios no Brasil. Há muito o que fazer em impostos", afirmou.

 

Economia Paulo Emílio Sat, 24 Jan 2015 19:52:20 +0000 http://www.brasil247.com/167721
Pezão descarta racionamento de água no 1º semestre http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/167705 Bruno Itan: Rio de Janeiro; 19-11-2014; Governador luiz Fernando Pezão na Cerimônia de Entrega de Outorga a Pesquisadores contemplados no edital da FAPERJ: Pensa Rio – Apoio ao Estudo de Temas Relevantes e Estratégicos para o Estado do Rio de Janeiro. fotógrafo:Bruno Governador do Rio de Janeiro disse acreditar que não será necessário fazer um racionamento de água no estado nos próximos seis meses; no entanto, ele pediu a colaboração da população para que economize a água que chega às suas torneiras; por meio de nota, Pezão destacou que essa é a maior seca da região nos últimos 84 anos <br clear="all"> Bruno Itan: Rio de Janeiro; 19-11-2014; Governador luiz Fernando Pezão na Cerimônia de Entrega de Outorga a Pesquisadores contemplados no edital da FAPERJ: Pensa Rio – Apoio ao Estudo de Temas Relevantes e Estratégicos para o Estado do Rio de Janeiro. fotógrafo:Bruno

Agência Brasil - O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse acreditar que não será necessário fazer um racionamento de água no estado neste primeiro semestre.

No entanto, ele pediu a colaboração da população para que economize a água que chega às suas torneiras. Por meio de nota, divulgada na noite de ontem (23), o governador destacou que essa é a maior seca da região nos últimos 84 anos.

O Rio Paraíba do Sul tem quatro reservatórios antes de passar pela barragem de Santa Cecília, onde sua água é captada para a Estação de Tratamento do Guandu, que abastece a cidade do Rio de Janeiro e a Baixada Fluminense. O reservatório Paraibuna, o maior deles, atingiu seu volume morto nos últimos dias.

Apesar de o governador descartar racionamento, o secretário estadual do Ambiente, André Corrêa, disse que algumas indústrias do norte fluminense poderão sofrer com falta de água. A prioridade do governo, segundo o secretário, é destinar o produto para o consumo humano. Essas empresas já foram avisadas há mais de um ano sobre a possibilidade do corte de água, descartou.

Rio 247 José Barbacena Sat, 24 Jan 2015 13:57:07 +0000 http://www.brasil247.com/167705
Pimentel lança força-tarefa para enfrentar crise da água http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167703 : Governador anunciou uma série de ações do Estado para tentar contornar a crise de abastecimento de água em Minas Gerais, que afeta principalmente a Região Metropolitana de Belo Horizonte; ações envolvem campanha para redução do consumo, reativação de projetos que estavam paralisados, como construção de pequenas barragens em bacias hidrográficas no interior do Estado; "Todos os sinais apontam para a necessidade de uma ação muito efetiva do Governo Estadual, com o apoio da população e com o apoio da imprensa, para divulgar as medidas para que possamos reduzir o consumo e conseguirmos atravessar o ano sem desabastecimento", disse Fernando Pimentel <br clear="all"> :

Minas 247 - O governador Fernando Pimentel anunciou, nesta sexta-feira (23/01), uma série de ações do Governo do Estado para tentar contornar a crise de abastecimento de água em Minas Gerais, que afeta principalmente a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Entre elas, está a criação de uma força-tarefa entre secretários estaduais e presidentes de empresas e autarquias para a elaboração e execução de projetos destinados a minimizar o problema. Na próxima semana, Pimentel também irá se reunir com a presidente Dilma Rousseff em busca de apoio nas ações desenvolvidas pelo Estado.

Além das ações emergenciais anunciadas pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), como a campanha para redução de 30% no consumo de água pela população da região metropolitana da capital e as intervenções visando a diminuição do desperdício da água disponibilizada pela companhia, o governador também destacou as ações de curto, médio e longo prazo que serão desenvolvidas.

“Todos os sinais apontam para a necessidade de uma ação muito efetiva do Governo Estadual, com o apoio da população e com o apoio da imprensa, para divulgar as medidas para que possamos reduzir o consumo e conseguirmos atravessar o ano sem desabastecimento”, afirmou Pimentel durante coletiva de imprensa no Palácio Tiradentes.

A força-tarefa irá centralizar e coordenar todos os esforços do Governo do Estado nessa direção. “Nós já identificamos uma série de projetos e programas que estavam dispersos na administração estadual e até federal, como projetos de construção de pequenas barragens em bacias hidrográficas no interior do Estado, no Norte de Minas, e que não faziam parte de um esforço, de um planejamento integrado”, disse o governador.

Medidas

Ações publicitárias sobre a importância do consumo responsável também serão veiculadas a partir da próxima semana. Ainda segundo Pimentel, o Estado está se esforçando para conseguir autorização do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) para iniciar uma política de sobretaxa na conta de água para iniciar a redução de consumo com mais rapidez.

Já a médio prazo estão previstas a realização de obras para alterar o ponto de captação de água do rio Paraopeba no sentido de reforçar o reservatório do rio Manso – principais responsáveis pelo abastecimento da capital e região metropolitana. O secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Murilo Valadares, informou que está sendo analisada a viabilidade jurídica para utilização da parceria público-privada no rio Manso para ampliar em quatro metros cúbicos por segundo a captação de água no rio Paraopeba, com a implantação de uma adutora com quatro quilômetros de extensão.

“Vamos fazer todo o esforço esse ano porque pode acontecer de outubro não chover. Então, nosso esforço, quatro metros cúbicos, resolve muita coisa em Belo Horizonte a curto prazo. A médio prazo, estamos olhando para o rio Taquaraçu, que é mais importante que o rio Jaboticatubas. Estamos olhando a possibilidade de fazer uma barragem no rio das Velhas e também tem outra captação no rio Paraopeba de mais um metro cúbico para Serra Azul”, explicou o secretário.

A longo prazo, o governo estadual planeja reforçar a captação de água no rio das Velhas com a construção de reservatórios e estudos para captação na bacia do rio Jaboticatubas. Ainda durante a coletiva, Pimentel lamentou o atraso nas ações desenvolvidas pelo governo anterior para prevenir a falta de água no Estado.

“A inclinação da curva do nível dos reservatórios do sistema Paraopeba, que abastece a região metropolitana, indicava a necessidade de algum tipo de medida de contenção de consumo. Nada foi feito e, hoje, nós temos que enfrentar essa situação com mais empenho. Essa é uma questão grave que afeta o Estado de Minas Gerais como um todo e nós vamos precisar muito da colaboração da população”, afirmou.

 

Minas 247 José Barbacena Sat, 24 Jan 2015 12:55:51 +0000 http://www.brasil247.com/167703
"Japão não se curva perante os terroristas" http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167723 : Shinzo Abe O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse hoje que Tóquio "não se curva perante os terroristas", após a divulgação de uma mensagem em que um dos reféns japoneses do grupo Estado Islâmico afirma que o companheiro de cativeiro foi executado; "O Japão vai contribuir na luta da comunidade internacional a favor da paz e contra o terrorismo", acrescentou <br clear="all"> : Shinzo Abe

Agência Brasil - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse hoje que Tóquio "não se curva perante os terroristas", após a divulgação de uma mensagem em que um dos reféns japoneses do grupo Estado Islâmico afirma que o companheiro de cativeiro foi executado.

"O Japão vai contribuir na luta da comunidade internacional a favor da paz e contra o terrorismo", acrescentou Abe no final de uma reunião de emergência do governo de Tóquio, que foi convocada logo após a difusão da gravação.

No registro de áudio, difundido através da rede social Twitter por simpatizantes do Estado Islâmico (ISIS na sigla em inglês), o jornalista japonês Kenji Goto, refém dos extremistas, afirma que o companheiro de cárcere foi executado.

Saiba Mais
Governo brasileiro condena sequestro de japoneses pelo Estado Islâmico
"Não tenho palavras nem imagino a dor da família. Trata-se de um ato terrorista indesculpável e uma barbaridade imperdoável. Estou indignado e condeno-o energicamente", disse o primeiro-ministro sobre a mensagem que informa sobre a execução de Yukawa, empresário japonês, refém do Estado Islâmico desde 2014, na Síria.

O chefe do Executivo disse ainda que o governo está fazendo todos os esforços necessários para solucionar a situação do jornalista japonês, refém do Estado Islâmico, pedindo para que não lhe façam mal e para que seja libertado de imediato.

Após a difusão das notícias sobre a gravação, a mãe de Goto, Junko Ishido disse que no registro de áudio nota que o filho está "nervoso" diante da proximidade da execução acrescentando que "não pode estar otimista" sobre a situação.

Num vídeo divulgado esta semana, o Estado Islâmico ameaçou matar dois japoneses - o empresário Haruna Yukawa e o jornalista Kenji Goto - se o Governo japonês não pagasse US$ 200 milhões de dólares (172 milhões de euros) no prazo de 72 horas.

Viúvo de 42 anos, Haruna Yukawa foi sequestrado em meados de agosto do ano passado, enquanto alegadamente dava apoio logístico a um grupo rebelde envolvido na guerra civil síria e rival do Estado Islâmico, sendo que a presença do japonês na região nunca foi totalmente explicada.

Kenji Goto, jornalista de 47 anos, tinha se deslocado ao território sírio controlado pelos extremistas no início de outubro, com a intenção de cobrir o conflito no terreno e deveria ter regressado ao Japão no dia 29 do mesmo mês.

Mundo Paulo Emílio Sat, 24 Jan 2015 19:59:45 +0000 http://www.brasil247.com/167723
Fernando Baiano acusa juiz de agir como "justiceiro" http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167709 : Os advogados de defesa do lobista Fernando Soares, mais conhecido como Fernando Baiano, preso pela Polícia Federal durante as investigações da Operação Lava Jato, ingressaram com um pedido de habeas corpus onde acusam o juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso, de agir como um "justiceiro;  "O juiz singular tem o dever de julgar, não de perseguir, nem de justiçar, devendo-se afastar do propósito de se notabilizar como paladino da moralidade na República, já que esta não é sua função", diz o texto do pedido de habeas corpus <br clear="all"> :

247 - Os advogados de defesa do lobista Fernando Soares, mais conhecido como Fernando Baiano, preso pela Polícia Federal durante as investigações da Operação Lava Jato, ingressaram com um pedido de habeas corpus onde acusam o juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso, de agir como um "justiceiro".

No pedido apresentado a Justiça, o grupo de advogados que assina a peça judicial ressalta que "o juiz singular tem o dever de julgar, não de perseguir, nem de justiçar, devendo-se afastar do propósito de se notabilizar como paladino da moralidade na República, já que esta não é sua função".

Nélio Machado, que integra o grupo d advogados que assina o texto, diz que o processo estaria "permeado de excessos e descomedimentos, ilegalidades e abusos de poder", além de não levar em conta o princípio da presunção de inocência.

Fenando Soares foi preso pela Polícia Federal em novembro do ano passado sob a acusação de ter recebido US$ 30 milhões em propinas referentes à aquisição de dois navios-sonda por parte da Petrobras.

Brasil Paulo Emílio Sat, 24 Jan 2015 14:55:37 +0000 http://www.brasil247.com/167709
Camilo inicia encontros com deputados federais no Palácio da Abolição http://www.brasil247.com/pt/247/ceara247/167700 : O governador Camilo Satana repete com os deputados federais as conversas que realiza há duas semanas com os representantes da Assembleia Legislativa do Ceará. Os primeiros parlamentares a serem recebidos no gabinete foram o vice-presidente nacional do PT, José Guimarães, e Moroni Torgan (Dem) <br clear="all"> :

Ceará 247 - O governador Camilo Santana iniciou na noite desta sexta-feira, 23, no Palácio da Abolição, uma série de encontros com os deputados federais. Os primeiros parlamentares a serem recebidos no gabinete foram José Guimarães, vice-presidente nacional do PT, e Moroni Torgan. "Esse é um diálogo importante que abrimos com os deputados que representam o Ceará na Câmara Federal e que podem nos ajudar a viabilizar muitos projetos de interesse para o estado", citou o governador.

Camilo repete com os deputados federais as conversas que realiza há duas semanas com os representantes da Assembleia Legislativa do Ceará. No total, 42 deputados estaduais já foram recebidos pelo governador - Naumi Amorim, Joaquim Noronha e João Jaime estiveram na última quinta-feira no Palácio da Abolição. "Tenho certeza que esses debates podem construir um estado ainda mais forte", disse Camilo.  

Com informações da assessoria 

Ceará 247 Renata Paiva Sat, 24 Jan 2015 12:33:42 +0000 http://www.brasil247.com/167700
Goiás reduz indicadores de criminalidade em 2014 http://www.brasil247.com/pt/247/goias247/167695                                 : Formatura de 400 Soldados do Servi�o de Interesse Militar Voluntario Estadual e Entrega de Viaturas Fotos Eduardo Ferreira Balanço final da Secretaria de Segurança Pública mostra que no ano passado houve queda nos registros de homicídio, furtos a veículos e roubos a estabelecimentos comerciais, tanto em números absolutos quanto em relação à taxa por 100 mil habitantes; redução de índices de criminalidade no Estado coincide com o aumento no efetivo das corporações; na semana passada, o governador Marconi Perillo entregou 85 novas viaturas à Polícia Militar e formou mais 330 policiais do Serviço de Interesse Militar Voluntário Estadual (Simve) <br clear="all">                                 : Formatura de 400 Soldados do Servi�o de Interesse Militar Voluntario Estadual e Entrega de Viaturas Fotos Eduardo Ferreira

Goiás 247 - O ano de 2014 terminou com redução e estabilidade de importantes indicadores de criminalidade em Goiás. Balanço concluído neste sábado (24) pela Seção de Análise Criminal do Observatório de Segurança Pública – estrutura responsável pelas estatísticas da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária – revela que houve queda nos registros de homicídio, furtos a veículos e roubos a estabelecimentos comerciais, tanto em números absolutos quanto em relação à taxa por 100 mil habitantes, metodologia utilizada internacionalmente pelos órgãos de segurança.

A queda na taxa por 100 mil habitantes foi de 1,32% nas ocorrências de homicídio em todo o Estado. Em 2013, a taxa foi de 38,81. Ano passado, ela ficou em 38,30. Foi o primeiro recuo dos últimos anos, após praticamente uma década de altas consecutivas.

Em relação ao furto de veículos, a retração foi maior: de 92 por 100 mil em 2013 para 87 por 100 mil em 2014 (menos 4,59%). Isso significou, em números absolutos, uma diminuição superior a 3%. Vale ressaltar, ainda, que o índice de recuperação de veículos furtados ou roubados em Goiás é superior a 85%.

A maior diminuição ocorreu nos registros de roubo a estabelecimento comercial. Em Goiás, a taxa caiu 17% - o que representa uma queda de 16% em números absolutos. Já em Goiânia, a queda foi ainda maior: de 28% na taxa por 100 mil habitantes.

Produtividade

A redução de alguns indicadores de criminalidade em Goiás coincide com o aumento no efetivo das corporações (com ingressos de novos profissionais na Polícia Civil e Militar em 2014) e, consequentemente, um incremento também na produtividade das duas instituições.

A Polícia Civil, por exemplo, registrou um aumento de 31% em todos os procedimentos realizados. Os Autos de Prisão em Flagrante tiveram um salto de 16% em 2014 em relação a 2013. Já os Autos de Apreensões em Flagrante, que envolvem menores infratores, observaram um acréscimo de
32%.

A Polícia Militar, por sua vez, aumento em 40% o número de operações em todo o estado. O número de apreensões de drogas pela corporação subiu 17% no mesmo período e o de prisões de foragidos, 12%.

Destaca-se a participação do Comando de Operações de Divisas (COD), criado pelo governo estadual para atual nas rodovias de acesso ao Estado com foco no combate ao tráfico de drogas, contrabando, descaminho e circulação de armas e veículos roubados ou furtados. Somente o COD apreendeu mais de 12 toneladas de entorpecentes em 2014, o que representa 266% a mais do que em 2013.

Desafios

Apesar da melhora em alguns indicadores de criminalidade, o secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária de Goiás, Joaquim Mesquita, ressalta que ainda há muitos desafios a serem enfrentados. Um dos principais, destaca, é o endurecimento da legislação penal para que os criminosos passem mais tempo presos.

Um caso exemplar ocorreu em Goiás essa semana. O megatraficante Marcelo Gomes de Oliveira, 35, conhecido como Marcelo Zói Verde, foi obteve alvará de soltura mesmo sendo considerado um dos maiores traficantes do País. Marcelo Gomes havia sido preso pela Polícia Civil de Goiás após uma investigação que durou mais de dois anos. Poucas horas depois da soltura do criminoso, o Poder Judiciário expediu outro mandado de prisão contra ele, que agora está foragido.

O secretário Joaquim Mesquita aponta que esse não é um caso isolado. “Temos estudos na SSP que apontam que um criminoso preso pelas polícias em Goiás tem ficado, em média, apenas 45 dias preso. Isso tem como consequência uma alta reiteração, que atualmente é de aproximadamente 70%”, diz Mesquita.

Outro ponto citado pelo secretario é a distorção dos investimentos em Segurança Pública no Brasil. Ano passado, só Goiás investiu cerca de R$ 2 bilhões no setor. “É preciso aumentar a participação do governo federal nos investimentos em Segurança”, defende. Atualmente, os estados arcam com aproximadamente 80% dos investimentos no setor.

Goiás 247 José Barbacena Sat, 24 Jan 2015 11:30:00 +0000 http://www.brasil247.com/167695
Cantareira tem nova queda mesmo com chuva forte http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167694 : Mesmo com a maior chuva do ano, o sistema Cantareira foi o único entre os seis que atendem a Grande São Paulo a registrar queda no nível neste sábado, informa a Sabesp; seu volume, que era de 5,3%, passou para 5,2%, o que representa a 13ª queda consecutiva   <br clear="all"> :

SP 247 - Mesmo com a maior chuva do ano, o sistema Cantareira foi o único entre os seis que atendem a Grande São Paulo a registrar queda no nível neste sábado (24), informa a Sabesp. Seu volume, que era de 5,3%, passou para 5,2%, o que representa a 13ª queda consecutiva.

Com a chuva entre esta sexta e sábado, de 25,9 milímetros, o acumulado de precipitações no Cantareira em janeiro vai para 90,8 milímetros, o que ainda representa 33,5% do previsto para todo o mês. A maior chuva registrada em janeiro antes da deste sábado ocorreu no dia 7, com 17,6 milímetros.

De acordo com a Sabesp, o acumulado de chuvas de um dia abrange o período de 24 horas entre a divulgação dos boletins, publicados sempre às 9h.

A dificuldade de o sistema receber e armazenar água contrasta com os números registrados pelos outros sistemas, que aproveitaram as chuvas trazidas pela frente fria que chegou ao estado nesta quarta-feira (21).

SP 247 José Barbacena Sat, 24 Jan 2015 11:02:46 +0000 http://www.brasil247.com/167694
EI decapita refém japonês capturado na Síria http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167707 : O grupo extremista Estado Islâmico (EI) divulgou um vídeo com a morte de um dois reféns japoneses que eram mantidos em cativeiro na Síria. Segundo o Site, portal que monitora as atividades de grupos jihadistas, Haruna Yukawa teria sido decapitado; o primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, qualificou o ato como imperdoável e violento" e exigiu a libertação imediata do segundo refém, Kenji Goto <br clear="all"> :

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) divulgou um vídeo com a morte de um dois reféns japoneses que eram mantidos em cativeiro na Síria. Segundo o Site, portal que monitora as atividades de grupos jihadistas, Haruna Yukawa teria sido decapitado. Ao tomar conhecimento do ocorrido, o primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, qualificou o ato como imperdoável e violento", além de exigir a libertação imediata do segundo refém, Kenji Goto.


O EI havia divulgado um vídeo onde os reféns apareciam ajoelhados e ameaçados por um jihadista encapuzado. O grupo exigiu um resgate de R$ 200 milhões pela vida dos reféns e disse que caso o dinheiro não fosse entregue em um prazo de 72 horas, os prisioneiros seriam executados.

 

Mundo Paulo Emílio Sat, 24 Jan 2015 14:35:00 +0000 http://www.brasil247.com/167707
Omar Aziz concentra forças na recriação do PL http://www.brasil247.com/pt/247/amazonas247/167693 : Senador, que preside o diretório estadual do PSD, afirma que grupo já tem 40 mil assinaturas no Estado que apoiam a volta do Partido Liberal; recriação da legenda vem sendo articulada pelo presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, para servir de alternativa para políticos insatisfeitos com seus partidos; “Queremos fortalecer e fazer uma junção com o PSD e criar um partido maior. Quanto maior o partido na Câmara e no Senado, maior o poder de participação nas comissões, na Mesa Diretora e nas decisões políticas", afirma Aziz <br clear="all"> :

Dhyene Brissow, D24AM.com - O diretório do PSD no Amazonas está colhendo assinaturas em apoio à recriação do antigo PL, e já soma 40 mil apoiadores no Estado. A recriação do partido vem sendo articulada pelo presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, para servir de alternativa para políticos insatisfeitos com seus partidos, segundo matéria publicada no jornal Folha de S. Paulo, no último dia 11. O novo PL será fundido ao PSD.

O PL existiu até 2006, quando se fundiu com o Prona e passou a se chamar PR. Em nível nacional, o partido já conta com 250 mil das 500 mil assinaturas necessárias para a sua recriação, e a expectativa, segundo o secretário-geral do PSD e coordenador da coleta de assinaturas, é que a sigla seja ativada ainda este ano.

O presidente do diretório estadual do PSD no Amazonas, senador Omar Aziz (PSD), disse, ontem, que o objetivo da recriação e fusão com o PSD é ter um partido grande com maior força política e maior poder de participação no Congresso. “Queremos fortalecer e fazer uma junção com o PSD e criar um partido maior. Quanto maior o partido na Câmara e no Senado, maior o poder de participação nas comissões, na Mesa Diretora, nas decisões políticas que estão sendo tomadas”, disse.

Segundo Omar, a recriação do PL e fusão ao PSD é uma alternativa para driblar a nova regra que prevê que partidos políticos só têm direito a tempo de rádio e tv proporcional ao número de candidatos eleitos pela sigla.

Omar disse que ainda não conversou com nenhum político no Amazonas sobre aderir ao PL, e não alimenta expectativa sobre quantos parlamentares devem aderir ao partido. “No momento certo eu vou discutir com parlamentares, deputados, vereadores e com prefeitos, se a intenção deles é vir ou não. Até o momento, eu não procurei ninguém”, disse.

Segundo matéria publicada no Jornal Folha de S. Paulo, o governador do Estado, José Melo (PROS) é um dos políticos que Kassab pretende levar para o novo PL, mas segundo Omar, “isso não existe”.

Procurado pelo Portal D24AM, Melo disse que está satisfeito com o seu partido e que ainda não conversou com ninguém sobre a possibilidade de migrar para o PL. “Até agora ninguém conversou comigo. Mas eu estou satisfeito com meu partido”, afirmou.

O secretário-geral do PSD, Paulo Radin, disse ontem que das 40 mil assinaturas coletadas, apenas 20 mil foram certificadas em cartório, como exige a legislação eleitoral, mas que já há assinaturas suficientes para criar o diretório do Amazonas, 1,5 mil. Apesar disso, ele informou que não existe “pressão” e “nem conversas com políticos, por enquanto, porque o partido ainda não existe”.

Amazonas 247 José Barbacena Sat, 24 Jan 2015 10:52:21 +0000 http://www.brasil247.com/167693
PML: ou Dilma vai pra cima, ou será derrotada http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167702 : "O clima de enterro empregado pelos meios de comunicação para divulgar os números do emprego de 2014 é vergonhoso", diz o jornalista Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília; "É correto lembrar que a criação de 391 000 empregos foi o menor desempenho desde a chegada de Luiz Inácio Lula da Silva no Planalto", diz ele; no entanto, ele destaca que o número é positivo, numa situação bem diferente do que ocorreu na era FHC; eis alguns dados: 1996 (271.339 empregos a menos), 1997 (36.000 empregos a menos), 1998 (582.000 empregos a menos) e 1999 (196.000 empregos a menos); "neste universo desigual, ou o governo começa a falar, ou será calado para sempre. Irá perder os debates que se avizinham sobre os rumos da economia e sobre empregos, sobre energia, sobre a Petrobras e o que você pensar" <br clear="all"> :

Por Paulo Moreira Leite

O clima de enterro empregado pelos meios de comunicação para divulgar os números do emprego de 2014 é vergonhoso.

É correto lembrar que a criação de 391 000 empregos foi o menor desempenho desde a chegada de Luiz Inácio Lula da Silva no Planalto. Num país com 200 milhões de habitantes, com as carências que conhecemos, sempre haverá gente em busca de emprego — e de empregos melhores.

Mas é absurdo deixar de ponderar que entre 2003 e 2014, período dos governos Lula e Dilma Rousseff, o país criou 16 milhões de novos empregos. O país vive o menor desemprego de sua história. Em nenhum momento, nesses 12 anos, o mercado de trabalho encolheu. Nunca. (*)

Entre 1995 e 1999, durante o governo do PSDB, o país perdia milhares empregos anos após ano. O mercado de trabalho decresceu por cinco anos consecutivos — uma tragédia pentacampeã.

Foram 129.339 empregos a menos em 1995, quando o presidente Fernando Henrique Cardoso assumiu a herança econômica do ministro da Fazenda FHC. Nos quatro anos seguintes, o país seguiu perdendo empregos no seguinte ritmo:

– 1996: 271.339 empregos a menos

– 1997: 36.000 empregos a menos

– 1998: 582.000 empregos a menos

— 1999: 196.000 empregos a menos

O dado real a ser lembrado é este: o país perdeu empregos em cinco dos oito anos de governo FHC — mais da metade da gestão, portanto. No total, as perdas em cinco anos chegaram a 1 milhão e 85 mil empregos.

Em 1994, o ano de lançamento do Plano Real, foram criados 301. 928 empregos — 30% a menos do que as vagas abertas em 2014, total apresentado em tom fúnebre na semana passada. Alguém protestou?

Nos três últimos anos de governo FHC, foram criados 2 milhões e 10 000 empregos.

Se você abater as vagas fechadas, o saldo tucano é de pouco mais de 900 mil empregos. Nos oito anos de Lula, o saldo foi de 10,8 milhões. No primeiro mandato de Dilma, 5,2 milhões.

Se o número de 2014 não precisa motivar uma festa deve ser visto de forma ponderada. Num país que vive a mais baixa taxa de desemprego de sua história, a geração de novas vagas torna-se mais complicada do que antes.

O país nunca deixou de criar empregos após a posse de Lula e seguiu na mesma situação com Dilma.

Os dados sobre emprego sempre são delicados, pois envolvem o eleitorado tradicional do Partido dos Trabalhadores, que permitiu a Dilma resistir a uma campanha brutal no ano passado. Estes números não só ajudam a refletir sobre as prioridades de cada governo e o empenho para garantir benefícios a maioria da população mas também confirmam a mistificação diária que se costuma oferecer a população. Apoiar ou combater um governo faz parte dos direitos democráticos de qualquer veículo e de cada cidadão.

O lamentável é constatar, mais uma vez, que isso costuma ser feito sem respeito pela isenção nem pelos fatos.

A experiência de viver num país de pensamento único garante toda atualidade ao debate sobre a democratização dos meios de comunicação, que Dilma Rousseff comprometeu-se, muito corretamente, a encaminhar durante o segundo mandato.

A necessidade de encaminhar essa discussão, que envolve um debate demorado, que deve chegar a toda sociedade e ao Congresso, é inegável.

Mais urgente, contudo, é a necessidade do governo fazer a disputa política na conjuntura, oferecendo respostas a cada inverdade e toda distorção.

Temos um governo silenciado compulsóriamente pela mídia alinhada a seus adversários. A circulação de informações está submetida a uma ditadura exótica. Não é feita a partir de um Estado forte, como se aprende nos manuais de história, mas por empresas privadas de comunicação que reinam com poderes absolutos, como demonstra o insubstituível Manchetômetro.

Neste universo desigual, ou o governo começa a falar, ou será calado para sempre. Irá perder os debates que se avizinham sobre os rumos da economia e sobre empregos, sobre energia, sobre a Petrobras e o que você pensar. Mesmo a democratização dos meios de comunicação, que não quer diminuir a liberdade de ninguém, mas apenas ampliar a voz daqueles que não possuem, já foi atingida. É apresentada como bolivarianismo.

Já deu para entender a urgência de fazer a disputa política, concorda?

(*) Vinte anos de Economia Brasileira, Gerson Gomes e Carlos Antonio Silva da Cruz

Economia Leonardo Attuch Sat, 24 Jan 2015 13:10:44 +0000 http://www.brasil247.com/167702
Em vídeo para criar a Rede, Marina bate contra Dilma http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167714 : A ex-senadora Marina Silva e candidata derrotada à Presidência da República pelo PSB nas últimas eleições, engrossou o coro da oposição que ainda não aceita a reeleição da presidente Dilma Rousseff. Marina aproveitou um vídeo em que pede para que as pessoas assinem as fichas de criação do Rede Sustentabilidade para criticar a presidente Dilma, após afirmar quie o páis passa por uma "crise política, econômica, social e civilizatória, "o risco que ameaça até mesmo aquilo o que já conquistamos é o atraso na política. É a velha prática de se dizer uma coisa para ganhar a eleição e fazer outra depois que ganha" <br clear="all"> :

247 A ex-senadora Marina Silva e candidata derrotada à Presidência da República pelo PSB nas últimas eleições, engrossou o coro da oposição que ainda não aceita a reeleição da presidente Dilma Rousseff. Marina aproveitou um vídeo em que pede para que as pessoas assinem as fichas de criação do Rede Sustentabilidade para criticar a presidente Dilma. Dizendo, em mais de uma ocasião que o país passa por uma profunda crise, ela afirma que "o risco que ameaça até mesmo aquilo o que já conquistamos é o atraso na política. É a velha prática de se dizer uma coisa para ganhar a eleição e fazer outra depois que ganha".

No vídeo, que dura 1 minuto e 54 segundos, a ex-senadora dedica 1 minuto e quinze do tempo para criticar o governo da presidente Dilma. Logo no início, ela aparece afirmando que, durante a campanha eleitoral do ano passado, apresentou um plano de governo desenvolvido juntamente com milhares de pessoas e onde dizia "claramente" o que seria feito caso ganhasse as eleições.

Logo em seguida, Marina emenda que o país está "vivendo uma profunda crise. Crise política, crise econômica e crise social, diria até mesmo uma crise civilizatória, com problemas ambientais gravíssimos (...) com repercussões bastante prejudiciais no nosso país, no abastecimento de água e na geração de energia", afirma.

Antes de pedir que o eleitorado assine a ficha de filiação da Rede, Marina diz que as mudanças dependem da "sociedade que não quer mais ser mera espectadora, mas ter o papel de protagonista".

Confira aqui o vídeo postado pela ex-senadora Marina Silva. 

 

Poder Sat, 24 Jan 2015 16:15:34 +0000 http://www.brasil247.com/167714
Mortes provocadas pela polícia aumentam 40% http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/167715 Tania Rego/ABr: Instala��o de UPP na comunidade do Caj� Em 2013, os policiais mataram 416 pessoas e ano passado esse número subiu para 582 no Rio de Janeiro; segundo a coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec) da Universidade Candido Mendes, Silvia Ramos, as mortes são resultado de uma polícia que atira mais. Ela disse que a polícia fluminense deveria planejar melhor suas ações, para diminuir os confrontos com criminosos <br clear="all"> Tania Rego/ABr: Instala��o de UPP na comunidade do Caj�

Agência Brasil - As mortes provocadas pela polícia do Rio de Janeiro cresceram 40% entre 2013 e 2014, segundo dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão vinculado à Secretaria Estadual de Segurança. Em 2013, os policiais mataram 416 pessoas. Já no ano passado, esse número subiu para 582.

Segundo a coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec) da Universidade Candido Mendes, Silvia Ramos, as mortes são resultado de uma polícia que atira mais. Ela disse que a polícia fluminense deveria planejar melhor suas ações, para diminuir os confrontos com criminosos.

“Policial atirando nunca é bom. Policial só tem que atirar em último caso, para proteger sua própria vida. Muitas vezes o policial tem que atirar porque entrou no meio dos bandidos. Vale a pena entrar no meio de bandidos, no horário de escola, num sábado à noite, quando a rua está cheia? Não. Seria melhor planejar a operação, de forma que não resultasse nos bandidos tendo que atirar na polícia e a polícia tendo que atirar nos bandidos para se defender? De que adiantam essas operações? São milhares de operações. Na Vila Aliança [em Bangu] tem operação todo dia. E adianta de quê?”, questiona.

Silvia Ramos disse que quando a polícia atira mais, há não só um aumento das mortes provocadas pelos próprios policiais como, também, uma intensificação da violência no estado e efeitos colaterais, como as balas perdidas.

“Quando a polícia aperta mais o gatilho, você tem mais tiroteio, mais gente morrendo, mais arma circulando, mais confronto. Só nos últimos dias, tivemos seis ou sete casos de pessoas totalmente desligadas do mundo do crime sendo atingidas por balas perdidas”, disse a professora.

Segundo os dados do ISP, a taxa de letalidade violenta no Rio de Janeiro (dado que inclui assassinatos, latrocínios e as mortes cometidas por policiais) cresceu 6,8% entre 2013 e 2014.

Procurada pela Agência Brasil, a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Segurança informou que não poderia comentar o assunto hoje.

Rio 247 José Barbacena Sat, 24 Jan 2015 17:27:27 +0000 http://www.brasil247.com/167715
Rossetto: 'ninguém mexe no seguro-desemprego' http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167719 : Um dia após a publicação de uma entrevista do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ao jornal Financial Times, na qual teria afirmado que o modelo de seguro-desemprego vigente no Brasil está ultrapassado, a Secretaria-Geral da Presidência da República afirmou, por meio de nota, que o benefício, assim como o salário mínimo, é cláusula pétrea, não podendo ser alterado de forma alguma, nem mesmo por Proposta de Emenda Constitucional (PEC); nesta sexta-feira, o Ministério da Fazenda também emitiu uma nota contestando a matéria do jornal britânico <br clear="all"> :

247 - Um dia após a publicação de uma entrevista do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ao jornal Financial Times, na qual teria afirmado que o modelo de seguro-desemprego vigente no Brasil está ultrapassado, a Secretaria-Geral da Presidência da República, afirmou, por meio de nota, que o benefício, assim como o salário mínimo, é cláusula pétrea, não podendo ser alterado de forma alguma, nem mesmo por Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

De acordo com a nota assinada pelo ministro Miguel Rossetto, "o seguro-desemprego é cláusula pétrea. Assim como o salário mínimo, jornada de trabalho, férias e aposentadoria fazem parte do núcleo duro dos direitos dos trabalhadores e representam conquistas civilizatórias", ressalta o texto.

A nota rebate matéria publicada pelo jornal inglês Financial Times ao qual Levy teria dito que pelo fato do modelo de seguro-desemprego estar ultrapassado, seria preciso realizar uma série de "cortes em várias áreas". Na noite desta-sexta (23), o Ministério da Fazenda emitiu uma nota onde afirmava que declarações do ministro da Fazenda visavam "ampliar o debate pela modernização das regras desse benefício diante das transformações do mercado de trabalho nos últimos 12 anos".

Já a nota da Secretaria-Geral da Presidência da República informa que o ministro Miguel Rossetto irá participar do Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no dia 5 de março, em Brasília, além de confirmar a realização de uma reunião com as centrais sindicais no próximo dia 3, em São Paulo, para discutir as mudanças na Previdência Social e no Fundo de Amparo ao Trabalhador anunciadas pela equipe econômica.

Confira aqui a matéria publicada pelo Brasil 247 com a repercussão da matéria veiculada pelo Financial Times.

Poder Paulo Emílio Sat, 24 Jan 2015 18:40:19 +0000 http://www.brasil247.com/167719
Tocantins ignora crise e cresce exportações em 22% http://www.brasil247.com/pt/247/tocantins247/167608 : Enquanto economias gigantes como a dos estados de São Paulo e Minas Gerais registraram queda nas exportações em 2014, o Estado do Tocantins registrou aumento de 22% nas exportações, em comparação com 2013; é o maior percentual da região Norte e um dos maiores do país; empresas ligadas ao Agronegócio exportaram R$ 2 bilhões e 240 milhões; destaque para a Bunge Alimentos, que vendeu ao exterior R$ 489 milhões em soja; apesar da crise na economia, Tocantins se mostra como fronteira agrícola que mais cresce no país <br clear="all"> :

Tocantins 247 - Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio confirmam o potencial do Tocantins como nova fronteira agrícola nacional. Enquanto economias gigantes como a dos estados de São Paulo e Minas Gerais registraram queda nas exportações em 2014, o Estado do Tocantins obteve um dos maiores percentuais de aumento nas vendas ao exterior do país e o maior da região Norte. 

As exportações de produtos tocantinenses alcançaram no ano passado o volume de US$ 869,7 milhões, cerca de R$ 2 bilhões e 240 milhões. Em 2013, o total exportado foi de US$ 702,2 milhões, cerca de R$ 1,804 bilhão. Aumento de 22,42%.

Estado com industrialização consolidada na Polo Industrial de Manaus, o Amazonas registrou queda de 10,8% nas exportações. No Pará, a queda nas vedas foi de 10%, enquanto no Acre, as exportações despencaram 36,5%. Além do Tocantins, foram superavitários apenas os estados de Rondônia, com aumento de 4% e Amapá, que exportou 2,21% a mais em 2014, comparado com 2013.

Entre as principais responsáveis pelo desempenho positivo do Tocantins nas exportações estão a Bunge Alimentos, responsável por exportar US$ 186,9 milhões, cerca de R$ 489 milhões, em soja. Em seguida vem o frigorífico Minerva S.A, responsável por exportar US$ 128,2 milhões, cerca de R$ 329 milhões em carnes e derivados.

As demais exportadoras também têm relação com o Agronegócio. A ABC Indústria, com exportações de US$ 113,3 milhões, a Cargil Agrícola, com US$ 73 milhões. Em seguida vêm a Multigrain (US$ 67.1 milhões), Cooperativa dos produtores e derivados (US$  55,7 milhões) e Fiagril Ltda (US$ 54,3 milhões).

Brasil cresce menos

Segundo os dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, na Região Sudeste, Rio de Janeiro (6,33%) e Espírito Santo (16,33%) tiveram crescimento de vendas ao mercado externo. Já em São Paulo, houve queda nos embarques de 8,39% e, em Minas Gerais, a retração foi de 12,31%. No total, as vendas regionais caíram 4,68%. O Sudeste exportou US$ 116,087 bilhões e foi responsável por 51,57% do total vendido pelo país no período. 

A Região Sul vendeu ao exterior US$ 44,015 bilhões, o que representou 19,55% do total. Houve queda de 15,39% nas exportações. As vendas catarinenses cresceram 3,44%, mas retrocederam os embarques gaúchos (-25,50%) e paranaenses (-10,46%). 

No Centro-Oeste, as exportações tiveram recuo de 3,61%. A região vendeu US$ 27,352 bilhões, o que equivale a 12,15% dos embarques nacionais. Somente o Distrito Federal registrou aumento nas exportações, de 25,82%, enquanto os demais estados tiveram redução: Mato Grosso (-6,44%), Goiás (-0,89%) e Mato Grosso do Sul (-0,21%). 

As exportações nordestinas no ano apresentam queda de 7,85%. As vendas somam US$ 15,914 bilhões, valor correspondente a 7,07% das brasileiras. No Maranhão (19,37%), Ceará (3,57%), Piauí (58,16%) e Rio Grande do Norte (1,39%) houve aumento nas exportações. Já na Bahia (-7,75%), Pernambuco (-52,61%), Alagoas (-15,20%), Paraíba (-4,71%) e Sergipe (-7,80%) houve queda.  

Tocantins 247 Aquiles Lins Fri, 23 Jan 2015 13:38:38 +0000 http://www.brasil247.com/167608
Mesmo com dólar em alta, brasileiro tem gasto recorde no exterior http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167614 : Os gastos de brasileiros no exterior passaram de US$ 24,987 bilhões, em 2013, para US$ 25,608 bilhões, em 2014, crescimento de 2,48%. O valor voltou a ser recorde, mesmo com o dólar em alta <br clear="all"> :

Mariana Branco – Repórter da Agência Brasil

Os gastos de brasileiros no exterior passaram de US$ 24,987 bilhões, em 2013, para US$ 25,608 bilhões, em 2014, crescimento de 2,48%. O valor voltou a ser recorde, mesmo com o dólar em alta. A conta de viagens internacionais apresentou déficit de US$ 18,695 bilhões no ano passado, cifra também recorde. Os dados foram divulgados hoje (23) pelo Banco Central (BC).

De acordo com o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, a tendência é uma redução no ritmo de crescimento das viagens dos brasileiros ao exterior. Para ele, o principal fator de influência é a valorização do dólar.

"É natural que, em um determinado momento, isso [gastos recorde de brasileiros em viagens ao exterior] mostrasse uma acomodação. A tendência é ter, em 2015, comportamento semelhante ao de 2014", disse Maciel. Em 2014, ano de Copa do Mundo, os gastos de estrangeiros no Brasil ficaram em US$ 6,914, crescendo 3,13%, na comparação com o ano anterior.

As receitas ficaram aquém do que era esperado pelo BC. "Chegamos a fazer uma estimativa do impacto da Copa, que ficou próxima de US$ 1 bilhão", disse Maciel. Segundo ele, fatores externos podem ter influenciado. "Há uma correspondência do ritmo de crescimento da atividade global com receitas de viagens previstas no país", destacou, clarou, em entrevista para comentar o resultado das contas externas em 2014.

Quanto ao déficit recorde de US$ 90,9 bilhões das transações correntes do país no ano passado, Maciel atribuiu o resultado principalmente à balança comercial. Para ele, a balança tende a se recuperar este ano, em função da taxa de câmbio – já que o dólar valorizado favorece exportações -, do aumento no volume de comércio internacional e da perspectiva de melhora da conta-petróleo brasileira.

Economia Gisele Federicce Fri, 23 Jan 2015 14:01:13 +0000 http://www.brasil247.com/167614
ProUni vai oferecer mais de 213 mil bolsas http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167615 : Número representa crescimento de 11% em comparação ao processo do primeiro semestre de 2014, quando foram ofertadas 191.625 bolsas; este ano, o Programa Universidade para Todos (ProUni), do governo federal, vai ofertar 135.616 integrais e 77.497 parciais; veja a lista dos cursos com maior oferta de bolsas <br clear="all"> :

Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil

O Programa Universidade para Todos (ProUni) vai ofertar 213.113 bolsas, sendo 135.616 integrais e 77.497 parciais. O número representa crescimento de 11% em comparação ao processo do primeiro semestre de 2014, quando foram ofertadas 191.625 bolsas.

As inscrições começam nesta segunda-feira (26) e podem ser feitas até o dia 29 na página do ProUni. Já estão disponíveis para consulta no site as bolsas ofertadas nesta edição. O candidato que se inscreveu no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) também pode se inscrever no ProUni.

Em 2015, as bolsas serão para 30.549 cursos, em 1.117 instituições de ensino superior privadas. De acordo com o Blog do Planalto trata-se da maior oferta de bolsas desde que o programa foi criado. O aumento, no entanto, é menor que no ano passado, quando a oferta cresceu 18% em relação ao primeiro semestre de 2013.

A maior parte das bolsas concentra-se na Região Sudeste (48%), seguida pela Região Sul (22%), Nordeste (14%), Centro-Oeste (10%) e Norte (6%).

Podem concorrer às bolsas, estudantes que cursaram o ensino médio na rede pública ou na rede particular, na condição de bolsista integral. Para concorrer às bolsas integrais, o candidato deve comprovar a renda bruta familiar, por pessoa, até um salário mínimo e meio. Para as bolsas parciais, no valor de 50% da mensalidade, a renda bruta familiar deve ser até três salários mínimos.

Para se inscrever, o candidato deve ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e obtido, no mínimo, 450 pontos na média das notas. Além disso, não pode ter tirado 0 na redação. Outra condição é que ainda não tenha diploma de curso superior.

Professores do quadro permanente da rede pública de ensino, que concorrerem a cursos de licenciatura, também podem participar do ProUni. Nesse caso, não é necessário comprovar a renda.

Segundo dados do Ministério da Educação, ao longo de dez anos, o Prouni concedeu 1,5 milhão de bolsas de estudos para estudantes carentes de todo o País. Nesse período, o programa formou mais de 430 mil profissionais em todas as áreas do conhecimento. Atualmente, o programa beneficia mais de 562 mil jovens brasileiros de baixa renda com bolsas integrais ou de 50% em universidades privadas de todo o País.

Veja a lista dos cursos com maior oferta de bolsas:

1. Administração – 22.050

2. Pedagogia – 15.562

3. Direito – 15.010

4. Ciências contábeis – 11.917

5. Engenharia civil – 8.405

6. Educação física – 8.181

7. Gestão de recursos humanos – 6.854

8. Enfermagem – 6.801

9. Psicologia – 5.307

10. Engenharia de produção – 5.284

Brasil Gisele Federicce Fri, 23 Jan 2015 14:15:05 +0000 http://www.brasil247.com/167615
Dirceu: consultoria “nada tem a ver” com a Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167606 : Ex-ministro comenta, em seu blog, decisão da Justiça do Paraná, que determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal dele, de seu irmão e da empresa JD Assessoria e Consultoria Ltda, que pertence aos dois; Ministério Público vê indícios de que a consultoria tenha recebido recursos de empreiteiras ligadas ao esquema de corrupção na Petrobras, desvendado pela Operação Lava Jato; em nota, José Dirceu diz que a JDA prestou consultoria às empresas UTC, OAS e Galvão Engenharia, mas que "a relação comercial com as empresas não guarda qualquer relação com contratos na Petrobras sob investigação na Operação Lava Jato" <br clear="all"> :

247 – O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu respondeu, nesta sexta-feira 23, à decisão da Justiça Federal do Paraná que determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal dele, de seu irmão Luiz Eduardo de Oliveira e Silva e da empresa JD Assessoria e Consultoria Ltda, que pertence aos dois (leia mais).

Para o Ministério Público Federal, há indícios de que a empresa tenha recebido recursos de empreiteiras ligadas ao esquema de corrupção na Petrobras, desvendado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Na decisão consta que a consultoria recebeu, entre 2009 e 2013, R$ 3.761.000 das construtoras Galvão Engenharia, OAS e UTC Engenharia.

Em seu blog, Dirceu afirma que sua empresa prestou, sim, consultoria às empreiteiras "para atuação em mercados externos, sobretudo na América Latina e Europa", mas que a relação comercial com essas empresas "não guarda qualquer relação com contratos na Petrobras sob investigação na Operação Lava Jato".

Confira abaixo o texto publicado pelo Blog do Dirceu e a nota da empesa do ex-ministro:

Empresa de Dirceu presta esclarecimentos sobre contratos de trabalho com clientes

A propósito de reportagem divulgada ontem em telejornais – reproduzida em jornais de hoje – sobre a decisão de uma juíza do Paraná, de quebrar o sigilo bancário e fiscal do ex-ministro José Dirceu no desdobramento das investigações da Operação Lava Jato, a assessoria do ex-ministro-chefe da Casa Civil divulgou nota em que presta esclarecimentos.

A assessoria informa que os contratos comerciais de trabalho firmado pela consultoria do ex-ministro, a JDA, com empresas nada tem a ver, com as apurações em curso na Petrobras.

Vejam, abaixo, a íntegra do esclarecimento prestado pela empresa do ex-ministro José Dirceu:

NOTA À IMPRENSA

A respeito da reportagem veiculada pelo Jornal Nacional nesta quinta-feira (22), a JDA esclarece que prestou consultoria às empresas UTC, OAS e Galvão Engenharia, conforme contratos, para atuação em mercados externos, sobretudo na América Latina e Europa.

A relação comercial com as empresas não guarda qualquer relação com contratos na Petrobras sob investigação na Operação Lava Jato. O ex-ministro José Dirceu está à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos à Justiça.

Poder Gisele Federicce Fri, 23 Jan 2015 13:21:43 +0000 http://www.brasil247.com/167606
PML: Cunha é o candidato dos “falsos moralistas” http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167597 GABRIELA KOROSSY/Câmara: Candidato do PMDB à presidência da Câmara "representa o que de mais atrasado se pode encontrar no Congresso", opina Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília; jornalista diz que o "caráter extremista" do deputado "parecia ser o ingrediente ideal para uma Câmara a ser empossada num ambiente em ambiente de fim do mundo", cenário observado ao final das eleições, mas hoje o ambiente é outro, avalia PML; "É difícil negar que a ideia de emparedar o governo Dilma para forçar um ambiente de crise permanente está murchando, e essa situação é que esvazia a candidatura de Eduardo Cunha" <br clear="all"> GABRIELA KOROSSY/Câmara:

247 – A visão de que a disputa à presidência da Câmara dos Deputados, agendada para o dia 1º de fevereiro, "não passa de um confronto entre concorrentes iguais em seus defeitos e em sua falta de sintonia com as necessidades da maioria dos brasileiros" é usada por quem "deseja a crise a qualquer custo e aposta no quanto pior melhor", avalia Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília.

Em seu blog, ele classifica a candidatura de Eduardo Cunha, do PMDB, como a dos "falsos moralistas e reacionários, como Marco Feliciano", e a que "representa o que de mais atrasado se pode encontrar no Congresso". Antes com uma vitória avaliada como "inevitável", que chegou a fazer petistas pensarem se valeria mesmo a pena enfrentá-lo em vez de aderir à sua candidatura, Cunha deve registrar hoje empate técnico com Arlindo Chinaglia, do PT.

Na opinião do colunista, o "caráter extremista" do peemedebista "parecia ser o ingrediente ideal para uma Câmara a ser empossada num ambiente em ambiente de fim do mundo", cenário observado após as eleições, quando se protestava por impeachment após uma vitória apertada da presidente Dilma Rousseff. Hoje, no entanto, o ambiente é outro, diz ele.

"Embora uma quantidade imensa de brasileiros ainda não tenha se acostumado com a desenvoltura de um Joaquim Levy num governo do PT — e é até possível que isso nunca venha a ocorrer – é difícil negar que a ideia de emparedar seu governo para forçar um ambiente de crise permanente está murchando, e essa situação que esvazia a candidatura de Eduardo Cunha", analisa.

Leia aqui a íntegra do artigo.

Poder Gisele Federicce Fri, 23 Jan 2015 12:08:49 +0000 http://www.brasil247.com/167597
Preso na Lava Jato expõe falência da política http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167544 : Em defesa no processo da operação Lava Jato, executivo Gerson de Mello Almada, vice-presidente da construtora Engevix, relaciona o esquema de corrupção do doleiro Alberto Youssef ao financiamento privado dos partidos: “O pragmatismo nas relações políticas chegou, no entanto, a tal dimensão que o apoio no Congresso Nacional passou a depender da distribuição de recursos a parlamentares. O custo alto das campanhas eleitorais levou, também, à arrecadação desenfreada de dinheiro para as tesourarias dos partidos políticos”; ele diz que sofreu “achaques” do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, "em nome de partido, ou em nome de governo" <br clear="all"> :

247 – Em sua defesa no processo da operação Lava Jato, o executivo Gerson de Mello Almada, vice-presidente da construtora Engevix, relacionou o esquema de desvios e suborno de agentes públicos do esquema de Alberto Youssef ao sistema de financiamento privado dos partidos.

Na petição assinada pelo advogado, Antonio Sergio de Moraes Pitombo, o empresário diz que sofreu “achaques”, do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, e de outros administradores da petroleira, "em nome de partido, ou em nome de governo".

A declaração expõe falência da política e a urgência em se acabar as doações privadas nas campanhas.

Leia trechos em questão da petição, disponível abaixo na íntegra:

“A denúncia não pode ser recebida, pois não conta a verdade, fim precípuo do processo penal. Vale registrar alguns fatos notórios, outros emergentes dos próprios autos do inquérito policial, que desapareceram da acusação: faz mais de doze anos que um partido político passou a ocupar o poder no Brasil. No plano de manutenção desse partido no governo, tornou-se necessário compor com políticos de outros partidos, o que significou distribuir cargos na Administração Pública, em especial, em empresas públicas e em sociedades de economia mista.

O pragmatismo nas relações políticas chegou, no entanto, a tal dimensão que o apoio no Congresso Nacional passou a depender da distribuição de recursos a parlamentares. O custo alto das campanhas eleitorais levou, também, à arrecadação desenfreada de dinheiro para as
tesourarias dos partidos políticos.

Nessa combinação de interesses escusos, surgem personagens como PAULO ROBERTO COSTA, que, sabidamente, passou a exigir percentuais de todos os empresários que atendiam a companhia. Leia-se, exigir. O que ele fazia era ameaçar, um a um, aos empresários, com o poder econômico da PETROBRÁS. Prometia causar prejuízos no curso de contratos.”

Poder Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 06:08:14 +0000 http://www.brasil247.com/167544
Crise hídrica, no Globo, é culpa de Dilma http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167545 : Embora a gestão da água seja competência estadual e municipal, charge de Chico Caruso, no Globo, estampa a presidente Dilma Rousseff, de quatro, num reservatório seco, como o Cantareira, torcendo por uma 'tempestade perfeita’; os três principais estados do Sudeste, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, já enfrentam problemas de escassez de água <br clear="all"> :

247 – Com uma charge que estampa a presidente Dilma Rousseff de quatro, em um reservatório seco, Chico Caruso, do Globo, atribui a crise hídrica ao governo federal, embora a gestão da agua seja competência dos Estados e dos municípios.

Após a seca em São Paulo, que gerou impasses com o abastecimento do Rio de Janeiro, Minas Gerais anunciou problemas de escassez e a urgência de se economizar água.

No Rio de Janeiro, um dos principais reservatórios opera no chamado 'volume morto', assim como o Cantareira em São Paulo. Ao atribuir o problema das secas a Dilma, o jornal O Globo explicita sua posição política.

Mídia Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 06:24:50 +0000 http://www.brasil247.com/167545
João Santana: 'derrotados viraram fanfarrões' http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167543 : Em livro, marqueteiro de Dilma Rousseff disse que “é uma boa hora de desabafar” sobre suas impressões sobre as eleições de 2014; "É mentira que nossa campanha tenha feito uso profissional da baixaria. Mas é verdade que a dele fez uso amador da mediocridade", diz ele sobre o marqueteiro de Aécio Neves (PSDB), Paulo Vasconcelos; sobre a candidata do PSB, disse: “Marina não revidou as nossas críticas ou por ingenuidade, ou fragilidade teórica ou por soberba” <br clear="all"> :

247 – No livro “João Santana: um marqueteiro no poder”, do jornalista Luiz Maklouf Carvalho, o homem que comandou a campanha da reeleição de Dilma Rousseff diz que ‘chegou a hora de desabafar’ sobre os adversários de 2014:

"Estamos vivendo um momento raro na nossa política, que é o dos derrotados fanfarrões. Tenho escutado muita coisa calado, mas acho que é uma hora boa de desabafar."

Ele nega acusações sobre o tom de sua campanha e ataca o PSDB: "É mentira que nossa campanha tenha feito uso profissional da baixaria. Mas é verdade que a dele fez uso amador da mediocridade", diz ele sobre o marqueteiro de Aécio Neves (PSDB), Paulo Vasconcelos.

Sobre a candidata do PSB, disse: “Marina não revidou as nossas críticas ou por ingenuidade, ou fragilidade teórica ou por soberba”.

Mídia Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 05:41:45 +0000 http://www.brasil247.com/167543
Cunha promete barrar impeachment na Câmara http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167546 : "Se depender de mim, arquivo sumário", afirma o deputado Eduardo Cunha (PMDB), favorito para presidir a Câmara dos Deputados, sobre eventual processo contra a presidente Dilma Rousseff; "Tenho uma filosofia: tudo que aconteceu com relação às denúncias que existem hoje aconteceu no mandato passado, encerrou no dia 31 de dezembro. Não vejo como responsabilizar, do ponto de vista político, em nenhuma circunstância, a presidente da República" <br clear="all"> :

247 – Favorito para presidir a Câmara dos Deputados, o deputado Eduardo Cunha (PMDB) se mostra como um dos maiores adversários do PT, mas promete barrar um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. "Se depender de mim, arquivo sumário", diz.

"Tenho uma filosofia: tudo que aconteceu com relação às denúncias que existem hoje aconteceu no mandato passado, encerrou no dia 31 de dezembro. Não vejo como responsabilizar, do ponto de vista político, em nenhuma circunstância, a presidente da República", acrescenta em entrevista ao Valor.

Ele sinaliza, no entanto, fragilidade na relação com o partido do governo: “O PT se isolou da Casa e a Casa quer se isolar do PT. Essa é a razão do sucesso da minha candidatura", afirma.

Quanto a Dilma Rousseff, diz que "falta na presidente, e de uma maneira geral a qualquer chefe de Estado ou qualquer chefe de governo, o exercício do diálogo, que é muito importante, porque o diálogo continuado é que te gera convicção” (leia mais).

