Deltan recorre ao STF em processos que podem afastá-lo da Lava Jato

O procurador da República Deltan Dallagnol recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar se manter à frente da Operação Lava Jato em Curitiba. Ele luta contra dois processos do Conselho Nacional do Ministério Público que podem tirá-lo da operação devido às irregularidades que cometeu

Deltan Dallagnol
Deltan Dallagnol (Foto: Brasil 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O julgamento das ações contra Deltan Dallagnol no Conselho Nacional do Ministério Público está agendado para a próxima terça-feira (18). 

O procurador pode ser punido por sua conduta irregular relacionada com a publicação nas redes sociais e atitudes de promoção pessoal. 

Os dois processos disciplinares contra Deltan foram apresentados pelos senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Katia Abreu (PP-TO). Calheiros acusa Deltan de tentar influenciar as eleições para a presidência do Senado no ano passado ao publicar tuítes críticos ao emedebistas. Por sua vez, Katia Abreu questionou o acordo firmado pela Lava Jato Paraná com a Petrobrás para destinar R$ 2,5 bilhões recuperados pela operação e que seriam geridos por uma fundação dos procuradores.

Deltan Dallagnol recorreu dos dois processos ao STF, alegando que não tem outra alternativa e pede que a Corte trave o julgamento dos casos, ‘no determinando o seu trancamento. 

O julgamento dos processos contra Deltan está agendado para o próximo dia 18 e o grupo favorável ao afastamento do procurador já conta com ao menos seis dos 11 votos do Conselho Nacional do Ministério Pùblico, informa o Estadão

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247