Dilma antecipa retorno e passa o dia sem compromissos oficiais

A presidente Dilma Rousseff antecipou a volta de Nova York ao Brasil e já está em Brasília; ela participou da assinatura de acordo sobre mudanças climáticas na sexta-feira (22), na sede na Organização das Nações Unidas (ONU), e a previsão era que ela partisse de Nova York neste sábado, com chegada à Brasília após as 23h; Dilma, no entanto, desembarcou na Base Aérea da capital por volta de 11h40, e passará o dia no Palácio da Alvorada, sem compromissos oficiais

A presidente Dilma Rousseff antecipou a volta de Nova York ao Brasil e já está em Brasília; ela participou da assinatura de acordo sobre mudanças climáticas na sexta-feira (22), na sede na Organização das Nações Unidas (ONU), e a previsão era que ela partisse de Nova York neste sábado, com chegada à Brasília após as 23h; Dilma, no entanto, desembarcou na Base Aérea da capital por volta de 11h40, e passará o dia no Palácio da Alvorada, sem compromissos oficiais
A presidente Dilma Rousseff antecipou a volta de Nova York ao Brasil e já está em Brasília; ela participou da assinatura de acordo sobre mudanças climáticas na sexta-feira (22), na sede na Organização das Nações Unidas (ONU), e a previsão era que ela partisse de Nova York neste sábado, com chegada à Brasília após as 23h; Dilma, no entanto, desembarcou na Base Aérea da capital por volta de 11h40, e passará o dia no Palácio da Alvorada, sem compromissos oficiais (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Yara Aquino - repórter da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff antecipou a volta de Nova York ao Brasil e já está em Brasília. Dilma participou da cerimônia da assinatura de acordo sobre mudanças climáticas, ontem (22), na sede na Organização das Nações Unidas (ONU), e a previsão era que ela partisse de Nova York hoje (23) com chegada a Brasília após as 23h. A presidenta, no entanto, desembarcou na Base Aérea da capital por volta de 11h40 e passará o dia no Palácio da Alvorada, sem compromissos oficiais.

Enquanto Dilma esteve fora do Brasil, o vice-presidente Michel Temer assumiu a Presidência da República.

Na manhã de ontem, Dilma assinou na ONU o Acordo de Paris, que visa a combater os efeitos das mudanças climáticas e reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Ao discursar na ONU, a presidenta citou a crise política brasileira ao dizer que o Brasil vive um "grave momento". No fim de seu discurso, Dilma disse que a sociedade brasileira soube vencer o autoritarismo, construir a democracia e saberá "impedir retrocessos".

Mais tarde, a presidenta concedeu entrevista coletiva a jornalistas estrangeiros e depois a veículos brasileiros e voltou a falar sobre política. Dilma se disse vítima e injustiçada com o processo de impeachment, relatou que vai se esforçar "muito" para convencer os senadores de que não cometeu crime de responsabilidade e voltou a dizer que há um golpe em curso no país. "Dizer que não é golpe é tapar o sol com a peneira."

Perguntada pelos jornalistas sobre a repercussão internacional que o tema está provocando, Dilma contou que recebeu solidariedade de alguns presidentes que lhe desejaram "força".

A presidenta ainda sugeriu que o Mercosul e a União dos Países Sul-Americanos (Unasul) avaliem o processo de impeachment contra ela no Congresso Nacional.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247