Poder Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 06:56:46 +0000 http://www.brasil247.com/167546
Filhos de Suplicy sobre os pais: 'é tudo pelo poder' http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/167541 : Cantores João Suplicy e Supla usam letra da música “Tudo pelo Poder” para comentar movimentações políticas dos pais; após criticar publicamente lideranças do PT, senadora Marta Suplicy pode deixar o partido para se candidatar à Prefeitura de SP; já o pai, Eduardo Suplicy, vai assumir a Secretaria Municipal de Direitos Humanos de Fernando Haddad após 24 anos de Congresso; "A gente sempre se coloca como cidadãos, e não como filhos de senadores" <br clear="all"> :

247 – A dupla de cantores João Suplicy e Supla classificou a movimentação política dos pais senadores como um ‘jogo pelo poder’.

Instantes antes de um show no Theatro Net SP, eles usaram a letra da música ‘Tudo pelo poder’ para comentar os recentes acontecimentos envolvendo Marta Suplicy e Eduardo Suplicy, em entrevista à colunista Mônica Bergamo.

Após criticar publicamente lideranças do PT, senadora Marta Suplicy pode deixar o partido para se candidatar ç Prefeitura de SP. Já o pai, Eduardo Suplicy, vai assumir a Secretaria Municipal de Direitos Humanos de Fernando Haddad após 24 anos de Congresso: "A gente sempre se coloca como cidadãos, e não como filhos de senadores", disse Supla.

A letra da música diz: "É trensalão, caixa dois, tudo pelo poder, é propina geral/ Falta hospital, falta escola, mas não falta imposto e máfia fiscal"; "Tem o PT, PSDB, PMDB e o DEM/ O PTB, o PSB, o PR e sei lá mais quem".

"A música fala para todos os partidos tomarem vergonha e pararem de brigar só pelo poder. Parece que eles se esqueceram que estão lá para fazer o bem para as pessoas", disse Supla.

Cultura Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 05:08:47 +0000 http://www.brasil247.com/167541
Robert Redford: Ataque ao Charlie Hebdo foi alerta http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/167542 Jemal Countess: PARK CITY, UT - JANUARY 19:  Sundance Institute President and Founder Robert Redford speaks at the opening day press conference held at the Egyptian Theatre during the 2012 Sundance Film Festival on January 19, 2012 in Park City, Utah.  (Photo by Jemal Co Segundo o ator e diretor americano Robert Redford, durante a abertura do Festival de Cinema Independente Sundance, atentado ao jornal satírico francês foi um sinal de alerta à liberdade de expressão; ele prometeu que o festival será um lugar seguro para os cineastas independentes <br clear="all"> Jemal Countess: PARK CITY, UT - JANUARY 19:  Sundance Institute President and Founder Robert Redford speaks at the opening day press conference held at the Egyptian Theatre during the 2012 Sundance Film Festival on January 19, 2012 in Park City, Utah.  (Photo by Jemal Co

PARK CITY (AFP) - O ator e diretor americano Robert Redford afirmou nesta quinta-feira, durante a abertura do Festival de Cinema Independente Sundance, que o ataque contra o jornal satírico francês "Charlie Hebdo" foi um sinal de alerta à liberdade de expressão. Redford prometeu que o festival será um lugar seguro para os cineastas independentes.

— A liberdade de expressão é atacada em vários lugares, não apenas em Paris — disse o ator, em entrevista coletiva na estação de esqui de Park City, no estado de Utah, que acolhe o festival.

Mas, destacou ele, o atentado ao jornal foi um acontecimento muito triste e impactante.

— De alguma forma, considero que foi um sinal de alerta. Acreditamos na diversidade, a liberdade de expressão é fundamental para nós. No Sundance há muitos filmes que incomodam outras pessoas, mas está bem, é diversidade — completou.

Entre esta quinta e 1º de fevereiro serão exibidos cerca de 200 filmes no festival, o mais famoso do cinema independente. Robert Redford fundou o Sundance há 31 anos.

Cultura Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 05:29:06 +0000 http://www.brasil247.com/167542
Vice do PT: 'veto a correção do IR foi um erro' http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167540 : Pelo Twitter, Alberto Cantalice criticou a decisão da presidente Dilma Resseff e defendeu a criação de novas alíquotas para taxar os cidadãos de altas rendas; “Defendemos a criação do Imposto sobre Grandes Fortunas. Não podemos continuar ad eternun tendo os impostos indiretos taxando os mais pobres” <br clear="all"> :

247 – Mais uma liderança do PT declarou publicamente seu descontentamento com a política econômica do governo Dilma Rousseff.

Pelo Twitter, o vice-presidente do partido, Alberto Cantalice diz que a presidente 'errou' ao vetar correção do IR em 6,5%.

Cantalice sugeriu a criação de novas alíquotas para taxar os cidadãos de altas rendas; “Defendemos a criação do Imposto sobre Grandes Fortunas. Não podemos continuar ad eternun tendo os impostos indiretos taxando os mais pobres”.

Economia Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 05:27:03 +0000 http://www.brasil247.com/167540
Jaques: 'essa briga não fomos nós que começamos' http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/167539 : Ministro da Defesa, Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, negou envolvimento do governo contra o deputado Eduardo Cunha (PMDB) na disputa pela Presidência da Câmara; ele afirma que foi o PMDB que recusou cumprir o acordo de alternância de poder que ele próprio sugeriu: ‘Agora, só para ser justo: essa briga não fomos nós que começamos. Nós colocamos uma possibilidade de acordo, como já foi feito. Na medida da não aceitação, nós temos uma disputa que, por enquanto, está em curso. Não há interferência do governo’ <br clear="all"> :

247 - O ministro da Defesa, Jaques Wagner, saiu em defesa do governo, acusado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB) de se envolver na disputa pela Presidência da Câmara.

Segundo o ex-governador da Bahia, foi o PMDB que recusou cumprir o acordo de alternância de poder que ele próprio sugeriu: ‘Agora, só para ser justo: essa briga não fomos nós que começamos. Nós colocamos uma possibilidade de acordo, como já foi feito. Na medida da não aceitação, nós temos uma disputa que, por enquanto, está em curso. Não há interferência do governo’, disse em entrevista ao blog do Camarotti.

Quanto aos ajustes anunciados pelo governo, ele reforça sua confiança na presidente Dilma: ‘Eu estou no time, acredito em quem está conduzido o time, que é a presidente Dilma Rousseff. As pessoas preferem as notícias de folga orçamentária do que de restrição orçamentária, mas eu posso garantir: estamos dentro do governo discutindo isso, de que não há mudança de rumo. Há um episódio conjuntural de uma necessidade de um ajuste fiscal’.

Ele também evitou julgar o comportamento da senadora Marta Suplicy: “Não é meu estilo. Eu prefiro fazer as críticas e debater os temas dentro da casa. É um direito dela, ela é uma senadora, foi prefeita da maior cidade da América Latina, mas eu buscaria outro caminho” (leia mais).

Bahia 247 Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 05:14:18 +0000 http://www.brasil247.com/167539
Dilma prepara operação de socorro a SP http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167547 : Segundo a colunista Sônia Racy, para montar um plano de ajuda ao Estado, presidente Dilma Rousseff escalou a ministra Isabella Teixeira, do Meio Ambiente, e Vicente Andreu, da Agência Nacional de Águas, para dialogar com o governo de Geraldo Alckmin  <br clear="all"> :

247 – A presidente Dilma Rousseff prepara um plano de socorro a São Paulo, que vive a pior crise hídrica de sua história.

Segundo a colunista Sônia Racy, para montar um plano de ajuda ao Estado, o governo federal acaba de escalar a ministra Isabella Teixeira, do Meio Ambiente, e Vicente Andreu, da Agência Nacional de Águas, para dialogar com o governo Alckmin.

Ela sugere que, derrotado em São Paulo nas últimas eleições, o PT não quer perder a oportunidade de se tornar o “salvador das águas”.

SP 247 Roberta Namour Fri, 23 Jan 2015 07:11:10 +0000 http://www.brasil247.com/167547
Maior reservatório do Rio esgota volume útil http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/167516 : Volume útil do reservatório Paraibuna, uma das quatro represas do rio Paraíba do Sul que abastece com água a região metropolitana do Rio de Janeiro, chegou a zero, enquanto os outros reservatórios do rio também estão em níveis próximos do esgotamento, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) <br clear="all"> :

SÃO PAULO (Reuters) - O reservatório Paraibuna, uma das quatro represas do rio Paraíba do Sul que abastece com água a região metropolitana do Rio de Janeiro, esgotou seu volume útil, enquanto os outros reservatórios do rio também estão em níveis próximos do esgotamento, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

O volume útil do reservatório Paraibuna, da Cesp, chegou a zero, segundo o Informativo Preliminar Diário de Operação (IPDO) do ONS referente à quarta-feira, e a hidrelétrica de mesmo nome foi desligada.

Já as outras três represas de hidrelétricas do Paraíba do Sul mostram níveis críticos: Santa Branca, da Light, está em 0,65 por cento; Funil, de Furnas, mostra patamar de 4,15 por cento; e Jaguari, da Cesp, está com 2 por cento, segundo o ONS.

A Agência Nacional de Águas (ANA) informou separadamente em seu boletim diário de operação, que a média do volume dos quatro reservatórios do Rio Paraíba do Sul é de 1,22 por cento, segundo dados de terça-feira.

Uma reunião está sendo realizada pela Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) do Rio de Janeiro para tratar sobre o tema e o órgão informou que só deverá se pronunciar após a reunião. Procurada, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) afirmou que o assunto deve ser tratado pela SEA.

(Por Anna Flávia Rochas)

Rio 247 Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 19:59:59 +0000 http://www.brasil247.com/167516
Moro decreta nova prisão de Nestor Cerveró http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/167515 : O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, decretou nesta quinta (22) nova prisão preventiva do ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró; segundo o juiz, Cerveró deve ser mantido preso na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para evitar que ele continue em "atividade delitiva específica” para ocultar seu patrimônio; Cerveró teve prisão preventiva decretada pela primeira vez pelo juiz de plantão na Justiça Federal de Curitiba e agora Moro confirmou a decisão <br clear="all"> :

Agência Brasil - O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, decretou hoje (22) nova prisão preventiva do ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. Segundo o juiz, Cerveró deve continuar preso na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para evitar que ele continue em "atividade delitiva específica” para ocultar seu patrimônio. Cerveró teve prisão preventiva decretada pela primeira vez pelo juiz de plantão na Justiça Federal de Curitiba e agora Moro confirmou a decisão.

Na decisão,  o juiz afirma que o ex-diretor continua praticando crimes de lavagem de dinheiro mesmo após a deflagração da Lava Jato, no ano passado. De acordo com Moro, a transferência de apartamentos para os filhos mostra que Cerveró tenta ocultar a origem dos bens. O juiz cita um apartamento no Rio de Janeiro que está em nome de uma empresa offshore (fora do país e sem identificação de proprietário), que pertenceria ao ex-diretor.

“Outro fato relevante, em apuração, diz respeito à ocupação por Nestor Cerveró,   a título de aluguel, entre 2010 a 2014, de imóvel avaliado em 7,5 milhões de reais, no Rio de Janeiro, e pertencente à empresa Jolmey do Brasil Administradora de Bens, empresa subsidiária da offshore Jolmey Sociedad Anônima, offshore uruguaia. O imóvel em questão foi adquirido pela Jolmey em 03/04/2009, após o período dos crimes imputados a Nestor Cerveró. Há indícios veementes de que a locação seria simulada, pois a empresa em questão e a própria offshore pertenceriam de fato a Cerveró”, diz o juiz.

Para justificar a manutenção da prisão, Moro também afirmou que parte do patrimônio mantido em segredo, as tentativas de se desfazer dos bens e dupla nacionalidade (brasileira e espanhola) impedem que a prisão de Cerveró seja substituída por outras medidas.

“Nesse contexto, a dissipação do patrimônio pode ser valorada não só como tentativa de preservar seu patrimônio em detrimento ao sequestro, mas também como passo preparatório de uma futura fuga, deixando a Justiça criminal no pior dos mundos, sem o corpo e sem os bens do acusado. Aqui não se trata de presunção de fuga, mas prognóstico de risco baseado em fatos concretos, a dissipação e ocultação do patrimônio aliada à dupla nacionalidade e a ocultação desta condição”, justificou.

Cerveró está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, desde quarta-feira (14), por tentar ocultar seu patrimônio. A prisão ocorreu no  Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, quando retornava de uma viagem à Espanha e à Inglaterra, previamente comunicada ao Ministério Público do Rio de Janeiro.

De acordo com relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), no dia 16 de dezembro, Cerveró sacou R$ 500 mil de um fundo de previdência privada e transferiu o valor para sua filha, mesmo tendo sido alertado pela gerente do banco de que perderia 20% do valor. Em junho do ano passado, Cerveró havia transferido imóveis para seus filhos, com valores abaixo dos de mercado. Na intepretação do MPF, o ex-diretor tentou blindar seu patrimônio. Por isso, a prisão foi requerida e decretada pelo juiz Sérgio Moro.

Paraná 247 Valter Lima Thu, 22 Jan 2015 20:06:51 +0000 http://www.brasil247.com/167515
Presidente renuncia e Iêmen mergulha em caos profundo http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167517 Mohamed al-Sayaghi/Reuters: Abd-Rabbu Mansour Hadi, um aliado dos Estados Unidos, renunciou logo depois que o primeiro-ministro, Khaled Baha, apresentou a renúncia do seu governo, dizendo que não queria ser arrastado para "um labirinto político que não era construtivo"; trata-se de uma aparente referência a um impasse entre Hadi e o poderoso movimento xiita Houthi, que vem mantendo o presidente um prisioneiro virtual na sua própria residência oficial <br clear="all"> Mohamed al-Sayaghi/Reuters:

Por Yara Bayoumy e Mohammed Ghobari

SANAA (Reuters) - O presidente do Iêmen, Abd-Rabbu Mansour Hadi, renunciou nesta quinta-feira, disse um porta-voz do governo, jogando o país numa crise ainda mais profunda dias depois que rebeldes do grupo Houthi investiram contra o palácio presidencial.

Hadi, um aliado dos Estados Unidos, renunciou logo depois que o primeiro-ministro, Khaled Baha, apresentou a renúncia do seu governo, dizendo que não queria ser arrastado para "um labirinto político que não era construtivo".

Trata-se de uma aparente referência a um impasse entre Hadi e o poderoso movimento xiita Houthi, que vem mantendo o presidente um prisioneiro virtual na sua própria residência oficial.

"Pedimos desculpas a você pessoalmente, à honrada Câmara e ao povo do Iêmen depois que chegamos a um beco sem saída", disse um porta-voz governamental, citando a carta de renúncia de Hadi.

A carta foi dirigida ao presidente do Parlamento, que se torna chefe de Estado interino, de acordo com a Constituição.

Sultan al-Atwani, um dos conselheiros de Hadi, disse à Reuters que ele renunciou após pressão e ameaças dos houthis. Ele afirmou que o Parlamento se reunirá no sábado para decidir se aceita ou rejeita.

A decisão de Hadi marca uma reviravolta abrupta em relação aos acontecimentos de quarta-feira, quando ele disse que estava pronto para aceitar as exigências dos rebeldes para uma participação maior em reformas constitucionais e políticas.

O anúncio pareceu aliviar o agravamento de diferenças entre ele e os houthis, cuja ascensão ao poder colocou o Iêmen dentro de uma disputa sectária mais ampla entre aliados sauditas e iranianos em partes do Oriente Médio.

A derrota dos guardas presidenciais pelos houthis já havia contribuído para aumentar a desordem num país onde os Estados Unidos também estão realizando ataques aéreos contra um dos ramos mais poderosos da Al Qaeda.

Suspeitando da cumplicidade iraniana, as autoridades muçulmanas sunitas na Arábia Saudita cortaram a maior parte da sua ajuda financeira ao Iêmen após a tomada da capital pelos houthis.

Nesta quinta-feira, a capital iemenita, Sanaa, permanecia amplamente paralisada, disseram testemunhas. Porém, o aeroporto e o porto, em Aden, retomaram as atividades depois de terem ficado fechados por um dia em protesto à ofensiva dos houthis contra o governo de Hadi.

A filial local da Al Qaeda tem reagido à ascensão dos houthis atacando suas forças, bem como alvos estatais, militares e de inteligência.

Assim como os zaidis, uma seita xiita, os houthis se opõem aos radicais islâmicos sunitas da Al Qaeda. No entanto, os ataques dos houthis contra os militantes podem estimular os sentimentos sectários no Iêmen, que é predominantemente sunita.

Mundo Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 20:02:26 +0000 http://www.brasil247.com/167517
Líder do PT cobra avanços na Operação Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/167512 : O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), cobrou o avanço nas investigações da Operação Lava Jato da Polícia Federal de maneira a separar o "joio do trigo"; a declaração do petista foi feita nesta quinta-feira (22), um dia após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki afirmar que pode existir um grande número de políticos, incluindo parlamentares federais, envolvidos no esquema de desvios de recursos públicos e corrupção investigado pelos agentes federais <br clear="all"> :

Pernambuco 247 - O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), cobrou o avanço nas investigações da Operação Lava Jato da Polícia Federal de maneira a separar o "joio do trigo". A declaração do petista foi feita nesta quinta-feira (22), um dia após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki afirmar que pode existir um grande número de políticos, incluindo parlamentares federais, envolvidos em um esquema de desvios de recursos públicos e corrupção.

Para o senador, "é importante que o Ministério Público faça isso logo. Eu achei excelente essa ideia do Janot (promotor federal Rodrig Janot, responsável pelo caso), de criar uma força tarefa, juntar seis ou sete procuradores e correr com isso. Caso contrário, nós vamos passar aí seis meses, oito meses, e, por exemplo, pode estar o presidente da Câmara ou do Senado envolvido e ninguém sabe", disse Humberto em entrevista à Rádio Folha FM

Segundo o petista, a situação ideal era que todos os parlamentares fossem investigados para evitar qualquer dúvida se estariam envolvidos ou não nas denuncias investigadas pela Operação Lava Jato. "Até para aqueles que não têm nada receberem um atestado de idoneidade. Ou, se entender que não deve investigar todos, arquivar aqueles contra os quais não há a menor prova, qualquer indício do que quer que seja e levar para julgamento no Supremo (STF)", afirmou.

Humberto também declarou não ver a necessidade da criação de uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar casos de desvios de recursos e de corrupção na Petrobras, como deseja a oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff. "Essa questão da Petrobras não é nem mais investigação, já está judicializada, já vão sair sentenças. Então nós vamos abrir uma nova CPI para quê? Eu pergunto: qual foi a descoberta que essa CPI, que acabou agora no final do ano, fez diferente do MPF? Agora, assunto político teve. Então, na verdade, há um espaço de disputa política", disparou.

Pernambuco 247 Paulo Emílio Thu, 22 Jan 2015 19:23:31 +0000 http://www.brasil247.com/167512
Falta de energia deixa 1,2 milhão sem água em SP http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167508 : De acordo com a Empresa de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a queda de energia foi às 4h da manhã e afetou a operação de duas estações elevatórias: a Jardim São Luiz, que está com a energia restabelecida, e a João XXIII, que recebe eletricidade de forma irregular; as estações são necessárias para o abastecimento de água <br clear="all"> :

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

A falta de energia elétrica provoca desabastecimento de água em diversas cidades do estado de São Paulo e bairros da capital paulista. De acordo com a Empresa de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a queda de energia foi às 4h da manhã de hoje (22) e afetou a operação de duas estações elevatórias: a Jardim São Luiz, que está com a energia reestabelecida, e a João XXIII, que recebe eletricidade de forma irregular. As estações são necessárias para o abastecimento de água.

A paralisação da elevatória João XXIII deixa sem água os municípios de Taboão da Serra, Embu, Itapecerica da Serra, e parte de Cotia - cidades da Grande São Paulo - e ainda a região do Jardim Arpoador, na capital. A estação atende 600 mil pessoas, e o fornecimento será retomado a partir do momento em que a energia voltar.

Na capital, na região dos bairros Jardim São Luiz, Jardim Ângela, Parque Fernanda e Capão Redondo, na zona Sul, o abastecimento foi prejudicado devido à falta de energia na Estação Elevatória de Água Jardim São Luiz, que atende a 620 mil pessoas. O fornecimento de energia, interrompido por volta das 4h, foi restabelecido às 10h. A previsão é que o abastecimento de água bairros seja normalizado até amanhã cedo.

SP 247 Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 18:58:14 +0000 http://www.brasil247.com/167508
Ao lado de Dilma, Evo assume terceiro mandato http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167510 Foto: Roberto Stuckert Filho/PR: Presidente da Bolívia torna-se o governante que ficou mais tempo no comando da país; novo mandato vale para o período de 2015 a 2020; a presidente Dilma Rousseff fez uma retribuição a Evo, que veio ao Brasil para a posse dela em 1º de janeiro; na cerimônia, ele prometeu levar adiante o "socialismo originário" que fez dele o mandatário mais popular da região <br clear="all"> Foto: Roberto Stuckert Filho/PR:

LA PAZ (Reuters) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, assumiu nesta quinta-feira seu terceiro mandato consecutivo prometendo levar adiante o "socialismo originário" que fez dele o mandatário mais popular da região, mesmo em meio à queda acentuada nos preços das matérias-primas que o país exporta, o que poderia complicar seus planos.

Durante quase uma década no poder, Morales conseguiu manter um crescimento sustentado da economia, reduzir a pobreza e preservar a responsabilidade fiscal com programas sociais e nacionalizando indústrias fundamentais como as de petróleo e gás.

Com um forte apoio popular, o primeiro presidente indígena boliviano, de 55 anos, venceu com folga as eleições de outubro, com mais de 60 por cento dos votos.

"Ama Sua (não seja ladrão), Ama Llulla (não seja mentiroso) e Ama Quella (não seja fraco), essa é a norma que os nossos antepassados nos deixaram, e com base nessa norma vamos continuar servindo o povo boliviano nestes cinco anos", discursou o líder, usando palavras do dialeto aymara.

Morales prestou juramento na Assembleia Legislativa para assumir as rédeas do país até 2020 diante de vários chefes de Estado, entre eles a presidente Dilma Rousseff, o mandatário venezuelano, Nicolás Maduro, e o equatoriano, Rafael Correa.

"Até 2020 nos comprometemos e estamos convencidos de que vamos reduzir a pobreza extrema a um dígito apenas, a 8 ou 9 por cento" em relação à cifra de 16 por cento, disse Morales, recordando que entre seus êxitos também esteve triplicar o Produto Interno Bruto (PIB) e obter reservas internacionais recordes.

A economia da nação andina depende em grande parte das exportações de gás natural, e desde que assumiu, em 2006, Morales conseguiu que o país crescesse a um índice médio de mais de 5 por cento ao ano.

Mas alguns críticos do governo garantem que os intensos gastos sociais não poderão ser mantidos se não forem descobertas novas jazidas de gás, num momento no qual os preços caíram devido à menor demanda mundial.

Depois de sua vitória nas urnas, Morales tentou afastar os temores dos investidores sobre uma possível nova rodada de privatizações, sobretudo nos setores de mineração e bancário, e garantiu que manterá a disciplina fiscal.

O presidente afirmou nesta quinta-feira que entre os desafios que o país tem pela frente também está uma reforma do judiciário e o avanço na mudança do perfil produtivo da nação.

(Reportagem de Daniel Ramos)

 

Mundo Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 19:06:21 +0000 http://www.brasil247.com/167510
Neri: ‘Brasil combinou crescimento com redução da desigualdade’ http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167509 WORLD ECONOMIC FORUM/swiss-image.ch/Photo Monika Flueckiger: "Houve um redução no crescimento e uma estabilidade na queda da desigualdade. No entanto, é preciso recuperar o caminho do meio, que foi a marca do Brasil na última década, combinando crescimento com redução da desigualdade, que ainda é muito alta", discursou o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Marcelo Neri, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos <br clear="all"> WORLD ECONOMIC FORUM/swiss-image.ch/Photo Monika Flueckiger:

Da Secretaria de Assuntos Estratégicos - Para o Brasil contrariar a previsão de baixo crescimento que existe para América Latina e Caribe, com queda nas exportações e no consumo, é necessário combinar crescimento com redução da desigualdade, marca do País na última década.

Esta foi a avaliação feita pelo ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Marcelo Neri, nesta quarta-feira (21), durante o painel "O Contexto Latino-Americano: quais são as principais questões políticas, econômicas e sociais que estão transformando a região?", no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

Neri ressaltou que essa nova década, inicialmente, está sendo diferente da última.

"Houve um redução no crescimento e uma estabilidade na queda da desigualdade. No entanto, é preciso recuperar o caminho do meio, que foi a marca do Brasil na última década, combinando crescimento com redução da desigualdade, que ainda é muito alta. Voltamos aos níveis de desigualdade dos anos 80 na América Latina e 60 no caso brasileiro", enfatizou.

O ministro também apontou para um paradoxo que acontece no caso brasileiro. "No Brasil, se pegarmos 2012, 2013, temos um crescimento baixo do PIB per capita, de 0,8 ao ano; em contraponto, a renda média das pessoas medidas pelas pesquisas domiciliares cresce 5,5 ao ano no mesmo período, e o crescimento se dá para pessoas em todos os níveis de renda. Ou seja, na vida a expansão continuou. Nós estamos em uma década onde todos ganham, em termo de renda domiciliar, mas não em termos de crescimento do PIB, o que tem implicações em termos de bem estar e políticos, se quisermos entender o momento atual. Precisamos projetar o caminho do meio para o longo prazo obtendo e compartilhando avanços de produtividade", explicou.

Em relação ao ajuste fiscal, o ministro disse acreditar que é uma oportunidade para se avaliar o grande número de programas brasileiros, falando da iniciativa da SAE de lançar protocolo no tema. "No Brasil, o gasto público e a carga tributária são grandes, e é preciso cortar gastos da forma mais eficiente e equitativa possível. O momento é oportuno para avaliar quais são os programas que funcionam e os que não funcionam."

Neri terminou ressaltando que talvez um dos principais desafios da economia brasileira atualmente seja a incerteza e que no momento em que o Brasil se encontra, existe a possibilidade de combatê-la, por meio de um choque de confiança que já está sendo feito, e retomar o crescimento.

Sobre as novas questões e aspirações na região para os próximos anos, Neri disse que a chave é a educação.

"A educação é boa para o crescimento, para combater a desigualdade, para tudo. E relacionado à educação, aponto dois pontos. Primeiro, imigração. Somos muito fechados em termos de imigração. Temos que nos abrir para o comércio, para o capital mas também para pessoas, em particular as mais qualificadas", ressaltou.

O segundo ponto que ele relacionou foi sobre os jovens. "Apesar de estarem melhorando, a melhora não está acontecendo durante os anos de juventude. Temos o maior números de jovens que já tivemos e jamais teremos, e realmente precisamos focar na juventude, pois o futuro virá deles. Então precisamos nos engajar, usar a tecnologia para ouvi-los. Dispomos de novos instrumentos, precisamos usá-los em consonância com as necessidades expressas pelos jovens", afirmou.

Economia Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 19:10:00 +0000 http://www.brasil247.com/167509
SD questiona candidatura de Delgado e apoia Cunha http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/167507 : Na reta final da disputa pela presidência da Câmara, o peemedebista Eduardo Cunha ganhou apoio de mais um partido nesta quinta-feira: o Solidariedade (SD); segundo o deputado baiano Arthur Maia (SD-BA), o partido vê na entrada de Júlio Delgado, lançada pelo PSB, a "função de ser nada mais que uma linha auxiliar da candidatura do PT"; "Tivemos um mês e meio atrás a formação de um bloco entre o PPS, o PSB, o PV e o nosso partido. Acontece que, para a eleição da mesa, o PSB resolveu apresentar a candidatura de Júlio Delgado, demonstrando que por trás, existe acordo de levar a um segundo turno e apoiar a de [Arlindo] Chinaglia (PT). Eles estão trabalhando e claramente verbalizando isso" <br clear="all"> :

Bahia 247 - Na reta final da disputa pela presidência da Câmara dos Deputados, o peemedebista Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ganhou apoio de mais um partido nesta quinta-feira (22). O Solidariedade (SD) divulgou comunicado em que articula apoio a Cunha. Segundo o deputado federal baiano Arthur Maia (SD-BA), o partido vê na entrada de Júlio Delgado, lançada pelo PSB, a "função de ser nada mais que uma linha auxiliar da candidatura do PT".

"Tivemos um mês e meio atrás a formação de um bloco entre o PPS, o PSB, o PV e o nosso partido. Acontece que, para a eleição da mesa, o PSB resolveu apresentar a candidatura de Júlio Delgado, demonstrando que por trás, existe acordo de levar a um segundo turno e apoiar a de [Arlindo] Chinaglia (PT). Eles estão trabalhando e claramente verbalizando isso", disse Maia em entrevista ao site Bahia Notícias.

"O Solidariedade apela aos partidos de oposição, inclusive ao senador Aécio Neves (PSDB), para que rediscuta esta questão, com o objetivo de não se cometer o erro histórico de perder a oportunidade de trazer o PT, na sua representatividade na Mesa e nas Comissões da Câmara dos Deputados, para o tamanho que a sua bancada saiu das urnas: 13%", diz o SD em nota.

Bahia 247 Romulo Faro Thu, 22 Jan 2015 18:42:32 +0000 http://www.brasil247.com/167507
Randolfe sai em defesa da regulação da mídia http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167504 : Em artigo publicado no Diário do Centro do Mundo, o senador pelo PSOL observa que a simples ideia de debater o assunto "foi atacada de modo desvairado por lideranças políticas que defendem a manutenção do status quo da mídia, posicionamento coerente com a mobilização conservadora que marcou forte presença no debate eleitoral recente" <br clear="all"> :

247 - O senador Randolfe Rodrigues (PSOL) saiu em defesa da proposta do ministro das comunicações, Ricardo Berzoini, sobre a necessidade da regulamentação econômica da mídia. Em um artigo publicado pelo Diário do Centro do Mundo (DCM), o parlamentar observa que a simples ideia de debater o assunto "foi atacada de modo desvairado por lideranças políticas que defendem a manutenção do status quo da mídia, posicionamento coerente com a mobilização conservadora que marcou forte presença no debate eleitoral recente".

Para Rodrigues, os grupos familiares e econômicos que controlam a mídia no Brasil evitam "enfrentar com franqueza o debate, assumindo publicamente que defendem que as empresas de comunicação permaneçam nas mãos de meia dúzia de famílias". "Os adversários da regulamentação buscam desqualificar um debate necessário, apresentando toda tentativa de quebrar o monopólio — proibido pela Constituição — como um caricato exercício autoritário", completa.

Para ele, toda e qualquer tentativa de discutir o assunto no Brasil é taxada como um ato de "censura". Rodrigues destaca que a regulamentação da mídia já é praticada por muitas nações e cita os Estados Unidos, Suécia, Inglaterra, França e Uruguai como exemplos. O parlamentar lembra que a Constituição "condena o monopólio e o oligopólio em qualquer setor da economia, seja a energia elétrica, a telefonia, as redes bancárias e as fábricas de chocolate, deve condenar também esse privilégio aos grupos midiáticos que fazem de sua liberdade instrumento de impunidade".

Rodrigues também defende que a legislação também coíba a propriedade cruzada, a publicidade infantil e o "impedimento da propriedade e controle, por parlamentares federais, de empresas de mídia – em estrito cumprimento ao já previsto no Artigo 54 da Constituição Federal"
Pelo Visto, o debate está apenas no começo.

Confira aqui o artigo publicado pelo senador Randolfe Rodrigues (PSOL) sobre a necessidade de regulamentação da mídia. 

Mídia Paulo Emílio Thu, 22 Jan 2015 18:54:23 +0000 http://www.brasil247.com/167504
Gestão tucana escondeu crise no abastecimento de água em Minas http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167499 : Mesmo sabendo que o Sistema Paraopeba, que abastece a Região Metropolitana de Belo Horizonte, estava em queda contínua desde o início de 2014 e operava abaixo de 50%, a gestão tucana em Minas Gerais não adotou qualquer medida de contingenciamento ou emergência para evitar que a situação se tornasse crítica; em reportagem publicada no início de agosto, em plena campanha eleitoral, pelo jornal Estado de Minas, o então presidente da companhia, Ricardo Simões, tranquilizava a população e dizia que os níveis dos reservatórios estavam dentro da normalidade <br clear="all"> :

Minas 247 - Segundo fontes da Copasa, mesmo sabendo que o Sistema Paraopeba, que abastece de água a Região Metropolitana de Belo Horizonte, estava em queda contínua desde o início do ano e operava abaixo de 50%, a gestão tucana em Minas Gerais não adotou qualquer medida de contingenciamento ou emergência para evitar que a situação se tornasse crítica.

Em reportagem publicada no início de agosto, em plena campanha eleitoral, pelo jornal Estado de Minas, o então presidente da companhia, Ricardo Simões, tranquilizava a população e dizia que os níveis dos reservatórios estavam dentro da normalidade.

Segundo o jornal, ele afirmou na ocasião que não haveria problema de racionamento na região "mesmo com estiagem severa" a partir de outubro. Em 21 de outubro, Simões voltou a negar a possibilidade, em entrevista coletiva. "Não temos risco de desabastecimento. Estamos com abastecimento da região metropolitana sob controle total, o abastecimento se dando de forma normal", defendeu.

Ainda no ano passado, técnicos da empresa já davam como real o risco de "colapso do sistema" a partir de julho deste ano se nenhuma medida fosse tomada e o regime de chuvas permanecesse o mesmo. A situação já seria crítica pelo menos desde agosto de 2014.

Quando Simões deu a primeira declaração, em agosto, o nível do Sistema Paraopeba estava em 50,51%. Na segunda declaração, já havia baixado para 39,7%. Em dezembro, o nível já havia caído para menos de 33,46%.

Embora negasse a dimensão da crise e o risco de desabastecimento, a gestão anterior, segundo técnicos da empresa, já operava com as chamadas "manobras de rede", o famoso rodízio, em que se alternam os dias de fornecimento de água para as cidades e bairros a fim de garantir o abastecimento.

As "manobras de rede", no entanto, não seriam publicamente admitidas. A dúvida já havia sido levantada em reportagem do jornal O Tempo, publicada em outubro, em que leitores reclamavam da falta de água: "Para minha surpresa, [ao ligar para a Copasa] a atendente disse que os reservatórios estavam vazios e, por isso, a empresa optou por fazer um rodízio na distribuição entre várias regiões".

Ao comentar o assunto, em entrevista coletiva concedida em outubro, o antigo presidente da empresa atribuiu a questão a "situações pontuais" na rede. "Nós temos ai quilômetros de rede, que trabalham pressurizadas 24 horas por dia, portanto, estão sujeitos a rompimento", disse.

Minas 247 Romulo Faro Thu, 22 Jan 2015 17:07:28 +0000 http://www.brasil247.com/167499
‘Petrobras tem futuro interessante na Bolsa’ http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167485 Pércio Campos/ Petrobras: Operação de Deck Mating da plataforma P-61 no estaleiro BrasFels. Saída do topside. Análise é da corretora Coinvalores, que leva em consideração que as cotações do barril de petróleo irão manter a exploração comercial do pré-sal viável; que nem a estatal e tampouco o Brasil deixarão de ser grau de investimento; e a diretoria de governança, risco e conformidade da estatal irá desempenhar um papel importante; segundo a corretora, tanto a Petrobras como o setor de petróleo terão um futuro interessante <br clear="all"> Pércio Campos/ Petrobras: Operação de Deck Mating da plataforma P-61 no estaleiro BrasFels. Saída do topside.

Por Arthur Ordones

SÃO PAULO – Apesar de toda a volatilidade e da forte queda recente, por conta dos escândalos de corrupção que envolvem a Petrobras (PETR4), de acordo com a Coinvalores, se assumirmos que as cotações do barril de petróleo irão manter a exploração comercial do pré-sal viável; que nem a estatal e tampouco o Brasil deixarão de ser grau de investimento; e a diretoria de governança, risco e conformidade irá desempenhar um papel importante; tanto a Petrobras, como o setor de petróleo terão um futuro interessante.

O setor de petróleo vive mais um momento histórico e, dessa vez, a queda de preços é notícia. Mesmo com a situação não sendo das melhores no oriente médio e norte da África, em 2014 ficou bem claro que estamos diante de um movimento de queda estrutural dos preços de petróleo. Não por conta de uma tendência de paz mundial, mas por condições estruturais de oferta e demanda. Não custa lembrar, que, após o segundo choque do petróleo de 1979, o preço médio do barril "explodiu" chegando a US$ 40, e atualmente as cotações entre de US$ 70 e US$ 80 tem preocupado.

É notório que a comparação acima, foi meramente ilustrativa, sobretudo porque se tratam de momentos históricos distintos. Também é verdade que ao longo do tempo a tecnologia avançou, novos produtores surgiram e novas reservas foram descobertas, o Brasil que o diga. A questão é que daqui pra frente, o fator "geopolítico" na precificação do ouro negro deve ser cada vez menor. Nesse sentido, destaca-se a produção dos EUA, que associada a outros fatores modificaram dramaticamente o cenário de precificação do petróleo.

O turn point da produção norte americana originou-se há pouco mais de uma década atrás, quando algumas empresas desenvolveram sistemas de exploração combinando perfuração horizontal com a tecnologia do faturamento hidráulico. Entre 2008 e 2012 a produção de shale gas cresceu mais de 10 vezes, enquanto que no caso do petróleo a produção de fontes não convencionais aumentou quase quatro vezes entre 2008 e 2013, segundo relatório da Associação Nacional do Petróleo (ANP).

Assim, daqui por diante, a corretora espera continuidade de crescimento da produção dos EUA, alguma resistência por parte dos países pertencentes à OPEP, que de forma alguma querem perder mercado para os norte-americanos, ao menos no curto prazo, refletindo-se em continuidade de pressão nas cotações.

A questão em voga é interpretar as consequências da decisão tomada pela OPEP de não diminuir a oferta de petróleo. Países como Venezuela, Irã, Rússia e Líbia, por exemplo, são economias em que as receitas do petróleo são parte importante do orçamento público. Caso o patamar de preços continue muito baixo, pode haver maior pressão por parte desses países para que os outros países produtores decidam pela redução da oferta. Resta saber se até o meio de 2015 (quando haverá o próximo encontro da OPEP) os EUA continuarão aumentando sua produção. Se continuarem na mesma toada, serão os novos "agentes estabilizadores", caso contrário, poderemos observar alguma recuperação de preços, tanto por conta de menor avanço produtivo nos EUA como por "pressões de orçamento público" de países da OPEP.

Assim, no curto/médio prazo, a pressão sob as cotações permanece e no longo prazo o dilema share no mercado de petróleo versus saúde econômica dos países da OPEP, pode determinar um cenário de sustentação de preços num patamar um pouco maior. Estimativas da U.S. Energy Information Administration (EIA) indicam que os preços ficarão em torno de US$ 70/barril ao longo de 2015. Nesse contexto, a Petrobras se beneficia no curto prazo, incorrendo em menores custos de importação de derivados (segmento de abastecimento tem sido o "tendão de Aquiles" da companhia há um bom tempo), mas pode ver-se numa situação complicada (de redução de investimentos e até inviabilidade da exploração do présal) no longo prazo caso as cotações atinjam patamares muito mais baixos. Não é o caso. O "número mágico" da Petrobras gira em torno de US$ 50/ barril. Cotações acima desse valor mantém a viabilidade da exploração do pré-sal.

A Coinvalores lembrou ainda que o plano de investimentos da companhia para os próximos 5 anos é de US$ 220,6 bilhões sendo que cerca de 70% desse montante destina-se somente à exploração e produção. Além desse "detalhe", alguns outros problemas se colocam, a saber: Divulgação do balanço auditado; Risco de perda do grau de investimento; Atualização / Diminuição do plano de investimentos ao longo dos próximos anos. Até o desfecho dessas situações a companhia deverá sofrer em bolsa, sobretudo pela desconfiança desencadeada pelos escândalos de corrupção. Enquanto isso, o setor continua sendo destino da maior parte dos investimentos previstos para 2015. Segundo expectativas do BNDES no horizonte 2015-2018 deve haver investimentos da ordem de R$ 509 bilhões, um crescimento de 42,1% frente ao realizado entre 2010 e 2013.

Economia Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 15:40:45 +0000 http://www.brasil247.com/167485
Bolsa fecha em alta em terceiro dia consecutivo http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167478 : O Ibovespa fechou em alta nesta quinta-­feira depois que o BCE (Banco Central Europeu) anunciou um programa de estímulos à economia da zona do euro; além disso, também repercutiu no mercado hoje, a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária), que fez o esperado e elevou a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, para 12,25%; o índice subiu 0,44%, a 49.442 pontos, a terceira alta seguida; o volume financeiro negociado ficou em R$ 8,071 bilhões <br clear="all"> :

­

O Ibovespa fechou em alta nesta quinta-­feira (22) depois que o BCE (Banco Central Europeu) anunciou um programa de estímulos à economia da zona do euro. Além disso, também repercutiu no mercado hoje, a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária), que fez o esperado e elevou a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, para 12,25%. O índice subiu 0,44%, a 49.442 pontos, a terceira alta seguida. O volume financeiro negociado ficou em R$ 8,071 bilhões.

Apesar de fechar em alta, o índice amenizou bastante os ganhos ­ com alta de 2,15% na máxima do dia ­após dados de estoque do petróleo nos EUA ficarem acima do esperado, em 10,1 milhões de barris, ante expectativa de 2,6 milhões. Com isso, o preço do barril do petróleo brent registra queda de 1,63%, a US$ 46,29.

O analista técnico da Guide Investimentos, Lauro Vilares, ressalta ainda que o Ibovespa testa o topo de 50 mil pontos, perdido pelo mercado em dezembro. Além disso, por melhor que seja a notícia dos estímulos na Europa, Vilares lembra que já era um fato esperado, tendo sido justamente o motor da alta no índice na última sessão. "Pode ser mais um caso da velha máxima de sobe no ato e cai no fato".

Enquanto isso, o dólar caiu em meio a mais um leilão de 10 mil contratos de Swap pela manhã combinada com as recentes notícias de estímulo na Europa e aumento dos juros aqui. A moeda norteamericana caiu 1,23%, ficando cotada a R$ 2,5730 na compra e a R$ 2,5745 na venda, o menor patamar desde 28 de novembro de 2014. Já os contratos de juros DI para janeiro de 2016 subiam 9 pontos­base, para 12,68%.

BCE e Levy

O presidente do BCE, Mário Draghi, anunciou às 11h40 um programa de estímulos de 60 bilhões de euros por mês que irá, pelo menos, até setembro de 2016. Draghi ainda disse que o programa continuará até que a inflação na zona do euro convirja para a meta de 2% ao ano. O BCE ainda manteve os juros básicos da Europa em 0,05% ao ano.

Outro driver para o pregão, ainda que bem mais fraco, foi a atuação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy em Davos, na Suíça. Em relatório, a Guide Investimentos lembra que Levy conseguiu aumentar a pressão de baixa sobre o dólar e os juros futuros durante almoço promovido pelo Itaú. Segundo ele, "vai ter ajuste mesmo", referindo­se aos ajustes no fiscal que tem colocado em curso.

Ações em destaque

As ações ordinárias da Petrobras (PETR3, R$ 9,81, +3,70%; PETR4, R$ 10,25, +4,38%) subiram novamente apesar de notícia do jornal O Globo, revelando que a estatal deverá registrar perdas de R$ 10 bilhões em seu balanço por causa da corrupção. Os papéis recuperaram os R$ 10. 

Como maior alta do dia, porém, ficaram as ações da Oi (OIBR4, R$ 6,77, +19,82%), que dispararam enquanto ocorre a assembleia com acionistas da Portugal Telecom SGPS, que teve início às 13h. 

Bovespa sobe com estímulos do BCE

Por Ricardo Bomfim

SÃO PAULO - Após acelerar alta com anúncio de programa de estímulos pelo BCE (Banco Central Europeu), o Ibovespa passou a amenizar ganhos após a abertura das bolsas nos Estados Unidos. O mercado ainda repercute a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) de elevar a taxa Selic em 50 pontos-base, para 12,25% ao ano. Às 14h32 (horário de Brasília), o Ibovespa subia 0,91%, a 49.672 pontos.

Para o analista técnico da Guide Investimento, Lauro Vilares, o Ibovespa testa o topo de 50 mil pontos, perdido pelo mercado em dezembro. Além disso, por melhor que seja a notícia dos estímulos na Europa, Vilares lembra que já era um fato esperado, tendo sido justamente o motor da alta no índice na última sessão. "Pode ser mais um caso da velha máxima de sobe no ato e cai no fato".

Enquanto isso, o dólar caía em meio a mais um leilão de 10 mil contratos de Swap pela manhã combinada com as recentes notícias de estímulo na Europa e aumento dos juros aqui. A moeda norte-americana caía 1,76%, ficando cotada a R$ 2,5588 na compra e a R$ 2,5605 na venda, o menor patamar desde 28 de novembro de 2014. Já os contratos de juros DI para janeiro de 2016 subiam 7 pontos-base, para 12,66%.

O presidente do BCE, Mário Draghi, anunciou às 11h40 um programa de estímulos de 60 bilhões de euros por mês que irá, pelo menos, até setembro de 2016. Draghi ainda disse que o programa continuará até que a inflação na zona do euro convirja para a meta de 2% ao ano. O BCE ainda manteve os juros básicos da Europa em 0,05% ao ano.

Outro driver para o pregão ainda deve ser a atuação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy em Davos, na Suíça. Em relatório, a Guide Investimentos, lembra que em seu almoço promovido pelo Itaú, Levy conseguiu aumentar a pressão de baixa sobre o dólar e os juros futuros. Segundo ele, "vai ter ajuste mesmo", referindo-se aos ajustes no fiscal que tem colocado em curso.

Ações em destaque As ações ordinárias da Petrobras (PETR3, R$ 9,77, +3,28%; PETR4, R$ 10,14, +3,26%) sobem novamente apesar de notícia do jornal O Globo, revelando que a estatal deverá registrar perdas de R$ 10 bilhões em seu balanço por causa da corrupção.

As ações do setor de educação desabam hoje, com destaque para Estácio (ESTC3, R$ 16,50, -14,95%) e Kroton (KROT3, R$ 12,24, -10,26%) estavam entre as maiores quedas do índice. O setor de educação mantém no foco dos investidores após anúncio do final do ano passado de mudanças no Fies (programa de financiamento estudantil). Ontem, no entanto, o ministro da Educação, Cid Gomes, afirmou que defenderá um sistema de corte mais rigoroso tanto de alunos quanto de faculdades e universidades dispostas a participar do Fies.

Dentre as declarações, Cid Gomes disse: "vou pensar para frente e em qualidade. Se estão [o setor] com medo, vão ficar com medo mais ainda". Além disso, há uma possibilidade de estabelecimento de uma nota mínima para um curso poder adotar o Fies, algo que também preocupa as educacionais.

Economia Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 17:25:57 +0000 http://www.brasil247.com/167478
Dilma exonera Vaccari Neto do conselho de Itaipu http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167482 Roosewelt Pinheiro/ABr: Brasília - O tesoureiro do PT e ex-presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), João Vaccari Neto, e o advogado da cooperativa, Pedro de Abreu Dallari, negaram hoje (30) que tenha havido irregularidades na entidade e afirma Tesoureiro do PT teve o nome citado em delações premiadas da Operação Lava Jato, da Polícia Federal; exoneração ocorreu a pedido do próprio João Vaccari Neto; em seu lugar, a presidente nomeou Giles Azevedo <br clear="all"> Roosewelt Pinheiro/ABr: Brasília - O tesoureiro do PT e ex-presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), João Vaccari Neto, e o advogado da cooperativa, Pedro de Abreu Dallari, negaram hoje (30) que tenha havido irregularidades na entidade e afirma

Paulo Victor Chagas - Repórter da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff exonerou João Vaccari Neto da função de conselheiro da empresa Itaipu Binacional. Vaccari é tesoureiro do PT e teve o nome citado em delações premiadas da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga pagamento de propina em contratos da Petrobras.

A exoneração, publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, ocorreu a pedido do próprio João Vaccari Neto. Em seu lugar, Dilma nomeou Giles Azevedo, que foi chefe de gabinete da presidenta até o ano passado.

De propriedade compartilhada entre Brasil e Paraguai, a Itaipu Binacional é a segunda maior geradora de energia do mundo. Ano passado, ela perdeu o primeiro lugar para a chinesa Três Gargantas.

Poder Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 15:34:13 +0000 http://www.brasil247.com/167482
Brasil condena sequestro de japoneses pelo Estado Islâmico http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167483 : Governo brasileiro condenou nesta quinta-feira 22 o sequestro de dois japoneses pelo Estado Islâmico, que ameaça matá-los, caso o governo japonês se recuse a pagar R$ 520 milhões pelo resgate; em um vídeo divulgado na terça-feira, o grupo terrorista exigiu o pagamento em 72 horas <br clear="all"> :

Danilo Macedo - Repórter da Agência Brasil

O governo brasileiro condenou hoje (22) o sequestro de dois japoneses pelo Estado Islâmico (EI), que ameaça matá-los, caso o governo japonês se recuse a pagar R$ 520 milhões pelo resgate. Em um vídeo divulgado na terça-feira (20), o grupo terrorista exigiu o pagamento em 72 horas.

"O governo brasileiro condena com veemência o sequestro de dois cidadãos japoneses no Oriente Médio e faz votos para que sejam libertados rapidamente. O governo brasileiro manifesta seu sentimento de solidariedade aos familiares e ao povo e governo do Japão e reitera seu repúdio à violência e ao terrorismo, independentemente de suas motivações", informou o Itamaraty por meio de nota.

No mesmo dia em que o vídeo foi divulgado, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, exigiu a libertação dos reféns e afirmou que o governo não pagará o resgate. Shinzo Abe disse que comunidade internacional não vai ceder ao terrorismo e deve cooperar na luta contra esta ameaça.

Mundo Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 15:40:01 +0000 http://www.brasil247.com/167483
Chinaglia ganha adesão do PSD na briga da Câmara http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/167467 : Candidato do PT à presidência da Câmara receberá oficialmente às 16h desta quinta-feira o apoio da bancada formada por 36 deputados; "Não há unanimidade em nenhum partido, mas já existe sentimento da maioria de formação de um bloco com o PT e o apoio ao Chinaglia", disse o líder do PSD, Rogério Rosso (DF); legenda do ministro Gilberto Kassab é a quarta a declarar apoio a Chinaglia, que disputa a eleição com o peemedebista Eduardo Cunha <br clear="all"> :

Brasília 247 – O PSD fechou o apoio ao deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) na disputa pela presidência da Câmara contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O anúncio oficial será feito às 16h desta quinta-feira 22.

Com a adesão da legenda do ministro da Cidades, Gilberto Kassab, somam-se quatro os partidos que apoiam o petista. Além do PSD, as outras siglas são PT, PCdoB e PROS. A bancada do PSD tem 36 deputados na Casa.

"Não há unanimidade em nenhum partido, mas já existe sentimento da maioria de formação de um bloco com o PT e o apoio ao Chinaglia", disse o líder do PSD na Câmara, o deputado eleito Rogério Rosso (DF), ao Valor.

Brasília 247 Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 13:43:47 +0000 http://www.brasil247.com/167467
PML: “falta vergonha” no debate sobre energia http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167445 : "Não dá para falar no perigo da falta de energia sem denunciar quem fez campanha permanente contra hidroelétricas", destaca Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, citando a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva; ele também reforça que "o esforço do PSDB", que governou o país de 1995 a 2002, "para ampliar nosso parque energético esteve perto da nulidade"; de acordo com o jornalista, "o truque" da ofensiva oposicionista em torno do 'apagão' "é esconder o que ocorreu com nossa oferta de energia — e quem é responsável pelo que acontece agora. Não estamos falando de um episódio que aconteceu ontem ou na semana passada, nem há dois anos, mas de uma política de décadas"; leia a íntegra <br clear="all"> :

247 – O debate que envolve as previsões de racionamento de energia, feitas pela mídia familiar e pela oposição, exige que se resgate o que foi (ou não) feito no passado em prol da questão energética no Brasil. Em seu blog no 247, o jornalista Paulo Moreira Leite traz à tona as campanhas promovidas contra a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte – "que sofre um massacre sistemático e agressivo" – e do rio Madeira. "Faça sua lista e não se esqueça de incluir as usinas nucleares", acrescenta.

De acordo com PML, "o truque" da ofensiva oposicionista "é esconder o que ocorreu com nossa oferta de energia — e quem é responsável pelo que acontece agora. Não estamos falando de um episódio que aconteceu ontem ou na semana passada, nem há dois anos, mas de uma política de décadas". O colunista acrescenta que o debate "é disputa de interesses, pura e simplesmente, tão antiga como a história do capitalismo".

Paulo Moreira Leite cita a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva como alguém que "tem explicações a dar nesse debate". "Suas responsabilidades são óbvias, ainda mais como candidata presidencial, que se apresenta como porta-voz da natureza ameaçada", diz ele. "Hoje, a ameaça de destruição da Terra serve como argumento ideológico para manter tudo como está -- e azar de quem ainda não possui aquilo que necessita e tem direito", opina. "Não foi por acaso que o esforço do PSDB para ampliar nosso parque energético esteve perto da nulidade", conclui o colunista.

Leia a íntegra em Falta energia e falta de vergonha

Brasil Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 13:09:41 +0000 http://www.brasil247.com/167445
Cunha ataca Fontana: “fraco e desagregador” http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/167466 : Líder do PMDB e candidato à presidência da Câmara diz que sua bancada "não reconhecerá mais" e "não se submeterá mais" à liderança do deputado Henrique Fontana (PT-RS), que representa o governo na Casa; segundo Eduardo Cunha, o petista "levou o governo a várias derrotas" <br clear="all"> :

Rio 247 - O candidato do PMDB à presidência da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha (RJ), atacou o líder do governo na Casa, Henrique Fontana (PT-RS), ao classificar o petista como "fraco, desagregador e radical em suas posições". Segundo Cunha, a bancada peemedebista não reconhecerá mais a liderança de governo de Fontana.

"O senhor Fontana sempre foi um líder fraco, desagregador, radical em suas posições e que levou o governo a várias derrotas pelas suas posições", disse Cunha, pelo Twitter. "A bancada do PMDB na Câmara não reconhecerá mais a sua liderança e não se submeterá mais a ela. Não participaremos de nenhuma discussão sobre matérias de governo em que ele seja o interlocutor", complementou.

Fontana convocou uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (21), e classificou de "inaceitável" Cunha dar publicidade a uma suposta gravação contra o peemedebista que teria sido articulada pela cúpula da Polícia Federal. "Acho um erro trazer um assunto como este para o centro da disputa", disse.

De acordo com o peemedebista, "inaceitável" é a interferência de Fontana, enquanto líder do governo, na disputa pela presidência da Câmara. "Ele se comporta como líder do PT no governo e não como líder de um governo que tem vários partidos na sua base", atacou. "Não participaremos de nenhuma discussão sobre matérias de governo em que ele seja o interlocutor", acrescentou.

Cunha tem atacado o candidato do PT a presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), sob o argumento de que o petista representa submissão ao governo. Integrantes do governo federal consideram a candidatura de Cunha como oposição ao Palácio do Planalto.

O deputado afirma que sua candidatura é de independência ao relação ao governo Dilma Rousseff (PT). No início deste mês, por exemplo, Cunha manifestou sua posição contrária à regulação da mídia.

“Quero reafirmar que seremos radicalmente contrários a qualquer projeto que tente regular de qualquer forma a mídia”, disse pelo Twitter. “Não confundam a pauta congressual da governabilidade, que apoiaremos, com a pauta ideológica do PT, que não apoiaremos de forma alguma”.

Quem também está na disputa pela presidência da Câmara é o deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

Rio 247 Leonardo Lucena Thu, 22 Jan 2015 13:25:00 +0000 http://www.brasil247.com/167466
Europa vai injetar € 1,1 trilhão na economia até 2016 http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167465 : Banco Central Europeu decidiu nesta quinta-feira iniciar um programa de quantitative easing (QE) que o levará a imprimir dinheiro para comprar euros em bônus partir de março até o final de setembro de 2016; "Sob o programa expandido as compras combinadas de títulos públicos e privados somará até 60 bilhões de euros", disse o presidente do BCE, Mario Draghi, em entrevista coletiva <br clear="all"> :

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) decidiu nesta quinta-feira iniciar um programa de quantitative easing (QE) que o levará a imprimir dinheiro para comprar até 60 bilhões de euros em bônus partir de março até o final de setembro de 2016.

O dinheiro incluirá parte de programas já existentes. Países sob pacotes de resgate, como a Grécia, serão incluídos mas com critérios adicionais.

O BCE está lançando seu programa com o objetivo de impulsionar a vacilante economia da zona do euro, onde a variação dos preços ao consumidor se tornou negativa, a 0,2 por cento, muito longe da meta do banco de inflação abaixo mas perto de 2 por cento.

"Sob o programa expandido as compras combinadas de títulos públicos e privados somará até 60 bilhões de euros", disse o presidente do BCE, Mario Draghi, em uma entrevista coletiva.

"Elas (as compras) devem ser realizadas até o final de setembro de 2016 e serão conduzidas, em qualquer caso, até vermos um ajuste sustentável no ritmo da inflação."

