Autor de habeas corpus diz querer evitar "injustiças" e "prisão política"

Segundo Mauricio Ramos Thomaz, o habeas corpus que impetrou na Justiça pedindo que o ex-presidente Lula não seja preso foi para evitar "injustiças" e uma possível prisão de Lula por "motivo político"; "Não concordo com injustiças e qualquer possibilidade do Lula ser preso hoje é por motivo político, não porque ele tem responsabilidade ou ligação com o esquema descoberto na operação Lava Jato. Quero evitar isso", afirmou; a Justiça negou o pedido de habeas corpus

Segundo Mauricio Ramos Thomaz, o habeas corpus que impetrou na Justiça pedindo que o ex-presidente Lula não seja preso foi para evitar "injustiças" e uma possível prisão de Lula por "motivo político"; "Não concordo com injustiças e qualquer possibilidade do Lula ser preso hoje é por motivo político, não porque ele tem responsabilidade ou ligação com o esquema descoberto na operação Lava Jato. Quero evitar isso", afirmou; a Justiça negou o pedido de habeas corpus
Segundo Mauricio Ramos Thomaz, o habeas corpus que impetrou na Justiça pedindo que o ex-presidente Lula não seja preso foi para evitar "injustiças" e uma possível prisão de Lula por "motivo político"; "Não concordo com injustiças e qualquer possibilidade do Lula ser preso hoje é por motivo político, não porque ele tem responsabilidade ou ligação com o esquema descoberto na operação Lava Jato. Quero evitar isso", afirmou; a Justiça negou o pedido de habeas corpus (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Autor do habeas corpus preventivo que pede que o ex-presidente Lula não seja preso, Mauricio Ramos Thomaz, que tem 50 anos e se apresenta como consultor advocatício, diz ter querido evitar "injustiças" e uma possível prisão de Lula por "motivo político".

A Justiça negou o pedido de habeas corpus, que foi impetrado no fim da tarde de ontem no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, com sede em Porto Alegre (RS).

"Não concordo com injustiças e qualquer possibilidade do Lula ser preso hoje é por motivo político, não porque ele tem responsabilidade ou ligação com o esquema descoberto na operação Lava Jato. Quero evitar isso", afirmou, segundo reportagem da Folha.

Em nota, o Instituto Lula disse que o ex-presidente não tinha qualquer envolvimento com o documento e que já instruiu advogados para "não reconhecer o pedido" na Justiça.

Thomaz diz ter se encontrado com Lula em uma única vez e também afirma não ser filiado a nenhum partido político. O pedido de habeas corpus preventivo foi enviado ao Tribunal Regional Federal da ª Região (TRF-4) pelos Correios no início da semana.

O autor do habeas corpus também já fez o mesmo em defesa do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró e disse que pretende ainda pedir a liberdade do presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, presos no decorrer da investigações da Operação Lava Jato.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247