“PEC do Calote” e orçamento secreto, a corrupção eleitoral de Bolsonaro

"O povo brasileiro precisa saber das tramas urdidas por Bolsonaro. Na esteira da PEC do Calote, o governo acabou com uma política estruturante de 18 anos, o Bolsa Família, referência mundial no combate às desigualdades", afirma o deputado federal Elvino Bohn Gass

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Adriano Machado | Ilustração/André Meirelles/GDC)


Por Elvino Bohn Gass

A aprovação pela Câmara dos Deputados, em primeiro turno, da proposta de emenda à Constituição (PEC 23/21) - a PEC do Calote - é mais um escândalo do governo direitista Bolsonaro condizente com as páginas policiais de jornais. Sob protesto e com o voto contrário da Bancada do PT, o texto-base foi aprovado no dia 4, abrindo caminho para um megacalote em aposentados, professores e outros credores da União que têm o legítimo direito reconhecido pela Justiça de receber o que lhes é devido.

É um colossal escândalo que equivale a dar um cheque em branco para o capitão-presidente gastar cerca de R$ 95 bilhões no ano eleitoral de 2022, sem informar para onde o dinheiro vai e com um adeus ao teto de gastos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É um escárnio. O ex-capitão e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, promovem uma megapedalada fiscal em nome de um projeto eleitoral e demagógico para garantir o tal Auxilio Brasil, por apenas um ano, deixando na incerteza, já em 2023, milhões de pessoas que já estão numa situação precária com o fim do bem-sucedido Bolsa Família.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É um vale-tudo para reeleger um governo de destruição nacional que trouxe a fome de volta, a entrega de estatais e riquezas nacionais a abutres do mercado, enquanto o desemprego cresce, a miséria aumenta e a Amazônia e o cerrado ardem em chamas ou são destruídos ao som ensurdecedor de motosserras e tratores de esteira.

O povo brasileiro precisa saber das tramas urdidas por Bolsonaro. Na esteira da PEC do Calote, o governo acabou com uma política estruturante de 18 anos, o Bolsa Família, referência mundial no combate às desigualdades. O segundo retrocesso é o parcelamento de dívidas previdenciárias. E os professores? Devem receber 100% do que lhes é devido já no ano que vem, mas Bolsonaro e sua base querem lhes pagar apenas 40%, deixando o restante para os anos seguintes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Junto a isso, uma vergonhosa manobra para liberar emendas do orçamento secreto para uma base de apoio que só pensa em seus interesses pessoais e pagar uma turbinada ajuda a pessoas na linha da pobreza, com uma falta de vergonha nunca vista na história da República.

Ora, se o governo tivesse interessado em minorar os problemas da população, a Câmara poderia ter votado a medida provisória (MP 1061/2021) que estabelece o novo auxílio emergencial, que o PT defende que seja no valor R$ 600,00.

Mas Bolsonaro veta o auxilio de R$ 600,00. Lembre-se que no ano passado ele defendia auxilio emergencial de R$ 200,00, mas a Câmara, com papel decisivo do PT, aprovou R$ 600,00. Depois, Bolsonaro baixou para R$ 300,00 e, por fim, R$150,00.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pior, de mais de 60 milhões de brasileiros beneficiados com o auxílio emergencial, o número caiu para 39 milhões. Agora, com a PEC do Calote, o governo militar quer beneficiar apenas apenas 17 milhões de pessoas. Ou seja, quem votou a favor da PEC do Calote promoveu a exclusão de 22 milhões de pessoas.

A promessa de que o valor mínimo do tal novo auxílio seria de R$ 400, 00 serviu como biombo para esconder as verdadeiras intenções desse governo cruel: reduzir de 39 milhões para 17 milhões o número de pessoas atendidas pelo programa social do governo. Na prática, deixar 22 milhões de brasileiros e brasileiras na rua da amargura.

A Oposição defende e votou o auxílio emergencial de R$ 600,00, sem necessidade de se dar calote em precatório. Mas o governo agora vem com a tese mentirosa de que precisa dar o cano de mais de R$ 95 bilhões para garantir o tal Auxílio Brasil. É uma tese inaceitável.

Quando, no ano passado, houve o consenso de que seria necessário o governo federal providenciar um auxílio emergencial às pessoas que ficariam sem renda por conta da pandemia, imediatamente o PT propôs que o valor fosse de um salário mínimo. De parte do governo Bolsonaro, a reação foi imediata: não há dinheiro, diziam os bolsonaristas repetindo o discurso do arrocho fiscal. Pela boca do ministro offshore Guedes, espalharam mentiras. Mas o Congresso reagiu e o drama social ocasionado pela pandemia foi mitigado.

Tem sido um período terrível! De um lado, o negacionismo científico do governo Bolsonaro matou milhares de pessoas por Covid-19; de outro, a insensibilidade social deste mesmo governo condenou à miséria absoluta milhões de brasileiros e brasileiras. O país segue afundando. E as medidas econômicas, sempre direcionadas à tutela do interesse dos rentistas/especuladores, além de não combaterem a desigualdade, aprofundam a corrosão das bases da economia inteira, gerando inflação e desvalorizando a moeda nacional.

A PEC 23 nada mais é do que um supercalote nas dívidas judiciais e, ao fim e ao cabo, não passa de um golpe eleitoral de Bolsonaro para tentar brecar o derretimento de sua popularidade. Ainda há tempo de a sociedade reagir contra esse escândalo.

*Artigo publicado originalmente na revista Focus Brasil, da Fundação Perseu Abramo

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email