Após ignorar morto pelo exército no Rio, Bolsonaro se solidariza com Gentilli

Após ignorar a morte de um inocente com 80 tiros pelo Exército do Rio e as dez mortes causadas por temporais na capital fluminense, o presidente Jair Bolsonaro prestou solidariedade ao apresentador Danilo Gentili, condenado a seis meses e 28 dias de prisão por injúria contra a deputada Maria do Rosário (PT-RS); "Me solidarizo com o apresentador e comediante @DaniloGentili ao exercer seu direito de livre expressão e sua profissão", disse; vale ressaltar que o ministro do STF Marco Aurélio Mello manteve este ano a decisão que determinou ao chefe do Planalto indenização de R$ 10 mil à parlamentar por danos morais; em 2014, quando ainda era deputado, ele disse que não estupraria a congressista porque ela "não merece"

Após ignorar morto pelo exército no Rio, Bolsonaro se solidariza com Gentilli
Após ignorar morto pelo exército no Rio, Bolsonaro se solidariza com Gentilli

247 - Após ignorar a morte de um inocente com 80 tiros pelo Exército do Rio e as dez mortes causadas por temporais na capital fluminense, o presidente Jair Bolsonaro prestou solidariedade ao apresentador Danilo Gentili, condenado a seis meses e 28 dias de prisão por injúria contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). A sentença foi confirmada nesta quarta-feira (10) pela juíza Maria Isabel do Prado, da 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo.

"Me solidarizo com o apresentador e comediante @DaniloGentili ao exercer seu direito de livre expressão e sua profissão, da qual, por vezes, eu mesmo sou alvo, mas compreendo que são piadas e faz parte do jogo, algo que infelizmente vale para uns e não para outros", postou o chefe do Planalto no Twitter.

A injúria contra a parlamentar aconteceu em um vídeo publicado pelo humorista em março de 2016; segundo a decisão da juíza, ele injuriou a deputada "ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro, atribuindo-lhe alcunha ofensiva, bem como expôs, em tom de deboche, a imagem dos servidores públicos federais e a Câmara dos Deputados".

Com a solidariedade prestada por Bolsonaro a Gentili, vale ressaltar que o ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello rejeitou em fevereiro o recurso do presidente e manteve a decisão que havia determinado pagamento de R$ 10 mil de indenização por danos morais a Maria do Rosário, pois em 2014, quando ainda era deputado federal, ele disse que não estupraria a parlamentar, porque ela "não merece". Também afirmou que considera "ela muito feia" e ela não faz o "tipo" dele.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247