Bolsonaro volta a dizer que tem medo da cadeia em encontro com empresários da fé

Jair Bolsonaro também se comparou à golpista boliviana Jeanine Añez, que está presa por atentar contra a democracia

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Jeanine Áñez
Jair Bolsonaro e Jeanine Áñez (Foto: Alan Santos/PR | Reuters/Marco Bello)


247 – Jair Bolsonaro, que já cometeu dezenas de crimes de responsabilidade e está ameaçando o Brasil com um golpe de estado, por se sentir incapaz de vencer nas urnas, voltou a relatar seu medo de cadeia, num encontro com empresários da fé. No evento, ele também se comparou à golpista boliviana Jeanine Añez. 

"A líderes evangélicos, Bolsonaro também voltou a expressar preocupação com uma possível prisão caso não se reeleja. Ele relacionou os processos dos quais é alvo ao caso da ex-presidente da Bolívia Jeanine Añez, presa pelo crime de golpe de Estado. Sem citar nomes, disse ainda que tem sido chantageado e ameaçado com uma possível prisão durante o processo de escolha de ministros para tribunais superiores", escreveu o jornalista Matheus Schuch, do Valor Econômico.

Mais uma vez sem apresentar provas de fraudes no sistema eleitoral, Bolsonaro defendeu que o pleito, para ser confiável, precisa do aval dos militares, acrescentou o repórter. “Três [ministros] do TSE acreditam piamente nas pesquisas do Datafolha. Estou fazendo minha parte no tocante a isso. Estou buscando impor, via Forças Armadas, que foram convidadas, a nós termos eleições transparentes”, afirmou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247