Draghi diz que inflação pode ficar negativa nos próximos meses

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse nesta quinta-feira que os preços ao consumidor da zona do euro poderiam continuar caindo durante os próximos meses antes de lentamente se recuperarem até o final do ano.

Os preços ao consumidor da região caíram em dezembro pela primeira vez em mais de cinco anos, depois da queda significativa dos preços do petróleo, aumentando a preocupação das autoridades de que esse movimento poderia afetar as expectativas de inflação dos consumidores.

"A inflação anual deverá manter-se muito baixa ou negativa nos próximos meses", disse Draghi em coletiva de imprensa após a reunião do BCE. "Essas taxas de inflação baixas são inevitáveis no curto prazo, dada a recente queda muito acentuada dos preços do petróleo e assumindo que nenhuma correção significativa ocorrerá nos próximos meses."

Ele disse que a expectativa é de que a inflação aumente gradualmente mais tarde, em 2015 e em 2016, com as medidas de política monetária do BCE apoiando a demanda e assumindo um aumento gradual dos preços do petróleo.

O BCE espera a inflação em 0,7 por cento este ano e em 1,3 por cento em 2016, inferior à meta de abaixo, mas perto de 2 por cento. As projeções poderiam, no entanto, ser revistas para baixo, pois ainda não refletem plenamente a recente queda nos preços do petróleo.

(Por Paul Carrel)

Economia Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 13:07:04 +0000 http://www.brasil247.com/167465
Kirchner diz que morte de promotor “não foi suicídio” http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167433 : Presidente da Argentina recua e afirma agora estar "convencida" de que Alberto Nisman não tirou sua própria vida; em carta publicada nesta quinta-feira 22, Cristina Kirchner ressalta que o promotor havia recebido informações falsas para compor sua denúncia contra o governo <br clear="all"> :

247 – A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, publicou um longo texto nesta quinta-feira 22 em que diz estar "convencida" de que a morte do promotor Alberto Nisman, cujo corpo foi encontrado em sua casa, em Buenos Aires, na noite de domingo 18, "não foi um suicídio".

Nisman era autor de uma denúncia que acusava o governo argentino de ter trabalhado para encobrir o Irã na participação de um atentado terrorista contra a associação israelita AMIA em 1994, que deixou 85 mortos. Na segunda-feira 19, o promotor iria ao Congresso detalhar o caso.

Na carta, Cristina diz que a denúncia de Nisman continha informações falsas que haviam sido "plantadas", para que ele acusasse o governo. Mas o promotor, segundo ela, não sabia disso. A operação contra o governo argentino, diz Cristina, não era a denúncia de Nisman em si.

"A verdadeira operação contra o governo era a morte do promotor depois de acusar a presidente, seu chanceler e o secretário-geral do [grupo juvenil] La Cámpora de acobertar os iranianos acusados do atentado terrorista contra a AMIA", diz a presidente. "Nisman não sabia e, provavelmente, nunca soube", afirma.

Mundo Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 10:07:49 +0000 http://www.brasil247.com/167433
Collor defende indústrias de Alagoas e do Nordeste http://www.brasil247.com/pt/247/alagoas247/167435 Foto: Eduardo Aiache/ Casa Civil PR: Durante encontro com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloízio Mercadante, o senador e presidente da Comissão de Infraestrutura e Serviços, senador Fernando Collor (PTB), solicitou à presidente Dilma Rousseff a renovação do regime de contrato diferenciado entre a Chesf e a moderna indústria de base da região nordestina e de Alagoas; essas empresas são responsáveis por 20% do PIB (R$ 16 bilhões) da região e cerca de 145 mil empregos diretos <br clear="all"> Foto: Eduardo Aiache/ Casa Civil PR:

Alagoas247 - Por intermédio do ministro-chefe da Casa Civil, Aloízio Mercadante (PT), o presidente da Comissão de Infraestrutura e Serviços, senador Fernando Collor (PTB) solicitou, na tarde desta quarta-feira (21), à presidente Dilma Rousseff (PT) a renovação do regime de contrato diferenciado entre a Chesf e a moderna indústria de base da região nordestina e de Alagoas. Na audiência, Collor destacou que a não renovação vai triplicar o valor do fornecimento de eletricidade para o segmento, impactando negativamente na geração de emprego e renda.

"Na audiência, Mercadante informou que a presidente Dilma determinou que o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, encontre uma solução para a situação. Trata-se de uma reivindicação justa para o setor produtivo alagoano e Nordestino. Essa ação integrada da bancada federal visa à proteção dos contratos vigentes dos consumidores industriais de energia, que apostam na gestão do governo federal para preservar seus níveis de produção e, consequentemente, os empregos de milhares de trabalhadores”, assegurou Collor.

A Presidência da República vetou o artigo 6º da Medida Provisória 656, que dispõe sobre a relação especial de fornecimento da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) com indústrias de base. O artigo da MP garantia a prorrogação dos incentivos de 2015 para 2042. No encaminhamento feito à presidente, Collor demonstrou a importância de o segmento seguir com o contrato diferenciado. Com o veto, a MP volta a tramitar no Congresso Nacional. “Estamos trabalhando para que o contrato seja renovado o quanto antes, preservando o desenvolvimento da região Nordeste”, complementou o senador.

As empresas da Moderna Indústria de base são responsáveis por 20% do Produto Interno Bruto (R$ 16 bilhões) da região Nordeste e cerca de 145 mil empregos diretos. Em Alagoas, a Braskem, que possui unidades em Maceió e Marechal Deodoro, pode sofrer com o fim do incentivo, afetando cadeias produtivas, como a da Química e a do Plástico. Somente a planta de PVC, localizada no bairro do Pontal da Barra, na capital, consome 45% de toda a energia comercializada pela Eletrobras Distribuição Alagoas.

“Não havendo a prorrogação, centenas de empregos e investimentos em todo o Nordeste podem ficar comprometidos. Sem saber ao certo o que vai acontecer, o empresário não vai ser arriscar em investir. É importante que o governo federal observe com atenção essa questão, já que há geração de emprego em várias cadeias produtivas na região, sobretudo em Alagoas. O fim do incentivo deve encarecer em até 40% a produção industrial, o que é perverso para a competição”, frisou o gerente de Relações Institucionais da Braskem em Alagoas, Milton Pradines.

Além da Braskem, as outras empresas do Nordeste que serão afetadas são a Vale, Gerdau, Dow, Ferbasa, Paranapanema e Mineração Caraíba. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea), José Carlos Lyra, disse que há um trabalho para que a MP provisória seja novamente apreciada, garantindo, desta forma, a geração de emprego e renda para os estados.“A bancada alagoana já está empenhada em resolver essa demanda. Acredito que teremos bons resultados. É importante que haja a renovação, visto que centenas de empresas podem sofrer com o fim desse regime”, explicou Lyra.

Ao longo dos últimos meses, as usinas hidroelétricas localizadas na região Nordeste foram as que mais contribuíram para a redução do custo de energia elétrica no sistema de cotas instituído pelo governo federal. Ou seja, enquanto o consumo de energia no Nordeste representa 15% do consumo nacional, as usinas instaladas na região contribuíram com 66% da energia, gerando uma redução tarifária na eletricidade. “Essa energia também deve ficar por aqui, no Nordeste”, completou o presidente da federação.

Com gazetaweb.com e assessoria

Alagoas 247 Voney Malta Thu, 22 Jan 2015 10:22:10 +0000 http://www.brasil247.com/167435
Mergulhadores recuperam corpos de avião da AirAsia http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167432 HANDOUT: Foto de divulgação mostra parte de fuselagem de avião da AirAsia no fundo do mar de Java. 14/01/2015 REUTERS/Divulgação via Ministério da Defesa de Cingapura Mergulhadores indonésios encontraram nesta quinta-feira seis corpos perto da fuselagem do avião da AirAsia que caiu no mês passado no mar de Java, mas não conseguiram entrar nos destroços do jato onde acreditam que esteja a maioria das vítimas, informou uma autoridade da Marinha <br clear="all"> HANDOUT: Foto de divulgação mostra parte de fuselagem de avião da AirAsia no fundo do mar de Java. 14/01/2015 REUTERS/Divulgação via Ministério da Defesa de Cingapura

Por Djohan Widjaja

A BORDO DO KRI BANDA ACEH (Reuters) - Mergulhadores indonésios encontraram nesta quinta-feira seis corpos perto da fuselagem do avião da AirAsia que caiu no mês passado no mar de Java, mas não conseguiram entrar nos destroços do jato onde acreditam que esteja a maioria das vítimas, informou uma autoridade da Marinha.

O mau tempo e a baixa visibilidade da água têm prejudicado o trabalho dos mergulhadores que buscam os corpos e tentam levantar do fundo do mar a parte principal do avião.

"Estava muito escuro, a visibilidade era muito limitada, então nossas equipes de mergulho não conseguiram entrar", disse o contra-almirante Widodo, comandante da frota ocidental da Marinha, a repórteres a bordo do navio militar KRI Banda Aceh. "No entanto, nós ainda acreditamos que podemos retirar todos os corpos de lá."

Widodo acrescentou que as equipes de resgate esperam prender bolsas de ar gigantes na fuselagem para retirá-la do fundo do mar e levá-la à superfície na sexta-feira.

O voo QZ8501 da Indonesia AirAsia perdeu contato com as torres de controle do tráfego aéreo em meio ao mau tempo em 28 de dezembro, com menos da metade de um voo de duas horas entre a cidade indonésia de Surabaya e Cingapura. Não houve sobreviventes entre as 162 pessoas a bordo do Airbus A320.

Uma equipe internacional de busca e resgate recuperou 59 corpos até o momento e localizou as duas caixas-pretas da aeronave. A causa da queda fatal ainda é desconhecida, mas investigadores descartaram que tenha ocorrido um atentado.

Mundo Gisele Federicce Thu, 22 Jan 2015 09:46:57 +0000 http://www.brasil247.com/167432
Herança maldita em Minas: a caixa d'água secou http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167417 : Conhecido como "a caixa d'água do Brasil", o estado de Minas Gerais pode enfrentar um cenário de escassez de água não tão drástico quanto o de São Paulo, mas também gravíssimo; sistema que abastece a Região Metropolitana de Belo Horizonte, o Paraobepa, está secando e o diagnóstico será apresentado nesta quinta-feira por Sinara Meirelles, a nova presidente da Copasa, empresa de abastecimento mineira; situação mais crítica é a do reservatório Serra Azul, que opera com 5% da capacidade; no início da gestão, governo de Fernando Pimentel lançará plano de combate ao desperdício e redução de consumo, mas especialistas apontam que as medidas já deveriam ter sido tomadas pelo antecessor Antonio Anastasia; calendário eleitoral, que teve Aécio Neves como candidato a presidente, adiou medidas importantes de conscientização e economia dos recursos hídricos <br clear="all"> :

Minas 247 - Os paulistas, que se veem às vésperas de um eventual racionamento de água, como admite, nesta quinta-feira, o presidente da Sabesp, Jerson Kelman (leia mais aqui), podem ter um consolo: a crise hídrica também deve atingir os vizinhos mineiros.

A situação dramática do abastecimento de água em Minas Gerais será apresentada nesta quinta-feira por Sinara Meirelles, que toma posse como presidente da Copasa, a empresa de abastecimento mineira. Com dados que irão surpreender muitos brasileiros, uma vez que a Copasa não vinha divulgando os níveis dos seus reservatórios, ela irá mostrar que a "caixa d'água do Brasil" (era esse o apelido de Minas) também está secando.

A situação mais crítica é a do sistema Paraopeba, que abastece a Região Metropolitana de Belo Horizonte, formado pelos reservatórios de Rio Manso, Vargem das Flores e Serra Azul. Este último, por exemplo, opera com apenas 5% da sua capacidade.

Redução do consumo e calendário eleitoral

Nesse contexto de crise hídrica, a Copasa deverá lançar um extenso pacote com estímulos à redução do consumo e também uma frente de investimentos para combater os vazamentos e o desperdício.

No entanto, o governo de Fernando Pimentel também deve alertar a sociedade mineira para uma crise que não é sua, mas sim herdada das gestões anteriores – nos últimos doze anos, o estado foi governado pelos senadores Aécio Neves e Antonio Anastasia.

Segundo especialistas, o pacote para cortar o consumo e alertar a sociedade já deveria ter sido adotado no ano passado, mas acabou adiado em razão do calendário eleitoral, uma vez que Minas foi a principal vitrine do candidato tucano Aécio na sucessão presidencial.

No ano passado, a Copasa, que não divulga os níveis de seus reservatórios, informava operar sempre acima de 50% da capacidade em seus reservatórios. No entanto, o diagnóstico de Sinara irá apontar que, pelo menos desde setembro do ano passado, o nível da água já era inferior a isso em praticamente todos eles.

Na nova gestão da Copasa, o nível da água nos reservatórios será também divulgado diariamente, como faz a Sabesp. Algumas cidades de Minas, como a histórica Ouro Preto, já passam por um racionamento. Outras pretendem sair da esfera da Copasa, para criar suas próprias concessões de água.


 

 
Minas 247 Leonardo Attuch Thu, 22 Jan 2015 06:32:33 +0000 http://www.brasil247.com/167417
Teori aponta indícios contra 'vários deputados' http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/167395 : No acordo de homologação da delação de Alberto Youssef, ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki escreveu que, ‘dos documentos juntados com o pedido é possível constatar que, efetivamente, há elementos indicativos, a partir dos termos do depoimento de possível envolvimento de várias autoridades detentoras de prerrogativa de foro perante tribunais superiores, inclusive de parlamentares federais’ <br clear="all"> :

247 – Ao homologar o acordo de delação premiada do doleiro Alberto Youssef na operação Lava Jato, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, apontou indícios do envolvimento de vários deputados. 

“Dos documentos juntados com o pedido é possível constatar que, efetivamente, há elementos indicativos, a partir dos termos do depoimento de possível envolvimento de várias autoridades detentoras de prerrogativa de foro perante tribunais superiores, inclusive de parlamentares federais”, disse.

Outra delação, do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Cosa, também está sob tutela da Corte por mencionar entre 35 a 40 parlamentares no esquema.

Para obter a pena máxima de cinco anos, Youssef se comprometeu a identificar todos os “autores, coautores, participes das diversas organizações criminosas de que tenha ou venha a ter conhecimento”. 

Pelo acordo, divulgado nesta quarta-feira (21) por determinação do juiz federal de Curitiba, Sergio Moro, ele também concordou em devolver à União R$ 1,8 milhão em espécie, além de bens como carros e um hotel no município de Aparecida (SP), parte de um hotel em Salvador, seis apartamentos de um hotel em Londrina (PR), um terço de um hotel em Jaú (SP), um imóvel em Camaçari (BA) e outro em Lauro de Freitas (BA).

Brasília 247 Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 05:07:49 +0000 http://www.brasil247.com/167395
Mello: aumento de impostos é 'confisco' http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167402 : Ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello criticou o aumento na carga tributária anunciado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e o veto da presidente Dilma Rousseff à correção da tabela do Imposto de Renda; segundo ele, governo está “forçando a mão”: ‘Ante a carga de impostos sofrida pelos brasileiros, qualquer aumento tributário é confisco. O que eles têm que fazer é enxugar a máquina administrativa, reduzir os gastos. Esperamos que o que é arrecadado não vá pelo ralo’ <br clear="all"> :

247 – O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), reagiu ao anuncio do aumento na carga tributária feito nesta segunda-feira pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e ao veto da presidente Dilma Rousseff à correção da tabela do Imposto de Renda.

Segundo ele, o governo está “forçando a mão”: “Eu fico triste quando eu percebo menoscabo em relação à ordem jurídica constitucional. O Estado tem que adotar uma postura que sirva de norte ao cidadão. Ante a carga de impostos sofrida pelos brasileiros, qualquer aumento tributário é confisco. O que eles têm que fazer é enxugar a máquina administrativa, reduzir os gastos. Na sua casa, você gasta mais do que a receita? Não”, disse.

“Nós brasileiros já contribuímos em muito. Esperamos que o que é arrecadado não vá pelo ralo”, acrescentou.

Brasil Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 05:47:14 +0000 http://www.brasil247.com/167402
Investigadas na Lava Jato preveem 'efeito cascata' http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167394 : Além da Alumini Engenharia, que teve recuperação judicial aprovada, três outras empresas que prestam serviços à Petrobras estão em processo falimentar; "A crise é gravíssima e vai ter efeito cascata se a Petrobras não mudar o tratamento no pagamento dos aditivos", diz o advogado Ricardo Tosto; gigantes como Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez poderão vender ativos para cobrir rombo <br clear="all"> :

247 – Em crise após abertura de investigação da operação Lava Jato, empreiteiras alertam para o risco de falência em série. As 23 empresas citadas no esquema de Alberto Youssef estão impedidas de entrar em licitação da estatal.

Além da Alumini Engenharia, que teve recuperação judicial aprovada nesta terça, três outras empresas que prestam serviços à Petrobras estão em processo falimentar, segundo a colunista Mônica Bergamo. O mesmo aconteceu no ano passado com a Fidens, a Jaraguá Equipamentos e a Iesa Óleo e Gás.

"A crise é gravíssima e vai ter efeito cascata se a Petrobras não mudar o tratamento no pagamento dos aditivos", diz Ricardo Tosto, advogado da Alumini.

Com dificuldade de crédito, as quatro grandes, Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez poderão se valer da venda de ativos para cobrir o rombo.

Brasil Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 05:15:45 +0000 http://www.brasil247.com/167394
São Paulo vai restringir a agricultura irrigada http://www.brasil247.com/pt/247/agro/167418 : "Entendemos a gravidade do momento. A diretriz do governo do Estado de dar prioridade ao abastecimento humano é correta. Estamos buscando uma alternativa que resulte em um impacto mais ameno possível à agricultura", disse o secretário de Agricultura, Arnaldo Jardim; a estimativa inicial é de que cerca de três mil propriedades rurais sejam afetadas pela restrição nas bacias do Alto Tietê e do PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí) <br clear="all"> :

247 – Diante da maior seca de sua história, o governo do Estado de São Paulo vai adotar um programa para restringir a agricultura irrigada. Segundo o secretário de Agricultura, Arnaldo Jardim, a estimativa inicial é de que cerca de três mil propriedades rurais sejam afetadas pela restrição prevista para a irrigação nas bacias do Alto Tietê e do PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí), que abastece o Sistema Cantareira.

"Entendemos a gravidade do momento. A diretriz do governo do Estado de dar prioridade ao abastecimento humano é correta. Estamos buscando uma alternativa que resulte em um impacto mais ameno possível à agricultura", disse em entrevista ao Valor.

Sistemas de irrigação ineficientes serão desativados. A medida deve afetar principalmente o cultivo de hortaliças folhosas e de flores (leia mais).

Agro Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 06:43:41 +0000 http://www.brasil247.com/167418
Serra: modelo petista é ‘cadáver adiado que procria’ http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167416 : Senador José Serra (PSDB), ex-governador de São Paulo, diz não ver os ajustes fiscais anunciados pelo governo como uma surpresa e que o ‘Brasil deve assistir ao longo deste ano à marcha da estagflação galopante’; cita a seca, escândalos envolvendo a Petrobras, e a suposta falta de rumo a médio e longo prazos: “O modelo petista é um cadáver adiado que procria, como escreveu Fernando Pessoa (Dom Sebastião, Rei de Portugal)” <br clear="all"> :

247 – Para o ex-governador José Serra, o rumo da política econômica do segundo mandato do governo Dilma em 2015 é previsível: “ uma marcha da estagflação galopante”. Em artigo, ele convoca a oposição a ‘forçar o debate das ideias’ e diz que o “modelo petista é um cadáver adiado que procria”. Leia:

CADÁVER ADIADO QUE PROCRIA

Este ano de 2015 não está trazendo surpresas na economia. Para começar, era óbvio que o governo da presidente Dilma Rousseff descumpriria frontalmente seus compromissos de campanha eleitoral, o que, convenham, não surpreende quem estuda minimamente esse assunto. Creio até que as taxas de traição programática do primeiro governo Lula foram maiores que as do segundo governo Dilma – até aqui, ao menos.

Memória informa e também é política. Lembro-me de um Jornal Nacional no segundo turno das eleições de 2002: o Banco Central (BC) elevara os juros e Lula foi chamado a opinar. Não deixou por menos: “Isso é coisa de governo que serve aos bancos, governo de banqueiros!”. O candidato da situação – eu mesmo! –, em posição obviamente desconfortável, também falou, poupando o BC de críticas e atribuindo a medida às incertezas do processo eleitoral. Desdobramento: o petista venceu, nomeou um banqueiro para a presidência do BC, manteve antigos diretores por um bom tempo, nomeou depois outros piores, pôs os juros nas nuvens, ganhou aplausos de toda a comunidade financeira nacional e mundial e foi chamado de realista pela imprensa. Uma indagação aos navegantes: vale a pena aplaudir estelionatos eleitorais?

Reeleita, Dilma tem de reparar seus erros. É o caso da correção de preços administrados – derivados de petróleo e energia elétrica –, reprimidos anteriormente por interesses eleitorais. A taxa de câmbio nominal deve crescer, a menos que o governo mantenha os subsídios fiscais. Aliás, esse será um grande teste para a política econômica Levy-Barbosa: vai dar sequência à manipulação do câmbio para segurar a inflação mediante operações de venda futura de dólar (swaps), que custam caríssimo ao BC e ao Tesouro e ficam fora do Orçamento federal? Apenas no segundo semestre de 2014 (até novembro), o prejuízo nessa conta alcançou R$ 20,5 bilhões – o mesmo valor do pacote tributário ora anunciado.

Parafraseando o marqueteiro João Santana num ataque mentiroso às pretensões tucanas, o governo Dilma semeou inflação e elevou os juros. Com o aumento de 0,5 ponto ontem, a taxa subiu 1,25 ponto em três meses, o que custa a bagatela de R$ 19 bilhões/ano ao Tesouro – perto de 30% da meta de superávit primário anunciada pelo Ministério da Fazenda. O governo ainda aumentou a alíquota do IOF sobre o crédito ao consumo e elevou juros de financiamento habitacional.

Câmbio, petróleo e energia empurrarão a inflação para cima, noves fora dois fatores atenuantes, que talvez facilitem a acomodação de preços relativos: o enfraquecimento da atividade econômica e a queda dos preços internacionais de commodities.

A fim de conter a deterioração das expectativas sobre a economia brasileira, na iminência de ser rebaixada pelas agências de classificação de risco, a dupla Levy e Barbosa tem investido – até agora de forma bem-sucedida – na imagem da responsabilidade fiscal, abalada pelos números sofríveis e seguidas tentativas de maquiagem feitas até o ano passado. As ambições são moderadas: a meta de superávit primário de 1,2% do PIB para 2015 corresponde ao segundo menor porcentual desde 2000, sendo superior apenas ao de 2014, que foi zero. Como lembrou Francisco Lopes, o ajuste fiscal proposto não deve ser suficiente para estabilizar a trajetória da dívida pública líquida, que poderá saltar de 36% para 40% entre 2014 e 2019.

Neste espaço, desde 2011 procurei mostrar como o governo Dilma era inábil para administrar a difícil herança recebida de seu antecessor, de quem, aliás, ela fora estreita colaboradora. Na década passada o petismo desperdiçou uma das maiores oportunidades econômicas que o Brasil contemporâneo já teve: a notável bonança externa decorrente do crescimento exponencial dos preços de nossas exportações de matérias-primas e a disponibilidade de dinheiro externo abundante e barato.

Em vez de aproveitar essa situação para fortalecer nossa economia, o governo promoveu verdadeira farra voltada para o consumo, graças à sobrevalorização cambial mais estúpida de todas quantas houve. Depois da quebra do Lehman Brothers o BC demorou cinco meses para reduzir os juros, que já eram os mais elevados do mundo, enquanto o restante dos países derrubava rapidamente os seus. Em seguida atuou, para manter o diferencial entre o Brasil e o exterior, atraindo capitais à procura de ganhos extraordinários em curto prazo e apreciando ainda mais o real.

Assim, em vez de fomentar a competitividade da economia, investindo em infraestrutura, reduzindo o custo Brasil e incentivando as exportações de manufaturados, o petismo fez o contrário: barateou as importações e encareceu o preço externo de nossas exportações industriais. O golpe na indústria doméstica foi fatal: até hoje seu nível de produção é inferior ao de 2008; o emprego, 10% menor; a balança comercial de manufaturados, mais ou menos equilibrada em 2002, desabou para um déficit de US$ 70 bilhões em 2010 e mais de US$ 110 bilhões em 2014. Evidentemente, houve um colapso nos investimentos industriais, puxando a economia para baixo, além de elevar o déficit em conta corrente do balanço de pagamentos à inquietante vizinhança dos 4% do PIB.

Depois do quadriênio perdido, a economia entrou paralisada em 2015 e o Brasil deve assistir ao longo deste ano à marcha da estagflação galopante, com três fatores agravantes: a seca, que amplia as incertezas sobre a oferta de energia, já prejudicada pelos erros nessa área, e o escândalo do petrolão; o terceiro elemento serve de pano de fundo: não há rumo para o médio e o longo prazos. Inexiste até debate a respeito. A maior ambição do petismo, hoje, é a de um milagre: sobreviver até 2018 e tentar (re)eleger Lula. O modelo petista é um cadáver adiado que procria, como escreveu Fernando Pessoa (Dom Sebastião, Rei de Portugal). A oposição pode ir mais longe: além da vigilância, da crítica e da mobilização, tem de forçar o debate de ideias, fazer propostas, apresentar soluções. Eis uma bela e eficaz ação contra quem não tem mais nada a dizer.

 

Poder Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 06:35:20 +0000 http://www.brasil247.com/167416
Perito vê 'encenação' no caso Cunha http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167415 : Para Ricardo Molina, a gravação divulgada nesta terça-feira pelo deputado Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara, é “fraudulenta” e retrata uma “encenação”; "Muito provavelmente os dois interlocutores estão seguindo um script previamente elaborado, não necessariamente lido durante a interação, mas visivelmente planejado", disse <br clear="all"> :

247 – Para o perito Ricardo Molina, a gravação divulgada nesta terça-feira pelo deputado Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara, é “fraudulenta” e retrata uma “encenação”.

Na conversa entre duas pessoas, um homem que se apresenta como policial diz que foi sondado pelo delegado-chefe e afirma: "o negócio está ficando feio“. O suposto policial ameaça, então, que se for abandonado, abrirá o jogo. "Está todo mundo enchendo as burras de dinheiro e eu estou abandonado e duro, sem grana", reclama. Em outro trecho, ele afirma que, enquanto "o Cunha" está buscando a presidência da Câmara, "os amigos estão ficando esquecidos”.

“Em conversações, sejam telefônicas ou diretas, há uma série de traços, já bastante estudados no âmbito da Linguística, que permitem verificar se se trata de uma interação espontânea ou não. No caso em tela podemos afirmar, com bastante segurança, que não se trata de uma conversação espontânea, e por vários motivos: cada interlocutor permite que o outro fale sem haver sobreposições; inexistem hesitações, típicas da fala espontânea; inexistem marcadores conversacionais, “entendeu?”, “viu?”, “né?” etc.; a entonação não é típica de fala espontânea. Muito provavelmente os dois interlocutores estão seguindo um script previamente elaborado, não necessariamente lido durante a interação, mas visivelmente planejado”, disse Molina.

Leia aqui reportagem de Leticia Fernandes sobre o assunto.

Brasil Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 05:59:40 +0000 http://www.brasil247.com/167415
Petista entra na onda da oposição e pede 'Fora, Levy' http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/167390 : Marido da deputada Maria do Rosário (PT-RS), Eliezer Pacheco critica política econômica do segundo mandato de Dilma Rousseff: “Para enfrentar a crise, o governo optou por achacar os assalariados, como sempre fizeram os governos de direita, em vez de enfrentar os sonegadores e o grande capital. Não foi nisto em que votamos. Em defesa de nosso projeto e do PT, FORA LEVY”, postou o secretario na prefeitura de Canoas (RS) <br clear="all"> :

247 – Após a Fundação Perseu Abramo, do PT, divulgar um boletim contra a política econômica da presidente Dilma Rousseff, outro petista entrou na onda da oposição sugerindo a saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Marido da deputada Maria do Rosário (PT-RS), Eliezer Pacheco, secretario na prefeitura de Canoas (RS), postou uma critica ao governo no Facebook:

“Sou PT mas não sou cordeiro nem omisso. Para enfrentar a crise, o governo optou por achacar os assalariados, como sempre fizeram os governos de direita, em vez de enfrentar os sonegadores e o grande capital.Não foi nisto em que votamos.Em defesa de nosso projeto e do PT,FORA LEVI.
Não trairemos nosso Projeto NEM QUE A VACA TUSSA!”

Rio Grande do Sul 247 Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 05:24:35 +0000 http://www.brasil247.com/167390
Youssef troca bens por pena limitada a 5 anos http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/167392 : Em acordo de delação premiada pela operação Lava Jato, já validado pelo Supremo Tribunal Federal, doleiro Alberto Youssef comprometeu-se a devolver R$ 1,8 milhão em espécie, além de ceder bens como um hotel no município de Aparecida (SP), parte de um hotel em Salvador, seis apartamentos de um hotel em Londrina (PR), um terço de um hotel em Jaú (SP), um imóvel em Camaçari (BA) e outro em Lauro de Freitas (BA) <br clear="all"> :

247 – No acordo de delação premiada pela operação Lava Jato, validado pelo Supremo Tribunal Federal, o doleiro Alberto Youssef se comprometeu a ceder uma soma em dinheiro e mais uma lista de bens em troca de uma pena máxima de cinco anos de prisão.

Chefe de um esquema de lavagem de dinheiro e suborno de funcionários públicos, ele indicou nomes de políticos e de empresas envolvidas no caso.

Pelo acordo, divulgado nesta quarta-feira (21) por determinação do juiz federal de Curitiba, Sergio Moro, ele concorda em devolver à União R$ 1,8 milhão em espécie, além de bens como carros e um hotel no município de Aparecida (SP), parte de um hotel em Salvador, seis apartamentos de um hotel em Londrina (PR), um terço de um hotel em Jaú (SP), um imóvel em Camaçari (BA) e outro em Lauro de Freitas (BA).

Paraná 247 Roberta Namour Thu, 22 Jan 2015 05:30:54 +0000 http://www.brasil247.com/167392
Levy: “vai ter ajuste mesmo” e PIB será “estável” em 2015 http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167332 : A investidores estrangeiros no Fórum de Davos, o ministro da Fazenda usou o termo "flat", em inglês, para descrever como ficará o PIB do Brasil em 2015; expressão significa estável, próximo de zero; Joaquim Levy também afirmou, durante um almoço promovido pelo banco Itaú, no vilarejo suíço, que "vai ter ajuste mesmo"; ele ressaltou que o governo tem feito um "grande esforço" na recuperação da confiança dos investidores e assegurou que haverá transparência na política fiscal brasileira; chefe da economia chegou a ser aplaudido pela plateia de cerca de 80 empresários e executivos brasileiros e estrangeiros <br clear="all"> :

247 – O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, declarou nesta quarta-feira 21 em Davos, na Suíça, onde participa do Fórum Econômico Mundial, que "vai ter ajuste mesmo" na política fiscal brasileira e que o PIB do País ficará "estável" em 2015.

As declarações foram feitas durante um almoço promovido pelo banco Itaú, no luxuoso Belvedere Hotel, no vilarejo suíço. Segundo relatos de participantes, havia uma plateia de cerca de 80 empresários e executivos brasileiros e estrangeiros, de acordo com reportagem do jornal Valor Econômico.

O ministro também ressaltou que o governo brasileiro tem feito um "grande esforço" para recuperar a confiança dos investidores e assegurou que haverá transparência na política fiscal do País.

Ele explicou, sem detalhes, as medidas anunciadas pelo ministério da Fazenda nessa semana, que visam aumentar em R$ 20 bilhões a arrecadação federal e, questionado sobre Lava Jato, lembrou que outros países já vivenciaram crises semelhantes. Ele demonstrou convicção de que a Petrobras, alvo de investigação, irá superar as dificuldades.

Os empresários receberam a fala de Levy como sendo "crível e realista". "Ficou claro que vem remédio amargo pela frente", comentou um empresário. Ao ser elogiado por um mexicano, que disse que a nomeação de Levy era a melhor notícia sobre o Brasil nos últimos meses, o ministro foi aplaudido.

Recentemente, o ministro da Fazenda informou que procuraria, no encontro de Davos, que acontece entre 21 e 24 de janeiro, passar a imagem de um Brasil com economia de grandes recursos e que adota política macroeconômica voltada para a concessão de benefícios sociais.

Leia abaixo texto publicado pelo Blog do Planalto sobre o encontro:

Levy apresenta novo cenário econômico brasileiro a empresários na Suíça

Com informações da Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, participou nesta quinta-feira (22), em Davos, na Suíça, como principal convidado, de um almoço com empresários, investidores e autoridades, quando apresentou as medidas tomadas em seu mandato frente à pasta. O almoço foi promovido por um banco brasileiro e realizado no Belvedere Hotel, em evento paralelo ao Fórum Econômico Mundial, que prossegue até 24 de janeiro.

Entre os presentes ao encontro, estiveram o ministro das Finanças da Colômbia, Mauricio Cardenas, os empresários brasileiros Roberto Setubal, presidente do Itaú, Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco, Victor Hollick, da Camargo Correa, Romulo de Mello, presidente da Cielo, e Bernardo Gradin, do grupo Graal, entre outros. Após o evento com empresários, o ministro não falou com a imprensa.

Ainda nesta quarta-feira, Levy mantém encontros bilaterais com o ministro de Finanças da Turquia, Mehmet Simsek; e com o secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo Villareal.

O fórum mundial discute questões urgentes, como o crescimento econômico global, instabilidades políticas, desigualdades regionais e segurança pública.

Recentemente, o ministro informou que procurará no encontro passar a imagem de um Brasil com economia de grandes recursos e que adota política macroeconômica voltada para a concessão de benefícios sociais.

Economia Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 14:38:21 +0000 http://www.brasil247.com/167332
Petrobras sobe 5% com autonomia e balanço http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167334 : Ações da estatal se destacaram no pregão desta quarta-feira 21, subindo mais de 5%; governo tem sinalizado maior autonomia nas decisões da petroleira; empresa poderá ter um livre arbítrio para as próximas decisões de reajuste, mas será monitorada pelo governo; a petroleira ainda se beneficia da melhora do cenário de commodities; Ibovespa fechou em 2,81%, a 49.224 pontos, a maior alta desde 7 de janeiro <br clear="all"> :

Por Ricardo Bomfim

SÃO PAULO - O Ibovespa fechou em alta nesta quarta-feira (21) depois da notícia de que o BCE (Banco Central Europeu) irá realizar um programa de compra de ativos nos mesmos moldes do "Quantitative Easing" dos Estados Unidos. A notícia, junto com a expectativa por decisão do Copom (Comitê de Política Monetária), moveu o mercado hoje. O índice subiu 2,81%, a 49.224 pontos, foi a maior alta desde 7 de janeiro. O volume financeiro negociado foi de R$ 6,385 bilhões.

O dólar registrou baixa, com uma queda de 0,51%, a R$ 2,601 na compra e R$ 2,602 na venda. Na mínima, a moeda norteamericana chegou a bater abaixo dos R$ 2,59, influenciado pelo BCE e pelas frequentes intervenções do governo no câmbio por meio de swaps cambiais.

Segundo o analista da Leme Investimentos, João Pedro Brugger, a alta aqui acabou sendo ainda mais forte do que na Europa, uma vez que a notícia é auspiciosa para os mercados emergentes. A injeção de liquidez no continente pode dar uma sobrevida às commodities que enfrentam uma forte depreciação desde 2014. Além disso, ele lembra que com mais dinheiro circulando no continente, o risco-retorno no Brasil passa a ser mais atrativo, principalmente se a Selic for elevada novamente hoje.

QE e Davos

O programa de compra de ativos para expandir a base monetária da zona do euro durará por volta de um ano, segundo informações do Wall Street Journal. O Conselho Executivo do BCE se encontrou na terça-feira para decidir a proposta. O ministro da Fazenda Joaquim Levy já comentou em Davos que a decisão do BC europeu deve ser positiva para o Brasil.

Além do estímulo do BCE, o banco do Canadá cortou hoje os juros básicos da sua economia para 0,75%.

Em Davos, onde acontece o Fórum Econômico Mundial, destaque ainda para a fala do secretário-geral da Opep, Abdullah al-Badri, que defendeu nesta quarta-feira a decisão do grupo de não cortar a produção em reunião realizada em novembro, para combater a queda dos preços do petróleo. Porém, ele destacou que a queda nos preços do petróleo não vai durar muito e que os preços vão "voltar para o normal muito em breve", o que impulsionou a cotação da commodity no mercado futuro.

Destaques de alta

As ações da Oi (OIBR4, R$ 5,65, +10,35%) dispararam na sessão desta quarta. Isso um dia antes da esperada assembleia geral da holding Portugal Telecom SGPS, que decidirá sobre a venda dos ativos portugueses, e que já foi adiada duas vezes. O Conselho de Administração da PT SGPS afirmou ter divulgado toda a informação necessária para os acionistas deliberarem sobre a venda da PT Portugal à Altice na assembleia.

Depois do BCE, as ações subiram como um todo, mas a Petrobras (PETR3, R$ 9,46, +6,41%; PETR4, R$ 9,82, +5,36%), se destacou, subindo mais de 5%. O governo tem sinalizado maior autonomia nas decisões da petroleira. Hoje, uma matéria do Valor cita que a companhia terá uma ''liberdade vigiada de preços''. Em resumo, a estatal poderá ter um livre arbítrio para as próximas decisões de reajuste, mas será monitorada pelo governo. A petroleira ainda se beneficia da melhora do cenário de commodities, principalmente com mais uma recuperação do petróleo, que sobe mais de 1% no caso do barril do WTI (West Texas Intermediate).

As ações da Estácio (ESTC3, R$ 19,40, +6,30%) também subiram forte, se recuperando das quedas desde o começo do ano que afetaram o setor de educação, o melhor de 2015, como um todo, após anúncio de medida que dificultará o ingresso de alunos no programa Fies.

As ações da Natura (NATU3; R$ 31,95, +6,50%) se recuperaram nesta sessão em meio às notícias de que as fabricantes de cosméticos querem discutir com o governo federal as implicações do aumento da carga tributária do setor anunciado na segunda-feira.

Destaques de baixa

Depois de cair quase 4% ontem, as ações da Gol (GOLL4, R$ 12,94, -0,99%) tiveram performance abaixo da média novamente nesta sessão. Na véspera, o Goldman Sachs cortou a recomendação dos papéis de neutra para venda. O preço-alvo é de US$ 4,20 para as ações.

As ações da Braskem (BRKM5, R$ 13,12, -0,23%) seguiram em queda pelo terceiro pregão seguido. O movimento negativo teve início no dia do apagão que deixou diversas cidades brasileiras sem luz por alguns minutos. A companhia, no entanto, informou nesta manhã que não teve sua produção afetada pelo apagão que derrubou energia em diversos estados no Brasil na última segunda-feira.

Economia Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 14:13:15 +0000 http://www.brasil247.com/167334
Aécio chama Dilma de mentirosa após novas medidas http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167329 : Em vídeo divulgado em sua página no Facebook esta manhã, o senador Aécio Neves, presidente do PSDB, disse que "a candidata Dilma mentiu aos brasileiros, porque disse inúmeras vezes - na campanha, nos debates eleitorais - que sob hipótese alguma haveria aumento da carga tributária"; "A responsabilidade sobre essas medidas não pode ser terceirizada como quer a presidente da República", ressaltou o tucano <br clear="all"> :

Rodrigo Tolotti Umpieres

SÃO PAULO - Nos últimos dias a presidente Dilma Rousseff (PT), por meio de seus ministros, anunciou diversas medidas fiscais que buscam aumentar a arrecadação do governo. A mais recente ocorreu na noite de segunda-feira (19), com um pacote de 4 novas medidas. Diante disso, Aécio Neves (PSDB) publicou um vídeo em seu Facebook criticando as atitudes da presidente, chamando Dilma de mentirosa.

"A candidata Dilma mentiu aos brasileiros, porque disse inúmeras vezes - na campanha, nos debates eleitorais - que sob hipótese alguma haveria aumento da carga tributária", disse o senador na rede social. "Essas medidas agora anunciadas significam um aumento de mais de R$ 20 bilhões de reais na arrecadação do governo", continuou.

"A responsabilidade sobre essas medidas não pode ser terceirizada como quer a presidente da República. A responsabilidade pelo que acontece, hoje, no Brasil é exclusiva da presidente Dilma Rousseff e do seu governo", completou Aécio.

No vídeo, o político destacou o fato da presidente negar os problemas do País durante a campanha eleitoral do ano passado. "Faltou à então candidata Dilma Rousseff a responsabilidade para admitir a gravidade da crise econômica, a gravidade da crise do setor elétrico para tomar as medidas necessárias para minimizar seus efeitos", disse Aécio.

"Falta coragem à presidente da República para, olhando nos olhos dos brasileiros, dizer que as medidas que estão sendo tomadas são consequências dos inúmeros equívocos de seu governo", criticou o tucano. Durante as eleições, a campanha de Dilma dizia que Aécio, caso vencesse as eleições, tomaria "medidas impopulares".

Assista: 

 
Minas 247 Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 14:01:08 +0000 http://www.brasil247.com/167329
Governo prepara gestão política para a energia http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167321 : Aliviado com o relatório meteorológico que prevê muita chuva no Sudeste e no Centro-Oeste daqui para o final de semana, governo se prepara para "enfrentar a ofensiva política da oposição em relação ao assunto, tentando responsabilizar a presidente Dilma pelo que seria uma grave crise que levará ao racionamento de energia", afirma a colunista do 247 Tereza Cruvinel; "O discurso continuará o mesmo que vem sendo feito pelo ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga: não há nem haverá falta de energia, embora exista problema com seu custo, que será aumentado", informa a jornalista; mais importante que o discurso, porém, "é que não ocorram mais cortes"; por isso o alívio diante das previsões de chuva <br clear="all"> :

247 – O governo festeja e respira aliviado com a divulgação de relatórios meteorológicos que preveem fortes chuvas daqui para o final de semana no Sudeste e no Centro-Oeste. "Esta é uma variável com que o governo conta para enfrentar a ofensiva política da oposição em relação ao assunto, tentando responsabilizar a presidente Dilma pelo que seria uma grave crise que levará ao racionamento de energia", diz a colunista do 247 Tereza Cruvinel, em seu blog.

Os relatórios que circularam entre pessoas do governo são do Instituto Nacional de Meteorologia e da empresa Somar, que dizem que "uma frente fria finalmente rompe o bloqueio e causa precipitação pluviométrica forte e generalizada sobre São Paulo, Rio de Janeiro, centro, oeste e sul de Minas Gerais, leste de Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e no leste e sudoeste de Goiás". Nesse cenário, o consumo de energia também deve cair consideravelmente, coloca a jornalista.

Segundo Tereza, a questão energética se tornou agora para o governo "uma importante questão política", diante da ofensiva da oposição, que tenta colar em Dilma a responsabilidade pelo que chama de grave crise no setor e tenta consolidar a percepção de que caminhamos para um racionamento ainda pior do que houve durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso em 2001. Depois da crise do apagão, o tucano não recuperou mais popularidade nem elegeu sucessor, observa a colunista.

O discurso, diz ela, "continuará sendo o que vem sendo feito pelo ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga: não há nem haverá falta de energia, embora exista problema com seu custo, que será aumentado". Mas mais importante que isso para barrar a ofensiva oposicionista, segundo Tereza Cruvinel, "é que não ocorram mais cortes. Por isso o grande alívio com as previsões meteorológicas. Se elas estiverem certas, não haverá cortes e blecautes nas próximas semanas do auge do verão".

Leia aqui a íntegra de seu texto.

Poder Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 13:03:47 +0000 http://www.brasil247.com/167321
Tensão marca terceiro dia de revolta em presídios http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/167330 : Pelo terceiro dia consecutivo, presos do Complexo Prisional do Curado, no Recife (PE), amanheceram fora das celas, circulando livremente pelo pátio e sob o telhado de ao menos um dos prédios da maior unidade carcerária do estado; a própria Secretaria Executiva de Justiça e Direitos Humanos reconheceu que, embora mais tranquila que nos últimos dois dias, a situação ainda não está normalizada <br clear="all"> :

Agência Brasil - Pelo terceiro dia consecutivo, presos do Complexo Prisional do Curado, no Recife (PE), amanheceram fora das celas, circulando livremente pelo pátio e sob o telhado de ao menos um dos prédios da maior unidade carcerária do estado. A própria Secretaria Executiva de Justiça e Direitos Humanos reconheceu que, embora mais tranquila que nos últimos dois dias, a situação ainda não está normalizada. Policiais militares estão de prontidão, no entorno do complexo.

Diretores da unidade e representantes do governo estadual continuam negociando as reivindicações dos presos para tentar pôr fim aos tumultos. Ontem (20), o secretário executivo de Ressocialização, Eden Vespasiano, deixou o local por volta das 22 horas. Mais cedo, Vespasiano e o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, já tinham entrado no complexo e conversado com um grupo de dez presos que lhe entregou as reivindicações dos detentos.

Saiba Mais
Mais um preso é morto durante tumulto em presídio de Pernambuco
Desde a última segunda-feira (19), o Curado – antigo Aníbal Bruno, é palco de tumultos que já deixaram três mortos e dezenas de feridos. Um dos mortos foi o sargento da Polícia Militar Carlos Silveira do Carmo, de 44 anos. As outras duas vítimas fatais são dois apenados – um deles foi morto ontem (20).

Apesar dos mortos e feridos e das imagens de presos circulando livremente com facas e facões improvisados, o governo estadual classifica o fato como um "tumulto". Segundo o governo pernambucano, a situação está sob controle e a força policial só será empregada em último caso, se estritamente necessário. As visitas de parentes e amigos dos presos também estão suspensas.

Os detentos se queixam da lotação da unidade e exigem rapidez no julgamento dos processos dos presos que aguardam julgamento ou que pedem revisão de suas penas.

O governo estadual já prometeu adotar algumas medidas para melhorar as condições em todo o sistema prisional. Entre as ações já anunciadas pelo secretário executivo de Ressocialização estão a contratação imediata de 132 agentes de segurança penitenciária já aprovados em concurso; a entrega de novas unidades prisionais – como o complexo de Tacaimbó e de Santa Cruz do Capibaribe e de Araçoiaba -; aumento do número de equipamentos de monitoramento eletrônico dos reeducandos, entre outras.

Duas das medidas de curto prazo já anunciadas são a construção de um muro e a instalação de alambrados na parte superior da muralha a fim de impedir que pessoas lancem, de fora para o interior do complexo, materiais que possam ser usados na confecção de armas como facões improvisados. Aproximadamente R$ 4 milhões serão gastos e a expectativa é que o muro e o alambrado fiquem prontos em até 120 dias.

Pernambuco 247 Paulo Emílio Wed, 21 Jan 2015 14:05:28 +0000 http://www.brasil247.com/167330
Balanço pode trazer perdas com corrupção, diz Petrobras http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167327 � Bruno Domingos / Reuters: Pessoas entram e saem da sede da Petrobras no Rio de Janeiro. A política de dividendos da Petrobras vai continuar a mesma disse o diretor financeiro da companhia, Almir Barbassa. 24/09/2010 REUTERS/Bruno Domingos Em comunicado divulgado ao mercado, estatal admite que que seu balanço financeiro referente ao terceiro trimestre "poderá resultar no reconhecimento de perdas" provocadas pela investigação Lava Jato; empresa afirmou que está "realizando as análises necessárias" para fechar o balanço, cuja divulgação já foi adiada duas vezes <br clear="all"> � Bruno Domingos / Reuters: Pessoas entram e saem da sede da Petrobras no Rio de Janeiro. A política de dividendos da Petrobras vai continuar a mesma disse o diretor financeiro da companhia, Almir Barbassa. 24/09/2010 REUTERS/Bruno Domingos

247 – A Petrobras informou nesta quarta-feira 21, em um comunicado divulgado ao mercado, que o balanço referente ao terceiro trimestre de 2014 "poderá resultar no reconhecimento de perdas" em decorrência da investigação contra a corrupção Lava Jato, na qual a petroleira está envolvida.

A companhia assegurou estar "realizando as análises necessárias" para fechar o balanço, cuja divulgação já foi adiada duas vezes. O conselho administrativo da Petrobras vai se reunir no próximo dia 27, quando discutirá os resultados e a divulgação do balanço, que ainda não tem o aval da auditoria PwC.

Leia abaixo a nota da Petrobras:

Cabe ressaltar que, em função dos desdobramentos da Operação Lava–Jato, a Petrobras está realizando as análises necessárias para o fechamento e divulgação das demonstrações contábeis do 3º trimestre de 2014, incluindo a avaliação individual de ativos e projetos cuja constituição se deu por meio de contratos de fornecimento de bens e serviços firmados com empresas citadas na Operação Lava- Jato, inclusive a RNEST [Refinaria Abreu e Lima], o que poderá resultar no reconhecimento de perdas e consequente revisão de seu ativo imobilizado atual.

Economia Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 13:54:28 +0000 http://www.brasil247.com/167327
Tijolaço: Cunha lança a “Operação Me Lavem, a Jato” http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167311 GUSTAVO LIMA/Câmara: Blogueiro Fernando Brito diz que gravação apresentada por Eduardo Cunha (PMDB-RJ) como tendo sido forjada pela Polícia Federal "parece seguir um roteiro 'encomendado' para se mostrar mesmo uma armação" e "deve ser vista com o maior cuidado, pois arrisca fazer parte de uma 'Operação Me Lavem, a Jato', para excluir quem 'não interessa' politicamente ver atingido pelo escândalo" <br clear="all"> GUSTAVO LIMA/Câmara:

Do Tijolaço

O deputado Eduardo Cunha anunciou que um áudio "grampeado" estaria sendo preparado para incriminá-lo nos casos de corrupção da turma do Paulo Roberto Cunha e Alberto Yousseff.

Diz ele que preparado dentro da Polícia Federal.

Quem o escutar verá que tem toda a pinta de armação, mesmo, pois os personagens falam de forma inverossímil.

De qualquer forma, será fácil identificar a origem, tanto da gravação quanto das vozes que ela registra, se o deputado informar quem lhe passou a "muamba" policial.

Se a der.

Porque a gravação parece seguir um roteiro "encomendado" para se mostrar mesmo uma armação.

O que existe contra o deputado é a confissão, com todas formalidades a legitimá-la, de um policial federal que admite que fazia entregas de dinheiro a políticos e empreiteiros.

E a favor do deputado a declaração do advogado de Yousseff que sempre se apressa a negar qualquer detalhe que envolva políticos que fazem oposição ao Governo, mas que é esquivo e concorda, silenciosamente, com qualquer menção a governistas.

A gravação deve ser vista com o maior cuidado, pois arrisca fazer parte de uma "Operação Me Lavem, a Jato", para excluir quem "não interessa" politicamente ver atingido pelo escândalo.

E, por tudo que se tem visto, não está longe da Polícia Federal e do Ministério Público o ninho de quem pretende fazer este tipo de "blindagem".

É difícil acreditar que, se o esquema envolvia o PMDB, pudesse passar ao largo de seu homem-forte, que todo mundo sabe em Brasília ter um atilado faro para oportunidades de, digamos, obter sustentação.

Ouça aqui e veja que coisa suspeita.

 

Mídia Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 11:48:39 +0000 http://www.brasil247.com/167311
França vai gastar US$ 463 mi contra ataques terroristas http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167314 REUTERS/Philippe Wojazer: Primeiro-ministro francês, Manuel Valls, em entrevista coletiva no Palácio do Eliseu. 21/01/2015 REUTERS/Philippe Wojazer Governo francês vai colocar em prática medidas de segurança para prevenir ataques em seu território e contratar mais pessoal para o trabalho contra jihadistas, anunciou o primeiro-ministro Manuel Valls; "A ameaça permanece muito alta", disse o premiê; país vai vigiar três mil pessoas <br clear="all"> REUTERS/Philippe Wojazer: Primeiro-ministro francês, Manuel Valls, em entrevista coletiva no Palácio do Eliseu. 21/01/2015 REUTERS/Philippe Wojazer

Da Agência Lusa

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, apresentou hoje (21) uma série de medidas antiterroristas, que vão custar 735 milhões de euros (cerca de R$ 2,2 bilhões) nos próximos três anos. Ele afirmou que atualmente os serviços de segurança precisam monitorar cerca de 3 mil pessoas.

"Hoje, é necessária a vigilância de quase 1,3 mil pessoas, franceses ou estrangeiros residentes na França, pelo seu envolvimento nas fileiras terroristas na Síria e no Iraque. É um aumento de 130% em um ano", disse Valls em coletiva de imprensa, duas semanas depois dos atentados de Paris. "A essas, juntam-se 400 a 500 pessoas envolvidas com grupos mais antigos ou com outros países, assim como os ativistas do ciberjihadismo francófono. Ao todo são quase 3 mil pessoas a vigiar", acrescentou.

As novas medidas preveem a criação de 2.680 empregos nos próximos três anos, 1,4 mil dos quais no Ministério do Interior, 950 no Ministério da Justiça e 250 no da Defesa, segundo o primeiro-ministro. A medida vai custar 425 milhões de euros em três anos em equipamento e funcionamento, valor que aumenta para 735 milhões de euros quando se incluem os salários. O gasto, segundo o primeiro-ministro, "vai ser compensado com economias no conjunto da despesa pública, ano após ano", disse Valls.

O primeiro-ministro anunciou igualmente o recrutamento de 60 imãs muçulmanos para atuar nas prisões, que se juntarão aos 182 já existentes. O governo vai lançar, "nos próximos dias, uma página na internet para informar o grande público sobre os meios de luta contra o recrutamento jihadista, principalmente de jovens", anunciou.

Valls disse ainda que, ao longo dos próximos três anos, "60 milhões de euros vão ser destinados à prevenção da radicalização". Uma proposta de lei sobre os serviços de informações vai ser debatida no Parlamento "no início de março", com vista a um "reforço sem precedentes dos meios" de atuação.

Hoje à tarde, o governo francês deverá anunciar também medidas no âmbito da educação, para reforçar o respeito pela laicidade, a diversidade e o espírito cívico na sociedade francesa.

Desde os atentados, vários incidentes foram registrados em escolas, sobretudo em bairros de forte presença muçulmana, em que alunos perturbaram homenagens às vítimas dos atentados, em alguns casos manifestando apoio ao jihadismo.

Estas medidas juntam-se às anunciadas pelo presidente francês, François Hollande, dias depois dos atentados, dirigidas sobretudo ao reforço da capacidade dos serviços de segurança. Elas incluíram a mobilização de 122 mil policiais, gendarmes (soldados de uma corporação especial encarregada de manter a ordem pública) e militares para a proteção de locais sensíveis e a suspensão da prevista redução de 2 mil efetivos no Exército até ao final de 2017.

Mundo Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 12:01:47 +0000 http://www.brasil247.com/167314
Tucanos (do racionamento) colam em Dilma apagão http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167298 : Texto intitulado "Dilma apaga o Brasil", do Instituto Teotonio Vilella, ligado ao PSDB, diz que o corte preventivo de energia determinado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) em pelo menos 10 estados e no Distrito Federal essa semana "tem nome e sobrenome: Dilma Rousseff"; partido presidido por Aécio Neves, que em 2001 e 2002, durante o governo de FHC, foi responsável pela chamada 'crise do apagão', marcada por cortes forçados de energia elétrica em todo o Brasil, diz que "a presidente da República é a responsável direta pela desastrada política em vigor" e afirma que "o racionamento de energia começou" <br clear="all"> :

247 – Líderes de uma crise do apagão em 2001 e 2002, durante o segundo mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os tucanos tentam agora colar o problema na presidente Dilma Rousseff. "O apagão que atingiu pelo menos 10 estados e o Distrito Federal (...) tem nome e sobrenome: Dilma Rousseff", diz trecho do texto do Instituto Teotonio Vilella, ligado ao PSDB. "A presidente da República é a responsável direta pela desastrada política em vigor, aprofundada em 2012, que levou o setor elétrico brasileiro para o buraco", prossegue a crítica.

O corte de energia determinado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) ocorreu preventivamente, de acordo com o próprio órgão, devido ao auto consumo de energia registrado nos dias de altas temperaturas. "Não foi apagão, foi um corte preventivo de carga feito pelo operador para evitar um desligamento de maiores proporções", disse o diretor-geral do Operador, Hermes Chipp. A medida evitou um "desastre maior" e um "colapso", na avaliação do diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) Reive Barros.

Ao criticar o atual cenário do setor energético, os tucanos preveem até mesmo desemprego pelas empresas que vem tendo que "parar suas linhas de montagem". "O parque gerador é incapaz de suprir a demanda, ainda mais agora no verão escaldante. Indústrias estão tendo que parar suas linhas de montagem; daqui a pouco, desempregam", diz o texto do ITV. O artigo aponta ainda que "as obras de expansão do parque gerador são insuficientes" e que "59% dos projetos de transmissão do país estão atrasados". Um dos motivos para a crise do apagão em 2001, sob o governo FHC, foi a falta de investimentos no setor.

