Contra tudo e todos, Gilmar banca doações

Ministro do STF sinalizou, nesta quinta-feira, que não tem o menor interesse em fechar a torneira do financiamento empresarial de campanhas, que alimenta, há décadas, a corrupção no Brasil; "Se esse modelo que se desenha for adotado no processo eleitoral, já é uma encomenda de laranjal", disse hoje Gilmar Mendes, que indicou que o pedido de vista era necessário; Gilmar ignora apelos de entidades da sociedade civil, como a OAB, de Marcus Vinícius Coêlho, a CUT, de Vagner Freitas, e a CNBB, de Leonardo Steiner, assim como seus próprios colegas de tribunal, que já decidiram a questão por 6 votos a 1; fim do financiamento privado só não foi implementado porque Gilmar engaveta o caso há mais de um ano

Ministro do STF sinalizou, nesta quinta-feira, que não tem o menor interesse em fechar a torneira do financiamento empresarial de campanhas, que alimenta, há décadas, a corrupção no Brasil; "Se esse modelo que se desenha for adotado no processo eleitoral, já é uma encomenda de laranjal", disse hoje Gilmar Mendes, que indicou que o pedido de vista era necessário; Gilmar ignora apelos de entidades da sociedade civil, como a OAB, de Marcus Vinícius Coêlho, a CUT, de Vagner Freitas, e a CNBB, de Leonardo Steiner, assim como seus próprios colegas de tribunal, que já decidiram a questão por 6 votos a 1; fim do financiamento privado só não foi implementado porque Gilmar engaveta o caso há mais de um ano
Ministro do STF sinalizou, nesta quinta-feira, que não tem o menor interesse em fechar a torneira do financiamento empresarial de campanhas, que alimenta, há décadas, a corrupção no Brasil; "Se esse modelo que se desenha for adotado no processo eleitoral, já é uma encomenda de laranjal", disse hoje Gilmar Mendes, que indicou que o pedido de vista era necessário; Gilmar ignora apelos de entidades da sociedade civil, como a OAB, de Marcus Vinícius Coêlho, a CUT, de Vagner Freitas, e a CNBB, de Leonardo Steiner, assim como seus próprios colegas de tribunal, que já decidiram a questão por 6 votos a 1; fim do financiamento privado só não foi implementado porque Gilmar engaveta o caso há mais de um ano (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes sinalizou nesta quinta-feira 16 que não pretende desengavetar a ação que pediu vista há mais de um ano e que prevê o fim do financiamento de empresas a campanhas eleitorais. Ele disse hoje que se esse modelo for adotado no processo eleitoral, haverá um "laranjal".

A declaração foi feita durante uma aula inaugural do início do ano letivo do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB), do Senado. "Se esse modelo que se desenha for adotado no processo eleitoral, já é uma encomenda de laranjal", disse o ministro.

No dia 2 de abril de 2014, o ministro pediu vista do julgamento da Ação Direita de Inconstitucionalidade (Adin), apresentada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que já estava decidida por 6 votos a 1 pelo fim do financiamento privado de campanhas. Questionado se o pedido de vista não estava se sobrepondo à vontade da maioria da corte, o ministro indicou que essa era uma prática necessária:

"A rigor, o pedido de vista é extremamente importante no tribunal. Muitas vezes o tribunal decide em um sentido e percebemos que o correto estava no voto vencido. Me arrependo amargamente de não ter pedido vista no julgamento dos precatórios, porque produzimos um desastre naquela decisão", opinou.

PUBLICIDADE

Ao manter a interrupção do julgamento, Gilmar ignora apelos feitos por entidades da sociedade civil, como a OAB, presidida por Marcus Vinícius Coêlho, a CUT, de Vagner Freitas, e a CNBB, do secretário-geral Leonardo Steiner. Na última terça-feira 14, o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, se encontrou com Gilmar para pedir que seja dado andamento no caso.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email