Boff confessa seu pecado por desejar o mal a Bolsonaro

"A nação chora e está em luto e ele caçoa das lágrimas de milhares de famílias. É o BolsoNero", diz o escritor

Boff é proibido de dar palestra no Inca por ser contra governo Bolsonaro
Boff é proibido de dar palestra no Inca por ser contra governo Bolsonaro (Foto: Guilherme Santos/Sul21)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – "Confesso-me pecador,pois estou fazendo os piores desejos para quem convidou para o churrasco e para todos os participantes. É como Nero que tocava flauta enquanto Roma ardia. A nação chora e está em luto e ele caçoa das lágrimas de milhares de famílias.  É o BolsoNero", postou o escritor e teólogo Leonardo Boff, em seu twitter. Saiba mais sobre o churrasco de Bolsonaro:

Sputnik – O presidente Jair Bolsonaro fez piadas e ironizou as críticas que recebeu nesta sexta-feira (8) depois de anunciar que fará um churrasco neste sábado (9), em uma atitude que contraria recomendações do seu próprio Ministério da Saúde, e no mesmo dia de recorde de mortes pela COVID-19.

"Já tem 180 convidados", ironizou Bolsonaro no seu retorno ao Palácio da Alvorada, no fim da tarde, após um compromisso no Ministério da Defesa. Falando aos seus apoiadores, o presidente foi logo inflando o número de "convidados" para o seu evento, previsto para sábado em Brasília.

"Tem 210 chefes de família, deve dar umas 500 pessoas [...] vai ter umas 900 pessoas no churrasco amanhã [...] Tem mais um pessoal aqui de Taguatinga, 1,1 mil", prosseguiu Bolsonaro, para delírio dos seus apoiadores, que tentavam repassar mensagens dos seus estados e cidades.

A polêmica surgiu na noite de quinta-feira (7), quando Bolsonaro revelou aos apoiadores que iria receber para um churrasco "uns 30 convidados", cobrando R$ 70 de cada um deles. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o próprio Ministério da Saúde recomendam que eventos que possam gerar aglomerações não sejam realizados, evitando a chance de contágio pelo novo coronavírus.

Pouco antes de entrar no Palácio da Alvorada, Bolsonaro se despediu dos apoiadores e cravou: "Quem estiver aqui amanhã a gente bota para dentro. Três mil pessoas no churrasco amanhã", sentenciou, para delírio da plateia, que em parte também aproveitou a presença do presidente para hostilizar os jornalistas presentes.

O presidente ainda evitou perguntas dos repórteres, mas ao ser questionado sobre a chance de reverter a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que negou o pedido do governo para permitir a indicação de Alexandre Ramagem para comandar a Polícia Federal, ele assim respondeu:

"Dá para reverter? Não dou nada, não", declarou Bolsonaro.

Com ou sem churrasco, a sugestão de aglomeração festiva de Bolsonaro veio no mesmo dia em que o Brasil registrou o recorde negativo de 751 mortes pela COVID-19 em 24 horas, atingindo a marca de 9.897 óbitos pela doença, e um total de 145.328 casos – uma sinalização que o vírus ganha força e faz mais vítimas fatais a cada dia em solo brasileiro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247