Poder Gisele Federicce Wed, 21 Jan 2015 10:49:08 +0000 http://www.brasil247.com/167298
Pimentel quer consulta popular sobre o metrô http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167302 : O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, pretende lançar uma consulta popular com o objetivo de ouvir moradores da Região Metropolitana de Belo Horizonte sobre quais regiões devem receber os novos trechos do metrô; consulta pode ser feita em um prazo de três a seis meses; gestão do petista tem praticado uma série de ações que reforçam a tônica anunciada para sua administração: governar com a participação popular <br clear="all"> :

Minas 247 - O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), propõe lançar uma consulta popular com o objetivo de ouvir moradores da Região Metropolitana de Belo Horizonte sobre quais regiões devem receber os novos trechos do metrô. A consulta, de acordo com o governo estadual, pode ser feita em um prazo de três a seis meses.

De acordo com a assessoria de Pimentel, está marcada para fevereiro uma reunião sobre o tema entre representantes do governo mineiro e do Ministério das Cidades, responsável pelos investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – Mobilidade Grandes Cidades.

Com a proposta de ouvir a população, mote anunciado na campanha, é possível que a gestão do petista tenha que buscar uma nova fonte de recursos para reiniciar o processo de ampliação das linhas de metrô.

Além das duas novas linhas – Savassi/Lagoinha e Barreiro/Nova Suíça - no projeto de ampliação que havia sido aprovado pelo Ministério das Cidades está prevista a implantação de 11 terminais de ônibus que fariam a integração de cidades da região metropolitana de BH com o Centro da capital. São três em Contagem, dois em Santa Luzia, dois em Ribeirão da Neves e um em cada um dos municípios de Ibirité, Sabará, Vespasiano e Sarzedo.

Em relação ao cronograma inicial para Belo Horizonte, as obras estavam previstas para começar no início de 2013, mas até o momento os únicos avanços aconteceram na elaboração dos projetos executivos.

As obras

A proposta de expansão do metrô de Belo Horizonte foi incluída no início de 2012 na lista das selecionadas para o PAC. O governo federal reservou um montante de R$ 3,1 bilhões para a obra, sendo R$ 1 bilhão da União, R$ 1,2 bilhão o governo estadual e da prefeitura, e cerca de R$ 900 milhões, da iniciativa privada.

O pontapé inicial para a obra ocorreu em abril de 2013, quando a presidente Dilma Rousseff e o então governador Antonio Anastasia (PSDB) assinaram a transferência de R$ 60 milhões para os cofres estaduais, dinheiro que foi gasto na elaboração dos projetos executivos. O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, tinha iniciado o processo, em 2012, com mais de 150 perfurações em vários quarteirões do centro da capital para levantar as características do solo que receberia uma das novas linhas.

No ano passado, foram apresentados os primeiros projetos executivos para a construção do trecho de 4,5 quilômetros, entre a Região da Savassi e a Estação Lagoinha. O projeto foi enviado ao Ministério das Cidades e à Caixa Econômica Federal, mas a equipe técnica da pasta apontou falhas técnicas e devolveu a proposta ao governo mineiro - comandado pelo tucano.

Veja, agora, os projetos aprovados no PAC – Mobilidade Grandes Cidades, conforme o próprio ministério, e que podem ser revisados pelo governo de Minas:

Linha 1 (Eldorado/Vilarinho)

- Construção de um novo trecho de 1,8km da estação Eldorado até a nova estação Novo Eldorado

- Construção de duas estações: Novo Eldorado e Nova Suíça

- Revitalização dos 28,2km da linha

- Reforma no pátio de manutenção São Gabriel

- Elaboração de estudos para a ampliação até Betim

Linha 2 (Barreiro/Nova Suíça)

- Implantação do trecho de 7km entre Barreiro e Nova Suíça

- Construção de sete estações

- Obras de arte especiais: viadutos ferroviários e rodoviários

- Construção de uma oficina de apoio

Linha 3 (Savassi/Lagoinha)

- Implantação do trecho de 4,5km entre Savassi/Lagoinha via Rua Pernambuco

- Construção de quatro estações subterrâneas

- Ampliação da Estação Lagoinha

- Centro de Manutenção (futura estação Senai)

- Aquisição de veículos

 
Minas 247 Leonardo Lucena Wed, 21 Jan 2015 11:27:00 +0000 http://www.brasil247.com/167302
Lula reage e processará criador de falso câncer http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167252 : Ex-presidente Lula entrou com uma interpelação judicial contra o jornalista Leandro Mazzini, no Fórum Criminal de SP, por publicar em sua coluna a falsa notícia de que ele teria feito um tratamento sigiloso no Hospital Sírio-Libanês contra um câncer no pâncreas no início de 2014; ele pede ainda esclarecimentos sobre dados como o suposto uso do medicamento Bevacizumab; informação do UOL foi reproduzida nos veículos do Grupo Folha; Instituto Lula classificou o texto de Mazzini como 'peça de ficção' <br clear="all"> :

247 – O ex-presidente Lula levou à Justiça o caso da falsa notícia divulgada pelo UOL sobre a volta de seu câncer. Segundo a colunista Mônica Bergamo, Lula ingressou nesta segunda (19) com interpelação judicial contra o jornalista Leandro Mazzini que publicou em sua coluna "Esplanada" a informação de que ele teria feito um tratamento sigiloso no Hospital Sírio-Libanês contra um câncer no pâncreas no início de 2014. A notícia foi reproduzida em jornais do Grupo Folha.

O texto dizia ainda que o “ex-presidente não faz tratamento intensivo no hospital – onde se curou do primeiro câncer – porque estaria tomando diariamente um medicamento importado dos Estados Unidos, que custa cerca de R$ 30 mil por mês (ainda não comercializado no Brasil). Seria sob o princípio do Bevacizumab, com uma versão mais recente e potente do popular Avastin, que ameniza o quadro clínico e a dor, e evita a quimioterapia”.

Advogados de Lula declaram que “o jornalista faltou com a verdade” e pedem, na medida protocolada no Fórum Criminal de SP, esclarecimentos sobre a citação do medicamento. "O remédio não é usado ou recomendado pela literatura médica para tratamento de câncer." 

Em nota, o Instituto Lula também reagiu à publicação e classificou o texto de Mazzini como 'peça de ficção'.

O jornalista, no entanto, insiste no conteúdo da coluna. "Confio nas minhas fontes, e todos foram procurados antes da publicação e preferiram não falar", afirma o jornalista (leia aqui).

Brasil Roberta Namour Wed, 21 Jan 2015 05:08:04 +0000 http://www.brasil247.com/167252
Vannuchi: 'Marta foi sórdida ao expor Lula' http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167253 : Segundo o ex-ministro Direitos Humanos Paulo Vannuchi, Marta Suplicy foi “sórdida” ao expor o ex-presidente Lula publicamente na versão de que, no fundo, é o grande adversário da presidente Dilma Rousseff: "A manobra de Marta é sórdida porque deixa para Lula duas opções: ou a de ficar quieto, e, ao ficar quieto, deixa a mídia alimentar que tudo o que ela fala é verdade; ou Lula se rebaixa, rigorosamente se rebaixa, e vem a público dizer 'olha, a Marta não me entendeu bem, nunca disse isso'"; segundo ele, a nomeação de Gabriel Chalita no governo Haddad, em SP, foi uma 'jogada brilhante' que fechou a porta para o maior interesse de Marta agora, que era se filiar ao PMDB <br clear="all"> :

247 – O diretor do Instituto Lula Paulo Vannuchi criticou a postura da senadora Marta Suplicy (PT-SP), que criticou lideranças petistas em entrevista à jornalista Eliane Cantanhêde.

Segundo o ex-ministro Direitos Humanos, Marta foi “sórdida” ao expor o ex-presidente Lula: "O elemento sórdido –sem dúvida é um elemento sórdido, condenável, inaceitável da entrevista de Marta– [...] foi expor Lula publicamente na versão de que o Lula, no fundo, é o grande adversário da [presidente] Dilma [Rousseff]", disse Vannuchi.

Dentre as declarações mais fortes na entrevista estão as que Marta diz ter ouvido Lula criticar Dilma em um jantar organizado por ela com empresários: "entrou nas críticas" e "decepava [sic] ela [Dilma]".

"A manobra de Marta é sórdida porque deixa para Lula duas opções: ou a de ficar quieto, e, ao ficar quieto, deixa a mídia alimentar que tudo o que ela fala é verdade; ou Lula se rebaixa, rigorosamente se rebaixa, e vem a público dizer 'olha, a Marta não me entendeu bem, nunca disse isso'".

Para Vannuchi, Lula acertou ao não se colocar no “mesmo nível de Marta, muito menos nesse momento de atitudes sórdidas".

Segundo ele, a senadora agiu assim porque quer se candidatar à Prefeitura de São Paulo em 2016 e "deve ter se sentido desestabilizada" com nomeação do deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP) para a secretaria de Educação do prefeito Fernando Haddad (PT). ‘A jogada brilhante fechou a porta para o maior interesse de Marta agora, que era se filiar ao PMDB’, completou.

Leia aqui reportagem de Ricardo Mendonça sobre o assunto.

Poder Roberta Namour Wed, 21 Jan 2015 05:14:44 +0000 http://www.brasil247.com/167253
Goldman convoca golpe e o chama de 'transição democrática' http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167262 : Vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman voltou a afirmar que presidente Dilma Rousseff não teria condições de terminar mandato; “Como e quando será possível uma transição democrática, supondo que a situação não possa ser mantida pelos 4 anos desse mandato. Essa é a questão posta para a oposição e para as forças democráticas do País. É a nossa tarefa”, escreveu o ex-governador de São Paulo, ao propor um atalho golpista para a oposição <br clear="all"> :

247 – Em seu blog, Alberto Goldman, vice-presidente do PSDB, voltou a defender o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ele convoca a oposição para fazer a ‘transição democrática’. Leia:

Um governo que se apaga. E a oposição, o que fazer?

O que vai sobrar do governo Dilma? O que vai sobrar da presidente?

Cada dia que passa, nesse primeiro ano do governo da reeleição, o quadro se desenha mais grave.

Esta semana, então, que só está começando, parece o fim do mundo. Chegou o apagão. Sim aquele mesmo que nunca viria, promessa de Dilma. Ah, sim, existem razões objetivas para isso, o calor e a seca não são de rua responsabilidade. Mas é de sua responsabilidade a desestruturação total do setor elétrico, promovida para que se pudesse apresentar, antes das eleições, um tarifa de energia elétrica mais baixa.

O setor entrou em crise, até hoje tem mundos de dinheiro a receber, do governo e, em consequência, dos usuários, o que o levou a apertar custos de manutenção e a adiar investimentos. Está em stress permanente. Apesar da nossa indústria estar andando para trás, ainda assim o Operador Nacional do Sistema elétrico pediu aos grandes consumidores que diminuíssem a demanda. Se tivéssemos algum crescimento econômico o apagão seria muito mais geral e profundo.

Mas o governo está sob um apagão permanente. E não será a equipe de resgate ( Joaquim Levy e companhia ) que vai tirá-la da UTI. Vão usando todos os remédios que Dilma disse que não usaria, contra os pensionistas, contra os desempregados, contra as conquistas trabalhistas. Vão aumentar impostos, a Cide, o Pis/Cofins, o IOF, aumentar tarifas de serviços públicos, aumentar a taxa básica dos juros. Tudo isso é paliativo para chegar aos míseros 1,2% do PIB de superávit nas contas públicas ( apenas 66 bilhões para pagar uma dívida que cresce 240 bilhões em um ano ). Os investimentos continuam baixos, a inflação alta, os juros altos, a criação de postos de emprego baixa, o comércio e o consumo em baixa, a credibilidade e o crescimento empatados em zero.

Não é só. As investigações em diversas áreas do governo, em especial na Petrobras, mostram uma total deterioração do governo e dos partidos que o sustentam. Diretores são presos e processados, e se acusam uns aos outros. Até o ex diretor,Nestor Cerveró, que tinha dado uma de fortaleza, já perguntou porque ele está preso e a Graça Foster não. O Sergio Gabrielli que era o presidente da empresa, acusado por diretores, diz que não sabia de nada (?), e já está apontando para a ex presidente do Conselho, a Dilma Rousseff.

É um Deus nos acuda, um salve-se quem puder.

E o que sobra de Dilma e de seu governo? Como vai resistir quatro anos em um quadro de superação difícil, se não impossível. Como e quando será possível uma transição democrática, supondo que a situação não possa ser mantida pelos 4 anos desse mandato.

Essa é a questão posta para a oposição e para as forças democráticas do País. É a nossa tarefa.

 

Poder Roberta Namour Wed, 21 Jan 2015 05:50:30 +0000 http://www.brasil247.com/167262
ONU se une ao Brasil contra barbárie indonésia http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167224 : A Organização das Nações Unidas apelou, nesta terça-feira, ao governo da Indonésia para que restabeleça uma moratória suspendendo as execuções de condenados à pena de morte e faça uma “revisão completa” de todos os pedidos de clemência; por meio da porta-voz para Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, a ONU criticou a execução, no fim de semana passado, de seis condenados por tráfico de drogas, entre eles o brasileiro Marco Archer, apesar de vários apelos nacionais e internacionais; agora, o governo da presidente Dilma Rousseff tenta salvar outro brasileiro, Rodrigo Gularte, do corredor da morte; gestões do Itamaraty, criticadas no Brasil, já receberam apoio da Holanda, da Austrália e agora da ONU <br clear="all"> :
Danilo Macedo - Repórter da Agência Brasil 

A ONU apelou hoje (20) ao governo da Indonésia para que restabeleça uma moratória suspendendo as execuções de condenados à pena de morte e faça uma “revisão completa” de todos os pedidos de clemência na direção da comutação das penas. Por meio de sua porta-voz para Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, a ONU criticou a execução, no fim de semana passado, de seis condenados por tráfico de drogas na Indonésia, entre eles o brasileiro Marco Archer, apesar de vários apelos nacionais e internacionais.

Segundo Ravina, a ONU está preocupada com o respeito aos processos penais no país após o presidente da Indonésia, Joko Widodo, afirmar publicamente que rejeitará todos os pedidos de clemência para crimes relacionados a drogas, como fez negando o pedido da presidenta Dilma Rousseff para a substituição da pena dos dois brasileiros presos no país, um deles, Marco Archer, executado no sábado (17). No corredor da morte indonésio há mais de 60 condenados à morte por tráfico de drogas.

“De acordo com o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, que a Indonésia ratificou, 'qualquer pessoa condenada à morte terá o direito de pedir indulto ou comutação da pena'”, ressaltou a porta-voz da ONU. “Instamos as autoridades indonésias a restabelecer uma moratória sobre a pena de morte e proceder a uma revisão completa de todos os pedidos de perdão para a comutação da pena”.

No Sudeste da Ásia, a pena de morte é prevista para os crimes relacionados a drogas na Indonésia, Malásia, Tailândia, Cingapura e Vietnã, onde oito pessoas foram condenadas hoje à pena capital por tráfico de heroína. A ONU também apelou ao Vietnã para considerar a eliminação da pena de morte para crimes relacionados a drogas e não realizar as execuções. Outros países da região, embora tenham leis similares, não praticam execuções, como é o caso do Brunei, desde 1957, do Laos, desde 1989, e de Mianmar, desde 1988.

A ONU ressalta que, de acordo com a jurisprudência internacional dos direitos humanos, a pena de morte só pode ser aplicada ao crime de assassinato. Após a execução de Marco Archer, o governo brasileiro chamou a Brasília, para consultas, seu embaixador em Jacarta, gesto diplomático em reprovação à decisão do governo indonésio. Ontem, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, disse que o país fará todo o possível para evitar que o outro brasileiro no corredor da morte, Rodrigo Gularte, também seja executado.

Mundo Leonardo Attuch Tue, 20 Jan 2015 17:41:45 +0000 http://www.brasil247.com/167224
Aécio: oposição vai se mobilizar contra aumento de impostos http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167221 : Brasília, 23-11-2011. Foto George Gianni / PSDB.
Senador Aécio Neves durante entrevista em seu gabinete no Senado Federal. Em nota, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, acusa a presidente Dilma Rousseff de trair os compromissos assumidos com a população durante a campanha e diz que "o PT está fazendo o que falsamente disse que a oposição faria"; com críticas ao apagão e ao anúncio de medidas econômicas de ontem, tucano diz que "a oposição vai se mobilizar no Congresso Nacional para impedir que medidas que penalizam parcelas expressivas da população, em especial o trabalhador brasileiro, sejam implantadas" <br clear="all"> : Brasília, 23-11-2011. Foto George Gianni / PSDB.
Senador Aécio Neves durante entrevista em seu gabinete no Senado Federal.

247 - O presidente do PSDB, Aécio Neves, disse em nota nesta terça-feira 20 que a presidente Dilma Rousseff tem traído os compromissos assumidos com a população durante a campanha eleitoral ao anunciar aumento de impostos, anunciado ontem pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, e pelo veto presidencial do reajuste da tabela do imposto de renda.

"O brasileiro tem sido a grande vítima da incompetência e das contradições do governo do PT. Ontem, o país foi vítima de um grande apagão de energia e surpreendido com o anúncio de aumentos de impostos", criticou Aécio, que ficou em segundo lugar na disputa presidencial. Segundo ele, "o PT está fazendo o que falsamente disse que a oposição faria". Leia abaixo:

Nota PSDB Nacional

A presidente Dilma inicia o seu novo mandato cortando direitos trabalhistas e aumentando impostos. Com isso, trai os compromissos assumidos com a população durante a campanha eleitoral.

Hoje, a presidente vetou o reajuste de 6,5% da tabela do Imposto de Renda para Pessoa Física (IRPF) que havia sido aprovada no Congresso Nacional com o objetivo de garantir a correção da tabela pela inflação. Na prática, isso significa que o governo está aumentando o imposto de renda a ser pago pelos brasileiros.

O brasileiro tem sido a grande vítima da incompetência e das contradições do governo do PT.

Ontem, o país foi vítima de um grande apagão de energia e surpreendido com o anúncio de aumentos de impostos.

O pacote de medidas anunciado pelo governo aumentará o preço de combustível, cosméticos, produtos importados e operação de créditos. Trata-se de mais um exemplo do estelionato praticado na campanha eleitoral para reeleger a presidente. Os discursos e programas de TV do PT abusaram do terrorismo político, afirmando que a oposição promoveria arrocho, aumento de impostos e redução dos benefícios sociais. Não era verdade. O PT está fazendo o que falsamente disse que a oposição faria.

É inaceitável que medidas dessa magnitude, que afetarão a vida de milhões de famílias, sejam tomadas sem nenhum debate com a sociedade.

A oposição vai se mobilizar no Congresso Nacional para impedir que medidas que penalizam parcelas expressivas da população, em especial o trabalhador brasileiro, sejam implantadas.

Senador Aécio Neves

Presidente Nacional do PSDB

Minas 247 Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 17:41:31 +0000 http://www.brasil247.com/167221
Indonésia deporta repórter e cinegrafista da Globo http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167227 : No país para acompanhar a execução do brasileiro Marco Archer, condenado por tráfico, o repórter Márcio Gomes e um cinegrafista foram detidos no sábado na cidade de Cilacap e liberados depois; os passaportes, porém, ficaram retidos; a dupla foi transportada pela polícia para a capital, Jacarta, nesta segunda, de onde viajam para Tóquio, onde o repórter atua como correspondente <br clear="all"> :

247 – O governo da Indonésia deportou o repórter da Globo Márcio Gomes e um cinegrafista, que estavam no país para acompanhar a execução do brasileiro Marco Archer, condenado por tráfico de cocaína e fuzilado por determinação da justiça do país.

Os dois chegaram a ser detidos no sábado na cidade de Cilacap e liberados depois, mas seus passaportes continuaram retidos. O repórter entrou no país com visto de turista. A Folha de S. Paulo informou que sua reportagem também foi ameaçada de deportação.

Acompanhada da polícia, a dupla foi transportada nesta segunda-feira 19 para a capital, Jacarta, de onde partiria para Tóquio, onde o jornalista atua como correspondente.

Mídia Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 18:19:47 +0000 http://www.brasil247.com/167227
França deve enfrentar “apartheid social e étnico” http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167226 REUTERS/Christian Hartmann: Primeiro-ministro francês Manuel Valls segura uma cópia do semanário Charlie Hebdo ao deixar encontro do gabinete em Paris.  14/01/ 2015.  REUTERS/Christian Hartmann  ( Afirmação é do primeiro-ministro francês, Manuel Valls, uma das acusações mais duras de um membro do governo à sociedade francesa; "Estes últimos dias enfatizaram muito do mal que corrói nosso país e dos desafios para os quais temos que estar à altura", declarou Valls em uma mensagem de ano novo à imprensa <br clear="all"> REUTERS/Christian Hartmann: Primeiro-ministro francês Manuel Valls segura uma cópia do semanário Charlie Hebdo ao deixar encontro do gabinete em Paris.  14/01/ 2015.  REUTERS/Christian Hartmann  (

PARIS (Reuters) - Os assassinatos cometidos por muçulmanos que cresceram na França chamou a atenção para o "apartheid geográfico, social e étnico" do país, disse o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, nesta terça-feira, uma das acusações mais duras de um membro do governo à sociedade francesa.

Os atentados no início do mês ao jornal semanal Charlie Hebdo e a um supermercado judeu em Paris mergulharam a França em um verdadeiro debate existencial para avaliar como os três atiradores se radicalizaram e como evitar uma repetição dos episódios de violência que fizeram 17 vítimas fatais.

"Estes últimos dias enfatizaram muito do mal que corrói nosso país e dos desafios para os quais temos que estar à altura", declarou Valls em uma mensagem de ano novo à imprensa.

"Temos que olhar todas as divisões, as tensões que vêm ocorrendo há anos... a negligência dos subúrbios, os guetos, a penúria social", afirmou. "Um apartheid geográfico, social e étnico se estabeleceu em nosso país".

Os bairros degradados ecoam muitas cidades francesas, frequentemente povoadas por brancos e negros pobres e pessoas de ascendência do Norte da África, que se sentem marginalizadas na sociedade convencional. Ainda assim, é raro um líder francês, mesmo dos governistas do Partido Socialista, pintar um quadro de desigualdade em termos tão contundentes.

Os três assassinos tinham descendência argelina e africana, o que levou membros da ultradireitista Frente Nacional a reforçar os discursos em favor da redução na imigração – um argumento que o governo rejeitou.

Tumultos irromperam em muitos dos subúrbios franceses, vistos como barris de pólvora, em 2005, e sacudiram regiões empobrecidas em intervalos regulares na última década.

É frequente se atribuir os distúrbios a uma combinação de alto desemprego nessas localidades, que chega a 40 por cento, discriminação racial e policiamento percebido como hostil.

O governo francês deve divulgar nestas semana propostas para lidar com temas que vão da segurança à educação e às políticas urbanas.

Embora políticos de todos os partidos situacionistas tenham prometido enfrentar os problemas ao longo dos últimos 30 anos, o fracasso de tais esforços deixou um sentimento crescente de desespero e isolamento que alimentou a radicalização.

"Fazer reformas significa combater incansavelmente as desigualdades", disse Valls. "Temos que lutar todos os dias com esse sentimento terrível de que há cidadãos de segunda classe ou pessoas que são mais importantes que outras".

(Por John Irish e Elizabeth Pineau)

Mundo Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 18:01:44 +0000 http://www.brasil247.com/167226
As responsabilidades da França no caso Charlie http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167170 : Professor Salém Nassar, da Fundação Getúlio Vargas e presidente do Instituto de Cultura Árabe, em São Paulo, ressalta, em entrevista a Paulo Moreira Leite, erros ao colocar a responsabilidade dos crimes exclusivamente no Islã; "A França é responsável, duplamente, pela prevenção dos crimes em primeiro lugar, e pela integração efetiva da população islâmica no seu tecido social", diz; estudioso afirma que versão oficial de que autores foram os dois irmãos "é tocada por várias dúvidas ainda por resolver" e coloca até que "não é impossível pensar, para quem acreditar que houve uma inflexão recente na política francesa em favor da Palestina, que o ataque servirá a colocar os ponteiros de novo na direção do favorecimento de Israel" <br clear="all"> :

247 – Um ponto de vista que foge do pensamento único dos últimos dias sobre o ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo, que deixou 12 mortos, é exposto pelo professor da Fundação Getúlio Vargas Salém Nassar, presidente do Instituto de Cultura Árabe, em São Paulo, em entrevista ao blog do jornalista Paulo Moreira Leite no 247. Ele destaca erros em colocar a responsabilidade dos crimes exclusivamente no Islã e traz à tona também as responsabilidades do governo francês no episódio.

"A França é responsável, duplamente, pela prevenção dos crimes em primeiro lugar, e pela integração efetiva da população islâmica no seu tecido social", defende. "E isto para não dizer nada da responsabilidade que resulta do passado colonial e que faz da França devedora em relação às antigas colônias, em relação aos imigrantes e em relação aos franceses descendentes de imigrantes", acrescenta.

Ele afirma que a versão oficial sobre a autoria do ataque, que seria dos irmãos Kouachi, de origem argelina, "descansa sobre uma conclusão básica portadora de graves consequências: a existência no ocidente de células dormentes do terror islâmico". Segundo ele, "essa versão é tocada por várias dúvidas ainda por resolver", mas, "sendo verdadeira, e na medida em que esse tipo de célula existe, o desafio seria entender a coisa pelo que ela de fato seria: antes de ser um confronto entre ocidente e Islã, tratar-se-ia de um tipo específico de criminalidade que demanda medidas específicas de trabalho policial e de inteligência".

Em outro trecho da entrevista, Nassar aponta que "o problema, em tudo que respeita ao chamado terrorismo e à chamada guerra contra o terror, é que aqui o envolvimento dos serviços de inteligência ou dos serviços secretos não é, como se poderia imaginar, exclusivamente o de prevenir o terror e a violência. Muitas vezes, ao contrário, a função desses serviços é o de justamente manipular e instrumentalizar a violência e o terror, e pô-los a serviço de agendas determinadas".

De acordo com o estudioso, é preciso analisar os verdadeiros propósitos que levaram ao ataque e trouxeram tantas consequências. "Se, neste caso, a autoria se circunscreve aos irmãos franceses, então é possível que o propósito fosse mais banal: a vingança pela sátira ao profeta, por exemplo", sugere. Ele afirma até que "não é impossível pensar, para quem acreditar que houve uma inflexão recente na política francesa em favor da Palestina, que o ataque servirá a colocar os ponteiros de novo na direção do favorecimento de Israel. Não posso, como disse, afirmar que sei, mas sei que muitas coisas são possíveis e que nós só estamos enxergando a casca".

Leia aqui a íntegra da entrevista.

Mundo Felipe L. Goncalves Tue, 20 Jan 2015 15:12:42 +0000 http://www.brasil247.com/167170
Tereza Cruvinel questiona valentia de Cameron http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167211 : Colunista Tereza Cruvinel questiona a crítica feita pelo primeiro-ministro inglês David Cameron ao papa Francisco; Cameron considerou a liberdade de expressão um direito absoluto, que garantiria à imprensa inclusive a possibilidade de insultar religiões; "Na terra do valente Cameron, a mídia eletrônica é regulada pelo Office of Communications e a mídia impressa observa regras de auto-regulação. Depois das escutas telefônicas do jornal News of the World, passou a enfrentar cobranças da sociedade civil para que seja também subordinada a uma regulação estatutária mais severa. O que ele disse, em visita a Obama, não está de acordo nem com as normas nem com as tradições de seu país", afirma Tereza <br clear="all"> :

Por Tereza Cruvinel

Em entrevista à rede de TV americana CBS, o primeiro ministro britânico David Cameron criticou no domingo o Papa Francisco por ter dito que a liberdade de expressão é um direito fundamental mas não permite “insultos à fé dos outros”. Na Inglaterra de Cameron, entretanto, não há veículos  em cruzada contra Maomé e nenhum deles republicou as charges do Charlie Hebdo, como fizeram outros tantos mundo afora, que precederam os atentados de Paris.

Na terra do valente Cameron, a mídia eletrônica é regulada pelo Office of Communications e a mídia impressa observa regras de auto-regulação. Depois das escutas telefônicas do jornal News of the World, passou a enfrentar cobranças da sociedade civil para que seja também subordinada a uma regulação estatutária mais severa. O que ele disse, em visita a Obama, não está de acordo nem com as normas nem com as tradições de seu país.

“Acredito que em uma sociedade livre há o direito de ser ofensivo com a religião dos outros. Eu sou cristão. Se alguém diz em algum momento algo ofensivo sobre Jesus posso achar ofensivo, mas em uma sociedade livre não tenho o direito de pedir vingança”

Sua obrigação como governante, disse ainda, não é dizer o que pode ou não ser publicado mas fazer com as leis sejam cumpridas. Certo. Dizer o que pode ou não ser publicado é censura. Outra coisa é fazer com que sejam observados os princípios legais e normativos, como os que existem em seu pais, onde não existe a tradição de ofender a fé dos outros. Nem a de acusar sem provas quem ainda não foi julgado.

Mundo Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 16:53:49 +0000 http://www.brasil247.com/167211
Cunha publica áudio e diz ser vítima de armação da PF http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/167202 : Líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) afirma ter pedido ao Ministério da Justiça investigação sobre a autoria e a veracidade de uma gravação, segundo ele forjada, de uma conversa telefônica envolvendo seu nome; de acordo com o deputado, o objetivo seria prejudicar sua candidatura à presidência da Câmara; Cunha ressalta não ter acusado o governo "de nada", e sim pedido a investigação sobre a nova "alopragem"; no diálogo, um suposto agente da PF diz ter sido abandonado por Cunha; seu interlocutor, suposto aliado do peemedebista, assegura que ele será recompensado <br clear="all"> :

Rio 247 – O líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirma ser alvo de uma gravação falsa da Polícia Federal, que tinha o objetivo, segundo ele, de prejudicar sua candidatura à presidência da Câmara. O parlamentar convocou jornalistas hoje, em Brasília, para divulgar o áudio, que tem três minutos e meio

O deputado diz ter protocolado um requerimento junto ao Ministério da Justiça solicitando a abertura de inquérito para investigar a autoria e a veracidade da gravação, que mostra uma suposta conversa telefônica entre dois homens, de um lado, um suposto aliado de Cunha, e de outro um suposto policial.

Segundo Cunha, o áudio chegou até ele de forma anônima. Na conversa, o suposto policial cita o nome do deputado mais de uma vez e ameaça divulgar tudo o que sabe contra o peemedebista caso seja "abandonado" e não receba dinheiro. O interlocutor tenta acalmá-lo e promete que ele será remunerado.

"O Cunha está lá tentando ganhar a Presidência, subindo, subindo, e os amigos dele sendo esquecidos. Não posso ser esquecido", diz o suposto agente da Polícia Federal. "Tenha paciência. Você sabe que a amizade nós temos. Não se preocupe, tenha calma. Tenha tranquilidade que você pode ser remunerado", diz o interlocutor.

Cunha disse que quem lhe passou o áudio informou os nomes dos envolvidos na montagem do áudio dentro da PF, informações repassadas por ele para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Pelo Twitter, ele disse não ter acusado o governo, pois não tem certeza, por isso pediu a investigação. Leia abaixo: 

 

A Polícia Federal vai investigar o caso. Leia abaixo na reportagem da Agência Brasil:

PF vai investigar gravação que tenta chantagear Eduardo Cunha

Luciano Nascimento - O ministro da Justiça em execício, Marivaldo Pereira, encaminhou hoje (20) à Polícia Federal (PF) cópia de uma gravação que tenta comprometer o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) com chantagem. A gravação, com duração de três minutos e meio, foi entreguie ao próprio parlamentar, em seu escritório do Rio de Janeiro, no último sábado (17), por uma pessoa que se disse da PF. Na gravação um suposto amigo do deputado menciona que poderia revelar informações comprometedoras do líder do PMDB e candidato à presidência da Câmara dos Deputados.

Em conversa com jornalistas, Eduardo Cunha disse que sentiu na ação mais uma tentativa de oposicionistas que querem prejudicar sua candidatura. Razão pela qual contatou imediatamente o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que está em viagem fora do país. Segundo ele, Cardozo manifestou indignação e lhe disse que ordenaria a abertura de investigação, o que foi feito hoje pelo ministro em exercício, que encaminhou o material com recomendação de "apuração e providências cabíveis" da PF.

De acordo com a gravação divulgada por Eduardo Cunha, o suposto policial da conversa menciona que fora sondado pelo seu delegado e acrescenta que "o negócio está ficando feio". Ameaça, então, que se for abandonado, abre o jogo, e se queixa que "está todo mundo enchendo a burra de dinheiro e eu estou abandonado e duro, sem grana". Em outro trecho cita que "o Cunha tá lá tentando a presidência [da Câmara] e os amigos estão ficando esquecidos".

Em seguida, o contato que se apresenta como aliado do deputado fluminense pede paciência e diz que o interlocutor será remunerado: "Não se preocupe com a questão financeira, tenha paciência. (...) Tenha tranquilidade que você vai ser remunerado, o dinheiro vai chegar em suas mãos". A gravação termina com as duas pessoas tentando marcar um encontro.

Cunha classificou a gravação com uma "alopragem" com o objetivo de criar embaraços à sua candidatura. "Estão tentando montar outra denúncia, que tem o constrangimento de tentar atrapalhar a minha candidatura à presidência da Câmara", disse ele. Para o líder do PMDB, a intenção da gravação seria dar a entender que o reclamante da conversa era o policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho, o Careca, que em depoimento na Operação Lava Jato disse que entregara dinheiro, a mando de Alberto Youssef, em uma casa no Rio de Janeiro, pertencente a Cunha. Fato negadao posteriormente pelo advogado de Youssef.

Além de Eduardo Cunha, também concorrem à presidência da Câmara os deputados Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Júlio Delgado (PSB-MG), em eleição marcada para o dia 1º de fevereiro, na abertura do exercício legislativo de 2015.

Rio 247 Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 15:47:26 +0000 http://www.brasil247.com/167202
Ação da ONS evitou 'desastre maior', diz diretor da Aneel http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167192 : Impactos do apagão desta segunda-feira poderiam ter sido ainda maiores se não houvesse uma rápida atuação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), disse nesta terça-feira 20 o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Reive Barros; segundo ele, o corte de carga é feito para que as usinas não entrem em colapso <br clear="all"> :

247 – A do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), que determinou ontem que distribuidoras cortassem carga de energia, o que causou um apagão em dez estados e no Distrito Federal, ajudou a prevenir que houvesse um colapso, afirmou nesta terça-feira o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Reive Barros.

Ele explica que o corte de energia determinado às distribuidoras foi feito de forma preventiva, por meio de um processo manual, quando observado um recorde de consumo. O corte, disse ele, foi feito de forma preventiva, por meio de um processo manual. "O processo automático seria em um estágio um pouco maior", afirmou.

O corte de carga, prosseguiu Barros, é feito para que as usinas não entrem em colapso. "Quando a capacidade de produção é inferior ao consumo, você tem problema de baixa de frequência, o que pode gerar colapso nas usinas", detalhou. "Uma coisa é você desligar com controle, outra coisa é você perder o controle e perder todas as usinas. Nesse cenário, o desastre seria maior".

Ele reconheceu que o País vive um momento de queda nos reservatórios das hidrelétricas e elevado consumo, devido às altas temperaturas no verão, e admitiu que as linhas de transmissão estão operando no limite de capacidade devido à transferência de grandes blocos de energia de uma região para outra.

Brasil Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 14:30:37 +0000 http://www.brasil247.com/167192
Legado da Copa: Fifa vai investir US$ 100 milhões no futebol brasileiro http://www.brasil247.com/pt/247/esporte/167195 : Recursos são do Fundo de Legado da Copa do Mundo de 2014 e serão direcionados para os 15 estados que não sediaram o mundial; a maior parte do montante (60%) será destinada para obras de infraestrutura e 30% para apoio de atletas em formação (categorias de base) e do futebol feminino; secretário-geral, Jérôme Valcke, informou que os investimentos fazem parte do compromisso da Fifa com o desenvolvimento local <br clear="all"> :

Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) anunciou hoje (20) que investirá US$ 100 milhões no desenvolvimento do futebol no Brasil. Os recursos são do Fundo de Legado da Copa do Mundo de 2014 e serão direcionados para os 15 estados que não sediaram o mundial. A maior parte do montante (60%) será destinada para obras de infraestrutura e 30% para apoio de atletas em formação (categorias de base) e do futebol feminino.

O primeiro projeto contemplado pelo fundo foi um centro de treinamento em Belém (PA). Foram construídos quatro campos de futebol (três artificiais e um com grama natural) no Centro Esportivo da Juventude, próximo ao Estádio Olímpico. Rondônia e Tocantis serão os próximos estados a receberem projetos com os recursos.

A Fifa já negocia a compra de terrenos para construção de centros de treinamento nesses estados. Estão previstos, ainda, projetos para conscientização, prevenção de doenças e benefício de comunidades carentes.

A aplicação do dinheiro será gerida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A Fifa, no entanto, participará dos processos de decisão dos projetos e acompanhará os investimentos. "No passado, seria possível usar os recursos sem aprovação da Fifa. Hoje, isto é impossível. Todo dinheiro repassado pela Fifa é submetido a regulamentações claras e acompanhado para ser usado da maneira correta", destacou Jérôme Valcke, secretário-geral do órgão. Ele garantiu que a entidade tem mecanismos para controlar o uso dos recursos.

Valcke informou que os investimentos fazem parte do compromisso da Fifa com o desenvolvimento local. "Estamos trabalhando duro para cumprir o acordo de continuarmos presentes no Brasil, após a Copa do Mundo. Não ir embora, como disse parte da mídia. Isto não é verdade. A Fifa está comprometida em apoiar e desenvolver o futebol nos lugares onde organizamos nossos eventos", acrescentou.

Secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luís Fernandes enfatizou a boa imagem passada pelo país com a organização do evento, além dos ganhos em infraestrutura, como melhoria dos aeroportos. "Na Copa do Mundo, o Brasil apresentou a imagem de um país eficiente, empreendedor, hospitaleiro e aberto. Isto é um legado que carregaremos daqui para frente e que potencializará os ganhos econômicos e sociais".

Esporte Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 15:15:47 +0000 http://www.brasil247.com/167195
Iêmen: milicianos tomam complexo presidencial http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167209 Khaled Abdullah/Reuters: Milicianos xiitas do movimento Huthi tomaram nesta terça-feira 20 o complexo presidencial do Iêmen, informou fonte militar; de acordo com testemunhas, houve combates perto da residência do chefe de Estado, Abd Rabbuh Mansur Al Hadi; ontem, confrontos na capital, Sana, causaram nove mortos e 67 feridos, incluindo civis <br clear="all"> Khaled Abdullah/Reuters:

Da Agência Lusa

Milicianos xiitas do movimento Huthi tomaram hoje (20) o complexo presidencial do Iêmen, informou fonte militar. De acordo com testemunhas, houve combates perto da residência do chefe de Estado, Abd Rabbuh Mansur Al Hadi.

Ontem (19), combatentes da milícia xiita Ansaruallah cercaram a residência do primeiro-ministro Khaled Bahah em Sana, capital do país, após confrontos que permitiram reforçar o domínio do grupo sobre a capital iemenita. Os confrontos causaram nove mortos e 67 feridos, incluindo civis.

A Ansaruallah tomou, no dia 21 de setembro, o controle de uma grande parte de Sana, controlando a televisão pública iemenita e a agência noticiosa oficial Saba.

Os combates de segunda-feira ocorreram dois dias depois do sequestro, pelas milícias xiitas, do chefe de gabinete do presidente e um dos arquitetos do projeto da nova Constituição, Ahmed Awad bin Mubarak. O texto prevê um Iêmen composto por seis regiões, o que as milícias xiitas contestam.

Mundo Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 16:15:38 +0000 http://www.brasil247.com/167209
Morre surfista baleado por PM em Santa Catarina http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167204 : O surfista Ricardo dos Santos, de 24 anos, que foi baleado com três tiros por um policial militar nessa segunda-feira, 19, em Palhoça, na região metropolitana de Florianópolis, morreu no início da tarde desta terça-feira, 20; acusado da morte do surfista é o policial militar Luiz Paulo Mota Brentano, de 25 anos, que está preso; delegado responsável pelo caso, Marcelo Arruda, pedirá indiciamento do militar por homicídio doloso <br clear="all"> :

247 - O surfista Ricardo dos Santos, de 24 anos, que foi baleado com três tiros por um policial militar nessa segunda-feira, 19, em Palhoça, na região metropolitana de Florianópolis, morreu no início da tarde desta terça-feira, 20.

Ricardinho, como era conhecido entre atletas do surf nacional e internacional, havia passado por quatro cirurgias no Hospital Regional de São José, mas não reagiu aos procedimentos médicos e as hemorragias não cessaram, causando sua morte.

Segundo a família, os disparos atingiram a veia cava, que irriga o coração, e o surfista precisou receber 24 litros de sangue para tentar se restabelecer. "Os médicos disseram que o estado era crítico e que ele resistia por causa da condição de atleta", contou o tio, Mauro da Silva, 35.

O acusado da morte do surfista é o policial militar Luiz Paulo Mota Brentano, de 25 anos. Soldado em Joinville, a 170 km de Florianópolis, Brentano passava férias na região. Ele foi preso horas após os disparos e continua detido no quartel da Polícia Militar em Florianópolis. O soldado disse à polícia que agiu em legítima defesa.

Já segundo um tio de Ricardinho ouvido pelo delegado Marcelo Arruda, responsável pelo inquérito, nega que tenha havido agressão por parte do surfista. Segundo o delegado, será feito na tarde desta terça-feira, 21, o exame balístico no Instituto Médico Legal (IML) para verificar se as balas perfuraram a vítima pelas costas. Algumas testemunhas informaram que o terceiro tiro foi disparado quando o rapaz estava voltado para o agressor.

"A continuidade do inquérito depende do laudo cadavérico e da reconstituição dos fatos", reforça. O delegado informa que todas os depoimentos previstos já foram coletados.

Homicídio doloso

Marcelo Arruda disse ainda que solicitará a mudança da tipificação do crime de tentativa de homicídio para homicídio doloso qualificado, alteração que ainda deve ser analisada pela promotoria de Justiça. Em paralelo, o PM também responderá a um inquérito militar, pelo mesmo crime.

Brasil Aquiles Lins Tue, 20 Jan 2015 16:14:07 +0000 http://www.brasil247.com/167204
Governo descarta apagão generalizado, diz ministro http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167182 : Pepe Vargas, das Relações Institucionais, disse que a presidente cobrou ontem explicações aos órgãos do setor sobre a falha no sistema de transmissão de energia que causou um blecaute em dez estados, além do Distrito Federal, mas que não teme um problema generalizado do setor elétrico; "Obviamente que a presidente quer que todos os setores evitem ao máximo possíveis falhas técnicas. O que é importante é que não temos o risco de um apagão por conta da geração e de distribuição [de energia], como já aconteceu no passado", afirmou; jornais da mídia familiar mostraram hoje torcida para que o governo Dilma decrete racionamento, como o adotado pelo ex-presidente FHC em 2000 <br clear="all"> :

Paulo Victor Chagas – Repórter da Agência Brasil

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, disse que a presidenta Dilma Rousseff cobrou explicações sobre a falta de luz de ontem (19) em três regiões do país. Ele disse que apesar de ter sido uma falha técnica, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), elas devem ser evitadas. Ele ressaltou que o Brasil não corre risco de apagão.

"Obviamente a presidenta quer que todos os setores evitem o máximo possível falhas técnicas. O que é importante é que nós não temos risco de apagão por causa de falta de geração e falta de distribuição como ocorreu no passado", declarou. Ele participou, mais cedo, de um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto. Pepe Vargas disse que mesmo com uma "severa estiagem, prolongadíssima e preocupante", o risco de apagão não existe.

Segundo o ministro, a presidenta cobrou explicações do ONS sobre as causas da falha técnica. "E mais, justificativas, medidas, para que isso não ocorra mais", acrescentou.

Brasil Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 13:26:41 +0000 http://www.brasil247.com/167182
Gabrielli sugere bloqueio dos bens de Dilma http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/167180 : A defesa do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli sugeriu ao Tribunal de Contas da União (TCU) que se ele não for excluído do processo que determinou o bloqueio de bens dos executivos responsáveis pela compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, o Conselho de Administração que autorizou o negócio seja responsabilizado pelos prejuízos causados; caso o TCU aceite a argumentação e não retire o petista e os demais executivos do processo, todos os então membros do conselho terão de ser ouvidos e terão seu patrimônio congelado, incluindo a presidente Dilma Rousseff, que à época era presidente do conselho da estatal <br clear="all"> :

Bahia 247 - A defesa do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli sugeriu ao Tribunal de Contas da União (TCU) que se ele não for excluído do processo que determinou o bloqueio de bens dos executivos responsáveis pela compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, em 2006, o Conselho de Administração que autorizou o negócio seja responsabilizado pelos prejuízos causados pelo negócio.

Caso o TCU aceite a argumentação da defesa do petista e não retire ele e os demais executivos do processo, todos os então membros do conselho terão de ser ouvidos e terão seu patrimônio congelado, incluindo a presidente Dilma Rousseff, que à época era presidente do conselho da estatal. 

O argumento de Dilma para ter aprovado o negócio é que o conselho se baseou em um resumo técnico "falho" e "incompleto" a respeito. Em decisão preliminar de julho de 2014, o TCU isentou o Conselho de Administração.

Ontem (19), o TCU não descartou a possibilidade de arrolar Dilma e os demais ex-conselheiros no processo sobre a compra da refinaria, segundo publicação do jornal O Estado de São Paulo.

De acordo com o tribunal, o prejuízo da Petrobras com o negócio foi de US$ 792 milhões. A defesa de Gabrielli argumenta que o Conselho de Administração teve tanta ou mais responsabilidade do que a Diretoria Executiva na compra da refinaria.

Bahia 247 Romulo Faro Tue, 20 Jan 2015 13:10:04 +0000 http://www.brasil247.com/167180
Janot cria grupo para auxiliá-lo na Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/167168 : Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, criou um grupo de trabalho que irá ajudá-lo nos processos relacionados à operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF); grupo terá duração de seis meses e irá se debruçar sobre as ações de primeira instância que tramitam na Justiça Federal do Paraná; expectativa é que Rodrigo Janot apresente no início de fevereiro as primeiras denúncias e pedidos de abertura de inquérito contra políticos detentores de foro privilegiado <br clear="all"> :

247 - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, criou um grupo de trabalho que irá ajudá-lo nos processos relacionados à operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com portaria assinada nesta segunda-feira, 19, o grupo de trabalho terá duração de seis meses e será coordenado pelo procurador-regional da República Douglas Fischer. Contará, ainda, com outros sete integrantes do Ministério Público. Equipe irá se debruçar sobre as ações de primeira instância que tramitam na Justiça Federal do Paraná.

De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo desta terça-feria, 20, a expectativa é que Janot, no início de fevereiro, apresente as primeiras denúncias e pedidos de abertura de inquérito contra políticos detentores de foro privilegiado. 

Isso porque os processos da Lava Jato tramitarão na Segunda Turma do Supremo, um colegiado composto por cinco ministros. O plenário da corte, que conta com todos os 11 ministros, só será palco de processos caso eles atinjam os futuros presidentes da Câmara e do Senado.

Leia mais sobre a força tarefa de Rodrigo Janot. 

Paraná 247 Aquiles Lins Tue, 20 Jan 2015 11:41:12 +0000 http://www.brasil247.com/167168
"Kit apagão" volta a despencar e Ibovespa zera http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167171 : Pregão começou em alta nesta terça-feira 20, animado com o anúncio feito ontem pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, de quatro medidas para aumentar em R$ 20 bilhões as receitas do governo; destaque para as ações da Petrobras, que chegaram a subir 5%; na parte da tarde, porém, Ibovespa zerou com nova queda do "kit apagão", composto por elétricas e empresas que demandam muita energia, amenizando a alta <br clear="all"> :

Por Ricardo Bomfim

SÃO PAULO - O Ibovespa ameaçou uma alta nesta terça-feira (20) mas já zera com nova queda do "kit apagão", composto por elétricas e empresas que demandam muita energia amenizando a alta do índice. O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, diz que a falta de energia ontem foi apenas consequência de falhas técnicas, mas o mercado não comprou a explicação e se mantém pessimista com o setor. Às 16h14 (horário de Brasília), o Ibovespa tinha leve queda de 0,15%, a 47.688 pontos.

O câmbio seguia o movimento da manhã e o dólar caía 1,61%, ficando cotado a R$ 2,6131 na venda. Em relatorio, a Guide Investimentos explica que o discurso de Levy tem aumentado a sua credibilidade e ajudado a conter a pressão de alta do dólar e dos juros futuros mais longos. Os juros DI para janeiro de 2016 caíam 7 pontos-base, para 12,61%.

Segundo o analista da Guide, Luís Gustavo Pereira, apesar da fala do ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, dizendo que a falta de energia ontem foi causada por problemas técnicos e não uma dificuldade estrutural, o mercado continua vendo uma possibilidade cada vez maior de racionamento este ano. "Às vezes o corte é técnico mesmo, mas o que a gente vê é que não está chovendo e a possibilidade de racionamento continua", afirma o analista.

Ações em destaque

As ações da Vale (VALE3, R$ 21,58, -0,32%; VALE5, R$ 19,08, -0,10%) caem apesar do PIB da China, maior mercado consumidor da mineradora, registrar crescimento maior do que o esperado pelo mercado. Petrobras (PETR3, R$ 8,83, -0,56%; PETR4, R$ 9,22, +0,33%) sobe com Levy.

Entre as quedas, chama atenção as elétricas, que caem novamente - ou amenizam altas da manhã - após fortes perdas da véspera em meio ao apagão que deixou sem luz 11 estados mais o Distrito Federal depois que o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) exigiu cortes. Caem Eletrobras (ELET3, R$ 5,21, -3,34%; ELET6, R$ 6,99, -5,67%) e CPFL Energia (CPFE3, R$ 16,97, -3,14%). Ontem, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou que o apagão que atingiu as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste foi causado por um problema técnico em uma linha de transmissão de Furnas, que faz a ligação Norte-Sul da rede da companhia administrada pelo Grupo Eletrobras.

Ainda entre os ganhos, os papéis do setor de siderurgia, que caíram forte na véspera, subiam em dia de repique. Por outro lado, papéis de empresas com perfil exportador caíam em dia de recuo do dólar frente ao real.

Economia Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 12:05:26 +0000 http://www.brasil247.com/167171
Cantareira pode secar em quatro meses http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167172 Vanessa Carvalho: Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, traçou modelos baseados em diferentes cenários de precipitação e captação e chegou à conclusão com base nas chuvas que vêm ocorrendo abaixo da média; em janeiro, choveu apenas 60,9 milímetros desde o início do mês, o equivalente a 22,5% da média histórica para o período <br clear="all"> Vanessa Carvalho:

Fernanda Cruz* - Repórter da Agência Brasil

Projeções do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden) revelam que, caso as chuvas na região do Sistema Cantareira continuem 50% abaixo da média e a captação se mantenha nos níveis atuais, esse manancial poderá secar daqui a quatro meses, no início de junho.

O centro, vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, traçou modelos baseados em diferentes cenários de precipitação e captação. Para a projeção, foi analisada a rede de 33 pluviômetros automáticos instalados nas bacias de captação do Cantareira, em Jacareí, Cachoeirinha e Atibainha.

De acordo com Adriana Cuartas, hidróloga e pesquisadora do Cemaden, foram traçados cinco panoramas levando em conta as possíveis incidências de chuva. Os pesquisadores compararam os resultados com a série histórica de precipitações, desde 2004, disponibilizada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Em janeiro, o índice de chuvas no Cantareira mostra-se pior que o cenário projetado pela pesquisadora. Até hoje (20), choveu apenas 60,9 milímetros desde o início do mês, o equivalente a 22,5% da média histórica para janeiro. "Vamos esperar o mês terminar para fazer a projeção. Estamos monitorando, avaliando e vendo o que acontece em janeiro para renovar as projeções", disse. O nível dos reservatórios caiu de 5,8% ontem para 5,6% hoje.

Segundo Adriana, no trimestre que inclui os meses de outubro, novembro e dezembro, choveu 60% da média histórica. Num cenário otimista, de chuvas dentro da média histórica, o volume morto do Cantareira não secaria, mas permaneceria em níveis críticos. "O sistema não conseguira voltar para o volume útil", esclarece. Nesse caso, o manancial dependeria da próxima estação chuvosa para se recuperar, a partir de 30 de setembro.

Na opinião da especialista, o ideal é reduzir a captação, o que significa diminuição no consumo ou aumento do racionamento. "Um dos cenários [traçados pelos pesquisadores] mostra que precisa diminuir muito a captação para não ficarmos numa situação perigosa"

*Colaborou o repórter Bruno Bocchini

SP 247 Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 11:59:44 +0000 http://www.brasil247.com/167172
Braga: apagão ocorreu devido a falha em Furnas http://www.brasil247.com/pt/247/amazonas247/167173 : Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga disse que o apagão que atingiu dez estados mais o Distrito Federal ontem foi decorrente de um problema técnico em uma linha de transmissão de Furnas, que faz a ligação Norte-Sul da rede da companhia administrada pelo Grupo Eletrobras; ele também ressaltou que a falha ocorreu durante o pico de consumo, mas enfatizou que não há risco de o problema se repetir em novos momentos de pico; "Houve um problema de equipamento. Se não houvesse essa falha técnica, não teria a queda de energia" <br clear="all"> :

Amazonas 247 - O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, disse na noite desta segunda-feira (19) que o apagão que atingiu dez estados mais o Distrito Federal foi decorrente de um problema técnico em uma linha de transmissão de Furnas, que faz a ligação Norte-Sul da rede da companhia administrada pelo Grupo Eletrobras (ELET3;ELET6).

De acordo com o ministro, a falha de um banco de capacitores da linha resultou na variação da frequência do sistema interligado, levando ao desligamento de 11 usinas de geração.

"O problema na transmissão causou variação de frequência e acionou a proteção dessas usinas. Então o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) reduziu a carga para poder recompor a frequência do sistema e assim poder religar as usinas. Todas já foram religadas", afirmou Braga após deixar o ministério.

O ministro também ressaltou que a falha ocorreu em um momento de pico de consumo de eletricidade. Segundo ele, a restrição na transmissão reduziu em cerca de 1 gigawatt a oferta de energia no momento do desligamento seletivo comandado pelo ONS.

Braga enfatizou, no entanto, que não há risco do problema se repetir em novos momentos de pico de consumo. "Houve um problema de equipamento. Se não houvesse essa falha técnica, não teria a queda de energia. Na semana passada houve um pico de consumo e o fornecimento não foi afetado", argumentou.

Amazonas 247 Leonardo Lucena Tue, 20 Jan 2015 12:09:37 +0000 http://www.brasil247.com/167173
Senadores se solidarizam com Rollemberg no DF http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/167181 Pedro Ventura/Agência Brasília : O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, recebeu cinco senadores em seu gabinete, no Palácio do Buriti; os parlamentares ofereceram ao gestor apoio no Senado e se disseram confiantes no fim da crise financeira por que passa o DF; "Confiamos que ele saberá atravessar essa situação muito difícil e colocará o governo nos trilhos. Eu não tenho dúvida de que isso será questão de meses", afirmou o senador Luiz Henrique Silveira (PMDB-SC) <br clear="all"> Pedro Ventura/Agência Brasília :

Brasília 247 - O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, recebeu nesta manhã cinco senadores em seu gabinete, no Palácio do Buriti. Os parlamentares lhe ofereceram apoio no Senado e se disseram confiantes no fim da crise financeira por que passa o DF.

O senador Luiz Henrique Silveira (PMDB-SC) foi um dos presentes. "Viemos nos colocar à disposição de Rollemberg no que compreende a sua missão de governar o DF. Confiamos que ele saberá atravessar essa situação muito difícil e colocará o governo nos trilhos. Eu não tenho dúvida de que isso será questão de meses."

O governador assumiu o Executivo em meio a crise orçamentária deixada pela gestão de Agnelo Queiroz. Segundo a equipe de Rollemberg, o déficit é de R$ 3,1 bilhões, podendo chegar a R$ 3,5 bilhões até o final de janeiro, o que provocou atrasos em pagamentos em áreas como Saúde e Educação.

Uma das consequência deste quadro financeiro foi a greve dos médicos, o que Rollemberg decretar estado de emergência na Saúde (leia mais aqui). Nesta segunda-feira (19), a Procuradoria-Geral do Distrito Federal entrou com ação no Tribunal de Justiça (TJDF), e o tribunal determinou a suspensão da greve com retorno à atividade de 100% dos profissionais, sem interrupção dos serviços. Em caso de descumprimento, a multa diária será de R$ 80 mil (veja aqui).

Os profissionais exigem a quitação das pendências financeiras do governo com a classe até março, mas a proposta do governo é parcelar os benefícios atrasados, como horas extras e 13º salários, até junho.

O governo Agnelo Queiroz tem até o dia 31 de janeiro para apresentar as contas de 2014, e até março para apresentar os números dos quatro anos de sua gestão. As contas devem ser analisadas pelo Tribunal de Contas (TCDF) até julho.

