Carlos Fernando, coordenador da Lava Jato, queria "controlar a mídia de perto"

Os novos diálogos da Vaza Jato, divulgados pelo The Intercept, revelam que os procuradores da força-tarefa da Lava Jato queriam “controlar a mídia de perto”. “Vamos controlar a mídia de perto. Tenho um espaço na FSP, quem sabe possamos usar se precisar”, escreveu Carlos Fernando Santos Lima, um dos coordenadores da operação

(Foto: Reprodução/CGC)

247 - Os novos diálogos da Vaza Jato, divulgados pelo site The Intercept, revelam que os procuradores da força-tarefa da Lava Jato queriam “controlar a mídia de perto”.  “Vamos controlar a mídia de perto. Tenho um espaço na FSP, quem sabe possamos usar se precisar”, escreveu Carlos Fernando Santos Lima, um dos coordenadores da operação. 

A postagem, conforme a reportagem, foi feita em 21 de junho de 2015 no grupo FT MPF Curitiba 2, durante uma discussão na qual os procuradores debatiam a estratégia para otimizar os vazamentos seletivos de informações para intimidar suspeitos e conseguir sua colaboração por meio do mecanismo da delação premiada  (leia mais no Brasil 247)

O trecho no qual Santos Lima diz ser preciso “controlar a imprensa”, vem na esteira de postagem feita por Deltan Dallagnol, também coordenador da operação, que tratava da colaboração dos Estados Unidos em apoio à Lava Jato. “Amanhã cooperação com EUA pro Bernardo é manchete do Estadão”, postou Dallagnol. “Confirmado”, escreveu em seguida. “Tentei ler, mas não deu. Amanhã vejo. Vamos controlar a mídia de perto. Tenho um espaço na FSP, quem sabe possamos usar se precisar”, respondeu Carlos Fernando em seguida.

A informação vazada virou manchete do Jornal O Estado de S. Paulo no dia seguinte à troca de mensagens revelada pelo The Intercept Brasil. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247