Ao menos nove governadores eleitos planejam ajustes fiscais

Cortes de secretarias, cargos de confiança e redução de custos no geral são medidas presentes nos planos de quase todos os governadores eleitos em outubro, que pretendem colocar as ações em prática logo no início do mandato; reformas são previstas em estados onde haverá mudanças, como no Rio Grande do Sul, com José Ivo Sartori (PMDB), em Goiás, onde Marconi Perillo (PSDB) foi reeleito, e em governos de continuidade como o de Rui Costa (PT), na Bahia

Cortes de secretarias, cargos de confiança e redução de custos no geral são medidas presentes nos planos de quase todos os governadores eleitos em outubro, que pretendem colocar as ações em prática logo no início do mandato; reformas são previstas em estados onde haverá mudanças, como no Rio Grande do Sul, com José Ivo Sartori (PMDB), em Goiás, onde Marconi Perillo (PSDB) foi reeleito, e em governos de continuidade como o de Rui Costa (PT), na Bahia
Cortes de secretarias, cargos de confiança e redução de custos no geral são medidas presentes nos planos de quase todos os governadores eleitos em outubro, que pretendem colocar as ações em prática logo no início do mandato; reformas são previstas em estados onde haverá mudanças, como no Rio Grande do Sul, com José Ivo Sartori (PMDB), em Goiás, onde Marconi Perillo (PSDB) foi reeleito, e em governos de continuidade como o de Rui Costa (PT), na Bahia (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Ao menos nove governadores eleitos em outubro têm planos de reformas previstos logo para o início do mandato. São considerados cortes de secretarias, de cargos de confiança e enxugamento da máquina pública no geral, aponta reportagem da Folha de S. Paulo deste sábado 13.

As reduções de custos atingem tanto estados onde o cenário é de mudança política, como no Rio Grande do Sul, onde Ivo Sartori (PMDB) derrotou o petista Tarso Genro, onde governadores foram reeleitos, como é o caso de Marconi Perillo (PSDB), em Goiás, e onde a tendência é de continuidade, como na Bahia do petista Rui Costa.

Renan Filho (PMDB), eleito em Alagoas, pretende cortar 7 das 25 secretarias estaduais. Na Bahia, projeto enviado à Assembleia Legislativa prevê redução de 27 para 24 pastas. Em Goiás, Marconi Perillo cortou de 16 para 10 o número de secretarias.

O ajuste fiscal previsto pela nova equipe econômica do segundo governo Dilma tende a afetar os estados. Eleito em primeiro turno, Rui Costa coloca como um dos principais fatores para o corte "a restrição de gastos do governo federal".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247