Cade vê indícios do cartel de trens em RS e MG

Documentos apontam suspeita de corrupção em licitações da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbano), para o metrô de Belo Horizonte, no valor de R$ 172 milhões, e da Trensurb, de Porto Alegre, com custo de R$ 243 milhões, ambas em 2012 e vinculadas ao Ministério das Cidades; esquema denunciado pela Siemens incluiu empresas como a Alstom, a espanhola CAF, a japonesa Mitsui e a canadense Bombardier; em SP, investigações indicam pagamento de propina em administrações tucanas, desde a gestão de Mario Covas (1998)

Documentos apontam suspeita de corrupção em licitações da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbano), para o metrô de Belo Horizonte, no valor de R$ 172 milhões, e da Trensurb, de Porto Alegre, com custo de R$ 243 milhões, ambas em 2012 e vinculadas ao Ministério das Cidades; esquema denunciado pela Siemens incluiu empresas como a Alstom, a espanhola CAF, a japonesa Mitsui e a canadense Bombardier; em SP, investigações indicam pagamento de propina em administrações tucanas, desde a gestão de Mario Covas (1998)
Documentos apontam suspeita de corrupção em licitações da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbano), para o metrô de Belo Horizonte, no valor de R$ 172 milhões, e da Trensurb, de Porto Alegre, com custo de R$ 243 milhões, ambas em 2012 e vinculadas ao Ministério das Cidades; esquema denunciado pela Siemens incluiu empresas como a Alstom, a espanhola CAF, a japonesa Mitsui e a canadense Bombardier; em SP, investigações indicam pagamento de propina em administrações tucanas, desde a gestão de Mario Covas (1998) (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Documentos obtidos em julho do ano passado pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aponta indícios de que empresas acusadas de formar um cartel para fraudar licitações de trens em São Paulo e Brasília também praticaram irregularidades em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul.

Há suspeitas de corrupção em licitações da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbano), para o metrô de Belo Horizonte, no valor de R$ 172 milhões, e da Trensurb, de Porto Alegre, com custo de R$ 243 milhões, ambas em 2012 e vinculadas ao Ministério das Cidades.

O esquema denunciado pela Siemens incluiu empresas como a Alstom, a espanhola CAF, a japonesa Mitsui e a canadense Bombardier. Investigações apontam pagamento de propina em administrações tucanas de São Paulo, desde a gestão de Mario Covas (1998).

Leia aqui a matéria da Folha sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email