Brasil se abstém em votação na ONU contra discriminação de mulheres na pandemia

Brasil se absteve na votação de um relatório do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas que tinha como objetivo é estabelecer parâmetros para eliminar o preconceito e criar iniciativas para reduzir os impactos da pandemia sobre as mulheres

Mulher passa por grafite do presidente Jair Bolsonaro ajustando sua máscara protetora e em forma de vírus, em meio ao surto de Covid-19 no Rio de Janeiro.
Mulher passa por grafite do presidente Jair Bolsonaro ajustando sua máscara protetora e em forma de vírus, em meio ao surto de Covid-19 no Rio de Janeiro. (Foto: REUTERS/Sergio Moraes)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Sob o governo Jair Bolsonaro, o Brasil se absteve na votação de um relatório do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU) sobre a discriminação contra mulheres e meninas. 

O documento, apresentado pelo México, tem como objetivo é estabelecer parâmetros para eliminar o preconceito e criar iniciativas para reduzir os impactos da pandemia sobre as mulheres.

O Brasil propôs mudanças no texto como a iminação do conteúdo que tratava sobre o reconhecimento de que os “indivíduos têm múltiplas identidades, atributos e comportamentos“. 

Além disso, o representante do governo Bolsonaro, Sérgio Rodrigues, também queria a exclusão do trecho que pedia aos países a garantia dos direitos das mulheres em relação à contracepção, ao aborto nos países em que há permissão legal e a programas de prevenção a gravidez e doenças sexualmente transmissíveis.

Outro ponto que a representação brasileira pediu a retirada foi do parágrafo sobre inclusão de “direitos e saúde sexual e reprodutiva, livre de coerção, discriminação e violência“. 

Em votação, nenhum dos trechos foi eliminado e, mesmo com os votos contra e as abstenções, o texto foi adotado por consenso.

Apesar do posicionamento, Sérgio Rodrigues, representante da missão permanente do Brasil junto à ONU, usou o tempo de considerações finais para dizer que a luta contra a discriminação de mulheres é uma prioridade do governo brasileiro.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247