Auxiliar de Youssef tenta fechar acordo de delação premiada com a Justiça

O auxiliar do doleiro Alberto Youssef, Rafael Ângulo Lopez, está fechando um acordo de delação premiada com as autoridades que investigam os desvios de recursos da Petrobras; Lopez teria registros de todas as operações que fez a mando do ex-chefe Youssef, que já fez acordo de delação premiada; conforme reportagem de Veja, entre os políticos que receberam dinheiro em espécie entregue por Lopez, estão o senador Fernando Collor (PTB-AL), a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) e o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto; todos eles negam ter participado em irregularidades

O auxiliar do doleiro Alberto Youssef, Rafael Ângulo Lopez, está fechando um acordo de delação premiada com as autoridades que investigam os desvios de recursos da Petrobras; Lopez teria registros de todas as operações que fez a mando do ex-chefe Youssef, que já fez acordo de delação premiada; conforme reportagem de Veja, entre os políticos que receberam dinheiro em espécie entregue por Lopez, estão o senador Fernando Collor (PTB-AL), a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) e o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto; todos eles negam ter participado em irregularidades
O auxiliar do doleiro Alberto Youssef, Rafael Ângulo Lopez, está fechando um acordo de delação premiada com as autoridades que investigam os desvios de recursos da Petrobras; Lopez teria registros de todas as operações que fez a mando do ex-chefe Youssef, que já fez acordo de delação premiada; conforme reportagem de Veja, entre os políticos que receberam dinheiro em espécie entregue por Lopez, estão o senador Fernando Collor (PTB-AL), a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) e o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto; todos eles negam ter participado em irregularidades (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O auxiliar do doleiro Alberto Youssef, Rafael Ângulo Lopez, está fechando um acordo de delação premiada com as autoridades que investigam os desvios de recursos da Petrobras. Lopez teria registros de todas as operações que fez a mando do ex-chefe Youssef, que já fez acordo de delação premiada com a Justiça – quando o réu colabora com as investigações em troca de redução da pena.

Conforme reportagem de Veja, publicada neste sábado (13), entre os políticos que receberam dinheiro em espécie entregue por Lopez, estão o ex-presidente da República e senador Fernando Collor (PTB-AL), a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) e o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Todos eles negam ter participado em irregularidades.

Collor teria recebido R$ 50 mil em um apartamento no bairro da Bela Vista, em São Paulo. O senador, no entanto, negou conhecer o doleiro e irregularidades. Para Roseana, o valor repassar seria de R$ 900 mil no Palácio dos Leões, sede do governo do Maranhão. Por sua vez, Vaccari Neto teria se beneficiado com R$ 500 mil.

Outros nomes citados na reportagem são ex-ministro das Cidades Mário Negromonte, os deputados federais Luiz Argôlo (SD-BA) e Nelson Meurer (PP-PR) e o ex-deputado André Vargas (sem partido-PR), cujo mandato foi cassado na semana passada.

Meurer disse que nunca esteve com Lopez, e que ele terá que provar na Justiça as acusações. Já Adriano Bretas, advogado que representa o ex-funcionário de Youssef citado na reportagem afirmou que não se pronunciaria.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki negou pedido de liberdade a 11 investigados na Operação Lava Jato, da Polícia Federa (PF), que investiga um esquema de lavagem de dinheiro em nível nacional envolvendo a Petrobras, empreiteiras e políticos. A movimentação alcançou cerca de R$ 10 bilhões, conforme as investigações.

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, em prisão domiciliar e que fez uma acordo de delação premiada coma Justiça, já havia informado que PT, PMDB e PP foram os principais partidos beneficiados do esquema de pagamento de propina por parte de empreiteiras. PSDB e PSB também forma privilegiados. Pelo menos 60 políticos estariam na lista de Youssef como beneficiários do esquema (leia mais aqui).

Na quinta-feira (11), a Justiça Federal do Paraná denunciou 36 pessoas pelos crimes de corrupção, formação de quadrilha, corrupção e lavagem de dinheiro. Destas, 22 eram ligadas às empreiteiras envolvidas no esquema. O Ministério Público Federal (MPF) informou que deve pedir na Justiça o ressarcimento aos cofres públicos de R$ 971.551.352,28 de todas as empresas denunciadas. O valor representa cerca de 3% do que o MPF considera que foi desviado dos contratos com a Petrobras.

Uma planilha apreendida no escritório do doleiro Alberto Youssef lista 747 obras de infraestrutura de 170 empresas, cujos valores chegam a R$ 11,5 bilhões - 59% das obras têm a Petrobras como cliente final, segundo as investigações. 

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247