Também participaram do encontro com Rollemberg os senadores Casildo Maldaner (PMDB-SC), Ricardo Ferraço (PMDB-ES), Waldemir Moka (PMDB-MS) e Ana Amélia (PP-RS). Para o governador, o apoio é significativo para enfrentar os problemas deixados pela administração passada. "Fico muito feliz com essa manifestação e agradeço pela solidariedade dos senadores", afirmou.

*Com Agência Brasília

Brasília 247 Leonardo Lucena Tue, 20 Jan 2015 13:31:56 +0000 http://www.brasil247.com/167181
OIT vê aumento de desemprego e de desigualdade http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167167 : Número de desempregados no mundo vai aumentar, em pelo menos 11 milhões, nos próximos quatro anos e as desigualdades vão agravar-se, advertiu a Organização Mundial do Trabalho; diretor-geral da OIT, Guy Ryder, apontou que "as políticas de austeridade, em particular na Europa, contribuíram para o aumento espetacular do desemprego" <br clear="all"> :

Da Agência Lusa

O número de desempregados no mundo vai aumentar, em pelo menos 11 milhões, nos próximos quatro anos e as desigualdades vão agravar-se, advertiu a Organização Mundial do Trabalho (OIT), em relatório publicado nessa segunda-feira (19). Em 2019, mais de 219 milhões de pessoas podem ficar sem emprego, mostra o documento.

"Mais de 61 milhões de empregos foram perdidos desde o início da crise em 2008 e as nossas projeções apontam para o crescimento do desemprego até o final da década. O que significa que a crise do emprego está longe de estar terminada", disse o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

Ele apontou que "as políticas de austeridade, em particular na Europa, contribuíram para o aumento espetacular do desemprego". "Não penso que fossem inevitáveis [as políticas de austeridade]", afirmou ainda o diretor-geral.

Economia Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 11:13:05 +0000 http://www.brasil247.com/167167
Xerife de SP assume em Minas: 'combate à corrupção é prioridade' http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167157 Manoel Marques: Dr. Mário Vinicius Spinelli, procurador geral do Estado.
Data: 19/01/15
Local: Cidade Admnistrativa/Prédio Gerais
Foto: Manoel Marques/Imprensa MG A convite do governador Fernando Pimentel, o novo controlador-geral de Minas Gerais, Mario Vinícius Claussen Spinelli, assumiu o cargo com a missão de combater e prevenir a corrupção no Estado; "O combate permanente à corrupção deve ser hoje prioridade para qualquer governante", diz; durante sua gestão à frente da Controladoria-Geral do Município de São Paulo, foi desmantelada a máfia do ISS <br clear="all"> Manoel Marques: Dr. Mário Vinicius Spinelli, procurador geral do Estado.
Data: 19/01/15
Local: Cidade Admnistrativa/Prédio Gerais
Foto: Manoel Marques/Imprensa MG

Agência Minas - A convite do governador Fernando Pimentel, o novo controlador-geral de Minas Gerais, Mario Vinícius Claussen Spinelli, assumiu o cargo nesta segunda-feira (19/01) com a missão de combater e prevenir a corrupção no Estado. Com vasta experiência, Mario Spinelli é tido como uma das principais referências do país na fiscalização de administrações públicas.

Em seu primeiro dia de trabalho na Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais, Mario Spinelli enfatizou que a sua gestão será pautada pela manutenção da integridade do governo estadual. "O combate permanente à corrupção deve ser hoje prioridade para qualquer governante. O Governo de Minas vai atuar de forma efetiva neste sentido", ressalta o novo controlador-geral. "Será um trabalho permanente de prevenção e combate à corrupção", acrescenta.

Antes de assumir o cargo, Mario Spinelli estava à frente da Controladoria-Geral do Município de São Paulo há dois anos, onde seu trabalho tornou-se símbolo do combate à corrupção. Durante sua gestão foi desmantelada a máfia do Imposto Sobre Serviços (ISS), ou máfia dos fiscais, que desviou de quase R$ 1 bilhão dos cofres da prefeitura paulistana. O esquema de corrupção foi considerado o maior ocorrido em um município do país.

Mario Spinelli coleciona ainda outros grandes marcos em sua carreira que credenciam e legitimam sua indicação pelo governador Fernando Pimentel. O novo controlador-geral participou ativamente da elaboração de leis que se tornaram marcos para o país. Entre elas, a Lei de Acesso à Informação, Lei de Combate à Lavagem de Dinheiro e Lei Anticorrupção.

Experiência no combate à corrupção

Mário Vinícius Claussen Spinelli é Doutorando em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas (SP) e Mestre em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro. É servidor de carreira da Controladoria Geral da União (CGU) desde 2001, tendo sido secretário de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas e treinado mais de 1,7 mil promotores. Antes de ingressar na CGU, foi servidor do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais entre 1999 e 2001.

Em 2009, Spinelli foi premiado pelo Centro Latino-americano de Administração para o Desenvolvimento (CLAD) pelo trabalho acadêmico que analisa a participação dos cidadãos no controle das ações do governo como forma de prevenção da corrupção. A convite da Organização das Nações Unidas (ONU), Organização dos Estados Americanos (OEA), Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e G-20 (grupo dos países mais ricos do mundo), já palestrou em inúmeros fóruns internacionais como representante do Brasil.

Minas 247 Leonardo Lucena Tue, 20 Jan 2015 10:29:07 +0000 http://www.brasil247.com/167157
Abreu e Lima: Costa nega ser responsável por perdas http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/167156 : O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, disse, por meio do seu advogado, João de Baldaque Mestieri, não ser o responsável pelo aumento dos custos bilionários de implantação da Refinaria Abreu e Lima, no Complexo Industrial e Portuário de Suape, em Pernambuco; "Ele não tinha autonomia para autorizar esse tipo de gasto", afirmou o advogado  <br clear="all"> :

Pernambuco 247 - O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, disse, por meio do seu advogado, João de Baldaque Mestieri, não ser o responsável pelo aumento dos custos de implantação da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), no Complexo Industrial e Portuário de Suape, em Pernambuco.

"Ele não tinha autonomia para autorizar esse tipo de gasto", afirmou o advogado em entrevista ao jornal Folha de São Paulo. Segundo nota divulgada pela Petrobras neste final de semana, a refinaria pernambucana poderá resultar em um rombo de US$ 3,2 bilhões.

A estatal também ressaltou que o plano de antecipação do projeto foi apresentado pelo ex-diretor, o que acabou por resultar em uma série de aditivos que resultaram no aumento de custos necessários à implantação da refinaria.

A refinaria pernambucana estava orçada inicialmente em US$ 2,5 bilhões, mas teve o seu custo elevado para US$ 18,5 bilhões. As investigações apontam que diversos contratos necessários à implantação da unidade fora utilizados em um esquema de desvios de recursos que acabavam beneficiando políticos e empreiteiras.

Mestieri também observou que o plano de antecipação foi aprovado pela Diretoria Executiva da Petrobras, da qual a atual presidente, Graça Foster, era membro integrante. "Dessa forma, parece que ele é o algoz de uma perda bilionária para a Petrobras", afirmou.

A refinaria Abreu e Lima deu início às suas operações em dezembro do ano passado, quando processou 1,4 milhão de barris de petróleo. A segunda etapa da planta deverá entrar em atividade em maio de 2015.

Pernambuco 247 Paulo Emílio Tue, 20 Jan 2015 10:31:35 +0000 http://www.brasil247.com/167156
FMI reduz projeção de crescimento global http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167150 : Crescimento global foi projetado em 3,5% para 2015 e 3,7% para 2016, disse o Fundo Monetário Internacional, reduzindo sua projeção em 0,3 ponto percentual para ambos os anos; o FMI também vê que o Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e que sua recuperação não será das melhores em 2016 <br clear="all"> :

PEQUIM (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu sua projeção para o crescimento econômico global em 2015, e fez um apelo nesta terça-feira aos governos e bancos centrais a buscarem políticas monetárias expansionistas e reformas estruturais para sustentar o crescimento.

O crescimento global foi projetado em 3,5 por cento para 2015 e 3,7 por cento para 2016, disse o FMI em sua atualização do relatório "Perspectiva Econômica Global", reduzindo sua projeção em 0,3 ponto percentual para ambos os anos.

"Novos fatores sustentando o crescimento --preços menores do petróleo mas também depreciação do euro e do iene-- são mais do que compensados por forças negativas persistentes, incluindo os legados prolongados da crise e do crescimento potencial mais baixo em muitos países", disse o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, em comunicado divulgado pela instituição.

O FMI alertou economias avançadas para manter políticas monetárias expansionistas para evitarem aumentos em taxas de juros reais uma vez que o petróleo mais barato aumenta o risco de deflação.

Se as taxas de juros não puderem ser reduzidas mais, o FMI recomendou buscar uma política expansionista "através de outros meios".

Os Estados Unidos foram o único ponto positivo em um relatório pessimista para as principais economias, com a projeção de crescimento em 2015 elevada para 3,6 por cento ante 3,1 por cento.

As perspectivas para economias emergentes foram em geral reduzidas, com as projeções para os exportadores de petróleo Rússia, Nigéria e Arábia Saudita sofrendo os maiores cortes.

A queda dos preços do petróleo, que caíram pela metade desde junho, é amplamente resultado da decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de não cortar a produção, o que não deve mudar, disse Blanchard.

"Esperamos que o declínio do preço seja bastante persistente", afirmou ele em entrevista coletiva na divulgação do relatório. "Esperamos alguma volta, algum aumento, mas certamente não um aumento de volta aos níveis que víamos há, digamos, seis meses".

O FMI prevê que uma desaceleração na China provocará uma resposta de política mais limitada uma vez que as autoridades em Pequim estarão mais preocupadas com os riscos do rápido crescimento do crédito e investimento.

O crescimento mais lento da China em 2015 "reflete a decisão correta das autoridades de lidar com alguns dos desequilíbrios presentes e o desejo de reorientar a economia em direção ao consumo, afastando-se do setor imobiliário e do sistema bancário sem regulação", disse Blanchard.

O FMI também vê que o Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e que sua recuperação não será das melhores em 2016.

As projeções são mais otimistas do que as estimativas divulgadas pelo Banco Mundial na semana passada, que previam crescimento global de 3 por cento neste ano e 3,3 por cento em 2016.

Preços mais baixos do petróleo darão a bancos centrais em economias emergentes espaço para adiar a alta das taxas de juros, embora "espaço de política macroeconômica para sustentar o crescimento permaneça limitado", segundo o relatório.

A queda dos preços também dará aos países uma chance de reformar subsídios e impostos ligados a energia, diz o FMI.

As perspectivas para os países importadores e exportadores de commodities vão divergir ainda mais.

O relatório está amplamente em linha com comentários da diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, feitos na semana passada, quando ela afirmou que a queda dos preços do petróleo e o forte crescimento dos EUA não deixariam o FMI mais otimista.

(Reportagem de Jake Spring)

FMI vê Brasil crescendo menos em 2015 e 2016, bem abaixo da América Latina

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e sua recuperação não será das melhores em 2016, informou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira.

Em atualização do seu relatório "Perspectiva Econômica Global", o FMI reduziu com força a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2015 em 1,1 por ponto percentual, a apenas 0,3 por cento.

O Fundo vê alguma recuperação no ano que vem, mas ainda assim também diminuiu suas contas para crescimento econômico a 1,5 por cento, contra 2,2 por cento anteriormente.

Para a América Latina e Caribe, as estimativas também foram reduzidas, mas ainda assim a perspectiva é de que a região cresça 1,3 por cento em 2015 e 2,3 por cento em 2016, 0,9 e 0,5 ponto percentual a menos que a projeção anterior.

Em relação a 2014, o FMI estima que o Brasil cresceu apenas 0,1 por cento, ante 0,3 por cento projetados em outubro.

Segundo o FMI, os preços menores do petróleo --que já perdeu metade de seu valor desde junho-- e de outros produtos vão impactar exportadores emergentes de commodities, como é o caso do Brasil, principalmente sobre o comércio e a receita real.

Ainda assim, em "muitas economias emergentes, o espaço de política macroeconômica para sustentar o crescimento permanece limitada. Mas em algumas, os preços menores do petróleo vão aliviar a pressão inflacionária e vulnerabilidades externas, permitindo assim aos bancos centrais não elevarem a taxa de juros ou elevá-las mais gradualmente", completou o FMI.

O Brasil vem enfrentando o difícil quadro de inflação elevada, que levou o Banco Central a iniciar novo ciclo de aperto monetário em outubro passado, mas com baixo crescimento e falta de confiança dos agentes econômicos diante do frágil quadro fiscal do país.

Por isso, a nova equipe econômica da presidente Dilma Rousseff já anunciou algumas medidas para tentar colocar as contas públicas em ordem.

As projeções do FMI para o Brasil estão em linha com as de economistas consultados na pesquisa Focus do Banco Central, que veem expansão de 0,12 por cento em 2014, 0,38 por cento neste ano e 1,80 por cento em 2016.

EMERGENTES

As perspectivas para o Brasil também ficam bem aquém daquelas para os mercados emergentes e economias em desenvolvimento, mesmo com contração prevista para a Rússia neste ano e no próximo.

Para essas economias como um todo, o FMI vê expansão de 4,3 e 4,7 por cento em 2015 e 2016, 0,6 e 0,5 ponto percentual respectivamente a menos do que em outubro.

Entre os fatores que o Fundo cita como determinantes para essa redução, estão o menor crescimento na China, projetado em 6,8 por cento neste ano contra 7,1 por cento anteriormente. Para 2016 a perspectiva caiu a 6,3 por cento, contra 6,8 por cento.

"O crescimento do investimento na China desacelerou no terceiro trimestre de 2014, e os principais indicadores apontam que vão continuar diminuindo", informou o FMI.

"A desaceleração do crescimento chinês também produzirá efeitos regionais significativos, o que explica, em parte, as revisões em baixa do crescimento para grande parte das economias emergentes da Ásia", acrescentou o FMI.

O FMI também cita o cenário mais fraco na Rússia, cujas reduções nas estimativas foram ainda mais drásticas, refletindo o impacto dos preços mais baixos do petróleo e das tensões geopolíticas. Para 2015, a expectativa de crescimento econômico caiu 3,5 pontos percentuais, chegando à contração de 3 por cento, e para 2016 a redução foi de 2,5 pontos, para contração de 1 por cento.

O FMI também piorou seu cenário para a economia global, prevendo expansão de 3,5 e 3,7 por cento em 2015 e 2016, respectivamente. Em ambos os cados, as contas foram reduzidas em 0,3 ponto percentual.

(Por Camila Moreira)

Economia Gisele Federicce Tue, 20 Jan 2015 09:55:48 +0000 http://www.brasil247.com/167150
Manchetômetro: 'Dilma segue sob fogo cerrado' http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167111 : Nova pesquisa realizada pelo grupo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) aponta que padrão de viés contrário a presidente Dilma Rousseff continua similar na imprensa familiar àquele do período eleitoral; matérias favoráveis são praticamente inexistentes; 'Folha de S. Paulo', 'O Globo' e 'O Estado de S. Paulo' dedicam a Dilma já na primeira semana após o 2° turno um total de 19 matérias e chamadas de capa negativas, recorde para todo período; JN segue tendência; estudo afirma ainda que a presidente não foi contemplada 'nem com o mais leve esboço de uma lua de mel' após posse; "Pelo contrário, logo após o resultado eleitoral, a oposição, novamente ancorada pela militância dos grandes meios de comunicação, tentou pelo menos duas maneiras de inviabilizar sua posse: pedindo recontagem de votos por alegação de fraude e pressionando o TSE pela rejeição de suas contas de campanha" <br clear="all"> :

247 - Um novo cálculo feito por pesquisadores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) aponta que ‘Dilma continua sob fogo cerrado da cobertura da imprensa familiar’.

Segundo pesquisadores, o padrão de viés contrário a ela continua similar àquele do período eleitoral, já revelado em análises prévias do Manchetômetro. ‘Nas páginas de opinião, que não foram analisadas durante o período eleitoral, descobrimos um viés ainda mais forte contra a presidente reeleita. Se somarmos editoriais e artigos de opinião chegamos a números expressivos como o de 29 textos contrários na segunda semana de novembro. Somando as seis colunas negativas publicadas nessa semana, o número vai para 35: uma média de cinco textos contrários a Dilma por dia nos três jornais’.

Matérias favoráveis são praticamente inexistentes. A proporção entre manchetes e chamadas contrárias e neutras é de praticamente 1:1. Os três grandes jornais juntos dedicam a Dilma já na primeira semana após o 2° turno um total de 19 matérias e chamadas de capa negativas, recorde para todo período. Na primeira semana de dezembro do ano passado o número atinge 18.

Quanto à chamada “lua de mel”, expressão usada para denotar o período imediatamente posterior à posse de um novo governante, pesquisa aponta que não houve trégua ao governo.

“Dilma, contudo, não foi contemplada nem com o mais leve esboço de uma lua de mel. Pelo contrário, logo após o resultado eleitoral, a oposição, novamente ancorada pela militância dos grandes meios de comunicação, tentou pelo menos duas maneiras de inviabilizar sua posse: pedindo recontagem de votos por alegação de fraude e pressionando o TSE pela rejeição de suas contas de campanha. Não bastasse isso, o escândalo da Petrobrás que já havia servido de combustível para inúmeras denúncias contra Dilma e o PT durante a campanha — destaque para a já histórica capa da Veja às vésperas do segundo turno — tornou-se o assunto mais noticiado desde o término do período eleitoral” (acesse aqui a pesquisa na íntegra).

Mídia Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 05:11:31 +0000 http://www.brasil247.com/167111
Aécio: 'herança maldita assusta o país' http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/167112 Foto-George-Gianni: Em nota, senador mineiro Aécio Neves, presidente do PSDB, critica o governo Dilma Rousseff e afirma que faltam à ela ‘responsabilidade e coragem para assumir as medidas necessárias que agora, diante de um quadro agravado, vão custar ainda mais caro à população’; “presidente parece querer terceirizar responsabilidades que são essencialmente dela” <br clear="all"> Foto-George-Gianni:

247 – Em nota divulgada na noite desta segunda-feira, o senador mineiro Aécio Neves, presidente do PSDB, dispara críticas contra o a presidente Dilma Rousseff. Afirma que faltam à ela ‘responsabilidade e coragem’ para assumir medidas necessárias contra a ‘herança maldita’ de seu primeiro governo. Leia:

Onde está a presidente?

O Brasil está assustado com o tamanho da herança maldita que o primeiro governo Dilma deixou para o país. Apagão, racionamento de energia, aumento de impostos, cortes de direitos trabalhistas já preocupam e demonstram como milhões de brasileiros foram enganados durante a campanha eleitoral.

Os erros do governo do PT não podem mais ser 'escondidos embaixo do tapete'. E a conta de todos esses erros será, injustamente, paga pela população.

Em meio a tudo isso, o país se pergunta: onde está a presidente?

Duas características são essenciais a um governante: responsabilidade e coragem.

Durante a campanha eleitoral faltou responsabilidade à presidente. Focada apenas em vencer as eleições, a candidata adiou medidas necessárias que agora, diante de um quadro agravado, vão custar ainda mais caro à população.

Hoje, falta à presidente coragem para olhar nos olhos dos brasileiros e reconhecer que está fazendo tudo o que se comprometeu a não fazer.

Ao se omitir no momento do anúncio de medidas que afetarão gravemente a vida do nosso povo, a presidente parece querer terceirizar responsabilidades que são essencialmente dela.

A pergunta que milhões de brasileiros se fazem hoje é : Onde está a presidente?

Senador Aécio Neves
Presidente nacional do PSDB

Minas 247 Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 05:16:32 +0000 http://www.brasil247.com/167112
Barreto: 'Não sou Charlie nem Chérif nem Said' http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/167114 : Cineasta Luiz Carlos Barreto diz que cartunistas do Charlie Hebdo, assim “como os mergulhadores que ultrapassam os limites, foram tomados pelo delírio das profundezas”; “Não podemos transformar a liberdade de expressão em dogma, pois os dogmas são antidemocráticos e podem gerar posições extremistas”; diz ainda que o Brasil pode servir de exemplo de democracia racial <br clear="all"> :

247 – O cineasta Luiz Carlos Barreto acredita que os cartunistas do Charlie Hebdo ultrapassaram o limite aceitável da liberdade de expressão. Diz que o Brasil pode servir de exemplo de democracia racial. Leia:

Não sou Charlie nem Chérif nem Said

Não podemos transformar a liberdade de expressão em dogma, pois os dogmas são antidemocráticos e podem gerar posições extremistas
Podemos pôr em risco a segurança e a vida de outras pessoas em nome da liberdade de expressão e do livre pensar? A liberdade de opinião e o direito de expressá-la são uma conquista social, não apenas um direito individual para servir aos interesses e ao narcisismo de pessoas ou de grupos. Portanto o livre exercício do direito de opinar, criticar, caricaturar e denunciar exige reflexão, responsabilidade e ética.

Os talentosos desenhistas e chargistas do jornal satírico "Charlie Hebdo" mergulharam fundo naquilo que abraçaram como missão: criticar, caricaturar e satirizar os poderes político, econômico, religioso e social. Como os mergulhadores que ultrapassam os limites, foram tomados pelo delírio das profundezas. Desafiaram a minoria extremista e fanática do islamismo.

A sátira focando personagens e situações do cotidiano francês e internacional tornou-se a marca do sucesso do "Charlie Hebdo". Mas o sucesso sempre tem bônus e ônus.

Algumas "vítimas" do "Charlie", entre elas líderes políticos, religiosos e celebridades, reagiram com processos judiciais e ameaças. A Redação do semanário chegou a sofrer um incêndio criminoso em 2011.

Mesmo diante dessa situação ameaçadora, a turma do "Charlie" não baixou o nível do seu poder de fogo satírico, em uma demonstração de uma coragem suicida, como definiu o ex-primeiro-ministro francês Dominique de Villepin, em artigo no "Le Monde" em 8 de janeiro.

Agora os dados estão sobre a mesa: o Estado, o governo, o povo francês e até a União Europeia estão na incômoda e obrigatória situação de responder a um ato de barbárie causado pela irrefletida troca da sátira pelo insulto e pelo desrespeito à fé e à crença de grupos minoritários de radicais fanáticos, que fazem uma leitura errada do Alcorão.

Neste momento, passada a comoção que o episódio trágico nos causou, chegou a hora da reflexão e da discussão sobre o tema da liberdade de expressão, questão basilar para o Estado democrático de Direito.

Não podemos transformar a liberdade de expressão em um dogma, pois os dogmas são antidemocráticos e geram autoritarismo e posições extremistas. Aliás, na Europa e nos EUA, essa discussão está em curso, e seria muito saudável que nós, brasileiros, iniciássemos essa reflexão que tanto nos faz falta.

Outras reflexões mais profundas devem ser feitas e a mais transcendente de todas diz respeito à forma de convivência entre as culturas ocidental e oriental. São duas estruturas de pensamento, hábito, costumes, idiomas, religiosidade, crenças e sistemas políticos. São concepções e estilos de vida diferentes e que começaram a se revelar um para o outro, com o auxílio dos meios de comunicação de massa.

É preciso que nós, ocidentais, façamos uma revisão dos nossos conceitos e do nosso modo de relacionamento com os povos da banda oriental do planeta. Vamos nos despir da roupagem de colonizadores que sempre se relacionaram pela dominação, pelo subjugo e humilhação dos povos colonizados.

O Brasil tem muito a contribuir com seu exemplo de democracia racial, que foi muito além da mestiçagem, produzindo um amálgama que, no dizer de Darcy Ribeiro, vai resultar em um novo modelo civilizatório para a humanidade.

Cultura Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 05:18:32 +0000 http://www.brasil247.com/167114
'Bolo' de Levy cria desconforto no PIB http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167124 : Mais de 20 dos maiores empresários do Brasil, como Jorge Gerdau e Josué Gomes da Silva, foram surpreendidos com a ausência do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em encontro na Fiesp, em São Paulo, marcado desde a semana passada; Levy ficou ‘preso’ em reunião com a presidente Dilma Rousseff para definir divulgação sobre o pacote de medidas tributárias desta segunda <br clear="all"> :

247 – O ministro Joaquim Levy, empossado a pouco, já causou desconforto no PIB. Ele não compareceu a seu primeiro grande encontro agendado com os 20 maiores empresários do Brasil, como Jorge Gerdau e Josué Gomes da Silva.

O evento que ocorreu nesta segunda-feira na sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), em São Paulo, estava marcado desde a semana passada.

Levy avisou em cima da hora sua desistência. Motivo: ficou ‘preso’ em reunião com a presidente Dilma Rousseff para definir divulgação sobre o pacote de medidas tributárias desta segunda.

Economia Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 06:12:17 +0000 http://www.brasil247.com/167124
Suplicy será secretário de Direitos Humanos de Haddad http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167113 : Eduardo Suplicy substituirá Rogério Sottili, que ocupava o cargo desde o início de 2013; “Estou muito feliz em poder colaborar com o prefeito. Sempre tive o maior apreço pelo Haddad, pela seriedade e rigor com que ele conduz São Paulo. É natural que eu aceite esse convite, em uma área com a qual eu tenho total identificação dentro da política”, postou o ex-senador no Facebook <br clear="all"> :

247 - O ex-senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que não foi reeleito ao Congresso após 24 anos de mandato, anunciou na noite desta segunda-feira em sua página no Facebook que será o novo secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, no governo de Fernando Haddad (PT). Ele substituirá Rogério Sottili, que ocupava o cargo desde o início de 2013.

“Estou muito feliz em poder colaborar com o prefeito”, escreveu Suplicy. “Sempre tive o maior apreço pelo Haddad, pela seriedade e rigor com que ele conduz São Paulo. É natural que eu aceite esse convite, em uma área com a qual eu tenho total identificação dentro da política”.

Na semana passada, Haddad empossou Gabriel Chalita (PMDB) na Educação, em substituição a Cesar Callegari.

SP 247 Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 05:19:53 +0000 http://www.brasil247.com/167113
Colunista sugere a Sarney vender livros para manter museu http://www.brasil247.com/pt/247/maranhao247/167123 : Bernardo Mello Franco fala da ‘Primavera Maranhense’ comandada por Flavio Dino para diminuir o ônus dos cofres públicos com a antiga Fundação José Sarney; ele sugere ao ex-senador manter suas relíquias do Planalto em um instituto privado, como fazem Lula e FHC, e ‘passar a vender exemplares assinados dos romances dele, como "Marimbondos de Fogo" e "Brejal dos Guajas"’ para levantar fundos  <br clear="all"> :

247 – O colunista Bernardo Mello Franco chama de ‘Primavera maranhense’ a empreitada de Flavio Dino à frente da administração do Maranhão, contra os altos gastos públicos deixados pela família Sarney.

Sobre o destino da antiga Fundação Sarney, ele sugere ao ex-senador manter suas relíquias do Planalto em um instituto privado, como fazem Lula e FHC.

‘Sem verbas públicas, a fundação de Sarney precisará de novas fontes para pagar as contas. Poderia passar a vender exemplares assinados dos romances dele, como "Marimbondos de Fogo" e "Brejal dos Guajas"’ (leia aqui).

Maranhão 247 Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 05:57:15 +0000 http://www.brasil247.com/167123
Cristina aponta suicídio e contesta mídia argentina http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167125 : Em carta aberta divulgada no Facebook, presidente da Argentina, Cristina Kirchner, diz que promotor Alberto Nisman tirou a própria vida; ela questiona a publicação sequencial de capas do jornal "Clarín" sobre a denúncia, que, segundo a presidente, busca “desviar, mentir, encobrir e confundir”; levanta ainda questões sobre o fato dele ter antecipado sua volta das férias e ter deixado suas filhas, menores de idade, sozinhas na Espanha <br clear="all"> :

247 – Em longa carta publicada no Facebook, a presidente Cristina Kirchner rebate rumores sobre a morte do promotor Alberto Nisman e afirma que se trata de um suicídio.

Cristina questiona o fato dele ter antecipado sua volta das férias e ter deixado suas filhas, menores de idade, sozinhas na Espanha; e a publicação sequencial de capas do jornal "Clarín" sobre a denúncia de Nisman.

Sobre a denúncia feita por ele na semana passada, afirma que ela busca “desviar, mentir, encobrir e confundir”; mas afirma que seu governo reabriu as investigações, canceladas em 2000 por suspeita de encobrimento de militares (leia aqui). 

Mundo Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 06:24:10 +0000 http://www.brasil247.com/167125
MP investiga atuação de Youssef no Monotrilho http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167122 : Promotor Augusto Rossini, do Ministério Público estadual de São Paulo, pediu à Justiça Federal do Paraná acesso de todo o material que envolva a obra em São Paulo na Lava Jato; foco é a "apuração de irregularidades consistentes em supostos desvios na licitação do trecho do Monotrilho entre as estações Oratório e Vila Prudente, integrante da Linha 15-Prata do Metrô e descumprimento do prazo de entrega do referido trecho do Monotrilho"; obra é citada em planilha encontrada na casa do doleiro preso Alberto Youssef <br clear="all"> :

247 - O Ministério Público estadual de São Paulo (MPSP) investiga a suposta atuação do doleiro Alberto Youssef, alvo da Operação Lava-Jato, em obras da Linha 15 - Prata do Monotrilho de São Paulo.

O promotor Augusto Rossini pediu à Justiça Federal do Paraná acesso de todo o material que envolva a obra em São Paulo. O foco é a "apuração de irregularidades consistentes em supostos desvios na licitação do trecho do Monotrilho entre as estações Oratório e Vila Prudente, integrante da Linha 15-Prata do Metrô e descumprimento do prazo de entrega do referido trecho do Monotrilho".

A obra é citada na planilha encontrada na casa de Youssef: ‘o cliente 'Construtora OAS Ltda.', contato "engenheiro Vagner Mendonça' (...) cliente final 'Metrô/SP', referência projeto 'Obra Vila Prudente', número da proposta 'SKOAS070411.001', UF 'SP', proposta enviada em '7/4/2011', valor R$ 7.901.280,00".

Leia aqui reportagem de André Guilherme Vieira sobre o assunto.

SP 247 Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 05:41:09 +0000 http://www.brasil247.com/167122
FMI pede expansionismo no mundo e vê Brasil crescendo menos http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167116 YURI GRIPAS: REUTERS/Yuri Gripas Fundo presidido por Christine Lagarde reduziu sua expectativa de crescimento para toda a América Latin, diante da possibilidade de uma fuga de capitais e do impacto pela desaceleração na China; segundo o FMI, os preços menores do petróleo --que já perdeu metade de seu valor desde junho-- e de outros produtos vão impactar exportadores emergentes de commodities, como é o caso do Brasil, principalmente sobre o comércio e a receita real <br clear="all"> YURI GRIPAS: REUTERS/Yuri Gripas

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e sua recuperação não será das melhores em 2016, informou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira.

Em atualização do seu relatório "Perspectiva Econômica Global", o FMI reduziu com força a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2015 em 1,1 por ponto percentual, a apenas 0,3 por cento.

O Fundo vê alguma recuperação no ano que vem, mas ainda assim também diminuiu suas contas para crescimento econômico a 1,5 por cento, contra 2,2 por cento anteriormente.

Para a América Latina e Caribe, as estimativas também foram reduzidas, mas ainda assim a perspectiva é de que a região cresça 1,3 por cento em 2015 e 2,3 por cento em 2016, 0,9 e 0,5 ponto percentual a menos que a projeção anterior.

Em relação a 2014, o FMI estima que o Brasil cresceu apenas 0,1 por cento, ante 0,3 por cento projetados em outubro.

Segundo o FMI, os preços menores do petróleo --que já perdeu metade de seu valor desde junho-- e de outros produtos vão impactar exportadores emergentes de commodities, como é o caso do Brasil, principalmente sobre o comércio e a receita real.

Ainda assim, em "muitas economias emergentes, o espaço de política macroeconômica para sustentar o crescimento permanece limitada. Mas em algumas, os preços menores do petróleo vão aliviar a pressão inflacionária e vulnerabilidades externas, permitindo assim aos bancos centrais não elevarem a taxa de juros ou elevá-las mais gradualmente", completou o FMI.

O Brasil vem enfrentando o difícil quadro de inflação elevada, que levou o Banco Central a iniciar novo ciclo de aperto monetário em outubro passado, mas com baixo crescimento e falta de confiança dos agentes econômicos diante do frágil quadro fiscal do país.

Por isso, a nova equipe econômica da presidente Dilma Rousseff já anunciou algumas medidas para tentar colocar as contas públicas em ordem.

As projeções do FMI para o Brasil estão em linha com as de economistas consultados na pesquisa Focus do Banco Central, que veem expansão de 0,12 por cento em 2014, 0,38 por cento neste ano e 1,80 por cento em 2016.

EMERGENTES

As perspectivas para o Brasil também ficam bem aquém daquelas para os mercados emergentes e economias em desenvolvimento, mesmo com contração prevista para a Rússia neste ano e no próximo.

Para essas economias como um todo, o FMI vê expansão de 4,3 e 4,7 por cento em 2015 e 2016, 0,6 e 0,5 ponto percentual respectivamente a menos do que em outubro.

Entre os fatores que o Fundo cita como determinantes para essa redução, estão o menor crescimento na China, projetado em 6,8 por cento neste ano contra 7,1 por cento anteriormente. Para 2016 a perspectiva caiu a 6,3 por cento, contra 6,8 por cento.

"O crescimento do investimento na China desacelerou no terceiro trimestre de 2014, e os principais indicadores apontam que vão continuar diminuindo", informou o FMI.

"A desaceleração do crescimento chinês também produzirá efeitos regionais significativos, o que explica, em parte, as revisões em baixa do crescimento para grande parte das economias emergentes da Ásia", acrescentou o FMI.

O FMI também cita o cenário mais fraco na Rússia, cujas reduções nas estimativas foram ainda mais drásticas, refletindo o impacto dos preços mais baixos do petróleo e das tensões geopolíticas. Para 2015, a expectativa de crescimento econômico caiu 3,5 pontos percentuais, chegando à contração de 3 por cento, e para 2016 a redução foi de 2,5 pontos, para contração de 1 por cento.

O FMI também piorou seu cenário para a economia global, prevendo expansão de 3,5 e 3,7 por cento em 2015 e 2016, respectivamente. Em ambos os cados, as contas foram reduzidas em 0,3 ponto percentual.

(Por Camila Moreira)

Economia Roberta Namour Tue, 20 Jan 2015 05:35:43 +0000 http://www.brasil247.com/167116
Sheherazade e a barbárie: “aqui se faz, aqui se paga” http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167050 : Jornalista diz que, se fosse preso por aqui, o brasileiro Marco Archer "seria acolhido pela condescendência do nosso Código Penal. Mas, deu azar de ser flagrado num país sério, onde a Justiça dá o exemplo: aqui se faz, aqui se paga"; condenado à morte por tráfico de drogas, ele foi fuzilado no último sábado na Indonésia; Rachel Sheherazade criticou a reação de movimentos, segundo ela, "'ditos' humanitários contra a morte dos traficantes" e disse que "Dilma pode até fazer cara feia, bater o pé, mandar voltar o embaixador, pode fazer a 'mise en scène' que quiser. Mas não tem poder de interferir na decisão judicial de outro país" <br clear="all"> :

247 – Em mais um comentário polêmico, a jornalista Rachel Sheherazade defendeu nesta segunda-feira 19, na rádio Jovem Pan, a condenação à morte do brasileiro Marco Archer, fuzilado por determinação da Justiça da Indonésia no último sábado 17.

Ela disse que, se fosse preso no Brasil, Archer "seria acolhido pela condescendência do nosso Código Penal. Mas, deu azar de ser flagrado num país sério, onde a Justiça dá o exemplo: aqui se faz, aqui se paga".

Ouça aqui ou leia abaixo a íntegra do comentário:

A Indonésia tem leis próprias, soberanas, que devem ser obedecidas

Depois de falhar em sua tentativa de conseguir clemência para um dos condenados à morte na Indonésia, o brasileiro Marco Archer, a presidente Dilma mandou dizer, em nota, que estava "consternada e indignada" com a execução do traficante.

Archer foi flagrado em 2003 no aeroporto de Jacarta com mais de 13 quilos de cocaína. Aquela não era sua primeira viagem de negócios. Marco era um traficante tarimbado com 25 anos de experiência. Com o dinheiro do tráfico, levava uma vida fácil, de luxos, festas, mulheres e viagens pelo mundo. Depois de ser julgado pela instância máxima da justiça da Indonésia, se tornou o primeiro criminoso brasileiro condenado à pena de morte.

A Anistia Internacional condenou o governo da Indonésia pela execução. Considerou a pena de morte uma regressão para os direitos humanos.

A presidente brasileira mandou até trazer de volta o embaixador do país "para esclarecimentos", um gesto que, diplomaticamente, representa um estremecimento nas relações entre os dois países.
Dilma pode até fazer cara feia, bater o pé, mandar voltar o embaixador, pode fazer a "mise en scène" que quiser. Mas, não tem poder de interferir na decisão judicial de um outro país.

Como o Brasil, a Indonésia tem leis próprias, soberanas, que devem ser obedecidas, sob pena de condenação.

Como outros 56 países, a Indonésia também aplica a pena capital.

Ao contrário do Brasil, considerado a principal rota de cocaína na América do Sul e cujas fronteiras dão boas vindas a traficantes de todas as partes, a Indonésia se esforça ao máximo para extirpar o tráfico de suas ilhas.

Em resposta às críticas de movimentos "ditos" humanitários contra a morte dos traficantes, o presidente da Indonésia, Joko Widodo escreveu: "A guerra conta a máfia da droga não pode ser feita com meias medidas, porque as drogas têm verdadeiramente arruinado a vida dos usuários e das suas famílias."

O potencial de destruição de um traficante só pode ser medido pelas vítimas de seu negócio.

O Brasil é o país com o maior número de viciados em crack e o segundo maior mercado consumidor de cocaína do mundo. Dados da Polícia Militar de São Paulo estimam que 80% dos crimes urbanos cometidos no Brasil têm alguma relação com tráfico de drogas.

Vinte mil brasileiros morrem todo ano em pelo consumo de drogas ou por crimes relacionados ao tráfico.

E apenas 5% dos dependentes de drogas conseguem viver em estado de recuperação.

Quer saber a dimensão do o mal que um traficante pode causar? Pergunte a quem perdeu um pai, uma mãe, um filho, uma família para o vício....

No ano 2000, um brasileiro perdeu o próprio irmão para as drogas: o traficante Marco Archer. Seu irmão, Sérgio, que costumava espancar a mãe para tomar dinheiro que lhe sustentava o vício, morreu vítima de overdose.

Em vez de se comover com o próprio drama familiar, e se colocar no lugar das famílias destruídas pelas drogas que ele mesmo vendia, Archer lavou as mãos e preferiu ser um mercador de desgraças.

Se preso no Brasil, seria acolhido pela condescendência do nosso Código Penal. Mas, deu azar de ser flagrado num país sério, onde a Justiça dá o exemplo: aqui se faz, aqui se paga.

Mídia Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 14:55:16 +0000 http://www.brasil247.com/167050
Milhares de chechenos protestam contra Charlie Hebdo http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167068 Yoan Valat/Agência Lusa/Direitos Reservados: Aos gritos de "Alá é grande", os muçulmanos exigiram respeito ao profeta. "Esta é uma manifestação contra quem insulta a religião muçulmana", disse Ramzan Kadírov, líder da Chechênia, república russa no Cáucaso. "Nunca autorizaremos a ninguém insultar em nome do profeta", acrescentou Kadírov <br clear="all"> Yoan Valat/Agência Lusa/Direitos Reservados:

Da Agência Brasil*

Entre 800 mil e 1 milhão de chechenos protestaram hoje (19), na capital, Grozni, contra a publicação pelo jornal francês Charlie Hebdo, de uma caricatura do profeta Maomé na capa.

Aos gritos de "Alá é grande", os muçulmanos exigiram respeito ao profeta. "Esta é uma manifestação contra quem insulta a religião muçulmana", disse Ramzan Kadírov, líder da Chechênia, república russa no Cáucaso. "Nunca autorizaremos a ninguém insultar em nome do profeta", acrescentou Kadírov.

Na sexta-feira (16), ocorreram várias manifestações em países muçulmanos após o lançamento da primeira edição do Charlie Hebdo, no dia 14, após o atentado contra o jornal que causou a a morte de 12 pessoas na quarta-feira (14). Os protestos mais graves ocorreram em Zinder, a segunda cidade do Níger, na África Ocidental, onde o Centro Cultural Francês foi incendiado por manifestantes. Os protestos causaram a morte de quatro pessoas e deixaram 45 feridos.

Também na Mauritânia, na Argélia, no Senegal, no Paquistão, na Jordânia, no Líbano e na Turquia manifestantes saíram às ruas contra o Charlie Hebdo.

Com informações da Telesur

Mundo Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 16:20:14 +0000 http://www.brasil247.com/167068
Cerveró só depõe se advogados virem documentos apreendidos http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/167063 Antonio Cruz/ Agência Brasil: Defesa do ex-diretor da Petrobras alega não ter conhecimento do conteúdo dos documentos apreendidos em quatro residências que pertencem a Nestor Cerveró no Rio de Janeiro; os papéis são relacionados às transações financeiras de Cerveró; preso desde quarta-feira em Curitiba (PR), ele não prestará depoimento à polícia nesta segunda-feira 19 <br clear="all"> Antonio Cruz/ Agência Brasil:

247 – O ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, preso desde quarta-feira em Curitiba (PR), só deve prestar novo depoimento à Justiça quando seus advogados tiverem acesso aos documentos apreendidos em residências em seu nome.

Os advogados alegam não ter conhecimento do conteúdo dos papéis, que são referentes a transações bancárias de Cerveró. Eles foram apreendidos no âmbito da Operação Lava Jato em quatro casas do ex-diretor da estatal no Rio de Janeiro.

"Depois disso, nós temos um prazo de três dias para fazer essa análise e para poder prestar as declarações", disse a advogada Alessi Brandão, segundo o portal G1.

Ela ressaltou que não é Cerveró que não quer prestar esclarecimentos, mas os advogados que acreditam que, com acesso aos documentos, haverá uma melhor estruturação da defesa.

Paraná 247 Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 16:06:15 +0000 http://www.brasil247.com/167063
Chinaglia diz que não vai “perder tempo” com Cunha http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/167057 : Candidato à presidência da Câmara, o petista Arlindo Chinaglia voltou a alfinetar seu adversário Eduardo Cunha, atual líder do PMDB e também postulante a presidente da Casa; de acordo com Chinaglia, o peemedebista "permitiu com que a Casa apenas atenda demandas e não adota pautas"; o petista aposta que será eleito com apoio do PMDB; "Ele fica brandindo o tempo todo contra o PT, mas tenta se aproveitar do prestígio de governadores do PT para passar a ideia de uma pessoa civilizada. Eu terei votos do PMDB" <br clear="all"> :

Bahia 247 - Candidato à presidência da Câmara dos Deputados, o petista Arlindo Chinaglia voltou a alfinetar seu adversário Eduardo Cunha, atual líder do PMDB e candidato a presidente da Casa. De acordo com Chinaglia, o peemedebista "permitiu com que a Casa apenas atenda demandas e não adota pautas".

"Quando eu fui presidente, coloquei a reforma política em votação e, no primeiro semestre, a reforma tributária estava pronta para votar. O presidente tem que conduzir processos", disse o petista, que dirigiu a Casa entre 2007 e 2009.

Além disso, Chinaglia deu a entender que a campanha de Cunha é ligada a interesses econômicos e afirmou que a campanha do opositor é de "projeto pessoal".

Abaixo entrevista de Arlindo Chinaglia ao site Bahia Notícias.

Por que o senhor quer ser presidente da Câmara?

Eu fui escolhido pela minha bancada e por diversos partidos. Nós defendemos novas concepções e, para a Câmara, eu defendo uma adoção de pautas. Ou, do contrário, só teremos atendimento de demandas... Como tem acontecido nos últimos anos.

O senhor já foi presidente da Câmara e o fim da reeleição para o Congresso Nacional, hoje, está em voga. Como o senhor vai se comportar em relação a isso?

Veja, o presidente da Câmara não precisa se pronunciar sobre tudo. Ele tem que cumprir com a Constituição e o regimento. Se o projeto for apresentando e, de forma democrática, a gente perceber que ele pode ser votado, vai ser votado.

O senhor falou em criação de agenda para a Casa. Se eleito, como vai lidar com questões espinhosas como a reforma política e tributária?

Quando eu fui presidente, coloquei a reforma política em votação e, no primeiro semestre, a reforma tributária estava pronta para votar. O presidente tem que conduzir processos... O que me coube, eu fiz. Mas aquilo não é uma academia, as pessoas disputam poder.

O senhor se compromete em colocar essas reformas em pauta?

Existem diversas propostas, mas precisa-se ouvir bastante. Todo mundo defende a reforma política, mas defende a sua reforma política. É preciso ver se é possível fazer uma reforma política maior, qual vai ser o nível de participação popular e, talvez, um caminho mais seguro seja ir votando pontos específicos.

Estudos apontam que temos o congresso mais conservador desde 1964, como o senhor pretende colocar leis mais progressistas para serem votadas e até a regulação da mídia, que tem sido colocada pelo PT como prioridade?

O presidente da Casa tem o dever da imparcialidade. Eu não posso dizer que coloco "isso" em votação e "aquilo" não. Não há assunto proibido para a Câmara. O que não se pode é colocar temas que paralisem os trabalhos. Não me dou tarefas de votar obrigatoriamente tal ou qual tarefa e nem de não vota outras. Eu creio que, com a participação da oposição, é possível produzir bons acordos.

O seu concorrente na eleição para a presidência da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), coloca sua candidatura como uma candidatura subordinada ao Palácio do Planalto. Como o senhor vê isso?

O que eu posso dizer é que minha candidatura não é subordinada aos interesses econômicos.

A dele seria subordinada aos interesses econômicos?

Não sei, interprete como você quiser.

Ele é um candidato de oposição?

Ele é um candidato de projeto pessoal. Ao tentar me colocar como subordinado, ele comete uma deselegância. Você pode fazer uma pesquisa com os líderes dos partidos e nunca vai encontrar nenhum que diga que eu sou subordinado aos interesses do governo. A estratégia dele de virar candidato da oposição está furada. O Júlio Delgado (PSB), que também é candidato, tem o apoio do PSDB, do PPS e votos esparramados.

Ele chegou a insinuar que o senhor – ou alguém ligado ao PT – vazou o aparecimento do nome dele na Operação Lava Jato. Como é que o senhor reage a isso?

Eu não dou crédito a carta anônima. Ou alguém tem coragem de fazer uma acusação - e vai ter que provar – ou não insinua. É irrelevante.

Ele diz que não tem buscados votos dos deputados do PT. O senhor tem buscados votos do PMDB?

Ele fica brandindo o tempo todo contra o PT, mas tenta se aproveitar do prestígio de governadores do PT para passar a ideia de uma pessoa civilizada. Eu terei votos do PMDB.

Cunha disse que o senhor deve estar em terceiro lugar na disputa pela presidência da Câmara...

Você deveria aproveitar e chamá-lo para uma aposta. Não vou perder tempo com ele. Tenho viajado o país todo e estou bastante empolgado. No Espírito Santo, de dez votos, eu tenho seis garantidos. No Rio de Janeiro, devo fazer de 18 a 21 votos. Terei maioria no Ceará, no Piauí. Aqui na Bahia, se tiver segundo turno, terei maioria. Por conta dessas baixarias, minha candidatura se aproximou muito da do Júlio Delgado. Estamos construindo um pacto para o segundo turno.

Bahia 247 Romulo Faro Mon, 19 Jan 2015 16:01:44 +0000 http://www.brasil247.com/167057
PSDB não desiste do 3º turno e começa auditoria http://www.brasil247.com/pt/247/poder/167062 : Grupo que vai analisar os dados da eleição presidencial fornecidos pelo TSE conta com oito especialistas do ITA (Instituto de Tecnologia Aeronáutica) e da Poli/USP e terá 60 dias para apresentar os resultados; partido presidido por Aécio Neves ainda se mostra dividido, no entanto, sobre o que fazer depois da análise ser concluída <br clear="all"> :

Lara Rizério

SÃO PAULO - O PSDB concluiu a formação do grupo que será responsável pela auditoria do resultado das eleições presidenciais de 2014, vencida por Dilma Rousseff, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo.

O grupo conta com oito especialistas do ITA (Instituto de Tecnologia Aeronáutica) e da Poli/USP, que estão analisando 30 gigabytes de material e terá 60 dias para apresentar os resultados.

Os trabalhos começam nesta semana em Brasília, informa o jornal, mas o partido ainda se mostra dividido sobre o que fazer depois da análise ser concluída. A conclusão do trabalho é vista com grande expectativa dentro do partido: quando Carlos Sampaio, coordenador jurídico do PSDB, pediu auditoria especial das eleições, a decisão incomodou uma parte dos tucanos, por ter sido feita sem que houvesse um debate interno sobre o tema.

Inicialmente, o PSDB havia pedido uma verificação oficial, com a participação do TSE e de todos os partidos políticos, o que foi negado pelo tribunal, mas autorizou a liberação dos documentos para a realização de uma auditoria própria.

Carlos Sampaio afirmou que a revisão dos dados trará confiança ao processo eleitoral, e que só a auditoria poderá sanar as desconfianças.

Poder Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 15:53:05 +0000 http://www.brasil247.com/167062
ONS: pico de consumo explica apagão no País http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167065 : CPFL, Copel e Light e Eletropaulo estão entre concessionárias de energia que confirmaram ter recebido ordem do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para cortar carga de eletricidade em ao menos oito Estados e no Distrito Federal nesta tarde; falha foi consequência do elevado nível de consumo, por conta do calor intenso; o Ministério de Minas e Energia diz que compete à ONS dar mais detalhes; em São Paulo, falta de energia afetou o metrô; Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais e Amapá também foram prejudicados; Ibovespa caiu 2,5% com temor de racionamento; elétricas despencaram mais de 5% <br clear="all"> :

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil 

O maior grupo de distribuição de energia do interior do estado de São Paulo, a CPFL Energia, restabeleceu totalmente sua carga de distribuição de energia às 15h55. Desde as 15h01, a CPFL, segundo orientação do Operador Nacional do Sistema (ONS), teve de cortar aproximadamente 800 megawatts da energia distribuída, o que afetou cerca de 440 mil consumidores nas cidades da área de atuação das oito distribuidoras do grupo, em São Paulo e no Rio Grande do Sul.

A AES Eletropaulo, concessionária que opera na capital e Grande São Paulo, informou que restabeleceu a totalidade de sua carga de energia elétrica às 15h50. Mais cedo, a distribuidora havia comunicado que teve de cortar 700 megawatts da energia distribuída seguindo orientação do ONS.

A redução de energia em SP chegou a afetar a operação do metrô. Duas estações da Linha Amarela ficaram fechadas por aproximadamente uma hora em razão da falta de energia elétrica, segundo o Consórcio Via Quatro, que administra a linha. As estações Luz e República ficaram inoperantes. No momento, todas as linhas da cidade operam normalmente.

Sobrecarga determina suspensão de energia em pontos consumidores

Nielmar de Oliveira - Por determinação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a concessionária Light efetuou, às 14h50 de hoje (19), um corte seletivo de energia elétrica em vários pontos do Rio de Janeiro, principalmente em bairros da zona oeste da cidade como Realengo e Bangu, e em bairros da zona norte, como Guadalupe, assim como em cidades da Baixada Fluminense.

A Light informou à Agência Brasil que, apesar do alívio da carga, a empresa priorizou a mantutenção de serviços essenciais como o abastecimento de hospitais, do transporte de massa (metrô e trens), de grandes clientes industriais e para a Companhia Estadual de Abastecimento de Água (Cedae). De acordo com a concessinária, o abastecimento foi normalizado às 16h20.

Há informações de que falta energia elétricas em alguns outros estados como Santa Catarina e São Paulo. Este, confirmado pelo próprio ONS, mas já normalizado.

O ONS prometeu divulgar em instantes uma nota oficial para esclarecer a falta de energia e informar quais estados foram atingidos, mas adiantou que o problema já foi resolvido e que a energia já está sendo restabelecida em todos os pontos em que houve blecaute.

Leia abaixo reportagem do portal Infomoney sobre a reação do mercado ao apagão:

Ibovespa afunda com apagão e temor de racionamento

Por Ricardo Bomfim 

SÃO PAULO - A Bolsa já ameaçava cair, mas a queda de energia nesta tarde afetando São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Espírito Santo ajudou a afundar de vez o índice. A Eletropaulo cortou mais de 700 MW de energia distribuída a pedido do ONS (Operador Nacional do Setor Elétrico). O índice fechou em queda de 2,57%, a 47.758 pontos. O volume financeiro negociado foi de R$ 5,921 bilhões.

O benchmark despencou 1.030 pontos, ou 2,1%, com a falta de energia, passando de 48.660 pontos a 47.630 pontos.

Segundo o estrategista-chefe da XP Investimentos, Celson Plácido, o temor de que um racionamento ocorra derrubou o Ibovespa nesta tarde. Lauro Vilares, analista técnico da Guide Investimentos também credita a queda da Bolsa hoje à falta de energia.

O "apagão" também faz com que o dólar dispare. Se houver racionamento, o crescimento do PIB pode ser ainda mais comprometido. O economista chefe para América Latina da instituição, Marcelo Carvalho, do BNP já havia dito que o estrago de um racionamento no avanço da economia brasileira deve ser de um a dois pontos percentuais.

As estações Luz e República do Metrô de São Paulo foram fechadas devido à falta de energia.

Destaques Ações de companhias do setor de energia como CPFL (CPFE3, R$ 17,52, -7,30%), Cemig (CMIG4, R$ 11,60, -6,38%), Cesp (CESP6, R$ 24,30, -4,71%), Eletrobras (ELET3, R$ 5,39, -3,92%; ELET6, R$ 7,41, -4,26%) Light (LIGT3, R$ 14,75, -6,59%) caem forte.

Além delas, as ações de Petrobras (PETR3, R$ 8,88, -3,79%; PETR4, R$ 9,19, -2,65%) e Vale (VALE3, R$ 21,65, -1,05%; VALE5, R$ 19,10, -0,68%) também caíam forte depois do vencimento de opções. O exercício de opções sobre ações movimentou R$2,18 bilhões na BM&FBovespa hoje.

Além disso, os preços do petróleo caíam. O petróleo WTI, negociado no Texas, caía 2,40%, a US$ 47,52, enquanto o Brent, de Londres, recuava 2,61%, a US$ 48,86. Além disso, coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, de domingo, apontou que o governo deve aproveitar a queda dos preços da commodity - o que está dando à Petrobras vantagem, agora, de vender gasolina mais caro do que custa - para retomar a Cide sem aumentar o preço dos combustíveis, com objetivo de não pressionar a inflação.

Ainda na imprensa, uma reportagem da Folha de S. Paulo apontou que a companhia deve ter prejuízo de US$ 3,2 bilhões com a implantação da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco. Segundo a publicação, relatórios finais da auditoria, concluída em novembro, identificaram que em 2012 a diretoria e o conselho de administração da estatal já sabiam das projeções das perdas.

As ações da Vale operam durante todo o pregão no negativo, pressionadas pela movimentação chinesa. Na Ásia, os mercados chineses despencaram após decisão do Banco do Povo da China (PboC) de apertar as margens dos investidores, restringindo empréstimos de curto prazo feitos pelas corretoras a seus clientes para compra de ações.

Brasil Aquiles Lins Mon, 19 Jan 2015 16:18:55 +0000 http://www.brasil247.com/167065
ONG faz protesto contra morte de criança no Rio http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/167059 : A ONG Rio de Paz faz um protesto contra a morte da menina Larissa Carvalho, de 4 anos, vítima de bala perdida em Bangu, na Zona Oeste da capital fluminense; no local, foi instalada uma cruz preta com três metros de altura, além de brinquedos e flores; de acordo com a ONG, a cruz ficará no local até as 19h30m da próxima quarta-feira (21); outra criança, de 9 anos, foi atingida por uma bala perdida na capital; Asafe William Costa de Ibrahim está com a bala alojada na cabeça; seu estado é grave <br clear="all"> :

Rio 247 - A ONG Rio de Paz faz um protesto na manhã desta segunda-feira (19) contra a morte da menina Larissa Carvalho, de 4 anos, vítima de bala perdida na tarde de sábado (17), em Bangu, na Zona Oeste da capital fluminense. No local, foi instalada uma cruz preta com três metros de altura, além de brinquedos e flores. De acordo com a ONG, a cruz ficará no local até as 19h30m da próxima quarta-feira (21).

Moradores da cidade poderão depositar flores, brinquedos e deixar mensagens para pessoas que também tiveram parentes vítimas da violência. Segundo a ONG, a manifestação também tem como objetivo pedir ao governo estadual que auxilie a família de Larissa e cobre das autoridades a redução das mortes por bala perdida.

A ONG informou que pelo menos 13 crianças morreram vítimas de balas perdidas no período entre 2007 e 2015, número que pode aumentar, pois outra criança foi vítima de bala perdida no Rio.

