Com Bolsonaro-Moro, apenas 35% da verba para construir e reformar presídios foi liberada

A baixa taxa de aplicação coloca o primeiro ano da gestão Jair Bolsonaro, com Sérgio Moro como ministro da Justiça e Segurança, como o pior desde 2016

Penitenciária federal de segurança máxima de Brasília.
Penitenciária federal de segurança máxima de Brasília. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O discurso do governo Jair Bolsonaro sobre segurança pública exclui a construção e reforma de presídios. O governo aplicou apenas 35% do dinheiro do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), usado para reformas e construções no sistema carcerário do país, no ano passado.

A baixa taxa de aplicação coloca o primeiro ano da gestão Jair Bolsonaro, com Sérgio Moro como ministro da Justiça e Segurança, como o pior desde 2016.

A informação foi publicada no jornal O Estado de S. Paulo a partir do levantamento baseado nos dados dos sistemas do governo extraídos pela ONG Contas Abertas.

Segundo os dados, enquanto rebeliões em presídios pipocaram no país, em que somente no Pará e Amazonas deixaram 112 detentos mortos, o caixa do governo tinha R$ 912,5 milhões para aplicar na construção e reformas, mas até 31 de dezembro só R$ 322 milhões foram executados.

O governo justificou a não aplicação dos investimentos ao não cumprimento dos critérios por parte dos estados.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247