Ameaça golpista de Bolsonaro obriga Forças Armadas a se explicarem

Depois do ataque desferido neste domingo contra as instituições democráticas durante ato golpista na frente do Palácio do Planalto alegando ter o apoio das Forças Armadas, estas são obrigadas a se explicar e dizer com clareza se estão com o golpe bolsonarista ou com a Constituição

Ministro da Defesa, Fernando Azevedo.
Ministro da Defesa, Fernando Azevedo. (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Na véspera do ato em que Bolsonaro novamente ameaçou liquidar a ordem democrática, o ocupante do Palácio do Planalto se reuniu com os três comandantes de Forças, o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, e o chefe da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, informa o jornalista Igor Gielow da Folha de S.Paulo.

A assessoria do MInistério da Defesa, segundo o jornalista, fez “uma avaliação do emprego das Forças Armadas na Operação de Combate ao Coronavírus, além de avaliação de determinados aspectos da conjuntura atual”. Durante a reunião, o Supremo Tribunal Federal foi duramente criticado pelos presentes.

"Isso significa que os generais deram amparo à nova intentona retórica do presidente?", questiona o jornalista. 

"O uso feito por Bolsonaro dos militares, ainda mais depois de estar cercado deles, explicita o real drama para a os fardados: a intrínseca conexão com a política, algo que conseguiram evitar durante boa parte do período pós-redemocratização".

"O preço de imagem ainda é insondável, mas apenas o fato de serem questionados acerca de seus desígnios evidencia o tamanho do gênio que permitiram sair da garrafa ao se alinhar a Bolsonaro, Os militares terão de responder sobre o discurso golpista do presidente", finaliza Gielow.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247