O menino identificado como Asafe William Costa de Ibrahim, de 9 anos, foi atingido quando estava com a mãe no domingo (18) na área de lazer do Sesi de Honório Gurgel, no Subúrbio do Rio. Ele foi levado para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes. Seu estado de saúde é grave.

A criança está com a bala alojada na cabeça, próxima ao olho direito. De acordo com a mãe, a cirurgia para a retirada da bala deve ser feita daqui a três dias. A mãe do menino disse, também, que, apesar do ferimento, o garoto ficou lúcido durante todo o trajeto do Sesi até o hospital.

Rio 247 Leonardo Lucena Mon, 19 Jan 2015 16:08:00 +0000 http://www.brasil247.com/167059
Morte de promotor cria comoção na Argentina http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167038 : A misteriosa morte do promotor Alberto Nisman, que, nesta segunda-feira, denunciaria um complô do governo argentino para encobrir as investigações de um atentado a um centro judaico (Amia) que matou 85 pessoas em 1994, criou um clima de comoção no país; as hashtags #MuerteDeNisman e #CFKAsesina (que acusa a presidente Cristina Kirchner de ordenar a morte) estão nos trending topics globais do Twitter; pelo Facebook já se convoca o movimento "YoSoyNisman" e os presidenciáveis argentinos, que disputam a eleição este ano, convocam entrevistas; colunistas falam em crime político; "É uma catástrofe. A bomba da Amia explodiu novamente", disse nesta manhã Julio Schlosser, presidente da principal organização da comunidade judaica na Argentina e a maior da América Latina <br clear="all"> :

247 - A Argentina enfrenta, nesta segunda-feira, um ambiente de comoção política. O motivo é a misteriosa morte do promotor Alberto Nisman, que, nesta segunda-feira, apresentaria seu relatório sobre o atentado a um centro judaico que, em 1994, matou 85 pessoas. Nisman suspeitava que o governo argentino pretendia encobrir a participação do Irã no episódio.

Jorge Lanata, colunista político que escreve no Clarín e é considerado um dos principais opositores de Cristina Kirchner, a responsabilizou pela morte e cravou: 'crime político'.

Hoje, as hashtags #CFKAsesina (numa alusão ao nome de Cristina Fernandez Kirchner) e #MuerteDeNisman estão entre os temas mais comentados no mundo, no Twitter.

Pelo Facebook, manifestantes já convocam marchas e o organizam o movimento "YoSoyNisman". Os presidenciáveis que disputarão a Casa Rosada, neste ano, já convocam entrevistas coletivas.

Leia, abaixo, reportagem da Reuters:

Por Sarah Marsh e Maximiliano Rizzi

BUENOS AIRES (Reuters) - O promotor argentino que acusou a presidente Cristina Kirchner de orquestrar o acobertamento de uma investigação contra o Irã sobre o ataque a bomba de 1994 contra um centro judaico na Argentina foi encontrado morto em seu apartamento, informaram autoridades nesta segunda-feira.

Alberto Nisman, que investigava a explosão que matou 85 pessoas no centro judaico Amia, em Buenos Aires, disse na semana passada que Cristina havia aberto um canal de comunicação secreto com o grupo de iranianos suspeito de ter plantado a bomba.

Segundo o promotor, o esquema tinha como objetivo inocentar os suspeitos para que a Argentina pudesse começar a negociar grãos em troca de petróleo do Irã.

“Alberto Nisman foi encontrado morto no domingo à noite em seu apartamento no 13º andar da torre Le Par, no bairro de Puerto Madero em Buenos Aires”, informou o Ministério da Segurança Pública da Argentina em comunicado.

O ministério disse que os guarda-costas de Nisman avisaram à mãe do promotor no domingo à tarde que ele não estava atendendo o telefone nem a campainha, e que os jornais de domingo ainda estavam na porta.

A mãe de Nisman encontrou a porta de seu flat trancada pelo lado de dentro e teve que chamar um chaveiro para abri-la. Ela encontrou o corpo do filho no chão do banheiro, bloqueando a entrada, e ligou para a polícia.

“Próximo ao corpo de Nisman... foi encontrada uma arma de mão de calibre 22, assim como um cartucho”, declarou o ministério.

Nisman, que segundo a mídia local tinha 51 anos, era esperado em uma audiência a portas fechadas no parlamento nesta segunda-feira para explicar suas acusações contra Cristina.

O jornal Clarín relatou que poucos dias atrás ele havia dito ao diário que “posso acabar morto por causa disto”. Em uma outra entrevista à televisão, Nisman também cogitou aceitar um reforço em sua segurança.

AUTÓPSIA  

“Nos próximos dias, iremos determinar a causa da morte com uma autópsia”, disse a promotora Viviana Fein aos jornalistas reunidos no local do crime nas primeiras horas. “Peço seriedade, peço prudência”.

O juiz encarregado do caso do atentado de 1994 criticou Nisman na semana passada por assumir a responsabilidade de “iniciar uma investigação sem controle judiciário” e afirmou que o indício que ele apresentou era falho.

O chefe de gabinete argentino, Jorge Capitanich, havia dito que as alegações de Nisman eram “loucas, absurdas, ilógicas, irracionais, ridículas, inconstitucionais”.

Em 2013, Cristina tentou formar uma “comissão da verdade” com o Irã para conduzir uma investigação conjunta. Na época ela declarou que o pacto iria reabrir o inquérito, mas Israel e grupos judeus disseram que a medida ameaçava o andamento do processo criminal do caso.

A comissão da verdade foi desautorizada por um tribunal argentino, e Teerã jamais a ratificou.

Nisman havia dito que a comissão tinha por fim ajudar a obter a anulação dos mandados de prisão contra os suspeitos iranianos como passo na normalização das relações bilaterais e para abrir caminho para a obtenção do petróleo iraniano, necessário para auxiliar a cobrir o déficit energético argentino de sete bilhões de dólares anuais.

Presidente de comunidade judaica considera morte de Nisman "uma catástrofe"

Monica Yanakiew - Correspondente da Agência Brasil/EBC 

A comunidade judaica na Argentina reagiu, hoje (19), a morte do procurador federal Alberto Nisman. "É uma catástrofe. A bomba da Amia explodiu novamente", disse nesta manhã o presidente da Daia, Julio Schlosser, a principal organização da comunidade judaica na Argentina e a maior da América Latina. Na semana passada, Nisman acusou a presidenta Cristina Kirchner e o chanceler Hector Timerman de terem negociado um plano com o Irã para encobrir os responsáveis pelo ataque terrorista de 1994, contra o centro comunitário judaico Amia, quando foram mortas 85 pessoas e centenas feridas.

O chanceler argentino, Hector Timerman, foi surpreendido pela notícia em Nova York, onde participará da reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). "Soube por mensagem de texto", disse ao ser abordado por jornalistas.

O promotor federal Alberto Nisman, encarregado de investigar o pior atentado fundamentalista na história da Argentina, foi encontrado morto na madrugada de hoje (19), horas antes de comparecer ao Congresso. Ele tinha sido convocado para apresentar as provas que o levaram a pedir a abertura de um inquérito contra a presidenta Cristina Kirchner e o chanceler Hector Timerman.

O Secretario de Seguranca, Sergio Berni, disse que informou a presidenta Cristina Kirchner tão logo recebeu a confirmacao da notíci. Segundo ele, todas as evidências levam para o suicidio. A promotora Viviana Fein, no entanto, pediu "prudência" . Ela confirmou que foi encontrada uma arma calibre 22 no imóvel, mas evitou comentar as circunstâncias da morte.

Ela contou que a mãe do promotor foi contactada pelos seguranças pessoais do promotor, que alertaram a família que ele não respondia aos telefonemas, no domingo (18). O governo argentino ofereceu apoio para esclarecer a morte de Nisman.

"O juiz tem todo o apoio por parte das forças de segurança para garantir o esclarecimento deste fato doloroso", disse o chefe de Gabinete do governo argentino, Jorge Capitanich.

O depoimento de Nisman era esperado tanto por políticos da oposição quanto do governo. Os oposicionistas convocaram o promotor ao Congresso para que revelasse, em sessão secreta, o conteúdo de centenas de escutas telefônicas e o nome das pessoas que teriam participado no suposto complô denunciado por ele na semana passada. Os simpatizantes de Cristina Kirchner, além de desmentirem as acusações, exigiam uma sessão aberta, com a presença da imprensa, para desmascararem o que consideravam ser mentiras. A morte dele, horas antes, surpreendeu o país.

Segundo as primeiras informações da policia, Nisman foi encontrado no banheiro, ao lado de uma arma e um cartucho. A promotora Viviana Fein, encarregada de investigar o caso, que o promotor morreu ontem a noite (18), antes do jantar e que não foi encontrada "qualquer carta" explicando um suposto suicídio. Os resultados da autopsia serão divulgados na noite de hoje.

A morte de Nisman comoveu os argentinos. O país foi vítima de dois atentados terroristas nos anos 1990. O primeiro, em 1992, foi contra a Embaixada de Israel em Buenos Aires, que deixou um saldo de 29 mortos. Dois anos depois, um carro-bomba destruiu a sede do centro comunitário judaico Amia. Os responsáveis pelas duas tragédias jamais foram encontrados.

A falta de resultados levou o ex-presidente Nestor Kirchner (2003-2007) a criar uma procuradoria especial para reabrir as investigações dos dois casos. Alberto Nisman foi o escolhido para centralizar todas as informações e pouco depois de ter sido nomeado acusou altos funcionários do regime iraniano de terem planejado o atentado. A bomba teria sido colocada pelo grupo xiita Hezbollah, com a ajuda de simpatizantes infiltrados na comunidade árabe da Triplice Fronteira – Argentina, Brasil e Paraguai.

Em 2013, Nisman disse que tinha enviado à Justiça brasileira informação de que terroristas estariam infiltrados em vários países da região. Na lista dele estavam o Brasil, Paraguai, Chile, a Colombia, Bolivia e Trinidad e Tobago.

A situação mudou em 2012, quando o governo argentino informou que o Irã tinha decidido colaborar e autorizaria a viagem de juízes e promotores argentinos a capital Teerã para tomar o depoimento dos suspeitos. Em contrapartida, a Argentina assinaria um memorando com o Irã criando uma Comissão da Verdade para investigar o caso.

Cristina Kirchner defendeu o acordo dizendo que era a única forma para destravar as investigações e que, depois de passar anos criticando a falta de cooperação dos iranianos, não tinha como se negar a uma proposta feita por eles para tentar esclarecer o crime. O governo da presidenta enfrentou duras criticas da oposição e de organizações judaicas, que consideram o regime iraniano "pouco confiável".

Mundo Leonardo Attuch Mon, 19 Jan 2015 13:21:24 +0000 http://www.brasil247.com/167038
Portugal e a naturalidade com a regulação da mídia http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167023 : Agência de regulação da mídia de Portugal, "uma república europeia nada bolivariana", como ressalta a colunista Tereza Cruvinel, apresentou ao Congresso na semana passada um relatório envolvendo as quatro redes nacionais de televisão (RTP1, RTP2, públicas, e SIC e TVi, privadas); "O relatório foi recebido com absoluta naturalidade, sem estrilos e denúncias de tentativa de controlar o conteúdo das emissoras", afirma a jornalista, em seu blog no 247; ela lembra que a criação, no Brasil, de uma agência reguladora nos moldes das que existem em Portugal e Grã-Bretanha é uma das possibilidades analisadas pelo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini <br clear="all"> :

247 – O Congresso de Portugal, "uma república europeia nada bolivariana", como lembra a jornalista Tereza Cruvinel, em seu blog no 247, recebeu com "absoluta naturalidade, sem estrilos e denúncias de tentativa de controlar o conteúdo das emissoras" um relatório da Agência Reguladora de Comunicação Social (a ERC) na semana passada.

"O órgão avalia a porcentagem de notícias negativas e positivas relacionadas com governo e oposição e com cada partido ou força política representativa", explica a colunista. Leia um trecho:

Este último relatório, envolvendo as quatro redes nacionais de televisão (RTP1, RTP2 (públicas), SIC e TVi (privadas) concluiu que o governo teve um número predominante de notícias negativas enquanto a oposição mereceu uma apreciação mais positiva. Mas a discrepância foi mínima, ficando o governo com pouco mais de 50% das notícias ruins (com pouca variação deste índice entre os canais) e a oposição quase sempre com pouco mais de metade das notícias positivas.

Tereza lembra que a criação, no Brasil, de uma agência reguladora nos moldes das que existem em Portugal e na Grã-Bretanha é uma das possibilidades examinadas pelo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini. "Nos dois países, as agências são encarregadas da regulação econômica e também dos direitos do cidadão diante do poder dos meios de comunicação, zelando pela pluralidade, pelo direito à privacidade e o direito de resposta", diz ela. Neste fim de semana, a presidente Dilma Rousseff defendeu a regulação econômica da mídia (leia aqui).

"A presidente Dilma tem colocado ênfase na regulação econômica. O ministro, refletindo as posições do PT, tem uma concepção mais ampla da regulação democrática", avalia Tereza.

Leia a íntegra do post em Regulação da mídia em Portugal

Mídia Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 12:30:08 +0000 http://www.brasil247.com/167023
O milagre do Charlie: Hollande se recupera http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167042 : O atentado à redação do Charlie Hebdo, em Paris, produziu um verdadeiro milagre: a recuperação dos índices de aprovação de François Hollande, que era um dos líderes franceses com menor popularidade desde o pós-guerra; dois grandes institutos de pesquisa mostraram que os franceses aplaudiram a maneira como ele lidou com os piores ataques de militantes islâmicos contra o país; para completar, o Front Nacional, partido anti-imigração da líder de direita Marine Le Pen, sofreu um importante revés <br clear="all"> :

Por Mark John

PARIS (Reuters) - O presidente da França, François Hollande, conseguiu uma recuperação espetacular em sua taxa de aprovação nesta segunda-feira, quando dois grandes institutos de pesquisa mostraram que os franceses aplaudiram a maneira como ele lidou com os piores ataques de militantes islâmicos contra o país.

Embora temporário, o aumento do apoio a Hollande e seu governo evitou que a Frente Nacional, partido anti-imigração da líder de direita Marine Le Pen, capitalizasse a violência deste mês em Paris, como alguns analistas haviam previsto, segundo revelou uma das pesquisas.

Embora a imagem renovada do mandatário socialista possa ajudá-lo a combater a resistência à sua iniciativa de desregulamentação econômica encaminhada ao Parlamento, os dois levantamentos afirmaram que a perspectiva ruim para os empregos pode fazer com que a lua de mel não dure.

Três atiradores mataram 17 pessoas na capital francesa duas semanas atrás, incluindo membros da redação do semanal satírico Charlie Hebdo, antes de serem mortos pelas forças de segurança.

Hollande convidou líderes de todo mundo e caminhou à frente de mais de um milhão de parisienses pela cidade em uma passeata no dia 11 de janeiro, e alguns comentaristas viram semelhanças entre o evento e o alívio vivido após a libertação da França dos nazistas em 1944. 

À ALTURA

A taxa de aprovação de Hollande disparou para 40 por cento na pesquisa por telefone da Ifop para a revista Paris Match e a Rádio Sud, realizada entre 16 e 17 de janeiro – um avanço inédito de 21 pontos em relação à sua taxa de dezembro e seu nível mais alto em quase dois anos.

“Para os franceses, François Hollande esteve à altura da tarefa, reagiu às acusações de falta de liderança e firmeza, envergou o traje presidencial e colheu a recompensa”, disse o vice-diretor-geral do Ifop França à Reuters TV.

Uma pesquisa separada divulgada no final de semana pelo instituto BVA confirmou a recuperação –Hollande ganhou 10 pontos e foi a 34 por cento, sua melhor marca no levantamento desde maio de 2013.

A aprovação de Hollande chegou a cair para 13 por cento, a mais baixa na história das pesquisas, sobretudo por conta de sua incapacidade de lidar com o desemprego, estacionado acima dos 10 por cento, e por uma série de aumentos de impostos introduzidos durante seus dois primeiros anos no cargo.

A pesquisa do BVA mostrou que o número de pessoas com uma opinião favorável do Partido Socialista, de Hollande, aumentou quatro pontos e chegou a 30 por cento, colocando a legenda adiante da Frente Nacional de Le Pen, que empacou nos 28 por cento, pela primeira vez desde setembro passado.

Alguns analistas haviam previsto que a afiliação islâmica dos atiradores e seus laços familiares com a Argélia e o oeste da África iriam beneficiar o partido anti-imigrante, mas a voz de Le Pen foi sobrepujada pelas manifestações de emoção.

“Não ajudou a Frente Nacional, porque no final das contas os franceses se uniram em torno dos valores centrais e compartilhados da República”, afirmou o diretor de estudos de opinião do BVA, Eric Bonnet, a respeito das manifestações em massa para repudiar o terrorismo e reafirmar as liberdades civis.

Mundo Leonardo Attuch Mon, 19 Jan 2015 13:29:02 +0000 http://www.brasil247.com/167042
Petrobras teme Boko Haram e reforça segurança na Nigéria http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167049 : Preocupada com a crescente violência do grupo radical islâmico Boko Haram na Nigéria, a Petrobras e suas sócias na operação nigeriana adotaram medidas para garantir a segurança e a integridade de seus funcionários e instalações; entre as ações, a que mais chama a atenção é a restrição aos deslocamentos dos empregados em locais públicos <br clear="all"> :

Alex Rodrigues - Repórter da Agência Brasil

Preocupada com a crescente violência do grupo radical islâmico Boko Haram na Nigéria, a Petrobras e suas sócias na operação nigeriana adotaram medidas para garantir a segurança e a integridade de seus funcionários e instalações.

Localizada na África Ocidental, com cerca de 180 milhões de habitantes, a Nigéria é um dos dez maiores produtores mundiais de petróleo.

Entre as ações, a que mais chama a atenção é a restrição aos deslocamentos dos empregados em locais públicos. Desde a última quinta-feira (15), a Agência Brasil tenta obter da Petrobras uma explicação sobre como a proibição vem sendo aplicada, mas ainda não teve respostas.

Apesar de só explorarem petróleo em alto mar (offshore), as multinacionais também reforçaram o esquema de segurança nos escritórios das duas empresas vinculadas à Petrobras Oil & Gas (Petróleo Brasileiro Nigéria e a Brasoil Oil Services). Oos escritórios ficam em Lagos, capital nigeriana, longe da região Nordeste, onde o Boko Haram já domina uma área maior que a de alguns países europeus.

O acesso de visitantes aos escritórios também foi limitado ao "absolutamente essencial". A Petrobras afirmou estar permanentemente monitorando a situação para, caso seja necessário, adotar outras medidas.

A Agência Brasil também entrou em contato com a construtora Andrade Gutierrez, mas ainda não recebeu respostas sobre medidas de segurança adotadas pela empresa. Responsável por importantes obras de infraestrutura na Nigéria, a construtora mantém escritório em Lagos.

Presidente da Confederação Sindical Internacional (CSI), o brasileiro João Antonio Felício reconheceu a importância das empresas que atuam na Nigéria se precaverem. Felício também condenou os atentados praticados por grupos extremistas como o Boko Haram.

"Há um temor de que empresas de outros países sejam atacadas. Cabe ao governo da Nigéria garantir direitos ao trabalho, à livre circulação e a segurança dos nigerianos e estrangeiros que vivem no país. A CSI rejeita atos violentos em qualquer país e repudia a ação de grupos radicais que desrespeitam a democracia, com ações que não contam com respaldo de ninguém mais que seus próprios membros", assinalou Felício.

O terror imposto por integrantes do Boko Haram obrigou 900 mil nigerianos a deixarem suas casas. Eles migraram para outras localidades em busca de proteção, comida e medicamentos. Milhares de pessoas estão em acampamentos administrados pelo governo nigeriano. A ameaça extremista também já rompeu as fronteiras nigerianas. Ontem (18), dezenas de moradores de duas aldeias de Camarões foram sequestradas por integrantes do Boko Haram.

Para tentar deter o avanço do grupo, o governo do Chade autorizou o envio de tropas militares para combater os extremistas em território camaronês.

Brasil Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 14:30:18 +0000 http://www.brasil247.com/167049
Explosão em refinaria da Petrobras na Bahia fere 3 funcionários http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/167036 : Uma explosão na Refinaria Landulpho Alves  da Petrobras, na Bahia, feriu três funcionários no domingo, informou o sindicato dos petroleiros do Estado (Sindipetro-BA); a unidade tem a segunda maior capacidade de processamento do país, de 323.000 barris de petróleo por dia e também é a segunda maior em complexidade, segundo informações do site da Petrobras <br clear="all"> :

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Uma explosão na Refinaria Landulpho Alves (RLAM) da Petrobras, na Bahia, feriu três funcionários no domingo, informou o sindicato dos petroleiros do Estado (Sindipetro-BA).

A unidade tem a segunda maior capacidade de processamento do país, de 323.000 barris de petróleo por dia e também é a segunda maior em complexidade, segundo informações do site da Petrobras.

"A explosão ocorreu no Vaso 3818 de hidrogênio da U-38, durante um serviço em espaço confinado, no início da tarde de domingo", disse o Sindipetro-BA em nota publicada no site da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

(Por Marta Nogueira e Jeb Blount)

Bahia 247 Leonardo Attuch Mon, 19 Jan 2015 13:02:37 +0000 http://www.brasil247.com/167036
Kotscho: “ricos brasileiros e blogueiros vão ver Obama como comunista” http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/167030 : "Na contramão das medidas econômicas recessivas que vêm sendo estudadas pelo governo Dilma 2, o presidente dos EUA vai anunciar nesta terça-feira, em seu discurso anual sobre o Estado da União, que enviará projeto ao Congresso com proposta que prevê aumentar os impostos dos mais ricos e dos bancos e, ao mesmo tempo, desonerar a carga tributária da classe média", diz o jornalista; para Ricardo Kotscho, o ministro Joaquim Levy deveria tirar lições com colegas americanos em Davos <br clear="all"> :

247 – O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, deveria tirar algumas lições em Davos, na Suíça, esta semana, afirma o jornalista Ricardo Kotscho, em seu blog. Segundo ele, o ministro deveria perguntar aos colegas americanos como o governo do país "como é possível fazer um 'ajuste fiscal', tirando de quem tem mais e vive da especulação financeira, para beneficiar quem vive apenas do seu trabalho, ao contrário do que o ministro vem planejando por aqui", como pretende Barack Obama. Leia abaixo:

Bom mesmo é ser rico no Brasil e gastar nos EUA

Se já tinham alguma desconfiança, os ricos brasileiros e seus blogueiros de estimação agora é que vão ter certeza mesmo de que Barack Obama é comunista.

Na contramão das medidas econômicas recessivas que vêm sendo estudadas pelo governo Dilma 2, o presidente dos EUA vai anunciar nesta terça-feira, em seu discurso anual sobre o Estado da União, que enviará projeto ao Congresso com proposta que prevê aumentar os impostos dos mais ricos e dos bancos e, ao mesmo tempo, desonerar a carga tributária da classe média.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, novo "czar" da economia brasileira, poderia aproveitar sua viagem esta semana a Davos, na Suíça, onde representará nosso país no Fórum Econômico Mundial, para perguntar aos seus colegas americanos como é possível fazer um "ajuste fiscal", tirando de quem tem mais e vive da especulação financeira, para beneficiar quem vive apenas do seu trabalho, ao contrário do que o ministro vem planejando por aqui.

O "Plano Robin Hood" de Obama prevê um aumento da arrecadação de US$ 320 bilhões nos próximos dez anos, com a maior taxação de grandes bancos, casais que ganham mais de US$ 500 mil por ano e cobrança de impostos sobre heranças _ algo simplesmente fora de cogitação dos ajustes de Dilma-Levy.

De outro lado, a proposta do governo americano prevê uma desoneração de US$ 175 bilhões dos impostos pagos pela classe média no mesmo período, segundo notícia publicada nesta segunda-feira no New York Times, venerável publicação que, perto dos jornalões brasileiros, deve parecer um perigoso porta voz do socialismo, a ameaçar a liberdade de expressão em todo o mundo.

O principal jornal americano já prevê que Obama "vai enfrentar forte resistência num Congresso agora controlado pelo Partido Republicano", o equivalente, mal comparando, ao nosso PSDB.

O mais curioso e triste para nós é que Obama, que perdeu as últimas eleições parlamentares nos Estados Unidos, mostra coragem para enfrentar a oposição republicana, mesmo estando em minoria, enquanto Dilma Rousseff, que acabou de vencer as eleições gerais no Brasil, com ampla maioria no Congresso Nacional, faz exatamente o contrário, para agradar ao mercado.

Até agora, mesmo com a presidente se mantendo em ensurdecedor silêncio desde que tomou posse no segundo mandato, há 19 dias, seus ministros e assessores só vêm anunciando medidas que oneram a classe média, como o aumento dos impostos de profissionais liberais e prestadores de serviço que formaram pequenas empresas na forma de pessoas jurídicas, mais conhecidos por "PJ", além de restringir o acesso a benefícios sociais e liberar o aumento de tarifas.

Chega agora a cheirar a ironia a ameaça feita por tucanos emplumados, às vésperas da eleição de outubro, de que deixariam o Brasil se Dilma se reelegesse. Para quê?

Bom mesmo é ficar rico no Brasil, ir às compras e investir em imóveis nos Estados Unidos, sem nenhuma ameaça de taxação das suas fortunas. Tem lugar melhor no mundo para ser banqueiro ou herdeiro que vive de rendas? Quando começa a faltar água e luz, é só pegar um avião, de preferência um jatinho particular, e ir para suas casas em Punta ou Miami. Seu rico dinheirinho estará garantido pelo nosso fisco camarada, e não tem nenhum Obama que o ameace.

E vamos que vamos.

Em tempo (atualizado às 11h30) _ Acabo de ler na manchete do UOL: "Riqueza de 1% deve ultrapassar a dos outros 99% no mundo até 2016, diz ONG".

Estudo da organização britânica Oxfam informa que a "explosão da desigualdade" está dificultando a luta contra a pobreza global. "Apesar de o assunto ser tratado de forma cada vez mais frequente na agenda mundial, a lacuna entre os mais ricos e o resto da população continua crescendo a ritmo acelerado", advertiu a diretora executiva da Oxfam Internacional, Winnie Byanyma.

A presidente Dilma e o ministro Levy bem que poderiam ler este estudo antes de apresentar as propostas brasileiras em Davos.

Barack Obama já está fazendo sua parte para evitar que este abismo entre ricos e pobres cresça ainda mais.

E nós?

Mídia Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 12:46:34 +0000 http://www.brasil247.com/167030
Contra barbárie, Austrália também se une ao Brasil http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/167001 : Depois da Holanda, é a vez de a Austrália repudiar a pena de morte na Indonésia; "O governo australiano é contra a pena de morte em todas as instâncias e tem sido uma posição consistente de todos os governos há muitos anos e, por isso, somos contra uma situação em que cidadãos do país estejam prestes a ser executados", disse a ministra australiana dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop; no Brasil, governo Dilma foi alvo de críticas por tentar livrar um brasileiro do corredor da morte, executado no último sábado; defesa quer agora internar Rodrigo Gularte, também condenado à morte no país, para que não seja executado <br clear="all"> :

247 – Depois da Holanda, que se uniu ao Brasil neste fim de semana contra a pena de morte na Indonésia, onde um brasileiro foi executado no último sábado 17, agora é a vez de o governo australiano se manifestar contra a barbárie. Brasil e Holanda convocaram seus embaixadores. "É um castigo cruel e desumano", declarou o ministro das Relações Exteriores holandês, Bert Koenders.

Hoje, a ministra australiana dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop, classificou a pena de morte como aberração. A Indonésia tem dois australianos no corredor da morte. O Brasil foi criticado por tentar livrar da morte o brasileiro Marco Archer, sem sucesso. A defesa do também brasileiro Rodrigo Gularte tenta agora interná-lo em um hospital psiquiátrico às pressas a fim de livrá-lo do fuzilamento.

Leia abaixo reportagem da Agência Brasil sobre a declaração da Austrália sobre a pena de morte:

Chanceler australiana considera pena de morte uma aberração

Da Agência Brasil - A ministra australiana dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop, classificou hoje (19) a pena de morte uma aberração e disse que lutará até o fim pela vida dos dois australianos que estão no corredor da morte por narcotráfico na Indonésia.

"O governo australiano é contra a pena de morte em todas as instâncias e tem sido uma posição consistente de todos os governos há muitos anos e, por isso, somos contra uma situação em que cidadãos do país estejam prestes a ser executados", disse.

Os australianos Myuran Sukumaran e Andrew Chan estão no corredor da morte na Indonésia onde, no sábado (17), foram executados, por fuzilamento, seis condenados por tráfico de droga, entre eles o carioca Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos. Ele foi o primeiro brasileiro executado por crime no exterior.

A execução do brasileiro criou uma crise diplomática entre Brasil e Indonésia. A presidenta Dilma Rousseff – que chegou a fazer um apelo ao presidente indonésio Joko Widodo para que Archer não fosse morto -, se disse "consternada" e "indignada" e convocou para consultas o embaixador do Brasil em Jacarta. No meio diplomático, a medida representa uma espécie de agravo ao país no qual está o embaixador. O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, disse que a execução causa "uma sombra" na relação entre o Brasil e a Indonésia.

O governo indonésio tem recusado, até o momento, qualquer pedido de clemência para os condenados à morte.

*Com informações da Agência Lusa

 

Mundo Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 10:05:45 +0000 http://www.brasil247.com/167001
Skaf: indústria não vai aceitar novos tributos http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167002 : Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, afirma que, na visão da indústria, "há, sim, espaço para um ajuste concentrado no corte de despesas que não comprometam o bom andamento do serviço público, sem que seja necessário sacrificar investimentos e penalizar a sociedade com mais tributos"; "Este é o nosso limite: não podemos e não vamos aceitar mais aumento de impostos", ressalta <br clear="all"> :

247 – O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, reafirmou nesta segunda-feira 19 que a indústria aprovou a escolha da nova equipe econômica pela presidente Dilma Rousseff e se coloca à disposição ao apoio e diálogo. "Sabemos que são pessoas sérias, com responsabilidade, visão de futuro e compromisso com quem quer produzir, trabalhar e fazer o país crescer", escreveu Skaf em artigo no jornal Valor Econômico, em referência ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, do Desenvolvimento, Nelson Barbosa, e ao presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

"As primeiras medidas do governo são coerentes com a necessidade do país e com o que se espera da equipe. Sua prioridade deve ser o corte de gorduras. Na nossa visão, há, sim, espaço para um ajuste concentrado no corte de despesas que não comprometam o bom andamento do serviço público, sem que seja necessário sacrificar investimentos e penalizar a sociedade com mais tributos", diz trecho do texto, alinhado com o discurso de Joaquim Levy. "Este é o nosso limite: não podemos e não vamos aceitar mais aumento de impostos", ressaltou Paulo Skaf.

Ele lembra do aumento de 12 pontos percentuais, em vinte anos, da carga tributária brasileira, para 37% do PIB, e critica ainda a burocracia. "Não bastasse o peso excessivo dos impostos, ainda somos obrigados a conviver com excesso de normas, dubiedades e crescente judicialização da questão fiscal, o que onera o setor produtivo e inibe o investimento". "O Brasil precisa, portanto, de duas ações urgentes: baixar a carga tributária excessiva e reduzir a burocracia sufocante", defende.

Como proposta, Skaf menciona a unificação do PIS e da Cofins em um só tributo, a chamada Contribuição sobre Valor Agregado (CVA), há mais de dez anos em pauta. "Parece ser mais uma vez uma das alternativas em estudo. A movimentação do governo nesse sentido tem o apoio da indústria", diz. Ele coloca como "preocupante" a possibilidade de volta da CPMF e assegura que "se necessário, não hesitaremos em mobilizar a sociedade para, juntos, lutarmos no Congresso contra qualquer possibilidade de aumento de carga tributária".

Economia Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 10:31:13 +0000 http://www.brasil247.com/167002
Um por cento mais rico detém 50% do PIB do planeta http://www.brasil247.com/pt/247/economia/167024 : Constatação é da Oxfam, organização de combate à pobreza; em relatório divulgado antes da reunião anual da elite mundial em Davos, na Suíça, a entidade disse que os mais privilegiados viram sua fatia de riqueza aumentar de 44% em 2009 para 48% em 2014; na tendência atual, a taxa vai superar 50% no ano que vem <br clear="all"> :

LONDRES (Reuters) - Mais da metade da riqueza do mundo vai estar nas mãos de apenas um por cento da população no ano que vem devido à crescente desigualdade, disse nesta segunda-feira a Oxfam, organização de combate à pobreza.

Em relatório divulgado antes da reunião anual da elite mundial em Davos, na Suíça, a Oxfam disse que os mais privilegiados viram sua fatia de riqueza aumentar de 44 por cento em 2009 para 48 por cento em 2014.

Na tendência atual, a taxa vai superar 50 por cento em 2016.

A diretora-executiva da entidade, Winnie Byanyima, que é também uma das mediadoras em painéis do Fórum Econômico Mundial, em Davos, disse que uma explosão na desigualdade está retardando a luta contra a pobreza.

"Queremos realmente viver em um mundo onde um por cento é dono de mais do que o resto de nós combinado?", questionou ela nesta segunda.

"Manter os negócios como de costume para a elite não é uma opção sem custos. O fracasso em lidar com a desigualdade vai atrasar a luta contra a pobreza em décadas. Os pobres são atingidos duas vezes com a desigualdade crescente --eles recebem uma fatia menor do bolo econômico e, porque a extrema desigualdade prejudica o crescimento, há um bolo menor para ser compartilhado."

A Oxfam disse que iria pedir durante o encontro em Davos, com início marcado para quarta, que sejam tomadas atitudes para se lidar com a desigualdade crescente, incluindo a repressão contra a evasão fiscal por corporações e o avanço em direção a um acordo global sobre as mudanças climáticas.

Os 80 indivíduos mais ricos do mundo possuem a mesma riqueza do que 50 por cento de toda a população mais pobre do planeta, cerca de 3,5 bilhões de pessoas, disse a Oxfam. Essa resultado é ainda maior do que a concentração registrada há um ano, quando metade da riqueza do mundo estava nas mãos dos 85 mais ricos.

Os integrantes do 1 por cento mais ricos possuíam em média uma riqueza de 2,7 milhões de dólares por adulto, disse a Oxfam.

O grosso da riqueza restante do mundo encontra-se nas mãos dos 20 por cento mais ricos, enquanto os 80 por cento restantes da população compartilham 5,5 por cento do bolo, com uma riqueza média de 3.851 dólares por adulto, disse a entidade.

Para compilar sua pesquisa, a Oxfam usou dados dos anuários sobre patrimônio mundial do banco Credit Suisse referentes aos anos 2013 e 2014, assim como a lista de bilionários da revista Forbes.

(Reportagem de Paul Sandle)

Economia Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 12:20:05 +0000 http://www.brasil247.com/167024
Ministros querem ouvir centrais sobre mudanças http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/167000 : Quatro ministros da presidente Dilma Rousseff se reúnem nesta segunda-feira, 19, em São Paulo, com líderes das principais centrais sindicais do país para discutir as mudanças propostas pelo governo em regras trabalhistas previdenciárias; Secretário-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, e os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, da Previdência, Carlos Gabas, e do Trabalho, Manoel Dias querem "saber o que as centrais têm a dizer e contribuir com esse processo" <br clear="all"> :

SP 247 - O secretário-geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, junto com os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, da Previdência, Carlos Gabas, e do Trabalho, Manoel Dias, se reúnem nesta segunda-feira, 19, em São Paulo, com representantes das principais centrais sindicais do país. 

É o primeiro encontro entre governo e sindicatos para discutir as mudanças apresentadas pelo governo em regras previdenciárias e trabalhistas, segundo informou a assessoria da secretaria.Segundo o governo, o objetivo da reunião é "esclarecer as medidas e ouvir as demandas das centrais". 

Ao jornal Valor Econômico, o ministro Manoel Dias afirmou que o governo não levará nenhuma proposta para a reunião. Objetivo seria "saber o que as centrais têm a dizer e contribuir com esse processo".

Segundo Dias, o encontro "consistirá de uma apresentação dos ministros de cada área à respeito de mudanças e seus impactos". Em seguida, "será aberto espaço para manifestações e sugestões das centrais".

As centrais, por sua vez, decidiram "exigir do governo a suspensão imediata das medidas provisórias 664 e 665, que retiram direitos da classe trabalhadora", segundo informou a União Geral dos Trabalhadores (UGT).

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), maior central sindical do país, se pronunciou contra as duas medidas adotadas pela presidente Dilma Rousseff que, segundo a entidade, "prejudicam os trabalhadores ao dificultar o acesso ao seguro-desemprego com a exigência de 18 meses de trabalho nos 24 meses anteriores à dispensa, num país em que a rotatividade da mão de obra é intensa".

SP 247 Aquiles Lins Mon, 19 Jan 2015 10:28:48 +0000 http://www.brasil247.com/167000
Chuvas retornam a Centro-Oeste e Sudeste nos próximos dias http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/167025 : 25-12-2014 - Chuva nesta quinta feira de Natal na Avenida Paulista. Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas Uma frente fria deverá finalmente romper o bloqueio atmosférico e avançar sobre o Sudeste e o Centro-Oeste do Brasil até a quinta-feira, levando alívio a importantes regiões agrícolas do país em meio a uma mês de janeiro com chuvas abaixo da média, disseram meteorologistas nesta segunda-feira <br clear="all"> : 25-12-2014 - Chuva nesta quinta feira de Natal na Avenida Paulista. Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

SÃO PAULO (Reuters) - Uma frente fria deverá finalmente romper o bloqueio atmosférico e avançar sobre o Sudeste e o Centro-Oeste do Brasil até a quinta-feira, levando alívio a importantes regiões agrícolas do país em meio a uma mês de janeiro com chuvas abaixo da média, disseram meteorologistas nesta segunda-feira.

O agrometeorologista Marco Antonio dos Santos, da Somar, disse em nota que um "bom volume" de chuvas deverá cair sobre boa parte do Brasil na última semana de janeiro e na primeira meta de fevereiro.

Janeiro, normalmente o mês mais chuvoso do ano, tem sido mais quente e seco que o normal. No Sudeste, as chuvas deverão fechar o mês a apenas 53 por cento da média histórica.

A situação tem aumentado as preocupações de que possa se repetir a seca histórica registrada no início de 2014, que afetou principalmente lavouras de café e cana-de-açúcar.

"Com a volta das chuvas mais regulares as condições deverão melhorar substancialmente ao desenvolvimento de todas as lavouras e mesmo assim, as perdas que hoje são contabilizadas em todas as regiões e em todas as culturas deverá cessar, mas lembrando que tais perdas são irreversíveis", disse Santos.

(Por Caroline Stauffer)

Brasil Gisele Federicce Mon, 19 Jan 2015 12:17:31 +0000 http://www.brasil247.com/167025
TO tem 61 milionários e 623 mil que passam fome http://www.brasil247.com/pt/247/tocantins247/167011 : Considerado como o "Novo Eldorado", o Tocantins viu crescer de 10 para 61 o número de pessoas com renda acima de US$ 1 milhão, cerca de R$ 2,61 milhões, entre 2003 e 2013; dados são de levantamento da Receita Federal com base nas declarações de Imposto de Renda de 2013; afortunados somam 0,004% da população; por outro lado, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013 mostrou que 623 mil habitantes do Tocantins, 47% da população, sofrem com insegurança alimentar <br clear="all"> :

Tocantins 247 - Levantamento da Receita Federal com base nas declarações de renda entregues no ano passado mostrou que no Tocantins, o número de habitantes com renda acima de US$ 1 milhão, cerca de R$ 2,61 milhões, subiu de 10 para 61 entre 2003 e 2013. 

O Tocantins é citado em reportagem do jornal Folha de S. Paulo como um dos 13 estados onde o total de milionários mais que dobrou em dez anos. Entre eles estão 8 dos 10 Estados das regiões Norte e Centro-Oeste, excluído DF. Os outro cinco são do Nordeste.

"No atual mapa das fortunas, Tocantins é o novo Eldorado. O Estado, criado em 1988, tem 61 habitantes com renda acima de US$ 1 milhão --eram 10 em 2003", diz o jornal (leia aqui). Entre as causas do estado se tornar o "novo Eldorado" a inserção no "Mapitoba", junção das iniciais de Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia, considerada a última fronteira agrícola do país.

"No Tocantins, muitos adquiriram terra por nada na criação do Estado e se tornaram milionários do dia para a noite quando arrendaram suas áreas para grupos maiores", diz o economista Tadeu Zerbini. "O dinheiro começou a circular em outros locais."

O aumento do número de milionários no Tocantins beneficia apenas 0,004% da população. Enquanto isso, 623 mil pessoas, ou 47% da população, sofrem com insegurança alimentar. 

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, divulgado na última semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo aponta que do total de pessoas que têm dificuldade em se alimentar adequadamente, 462 mil foram classificadas com insegurança leve e 161 mil pessoas estão em situação grave ou moderada. As informações foram publicadas pelo Jornal do Tocantins. 

No Estado, conforme o IBGE, do total da população tocantinense que está em situação de insegurança alimentar grave ou moderada, 11% têm idade de 0 a 4 anos, 11,6% de 5 a 17 anos, 12,9% têm idade de 50 a 54 anos e 12,4% têm 65 anos ou mais. Ou seja, no Tocantins, a privação de alimentos é mais comum entre crianças e idosos.

Para o IBGE, são considerados domicílios em situação de insegurança alimentar aqueles onde, nos últimos três meses antes da pesquisa, a comida havia acabado antes que se tivesse dinheiro para comprar mais; algum morador fez apenas uma refeição no dia ou ficou o dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida; moradores ficaram preocupados por não terem certeza de que os alimentos de que dispunham durassem até que fosse possível comprar ou receber mais comida; moradores ficaram sem dinheiro para ter uma alimentação saudável e variada; enfim, onde a alimentação é precária.

Tocantins 247 Aquiles Lins Mon, 19 Jan 2015 11:57:04 +0000 http://www.brasil247.com/167011
Médicos querem pagamento de atrasos até março no DF http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/167004 : A paralisação dos médicos vai, pelo menos, até a próxima quarta-feira (21), quando os profissionais decidem se retomam ou não as atividades; em reunião na sede do MPDFT, representantes do SindMédico-DF apresentaram a contraproposta da categoria: o governo deve quitar todos os atrasos com os servidores até março; eles não aceitam o parcelamento dos salários; GDF diz que vai estudar a posição do sindicato  <br clear="all"> :

Brasília 247 - A paralisação dos médicos vai, pelo menos, até a próxima quarta-feira (21), quando os profissionais decidem se retomam ou não as atividades. Em reunião na sede do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), neste domingo (18), representantes do Sindicato dos Médicos do Distrito Federal (SindMédico-DF) apresentaram a contraproposta da categoria: o governo deve quitar todos os atrasos com os servidores até março. Eles não aceitam o parcelamento dos salários

O GDF havia anunciado o parcelamento dos pagamentos em três etapas até o fim de outubro. A categoria também está sem receber o 13º salário, horas-extras de outubro, novembro e dezembro e férias. Os atrasos são consequência de um rombo de R$ 3,1 bilhões deixado pelo governo anterior, do de Agnelo Queiroz. Segundo o governo de Rodrigo Rollemberg, o déficit pode chegar a R$ 3,5 bilhões até o final de janeiro.

O governo diz que vai comparecer à reunião da categoria na quarta-feira. Um dos presentes no encontro deste domingo, o secretário de Relações Institucionais Sociais do DF, Marcos Dantas, citou "avanço" nas negociações.

"Os médicos apresentaram as propostas, nós vamos estudá-las bem e estaremos na assembleia deles, quarta-feira", afirmou o dirigente, segundo informações do Correio Brasiliense.

O presidente do SindMédico-DF, Gutemberg Fialho, afirmou ser "inaceitável" o pagamento em parcelas. "Queremos tudo pago até março. Salário é no quinto dia útil do mês", disse. "Pagamento em parcelas é inaceitável, não existe", acrescentou.

Brasília 247 Leonardo Lucena Mon, 19 Jan 2015 10:39:04 +0000 http://www.brasil247.com/167004
Dilma volta a defender regulação da mídia http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/166969 : Vídeo publicado no perfil da presidente Dilma Rousseff no Facebook, que é administrado pelo PT, defende a regulação econômica da mídia: "A regulação econômica da mídia não tem nada a ver com controle do conteúdo ou censura. Na verdade, vai evitar monopólios e oligopólios e garantir a pluralidade de opiniões e manifestações culturais, tudo já previsto na nossa Constituição, mas sem ter sido regulamentado", diz a mensagem; "A concentração de poder econômico dificilmente leva a relações democráticas e leva a relações assimétricas", completa a presidente; ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, também é exibido defendendo a liberdade de expressão no país <br clear="all"> :

247 – Em seu perfil no Facebook, página administrada pelo PT, a presidente Dilma Rousseff defende a regulação econômica da mídia.

"A regulação econômica da mídia não tem nada a ver com controle do conteúdo ou censura. Na verdade, vai evitar monopólios e oligopólios e garantir a pluralidade de opiniões e manifestações culturais, tudo já previsto na nossa Constituição, mas sem ter sido regulamentado. Assista ao vídeo e entenda!", diz a mensagem postada neste domingo.

Na sequência, o vídeo mostra o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, defendendo a liberdade de expressão no país. .

“Então, acredito que regulação, ela tem uma base. Regular qualquer segmento tem uma base, que é a base econômica. A concentração de poder econômico dificilmente leva a relações democráticas e leva a relações assimétricas", afirma a presidente na peça institucional (assista aqui).

Mídia Roberta Namour Mon, 19 Jan 2015 05:13:32 +0000 http://www.brasil247.com/166969
Petrobras atribui a Costa custo elevado de refinaria http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/166970 : ‘Então diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa propôs, em 2007, um plano de antecipação das obras da refinaria que levou a um grande número de aditivos contratuais’, diz nota divulgada pela Petrobras sobre a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco; orçada inicialmente em US$ 2,4 bilhões, em 2005, obra atingiu US$ 18,5 bilhões <br clear="all"> :

247 – Em nota divulgada neste domingo, a Petrobras responsabilizou o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa pelo custo excessivo da refinaria de Abreu e Lima.

‘Costa propôs, em 2007, um plano de antecipação das obras da refinaria que levou a um grande número de aditivos contratuais’, diz texto da estatal.

O ex-diretor é alvo da operação Lava Jato por envolvimento com o esquema de corrupção do doleiro Alberto Youssef. Em acordo de delação premiada, ele admitiu cobrança de propina de empreiteiras em negócios superfaturados.

A refinaria Abreu e Lima foi orçada inicialmente em US$ 2,4 bilhões, em 2005, mas atingiu US$ 18,5 bilhões.

A nota foi emitida após a divulgação de uma auditoria interna que aponta que a refinaria terá prejuízo de cerca de US$ 3,2 bilhões, apesar dos lucros, por causa dos sucessivos aumentos no custo da obra.

Pernambuco 247 Roberta Namour Mon, 19 Jan 2015 05:24:54 +0000 http://www.brasil247.com/166970
Ex-ministra: 'Marco não era herói, era traficante' http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/166968 : Pelo Twitter, deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), ex-ministra dos Direitos Humanos, diz que o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, executado por tráfico de drogas na Indonésia, não deve ser tratado como herói: "Fui contra a execução. Sou contra a pena de morte. Mas que interesse há para onde as cinzas serão levadas no Brasil? O sujeito não era herói, era traficante" <br clear="all"> :

247 – Para a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), ex-ministra dos Direitos Humanos, o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, executado por tráfico de drogas na Indonésia, não é herói. Em seu perfil no Twitter, ela diz que ele é um traficante.

"Fui contra a execução. Sou contra a pena de morte. Mas que interesse há para onde as cinzas serão levadas no Brasil? O sujeito não era herói, era traficante", escreveu.

Preso desde 2003, ao tentar entrar na Indonésia com 13,4 kg de cocaína, ele foi executado após os pedidos de clemência do governo brasileiro serem negados.

Rio Grande do Sul 247 Roberta Namour Mon, 19 Jan 2015 05:19:08 +0000 http://www.brasil247.com/166968
Seca em SP testará aprovação de Alckmin http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/166950 Edição 247/Fotos: Bruno Santos/ A2 FOTOGRAFIA/Luiz Augusto Daidone/ Prefeitura de Vargem: Depois de obter a reeleição em primeiro turno, no ano passado, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) enfrentará seu grande teste dentro de alguns meses quando o Cantareira poderá estar completamente seco; na tentativa de evitar o colapso completo, o tucano prepara o uso de uma terceira cota do volume morto do sistema, o que encontra ressalvas entre especialistas; já as chuvas ainda estão abaixo da média; tudo isso tende a afetar negativamente a popularidade do governador à medida que a população se informar melhor sobre o tema; agravamento da crise hídrica poderá abalar o principal projeto futuro de Alckmin: sua segunda tentativa de chegar à presidência do país <br clear="all"> Edição 247/Fotos: Bruno Santos/ A2 FOTOGRAFIA/Luiz Augusto Daidone/ Prefeitura de Vargem:

247 - O governador Geraldo Alckmin (PSDB), reeleito em 2014, para comandar por mais quatro anos o Estado de São Paulo, está diante de um grande problema: a escassez de água. Provavelmente, muito em breve, o Sistema Canteira secará por completo, o que tende a dificultar ainda mais o fornecimento de água no Estado. Além das previsíveis consequências do desabastecimento, este quadro influencia negativamente a popularidade de Alckmin, o que tem efeito direto sobre os seus projetos eleitorais futuros. Reeleito ainda no primeiro turno, o tucano é o nome mais vistoso do PSDB para enfrentar o PT em nova disputa presidencial em 2018. Mas antes da nova eleição chegar, a crise da água se impõe como um teste à capacidade do governador de São Paulo.

O prolongamento do problema tende a deixar marcas duras na popularidade de Alckmin. As medidas que ele toma agora são vistas pela população como tardias, especialmente porque ele já não tem espaço para prevenir os danos. Apenas tentará minimizá-los enquanto a chuva não vem. Na tentativa de evitar o colapso completo, o governador tucano prepara o uso de uma terceira cota do volume morto do Sistema Cantareira, que vai obrigar a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) a bombear água também para o interior paulista, algo nunca antes imaginado por gestores e especialistas em recursos hídricos. A medida, que é paliativa, ainda precisará de aval dos órgãos reguladores. 

A situação em São Paulo está muito pior do que o governo estadual esperava. As previsões de que as chuvas seriam dentro da média até fevereiro simplesmente não estão se concretizando. Já se passou da metade de janeiro e choveu apenas 20% do esperado para o mês. O nível dos reservatórios, que deveria estar subindo no mês de chuvas, continua caindo: o Sistema Cantareira está com apenas 6,3% de sua capacidade, isso contando as duas cotas de volume morto. O governo de São Paulo precisará de muito mais do que medidas paliativas para resolver esse problema.

Alckmin sabe do peso dessa situação. A maior força econômica e populacional do país está diante de uma crise que terá consequências no mercado. Até porque é lá, mais do que de qualquer outro lugar, a concentração da indústria – parcela mais atingida da economia – e quase toda a finança, que vive de intermediar capital externo. 

O que conta como favorável ao governador é a desinformação da população do Estado, que credita ao governo federal e à prefeitura de São Paulo a maior parte da culpa pela falta de água. 53% acham que Dilma Rousseff e Fernando Haddad também têm responsabilidade com a crise hídrica. Também foi positivo ao tucano, especialmente no período eleitoral, o antipetismo em seu Estado para impedir que a falta de água lhe tirasse a reeleição. No entanto, a tendência é que diante do agravamento do problema, a sociedade compreenda melhor o quadro e cobre de quem é realmente a responsabilidade a resolução do problema. Conseguir superar este momento será vital ao projeto presidencial do tucano. 

SP 247 Valter Lima Sun, 18 Jan 2015 17:43:19 +0000 http://www.brasil247.com/166950
PT pode expulsar Agnelo Queiroz http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/166971 ELZA FIUZA AGENCIABRASIL-ABr    : Ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz, que deixou os cofres públicos vazios e parte do funcionalismo sem pagamento, deve ser acionado na Justiça pela produtora Fabrika Filmes, por um débito de R$ 1,5 milhão, que não foi contabilizado na prestação de contas ao TSE <br clear="all"> ELZA FIUZA AGENCIABRASIL-ABr    :

247 – Após deixar os cofres públicos vazios e uma parte do funcionalismo sem pagamento, o ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz pode responder por um débito R$ 1,5 milhão com uma produtora. Novo impasse pode resultar em sua expulsão do PT.

Segundo a colunista Mônica Bergamo, a empresa Fabrika Filmes pretende acionar o petista na Justiça para receber pelas peças produzidas durante a campanha.

O valor não consta na prestação de contas ao TSE e pode render a Agnelo uma condenação por crime eleitoral. Tanto ele, quanto seu vice, Tadeu Filipelli (PMDB), podem ser punidos até com inelegibilidade.

Para líderes do PT, caso pode reforçar sua saída do partido. Agnelo está nos EUA para um curso de reciclagem em medicina.

Brasília 247 Roberta Namour Mon, 19 Jan 2015 05:27:21 +0000 http://www.brasil247.com/166971
Holanda se une ao Brasil em condenação à barbárie http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166939 : Após execução de seis presos por delitos ligados a drogas, sob o comando do presidente Joko Widodo, Brasil e Holanda convocam seus embaixadores; "É um castigo cruel e desumano que equivale a uma negação inaceitável da dignidade humana e integridade", disse o ministro das Relações Exteriores holandês, Bert Koenders; no Brasil, chanceler Mauro Vieira disse que a execução do brasileiro Marco Archer causa uma sombra na relação entre os dois países; procurador-geral da Indonésia, Muhammad Prasetyo, pediu neste domingo respeito às leis do país em resposta às críticas <br clear="all"> :

JACARTA (Reuters) - O Brasil e a Holanda convocaram seus embaixadores na Indonésia após a nação do sudeste asiático ignorar seus apelos de clemência e ter executado seis presos por delitos ligados a drogas, as primeiras execuções sob o comando do presidente Joko Widodo.

Os cinco estrangeiros e um indonésio foram mortos por um pelotão de fuzilamento pouco depois da meia-noite, disse o gabinete do Procurador Geral. Os estrangeiros eram da Nigéria, Malauí, Vietnã, Holanda e Brasil.

O Brasil retirou seu embaixador em Jacarta para consultas e disse que as execuções afetariam as relações bilaterais.

"O recurso à pena de morte, que a sociedade mundial crescentemente condena, afeta gravemente as relações entre nossos países", disse o Palácio do Planalto em nota.

O brasileiro Marco Archer, de 53 anos, foi condenado por ter tentado entrar na Indonésia em 2003 com 13 quilos de cocaína escondidos dentro dos tubos de uma asa delta.

A Holanda, antiga potência colonial na Indonésia, também retirou seu embaixador e condenou a execução de seu cidadão Ang Kiem Soei.

"É um castigo cruel e desumano que equivale a uma negação inaceitável da dignidade humana e integridade", disse o ministro das Relações Exteriores holandês, Bert Koenders.

Antes da execução, o advogado de Soei publicou no Twitter que Soei estava agradecido pelos esforços do governo holandês e que ele estaria diante do pelotão de fuzilamento sem uma venda nos olhos.

O presidente da Indonésia, que assinou as execuções no mês passado, tem tomado uma posição dura sobre a aplicação da lei e prometeu não ter nenhuma clemência com infratores da legislação antidrogas.

A Indonésia retomou as execuções em 2013 depois de um hiato de cinco anos.

"Este é um país que, apenas alguns anos atrás, tinha tomado medidas positivas para afastar-se da pena de morte, mas as autoridades estão agora dirigindo o país na direção oposta", disse Rupert Abbott, diretor de pesquisa do sudeste asiático para a Anistia Internacional.

(Por Chris Nusatya em Jacarta, Toby Sterling em Amsterdã e Silvio Cascione em Brasília)

Indonésia pede respeito as suas leis

O procurador-geral da Indonésia, Muhammad Prasetyo, pediu neste domingo (18) respeito às leis do país em resposta às críticas pela execução de seis réus. "Podemos entender a reação do mundo e dos países que tem cidadãos que foram executados. No entanto, cada país deve respeitar as leis que se aplicam em nosso país", disse o Prasetyo, segundo o jornal "The Jakarta Globe".

Mundo Roberta Namour Sun, 18 Jan 2015 10:39:58 +0000 http://www.brasil247.com/166939
Grupo sem-terra ameaça invadir fazenda de ministra http://www.brasil247.com/pt/247/agro/166972 : "Este será o ano do enfrentamento do agronegócio e do latifúndio improdutivo. Começamos por aqui (interior de São Paulo), mas vamos chegar até as terras da ministra (da Agricultura) Kátia Abreu, defensora dos latifundiários", disse o líder do grupo, José Rainha Junior, dissidente do Movimento dos Sem-Terra (MST); recém-nomeada, Kátia prometeu diálogo com os movimentos, mas condenou as invasões <br clear="all"> :

247 – Após invadir na madrugada de sábado, 17, a Fazenda Recreio, em Piratininga, no Estado de São Paulo, integrantes do Movimento Sem-Terra Bandeirantes prometem chegar até a fazenda da ministra da Agricultura, Katia Abreu.

