Delação da OAS pode ser preparativo para eventual prisão de Lula

Acusação feita por Léo Pinheiro de que o ex-presidente Lula o teria orientado a destruir provas pode ser um preparativo para a prisão daquele que, num cenário de normalidade democrática, seria eleito presidente; isso porque a acusação de obstrução judicial é um dos motivos usados para justificar eventual prisão preventiva; segundo a Vox Populi, Lula hoje seria eleito no primeiro turno; pesquisa Ibope também mostrou que Lava Jato melhorou a condição eleitoral de Lula, uma vez que os principais presidenciáveis tucanos foram atingidos pelas delações da Odebrecht

Acusação feita por Léo Pinheiro de que o ex-presidente Lula o teria orientado a destruir provas pode ser um preparativo para a prisão daquele que, num cenário de normalidade democrática, seria eleito presidente; isso porque a acusação de obstrução judicial é um dos motivos usados para justificar eventual prisão preventiva; segundo a Vox Populi, Lula hoje seria eleito no primeiro turno; pesquisa Ibope também mostrou que Lava Jato melhorou a condição eleitoral de Lula, uma vez que os principais presidenciáveis tucanos foram atingidos pelas delações da Odebrecht
Acusação feita por Léo Pinheiro de que o ex-presidente Lula o teria orientado a destruir provas pode ser um preparativo para a prisão daquele que, num cenário de normalidade democrática, seria eleito presidente; isso porque a acusação de obstrução judicial é um dos motivos usados para justificar eventual prisão preventiva; segundo a Vox Populi, Lula hoje seria eleito no primeiro turno; pesquisa Ibope também mostrou que Lava Jato melhorou a condição eleitoral de Lula, uma vez que os principais presidenciáveis tucanos foram atingidos pelas delações da Odebrecht (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 -O empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro, nesta quinta-feira (20), no âmbito da ação penal que envolve um triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo, e que tem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como um dos réus.

Leo Pinheiro disse a Moro que que foi orientado Lula a destruir provas que pudessem incriminá-lo na Operação Lava Jato. "Eu tive um encontro com o ex-presidente, em junho, tenho isso anotado na minha agenda, são vários encontros, onde o presidente [Lula] textualmente me fez a seguinte pergunta: 'Léo, o senhor fez algum pagamento a João Vaccari no exterior?' Eu disse: 'Não, presidente, nunca fiz pagamento a essas contas que nós temos com Vaccari no exterior'. 'Como você está procedendo os pagamentos para o PT?' Através do João Vaccari. Estou fazendo os pagamentos através de orientações do Vaccari de caixa 2, de doações diversas que nós fizemos a diretórios e tal'. 'Você tem algum registro de algum encontro de contas feita com João Vaccari com vocês? Se tiver, destrua'", relatou o empresário. 

A declaração de Leo Pinheiro ocorre pode ser um preparativo para a prisão daquele que, num cenário de normalidade democrática, seria eleito novamente presidente. Isso porque a acusação de obstrução judicial é um dos motivos usados para justificar eventual prisão preventiva.

Outro fato que põe em xeque a revelação do empresário é que, mesmo antes de prestar o depoimento, a imprensa já sabia o que ele falaria (leia mais). 

Segundo a Vox Populi, Lula hoje seria eleito no primeiro turno (leia aqui). Pesquisa Ibope também mostrou que Lava Jato melhorou a condição eleitoral de Lula, uma vez que os principais presidenciáveis tucanos foram atingidos pelas delações da Odebrecht (leia aqui). 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247