Coronavírus: por melhores condições, detentos iniciam rebelião em presídio de Manaus

Segundo familiares de presos, a rebelião é para exigir melhores condições dentro do presídio, em meio à retirada de direitos e a tensão causada pela pandemia do coronavírus

(Foto: Carolina Diniz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Detentos da Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), em Manaus, se rebelaram na manhã deste sábado, 2, e fizeram reféns sete agentes penitenciários, segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). A UPP está superlotada, com cerca de 1.079 presos. Segundo familiares de presos, a rebelião é para exigir melhores condições dentro do presídio, em meio à retirada de direitos e a tensão causada pela pandemia do coronavírus.

Acompanhando de fora do presídio, parentes dos detentos comunicaram ao G1 que é possível ouvir, em dias comuns, gritos pedindo água e comida. Além disso, desde o dia 13 de março, todos os presídios do Amazonas estão com visitas suspensas. Além disso, a Seap descobriu um túnel que estava sendo cavado para tentar fugir do presídio.

No estado, dois detentos já testaram positivo para o coronavírus. Um dos casos foi confirmado no Centro de Detenção Provisória I e outro em uma cadeia de Parintins, no interior.

“As tensões são muito elevadas. Se a situação piorar, ela pode ficar incontrolável e o Sistema Prisional do Amazonas, apesar das intervenções Federais que acontecem também não apresentarem uma situação muito favorável em respeito à segurança. Acho que um reflexo da pandemia seria um motim”, afirmou o sociólogo e pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará (UFC), Ítalo Lima.

Estão atuando no local o Grupo de Intervenção Penitenciária (GIP), forças de segurança da Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros.

Em maio do ano passado, durante um massacre que matou 55 detentos em diferentes presídios da capital, seis dos mortos estavam presos na Unidade do Puraqueqara.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247