Cunha diz que veto a reajuste do Judiciário deve ser mantido

Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse acreditar que o Congresso Nacional manterá o veto da presidente Dilma Rousseff ao reajuste de até 78,6% para o Poder Judiciário; sessão do Congresso que discutiria o assunto foi adiada na madrugada desta quarta-feira (23) sem que os parlamentares chegasem a uma definição sobre o tema

Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse acreditar que o Congresso Nacional manterá o veto da presidente Dilma Rousseff ao reajuste de até 78,6% para o Poder Judiciário; sessão do Congresso que discutiria o assunto foi adiada na madrugada desta quarta-feira (23) sem que os parlamentares chegasem a uma definição sobre o tema
Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse acreditar que o Congresso Nacional manterá o veto da presidente Dilma Rousseff ao reajuste de até 78,6% para o Poder Judiciário; sessão do Congresso que discutiria o assunto foi adiada na madrugada desta quarta-feira (23) sem que os parlamentares chegasem a uma definição sobre o tema (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quarta-feira acreditar que o veto da presidente Dilma Rousseff ao reajuste do Judiciário deve ser mantido pelo Congresso.

Sessão do Congresso para análise de vetos presidenciais foi adiada na madrugada desta quarta-feira sem que os parlamentares decidissem sobre o veto ao reajuste de 78,6 por cento para servidores do Judiciário.

(Reportagem de Leonardo Goy)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247