Desmatamento na Amazônia cresce 20% entre agosto de 2018 e abril de 2019

Pará, Mato Grosso e Amazonas foram os três estados da região da Amazônia Legal que registraram os maiores desmatamentos, de agosto do ano passado até abril deste ano; o número é 20% maior que aquele apurado de agosto de 2017 a abril do ano passado

Desmatamento na Amazônia cresce 20% entre agosto de 2018 e abril de 2019
Desmatamento na Amazônia cresce 20% entre agosto de 2018 e abril de 2019 (Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil  - Pará, Mato Grosso e Amazonas foram os três estados da região da Amazônia Legal que registraram os maiores desmatamentos, de agosto do ano passado até abril deste ano.

No Pará, o desmatamento atingiu a área de 787 quilômetros quadrados, que corresponde a quase 79 mil campos de futebol. Mato Grosso perdeu 502 quilômetros quadrados de cobertura florestal e Amazonas, 353 quilômetros quadrados.

No total, durante os nove meses monitorados, o desmatamento atingiu 2 mil 169 quilômetros quadrados, ou 217 mil campos de futebol.

O número é 20% maior que aquele apurado de agosto de 2017 a abril do ano passado.

Já a degradação florestal, que é relacionada ao corte seletivo das árvores ou às queimadas, somaram 102 quilômetros quadrados. Sendo que o estado de Roraima concentra 86% dessa área.

O levantamento mostra, ainda, o quanto as chuvas intensas podem evitar o desmatamento.

Em abril de 2018, os nove estados da Amazônia Legal perderam, juntos, 217 quilômetros quadrados de florestas. No mês passado, a área desmatada foi 10% menor, com 195 quilômetros quadrados.

De acordo com o Sistema de Alerta do Desmatamento, o motivo foi o período prolongado de chuvas intensas agora, em 2019.

Os dados, divulgados nessa segunda-feira (27), foram coletados por pesquisadores brasileiros que fazem parte do Imazon, um instituto nacional sem fins lucrativos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247