Daniel Silveira passou 80 dias preso em quartel da PM e se livrou da Lei da Ficha Limpa através de licenças médicas

O deputado passou 80 dias preso entre 2013 e 2017, quando era soldado da PM. Ele empilhou licenças médicas no processo, que poderia ter resultado na sua ilegibilidade conforme a Lei da Ficha Limpa. O documento cita "atrasos e faltas" e a gravação e postagem de vídeos ofensivos durante ações de patrulhamento

Daniel Silveira
Daniel Silveira (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que disparou ameaças de violência contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, já foi preso quando era soldado da Polícia Militar (PM).

Conforme revelado por Sérgio Ramalho, do Intercept, Silveira passou 80 dias preso entre 2013 e 2017 no quartel da PM do Rio de Janeiro.

O deputado tentou se livrar do processo administrativo disciplinar "empilhando" licenças médicas. Se o processo tivesse sido levado até o fim, Silveira estaria enquadrado na Lei da Ficha Limpa, o que resultaria na sua inelegibilidade.

As informações constam no Boletim Interno da Polícia Militar nº 45, de 4 de outubro de 2018.

Segundo o texto, “os atos praticados pelo soldado revelam atitudes incompatíveis com a condição de policial militar", como "atrasos e faltas aos serviços" e a gravação e postagem de vídeos ofensivos durante ações de patrulhamento. 

Apesar das reprimendas, o deputado apenas terminou o vínculo com a PM quando se tornou candidato.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email