Com o fim do auxílio emergencial, governo Bolsonaro levará quase 70 milhões de brasileiros à pobreza

Mais 16 milhões de pessoas se somarão ao total de pobres no Brasil depois que Jair Bolsonaro acabar com o auxílio emergencial em dezembro. No cenário menos pessimista, cerca de 70 milhões de brasileiros viverão na pobreza, com menos de R$ 522,50 ao mês

Filas para recebimento do auxílio emergencial
Filas para recebimento do auxílio emergencial (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Brasil ampliará em pelo menos 16 milhões o total de pessoas pobres, quando o auxílio emergencial pago aos mais vulneráveis terminar por decisão de Jair Bolsonaro, no final de 2020.

O contingente de “novos pobres” ampliará para quase um terço os brasileiros, ou quase 70 milhões de pessoas, que passarão a viver com menos de R$ 522,50 ao mês, em média. O valor representa menos de meio salário mínimo. 

O fim do auxílio emergencial aumentará o total de pobres de 23,6% (50,1 milhões de pessoas) para cerca de 31% (66,2 milhões), aponta reportagem do jornalista Fernando Canzian na Folha de S.Paulo.

Na hipótese mais otimista, o Brasil voltaria, em termos de pobreza, ao mesmo patamar de antes da pandemia, segundo projeções da FGV Social a partir dos microdados da PnadC (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) e da PNAD Covid, do IBGE.

Mesmo que o governo Jair Bolsonaro supere as imensas dificuldades que tem se apresentado para criar um programa de ajuda aos mais pobres a partir de 2021, seu substituto deverá ser muito menor que o auxílio emergencial.

O aumento da pobreza deve afetar mais as regiões Nordeste e Norte. Para que a pobreza não aumente tanto, a economia e o emprego teriam de passar por uma recuperação muito forte, com impactos positivos sobre a renda, algo fora da maioria das previsões.

Mas as estimativas não são otimistas a esse respeito. A expectativa do mercado é que o PIB (Produto Interno Bruto) em 2021 cresça cerca de 3,5%, numa recuperação que não  compensará a queda de 5% previstos para este ano.

Já as previsões para o emprego são bastante pessimistas, com a taxa de desocupação oscilando entre 17% e 19% no início do ano que vem.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247