Desacreditada, Lava Jato tenta se redimir partindo para cima do PSDB. Aécio está na mira

Desacreditada e pressionada por inúmeras ilegalidades cometidas no passado recente, a operação Lava Jato tenta se reinventar partindo para cima - pelo menos aparentemente - do PSDB. Serra, Alckmin e Aécio se tornaram réus e direção do partido ainda hesita em punir caciques

(Foto: Lula Marques/Agência PT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A operação Lava Jato tenta se desvencilhar da montanha de ilegalidades que já erodiram por completo a sua credibilidade perante a opinião pública. A saída para os pretensos ex-heróis foi eleger um novo foco: os tucanos. 

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca, com cifras de melodrama, a atual situação da operação que devastou a economia brasileira: “se nos primeiros anos da Lava Jato as investigações da Polícia Federal eram criticadas por não atingirem alvos do PSDB, hoje a operação e seus desdobramentos avançam sobre os três políticos que disputaram eleições presidenciais pelo partido desde 2002.

A matéria ainda lembra que “nomes ligados ao PSDB de São Paulo, como Paulo Vieira de Souza, o suspeito de operar para o partido conhecido como Paulo Preto, já apareciam na Operação Castelo de Areia, anulada em 2011 pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). No entanto, investigações sobre a cúpula tucana só avançaram após a delação da Odebrecht, homologada em 2017. Os primeiros baques significativos que o partido sofreu aconteceram em Minas Gerais em 2015 e 2016, quando o PSDB era um dos bastiões de defesa da Lava Jato em manifestações e no Congresso.”

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247