"Este será o ano do enfrentamento do agronegócio e do latifúndio improdutivo. Começamos por aqui (interior de São Paulo), mas vamos chegar até as terras da ministra (da Agricultura) Kátia Abreu, defensora dos latifundiários", disse o líder do grupo, José Rainha Junior, dissidente do Movimento dos Sem-Terra (MST).

Recém-nomeada, Katia prometeu diálogo com os movimentos, mas condenou as invasões. Seu foco à frente da pasta é incluir mais 700 mil produtores na classe média rural nos próximos quatro anos: "aqui, não tem ideologia, o foco é colocar mais dinheiro no bolso dos produtores", disse.

Agro Roberta Namour Mon, 19 Jan 2015 05:38:17 +0000 http://www.brasil247.com/166972
‘Resposta da indonésia afeta relação com o Brasil’ http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/166813 : Assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia diz que o Brasil fez todos os esforços para salvar os dois brasileiros condenados à morte na Indonésia, respeitando a soberania do país, mas o resultado foi "extremamente frustrante", podendo criar uma "dificuldade grande" no relacionamento entre os dois países; um deles, Marco Archer, preso há 11 anos por tráfico de cocaína, será fuzilado neste sábado; "Respeitando a legislação daquele país, de qualquer maneira está se utilizando uma pena extremamente pesada para um crime grave, mas que poderia perfeitamente ser resolvido de outra forma", disse Garcia; Dilma telefonou nesta manhã para o presidente Joko Widodo, sem sucesso <br clear="all"> :

247 – O governo brasileiro fez todos os esforços para salvar dois brasileiros condenados à morte na Indonésia, afirmou nesta sexta-feira 16 Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais. Segundo ele, a reação do governo da Indonésia pode afetar a relação com o Brasil.

Preso em agosto de 2003 após tentar entrar na Indonésia, pelo aeroporto da capital, Jacarta, com 13,4 quilos de cocaína, o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, será fuzilado neste sábado 16. A principal promessa de início de mandato do presidente recém-eleito no país, Joko Widodo, foi a tolerância zero com os traficantes.

Widodo já havia negado clemência ao brasileiro em dezembro. Nesta manhã, ele recebeu um telefonema da presidente Dilma Rousseff, que apelou pessoalmente por ele e por Rodrigo Muxfeldt Gularte, também condenado por tráfico. Ele foi detido em 2004 portando seis quilos de cocaína.

O gesto não surtiu efeito. O presidente Widodo disse que não poderia comutar a sentença de Marco Archer, pois todos os trâmites jurídicos foram seguidos conforme a lei indonésia e que foi garantido o devido processo legal aos brasileiros.

"Nós fizemos um movimento muito forte há cerca de dez dias quando se evidenciou que era iminente a execução de um dos presos. Para nós foi extremamente frustrante porque o presidente Widodo persistiu na posição de levar adiante a execução do Marco Archer", disse hoje Marco Aurélio Garcia.

"Então evidentemente isso vai criar uma dificuldade grande no relacionamento entre Indonésia e o Brasil porque nos parece que, respeitando a legislação daquele país, de qualquer maneira está se utilizando uma pena extremamente pesada para um crime grave, mas que poderia perfeitamente ser resolvido de outra forma", acrescentou o assessor.

Leia abaixo nota divulgada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República sobre o telefonema de Dilma:

A Presidenta Dilma Rousseff falou ao telefonou, na manhã de hoje, 16 de janeiro, com Presidente da Indonésia, Joko Widodo, para transmitir apelo pessoal em favor dos cidadãos brasileiros Marco Archer Cardoso Moreira e Rodrigo Muxfeldt Gularte, condenados à morte pela Justiça da Indonésia e na iminência de serem executados.

A Presidenta ressaltou ter consciência da gravidade dos crimes cometidos pelos brasileiros. Disse respeitar a soberania da Indonésia e do seu sistema judiciário, mas como Chefe de Estado e como mãe, fazia esse apelo por razões eminentemente humanitárias. A Presidenta recordou que o ordenamento jurídico brasileiro não comporta a pena de morte e que seu enfático apelo pessoal expressava o sentimento da sociedade brasileira.

O Presidente Widodo disse compreender a preocupação da Presidenta com os dois cidadãos brasileiros, mas ressalvou que não poderia comutar a sentença de Marco Archer, pois todos os trâmites jurídicos foram seguidos conforme a lei indonésia e aos brasileiros foi garantido o devido processo legal.

A Presidenta Dilma reiterou lamentar profundamente a decisão do Presidente Widodo de levar adiante a execução do brasileiro Marcos Archer, que vai gerar comoção no Brasil e terá repercussão negativa para a relação bilateral.

Secretaria de Imprensa
Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

Brasil Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 14:56:51 +0000 http://www.brasil247.com/166813
Tradição catarinense: RBS manda na publicidade http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/166824 : Novo secretário de Comunicação Social do governo de Santa Catarina é Walter Bier, ex-executivo do maior grupo de mídia do sul do País; ele "cuidava dos jornais da RBS em Santa Catarina, que vêm em franca decadência. O grupo tem feito grandes cortes de pessoal em suas empresas, o que sugere que a motivação do governador Colombo em nomear alguém do grupo não é o sucesso administrativo", escreve o jornalista de Florianópolis Ricardo Ebling, em artigo para o 247; empresa "está nos dois lados do balcão, menos em um: o do interesse público", diz ele <br clear="all"> :

Por Ricardo Ebling

RBS: Em todos os lados do balcão

O novo Secretário de Comunicação Social do Governo de Sta. Catarina é Walter Bier, ex-executivo da RBS, o maior grupo de mídia do sul do país, com oito jornais, oito emissoras de rádio e 18 de televisão espalhados pelo Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

O governador Raimundo Colombo confirma uma tradição: dar o controle das verbas publicitárias oficiais diretamente à RBS que, segundo dados do mercado, enxuga mais de 35% das verbas públicas nos dois estados do Sul.

O secretário anterior, no Governo Luiz Henrique da Silveira, era Derly Massaud da Anunciação, gaúcho como Bier, e que ficou oito anos no cargo. No governo de Paulo Afonso (PMDB), ex-executivos da RBS também mandavam na comunicação do governo.

Walter Bier cuidava dos jornais da RBS em Sta. Catarina, que vêm em franca decadência. O grupo tem feito grandes cortes de pessoal em suas empresas, o que sugere que a motivação do governador Colombo em nomear alguém do grupo não é o sucesso administrativo.

Se em Santa Catarina a RBS se assenhorou diretamente das verbas publicitárias, no vizinho Rio Grande, a empresa familiar dos Sirostsky também gosta de atuar diretamente na política: duas cadeiras no Senado Federal são ocupadas por tradicionais funcionários da RBS, com mais de 40 anos de casa: Lasier Martins e Ana Amélia Lemos: uma bela proporção, dois terços do Senado e um terço das verbas.

A RBS tem interesses em outras áreas da economia como o mercado imobiliário e até em comercialização de vinhos e queijos. Está nos dois lados do balcão, menos em um: o do interesse público.

(Para saber tudo sobre a RBS ler os artigos de Luis Cláudio Cunha, no jornal JÁ, de Porto Alegre).

*Ricardo Ebling, atuou na imprensa de esquerda e "alternativa" nas décadas de 70 e 80. Mora no Rio Tavares, em Florianópolis.

Mídia Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 15:31:20 +0000 http://www.brasil247.com/166824
Médicos paralisam as atividades no DF http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/166785 : Médicos da rede pública do Distrito Federal decidiram entrar em greve a partir dessa sexta-feira 16; profissionais exigem a quitação das pendências financeiras do governo com a classe médica até o dia 15 de janeiro; em relação aos servidores da saúde, que já estavam em greve, o TJ determinou o retorno imediato de 100% dos profissionais; o descumprimento da decisão implica em multa diária de R$ 50 mil; cabe recurso <br clear="all"> :

Brasília 247 - Médicos da rede pública do Distrito Federal decidiram entrar em greve a partir desta sexta-feira (16). O Sindicato dos Médicos informou que apenas os atendimentos nas emergências e urgências serão mantidos. Consultas e outros procedimentos agendados estão suspensos. A categoria exige a quitação das pendências financeiras do governo com a classe médica até o dia 15 de janeiro. A greve deve continuar até a próxima quarta-feira (22), de acordo com o presidente do Sindicato dos Médicos, Gutemberg Fialho.

O sindicalista afirmou que o estopim para a deflagração da greve foi o anúncio do GDF de parcelar o salário dos servidores. "Nós precisamos resgatar a cidade, inclusive com respeito ao ordenamento jurídico. A lei prevê que o salário tem que sair até o 5º dia útil do mês, temos contas a pagar", afirmou ao G1. "O GDF universalizou a insatisfação dos servidores, não só dos médicos", acrescentou.

No último sábado (10), todos os servidores da saúde receberam os salários relativos ao mês de dezembro que deveriam ter sido pagos no dia 8. O governo do Distrito Federal (GDF) afirmou ter repassado R$ 409,44 milhões, dinheiro proveniente do Fundo Constitucional. No entanto, os trabalhadores seguem cobrando o pagamento de benefícios, como o 13º salário de profissionais que aniversariam em dezembro, férias dos médicos e horas-extras de outubro e novembro de 2014.

O GDF apresentou nessa quinta-feira (15) uma proposta a todos os servidores da saúde para dividir o pagamento de férias, 13º salário e gratificação de Natal até junho deste ano. Segundo a nova regra, temporária segundo o governo, o número de parcelamentos ocorrerá de acordo com a faixa salarial.

Atualmente, os servidores recebem o salário até o último dia útil de cada mês, à exceção dos funcionários da Saúde, Educação e da Segurança Pública (policiais e bombeiros), que tem o pagamento depositado no quinto dia útil. Com as novas regras, apresentadas hoje (15), os trabalhadores que ganham até R$ 9 mil receberão no quinto dia útil. Segundo os GDF, cerca de 70% dos servidores receberão seus vencimentos, integralmente, nesta data.

Os trabalhadores que ganham mais de R$ 9 mil terão a diferença do valor a ser pago em outras três datas: no dia 15 será liberado o que estiver faltando para quem ganha até R$ 11 mil. No dia 24 será saldada a dívida com quem ganha até R$ 16 mil. Os valores restantes serão quitados no último dia do mês.

A secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos, afirmou que, na atual circunstância, com o GDF endividado e sem dinheiro em caixa, o parcelamento do pagamento dos salários é a única forma de o GDF dar aos servidores e aos fornecedores de produtos e serviços a garantia de que receberão.

"Isso dá previsibilidade para servidores e fornecedores. Há fornecedores sem receber há vários meses. E, com a forma como encontramos as finanças, não há possibilidade de cumprirmos os contratos e as obrigações do Distrito Federal, mantendo os serviços públicos. Não é uma medida boa, mas faz parte das providências que precisamos adotar para colocar a casa em ordem", disse a secretária. Ela acrescentou que 2015 será um ano "difícil" e vai exigir muitas medidas impopulares.

Para o presidente dos Sindicato dos Médicos do DF, Gutemberg Fialho, a decisão não leva em conta os compromissos dos trabalhadores. "É um problemão, uma situação super complicada", afirmou. "As pessoas têm compromissos no início do mês. Quem ganha mais, não quer dizer que não tem compromissos. Como que fica? E os juros? É uma situação difícil da categoria aceitar, principalmente durante esse período que estamos com atrasados a receber", complementou.

Justiça determina fim da greve

Também nessa quinta, ao Tribunal de Justiça (TJ-DF) determinou o retorno imediato de 100% dos servidores da Secretaria de Saúde, que estão em greve desde o último dia 9 de janeiro. O não cumprimento da decisão implica em multa diária de R$ 50 mil. Ainda cabe recurso.

Ao pedir a ilegalidade da paralisação, na quarta-feira (14), a Procuradoria-Geral alegou que a paralisação é ilegal porque não houve notificação prévia, pela necessária continuidade da prestação de serviço público. A procuradoria argumentou, ainda, que está em curso a negociação entre o Sindsaúde e o GDF.

De acordo com o Sindsaúde, as categorias da área decidiram que farão mais fazer horas extras até que o pagamento do benefício seja regularizado. O ato afeta a escala do Samu, que não pode entrar em greve por ser um serviço de urgência.

O sindicato informou que as escalas médicas e de assistência à saúde não "fecham" sem as horas extras porque há carência de profissionais. Com a recusa, os servidores cumprirão apenas as horas previstas em contrato, uma vez que não estão recebendo pelo trabalho excedente.

*Com Agência Brasil

Brasília 247 Leonardo Lucena Fri, 16 Jan 2015 11:16:19 +0000 http://www.brasil247.com/166785
Levy abre diálogo com o PIB e teme efeito Lava Jato http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166794 : Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, visita a Fiesp na segunda-feira às 14h, quando será recebido por Paulo Skaf e outros pesos pesados, como Benjamin Steinbruch; item número um da pauta é a discussão dos efeitos do ajuste fiscal na economia; Levy também está preocupado com os efeitos da Operação Lava Jato; governo tem tentado evitar que o cenário afete o sistema financeiro; chefe da economia mandou mapear os volumes de papéis negociados pelas empreiteiras investigadas pela PF no mercado e seus prazos de vencimento; preocupação foi intensificada no início do mês, quando a OAS deu calote a credores brasileiros e internacionais e empresas tiveram notas rebaixadas pela Fitch; ministro tem hoje seu terceiro encontro com a presidente Dilma Rousseff em uma semana <br clear="all"> :

247 – O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, visita na próxima segunda-feira 19, às 14h, a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), onde será recebido pelo presidente, Paulo Skaf, e outros pesos pesados, como Benjamin Steinbruch. O item número um da pauta é a discussão dos efeitos do ajuste fiscal na economia real. Levy também está preocupado, no entanto, com os efeitos da Operação Lava Jato.

O governo tenta evitar, a qualquer custo, que a crise da investigação do esquema de corrupção afete o sistema financeiro do País. As empreiteiras investigadas pela PF têm enfrentado dificuldades financeiras. A preocupação foi intensificada no início de janeiro, quando a OAS não honrou suas dívidas no País e no exterior. A empresa, que teve o executivo José Adelmário Pinheiro detido em novembro, deixou de pagar R$ 117,8 milhões em apenas três dias (leia mais).

Nesse cenário, as companhias tiveram seus ratings rebaixados pela Fitch, agência internacional de classificação de risco. A OAS, por exemplo, teve nota rebaixada pela Fitch para o equivalente a 'calote seletivo'. Outras companhias que tiveram as notas reduzidas pela agência foram a Construtora Queiroz Galvão, Galvão Participações, Galvão Engenharia e Mendes Júnior Trading e Engenharia (MJTE).

A avaliação do governo, conforme reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, é de que o risco dessa crise no crédito precisa ser barrado com urgência, uma vez que pode prejudicar financiamentos de empresas que não estão envolvidas em corrupção. Segundo a matéria, Levy mandou mapear os volumes de papéis negociados pelas empresas no mercado e seus prazos de vencimento. O caso estaria sendo tratado em sigilo pela Fazenda, a fim de não prejudicar a confiança na economia.

O ministro tem tido uma relação próxima com a presidente Dilma Rousseff desde que assumiu o posto. Na tarde desta sexta-feira 16, eles se reúnem pela terceira vez em uma semana. O plano de Levy é cortar gastos, colocar as contas em ordem, resgatar o crescimento da economia e a confiança do País no exterior, para atrair investimentos externos. O tema 'Lava Jato', diariamente nas primeiras páginas dos jornais, também pode estar na pauta do encontro entre ele e a presidente.

Economia Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 12:09:06 +0000 http://www.brasil247.com/166794
Indonésia rejeita pedidos de Dilma e Lula e executará brasileiro preso http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166805 : De acordo com a Agência Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff enviaram cartas ao governo da Indonésia pedindo a reversão da sentença do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, mas não obtiveram sucesso; o brasileiro trabalhava como instrutor de voo livre e foi preso em agosto de 2003 após tentar entrar na Indonésia pelo aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína escondidos em uma asa delta desmontada <br clear="all"> :

JACARTA (Reuters) - As autoridades indonésias planejam executar no domingo seis prisioneiros condenados por delitos relacionados com drogas, incluindo um brasileiro, informou o governo.

As execuções foram anunciadas pelo gabinete do Procurador-Geral do país. Será a primeira vez que a pena capital será aplicada sob a presidência de Joko Widodo.

De acordo com a Agência Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff enviaram cartas ao governo da Indonésia pedindo a reversão da sentença do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, mas não obtiveram sucesso.

O brasileiro trabalhava como instrutor de voo livre e foi preso em agosto de 2003 após tentar entrar na Indonésia pelo aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína escondidos em uma asa delta desmontada, segundo a agência.

O presidente Widodo, que assumiu o cargo no final de outubro, sancionou as execuções no mês passado. Ele prometeu não ter nenhuma piedade para com infratores da legislação antidrogas, apesar dos apelos da União Europeia, do governo brasileiro e da Anistia Internacional.

Além do brasileiro, outros quatro estrangeiros da Nigéria, Malaui, Vietnã e Holanda também serão executados.

"O novo governo da Indonésia assumiu o cargo com a promessa de melhorar o respeito pelos direitos humanos, mas a realização dessas execuções seria um retrocesso", disse Rupert Abbott, diretor de pesquisa para a Anistia Internacional no Sudeste Asiático.

A chefe da política externa da União Europeia, Federica Mogherini, disse que as execuções planejadas são "profundamente lamentáveis" e exortou a Indonésia a estabelecer uma moratória para a pena de morte.

A Indonésia retomou as execuções em 2013 depois de um intervalo de cinco anos sem aplicá-la.

Widodo assumiu uma linha-dura na implementação das leis, não só contra as drogas, mas também contra a corrupção e a defesa de direitos marítimos.

Em seus primeiros meses no cargo, ele ordenou que as embarcações ilegais de pesca sejam explodidas pela Marinha e apoiou a iniciativa sem precedentes de demitir toda a diretoria da gigante de energia Pertamina.

(Reportagem de Randy Fabi e Heru Asprihanto)

Mundo Leonardo Attuch Fri, 16 Jan 2015 12:55:16 +0000 http://www.brasil247.com/166805
Colunista responde Silvia Pilz: “o que o plano cobre, o dinheiro encobre” http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/166804 : Cantor e compositor Nêggo Tom, que se declara "pobre, que detesta doença e mais ainda camarão", escreve um artigo em resposta à colunista do Globo Silvia Pilz; "O rico preconceituoso se orgulha de ter uma doença. A doença do caráter. Essa patologia está na moda entre alguns da elite", diz ele, que compara o texto da jornalista a um "discurso nazista" <br clear="all"> :

Por Nêggo Tom, para o 247

Todo rico preconceituoso tem problema de depreciação. Seja real ou imaginário.

É uma coisa impressionante! E todos têm fascinação em depreciar o que não lhes está à altura.

Rico preconceituoso não desmaia em velório porque tem vergonha de ser comparado a um pobre. Por isso esconde os seus verdadeiros sentimentos. Em churrascos, não. Em churrascos eles desmaiam (ou fingem desmaiar) para que fique claro que eles não estão habituados com tal tipo de socialização. Atualmente, com a facilidade que os planos de saúde oferecem, fazer o seu tradicional check up tornou-se para o rico um programa de índio. Afinal, é tanto pobre na sala de espera da clínica que eles se sentem numa aldeia pataxó. Agora, eles (pobres) também querem fazer avaliação da taxa de glicose, Eco cardiograma, tratamento para ressecamento na vagina, depósitos no banco de esperma. Vê se pode! Todo rico preconceituoso sabe que sangue de pobre é ruim mesmo. Eco cardiograma pra quê? Pobre não tem coração. Ou pelo menos alguns jornalistas da elite que gostam de humilhá-los em crônicas de humor cáustico (ou seria caótico) pensam que não.

Como o rico preconceituoso sabe que fazer os seus exames de rotina agora será mais desgastante, devido ao grande número de pobres que ele irá encontrar na clínica, ele, quase sempre mal vestido, para contrastar com os "pobres arrumadinhos", chega bem atrasado ao laboratório, pega sua senha, já espumando de raiva (uma mistura de ódio do PT e nojo, como se estivesse entrando pela primeira vez num lixão) e logo já avisa a recepcionista que não vai querer o lanche que o laboratório oferece gratuitamente após o hemograma. E tentando ser simpático, promete doá-lo para a criança pobre que está sentada ao seu lado, num entojante: "Titia vai dar o todinho dela pra você. Tá neném?!"

O rico preconceituoso se orgulha de ter uma doença. A doença do caráter. Essa patologia está na moda entre alguns da elite. Outro dia li um texto em uma coluna do jornal O Globo chamada Zona de desconforto. Interessantíssimo. Parecia um discurso nazista. A jornalista escreve coisas na coluna separando e classificando as pessoas quanto a sua origem social. A tônica normalmente é a dúvida de algum rico preconceituoso. Coisas do tipo: "Como eu sendo rica posso estar sendo atendida na mesma clínica que um bando de pobres?". Porque a grande preocupação do rico preconceituoso é não estar perto de pobres. O texto era ridiculamente tosco, mas a autora achava que era divertido. Voltando aos exames e a clínica, vale lembrar que todo rico preconceituoso passa mal quando está ao lado de um pobre. Evita falar. Faz cara feia. Faz um verdadeiro drama.

Eu acho que o sonho de todo rico preconceituoso é que os pobres tenham nódulos e morram disso. O Avanço da medicina os amedronta, porque com toda essa evolução científica os pobres vão acabar vivendo 120 anos. O que seria uma desgraça para os financeiramente privilegiados. É uma espécie de glamourização da pobreza.

Acho que não conheço nenhum rico preconceituoso que não esteja sempre atacado do humor.

Ah! E mesmo não tendo colesterol (colesterol alto) eles sempre alegam estar com enxaqueca, principalmente quando lhes sugerem que o problema pode ser um sintoma de discriminação social.

O que me fascina é que o interesse deles é só o dinheiro e o status. Ser humano é secundário, apesar deles também se declararem como tal.

Mesmo na falência eles continuam arrotando caviar (não existe um rico preconceituoso na face da terra que não fale de caviar para se sentir superior), ainda que estejam comendo ovo.

E no final de semana todos eles enchem a cara de champanhe, na festa do amigo mais rico e tão preconceituoso quanto, ao som de "Eu sou rica, rica, rica de marre, marré deci" e debaixo de um ar condicionado com clima de montanha.

Pressão: a 1 passo do umbral.

Como são infelizes. Não tenho inveja nenhuma.

ATENÇÃO!

Humor caótico não tem graça, principalmente quando precisa humilhar alguém ou determinado grupo.

Mídia Ana Pupulin Fri, 16 Jan 2015 12:51:26 +0000 http://www.brasil247.com/166804
Paris: homem que mantinha reféns se entrega à polícia http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166787 : A invasão a uma agência dos correios terminou por volta das 14h30 (horário da França), uma hora e meia depois de ter começado; uma fonte policial descartou desde o início da operação a possibilidade de se tratar de um ataque terrorista; o homem armado conseguiu deter duas pessoas, após várias terem fugido <br clear="all"> :

Da Agência Lusa

O homem que hoje pela manhã fez dois reféns numa estação de correios nas proximidades de Paris rendeu-se à polícia, segundo o canal BFMTV.

Segundo o canal de televisão, a invasão à agência, em Colombes, terminou por volta das 14h30 horas (horário da França), uma hora e meia depois de ter começado.

Uma fonte policial descartou desde o início da operação a possibilidade de se tratar de um ataque terrorista. O homem armado conseguiu deter duas pessoas na agência de correios, após várias pessoas terem fugido, segundo fontes policiais citadas pela agência France Presse.

O suspeito telefonou à polícia "dizendo frases desconexas" e afirmando estar fortemente armado, com granadas e um rifle kalashnikov, segundo as primeiras informações obtidas durante a investigação.

Um helicóptero dos serviços de emergência foi destacado para a área, onde foi instalado um perímetro de segurança.

Mundo Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 11:08:11 +0000 http://www.brasil247.com/166787
Bélgica, França e Alemanha prendem suspeitos em ações antiterroristas http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166791 REUTERS/Stringer: Policiais belgas bloqueiam rua no centro de Verviers, cidade entre Liège e a fronteira alemã, no leste da Bélgica, nesta quinta-feira. 15/01/2015 REUTERS/Stringer Treze pessoas foram detidas na Bélgica em operação antiterrorista lançada ontem, visando a deter jihadistas que supostamente planejavam matar policiais; a polícia francesa também prendeu 12 suspeitos de envolvimento no ataque ao Charlie Hebdo, em Paris, e dois turcos suspeitos de ligação com o grupo Estado Islâmico foram detidos pela polícia alemã em Berlim <br clear="all"> REUTERS/Stringer: Policiais belgas bloqueiam rua no centro de Verviers, cidade entre Liège e a fronteira alemã, no leste da Bélgica, nesta quinta-feira. 15/01/2015 REUTERS/Stringer

Da Agência Lusa

A Procuradoria Federal belga anunciou hoje (16) que 13 pessoas foram detidas na operação antiterrorista lançada ontem (15), visando a deter jihadistas que supostamente planejavam matar policiais.

Segundo o procurador Eric Van der Sypt, foram detidas 13 pessoas, no total das 12 operações feitas em território belga, sendo a maior na localidade de Verviers, no Leste do país, onde foram mortos dois suspeitos.

O procurador não se pronunciou sobre as notícias da imprensa belga, segundo as quais a célula de radicais islâmicos planejava também sequestrar e decapitar uma "pessoa influente", provavelmente da hierarquia policial ou judiciária.

A polícia francesa também prendeu 12 suspeitos de envolvimento no ataque ao Charlie Hebdo, em Paris (leia mais).

Dois turcos suspeitos de ligação com o Estado Islâmico são detidos em Berlim

A polícia alemã deteve hoje (16) em Berlim dois turcos suspeitos de ligação com o grupo Estado Islâmico. Eles são suspeitos de terem preparado um atentado na Síria. Contudo, a polícia alemã disse não haver indícios de que os presos, de 41 anos e 43 anos, estivessem planejando um atentado na Alemanha.

A detenção ocorreu durante uma operação de buscas em 11 casas – a maioria nos bairros de Moabit e Wedding, ambos com muita população muçulmana –, na qual participaram 250 policiais.

Um dos detidos foi identificado como Ismet D. e é acusado de liderar um grupo islâmico no distrito de Tiergarten, em Berlim. O grupo era majoritariamente formado por turcos e cidadãos russos procedentes da Chechênia.

Ismet D, que se autoproclamou emir, dava aulas de religião ao grupo para prepará-los para a "guerra santa contra os infiéis" na Síria. O outro suspeito, identificado como Emin F, é acusado de ter apoiado financeira e logisticamente membros do grupo quando esteve na Síria.

A prisão foi feita um dia depois de a polícia belga ter matado, perto da fronteira com a Alemanha, dois supostos jihadistas e detido um terceiro suspeito.

Durante a noite, a polícia alemã prendeu em Wolfsburgo (Norte do país) um suposto membro do Estado Islâmico. O homem, um alemão de origem tunisiana, recebeu formação militar na Síria, entre maio e agosto do ano passado.

Mundo Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 11:43:35 +0000 http://www.brasil247.com/166791
Lava Jato: MP usa prisão como método de tortura http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/166771 : Manchete do jornal O Globo desta sexta-feira é sintomática; de acordo com a publicação, os empreiteiros presos na Operação Lava Jato (de forma preventiva, sem nenhuma condenação) só terão direito a qualquer acordo se confessarem novos crimes; "Não adianta contar o que sabemos", diz o procurador Carlos Fernando Lins, da força-tarefa do juiz Sergio Moro; ele diz estar em busca de "novos Youssefs"; em artigo recente, o criminalista Antonio Claudio Mariz alertou para o uso da prisão preventiva como uma nova forma de tortura em busca de confissões e delações, jogando por terra garantias constitucionais como a presunção de inocência e o direito de se defender em liberdade; empresários que delataram concorrentes, como os executivos da Toyo Setal, estão soltos <br clear="all"> :

247 - A manchete do jornal O Globo desta sexta-feira evidencia um fato que vem causando preocupação entre agentes do Direito e constitucionalistas que se preocupam com o direito de defesa e a presunção de inocência.

De acordo com o jornal dos Marinho, os executivos de empreiteiras presos na Operação Lava Jato só terão direito a qualquer tipo de acordo de leniência, caso confessem novos crimes – de preferência na administração pública federal, uma vez que a força-tarefa da Operação Lava Jato decidiu não investigar o caso Cemig (leia mais aqui).

"Não adianta contar o que sabemos", disse o procurador Carlos Fernando Lins, da força-tarefa do juiz Sergio Moro, que afirmou estar em busca de "novos Youssefs".

O problema central é que os executivos das empreiteiras já estão presos há mais de dois meses, de forma preventiva, sem que tenham sido condenados em qualquer instância. Por isso mesmo, criminalistas têm alertado para o uso cada vez mais comum das prisões cautelares como um novo método de tortura.

Por meio dessas prisões, investigadores buscam confissões e/ou delações premiadas. Delações que, em muitos casos, podem ser suspeitas, como no caso dos executivos da Toyo Setal, que delataram concorrentes presos e hoje desfrutam da liberdade.

Leia, abaixo, artigo recente do criminalista Antonio Claudio Mariz a respeito:

O crime pode ser nosso e a punição também

ANTONIO CLÁUDIO MARIZ DE OLIVEIRA  

O crime é um fenômeno humano, representado por uma conduta que é descrita pela lei penal, que prevê uma sanção para quem o comete, sendo por essas razões passível de ser praticado por todo e por qualquer homem.

Assim sendo, ninguém poderá, em sã consciência, afirmar que jamais cometerá um crime. Repito, trata-se de um evento inserido dentro das atividades humanas e que assim, potencialmente, sujeita cada um de nós à sua prática.

É claro que há delitos e delitos. Sabemos que, em face da formação ética e moral, como também dos valores superiores que informam a sua conduta, o homem que preza o seu semelhante jamais adotará determinadas condutas previstas pela lei penal, em face da enormidade de infâmia e de desumanidade nelas contidas.

No entanto, mesmo no rol dos delitos chamados de hediondos, por paradoxal que possa parecer, o crime de homicídio, por exemplo, é um daqueles crimes que poderá ser cometido por qualquer um de nós, embora atinja o bem supremo que é a vida.

Exatamente por ser um crime de ímpeto, provocado por circunstâncias criadas pela própria vida, é grande o seu grau de imprevisibilidade, podendo atingir o mais equilibrado e ponderado dos homens, que diante de situações excepcionais passa a ter a sua vontade subjugada por estas mesmas circunstâncias.

Repito, portanto, que alguns crimes, como o homicídio, podem ser cometidos por qualquer cidadão, independentemente dos elevados princípios que possam orientar a sua conduta.

Ademais, não se pode esquecer a possibilidade de haver uma acusação falsa em razão das distorções da realidade ou por outro qualquer fator, atingindo um inocente.

Saliente-se: acusações improcedentes ou desproporcionais à própria realidade delituosa, que conduzem às condenações injustas, estão cada vez mais presentes no nosso sistema de Justiça.

Esse sistema está, atualmente, impregnado por uma cultura punitiva que cria sempre a expectativa da culpa e da condenação, e jamais a da inocência e da absolvição.

Essa digressão sobre o crime como fenômeno que contém a possibilidade de envolver todo e qualquer homem, bem como sobre a existência de um sistema judicial penal falho e sujeito a influências punitivas advindas de uma sedimentada cultura repressiva, se faz mister para mostrar que a atividade penal não pode ter como foco exclusivo a punição, mas também é imperioso que exista para garantir a liberdade ou a aplicação da pena justa.

O Direito Penal, com base nos parâmetros emanados da Constituição federal, tem por escopo descrever de forma clara e precisa condutas prejudiciais à sociedade e sancioná-las, por atingirem valores que não puderam ser eficazmente protegidos por outros ramos do ordenamento positivo. Isto é, só devem ser penalmente previstas as condutas cuja lesividade não pode ser coibida por outros setores do Direito.

No entanto, a sua missão não se exaure com a punição. Tem também como escopo a proteção do indivíduo contra os excessos do Estado, para impedir que a punição se transforme em vingança e em expiação.

Assim, o Direito Penal e o Direito Processual Penal - este também refletindo as garantias e os direitos outorgados pelo artigo 5.º da Constituição federal - procuram conciliar a liberdade e a dignidade pessoais com a obrigação estatal de acusar e de punir os responsáveis pela prática delitiva. Devem, portanto, compatibilizar punição e liberdade. O sistema acusa e pune, mas também protege o cidadão acusado, garantindo-lhe a observância dos seus direitos, para evitar a vingança, a barbárie e a desumanidade.

Por tais razões, a sociedade deveria exigir dos executores do sistema mais atenção aos malefícios representados por certas medidas de força, dentre as quais se destacam as prisões cautelares, adotadas ainda no nascedouro das investigações.

É preciso, no entanto, que a própria sociedade, por intermédio de cada cidadão, para se opor aos excessos do sistema, repense a hoje sedimentada cultura punitiva, e entenda que o crime não é "dos outros", mas, como uma possibilidade, é de todos nós. Além do mais, é imprescindível que passe a exigir o respeito absoluto aos direitos de um acusado e abandone a ideia de ser a prisão a única resposta para o crime.

As prisões, temporária e preventiva, estão sendo decretadas, há algum tempo, de forma absolutamente açodada, antes mesmo de qualquer ato de investigação, baseadas somente em notícias vagas e inconsistentes provenientes de alguma acusação ainda nem sequer conferida, ou até mesmo anônima.

A necessidade do encarceramento, comprovada por fatos concretos, deveria nortear as decisões respectivas sem que fosse levada em consideração, como ocorre em nossos dias, a indigitada culpabilidade, que só será apreciada quando da sentença, após a instauração e a instrução do processo.

No entanto, as prisões cautelares, lamentavelmente, em sua maioria, estão sendo decretadas para atender a uma sociedade sequiosa por castigo, para atender a uma mídia sensacionalista e, agora, de forma já confessada, para se obterem delações, objetivo desprovido de qualquer justificativa legal e ética, semelhante à tortura.

É fundamental, até para a manutenção do Estado Democrático de Direito, não esquecer que existem a culpa e a inocência, a prisão e a liberdade, os deveres do Estado e os direitos do acusado.

Reitera-se: o crime é um fato inerente à sociedade e, portanto, qualquer cidadão poderá ser vítima deste hoje aplaudido sistema punitivo, porque ele é potencialmente nosso e sentar no banco dos réus não é exclusividade dos culpados, pois também os inocentes estão sujeitos a ocupá-lo.

*Antonio Cláudio Mariz de Oliveira é advogado criminal

Brasil Leonardo Attuch Fri, 16 Jan 2015 08:34:12 +0000 http://www.brasil247.com/166771
Petrobras defende que atual diretoria não recebe propina http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/166774 : Em nota, estatal esclarece manifestação do Ministério Público Federal em decorrência da prisão do ex-diretor Nestor Cerveró e diz que o órgão "não afirmou, em momento algum, que os atuais diretores recebem propina"; propina recebida em 2014, conforme informou o MPF, é referente a dois ex-diretores da empresa: Cerveró e Paulo Roberto Costa <br clear="all"> :

247 – Em comunicado divulgado nesta sexta-feira 16, a Petrobras esclarece que a manifestação do Ministério Público Federal em razão da prisão do ex-diretor da estatal Nestor Cerveró "não afirmou, em momento algum, que os atuais diretores recebem propina". A propina recebida em 2014, à qual se refere o MPF, envolve Cerveró e Paulo Roberto Costa, dois ex-diretores da empresa. Leia abaixo a nota:

Manifestação do Ministério Público Federal não se refere a atual diretoria da Petrobras

A Petrobras esclarece que a manifestação do Ministério Público Federal (MPF), que resultou na prisão preventiva do Sr. Nestor Cerveró, não afirmou, em momento algum, que os atuais diretores receberam propina.

Na manifestação do MPF, datada de 31/12/2014, os Procuradores da República registraram que "Paulo Roberto recebeu pagamentos de "propina" mesmo em 2014, pois as empresas pagam ao longo da execução de contratos e não raro atrasam pagamentos, conforme se apurou." Continua a manifestação: "Se Paulo Roberto continuou recebendo propina – e muita – até 2014, mesmo tendo deixado a diretoria em 2012, é razoável inferir, num juízo de probabilidade, que Cerveró esteja em posição semelhante, o que está sob investigação." Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró são ex-diretores da companhia e não diretores.

A companhia tem sido reconhecida como vítima pelo Poder Judiciário e reitera que manterá seu empenho em continuar colaborando efetivamente com as autoridades para a elucidação dos fatos.

Brasil Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 09:30:30 +0000 http://www.brasil247.com/166774
Volks readmite 800 funcionários e greve em SP acaba http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/166776 Foto: Adonis Guerra/ SMABC: Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a montadora apresentou uma nova oferta na negociação trabalhista iniciada no final do ano passado; com isso, acaba a greve que já durava dez dias e a produção na fábrica de São Bernardo do Campo será retomada a partir de segunda-feira; além da readmissão, a empresa fez alterações no Acordo Coletivo da categoria, que havia sido rejeitado em dezembro <br clear="all"> Foto: Adonis Guerra/ SMABC:

Camila Maciel - Repórter da Agência Brasil

Os trabalhadores da Volkswagen, que estavam em greve desde o dia 6, decidiram hoje (16) retornar ao trabalho após a montadora concordar em readmitir os 800 funcionários que haviam sido dispensados no final do ano passado. Em assembleia nesta manhã, eles concordaram em retomar as atividades na próxima segunda-feira (19). Segundo os trabalhadores, as demissões rompiam um acordo de estabilidade previsto até abril de 2017.

Além da readmissão, a empresa fez alterações no Acordo Coletivo da categoria, que havia sido rejeitado em dezembro. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, antes, o documento previa reajuste na forma de abono. Agora, será concedida a inflação do período, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor.

Na segunda-feira (12), os metalúrgicos fizeram um ato em defesa do emprego, bloqueando trechos das Rodovias Anchieta e Imigrantes. No dia seguinte, representantes do sindicato foram recebidos pelo secretário-geral da Presidência da República, Miguel Rossetto. Durante o encontro os trabalhadores entregaram uma pauta de reivindicações, incluindo temas como proteção do emprego, ampliação do crédito e recomposição da frota. A empresa, por sua vez, retomou as negociações.

A greve na Volks foi iniciada no dia em quem os trabalhadores voltariam de férias coletivas. Eles souberam da decisão da montadora por meio de telegramas recebidos no final do ano passado.

A Volkswagen avaliou, por meio de nota, que a aprovação do novo Acordo Coletivo resultou em uma proposta balanceada que possibilita a adequação dos custos e do efetivo na unidade Anchieta, em São Bernardo do Campo, região do ABC Paulista. De acordo com a empresa, o resultado vai permitir a continuidade dos programas de demissão voluntária, com incentivo financeiro. Além disso, "assegura a vinda de uma nova plataforma mundial de produto e modelos, solidificando as bases de um futuro sustentável para a unidade".

SP 247 Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 09:51:57 +0000 http://www.brasil247.com/166776
Para Noblat, “papa Francisco pisou feio na bola” http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/166775 : "Duvido que Francisco concorde com a morte como meio de se responder a uma ofensa. Mas foi a impressão que deixou", opina o colunista, sobre a declaração feita ontem pelo pontífice, ao comentar os atentados em Paris, de que "temos a obrigação de falar abertamente, de ter esta liberdade [de expressão], mas sem ofender" <br clear="all"> :

247 – O papa Francisco "pisou feio na bola", na opinião de Ricardo Noblat. O colunista do Globo disse duvidar que "Francisco concorde com a morte como meio de se responder a uma ofensa. Mas foi a impressão que deixou".

Ele fala das declarações feitas ontem pelo pontífice ao comentar os atentados terroristas em Paris, o primeiro contra o jornal satírico Charli Hebdo. Segundo ele, "temos a obrigação de falar abertamente, de ter esta liberdade [de expressão], mas sem ofender" a religião, a fé dos outros.

"Respeito todas as religiões. Sou contra ofensas a qualquer uma delas. Mas reconheço como um dos direitos fundamentais do ser humano a livre expressão. Ele é superior a qualquer ofensa. Deve-se punir uma ofensa com o rigor da lei. Com a morte, jamais", escreve Noblat (leia a íntegra).

Mídia Gisele Federicce Fri, 16 Jan 2015 14:18:15 +0000 http://www.brasil247.com/166775
Polícia prende 12 suspeitos de ataques em Paris http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166772 : Prisões foram feitas na região sul de Paris, inclusive em Montrouge, onde uma jovem policial foi morta nos ataques; os presos são suspeitos de fornecerem "apoio logístico" para os ataques a tiros <br clear="all"> :

PARIS (Reuters) - A polícia francesa prendeu durante a madrugada 12 pessoas suspeitas de ajudar os militantes islâmicos nos ataques da última semana em Paris, informou a procuradoria de Paris nesta sexta-feira, dia de visita do secretário de Estado norte-americano John Kerry.

As prisões foram feitas na região sul de Paris, inclusive em Montrouge, onde uma jovem policial foi morta nos ataques. Os presos são suspeitos de fornecerem "apoio logístico" para os ataques a tiros, disse uma autoridade.

Dezessete pessoas e os três autores dos ataques morreram em três dias de violência, que começou em 7 de janeiro com um ataque de homens armados à sede do jornal semanal satírico Charlie Hebdo.

Kerry desembarcou na quinta-feira à noite em Paris. Ele teve encontro com o chanceler francês, Laurent Fabius, nesta sexta-feira de manhã e depois vai se reunir com o presidente francês, François Hollande.

(Reportagem de Arshad Mohammed, Nicolas Bertin e Chine Labbe)

Mundo Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 08:33:20 +0000 http://www.brasil247.com/166772
Aeronáutica: falha humana causou acidente de Campos http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/166739 : Investigação aponta sequência de erros cometidos pelo piloto Marcos Martins como a causa da queda do jato Cessna em Santos, matando parte da comitiva do então presidenciável Eduardo Campos (PSB); relatório cita falta de treinamento, desentendimento entre os pilotos e condições meteorológicas, que teriam causado a chamada “desorientação espacial”; 'sem dono', legalidade do aparelho também é alvo da Polícia Federal e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) <br clear="all"> :

247 - As investigações da Aeronáutica sobre o acidente que matou a comitiva do então presidenciável Eduardo Campos (PSB) culparam falhas do piloto Marcos Martins.

O jato Cessna transportava o ex-governador de Pernambuco e mais seis pessoas e caiu às 10h do dia 13 de agosto de 2014, no bairro do Boqueirão, em Santos, no litoral de São Paulo.

Segundo o laudo, divulgado pela jornalista Eliane Cantanhêde, o primeiro erro de Martins foi o de ter ignorado a rota determinada pelos manuais para o pouso na Base de Santos, e ter tentado pousar direto, apelando para um “atalho”. Ao se ver obrigado a abortar o pouso e arremeter, ele cometeu outras falhas pela falta de treinamento, o que gerou a “desorientação espacial”.

O piloto teria perdido a referência do avião em relação ao solo, caindo sobre as casas. A conclusão foi tirada por ter acelerado, achando que estava em movimento de subida, quando na verdade estava caindo, no momento em que o avião embicou num ângulo de 70 graus e em potência máxima. O relatório cita ainda que a relação entre os dois pilotos não era boa.

As falhas foram agravadas com as condições meteorológicas difíceis (leia mais).

A Polícia Federal e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também investigam a situação legal do jatinho. Sem seguro e com equipamentos fora de funcionamento, avião ainda pertencia à fabricante/vendedora Cessna Finance Export Corporation, mas era operado por grupo usineiro com sede em Ribeirão Preto.

Pernambuco 247 Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 05:04:24 +0000 http://www.brasil247.com/166739
BNDES socorre maior fornecedor da Petrobras http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166761 : Presidente Dilma Rousseff teria orientado Luciano Coutinho, do BNDES, e Aldemir Bendine, do Bando do Brasil, a liberar principalmente um empréstimo de US$ 3,5 bilhões para contratação de oito sondas; investigada na operação Lava Jato, a empresa controlada pelo BTG, de André Esteves, acumula dívidas de até R$ 800 milhões; BNDES chegou a procurar orientação da Advocacia Geral da União (AGU) e teria pedido ao comando da Petrobras uma chamada "carta de conforto" para garantir que não houve ato ilícito envolvendo a empresa <br clear="all"> :

247 - O BNDES liberou socorro a Sete Brasil, maior fornecedora da Petrobras. O banco deve assinar a liberação do recurso, que tinha sido aprovada há um ano.

Em reunião no início da semana no Planalto, a presidente Dilma Rousseff orientou Luciano Coutinho, do BNDES, e Aldemir Bendine, do Banco do Brasil a liberar empréstimos, principalmente os US$ 3,5 bilhões (cerca de R$ 9,2 bilhões) destinados à contratação de oito sondas.

Investigada na operação Lava Jato, a empresa controlada pelo BTG, de André Esteves acumula dívidas de até R$ 800 milhões. 

O BNDES chegou a procurar orientação da Advocacia Geral da União (AGU) e teria pedido ao comando da Petrobras uma chamada "carta de conforto" para garantir que não houve ato ilícito durante os processos de licitação da empresa com a estatal.

Leia aqui reportagem de André Ramalho sobre o assunto. 

Economia Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 06:44:33 +0000 http://www.brasil247.com/166761
United Airlines anuncia plano de voos para Cuba http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166759 : "Pretendemos servir Cuba, sujeito a aprovações governamentais, e estamos ansiosos para fazê-lo a partir de nossos gateways globais de Newark e Houston", disse o porta-voz Rahsaan Johnson; EUA anunciaram um amplo conjunto de medidas para aliviar significativamente o embargo de meio século contra Cuba, abrindo o país a vários tipos de viagens, comércio e atividades financeiras  <br clear="all"> :

WASHINGTON (Reuters) - A companhia aérea United Airlines afirmou nesta quinta-feira que planeja operar voos para Cuba a partir das cidades norte-americanas de Houston e Newark, o que ainda dependerá de aprovação governamental.

"Pretendemos servir Cuba, sujeito a aprovações governamentais, e estamos ansiosos para fazê-lo a partir de nossos gateways globais de Newark e Houston", disse o porta-voz Rahsaan Johnson em comunicado.

Mais cedo nesta quinta-feira, os EUA anunciaram um amplo conjunto de medidas para aliviar significativamente o embargo de meio século contra Cuba, abrindo o país a vários tipos de viagens, comércio e atividades financeiras.

As novas regras, que entram em vigor na sexta-feira, vão permitir que norte-americanos viagem a Cuba por uma dúzia de razões específicas, incluindo visitas familiares, estudos e religião, sem primeiro ser necessária a obtenção de uma licença especial do governo dos EUA, como antes.

(Reportagem de Krista Hughes)

Mundo Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 06:16:37 +0000 http://www.brasil247.com/166759
Cerveró: gestão de Gabrielli aprovou negócio sem licitação http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/166758 : Ex-diretor da Petrobras preso pela Polícia Federal, Nestor Cerveró afirma em depoimento que a diretoria do então presidente da estatal Sérgio Gabrielli aprovou compra dos navios-sonda de perfuração marítima, “fora de procedimento licitatório”; negócio teria sido alvo de propina de US$ 30 milhões, segundo investigações da Lava Jato  <br clear="all"> :

247 – Preso pela Polícia Federal, o ex-diretor da área de Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró afirmou nesta quinta-feira, 15, que a gestão de Sérgio Gabrielli aprovou a compra dos navios-sonda de perfuração marítima, “fora de procedimento licitatório”.

Segundo depoimento feito à polícia de Curitiba, Cerveró diz que o negócio, que teria sido alvo de propina de US$ 30 milhões segundo a Operação Lava Jato, foi aprovado pela Diretoria Executiva da estatal, “composta por seis diretores e o presidente, a quem cabe examinar a compra de equipamentos e construção de refinarias e gasodutos”.

O ex-diretor é acusado de crimes de corrupção no esquema de Alberto Youssef e de tentar ocultar patrimônio após ser denunciado.

Em nota, Gabrielli afirmou que desconhece o pagamento de propinas e que as decisões sobre as contratações feitas na época foram coletivas.

Leia aqui reportagem de Ricardo Brandt sobre o assunto.

Brasil Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 06:14:17 +0000 http://www.brasil247.com/166758
DEM quer barrar na Justiça novo partido de Kassab http://www.brasil247.com/pt/247/poder/166748 : Cúpula do partido vai levar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reclamação de fraude eleitoral contra o PL; segundo o senador eleito Ronaldo Caiado (DEM-GO), o ministro das Cidades pretende criar a legenda para inflar a base governista no Congresso e driblar a fidelidade partidária; "O Kassab cria um partido que é natimorto, porque não terá tempo de televisão e rádio, nem acesso ao fundo partidário, e irá fundi-lo ao PSD, que tem o tempo de propaganda e dinheiro do fundo", diz  <br clear="all"> :

247 – O DEM vai apresentar uma representação contra a criação do PL no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Segundo o senador eleito Ronaldo Caiado (DEM-GO), o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, pretende criar a legenda para inflar a base governista no Congresso e driblar a fidelidade partidária.

“O partido está sendo criado para fraudar a regra da fidelidade partidária. O Kassab cria um partido que é natimorto, porque não terá tempo de televisão e rádio, nem acesso ao fundo partidário, e ira fundi-lo ao PSD, que tem o tempo de propaganda e dinheiro do fundo”, diz Caiado.

Em 2011, Kassab deixou o DEM para fundar o PSD.

Poder Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 06:03:38 +0000 http://www.brasil247.com/166748
Cunha conquista apoio de ruralistas e evangélicos http://www.brasil247.com/pt/247/poder/166747 : Após declaração de voto de Silas Malafaia, candidatura de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) à presidência da Câmara conquista apoio de evangélicos e da base ruralista; “Cunha representa a possibilidade de termos uma Câmara independente”, disse o Pastor Everaldo, presidente nacional do PSC <br clear="all"> :

247 – Após receber declaração de voto de Silas Malafaia, em protesto contra Jean Wyllys (PSOL-RJ), a candidatura de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) à presidência da Câmara conquistou o apoio do restante da base de evangélicos e assim como da base ruralista da Casa.

"Cunha representa a possibilidade de termos uma Câmara independente onde serão colocados na pauta assuntos de interesse do Brasil e não somente do governo e do partido do governo", disse o Pastor Everaldo, presidente nacional do PSC. Os evangélicos representam cerca de 90 deputados na Câmara.

Em nota, os ruralistas também recomendam o voto em Cunha. "Dirigimo-nos a todos os membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) para fazer o seguinte pedido: votar no combativo líder deputado Eduardo Cunha , nosso candidato à Presidência da Câmara Federal", diz a nota da FPA, que conta com 166 deputados. Na sequência, o documento diz: "Estamos confiantes de que, eleito, Eduardo Cunha reconhecerá o nosso peso e abraçará as nossas causas. Por isso mesmo é que estamos recomendando nele votar".

Poder Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 05:40:07 +0000 http://www.brasil247.com/166747
Parte do PSB quer reatar com governo Dilma http://www.brasil247.com/pt/247/poder/166744 Foto-Aluísio-Moreira: Ala liderada por Fernando Bezerra Coelho (PE) já teria conversado sobre a reaproximação com Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Jaques Wagner (Defesa) e deve procurar ainda Ricardo Berzoini (Comunicações); partido deixou o governo após decisão do então governador de Pernambuco Eduardo Campos se lançar à Presidência em 2014; grupo teria de convencer ainda a parte pernambucana da sigla, comandada pelo governador Paulo Câmara  <br clear="all"> Foto-Aluísio-Moreira:

247 – O PSB estaria articulando a volta ao governo Dilma. Segundo a colunista Vera Magalhães, a ala liderada pelo senador Fernando Bezerra Coelho (PE) já conversou sobre a reaproximação com Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Jaques Wagner (Defesa) e deve sentar-se ainda com Ricardo Berzoini (Comunicações).

O partido deixou o governo após decisão do então governador de Pernambuco Eduardo Campos se lançar à Presidência em 2014.

O grupo teria de convencer ainda a parte pernambucana da sigla, comandada pelo governador Paulo Câmara e pelo prefeito da capital, Geraldo Julio (leia aqui).

Poder Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 05:11:24 +0000 http://www.brasil247.com/166744
Rafinha se compara aos cartunistas do Charlie http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/166745 : 'Onde você estava quando eu tentava falar sobre liberdade de expressão, mas era tachado de arrogante, prepotente e babaca? Agora estou vendo você com essa camiseta com os dizeres "Je suis Charlie" (eu sou Charlie, em francês)', disse o comediante Rafinha Bastos; ele cita piadas que teriam sido usadas 'fora do contexto' contra Wanessa Camargo  <br clear="all"> :

247 – Se dizendo incompreendido por suas piadas, o comediante Rafinha Bastos se compara aos cartunistas do Charlie Hebdo e cobra apoio dos que hoje se dizem “Charlie”. 

"Onde você estava quando eu tentava falar sobre liberdade de expressão, mas era tachado de arrogante, prepotente e babaca? Eu senti falta de você. 'Je suis Charlie'. Você é Charlie? É mesmo? Então me diga uma coisa: onde estava você quando eu tive meu DVD "A Arte do Insulto" censurado, em 2012? E quando perdi processos judiciais? Quando 300 pessoas picharam frases de ódio e destruíram a porta do meu bar, onde você estava?", pergunta o humorista, em artigo na Folha de S. Paulo.

Sobre os cartunistas do Charlie Hebdo, ele diz que "foram provocadores que não deixaram nem que o risco da morte os calasse. Foram loucos que lutaram pela liberdade de expressão até as últimas consequências. Suas mortes provocaram uma discussão mundial e permitiram que algumas pessoas entendessem melhor o que eu venho tentando dizer há, pelo menos, quatro anos".

Leia a íntegra.

Mídia Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 05:20:50 +0000 http://www.brasil247.com/166745
Policial diz que Costa enterrou dinheiro em piscina http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/166763 : Imagens aéreas do imóvel do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, no Rio de Janeiro, confirmariam o depoimento de Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca, à Polícia Federal <br clear="all"> :

247 – O policial Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca, disse em depoimento à Polícia Federal, que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa teria coberto uma piscina de sua casa, no Rio de Janeiro, para enterrar dinheiro.

Uma comparação de imagens áreas confirmariam a declaração, já que a piscina desapareceu do imóvel localizado num condomínio na Barra da Tijuca. 

Investigado na Operação Lava Jato, Careca era o transportador de dinheiro para o doleiro Alberto Youssef. 

Leia aqui reportagem de Andréia Sadi sobre o assunto.

Brasil Roberta Namour Fri, 16 Jan 2015 07:18:39 +0000 http://www.brasil247.com/166763
Em fase de ajustes, Globo deve cortar Noblat http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/166717 : Depois de demitir mais de 100 profissionais, dos quais 30 jornalistas, o jornal O Globo, dos irmãos Marinho, se depara com uma situação delicada: a renovação do contrato de Ricardo Noblat, um de seus mais conhecidos colunistas políticos; o mais provável é que a parceria entre a Globo e o jornalista seja encerrada <br clear="all"> :

247 - Depois de demitir mais de 100 profissionais, dos quais 30 jornalistas, o jornal O Globo, dos irmãos Marinho, se depara com uma situação delicada: a renovação do contrato de Ricardo Noblat, um de seus mais conhecidos colunistas políticos. O mais provável é que o contrato entre a Globo e o jornalista seja encerrada.

Abaixo, matéria do Portal Imprensa reproduzida no dia último 8 pelo 247:

GLOBO DEMITE XEXÉO E DIVERSOS JORNALISTAS

Entre 18 e 30 funcionários integram a lista de dispensas, incluindo repórteres, editores e colunistas, segundo o portal da Revista Imprensa; Entre os demitidos estão Fernanda Escóssia, ex-editora de 'País', que já havia sido "rebaixada" da função de editora em outubro, após a cúpula do jornal dirigido por João Roberto Marinho considerar que a cobertura das eleições não estava tão anti-Dilma como a desejada pelos donos

Portal Imprensa - Nesta quinta-feira (8/1), o jornal carioca O Globo realizou uma série de demissões. IMPRENSA apurou que entre 18 e 30 funcionários integram a lista de dispensas, incluindo repórteres, editores e colunistas.

Entre os demitidos estão Fernanda Escóssia, ex-editora de "País"; os colunistas Jorge Luiz ("Esporte"), Artur Xexéo ("Cultura") e Agostinho Vieira ("Meio Ambiente"); e a ex-editora de "Rio", Angelina Nunes. Esta última fez o anúncio em seu Facebook: "A partir de hoje não estou mais no Globo. Vou concluir o mestrado e me preparar para quando o Carnaval chegar", escreveu.

Estariam também entre os dispensados as repórteres Carla Alencastro, Isabela Bastos, Laura Antunes e Paula Autran, além dos diagramadores Claudio Rocha e Télio Navega. Fernanda Escóssia já havia sido "rebaixada" da função de editora em 2014 e foi demitida na última terça-feira (6/1).

Procurado, o diretor de redação do jornal, Ascânio Seleme, não foi encontrado para comentar o assunto. O sindicato dos jornalistas do Rio de Janeiro também não se pronunciou sobre o assunto.

