Centrais sindicais pressionam Maia a pôr em votação auxílio emergencial e manter valor de R$ 600

O governo Bolsonaro articula com seus aliados no Congresso Nacional para que a MP que reduz o valor do auxílio emergencial para R$ 300 não seja apreciada. Já as centrais sindicais exigem que o presidente da Câmara ponha em votação e mantenha o valor de R$ 600

(Foto: Sintratel)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As centrais sindicais lançam na próxima semana campanha para colher assinaturas e pressionar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a colocar em votação a Medida Provisória 1.000, que estende o auxílio emergencial até dezembro.

As centrais exigem também que o valor do auxílio seja mantido em R$ 600. Para os sindicatos, manter os 600 reais é bom para o cidadão, para a economia e para o Brasil. E dão o recado ao presidente da Câmara: "Coloca o auxílio emergencial pra votar, Maia!"

É o presidente da Câmara quem tem a prerrogativa de estabelecer a pauta de votações. 

A luta sindical e da oposição é pela discussão do texto e para que o valor, que o governo reduziu para R$ 300 seja elevado para R$ 600.

O governo trabalha para que a MP expire sem ser apreciada, porque a sua vigência corresponde ao prazo de extensão do programa (120 dias), informa o Painel da Folha de S.Paulo. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email