Em apenas 2 meses, Exército paga 167% a mais por quilo de insumo da cloroquina sem contestação

Laboratório do Exército Brasileiro (LQFEx) comprou dois lotes de insumos para a fabricação de cloroquina de uma empresa mineira por um valor 167% mais alto do que havia pago apenas dois meses antes. Contratos mais caros tiveram um custo de R$ 782,4 mil e não foram contestados

Cloroquina
Cloroquina (Foto: REUTERS/George Frey)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Laboratório do Exército Brasileiro (LQFEx) comprou dois lotes de insumos para a fabricação de cloroquina de uma empresa mineira por um valor 167% mais elevado do que havia pago apenas dois meses antes. Segundo reportagem da CNN Brasil, os contratos mais caros tiveram um custo de R$ 782,4 mi. 

Na ocasião, os valores cobrados não foram contestados pelo Exército, que só pediu explicações à Sul Minas Suplementos e Nutrição e Sul de Minas Ingredientes, pertencente ao grupo Sul Minas, após o Tribunal de Contas da União (TCU) abrir uma investigação para apurar o caso. 

De acordo com a reportagem, a empresa forneceu em março deste 300 kg de difosfato de cloroquina, a base do remédio que vem sendo usado contra a Covid-19 apesar de não haver comprovação científica de sua eficácia, por R$ 488 o quilo do insumo. 

Em maio, a mesma empresa teria vendido 600 kg do produto cobrando R$ 1.304 pelo quilo comercializado, alegando que o material era importado da Índia e os preços haviam subido no mercado internacional.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247