Mídia Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 17:32:14 +0000 http://www.brasil247.com/166717
Goldman: Dilma quer presidência da Câmara para “evitar impeachment” http://www.brasil247.com/pt/247/poder/166714 : "Se for mantido este sentimento da população e se a sua política econômica não tiver resultado a curto prazo, ela poderá ser submetida a um eventual processo de impeachment, então o governo foi montado para evitar esse risco", disse o vice-presidente do PSDB; segundo ele, a oposição "não quer absolutamente nada" fora da lei, mas que "dentro da lei queremos usar todos os instrumentos para avançar e, eventualmente, mudar o governo deste País" <br clear="all"> :

247 – O vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman, afirmou que o governo da presidente Dilma Rousseff "foi montado para evitar" um processo de impeachment. Por isso, segundo ele, a presidente tem como prioridade a eleição à presidência da Câmara. O PT tem como candidato ao cargo o deputado Arlindo Chinaglia (SP).

"O desgaste dela é muito forte e ela sabe que ganhou as eleições em condições excepcionais, sem os votos do Brasil produtivo. Se for mantido este sentimento da população e se a sua política econômica não tiver resultado a curto prazo, ela poderá ser submetida a um eventual processo de impeachment, então o governo foi montado para evitar esse risco", declarou o tucano em entrevista ao Broadcast Político, da Agência Estado.

Sobre o impeachment, ele ressaltou que, "fora da lei nós não fazemos e não queremos absolutamente nada, mas dentro da lei queremos usar todos os instrumentos para avançar e, eventualmente, mudar o governo deste País". O ex-governador de São Paulo complementou que hoje "ainda não há base" para entrar com um pedido deste tipo.

Segundo ele, "a vitória de Dilma não ocorreu por fraude, mas por farsa, pois o PT fez a população acreditar que poderia ter perdido os benefícios dos programas sociais caso ela não ganhasse as eleições".

Poder Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 17:21:26 +0000 http://www.brasil247.com/166714
Braga: 'não há uma prova sequer contra Graça' http://www.brasil247.com/pt/247/amazonas247/166713 : O posicionamento do ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, é uma resposta ao advogado Edson Ribeiro, que defende Nestor Cerveró; Ribeiro afirmou ontem que se seu cliente foi preso, a presidente da Petrobras também deveria ser; Braga disse, ainda, que há "duas Petrobras", uma que está "sob investigação" da Justiça e outra que é uma "instituição brasileira", responsável por parte do planejamento do setor energético nacional; apesar de a estatal ser alvo da Justiça Federal e da PF, o ministro garante: "os investimentos deste ano estão em curso" <br clear="all"> :

Amazonas 247 – Diante das investigações sobre um esquema de corrupção na Petrobras, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, defendeu nesta quinta-feira (15), a presidente da estatal, Graça Foster, e membros da atual diretoria. O posicionamento do ministro uma resposta ao defensor Edson Ribeiro, que advogado do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró.

Ribeiro considerou arbitrária a prisão de Cerveró nessa quarta-feira (14) e afirmou, se o ex-diretor foi preso, Graça Foster também deveria ser detida. O Ministério Público Federal o acusou Cerveró de ter realizado transações financeiras para ocultar seus bens.

"Até hoje, não há nenhuma prova sequer contra Graça Foster. Até hoje, não há nenhuma prova sequer contra esses diretores que aí estão. Não seria justo, vendo o esforço que a Petrobrás está fazendo com seus técnicos e sua diretoria, de recuperação de gestão e eficiência, puni-los sem dar a chance para que apresentem os resultados que a Petrobrás aponta que apresentará", disse o ministro ao repórter Vinicius Neder (leia mais aqui).

Braga ressaltou que já estão em estudo mudanças no conselho de administração da empresa. O ministro disse estar otimista quanto aos rumos da estatal alegando que há "duas Petrobrás", uma que está "sob investigação" da Justiça, e outra que é uma "instituição brasileira", responsável por parte do planejamento do setor energético nacional.

O ministro também negou que haja queda de investimentos da estatal neste ano. "Os investimentos deste ano estão em curso. O que tem problema nos investimentos é que as empresas que estavam contratadas estão enroladas na Lava Jato. E isso precisa ter uma saída jurídica. Isso traria um prejuízo para o País incalculável", afirmou.

Amazonas 247 Leonardo Lucena Thu, 15 Jan 2015 17:22:03 +0000 http://www.brasil247.com/166713
Suíça toma decisão extrema e mercados ficam "perplexos" http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166712 : "Porto seguro" dos mercados, Banco Central do pequeno país eliminou hoje a taxa de câmbio mínima de 1,20 euro por franco suíço, ao mesmo tempo em que reduziu a taxa de depósitos para -0,75%, de -0,25%; a autoridade monetária também levou a faixa-alvo da taxa Libor de três meses para terreno ainda mais negativo, entre -1,25% e -0,25%; decisão suscitou diversas reações no mercado <br clear="all"> :

Por Lara Rizério

SÃO PAULO - Esta quinta-feira (15) podia ser um dia "mais do mesmo" nos mercados, com alguma recuperação ou continuidade de queda das commodities, novos dados da China e dos EUA e indicações da política monetária do BCE (Banco Central Europeu), o que vem sendo os grandes catalisadores para o mercado nos últimos dias.

Porém, não foi isso o que aconteceu. O grande vetor para os mercados no início da manhã foi a decisão do Banco Central de um pequeno país, de um pouco mais de 8 milhões de habitantes e aparentemente sem grande destaque nas decisões de política monetária.

O Banco Central da Suíça, o SNB, eliminou hoje a taxa de câmbio mínima de 1,20 euro por franco suíço, ao mesmo tempo em que reduziu a taxa de depósitos para -0,75%, de -0,25%. A autoridade monetária do país também levou a faixa-alvo da taxa Libor de três meses para terreno ainda mais negativo, entre -1,25% e -0,25%. Antes, o intervalo era de -0,75% a 0,25%.

E esta decisão suscitou diversas reações no mercado. "Tsunami" e "bomba" eram algumas das classificações, sendo classificadas como um dos maiores movimentos que analistas viram em décadas de carreira, num movimento completamente surpreendente. O franco suíço registrou uma forte valorização, de cerca de 14% em relação ao dólar, enquanto disparou 17% frente o euro.

Por outro lado, a bolsa suíça, que neste momento registra queda de 9%, chegou a despencar 10% e registrar o pior desempenho desde 2009.

Mas por que isso foi feito? O SNB justificou a decisão apontando que a "sobrevalorização do franco suíço diminuiu como um todo desde a introdução da taxa de câmbio mínima", o que motivou a decisão de descartar a medida. A taxa, que foi introduzida em período de excepcional sobrevalorização do franco suíço e grande nível de incerteza nos mercados financeiros, tinha por objetivo proteger a economia do país.

Segundo o presidente do banco, Thomas Jordan, manter a taxa mínima do franco suíço "não se justificava mais". Segundo ele, a taxa foi estabelecida em um período de valorização excepcional do franco suíço e reconheceu que a economia do país teve vantagem dessa fase, para então se ajustar à uma nova situação. Ele ressalta que, embora o franco suíço permaneça alto, a sobrevalorização diminuiu desde que a referência de câmbio foi adotada, há mais de três anos.

E, para impedir que o fim da medida de câmbio leve a condições monetárias mais apertadas, o SNB também decidiu reduzir significativamente a taxa de depósitos.

Decisão foi boa? O chefe de investimentos do UBS, Mark Haefele, destacou que o movimento veio como uma "surpresa completa". Segundo ele apontou, o impacto negativo para a economia suíça será grande. A inflação do país pode ser afetada negativamente em 0,9 ponto percentual na comparação mensal e o efeito direto para as exportadoras deve ser negativo em 5 bilhões de francos suíços, ou uma queda de 0,7 ponto percentua do PIB do pequeno país, afirmou.

Por outro lado, aponta Steve Woodcock, da Trade Next, o movimento de expansão monetária com a redução ainda maior das taxas monetárias foram na direção certa.

Já Dennis Gartman afirmou ao portal CNBC que a decisão da Suíça: "esta é realmente uma decisão boba da parte deles e infringirá perdas a um grande número de pessoas". "Eles não deram nenhuma indicação de que isso iria acontecer". E, afirma, ao abandonar esta política, o Banco Central deve enfrentar perdas de US$ 10 bilhões.

Já o chefe de estratégia do Brown Brothers Harriman, Marc Chandler, afirmou que o movimento é parte de uma estratégia para enfrentar a deflação.

"O momento da mudança é uma surpresa, vindo apenas um mês após a última alteração das taxas de juro. Mas poderia muito bem ser que o SNB decidiu se atencipar a um movimento provável de flexibilização monetária do BCE, que pode acontecer em breve. O Banco Central do país indicou que 'estava dando com uma mão e tirando com a outra ao mover as taxas de depósitos para um território negativo. Porém, ele quebrou a parede da barragem e causou uma inundação. Ainda levará algum tempo para ver o que está por trás disso", afirmou Simon Smith, economista-chefe da FxPro.

Segundo Christian Schulz, economista sênior do Berenberg, se sustentado, o impacto da decisão sobre a economia da Suíça pode ser significativa durante alguns anos. "Os exportadores sofrerão com os menores preços dos produtos importados. O turismo e comércio a varejo também podem sofrer. Um período de forte deflação é um risco grave. Mas, a economia pode ser capaz de lidar com isso", afirmou Christian, segundo o Market Watch.

Economia Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 17:00:58 +0000 http://www.brasil247.com/166712
Alckmin diz que “não vai fechar o registro” http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/166683 : O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta quinta-feira 15 que foi mal interpretado acerca das suas declarações sobre o Estado estar vivendo um período de racionamento de água; "Estamos evitando o racionamento. O que é o racionamento? É você fechar o registro. Então estamos procurando através de campanhas, de bônus, da utilização das reservas técnicas, da integração dos sistemas ultrapassar essa dificuldade da crise da seca", afirmou; ele também elogiou o Tribunal de Justiça, que derrubou uma liminar que impedia a cobrança de multas para quem aumentar o consumo durante o período de crise <br clear="all"> :

247 - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta quinta-feira 15 que foi mal interpretado acerca das suas declarações sobre o Estado estar vivendo um período de racionamento de água. 

"Estamos evitando o racionamento. O que é o racionamento? É você fechar o registro. Então estamos procurando através de campanhas, de bônus, da utilização das reservas técnicas, da integração dos sistemas ultrapassar essa dificuldade da crise da seca", afirmou o governador em uma entrevista coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. 

Alckmin declarou ontem que "o racionamento já existe", mas ressaltou que "não tem racionamento no sentido de 'fecha o sistema e abre amanhã'. Isso não tem e nem deve ter. Agora, restrição hídrica, claro que tem" (leia aqui).

Na entrevista desta quinta, o governador procurou evitar comentar a possibilidade de um rodízio de água, conforme admitido ontem pela Sabesp. Ele também aprovou a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, que derrubou a decisão liminar que impedia a cobrança de multas para os consumidores que ampliarem o consumo de água.

O governador, porém, não quis comentar as declarações feitas pelo presidente da Sabesp, Jerson Kelman, sobre o risco de o Sistema Cantareira secar até março caso as chuvas previstas para o período não atendam as expectativas. "Nós temos sete sistemas de abastecimento de água na cidade de São Paulo bastante interligados. E temos obras permanentemente", disse.

SP 247 Paulo Emílio Thu, 15 Jan 2015 13:24:52 +0000 http://www.brasil247.com/166683
Chinaglia: PT e PSB têm acordo para a Câmara http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/166687 Zeca Ribeiro/ Câmara dos Deputados: 17/12/2014- Brasília- DF, Brasil- Lançamento da candidatura do deputado Arlindo Chinaglia à presidência da Câmara. Foto: Zeca Ribeiro/ Câmara dos Deputados O deputado e candidato do PT à presidência da Câmara, Arlindo Chinaglia, afirmou nesta quinta-feira 15, no Recife, que tem um acordo mútuo com o adversário Júlio Delgado (PSB-MG) para que um apoie o outro no caso de eventual segundo turno; apesar disso, petista evitou entrar em detalhes sobre como isto seria feito; "Eu vou apoiá-lo se não passar para o segundo turno. Mas você vai ter que ligar para ele", cobrou; ele comentou as declarações de Marta Suplicy; "Ela está olhando a paisagem fora do PT e deve estar de olho na candidatura para prefeitura de São Paulo" <br clear="all"> Zeca Ribeiro/ Câmara dos Deputados: 17/12/2014- Brasília- DF, Brasil- Lançamento da candidatura do deputado Arlindo Chinaglia à presidência da Câmara. Foto: Zeca Ribeiro/ Câmara dos Deputados

Pernambuco 247 - O deputado e candidato à Presidência da Câmara Federal, Arlindo Chinaglia (PT-SP), afirmou, nesta quinta-feira (15), no Recife, que possui um acordo mútuo com o adversário Júlio Delgado (PSB-MG) para que um apoie o outro no caso de um eventual segundo turno para a direção da Casa.

Ele também comentou as declarações da senadora e ex-ministra Marta Suplicy (PT-SP), que afirmou que ou o PT "muda ou acaba". "Ela está olhando a paisagem fora do PT e deve estar de olho na candidatura para prefeitura de São Paulo", disse. 

Apesar de admitir a existência de um acordo com o socialista no caso de um segundo turno, Chinaglia evitou entrar em detalhes sobre como isto seria feito. "Eu vou apoiá-lo se não passar para o segundo turno. Mas você vai ter que ligar para ele", disse. Ele ressaltou, ainda, que a afinidade politica entre a sua candidatura e a de Delgado é maior do que coma postulação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que mantém uma relação conflituosa com a presidente Dilma Rousseff.

A declaração de Chinaglia sobre a existência de um acordo com o candidato do PSB foi realizada após um encontro do parlamentar com deputados pernambucanos, no Recife. Em seguida, Chinaglia reuniu-se com o governador de Pernambuco e presidente interino do PSB, Paulo Câmara.

"A Câmara dos Deputados precisa de uma pauta nacional", destacou Chinaglia, que assim como os adversários promete adotar uma postura independente no caso de assumir a Presidência da Câmara.

O petista é o último dos candidatos à Presidência da Câmara a visitar Pernambuco. Antes dele, Júlio Delgado e Eduardo Cunha também visitaram o Estado em busca do apoio do PSB para as suas respectivas candidaturas.

Pernambuco 247 Paulo Emílio Thu, 15 Jan 2015 14:03:33 +0000 http://www.brasil247.com/166687
EUA facilitam viagens e comércio com Cuba http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166694 : O Departamento do Tesouro norte-americano anunciou nesta quinta-feira 15 que algumas das restrições a Cuba serão aliviadas a partir de amanhã, como parte do processo de normalização das relações entre Havana e Washington <br clear="all"> :

Da Agência Lusa

O Departamento do Tesouro norte-americano anunciou nesta quinta-feira 15 que algumas das restrições a Cuba serão aliviadas a partir de amanhã, como parte do processo de normalização das relações entre Havana e Washington. Inicialmente, os Estados Unidos facilitarão as viagens para a ilha e aliviarão as limitações comerciais, principalmente transferências de remessas dos emigrantes cubanos.

"O anúncio de hoje nos coloca um passo mais próximos de substituir políticas que não estavam funcionando e de colocar em prática uma política que ajude a promover a liberdade política e econômica do povo cubano", afirmou o secretário do Tesouro norte-americano, Jacob Lew.

As medidas avançam mesmo que o embargo econômico dos Estados Unidos contra Cuba, decretado em 1962, continue em vigor, uma vez que este só pode ser revogado pelo Congresso americano, atualmente dominado pelo Partido Republicano.

Os presidentes Barack Obama e Raúl Castro anunciaram, no dia 17 de dezembro, que os Estados Unidos e Cuba iniciariam um processo de normalização das relações diplomáticas. Os dois países, separados pelos 150 quilômetros do Estreito da Flórida, cortaram relações em 1961.

O embargo econômico, comercial e financeiro contra Cuba foi imposto em 1962, depois do fracasso da invasão da ilha para tentar derrubar o regime de Fidel Castro, em 1961. A invasão ficou conhecida como o episódio da Baía dos Porcos.

As primeiras conversações diplomáticas oficiais estão previstas para os próximos dias 21 e 22, em Havana. Os dois países devem discutir, entre outros aspectos, a abertura de embaixadas.

Mundo Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 14:59:52 +0000 http://www.brasil247.com/166694
Caixa aumenta juros do financiamento imobiliário http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166692 DANIEL TEIXEIRA: Brasil, São Paulo, SP. 22/07/10. Movimentação na agência da Caixa Econômica Federal, localizada na Av. Paulista, 1842. - Crédito:DANIEL TEIXEIRA/AGÊNCIA ESTADO/AE/Código imagem:105495 Banco atribuiu a mudança ao aumento da Selic; as novas taxas, que entram em vigor no dia 19 de janeiro, valem para operações contratadas com recursos da poupança <br clear="all"> DANIEL TEIXEIRA: Brasil, São Paulo, SP. 22/07/10. Movimentação na agência da Caixa Econômica Federal, localizada na Av. Paulista, 1842. - Crédito:DANIEL TEIXEIRA/AGÊNCIA ESTADO/AE/Código imagem:105495

SÃO PAULO (Reuters) - A Caixa Econômica Federal informou nesta quinta-feira um aumento das taxas de juros que cobra no financiamento imobiliário, atribuindo a mudança ao aumento da Selic.

As novas taxas, que entram em vigor no dia 19 de janeiro, valem para operações contratadas com recursos da poupança.

"A alteração se deve ao aumento das taxas de juros básicos", informou a Caixa, em nota, explicando que financiamentos contratados com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida e do FGTS não sofrerão mudanças.

Economia Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 14:50:19 +0000 http://www.brasil247.com/166692
Zuckerberg leva Internet grátis à Colômbia http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/166691 REUTERS/Jose Miguel Gomez: Presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, em entrevista à Reuters na Universidade de Bogotá. 14/1/2015 REUTERS/Jose Miguel Gomez O presidente-executivo do Facebook lançou um aplicativo de acesso gratuito à Internet na Colômbia, como parte de um esforço para trazer os mercados de países desenvolvidos ao mundo online; Mark Zuckerberg, porém, continuou sem dar uma única palavra sobre quando ou se a companhia vai considerar entrar na China <br clear="all"> REUTERS/Jose Miguel Gomez: Presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, em entrevista à Reuters na Universidade de Bogotá. 14/1/2015 REUTERS/Jose Miguel Gomez

Por Helen Murphy e Luis Jaime Acosta

BOGOTÁ (Reuters) - O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, lançou na quarta-feira um aplicativo de acesso gratuito à Internet na Colômbia, como parte de um esforço para trazer os mercados de países desenvolvidos ao mundo online, mas continuou sem dar uma única palavra sobre quando ou se a companhia vai considerar entrar na China.

A Colômbia é o primeiro país na América Latina e quarto no mundo a receber o novo serviço Internet.org, em parceria com a companhia de telefonia móvel local Tigo, mas a meta é dar um alcance global ao aplicativo, disse Zuckerberg à Reuters.

O aplicativo para celulares, destinado a usuários rurais e de baixa renda, oferece mais de uma dezena de ferramentas via o sistema operacional Android –incluindo a enciclopédia Wikipedia, sites de previsão do tempo, catálogos de empregos e informativos de saúde, assim como a própria rede social Facebook e seu respectivo serviço de mensagens – tudo sem nenhuma cobrança ao usuário pela transferência de dados.

A ferramenta já foi lançada em três países africanos, incluindo a Zâmbia.

Durante sua primeira viagem a Bogotá, o bilionário fundador do Facebook disse que o aplicativo se disseminaria muito rapidamente, à medida que as operadoras de telefonia se valham de um crescimento nos rendimentos, proveniente de novos consumidores tendo acesso a seus serviços.

"Nossa meta é fazer do Internet.org um programa disponível em todo o mundo e ajudar todos a se conectarem à Internet", disse Zuckerberg, de 30 anos. "Vamos olhar para trás daqui a um ano e com sorte vamos ter muito mais países com programas como esse."

Embora ele tenha se recusado a revelar o próximo país em que o programa será lançado, Zuckerberg aposta que o aplicativo em breve se tornará "padrão" entre operadoras de telefonia móvel de todo mundo, visando a expansão do acesso à Internet. Aqueles que não oferecerem o serviço estarão se "ficando para trás".

Vai "deixar de ser o caso de somente as operadoras mais visionárias e de aprendizado mais avançado começarem a adotar o programa e vai começar a ser o caso de ser mais o padrão, certo, em que vai ser quase como se você não está fazendo está ficando para trás", disse Zuckerberg, vestindo seu característico jeans com camiseta cinza.

Perguntado se estuda uma entrada na China, Zuckerberg disse: "Quem sabe... isso é diferente."

Zuckerberg e o presidente-executivo da Xiaomi, Lei Jun, discutiram um potencial investimento do Facebook na principal fabricante de smartphones da China, antes da companhia chinesa conseguir arrecadar 1,1 bilhão de dólares em fundos de investidores, no mês passado.

Mas várias pessoas com conhecimento do assunto disseram à Reuters que um acordo nunca se materializou. O Facebook não quis comentar sobre o tema.

O presidente-executivo do Facebook também não se inclinou a revelar se o recente encontro na Cidade do México com o bilionário das telecomunicações Carlos Slim resultaria em um projeto similar ao Internet.org ou em alguma outra empreitada.

"Não vou dizer nada específico sobre qualquer parceria que não seja final, mas, quero dizer, vamos querer trabalhar com pessoas em todo mundo em uma série de coisas", disse Zuckerberg.

Ele disse que o próximo lançamento do Internet.org pode ocorrer em apenas seis meses. O executivo de 30 anos, que largou os estudos na Universidade de Harvard para gerir o Facebook, reuniu-se com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, na manhã de quarta-feira, e os dois lançaram oficialmente o aplicativo do Internet.org no palácio presidencial.

As ferramentas oferecidas pelo serviço proporcionam um alicerce que pode ser usado pelos colombianos para "erguer sua própria prosperidade", disse Zuckerberg.

"Ao dar às pessoas essas ferramentas básicas de graça, está se criando um ambiente de atuação igualitário", disse ele, em referência ao empreendedores que podem usar a Internet grátis para abrir ou aumentar seus negócios.

O serviço pode até mesmo ajudar a Colômbia, que tem 21 milhões de usuários no Facebook, na tentativa de encerrar uma guerra de 50 anos com rebeldes marxistas, disse Zuckerberg.

"Somente dar as pessoas as ferramentas de conectividade é intrinsicamente importante para gerar comunicação e estreitar o tecido social na criação da paz", disse o executivo.

O Facebook fechou parceria com mais de 150 provedores de comunicação sem fio nos últimos quatro anos, com o objetivo de oferecer acesso gratuito ou com desconto a sua rede social, mas o novo aplicativo é o primeiro a agregar também outros serviços, além do próprio site da companhia.

Enquanto 85 por cento da população mundial vive em áreas com cobertura de telefonia móvel, apenas 30 por cento têm acesso à Internet. Cerca de 3 bilhões de pessoas possuíam acesso ao mundo online até o fim de 2014, segundo a União Internacional de Telecomunicações.

(Reportagem adicional de Julia Symmes Cobb)

Mídia Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 14:43:32 +0000 http://www.brasil247.com/166691
Petrobras: plano de redução de custos de poços economiza US$ 1 bilhão http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166690 : A atividade de construção de poços é a que exige mais recursos, chegando a 32% do total investido pela estatal atualmente; em 2013, o total economizado foi US$ 344 milhões, quantia que subiu para US$ 1 bilhão no fim do ano passado <br clear="all"> :

Vinícius Lisboa – Repórter da Agência Brasil

O Programa de Redução de Custos de Poços (PRC-Poço) da Petrobras gerou economia de US$ 1 bilhão desde 2013, divulgou a companhia na noite de ontem (14). A atividade de construção de poços é a que exige mais recursos, chegando a 32% do total investido pela estatal atualmente.

Em 2013, o total economizado foi US$ 344 milhões, quantia que subiu para US$ 1 bilhão no fim do ano passado. A expectativa da Petrobras é que o valor economizado aumente com a construção de poços de desenvolvimento de produção nas áreas do pré-sal.

As ações que fazem parte do programa têm três áreas: a redução de custos unitários, a otimização de projetos e os ganhos de produtividade, que somam 23 iniciativas.

A redução de custos unitários é feita em quatro ações, e, entre elas, a empresa destaca o uso de embarcações mais simples e de menor custo para substituir sondas de perfuração em algumas atividades, como a instalação de equipamentos a cabo. Operações em série e simplificações de projetos ajudam a otimizar os investimentos.

A nota informa também que ganhos de produtividade vêm sendo atingidos com a melhoria na disponibilidade de sondas flutuantes, cuja eficiência operacional atingiu 92% em 2014. Com o programa, esse indicador melhorou 2%, gerando economia de US$ 115 milhões.

Economia Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 14:37:49 +0000 http://www.brasil247.com/166690
Petrobras sobe 8% com data para divulgar balanço http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166675 : Estatal informou ontem, após o fechamento da Bovespa, que pode divulgar o resultado do terceiro trimestre de 2014 no dia 27 de janeiro, dependendo da decisão do Conselho de Administração, o que evitaria o chamado "calote técnico"; ações da empresa sobem 8% no pregão desta quinta-feira 15, puxando o Ibovespa, que tem alta de 2,5%; humor é positivo no exterior, com a recuperação das commodities, e no noticiário doméstico, o IBC-Br, prévia do PIB, foi melhor do que o esperado; dólar atinge os R$ 2,60 <br clear="all"> :

247 - As ações da Petrobras sobem forte no pregão desta quinta-feira 15, um dia depois de a estatal ter divulgado, após o fechamento da Bolsa, que poderá divulgar no próximo dia 27 de janeiro seu balanço não auditado do terceiro trimestre de 2014. O anúncio do balanço já foi adiado duas vezes, em novembro e dezembro, em decorrências das investigações da Operação Lava Jato.

Abaixo, reportagem do portal Infomoney sobre o pregão de hoje:

Por Lara Rizério - O Ibovespa tem para uma sessão de fortes ganhos na sessão desta quinta-feira, com a recuperação das bolsas europeias e com os preços das commodities voltando a subir. Às 10h43 (horário de Brasília), o índice registrava ganhos de 1,91%, a 48.554 pontos.

Já o dólar renova a mínima em um mês e ameaça romper o suporte de R$ 2,60, em meio às expectativas de o Federal Reserve possa elevar os juros mais tarde do que o esperado. Às 10h56 (horário de Brasília), a divisa caía 0,63%, a R$ 2,60.

Conforme ressalta o economista Ignácio Crespo, da Guide Investimentos, além da recuperação das commodities e do humor mais positivo no exterior - após um susto com a decisão do Banco da Suíça de abandonar o teto de 1,20 francos por euro -, contribuíram para o cenário brasileiro. Além disso, após o fechamento da bolsa de ontem, o Ibovespa Futuro registrou alta e, por isso, registrou uma leve queda na sessão de hoje antes da abertura da Bovespa, voltando a subir.

Vale ressaltar ainda o noticiário da Petrobras que, após o fechamento da Bovespa ontem, revelou que pode divulgar o resultado do terceiro trimestre de 2014 no dia 27 de janeiro, dependendo da decisão do Conselho de Administração, o que evitaria o chamado "calote técnico". Com isso, as ações da empresa sobem 5%.

Além disso, destaque para os dados positivos da expansão de crédito da China, o que impulsiona a Vale, que também teve uma notícia negativa, com a sua recomendação cortada pelo Barclays de equalweight para underweight.

No noticiário doméstico, o IBC-Br foi melhor do que o esperado, aponta a Guide, apesar da contração forte da indústria em novembro. "O dado divulgado há pouco pelo banco central não altera muito o quadro à frente, e o varejo não nos parece que será suficiente para melhorar o ritmo da economia como um todo. Neste contexto, investidores já precificam um BC menos 'duro' contra a inflação. Os juros têm recuado na BM&F, em linha com o esperado", afirmou.

JBS sobe e Marfrig cai As ações da Marfrig seguem forte queda da véspera depois da companhia anunciar nesta manhã que Sérgio Rial deixará a presidência executiva da empresa após receber uma proposta para trabalhar em outro lugar. Para seu posto, assumirá Martin SeccoArias, que assumirá em 16 de fevereiro.

Já a JBS tem um dos maiores ganhos do Ibovespa após informar que sua subsidiária Pilgrim's Pride Corporation aprovou o pagamento de 1,5 bilhão de dólares em dividendos extraordinários, correspondentes de 5,77 dólares por ação.

Acompanhe a atualização dos principais destaques da Bovespa nesta quinta-feira:

11h08: Bancos As ações dos bancos sobem hoje em dia de euforia no mercado. Destaque para as ações do Santander (SANB11, R$ 13,14, +3,96%), Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 34,95, +2,43%), Bradesco (BBDC3, R$ 35,38, +2,70%; BBDC4, R$ 36,14, +2,32%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 22,79, +2,75%). Os papéis ganham força já que também se beneficiam com o anúncio da Petrobras de que deve divulgar seu resultado não auditado no dia 27 de janeiro. O comunicado reduz o risco da companhia entrar em calote técnico e como os bancos têm bastante exposição à dívida a companhia, isso pode trazer um certo "alívio" ao mercado, comentou o analista Luis Gustavo Pereira, da Guide Investimentos.

10h50: Embraer (EMBR3, R$ 21,78, +1,78%) As ações da Embraer sobem hoje em meio a um relatório do Credit Suisse que elevou a recomendação das ações da companhia de underperform (desempenho abaixo da média) para neutra. O preço-alvo foi elevado dos ADRs (American Depositary Receipts) da companhia foi elevado de US$ 29 para US$ 38. A revisão deve-se aos dados de entregas de aeronaves no quarto trimestre e enfraquecimento do real frente ao dólar, com a moeda americana devendo terminar o ano a R$ 2,80.

10h46: Marfrig (MRFG3, R$ 4,70, -2,49%) As ações da Marfrig seguem forte queda da véspera depois da companhia anunciar nesta manhã que Sérgio Rial deixará a presidência executiva da empresa após receber proposta para presidir conselho de grande banco brasileiro. Para seu posto, assumirá Martin Secco Arias, que ocupará o cargo em 16 de fevereiro.

10h41: Ambev (ABEV3, R$ 16,81, +1,26%) e JBS (JBSS3, R$ 10,40, +2,67%) As ações da Ambev e JBS sobem hoje após o Goldman Sacks colocar as duas companhias como suas "top picks" na América Latina. Segundo os analistas, a fabricante de bebidas tem boa visibilidade para apresentar crescimento em sua receita líquida durante 2015, enquanto JBS é uma boa exposição ao câmbio, com 80% de seu lucro atrelado ao dólar, tendo baixa dependência com o consumo interno.

10h37: Petrobras (PETR3, R$ 8,95, +5,29%; PETR4, R$ 9,17, +5,03%) As ações da Petrobras acentuam os ganhos nesta manhã depois de comunicado divulgado ontem à noite de que a empresa deve publicar seu balanço não auditado do terceiro trimestre dia 27 de janeiro. Apesar do movimento, os ADRs (American Depositary Receipts) da companhia operavam estáveis no pré-market das Bolsa dos Estados Unidos.

10h27: Educacionais As ações do setor de educação dão sequência ao forte movimento de queda iniciado no final do ano passado e registram acentuada desvalorização nesta sessão. Entre as maiores quedas do Ibovespa, aparecem as ações da Kroton (KROT3, R$ 12,54, -2,56%) e Estácio (ESTC3, R$ 17,39, -1,19%). Segundo operadores da XP Investimentos, o aluguel dos papéis da Kroton, Estácio e Ser Educacional (SEER3, R$ 18,56, -1,01%) têm sido fortemente demandados nos últimos dias. Usualmente, o investidor busca o aluguel de uma ação para vendê-la, posteriormente na Bolsa.

Vale monitorar hoje a reunião que acontecerá entre o secretário-executivo do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para discutir a situação do FIES (Fundo de Financiamento Estudantil). A reunião não contará com Cid Gomes.

10h24: Multiplan (MULT3, R$ 48,76, +1,16%) As vendas em shoppings da Multiplan no quarto trimestre foram de R$ 4,1 bilhões, alta de 11,3% na comparação anual, representando 31,8% do resultado no fechado do ano. Os ativos mais recentes da Multiplan - inaugurados desde 2012 - somaram às vendas do quarto trimestre R$ 509,2 milhões, uma contribuição 37,2% maior em relação a um ano antes. Segundo a XP Investimentos, os números da empresa foram positivos, mesmo em um cenário de desaceleração econômica. "Tanto a taxa de ocupação, quanto o crescimento nas vendas nas mesmas lojas demonstram forte crescimento da companhia", disse.

10h20: Cyrela (CYRE3, R$ 10,78, +2,57%) A Cyrela teve queda nas vendas e lançamentos entre outubro e dezembro, um movimento observado desde o segundo trimestre que culminou em um recuo anual dos indicadores no fechado de 2014. Os lançamentos no quarto trimestre foram de R$ 2,26 bilhões, queda de 16,1% na comparação anual. Segundo a XP Investimentos, a prévia da companhia demonstra dificuldade do setor de construção. Mesmo com o menor número de lançamentos, as vendas apresentam uma queda acentuada, impactando negativamente o VSO (indicador que mensura a velocidade de vendas), disse.

10h14: Vale (VALE3, R$ 20,61, -0,43%; VALE5, R$ 18,30, -0,54%) Depois de desabarem 8% na véspera, as ações da Vale seguem em queda nesta sessão. Hoje, o Barclays cortou a recomendação dos papéis da mineradora de equalweight (desempenho em linha com a média) para underweight (desempenho abaixo da média). Acompanham o movimento as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 13,21, -0,90%), holding que detém participação na Vale.

Economia Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 12:16:14 +0000 http://www.brasil247.com/166675
Altman: esquerda do Brasil é soviética ou cubana? http://www.brasil247.com/pt/247/poder/166583 : Em relação ao "paradigma de comunicação", enquanto o modelo cubano, de Fidel Castro, incentivou processos amplos de crítica e autocrítica, colocando "as cartas sobre a mesa", os soviéticos, presididos por Leonid Brejnev no ápice geopolítico da URSS, "preferiram o jogo do feliz", em que "apresentavam cenários maravilhosos: pleno emprego, conquistas sociais e culturais formidáveis", compara Breno Altman, colunista do 247; jornalista vê a situação brasileira "muito distante" dos dois processos, mas confessa, "ao observar certos comportamentos do governo e da militância de esquerda, que corremos o risco da 'inspiração soviética' acabar dando o tom na atitude das forças progressistas frente ao povo brasileiro" <br clear="all"> :

247 – "A esquerda brasileira é soviética ou cubana?", pergunta o jornalista Breno Altman, que explica, em novo texto publicado no blog parceiro do 247, que a questão "não diz respeito a modelos de sociedade e Estado, mas exclusivamente ao paradigma de comunicação".

Em uma comparação dos dois regimes, ele afirma que, enquanto o modelo cubano incentivou processos amplos de crítica e autocrítica, colocando "as cartas sobre a mesa", os soviéticos "preferiram o jogo do feliz", em que "apresentavam cenários maravilhosos: pleno emprego, conquistas sociais e culturais formidáveis".

Altman afirma que "a situação brasileira, por inúmeras razões, está muito distante dos processos cubano e soviético". Mas confessa, "ao observar certos comportamentos do governo e da militância de esquerda, que corremos o risco da 'inspiração soviética' acabar dando o tom na atitude das forças progressistas frente ao povo brasileiro".

Leia aqui a íntegra do artigo.

Poder Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 10:06:29 +0000 http://www.brasil247.com/166583
Papa condena ataques, mas critica insultos às religiões http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166679 : "Você não pode provocar, você não pode insultar a fé dos outros, você não pode zombar da fé", disse o papa Francisco nesta quinta-feira 15, ao falar sobre os atentados terroristas em Paris da semana passada; "Eu acho que a liberdade religiosa e liberdade de expressão são ambos direitos humanos fundamentais", acrescentou o pontífice <br clear="all"> :

Por Philip Pullella

A BORDO DO AVIÃO PAPAL (Reuters) - O papa Francisco, ao falar sobre os ataques letais de militantes islâmicos em Paris na semana passada, defendeu a liberdade de expressão, mas disse ser errado provocar os outros insultando sua religião e que se pode "esperar" uma reação a esse tipo de abuso.

"Você não pode provocar, você não pode insultar a fé dos outros, você não pode zombar da fé", disse ele a jornalistas nesta quinta-feira, a bordo de um avião que o levava do Sri Lanka para as Filipinas, no início da segunda etapa de sua turnê asiática.

Francisco, que condenou os ataques em Paris, foi questionado sobre a relação entre liberdade de religião e liberdade de expressão.

"Eu acho que a liberdade religiosa e liberdade de expressão são ambos direitos humanos fundamentais", disse ele, acrescentando que estava falando especificamente sobre os assassinatos de Paris.

"Todo mundo tem não só a liberdade e o direito, mas a obrigação de dizer o que pensa para o bem comum ... nós temos o direito de ter essa liberdade abertamente, sem ofender", disse.

Para ilustrar seu ponto de vista, ele se virou para um assessor e disse: "É verdade que você não deve reagir violentamente, mas apesar de sermos bons amigos, se ele diz um palavrão contra minha mãe, ele pode esperar um soco, é normal", disse.

"Você não pode fazer das religiões dos outros um brinquedo", acrescentou. "Essas pessoas provocam e, em seguida, (algo pode acontecer). Liberdade de expressão tem limites."

Dezessete pessoas, incluindo jornalistas e policiais, foram mortas em três dias de violência iniciada com um ataque a tiros ao semanário humorístico Charlie Hebdo, conhecido por seus ataques satíricos ao islamismo e outras religiões.

Referindo-se a guerras religiosas do passado, como as Cruzadas, sancionadas pela Igreja Católica contra o Islã, o papa disse: "Vamos considerar nossa própria história. Quantas guerras de religião tivemos? Mesmo que fôssemos pecadores, mas você não pode matar em nome de Deus. Isso é uma aberração."

Perguntaram também ao papa se ele se sentia vulnerável a uma tentativa de assassinato ou a um ataque de extremistas islâmicos.

No início desta semana, o Vaticano negou reportagens de jornais italianos dizendo que os Estados Unidos e as autoridades de inteligência israelenses informaram o Vaticano de que poderia haver um ataque iminente de militantes islâmicos contra o papa.

Francisco disse que estava mais preocupado com que outros - em vez de si mesmo - sejam feridos em um eventual ataque e que se sente confiante quanto às medidas de segurança no Vaticano e durante suas viagens.

"Estou nas mãos de Deus", disse, brincando sobre ter pedido a Deus para poupá-lo de uma morte dolorosa.

"Estou com medo? Você sabe que eu tenho um defeito, uma boa dose de descuido. Se alguma coisa acontecer comigo, eu disse ao Senhor, peço apenas que me dê a graça de não sentir dor, porque eu não sou corajoso quando confrontado com a dor. Eu sou muito medroso", disse.

Mundo Gisele Federicce Thu, 15 Jan 2015 12:40:07 +0000 http://www.brasil247.com/166679
Defesa de Cerveró vai pedir revogação da prisão http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/166678 : Antes do início do depoimento do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, um dos advogados que o representa, Breno Brandão, disse que a defesa fará o pedido de revogação da prisão ainda nesta quinta-feira 15; "Estamos confiantes de que a decisão sobre a prisão é indevida. Não haveria necessidade dessa prisão pelos motivos apresentados", afirmou o advogado; Cerveró irá depor hoje em Curitiba, onde está preso <br clear="all"> :

Paraná 247 - Antes do início do depoimento do ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, na manhã desta quinta-feira (15), um dos advogados que o representa Breno Brandão disse que a defesa fará o pedido de revogação da prisão ainda nesta quinta-feira (15), mesmo dia em que o ex-dirigente depõe na sede da Polícia Federal (PF), em Curitiba (PR), onde está preso.

"Estamos confiantes de que a decisão sobre a prisão é indevida. Não haveria necessidade dessa prisão pelos motivos apresentados", afirmou Breno Brandão à imprensa. O pedido de revogação será feito no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre (RS), pelo advogado Edson Ribeiro, que também é responsável pela defesa do ex-diretor.

Ex-diretor foi preso na madrugada de quarta-feira (14), no Rio de Janeiro, e levado para a superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba (PR), onde tramitam os inquéritos e ações penais oriundos da operação. Ele é réu na Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), que investiga um esquema de corrupção na Petrobras, envolvendo, ainda, políticos e empreiteiras. Ao todo, 39 acusados tornaram-se réus na Justiça Federal paranaense. 

Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) disse que havia indícios de que ele "continua a praticar crimes e a transferir bens a seus familiares". Cerveró foi apontado pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa como um dos principais beneficiados no esquema de propina que envolveu a compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos – negócio que teria gerado prejuízos de US$ 792 milhões à Petrobras.

Sobre a transferência de bens a seus familiares, Cerveró tentou transferir, segundo o MPF, R$ 500 mil para sua filha, além de imóveis adquiridos com recursos de origem duvidosa, a preços abaixo do mercado. Nesta quarta-feira (14), um dos advogados do ex-diretor Edson Ribeiro disse que "não houve crime". Quando ele fez essa transferência do patrimônio para os filhos, não existia nenhuma restrição administrativa ou judicial", afirmou.

De acordo com o MPF, Cerveró também recebeu propina em dois contratos firmados pela Petrobras, para construção de navios sonda, usados em perfurações em águas profundas. O pagamento, no valor total de US$ 40 milhões, foi relatado pelo executivo Júlio Carmago, da Toyo Setal, que fez acordo de delação premiada no decorrer das investigações.

O defensor Edson Ribeiro disse ter ficado surpreso com a prisão do seu cliente. "Desde 1º de abril, coloquei o Nestor Cerveró à disposição tanto do Ministério Público quanto da Polícia Federal e nenhum dos dois órgãos se interessou em ouvi-lo. Até ontem, ninguém o havia procurado. Além disso, quando ele foi para a Inglaterra, eu comuniquei ao Ministério Público e à Polícia Federal que ele estava viajando e que voltaria em janeiro. Deixei, inclusive, o endereço onde ele estava."

*Com Agência Brasil

Paraná 247 Leonardo Lucena Thu, 15 Jan 2015 12:25:02 +0000 http://www.brasil247.com/166678
Merval aponta inquérito à parte sobre Odebrecht http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166655 : Segundo o colunista Merval Pereira, do Globo, força-tarefa da Operação Lava Jato estaria preparando investigação especial sobre a empreiteira de Marcelo Odebrecht, a maior do País <br clear="all"> :

247 - O colunista Merval Pereira, do Globo, afirma que haverá um inquérito especial sobre a Odebrecht, na Operação Lava Jato. Leia abaixo um trecho de sua coluna desta quinta-feira:

Finalmente, estranha-se a ausência da Odebrecht, de todas as empreiteiras a mais ligada ao ex-presidente Lula, e uma das maiores do país, na relação das que têm seus diretores presos no Paraná. Estes fatos podem indicar uma tentativa de blindagem para que as investigações não cheguem aos principais responsáveis pelo "Petrolão", ou, como circula a boca pequena, um cuidado especial da Polícia Federal, Ministério Público e Juiz Sérgio Moro no recolhimento de provas para o envolvimento de autoridades maiores. Uma investigação especial estaria sendo feita sobre a Odebrecht.

Economia Leonardo Attuch Thu, 15 Jan 2015 09:50:56 +0000 http://www.brasil247.com/166655
Premiê turco: "Netanyahu também é terrorista" http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166648 : "Assim como o massacre de Paris cometido por terroristas é um crime contra a humanidade, Netanyahu, como chefe de governo que mata crianças brincando na praia com bombardeios em Gaza, destrói milhares de casas... e que massacrou nossos cidadãos (turcos) em um barco que prestaria ajuda humanitária e estava em águas internacionais, cometeu crimes contra a humanidade", disse o primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu; no domingo, Netanyahu participou da marcha em Paris contra o terror e em defesa da liberdade de expressão; Davutoglu também disse que "a liberdade de imprensa não significa a liberdade de insultar" e que "não se pode aceitar insultos ao profeta", em referência às charges do Charlie Hebdo <br clear="all"> :

ISTAMBUL (Reuters) - O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, comparou nesta quinta-feira o seu colega israelense, Benjamin Netanyahu, aos militantes islamitas que realizaram os ataques em Paris na semana passada, argumentando que todos cometeram crimes contra a humanidade.

"Assim como o massacre de Paris cometido por terroristas é um crime contra a humanidade, Netanyahu, como chefe de governo que mata crianças brincando na praia com bombardeios em Gaza, destrói milhares de casas... e que massacrou nossos cidadãos (turcos) em um barco que prestaria ajuda humanitária e estava em águas internacionais, cometeu crimes contra a humanidade", disse Davutoglu em uma entrevista coletiva.

Liberdade de imprensa não é "liberdade de insultar", diz premiê turco

Da Agência Lusa - O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, disse hoje (15) que a liberdade de imprensa não é a "liberdade de insultar" e qualificou a publicação de caricaturas do profeta Maomé como uma "grave provocação".

"A liberdade de imprensa não significa a liberdade de insultar", destacou o primeiro-ministro, em Ancara, antes de partir para Bruxelas. Ele ressaltou que "não se pode aceitar insultos ao profeta".

O primeiro número do jornal satírico Charlie Hebdo depois do ataque à redação na semana passada, tem na capa uma caricatura de Maomé, com lágrima no olho, segurando uma folha com a frase "Je suis Charlie" (Eu sou Charlie), a mesma que foi usada por milhões de pessoas que se manifestaram em defesa da liberdade de expressão. A capa tem como título "Tudo está perdoado".

Na quarta-feira da semana passada (7), dois homens encapuzados e armados, os irmãos Said Kouachi e Cherif Kouachi, de 32 e 34 anos, respectivamente, entraram na redação do Charlie Hebdo e mataram 12 pessoas.

Depois de dois dias em fuga, eles foram mortos na sexta-feira (9), durante ataque de forças de elite francesas a uma gráfica em Dammartin-en-Goële, nos arredores da cidade, onde estavam.

Em outro atentado, na quinta-feira (8), uma agente da polícia municipal foi morta, no sul de Paris, tendo a polícia estabelecido ligação com os dois jihadistas autores do atentado ao Charlie Hebdo.

Na sexta-feira (9), no fim da manhã, quatro pessoas foram mortas em um supermercado kosher (judaico), no leste de Paris, por Amedy Coulibaly, 32 anos, em operação policial. Ele invadiu o mercado e fez reféns. Em entrevista a uma emissora de televisão francesa, Coulibaly disse que agiu conjuntamente com os irmãos Kouachi.

Mundo Leonardo Attuch Thu, 15 Jan 2015 07:59:14 +0000 http://www.brasil247.com/166648
'Prévia' do PIB sobe e surpreende mercado http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166654 : Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), registrou variação positiva de 0,04 por cento em novembro na comparação com outubro; mercado esperava recuo mensal de 0,20 por cento <br clear="all"> :

SÃO PAULO (Reuters) - O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), registrou variação positiva de 0,04 por cento em novembro na comparação com outubro, segundo dados dessazonalizados, informou o BC nesta quinta-feira.

Em outubro, o indicador havia caído 0,12 por cento sobre o mês anterior, em resultado revisado pelo BC após divulgar anteriormente queda de 0,26 por cento.

Analistas consultados pela Reuters esperavam recuo mensal de 0,20 por cento em novembro, de acordo com a mediana de 24 projeções que foram de queda de 0,60 por cento a alta de 0,60 por cento.

O IBC-Br incorpora estimativas para a produção nos três setores básicos da economia: serviços, indústria e agropecuária, assim como os impostos sobre os produtos.

(Por Camila Moreira; Edição de Alexandre Caverni)

Economia Roberta Namour Thu, 15 Jan 2015 09:07:59 +0000 http://www.brasil247.com/166654
Rollemberg: 'não haverá passe de mágica' http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/166653 Wilson Dias/Agência Brasil: Brasília- DF- Brasil- 09/01/2015- Governador do DF, Rodrigo Rollemberg com representantes do Sindicato Dos Empregados em Eestabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília-DF (Wilson Dias/Agência Brasil) O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, concedeu uma entrevista em que falou sobre a grave situação fiscal do GDF; "recebi uma bomba de efeito continuado", disse ele, que prometeu reduzir até os gastos com alimentação na residência oficial de Águas Claras; Rollemberg também critica a postura de sindicatos, que já decretam greves em áreas sensíveis, como a saúde;  "Tomamos a decisão difícil de pagar a saúde primeiro. O dinheiro entrou na manhã de sexta-feira e à noite já estava na conta dos servidores. Aí, na mesma sexta, o sindicato decide decretar greve. Foi uma grande decepção"; ele disse ainda esperar maior compreensão dos servidores <br clear="all"> Wilson Dias/Agência Brasil: Brasília- DF- Brasil- 09/01/2015- Governador do DF, Rodrigo Rollemberg com representantes do Sindicato Dos Empregados em Eestabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília-DF (Wilson Dias/Agência Brasil)

Brasília 247 - O novo governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, concedeu entrevista aos jornalistas Matheus Teixeira e Almiro Marcos, do Correio Braziliense, em que falou sobre a grave crise fiscal do GDF. Segundo ele, a situação atual não será resolvida com "passe de mágica".

"Compartilho a indignação com o descaso, com a irresponsabilidade, com a incompetência, com o conjunto de atitudes ou com a falta de atitudes que levaram Brasília à pior crise de sua história", disse Rollemberg, que voltou a defender um "pacto pela cidade".

"Nós só vamos sair desse caos se todas as pessoas e instituições compreenderem a gravidade da situação", afirmou, criticando a postura de sindicatos, que já iniciam greves em áreas essenciais, como a saúde. "Tomamos a decisão difícil de pagar a saúde primeiro. O dinheiro entrou na manhã de sexta-feira e à noite já estava na conta dos servidores. Aí, na mesma sexta, o sindicato decide decretar greve. Foi uma grande decepção".

Rollemberg diz ter herdado uma "bomba de efeito continuado". Segundo ele, a cada dia aparece uma novidade pior. "Há empenhos que foram feitos, e posteriormente cancelados, ainda não identicados".

Entre as medidas mais imediatas, ele promete redução de cargos e salários de servidores comissionados e até redução dos gastos com alimentação na residência oficial de Águas Claras.

Brasília 247 Leonardo Attuch Thu, 15 Jan 2015 08:50:17 +0000 http://www.brasil247.com/166653
Capriles convoca mobilização contra crise na Venezuela http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/166650 Carlos Garcia Rawlins: Opposition leader and Governor of Miranda state Henrique Capriles attends a meeting with representatives of the opposition, the Roman Catholic Church and the Union of South American Nations (UNASUR) at Miraflores Place in Caracas April 10, 2014. Venezuela "O povo tem que levantar a voz. Estamos chegando a um momento em que ou isso muda ou arrebenta. O governo não pode pedir ao povo que deixe de comer (…) é o momento perfeito para mudar", disse o ex-candidato à presidência da Venezuela Henrique Capriles Radonski <br clear="all"> Carlos Garcia Rawlins: Opposition leader and Governor of Miranda state Henrique Capriles attends a meeting with representatives of the opposition, the Roman Catholic Church and the Union of South American Nations (UNASUR) at Miraflores Place in Caracas April 10, 2014. Venezuela

Da Agência Lusa - O ex-candidato à presidência da Venezuela Henrique Capriles Radonski anunciou hoje (15) que vai convocar a população, nas próximas horas, para exigir que o presidente Nicolás Maduro tome medidas urgentes a fim de combater a crise econômica e a escassez de produtos no país.

"O povo tem que levantar a voz. Estamos chegando a um momento em que ou isso muda ou arrebenta. O governo não pode pedir ao povo que deixe de comer (…) é o momento perfeito para mudar", disse aos jornalistas.

Em comunicado enviado à Agência Lusa, o ex-candidato defendeu a criação de uma equipe que avance com ações sérias para tirar o país da crise.

"É importante recordar que os democratas não derrubam governos, mudam os governos", disse.

Capriles assegurou que a Venezuela "não está em fase terminal", mas que acabou "o sonho" que o chavismo chamou "revolução". Segundo ele, mais de 80% dos venezuelanos não acompanham o atual governo.

Para o oposicionista, o povo deve exigir que a Venezuela aumente a produção de petróleo e deixe de subsidiar o produto enviado a outros países.

Além disso, devem cessar as ameaças contra o setor privado, o confisco ou a expropriação de empresas. Também devem ser reativadas, segundo ele, terras que foram expropriadas, para que sejam produzidos os alimentos de que o país necessita.

Mundo Roberta Namour Thu, 15 Jan 2015 08:12:18 +0000 http://www.brasil247.com/166650
Armando ao 247: 'EUA são grande oportunidade' http://www.brasil247.com/pt/247/economia/166612 : Em entrevista ao 247, o novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro Neto, apontou uma mudança importante na política comercial brasileira; "os Estados Unidos, que estão saindo da crise e serão beneficiados pela queda nos preços do petróleo, representam a maior oportunidade para o incremento das exportações brasileiras, inclusive de produtos manufaturados", afirmou; isso não significa, no entanto, um abandono do Mercosul ou da política de integração sul-americana; "o Mercosul nunca representou uma âncora para o Brasil, pelo contrário"; o ministro vê ainda boas oportunidades em Cuba, onde o Brasil construiu o porto de Mariel; "este investimento coloca as empresas brasileiras em posição estratégica", diz Monteiro, que, em breve, anunciará o fortalecimento de um grande conselho de exportadores, composto pelos maiores grupos empresariais do País; segundo ele, a visita de Joe Biden ao Brasil abre espaço para o relançamento das relações com os Estados Unidos <br clear="all"> :

247 - Dias atrás, o ministro Armando Monteiro Neto, que assumiu a pasta do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, recebeu a ligação de uma velha conhecida: a economista Débora Giorgi, que atuou durante muitos anos na UIA (a União Industrial Argentina) e hoje é a ministra responsável pelo setor industrial argentino. Os dois acertaram que a primeira viagem internacional de Armando Monteiro Neto será para a Argentina, país que absorve a maior parte das exportações de produtos manufaturados brasileiros.

Armando não irá sozinho. Viajará acompanhado do chanceler Mauro Vieira, que assumiu o Itamaraty depois de servir em duas embaixadas estratégicas: Washington e Buenos Aires. "Vamos juntos para demonstrar a importância que a Argentina e o Mercosul têm para o Brasil", disse ele ao 247. "O Mercosul, ao contrário do que muitos críticos dizem, talvez movidos por preconceito ideológico, jamais foi uma âncora para o Brasil".

No entanto, apesar de reconhecer a importância da integração sul-americana, Armando Monteiro enxerga hoje a maior oportunidade para o comércio exterior brasileiro nos Estados Unidos. "Eles já saíram da crise, estão sendo beneficiados pela queda nos preços do petróleo, e querem claramente fortalecer a relação com o Brasil". Segundo ele, problemas do passado recente, como o episódio da espionagem da presidente Dilma Rousseff pela NSA, estão sendo superados e o primeiro passo foi dado pelo vice Joe Biden, que veio ao Brasil para a posse, quando foi acertado um novo encontro de cúpula entre os dois países.

"Só no ano passado, as exportações brasileiras de máquinas e equipamentos para os Estados Unidos cresceram 23%", diz Armando Monteiro, enfatizando que o mercado norte-americano também absorve produtos manufaturados do País. "Há espaço para incrementar ainda mais a venda de produtos industriais", diz o ministro que já vislumbra oportunidades até em Cuba, depois da distensão iniciada entre Havana e Washington. "O tão criticado porto de Mariel coloca o Brasil em posição estratégica e Cuba poderá ser um grande entreposto ou centro de distribuição de produtos brasileiros".

Contraponto a Levy

Armando Monteiro assumiu o MDIC num momento em que as exportações voltaram a estar no centro da agenda nacional. Depois de 14 anos, o Brasil voltou a registrar déficit na balança comercial. Foi um valor pequeno, de US$ 4 bilhões, mas o ministro espera reverter a tendência já em 2015. Um dos fatores positivos é a queda do petróleo. Só em 2013 e 2014, a conta petróleo registrou déficits somados de US$ 36 bilhões. "Esse valor vai cair muito em 2015", antecipa.

Ele afirma que, com o câmbio atual, e os estímulos que serão discutidos para o setor, o País poderá voltar a trabalhar com fortes superávits nos próximos anos. "Precisamos, sim, de incentivos e de uma nova agenda da competitividade para todos os setores exportadores brasileiros", diz ele. Armando afirma que isso não é contraditório com os ajustes defendidos por Joaquim Levy, titular da Fazenda. "Os ajustes são necessários, todos concordamos com isso, mas não podem ter um efeito paralisante".

Armando Monteiro Neto prepara, para os próximos 30 dias, um Plano Nacional de Exportações, que irá destacar as potencialidades de cada estado brasileiro. Além disso, ele irá reforçar no MDIC o Conex, o Conselho Nacional da Exportação, que será composto por alguns dos maiores grupos empresariais do País. Ele não antecipa os nomes, mas diz que estarão representadas as principais cadeias produtivas e entidades empresariais do País.

Ele afirma que tanto o MDIC quanto o Itamaraty irão trabalhar na