Com Janot fora da PGR, Cunha promete a 'delação do fim do mundo'

Ex-deputado Eduardo Cunha, condenado no âmbito da Operação Lava Jato, deverá tentar fechar um novo acordo de delação premiada com a equipe da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge; proposta, porém, só deverá ser apresentada após os cinco investigadores que faziam parte da equipe do ex-procurador geral Rodrigo Janot deixarem o grupo de trabalho; delação de Cunha é considerada como altamente explosiva,podendo implodir de vez o governo Michel Temer, já que implicaria diretamente os ministros da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, além do próprio Temer e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que atuaram e se beneficiaram do golpe parlamentar que depôs a presidente Dilma em 2016

Ex-deputado Eduardo Cunha, condenado no âmbito da Operação Lava Jato, deverá tentar fechar um novo acordo de delação premiada com a equipe da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge; proposta, porém, só deverá ser apresentada após os cinco investigadores que faziam parte da equipe do ex-procurador geral Rodrigo Janot deixarem o grupo de trabalho; delação de Cunha é considerada como altamente explosiva,podendo implodir de vez o governo Michel Temer, já que implicaria diretamente os ministros da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, além do próprio Temer e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que atuaram e se beneficiaram do golpe parlamentar que depôs a presidente Dilma em 2016
Ex-deputado Eduardo Cunha, condenado no âmbito da Operação Lava Jato, deverá tentar fechar um novo acordo de delação premiada com a equipe da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge; proposta, porém, só deverá ser apresentada após os cinco investigadores que faziam parte da equipe do ex-procurador geral Rodrigo Janot deixarem o grupo de trabalho; delação de Cunha é considerada como altamente explosiva,podendo implodir de vez o governo Michel Temer, já que implicaria diretamente os ministros da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, além do próprio Temer e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que atuaram e se beneficiaram do golpe parlamentar que depôs a presidente Dilma em 2016 (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-deputado Eduardo Cunha, condenado no âmbito da Operação lava Jato, deverá tentar fechar um novo acordo de delação premiada com a equipe da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge. A proposta, porém, só deverá ser apresentada após os cinco investigadores que faziam parte da equipe do ex-procurador geral Rodrigo Janot deixarem o grupo de trabalho.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, Cunha deseja o afastamento do promotor Sérgio Bruno, que faz parte da equipe de transição além de quatro outros investigadores. Todos eles devem deixar o cargo nos próximos 30 dias.
Segundo interlocutores, Cunha pretende usar este período para aditivar o conteúdo da delação visando tornar a proposta de um acordo mais atrativa para a PGR.

A equipe de Janot, porém, já havia destacado que os novos anexos da delação propostos pelo ex-parlamentar visavam atingir os inimigos políticos e desafetos, poupando os amigos e aqueles que ele consideraria que lhe foram leais.

A delação de Cunha é considerada como altamente explosiva, uma vez que poderia implodir de vez o governo Michel Temer devido ao teor das denúncias com potencial para envolver diretamente o núcleo do governo do peemedebista.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247