Dados desmentem Bolsonaro e comprovam aumento do desmatamento da Amazônia

De acordo com levantamento feito pelo Uol Confere, o desmatamento acelerou na casa dos 67% somente durante a gestão Bolsonaro.

Madeireira ao lado de área com vegetação ainda nativa, preservada, no município de Santarém.
Madeireira ao lado de área com vegetação ainda nativa, preservada, no município de Santarém. (Foto: ALBERTO C…SAR ARA⁄JO)

247 - Jair Bolsonaro disse que inha "convicção" que os dados sobre desmatamento na Amazônia divulgados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que apontou aumento de 88% da devastação na região em junho se comparado ao mesmo período do ano passado.

Em seu autoritarismo habitual, Bolsonaro questionou o então diretor do instituto, Ricardo Galvão, por meio da imprensa. “A questão do Inpe, eu tenho a convicção que os dados são mentirosos”, disse Bolsonaro.

Galvão rebateu e reafirmou a credibilidade científica dos dados. O mal-estar levou a exoneração de Ricardo Galvão do cargo em 2 de agosto.

De acordo com levantamento feito pelo Uol Confere, os dados do Inpe estão corretos. A informação é baseada nos dados do Deter (Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real), subsidiado pelo Inpe, e disponibilizados na plataforma online TerraBrasilis, também desenvolvida pelo instituto, que mostram que, de fato, o desmatamento acelerou na casa dos 67% somente durante este ano.

"Os dados divulgados por Galvão não só se mantêm como seguem em uma crescente", destaca a reportagem, que aponta que depois de três anos de queda, o desmatamento voltou a subir na Amazônia no último ano, impulsionado em especial pelos meses mais recentes de 2019.

"Só neste ano, estima-se que o desmatamento na região aumentou em 67,2% se comparado ao mesmo período do ano passado. Julho foi o mês mais dispare até então, com uma alta de 278% em relação ao mesmo período de 2018", enfatiza.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247