Dilma: Moro, o "boxeador", não pode continuar impune

"Os processos contra Lula devem ser anulados. Foram as ações ilegais de Moro e da Lava Jato, com a interdição de Lula, que criaram o ambiente propício à eleição de um presidente de índole neofascista", escreveu Dilma no Twitter

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ex-presidente Dilma Rousseff comentou nesta segunda-feira no Twitter a declaração do ex-juiz Sergio Moro que afirmou, em entrevista à GloboNews, que tratou o ex-presidente Lula como adversário num ringue de boxe.

Para a ex-presidente, a fala de Moro é um sincericídio, que confessa a parcialidade do ex-juiz. Ela também ressalta que a perseguição contra Lula promovida por Moro e pela Lava Jato é responsável pela eleição de Jair Bolsonaro.

"Moro não pode continuar impune. Um juiz não pode ser adversário do réu, caso contrário não é juiz. Um juiz não pode perseguir o réu, do contrário não é juiz. Um juiz não pode criar um ringue de luta contra o réu. Moro abdicou da magistratura para ser um perseguidor, um “boxeador”e um inimigo de Lula. A  metáfora que usou em entrevista é mais uma prova, é uma confissão pública, um sincericídio, que desnuda a infâmia praticada por ele contra a justiça de nosso País. Os processos contra Lula devem ser anulados. Urge reconhecer a inocência de Lula. Foram as ações ilegais de Moro e da Lava Jato, com a interdição de Lula, que criaram o ambiente propício à eleição de um presidente de índole neofascista", escreveu Dilma.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email