Boulos sobre veto a Ramagem na PF: o País ainda não virou puxadinho do Vivendas da Barra

"STF suspende nomeação de Ramagem, amigo do Carluxo para diretor da PF. Sinal de que o país ainda não virou puxadinho do Vivendas da Barra", afirmou o ex-presidenciável e coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos

Guilherme Boulos
Guilherme Boulos (Foto: 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidenciável e coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, alertou para a tentativa de interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal, após o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes suspender a nomeação de Alexandre Ramagem na corporação.

"URGENTE! STF suspende nomeação de Ramagem, amigo do Carluxo para diretor da PF. Sinal de que o país ainda não virou puxadinho do Vivendas da Barra", afirmou o ativista no Twitter.

A nomeação de Ramagem causou polêmica, após o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro dizer que Bolsonaro de tentar interferir na PF. 

"Isso não é função do presidente, ficar se comunicando com Brasília para obter informações que são sigilosas. Esse é um valor fundamental que temos que preservar dentro de um Estado democrático de Direito", disse o ex-juiz em coletiva de imprensa na sexta-feira (24), quando pediu demissão após Bolsonaro exonerar Maurício Valeixo da Diretoria-Geral da PF.

Ao citar o condomínio Vivendas da Barra, o líder do MTST fez referência à moradia de Bolsonaro. De acordo com revelações feita pelo Jornal Nacional, no ano passado, um porteiro do local contou à polícia que, horas antes do assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), um dos suspeitos do crime, Élcio de Queiroz, entrou no local e afirmou que iria para a casa do então deputado Jair Bolsonaro. Os registros de presença da Câmara dos Deputados mostram que o então parlamentar estava em Brasília no dia.

Em março do ano passado foram presos dois suspeitos de serem os assassinos de Marielle: o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-militar Élcio Vieira de Queiroz. O primeiro é acusado de ter feito os disparos e o segundo de dirigir o carro que perseguiu a parlamentar. 

Lessa morava no mesmo condomínio de Bolsonaro. Outro detalhe é que Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos havia postado no Facebook uma foto ao lado de Jair Bolsonaro. Na foto, o rosto de Bolsonaro está cortado. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247