CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro dá dinheiro a ruralistas e corta verbas para programas de reforma agrária

O governo de Jair Bolsonaro aumenta verbas para ruralistas e decreta na prática fim da reforma agrária, zerando as dotações para os programas com essa finalidade, que tiveram corte de mais de 90% no orçamento previsto para 2021

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

247 - A proposta enviada pelo governo de Jair Bolsonaro ao Congresso de orçamento para o Incra em 2021 reduz a quase zero a verba de algumas das principais ações destinadas a sem-terra e a melhorias dos assentamentos. Por outro lado, eleva os valores para pagar a fazendeiros a título de indenizações. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa tendência, que agora se acentua, começou a se manifestar desde o governo golpista de Michel Temer. Na prática o governo de extrema direita de Bolsonaro decreta o fim da reforma agrária. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Reportagem do jornalista Ranier Bragon na Folha de S.Paulo informa que em números absolutos, o orçamento do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para 2021 reserva 66% (R$ 2,1 bilhões) da sua verba ao pagamento de precatórios, ou seja, dívidas com fazendeiros, um aumento de 22% em relação ao orçamento deste ano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em contraste com isto, programas da reforma agrária foram praticamente extintos. Assistência Técnica e Extensão Rural, Promoção de Educação no Campo e Reforma Agrária e Regularização Fundiária tiveram redução de mais de 99% de verba. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Também houve drásticos cortes nas ações de reconhecimento e indenização de territórios quilombolas, concessão de crédito às famílias assentadas e aquisição de terras: mais de 90%. O monitoramento de conflitos agrários e a pacificação no campo sofreu corte de 82% e a consolidação de assentamentos rurais, 71%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE