Acossado, Bolsonaro fala em cortar publicidade oficial da mídia

Em rota de colisão cada vez mais acelerada com a mídia conservadora do país, acossado pelas duas famílias mais poderosas do segmento, os Marinho e os Frias, Bolsonaro anunciou que vai cortar a verba oficial para a imprensa; ele já sinalizou que a prioridade serão os sites, blogs e mídias das redes sociais, além de alguns veículos de extrema-direita ou alinhados integralmente com ele; em tuíte, Bolsonaro afirmou que a Caixa Econômica Federal teria gasto R$ 2,5 bilhões em publicidade em 2018; o banco desmentiu-o, informando que o valor gasto é cinco vezes menor

Acossado, Bolsonaro fala em cortar publicidade oficial da mídia
Acossado, Bolsonaro fala em cortar publicidade oficial da mídia

247 - Em rota de colisão cada vez mais acelerada com a mídia conservadora do país, acossado pelas duas famílias mais poderosas do segmento, os Marinho e os Frias, Bolsonaro reagiu nesta quinta (13) anunciando que vai cortar o fluxo de dinheiro do governo para a imprensa, na forma de publicidade. Ele já sinalizou que a prioridade serão os sites, blogs e mídias das redes sociais, além de alguns veículos de extrema-direita ou alinhados integralmente com ele, como a Record, Bandeirantes, SBT e Jovem Pan. Ontem, ele almoçou com Sílvio Santos, em encontro fora da agenda. 

"Tomamos conhecimento de que a Caixa gastou cerca de R$ 2,5 bilhões em publicidade e patrocínio neste último ano. Um absurdo! Assim como já estamos fazendo em diversos setores, iremos rever todos esses contratos, bem como os do BNDES, Banco do Brasil, SECOM e outros", afirmou Bolsonaro no Twitter. Veja: 

Em nota na manhã desta sexta-feira, a Caixa Econômica federal desmentiu a versão de Bolsonaro de que teria gasto "cerca de R$ 2,5 bilhões em publicidade e patrocínio neste último ano". O banco estatal informou: "O orçamento com recursos do banco projetado para ações de publicidade, patrocínio e comunicação em 2018 foi de R$ 685 milhões, sendo realizado até novembro de 2018 (o valor) de R$ 500,8 milhões".

O clima entre a futura administração e a imprensa deve esquentar ainda mais. O futuro chefe da Secom (Secretaria de Comunicação) do governo, Floriano Amorim, atual assessor parlamentar de Eduardo Bolsonaro, é um contumaz detrator da imprensa nas redes sociais (aqui) e amplifica a campanha de ódio dos Bolsonaro à imprensa tradicional e à mídia independente. Para ele, os jornalistas são uma "escória". 

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247