Altman: Moro está na coleira do Bolsonaro e não tem para onde fugir

O jornalista Breno Altman constata que Sergio Moro transformou-se em uma figura servil nas mãos de seu chefe, Jair Bolsonaro. “O Moro late, finge que vai morder, mas é um cachorrinho na coleira de Bolsonaro, não tem para onde fugir”, diz ele em análise à TV 247

(Foto: 247 | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Breno Altman,  em análise à TV 247, constata que Bolsonaro precisa da Lava Jato, mas sob o seu controle, blindando a família Bolsonaro de seus crimes. “Ele quer a polícia Federal atuando sob o seu controle, sem que ele corra riscos, para isso ele precisa ter Moro batendo continência a ele”. 

“O Moro late, finge que vai morder, mas é um cachorrinho na coleira de Bolsonaro, não tem para onde fugir”, acrescenta. 

O jornalista também aponta queo capitão reformado precisa da presença de Moro em seu governo para “equilibrar sua base social”. “E se Moro aceita ser um útil encoleirado, para o Bolsonaro está resolvido o problema”, avalia. 

Lava Jato está enfraquecida 

Após a divulgação das mensagens da Vaza Jato pelo site The Intercept, Altman constata que a Lava Jato se enfraqueceu. “A operação perdeu força, começou a ter sérios problemas com a Corte Suprema e se fragmentou, tomando decisões desesperadas para sobreviver”, revela. 

Neste contexto, elucida o jornalista, “o bloco garantista ganha espaço contra os atropelos que são representados na Lava Jato” e que tal cenário é mais positivo para a “liberdade do ex-presidente Lula”. 

Inscreva-se na TV 247 e confira: 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247