Centrais sindicais fazem campanha de ajuda a Manaus

As principais centrais sindicais do país começaram uma campanha de arrecadação de recursos entre as suas entidades filiadas. Em pouco mais de uma hora, foram arrecadados R$ 100 mil para comprar oxigênio

Centrais sindicais
Centrais sindicais (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Para ajudar a amenizar a situação dramática em que Manaus se encontra, com pacientes de Covid-19 morrendo sem oxigênio por causa da incompetência do governo Bolsonaro, as principais centrais sindicais do país começaram uma campanha de arrecadação de recursos entre as suas entidades filiadas.

Participam da iniciativa CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros), CUT (Central Única dos Trabalhadores), Força Sindical, UGT (União Geral de Trabalhadores), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) e Nova Central. Em pouco mais de uma hora, foram arrecadados R$ 100 mil para comprar oxigênio.

“Neste momento tão triste, é importante que todas as pessoas, empresas e entidades do país façam o possível para ajudar nossos irmãos de Manaus, já que o governo Bolsonaro não fez e continua não fazendo a sua parte para salvar vidas. Pelo contrário, por causa da sua incompetência e do seu negacionismo, só o que esse governo trágico faz é causar mais mortes e sofrimento”, disse Antonio Neto, presidente da CSB.

A compra do oxigênio deve ser feita via Venezuela, por ser mais perto e mais rápido. A quantidade de cilindros dependerá do valor arrecadado. A expectativa é que consigam enviá-los no começo da semana.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email