Aras diz que inquérito do STJ contra Lava Jato é "preocupante" e promete reagir

Procurador-geral da República, Augusto Aras, diz que inquérito aberto pelo STJ para apurar a conduta de procuradores da Lava Jato é algo “extremamente grave e preocupante". Ele prometeu ir à Justiça, incluindo tribunais internacionais, para barrar a investigação

(Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News

O procurador-geral da República, Augusto Aras, prometeu reagir ao inquérito aberto pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) para investigar procuradores da Lava-Jato. De acordo com o jornal O Globo, Aras disse considerar o inquérito como algo “extremamente grave e preocupante", por não atender aos requisitos legais, e prometeu recorrer à Justiça, incluindo tribunais internacionais, para barrar a investigação. 

O inquérito que apura a conduta dos integrantes da força-tarefa da Lava-Jato foi aberto pelo presidente do STJ, Humberto Martins. A investigação está baseada nas mensagens obtidas em celulares pelo hacker Walter Delgatti Neto, que interceptou trocas de mensagens de autoridades que mostraram a interferência dos integrantes da operação sobre os ministros da Corte.  

“Ontem recebi intimação do eminente presidente do Superior Tribunal de Justiça, dando conta de condutas atribuíveis a distintos membros do Ministério Público Federal: subprocuradores-gerais da República, procuradores regionais da república e procuradores da república estariam ou estarão sendo investigados no âmbito do inquérito aberto, de número inquérito 58 do STJ. Ou seja, este é um assunto extremamente grave, preocupante. Não se trata somente de investigar membros do MPF no que toca à chamada força-tarefa da Lava-Jato. Se trata de um expediente que pode atingir todos os tribunais brasileiros no que toca a todos os membros do Ministério Público brasileiro”, disse Aras durante  sessão do Conselho Superior do Ministério Público Federal, realizada nesta sexta-feira (26). 

PUBLICIDADE

Ainda segundo ele, o inquérito aberto pelo STJ pode abrir a possibilidade de que "cada tribunal de justiça, cada tribunal regional federal, cada tribunal regional do trabalho e eventualmente cada tribunal regional eleitoral, valendo-se por remissão e analogia" investigue membros do Ministério Público, atrapalhando o funcionamento da instituição. 

“O procurador-geral da república pretende defender, se for o caso, até na corte internacional a higidez do sistema de Justiça brasileiro no que toca ao sistema penal. Nós envidaremos todos os esforços para preservar o sistema em que o Ministério Público acusa, o juiz julga, a polícia investiga, sem prejuízo das nossas investigações”, disse Aras. 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email