Carol Proner: ao prender Temer, Lava Jato tenta mudar o foco e se reerguer

"Prisão inesperada" de Michel Temer, afirma a jurista, "vem num momento em que a Lava Jato está precisando de ampla visibilidade midiática"; ela lembra que a "operação está sendo conduzida com ampla cobertura da imprensa", a fim de dar um "ar de espetáculo muito grande"; "A prisão de Temer, por espetaculosa, por inverter a presunção de inocência, obedece a interesses dos procuradores de Curitiba e tira um pouco o foco dessa ofensiva contra a Lava Jato", avalia; assista

Carol Proner: ao prender Temer, Lava Jato tenta mudar o foco e se reerguer
Carol Proner: ao prender Temer, Lava Jato tenta mudar o foco e se reerguer

247 - A professora de Direito Internacional da UFRJ e fundadora da rede Juristas pela Democracia, Carol Proner, avalia a "prisão inesperada" de Michel Temer, executada nesta quinta-feira 21 pela força-tarefa da Operação Lava Jato, vem num momento em que a equipe de Curitiba precisa recuperar o apoio da opinião pública, uma vez que está em baixo, em meio ao inquérito do Supremo Tribunal Federal sobre os ataques de procuradores e outras pessoas à corte e a perda de credibilidade do ex-juiz federal e agora ministro da Justiça do governo Bolsonaro, Sergio Moro, antigo garoto-propaganda da operação.

"Nós temos claramente uma ação da Operação Lava Jato, na minha avaliação, tentando se reerguer nesse momento de absoluta fragilidade pela revelação do modus operandi totalmente anti-soberano. A prisão vem num momento em que eles está precisando de ampla visibilidade midiática", avalia, lembrando que "essa operação está sendo conduzida com ampla cobertura da imprensa".

Carol observa o "ar de espetáculo muito grande nessa prisão". "Apesar de ser o Michel Temer, que merece todo o nosso repúdio por tudo o que fez ao País e à democracia brasileira, tem que se tomar cuidado, porque [a prisão] não parece ter os atributos jurídicos de sustentação, algo que pode tornar essa prisão absolutamente reversível", diz ainda.

"A prisão de Temer, por espetaculosa, por inverter a presunção de inocência - no sentido de que ele que tem que fazer prova, enquanto deveria ser o contrário - obedece a interesses dos procuradores de Curitiba, e tira um pouco o foco dessa ofensiva contra a Lava Jato", acrescenta.

Em outro aspecto da análise, a professora afirma ainda que a prisão "fortalece o Moro, que está muito desmoralizado, não só porque ele assumiu como ministro do governo Bolsonaro, mas como também porque, depois de ter entrado nesse governo, não conduziu com o mesmo ímpeto persecutório e justiceiro contra os seus - os membros da família do Bolsonaro".

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista, que fala também sobre as iniciativas contra a prisão do ex-presidente Lula:

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247