Braga Netto recua em depoimento na Câmara e nega ameaça às eleições de 2022

O ministro da Defesa negou ter feito ameaças de golpe após uma nota assinada pela pasta afirmar que as Forças Armadas não aceitarão eventual "ataques leviano às instituições". O texto foi emitido após o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz, criticar o envolvimento de militares em escândalo de corrupção na pandemia

www.brasil247.com - Ministro da Defesa, Walter Braga Netto
Ministro da Defesa, Walter Braga Netto (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)


247 - O ministro da Defesa, Braga Netto negou nesta terça (17) a deputados federais ter feito ameaças às eleições no Brasil, em julho, quando uma nota da pasta por eles e pelos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, disse que "as Forças Armadas não aceitarão ataque leviano às instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro". O teor dos relatos dele na Câmara foi publicado pelo site O Antagonista.

"Com a comunicação oficial realizada, não defendemos pessoas. Não afrontamos autoridades ou instituições. Pontuamos a necessidade de respeito à honra das Forças Armadas", disse o ministro da Defesa, a uma sessão conjunta de comissões da Câmara. 

"Não houve ameaça. Em momento algum a mensagem teve por objetivo desrespeitar o Senado ou o senadores, e nem a eles se referiu, como eu expliquei e conversei com o próprio presidente do Senado, e ele compreendeu perfeitamente. Ao contrário: foi emitida uma resposta a um pronunciamento pontual considerado desrespeitoso e injusto", complementou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A nota do Ministério da Defesa foi em resposta ao presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM). Em sessão da CPI no dia 7 de julho, o senador disse que “fazia muito tempo que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O escândalo no Ministério da Saúde envolve, entre outros militares, o ex-ministro Eduardo Pazuello e o secretário executivo da pasta, coronel Élcio Franco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Naquele dia quem prestou depoimento foi o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias, que foi preso por ordem do presidente da comissão.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email