Dilma: Bolsonaro terá que ser julgado pelas mortes que vier a causar

A ex-presidente Dilma Rousseff condenou a postura de Jair Bolsonaro, que travou uma batalha ideológica contra a vacina chinesa CoronaVac, proibindo o ministério da Saúde em adquirir 46 milhões do imunizante. Em sua visão “por ignorância e fanatismo ideológico, Bolsonaro ameaça a vida da população brasileira”

Dilma Rousseff, Bolsonaro e Coronavac
Dilma Rousseff, Bolsonaro e Coronavac (Foto: Brasil 247 | GOVSP | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ex-presidente Dilma Rousseff usou suas redes sociais nesta quarta-feira (21) para condenar a postura de Jair Bolsonaro, que travou uma batalha ideológica contra a vacina chinesa CoronaVac, proibindo o ministério da Saúde em adquirir 46 milhões de doses do imunizante. 

Dilma declarou que “é Bolsonaro que tem feito o povo de cobaia, ao incentivar o uso de remédio inócuo contra a Covid19 e perigoso pelos efeitos colaterais. Agora, atenta contra o conhecimento e a civilização, ao anunciar que vai vetar o uso da primeira vacina disponível contra a doença”

“Por ignorância e fanatismo ideológico, Bolsonaro ameaça a vida da população brasileira. Interditando o uso de uma vacina, será responsável pelas mortes que vierem a ocorrer pela falta de prevenção. Terá de ser julgado por isso”, acrescentou Dilma. 

Além da ex-presidente, parlamentares e governadores como João Doria (PSDB-SP), Flávio Dino (PCdoB-MA) e Camilo Santana (PT-CE) também rechaçaram a guerra ideológica de Bolsonaro contra a CoronaVac. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247