Com caravana, Lula se blinda contra perseguição

Ao mergulhar no povo brasileiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera todas as pesquisas sobre sucessão presidencial, busca um antídoto contra a caçada judicial a que vem sendo submetido; por isso, a caravana de Lula pelo Nordeste do País, onde irá conversar diretamente com a população, terá um papel crucial contra a perseguição a Lula promovida por parte do Judiciário

Lula no Rio
Lula no Rio (Foto: Giuliana Miranda)

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder em todas as pesquisas de intenção de voto para o Planalto em 2018, prepara-se para uma nova caravana pelo Nordeste do País.

Para o repórter especial e colunista do Valor Raymundo Costa, a viagem de Lula pelos rincões do Brasil, entrando em contato direto com o povo e ouvindo seus problemas, pode ajudar o petista a se blindar contra as perseguições judiciais. 

Nessa primeira fase, o "Projeto Lula pelo Brasil" deve ter a duração de 20 dias, começa pela Bahia e termina no Maranhão. Em 1994, Lula e o PT subestimaram o Plano Real e não se deram conta a tempo do enorme apoio popular a um projeto que acabou com o flagelo da superinflação e levou Fernando Henrique para o Palácio do Planalto, logo no primeiro turno. Desta vez o PT e Lula sabem muito bem com o que estão lidando. Tanto que a nova caravana de Lula tem por objetivos "reforçar a popularidade" do ex-presidente no Nordeste - região que assegurou as sucessivas reeleições do PT -, mas também, nas palavras de um dirigente, "criar uma base social para blindar a candidatura Lula".

O que ameaça a candidatura Lula são os seis processos. O ex-presidente foi condenado na ação que diz respeito ao tríplex do Guarujá. Em princípio, basta que a segunda instância da Justiça Federal confirme a decisão do juiz Sergio Moro para Lula ficar inelegível, nos termos da Lei da Ficha Limpa. Mas sempre haverá algum expediente - como o efeito suspensivo da sentença - capaz de devolver Lula à disputa. É para isso que serve a tal "base social para blindar a candidatura". No mínimo o PT terá criado um grande constrangimento: Lula não seria candidato por ser culpado da prática de crimes, mas por uma manobra dos adversários que temem a sua eleição.

(...)

Mas não é um Lula fiscalista que deve emergir da caravana. A ideia é dizer que o povo voltará a ter crédito para consumir. Ele tem sido aconselhado e avalia dizer que uma de suas primeiras providências no governo será derrubar a PEC do teto dos gastos, pois ela impediria qualquer programa de recuperação social, do ponto de vista petista. Somente assim seria possível investir mais em saúde e educação. O ex-presidente também pode modular o discurso sobre a regulamentação da mídia, falar a mesma coisa de maneira mais facilmente perceptível pela população. Aliás, até Rui Falcão, ex-presidente do PT e um dos principais defensores da medida, acha que Lula pode ser mais suave ao falar da regulação.

Como acontecia em 1994, agora Lula está novamente preocupado em não assustar a classe média."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247